Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis

8.228 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.228
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
149
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis

  1. 1. PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE FILMES PLÁSTICOS DE POLIETILENO Gestão de Qualidade Emanoel Carvalho e Maria Emilia| Antônio Augusto| Universidade Estadual da Paraíba UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO E CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA GESTAO DE QUALIDADE PROFESSOR: ANTONIO AUGUSTO
  2. 2. ORDEM DO PROCESSO Adição da Matéria Prima Extrusão Impressão
  3. 3. ORDEM DO PROCESSO Laminaç ão Rebonina deira Corte e Solda
  4. 4. ADIÇÃO DA MATÉRIA PRIMA • O processo de produção de uma embalagem plástica flexível é iniciado pela adição da matéria-prima principal que é o polietileno. • Este polietileno em estado inicial granulado é derretido em altas temperaturas que posteriormente com auxílio de um jato de ar é formado o filme plástico com abertura interna. O polietileno (ou polieteno) tem fórmula geral (CH2- CH2)n, é um polímero de alta produção mundial e economicamente viável, daí o porquê de seu uso em larga escala.
  5. 5. EXTRUSÃO • Extrusão é o processo em que as resinas poliméricas são fundidas pela aplicação de calor e pressão e forçada a passar através de uma abertura (matriz) acuradamente dimensionada para a produção em caráter contínuo com geometria definidas como é o caso da extrusão balão (blow) utilizado para produção de filmes soprados.
  6. 6. EXTRUSÃO • A massa fundida proveniente do cabeçote da extrusora passa pela matriz enquanto o ar comprimido é injetado pelo centro da mesma fazendo com que o tubo proveniente desta matriz circular seja expandido para a forma de balão tubular com paredes mais finas. A quantidade de ar introduzida no balão determina o diâmetro final e, consequentemente, a largura do filme desejado além de influir na sua espessura. • Ainda na EXTRUSÃO, pode-se adicionar pigmento a matéria-prima tornando-o colorido conforme o desejado. • Antes do término do processo de EXTRUSÃO, o filme plástico pode sofrer um tratamento (Tratamento Corona) para receber posteriormente a impressão. O tratamento corona consiste no uso de uma descarga elétrica contínua de alta voltagem e alta frequência, que aumenta a umectabilidade da superfície de materiais plásticos em diversas formas permitindo a aderência de outros materiais.
  7. 7. IMPRESSÃO • Flexografia - um método de impressão rotativa direta que utiliza chapas de fotopolímero resiliente com uma imagem em relevo para transferir a tinta ao filme a fim de dar acabamento e imagem à embalagem.
  8. 8. LAMINAÇÃO • Quando a embalagem necessita de propriedades superiores, tais sejam elas mecânicas ou de barreira, utiliza-se um processo denominado laminação. “A laminação nada mais é do que a união de dois ou mais substratos” Para a obtenção do filme de estrutura laminada é necessário unir os filmes que irão compor a estrutura. Neste processo para obtenção do laminado, um adesivo especial é aplicado no lado interno de uma das camadas.
  9. 9. LAMINAÇÃO Após a aplicação do adesivo, o filme passa por uma estufa para secagem e completa evaporação dos solventes (esta etapa somente para adesivo com solvente, no caso de solventless não se utiliza solvente). Uma calandra ou nip de laminação aquecida prensa o filme impregnado com o adesivo com o filme de apoio, laminando a estrutura.
  10. 10. LAMINAÇÃO • Uma grande vantagem dos laminados é a possibilidade de associação de diversos materiais de propriedades diferentes em uma única estrutura, cada uma com sua característica particular, ampliando grandemente as possibilidades de aplicações.
  11. 11. REBOBINADEIRA • O rebobinamento faz parte do processo final de acabamento. A bobina "mãe" é desbobinada e cortada de acordo com dimensões personalizadas para cada produto. Todas as bobinas utilizadas nas máquinas automáticas de empacotamento, tem a necessidade de um perfeito bobinamento e alinhamento lateral. A bobina a ser processada é alinhada eletronicamente por um cabeçote fotoelétrico. O filme passa por cortes programados de acordo com larguras pré-definidas, onde as extremidades são refiladas. O filme é rebobinado
  12. 12. CORTE E SOLDA • O corte-solda e o refile fazem parte dos processos finais de acabamento. Este processo é responsável pela transformação do filme impresso em sacos. A bobina a ser processada é alinhada e dobrada no conjunto desbobinador. O filme é puxado pelos rolos tracionadores recebendo o sinal de registro da fotocélula para comandar a parada da puxada e ação do cabeçote de selagem. Este cabeçote possui uma lâmina aquecida que baixa sobre o
  13. 13. FI M

×