ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ
Habilitação Engenharia de Alimentos
DQA 102 – Cinética química Aplicada
Assuntos Transversais
Ma...
DQA 102 – Cinética química aplicada
Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal
Mapas mentais: uma ...
DQA 102 – Cinética química aplicada
Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal
Mapas mentais: uma ...
DQA 102 – Cinética química aplicada
Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal
Mapas mentais: uma ...
DQA 102 – Cinética química aplicada
Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal
Mapas mentais: uma ...
DQA 102 – Cinética química aplicada
Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal
Mapas mentais: uma ...
DQA 102 – Cinética química aplicada
Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal
Mapas mentais: uma ...
DQA 102 – Cinética química aplicada
Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal
Mapas mentais: uma ...
DQA 102 – Cinética química aplicada
Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal
Mapas mentais: uma ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mapas mentais

317 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mapas mentais

  1. 1. ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ Habilitação Engenharia de Alimentos DQA 102 – Cinética química Aplicada Assuntos Transversais Mapas mentais: uma introdução Edison Paulo De Ros Tríboli São Caetano do Sul Agosto de 2004
  2. 2. DQA 102 – Cinética química aplicada Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal Mapas mentais: uma introdução Triboli, Edison Paulo De Ros Mapas mentais: uma introdução / Edison Paulo De Ros Triboli. — São Caetano do Sul : Escola de Engenharia Mauá, 2004. 7 p. Apostila — Escola de Engenharia Mauá, São Caetano do Sul, 2004. 1. Mapas mentais 2. Memorização 3. Técnica de estudo 4. Criatividade 5. Brainstorming I. Escola de Engenharia Mauá. II. Título.
  3. 3. DQA 102 – Cinética química aplicada Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal Mapas mentais: uma introdução 1 MAPAS MENTAIS 1 Definição Mapa mental ou memograma é uma ferramenta de organização de idéias por meio de palavras-chave, cores e imagens em uma estrutura que se irradia a partir de um centro. Os desenhos de mapas mentais favorecem o aprendizado e, conseqüentemente, melhoram a produtividade pessoal. O conceito de mapa mental foi desenvolvido por Tony Buzan, em Londres, na última década de 70. Estima-se que essa ferramenta seja usada por mais de 100 milhões de pessoas, nos diversos continentes. As experiências humanas são muito ricas em informações: imagens, sons, emoções e sensações diversas. O meio mais comum para a apropriação dessas vivências são as palavras. Seu uso pressupõe a compreensão do código da linguagem. Entretanto, a transformação de experiências em frases com sentido exige uma seqüência linear de exposição de idéias. Se essa forma é a adequada para o registro lógico das informações, nem sempre é a melhor maneira de articular o conhecimento de forma sistêmica. Os desenhos de mapas mentais permitem a percepção dos vários elementos que compõem o todo, com seus desdobramentos e suas relações, tirando proveito do fato de que a mente humana lida de forma muito eficiente com imagens organizadas. Tudo em uma única estrutura, portanto, de forma integrada. Assim, da mesma forma que ferramentas em geral auxiliam na execução de atividades físicas, mapas mentais auxiliam a inteligência, ampliando a capacidade de raciocinar sistemicamente, ajudando a percepção simultânea “da floresta e das árvores”, permitindo a atenção segmentada e a preservação das relações com o todo. 2 Aplicações Os mapas mentais podem ser usados em qualquer situação que apresente uma estrutura de relações. Seu uso desenvolve a habilidade de organizar e aplicar conhecimentos. Sua estrutura favorece a liberdade de pensamento e, conseqüentemente, a criatividade. Outro benefício importante é que os mapas mentais explicitam o não-saber, ou seja, evidenciam com precisão os elementos que faltam em sua estrutura. Com isso seu usuário fica alertado para buscar e completar as informações que ainda faltam para completar a compreensão do sistema. A título de exemplo, mapas mentais são úteis para brainstorming, solução de problemas, tomadas de decisão e estudo de qualquer assunto. O aprendizado é, fundamentalmente, uma experiência de construção de sentido. A experiência pode ser individual ou coletiva, entretanto, o aprendizado é exclusivamente individual. Além disso, o aprendizado é uma conseqüência e não uma ação. Realiza-se uma série de atividades: trabalhos, leituras, discussões, reflexões e tem-se, como resultado, o aprendizado. A elaboração de mapas mentais como diagramas auxiliares de construção de sentido pode facilitar bastante o aprendizado.
  4. 4. DQA 102 – Cinética química aplicada Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal Mapas mentais: uma introdução 2 3 Como fazer um mapa mental A grande virtude de um mapa mental está em sua estrutura, que permite uma visão instantânea das informações e de suas relações. Sua construção é muito simples e fundamenta-se em três conceitos: irradiação de idéias, hierarquia e fluxo. A irradiação de idéias consiste em associar idéias relacionadas entre si, de forma análoga ao conceito de hipertexto, usado na Internet. Ou ainda, para fazer uma analogia com a natureza, as idéias são organizadas de forma semelhante aos galhos de uma árvore, ou ramificações de neurônios. Hierarquia consiste em estabelecer uma ordem de importância para o assunto considerado, e fluxo consiste no desdobramento do assunto em seus detalhes. O uso de palavras-chave devidamente organizadas e articuladas em uma estrutura reduz drasticamente a quantidade de informação necessária, se comparada com as palavras necessárias para dar sentido a um texto. Por fim, é conveniente o uso de cores e ilustrações, pois essa estratégia oferece mais informações de apoio à memória do que o simples uso monocromático de linhas e palavras. A título de ilustração será mostrado um mapa mental hipotético das atividades de uma aluna universitária. Em primeiro lugar define-se o tópico central e os assuntos principais, que ocuparão o primeiro nível. Atividades Faculdade Inglês Academia Estudo Lazer Estágio Carro Figura 1. Tópico central e primeiro nível de um mapa mental de atividades de uma aluna universitária Em seguida, os assuntos são desdobrados para o segundo nível hierárquico de acordo com o fluxo dos assuntos, como mostram as Figuras 2 e 3.
  5. 5. DQA 102 – Cinética química aplicada Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal Mapas mentais: uma introdução 3 Atividades Faculdade Inglês Academia Estudo Lazer Estágio Mensalidade Alimentação Cópias Livros Cinema Teatro Baladas Mensalidade Livros Mensalidade Carro Rodízio Carta de habilitação Documentos Combustível Lavagem completa Seguro Grupo de estudo Carro Carro Carro Roupa Carro Exame médico Carteira de estudante Mochila Individual Grupo Crachá Comer Barzinho Figura 2. Desdobramento do mapa mental das atividades em seu nível secundário 4 Como usar um mapa mental Para um mapa já existente e elaborado por outra pessoa, a primeira orientação a seguir é a de não querer entender tudo de uma vez. Portanto, o mapa deve ser observado por partes. Em primeiro lugar, o tópico central. Depois os tópicos de primeiro nível, para que se possam construir as relações com o tópico central. Depois os tópicos de segundo nível e assim por diante, em um verdadeiro movimento de vai-e-volta, até que toda a estrutura fique assimilada e compreendida. Como recurso de aprendizagem, a partir de um conteúdo deve-se elaborar um mapa mental. Para fixar o conhecimento deve-se fazer uma revisão crítica no mapa, verificando se a hierarquia e o fluxo dos tópicos estão adequados. O próximo passo é usar o mapa elaborado com alguma finalidade prática. Isso ajuda na automatização do acesso ao conhecimento organizado. Por fim, apresentar e explicar o mapa para alguém é uma estratégia muito eficaz para a memorização de seu conteúdo. Ao final do processo, a informação desejada, bem como suas articulações, estarão instantaneamente disponíveis na memória para uso correto e fácil. A Figura 4 mostra um exemplo de mapa mental organizado para o estudo de um tema. As figuras têm como objetivo facilitar a memorização do assunto.
  6. 6. DQA 102 – Cinética química aplicada Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal Mapas mentais: uma introdução 4 Atividades Faculdade Inglês Academia Estudo Lazer Estágio Mensalidade Alimentação Cópias Livros Cinema Teatro Baladas Mensalidade Livros MensalidadePagar até dia 10 Cantina Quiosque Ângela Fora Shopping Rudge Ramos São Caetano Centro Acadêmico Outro lugar Livraria do Campus Outra livraria Carro Rodízio Carta de habilitação Documentos Combustível Lavagem completa Seguro Ducha Pressão nos pneus Água Nível do óleo Radiador Reservatório Grupo de estudo Carro Carro Carro IPVA Licenciamento Seguro Obrigatório até 31 de agosto terça-feira Roupa Carro Exame médico vale por 6 meses fazer na academia Carteira de estudante Mochila Roupa de ginástica Tênis Toalha Troca de roupas Necessaire Escova de cabelo Escova de dentes Pasta dental Fio dental Desodorante Creme hidratante Sabonete Shampoo Condicionador Janeiro Fevereiro Março Janeiro 28 psi todos 30 psi estepe vence em 2010 Individual Grupo Biblioteca Cadernos Calculadora Sala Computador Cadernos Livros Canetas Calculadora Papel para rascunho Lanche Som Internet Impressora Crachá Comer Pizzaria Lanchonete Cantina Restaurante Barzinho Trabahos Listas de exercícios ver Estudo Figura 3. Mapa mental das atividades desenvolvido até o quarto nível
  7. 7. DQA 102 – Cinética química aplicada Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal Mapas mentais: uma introdução 5 Principais modos de perda de qualidade Deterioração microbiana Senescência Deterioração química Patogênicos Deteriorantes Alimento Composição pH Aw Eh Tratamento Calor Frio Secagem Irradiação Pasteurização Refrigeração Congelamento Esterilização Tecidos "in natura" Vegetais Animais Reações enzimáticas normais Envelhecimento Escurecimento não enzimático Oxidação de lipídeos Perda de vitaminas Alteração de cor Alterações sensoriais Curva de crescimento X inicial Vel. específica de cresc. máxima Possibilidade de produzir toxina X máx tolerada Reações complexas Composto redutor (aldose ou hexose) e grupo amino Pigmentos escuros Sabor amargo Perda de solubilidade e digestibilidade de proteínas Perda de sabor e odor característico (envelhecimento) Velocidade Lenta Rápida Temp. baixa Umidade baixa e muito alta (enlatados) Temp. superior a 35 °C Umidade intermediária Ácido graxo insaturado e oxigênio Mecanismo complexo Aldeídos, cetonas, ácidos e álcoois Odor desagradável Radicais livres Proteínas Pigmentos Vitaminas Peróxidos Alimentos desidratados e congelados Reduz valor nutricional Possibilidade de ação judicial Mecanismos Hidrólise Fotólise Calor Ácido Oxidação direta (oxigênio) Reacões de oxirredução Vitamina C - mais frágil Alta temperatura Alta umidade Pigmentos hidro ou lipossolúveis Processo natural durante processamento e armazenagem Tonalidade indesejável Quando é impossível identificar a transformação responsável Painelistas Escala hedônica de 9 pontos Qualidade percebida = nota atribuída = "Concentração" de atributo Modo de deterioração = perda de qualidade sensorial Deterioração física Transformações químicas causam alterações físicas Propriedade física = índice de qualidade Cinética: alteração de propriedade com o tempo Deterioração enzimática Alterações Cinética Cor Sabor Textura Atividade Inativação pelo calor pH Temperatura Aw Não conformidade com rótulo Figura 4. Exemplo de mapa mental de um texto sobre modos de perda de qualidade em alimentos
  8. 8. DQA 102 – Cinética química aplicada Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal Mapas mentais: uma introdução 6 5 Benefícios Segundo Vilela (2002b), o benefício de maior impacto obtido pelo uso regular de mapas mentais é a melhoria da estrutura do pensamento: “Estamos acostumados a formas de pensar lineares”, em um modelo de causa e efeito. “O convívio com mapas mentais nos ensina a estrutura chamada de pensamento radiante, baseado em possibilidades, alternativas, múltiplos aspectos, níveis. Mudar a forma de pensar nesse nível impacta significativamente a capacidade da pessoa, conduzindo-a a habilidades e modelos mentais mais ricos e com isso enriquecendo e aperfeiçoando suas escolhas. Como estamos escolhendo a cada momento, mesmo que não tenhamos consciência disso, nossa qualidade de vida acaba sendo afetada — primeiro a interior, e como reflexo a exterior — para melhor”.(VILELA, 2002b). 6 Mais informações Para aprofundar o conhecimento sobre mapas mentais recomenda-se o acesso ao seguinte sítio: www.mapasmentais.com.br. Para elaborar mapas mentais com auxílio de um programa específico (existem vários), recomenda-se o seguinte sítio: www.mindmapper.com. O programa pode ser testado por 30 dias. Referências VILELA, V. V. Introdução aos mapas mentais: uma ferramenta de organização, aprendizado e produtividade. Versão 2.1, nov. 2002. Disponível em: http:// www.mapasmentais.com.br. Acesso em 17 de julho de 2004. VILELA, V. V. Mapas mentais na escola: como usar essas ferramentas de pensamento e organização para maior efetividade. Brasília: nov. 2002. Disponível em: http:// www.mapasmentais.com.br. Acesso em 17 de julho de 2004. THOMAS, D. Como melhorar a memória. São Paulo: Publifolha, 2003. Série Sucesso Profissional. Vida pessoal. Agradecimentos e depoimento Agradeço ao Thiago por ter ido até minha sala e reclamar que os professores deveriam ajudar aos alunos mostrando ferramentas de produtividade pessoal como, por exemplo, mapas mentais, e ao Glauber, por haver me indicado o sítio sobre mapas mentais na Internet. Por conta da intimação do Thiago e da dica do Glauber fui verificar o que eram mapas mentais e dei-me conta que eram desenhos, esquemas de estudo, e que eu já os utilizara muito em minha vida de estudante. Somente não sabia que tinham este belo nome.
  9. 9. DQA 102 – Cinética química aplicada Assunto Transversal: técnica para aumento de produtividade pessoal Mapas mentais: uma introdução 7 Posso dizer que, com essa técnica, desmistifiquei, para mim, a química no ensino médio. E, talvez como conseqüência disso, sempre tive bom desempenho em química...e isso acabou definindo a escolha da profissão (obviamente que outros fatores também foram relevantes, mas ter facilidade, “entender” e gostar de química foi decisivo). Lembro também que, por duas ocasiões na pós-graduação, em disciplinas complicadas, dei-me o trabalho de esmiuçá- las em vários esquemas (mapas mentais) até que entendi o assunto. A nota foi dez, nas duas. Portanto, ao dar-me conta disso, entendi que deveria fazer o que Thiago sugeriu. Esta é minha contribuição. Na Figura 5, apresento uma aplicação de mapas mentais para o planejamento de um texto. Texto Definição Aplicações Como fazer um MM Mais informações Software Internet Irradiação de idéias Hierarquia Fluxo Organização Aplicação Saber e não-saber Criatividade Tudo que tenha estrutura Aprendizado Mapa mental = memograma Articulação das partes Raciocínio sistêmico LinguagemComo usar um MM Não olhar tudo de uma vez Tópico central Primeiro nível Segundo nível Terceiro nível etc. Depoimento Uso sem saber Organizou a química Definiu profissão Desempenho em provas Agradecimento Thiago Gláuber Histórico Exemplos de aplicações Cores Ilustrações Estrutura Hipertexto Galhos Neurônios Palavras-chave Referências Publifolha Apostilas Exemplo de MM para planejar texto Benefícios Estrutura do pensamento Pensamento radiante Figura 5. Esquema para a elaboração do texto dessa apostila com auxílio de um mapa mental

×