Aula 15 a sociedade em rede manuel castells

1.511 visualizações

Publicada em

A sociedade em rede.

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.511
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
96
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 15 a sociedade em rede manuel castells

  1. 1. Teorias da Comunicação A Sociedade em Rede Prof. Ms. Elizeu N. Silva
  2. 2. A Sociedade em Rede A invenção do alfabeto, por volta de 700 a.C., constitui-se num importante avanço tecnológico conceitual que serviu de base para o desenvolvimento da filosofia ocidental e da ciência. O alfabeto preencheu a lacuna entre o discurso oral e o escrito, permitindo separar o que é falado de quem fala. Contudo, a alfabetização como fenômeno generalizado só se tornará realidade muitos séculos mais tarde, após a invenção da imprensa e a fabricação do papel. 2
  3. 3. A Sociedade em Rede No Ocidente, o alfabeto permitiu o desenvolvimento da infraestrutura mental que deu origem à comunicação cumulativa, baseada em conhecimento. A nova ordem alfabética, embora permitisse o discurso racional, separou a comunicação escrita do sistema audiovisual de símbolos e percepções tão importantes para expressar a mente humana. 3
  4. 4. A Sociedade em Rede A revanche do audiovisual ocorre somente no século XX, primeiro com o surgimento do cinema e do rádio, e depois, mais plenamente, por meio da televisão. Outra transformação tecnológica de dimensões históricas está em curso atualmente: a integração de vários modos de comunicação em uma rede interativa. 4
  5. 5. A Sociedade em Rede No presente, está em gestação uma nova forma de comunicação baseada em hipertexto e metalinguagem. Pela primeira vez na história, um mesmo sistema é capaz de integrar comunicação humana nas modalidades escrita, oral e audiovisual. A integração potencial de texto, imagens e sons no mesmo sistema – interagindo a partir de pontos múltiplos, no tempo escolhido (real ou atrasado) em uma rede global, em condições de acesso aberto e de preço acessível – muda de forma fundamental o caráter da comunicação. 5
  6. 6. A Sociedade em Rede Nossos sistemas de crenças e códigos historicamente produzidos estão sendo transformados de maneira fundamental pelo novo sistema tecnológico e o serão ainda mais com o passar do tempo. Um novo sistema eletrônico de comunicação caracterizado pelo alcance global, integração de todos os meios de comunicação e interatividade potencial está mudando e mudará para sempre a nossa cultura. 6
  7. 7. A Sociedade em Rede “A nova mídia determina uma audiência segmentada, diferenciada. Já não é mais uma audiência de massa [no sentido clássico]. A nova mídia não é mais mídia de massa no sentido tradicional do envio de um número limitado de mensagens a uma audiência homogênea de massa. Devido à multiplicidade de mensagens e fontes, a própria audiência torna-se mais seletiva. A audiência tende a escolher suas mensagens, aprofundando a segmentação da sociedade e intensificando o relacionamento individual entre o emissor e o receptor”. Françoise Sabbah. 7
  8. 8. A Sociedade em Rede “Existe a evolução de uma sociedade de massa a uma sociedade segmentada, resultante das novas tecnologias de comunicação, que enfocam a informação especializada, diversificada, tornando a audiência cada vez mais segmentada por ideologias, valores, gostos e estilos de vida”. Youichi Ito. No novo sistema de mídia, a mensagem é o meio. Ou seja, as características da mensagem moldarão as características do meio. 8
  9. 9. A Sociedade em Rede A constelação da internet A internet é a espinha dorsal da comunicação global mediada por computadores (CMC). Na Era da Informação, as diversas possibilidades proporcionadas pela internet fazem dela o principal meio de comunicação interativo universal – via computador. 9
  10. 10. A Sociedade em Rede A internet tem tido um índice de penetração mais veloz que qualquer outro meio de comunicação na história. • Rádio precisou de 30 anos para formar uma base de 60 milhões de usuários nos EUA; • TV alcançou o mesmo patamar com 15 anos de existência; • Internet ultrapassou este número em apenas 3 anos desde que foi criada. 10
  11. 11. A Sociedade em Rede Diferentemente dos outros meios, os consumidores da internet são também produtores de conteúdos. São eles que dão forma à teia. Atualmente, milhões de usuários do mundo inteiro produzem conteúdos sobre todo o espectro da cultura humana (política, religião, artes, sexo etc). Uma parte considerável das comunicações que acontecem na rede surge espontaneamente – ou seja, não dependente da planificação dos escritórios de mídia e de conteúdo. 11
  12. 12. A Sociedade em Rede A forma Word Wide Web (www) é de uma rede flexível, formada por redes dentro da internet, onde instituições, empresas, associações e pessoas físicas criam os próprios espaços e os disponibilizam como base para que outros indivíduos se sirvam dos conteúdos na construção de novas páginas web baseadas em colagens de textos e imagens. O preço a pagar por uma participação tão diversa e difundida é deixar que a comunicação espontânea e informal prospere simultaneamente. Constituem, desta forma, o embrião da sociedade interativa. 12
  13. 13. A Sociedade em Rede Trata-se de um fenômeno recente demais para que a pesquisa tenha tido oportunidade de identificar claramente as consequências e os desdobramentos desse tipo de interação social. Ainda não está claro o grau de sociabilidade possível nas redes eletrônicas e nem as consequências culturais dessa nova forma de sociedade. 13
  14. 14. A Sociedade em Rede Barry Wellman: “As comunidades virtuais não precisam se opor às comunidades físicas. São formas diferentes de comunidade, com leis e dinâmicas específicas, que interagem com outras formas de comunidade”. A rede é especialmente apropriada para a geração de laços fracos múltiplos. Os laços fracos são úteis no fornecimento de informações e na abertura de novas oportunidades a baixo custo. 14
  15. 15. A Sociedade em Rede Nesse sentido, a internet pode contribuir para a expansão dos vínculos sociais numa sociedade que parece estar passando por uma rápida individualização e uma ruptura cívica. Verifica- se, presentemente, sólidas demonstrações de solidariedade entre pessoas ligadas por “laços fracos”. As comunidades virtuais são, para todos os efeitos, comunidades. No entanto, não seguem os modelos de comunicação e interação típicos das comunidades físicas. Isso não significa, porém, que não sejam reais. 15
  16. 16. A Sociedade em Rede São redes sociais interpessoais, em sua maioria baseadas em laços fracos, diversificadíssimas e especializadíssimas. Segundo Wellman, “não são imitações de outras formas de vida, mas têm sua própria dinâmica”. • Não existem pela inexistência de outras formas de sociabilidade. 16
  17. 17. A Sociedade em Rede • Reforçam a tendência de “privatização da sociabilidade” – ou seja, reconstrução das redes sociais ao redor do indivíduo, o desenvolvimento de comunidades pessoais, tanto fisicamente quanto online. Luís Mauro Sá Martino: A comunicação virtual criou um suplemento à vida real. Os sites comerciais deram origem à economia virtual. 17
  18. 18. A Sociedade em Rede A facilidade de contato e comunicação provida pelas redes alteraram a vida fora da tela – não existem barreiras entre as relações sociais reais e as relações virtuais. A internet permitiu a supressão do espaço. A ideia de comunidade não está mais vinculada à proximidade geográfica e ganha nova forma de construção a partir do encontro de indivíduos virtualizados. 18
  19. 19. A Sociedade em Rede Fazer parte de uma comunidade virtual significa se reunir ao redor de polos de atração referentes a gostos, preferências, ideias e atitudes. As barreiras econômicas e culturais ainda existem, no entanto têm impacto muito menor hoje (no contexto da internet) do que há 30 anos. Nas comunidades virtuais as relações sociais se constroem unicamente através da comunicação. Nelas, o indivíduo está a um click de pessoas com as mesmas ideias e atitudes. 19
  20. 20. A Sociedade em Rede As redes sociais funcionam, de modo geral, a partir do engajamento mútuo de seus participantes. Esse engajamento não precisa necessariamente ser contínuo; aliás, uma das características das redes sociais é seu caráter relativamente fluído, no qual os vínculos podem se reorganizar conforme demandas, fluxos e situações. Podem se fortalecer ou enfraquecer. 20
  21. 21. A Sociedade em Rede Bibliografia CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 7ª edição, São Paulo, ed. Paz e Terra, 2003 MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria da comunicação: ideias, conceitos e métodos. 5ª edição, Petrópolis, ed. Vozes, 2014. 21

×