Aula 06 arte medieval o gótico

973 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
973
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 06 arte medieval o gótico

  1. 1. Arte e EstéticaAula 6 – Arte Medieval O Gótico Prof. Ms. Elizeu N. Silva
  2. 2. Arte Medieval – o GóticoEm um aspecto particularmente o homem ocidental sempre sedestacou do oriental: ele nunca aceitou passivamente oscânones. O Ocidente jamais conheceu a imobilidade. Aocontrário, sempre demonstrou espírito irrequieto esuficientemente ousado para experimentar novas soluções enovas ideias.No século XII, mudanças no pensamento filosófico e nascondições socioeconômicas propiciam o surgimento de umnovo homem – e consequentemente, uma nova arte.
  3. 3. Arte Medieval – o GóticoA tradução de escritos de Aristóteles levam à rejeição dopensamento platônico então predominante. Passa-se daabstração às sensações; da valorização do mundo dasideias, à valorização do mundo sensível.São Tomás de Aquino (1225–1274):• “Deus gosta de todas as coisas, pois cada uma delas está em harmonia com a sua essência”.• “Tudo o que existe é bom, por participar do ser de Deus. O mal é a ausência de uma perfeição devida e a essência do mal é a privação ou ausência do bem”.
  4. 4. Arte Medieval – o Gótico• Anteriormente, a crença na transcendência absoluta de Deus (de inspiração platônica) envolvia, necessariamente, uma depreciação da natureza.• Esse Deus transcendente e inacessível atendia aos interesses da aristocracia românica do primeiro estágio da Idade Média.• No entanto, um Deus presente e que agia em todas as instâncias da natureza, que surge no período gótico, corresponde a um mundo mais liberal em que a possibilidade de ascensão social não está totalmente descartada.
  5. 5. Arte Medieval – o Gótico• Na arte e em outros campos da existência, observa-se um certo equilíbrio entre liberdade e restrição (imposta pela igreja).• A depreciação da natureza, como expressão do mundo sensível, em face da superioridade da transcendência celestial (metafísico) dá lugar ao interesse pela natureza como fonte de traços de sua personalidade e reflexo de seus sentimentos.• São Francisco de Assis (1182–1226) reconhece os seres da natureza como “irmãos”, em uma nova possibilidade de amor/afeto que se harmoniza perfeitamente com as ideias liberais do período.
  6. 6. Arte Medieval – o GóticoTodas as coisas expressam, cadauma à sua maneira, a naturezadivina, e assim, também possuemvalor e significado para a arte.• Giotto de Bondone (1266– 1337) humaniza a figura dos santos e introduz elementos banais em sua pintura. Antecipa, desta forma, uma visão humanista do mundo, que irá se firmando até o Renascimento.
  7. 7. Arte Medieval – o GóticoA arquitetura das igrejas é umaimportante expressão da estéticagótica. As antigas igrejasromânicas, consideradaspesadas e arcaicas já no séculoXII, logo foram substituídas porconstruções mais ousadas edinâmicas. Basília de Saint-Sernin. Toulouse. Inaugurada em 1096. Catedral de Notre-Dame. Construída em Paris entre os anos 1163 e 1345, em estilo gótico.
  8. 8. Arte Medieval – o GóticoAs grandes catedrais do final do século XII e início do XIII emsua maioria foram concebidas em escala tão imponente earrojada que praticamente nenhuma foi concluídaexatamente como projetada. Ao longo da construção, quefacilmente avançava além dos 100 anos, inúmerasalterações eram incorporadas – fossem pela aquisição denovos conhecimentos técnicos ou por novas concepçõesestéticas e filosóficas.
  9. 9. Arte Medieval – o GóticoAs novas catedrais davam aos fiéis o vislumbre de um mundodiferente. Eles ouviriam falar, em sermões e cânticos, daJerusalém Celestial com seus portões de pérolas, suas joias deincalculável preço, suas ruas de ouro puro e cristal transparente(Apocalipse cap. XXI). Essa visão agora descera do Céu à Terra etornara-se acessível a todos.As paredes das igrejas góticas não eram frias e intimidativas.Eramformadas de vitrais polícromos, que refulgiam como rubis eesmeraldas.
  10. 10. Arte Medieval – o GóticoTudo o que era pesado, terreno e trivial foi eliminado. Entreguesà contemplação de toda essa beleza, os fiéis podiam sentir queestavam mais próximos de entender os mistérios de um reinoimaterial.
  11. 11. Arte Medieval – o Gótico
  12. 12. Arte Medieval – o GóticoO artista gótico não estavamais preocupado com abeleza clássica deproporção, equilíbrio eharmonia. Começa ainteressar-se pela expressãodos sentimentos humanos.Esculturas na Catedral de Chartres, França. Construída entre 1145 e 1260.
  13. 13. Arte Medieval – o GóticoPinturas e esculturas fazem referência direta a personagense passagens bíblicas. Em conjunto, elas formam umaconsubstanciaçâo dos ensinamentos da Igreja. Morte da Virgem. Catedral de Estrasburgo, Alemanha. Por volta de 1230.
  14. 14. Arte Medieval – o GóticoA arte gótica se opõe radicalmente à abstração estereotipadado período românico. Interessa-se, agora, inteiramente peloser e pelas características únicas dos indivíduos.Observa-se facilmenteo esforço do artistapara expressar ossentimentos, aansiedade, o medo, abondade, a devoção,de suas figuras. Esculturas na Catedral de Chartres, França. Construída entre 1145 e 1260.
  15. 15. Arte Medieval – o GóticoA mudança essencial é que a arte unilateralmente espiritualdo começo da Idade Média, que rejeitava toda imitação darealidade diretamente vivenciada e toda confirmação pelossentidos, deu lugar a uma arte que faz toda validade deafirmação, mesmo acerca de matérias sobrenaturais, ideais edivinas, depender da realização de uma absolutacorrespondência com a realidade sensível natural.Desta forma, todo o relacionamento entre Espírito e Naturezafoi alterado.
  16. 16. Arte Medieval – o Gótico
  17. 17. Arte Medieval – o Gótico
  18. 18. BibliografiaFERNÁNDEZ, A.; BARNECHEA, E.; HARO, J. Historia del arte.Barcelona, Ed. Vicens-Vives, 1998GOMBRICH, E H. A história da arte. 16. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. São Paulo,Martins Fontes, 2000VENTURI, Lionello. História da crítica de arte. Lisboa, Ed. 70, 2007

×