Entendendo o Hino 
Nacional 
EM “Dr Jair Mendes de Barros” – Semana Cívica 2014 
Professora Elisa Rodrigues
História 
Desde o descobrimento, o Brasil demorou 
mais de 300 anos para ter um hino. Em 
1822 o Brasil se torna independ...
História 
A letra veio 91 anos mais tarde. Após várias 
opções não terem sido aprovadas, em 1922, 
o presidente Epitácio ...
História 
Francisco Manuel da Silva nasceu em 1795 
no Rio de Janeiro, onde faleceu em 1865. 
Dedicou-se à música desde a...
História 
Joaquim Osório Duque Estrada nasceu em 
Pati do Alferes (RJ) em 1870 e faleceu em 
1927, no Rio de Janeiro. Alé...
História 
Com o advento da Proclamação da República, 
em 1889, e por decisão de Deodoro da 
Fonseca, que governava de for...
História 
Através da comoção popular, Deodoro da 
Fonseca disse: “Prefiro o hino já existente!”. 
Deodoro, muito estrateg...
Sobre o Hino Nacional 
É importante ressaltar que a canção que 
representa uma nação, como o Hino Nacional 
do Brasil, ex...
Sobre o Hino Nacional 
 O Hino Nacional Brasileiro, símbolo de exaltação à 
pátria, é uma canção bastante complexa. Além ...
Sobre o Hino Nacional 
A letra do hino nacional possui ao todo 50 
versos, distribuídos em duas partes 
rigorosamente sim...
O Hino verso a verso 
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas 
De um povo heróico o brado retumbante 
As margens plácidas ...
O Hino verso a verso 
E o sol da liberdade em raios fúlgidos 
Brilhou no céu da Pátria nesse instante. 
Fúlgido significa ...
O Hino verso a verso 
Se o penhor dessa igualdade 
Conseguimos conquistar com braço forte, 
Em teu seio, ó liberdade, 
Des...
O Hino verso a verso 
Ó Pátria Amada, 
Idolatrada, 
Salve! Salve! 
Idolatrar é transformar algo ou 
alguém em ídolo, como ...
O Hino verso a verso 
Brasil, um sonho intenso, um raio vívido 
De amor e de esperança à terra desce, 
Se em teu formoso c...
O Hino verso a verso 
Gigante pela própria natureza, 
És belo, és forte, impávido colosso, 
E o teu futuro espelha essa gr...
O Hino verso a verso 
Terra adorada, entre outras mil, 
És tu, Brasil, ó Pátria Amada! 
Dos filhos deste solo és mãe genti...
O Hino verso a verso 
Deitado eternamente em berço esplêndido 
Ao som do mar e à luz do céu profundo, 
Fulguras, ó Brasil,...
O Hino verso a verso 
Do que a terra mais garrida 
Teus risonhos lindos campos têm mais 
flores. 
“Nossos bosques têm mais...
O Hino verso a verso 
Nossos bosques têm mais vida, 
Nossa vida, mais amores. 
Brasil, de amor eterno seja símbolo 
O lába...
O Hino verso a verso 
E diga o verde-louro dessa flâmula 
Paz no futuro e glória no passado. 
Flâmula, aqui, é sinônimo de...
O Hino verso a verso 
Mas se ergues da justiça a clava forte 
Verás que um filho teu não foge à luta 
Nem teme quem te ado...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Entendendo o hino nacional brasileiro

2.822 visualizações

Publicada em

Apresentação para a Semana Cívica da EM "Dr Jair Mendes de Barros"

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.822
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
220
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entendendo o hino nacional brasileiro

  1. 1. Entendendo o Hino Nacional EM “Dr Jair Mendes de Barros” – Semana Cívica 2014 Professora Elisa Rodrigues
  2. 2. História Desde o descobrimento, o Brasil demorou mais de 300 anos para ter um hino. Em 1822 o Brasil se torna independente de Portugal e só em 1831, Francisco Manuel da Silva compõe a melodia do Hino Nacional.
  3. 3. História A letra veio 91 anos mais tarde. Após várias opções não terem sido aprovadas, em 1922, o presidente Epitácio Pessoa declarou o texto de Osório Duque Estrada como letra oficial do hino nacional brasileiro.
  4. 4. História Francisco Manuel da Silva nasceu em 1795 no Rio de Janeiro, onde faleceu em 1865. Dedicou-se à música desde a infância, fundando a Sociedade Beneficente Musical e o Conservatório de Música do Rio de Janeiro.
  5. 5. História Joaquim Osório Duque Estrada nasceu em Pati do Alferes (RJ) em 1870 e faleceu em 1927, no Rio de Janeiro. Além de atuar como professor do Colégio D. Pedro II e da Escola Normal, foi poeta e crítico literário.
  6. 6. História Com o advento da Proclamação da República, em 1889, e por decisão de Deodoro da Fonseca, que governava de forma provisória o Brasil, foi promovido um Grande Concurso para a composição de outra versão do Hino. O vencedor foi Leopoldo Miguez, mas o povo não aceitou o novo hino, já que o de Joaquim Osório e Francisco Manuel da Silva havia se tornado extremamente popular desde 1831.
  7. 7. História Através da comoção popular, Deodoro da Fonseca disse: “Prefiro o hino já existente!”. Deodoro, muito estrategista e para não contrariar o vencedor do concurso, Leopoldo Miguez, considerou a nova composição e a denominou como Hino da Proclamação da República.
  8. 8. Sobre o Hino Nacional É importante ressaltar que a canção que representa uma nação, como o Hino Nacional do Brasil, exalta fatos acontecidos, simboliza todas as lutas por ela passadas, carrega a identidade de um povo e a grande responsabilidade de ser o porta-voz da Nação brasileira para o restante do mundo.
  9. 9. Sobre o Hino Nacional  O Hino Nacional Brasileiro, símbolo de exaltação à pátria, é uma canção bastante complexa. Além de possuir palavras pouco usuais, sua letra é rica em metáforas. O texto segue o estilo parnasiano, o que justifica a presença de linguagem rebuscada e de inversões sintáticas, que dificultam a compreensão da mensagem. Assim, a priorização da beleza da forma na elaboração do hino fez com que a clareza ficasse comprometida.
  10. 10. Sobre o Hino Nacional A letra do hino nacional possui ao todo 50 versos, distribuídos em duas partes rigorosamente simétricas, tanto na métrica como no ritmo. Na segunda parte do hino, os trechos que estão entre aspas foram extraídos do poema Canção do Exílio, de Gonçalves Dias.
  11. 11. O Hino verso a verso Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heróico o brado retumbante As margens plácidas do (Rio) Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heróico. Plácido quer dizer calmo. Dom Pedro I vinha de Santos, ao longo do Rio Ipiranga, quando tomou a corajosa decisão de declarar a independência do Brasil. Brado é grito, retumbante é estrondoso, barulhento, para fazer contraste com a placidez das margens. As margens calmas do Rio Ipiranga ouviram o grito estrondoso de um herói (Dom Pedro I) que representava todo o povo brasileiro.
  12. 12. O Hino verso a verso E o sol da liberdade em raios fúlgidos Brilhou no céu da Pátria nesse instante. Fúlgido significa brilhante. Mas não dava pra dizer: “em raios brilhantes brilhou”, porque ficaria repetitivo e pobre. O grito de “Independência ou Morte” transformava uma nação colonial, dependente de Portugal, em um novo país, autônomo e livre. Duque Estrada compara a liberdade com um sol brilhante que ilumina o céu, a Pátria, antes obscurecida pelo colonialismo.
  13. 13. O Hino verso a verso Se o penhor dessa igualdade Conseguimos conquistar com braço forte, Em teu seio, ó liberdade, Desafia o nosso peito a própria morte. Penhor equivale a garantia, segurança. É comum a gente penhorar algo de valor (em troca de dinheiro) e receber um papel que garanta a recuperação do objeto penhorado. O Brasil passou a ser independente e, portanto, conquistou o penhor da igualdade, ou seja, daquele momento em diante Portugal e Brasil eram nações iguais, sem que uma fosse superior à outra. E a frase continua, dizendo: o nosso peito desafia a própria morte. Simplificando: agora que o povo brasileiro conquistou seu passe para a liberdade, por sua força e coragem, inspirado nesta nova liberdade não hesitará em enfrentar a própria morte (isto é, se tiver de lutar e morrer, o povo não sentirá medo, nem irá recuar).
  14. 14. O Hino verso a verso Ó Pátria Amada, Idolatrada, Salve! Salve! Idolatrar é transformar algo ou alguém em ídolo, como se costuma fazer com artistas de modo geral. Salve equivale a uma saudação. Originalmente se dizia: “Deus te salve!”
  15. 15. O Hino verso a verso Brasil, um sonho intenso, um raio vívido De amor e de esperança à terra desce, Se em teu formoso céu risonho e límpido A imagem do Cruzeiro resplandece! Vívido é intenso, ardente, vivo. Formoso é belo. Límpido significa transparente, claro. Resplandecer equivale a brilhar ou luzir intensamente. Aqui o poeta compara o Brasil a um sonho intenso, porque ainda tem muito a realizar. Sabe-se que o Cruzeiro do Sul é uma constelação que aparece no céu do Brasil. Ela tem forma de cruz, que nos lembra Jesus Cristo e as práticas cristãs. Ou seja, o Brasil está sob o amparo e a proteção de Cristo.
  16. 16. O Hino verso a verso Gigante pela própria natureza, És belo, és forte, impávido colosso, E o teu futuro espelha essa grandeza. Se você olhar o mapa mundial, vai notar que o Brasil é o quinto maior país do mundo (depois de Rússia, Canadá, Estados Unidos e China). Com mais de 8.500.000 km2, o Brasil é naturalmente gigantesco. Note que às vezes os poetas têm o costume de falar diretamente com as coisas, como se elas fossem pessoas, ou seja, personificando-as : “és belo, és forte...” Impávido significa sem medo, destemido, corajoso. Colosso é uma pessoa ou objeto de tamanho muito grande. Vamos reescrever a frase: Tu (Brasil) és belo, forte e, graças ao tamanho imenso que a natureza te deu, não tens medo de nada. Além disso, a tua grandeza de hoje vai se revelar no futuro.
  17. 17. O Hino verso a verso Terra adorada, entre outras mil, És tu, Brasil, ó Pátria Amada! Dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria amada, Brasil! Este trecho é mais fácil de se entender, embora também utilize algumas inversões: Brasil, tu és nossa terra adorada e te escolhemos entre outras mil terras; tu és nossa Pátria amada, mãe gentil (carinhosa, generosa) dos filhos deste solo (de nós, brasileiros).
  18. 18. O Hino verso a verso Deitado eternamente em berço esplêndido Ao som do mar e à luz do céu profundo, Fulguras, ó Brasil, florão da América, Iluminado ao sol do Novo Mundo! A ideia que Duque Estrada quer transmitir é a de que a localização geográfica do Brasil é mesmo muito privilegiada: as montanhas, as matas, os rios, toda a natureza, enfim, forma a imagem de um berço (porque, além do mais, o Brasil, uma nação que se tornara recentemente independente, era como um imenso país recém-nascido). Esplêndido é maravilhoso, deslumbrante. Fulgurar é brilhar, resplandecer. Também pode significar distinguir-se ou sobressair (entre outros). Florão é uma decoração bonita e grande em forma de flor, que fica no centro de algo, em destaque. “Ao som do mar”, porque temos um litoral muito vasto, com belíssimas praias; “e à luz do céu profundo”, isto é, ensolarado, típico dos trópicos. O “sol do Novo Mundo” coloca o Brasil mais uma vez como uma nação jovem e promissora. O Velho Mundo (Europa) conquistou e colonizou o Novo Mundo (América).
  19. 19. O Hino verso a verso Do que a terra mais garrida Teus risonhos lindos campos têm mais flores. “Nossos bosques têm mais vida”, “Nossa vida” no teu seio, “mais amores”. Garrida é colorida, alegre, vistosa. Teus campos risonhos [e] lindos têm mais flores do que a terra mais garrida (vistosa). Ou seja, nossa natureza é mais colorida e bela que a de outras terras. “Nossos bosques têm mais vida” (mais beleza e vitalidade), “Nossa vida”, em teu seio (dentro de ti, Brasil), “mais amores”. Equivale a dizer que nós, brasileiros, por vivermos no Brasil, somos mais capazes de amar. As aspas são usadas por Duque Estrada no original, pois representam citações dos versos de Gonçalves Dias em “Canção do Exílio”: Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá... ... Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores,
  20. 20. O Hino verso a verso Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida, mais amores. Brasil, de amor eterno seja símbolo O lábaro que ostentas estrelado Um símbolo é um tipo de signo (pode ser uma palavra, uma medalha, um emblema, uma cor, um escudo etc.) que serve para representar alguma outra coisa. Ostentar é mostrar com orgulho. Um lábaro era um estandarte muito usado pelos romanos. Aqui está representado por nossa bandeira, repleta de estrelas. O poeta compara a Bandeira Brasileira a um estandarte e deseja que ele represente o amor eterno. O verso está invertido. Sem a inversão, ficaria assim: Brasil, o lábaro estrelado que ostentas seja símbolo de amor eterno. O poeta está tentando dizer: tomara que as estrelas da tua bandeira sejam símbolo de amor eterno.
  21. 21. O Hino verso a verso E diga o verde-louro dessa flâmula Paz no futuro e glória no passado. Flâmula, aqui, é sinônimo de bandeira. Duque Estrada torce para que as cores verde e amarela da bandeira simbolizem um poder que venceu batalhas gloriosas no passado, quando isso foi necessário para se conseguir a independência, mas só deseja paz daquele momento em diante, pois o verde, além da esperança, também simboliza a paz. O autor refere-se, portanto, ao verde como símbolo da paz e ao amarelo como símbolo da glória.
  22. 22. O Hino verso a verso Mas se ergues da justiça a clava forte Verás que um filho teu não foge à luta Nem teme quem te adora a própria morte! Clava é um pedaço de pau pesado (mais grosso numa ponta que na outra), que era usado como arma, semelhante ao tacape, usado por nossos índios. Vimos que, no verso anterior, o poeta sonha com a paz no futuro. De repente, entretanto, este novo verso diz: mas se ergues (levantas) a clava forte da justiça, ou seja, se o país tiver de lutar contra a injustiça, verás que um brasileiro (filho teu) enfrenta a guerra (não foge à luta). E quem te adora não teme a própria morte, quer dizer: o brasileiro, que ama tanto seu País, seria capaz de sacrificar sua própria vida para defendê-lo.

×