Faculdade Cásper Libero – Pós-GraduaçãoElisa D’Elboux Antunes              RA 205046            18 de Junho de 2012Marketi...
O luxo no Brasil tem crescido na proporção de duas a três vezes o crescimentodo PIB. Os desafios para vender e atender são...
A revolução de paradigma que estamos vivendo é que aquilo que há algumtempo era reservado restritamente à elite – roupas, ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resenha livro Luxo for all

960 visualizações

Publicada em

Resenha do Livro Luxo for All para Marcelo Miyashita.

-Pós-graduação Cásper Líbero, Junho de 2012.

Elisa Antunes
RA: 205046

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
960
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resenha livro Luxo for all

  1. 1. Faculdade Cásper Libero – Pós-GraduaçãoElisa D’Elboux Antunes RA 205046 18 de Junho de 2012Marketing e Comunicação Persuasiva – Marcelo Miyashita Farei um pequeno resumo do livro “Luxo for All – como atender aos sonhos edesejos da nova sociedade global” de José Luiz Tejon, Roberto Panzarani e VictorMegido. Em Luxo for All, os autores abordam como ponto principal a questão da novaclasse média e a expansão da sociedade do consumo. É feita uma análise dosignificado de consumir, do marketing de inclusão, das novas ambições dosconsumidores, do mercado consumidor brasileiro e principalmente do luxo e seusdiversos significados. De acordo com o livro, temos o luxo tradicional e também o chamado “novoluxo”, com novas categorias de consumo. Podemos entender Luxo como “sossego,amplitude e tempo”, assim como “acessibilidade, tecnologia, exclusividade”. Atualmente, se procurarmos no dicionário, luxo é definido como “algo quecusta muito em relação à utilidade e às possibilidades econômicas”, ou também como“algo supérfluo ou inútil”. No passado era considerado um meio de ostentação dariqueza, que as elites utilizavam para se distinguir das classes inferiores. Poderíamospensar no luxo como algo exclusivo ou único em sua categoria mercadológica, algoraro, sofisticado e de bom gosto, que exprime aristocracia e discrição. No entanto,essa definição é muito restritiva e não tem mais sentido, segundo os autores. De 2005 a 2010, a nova classe média global subiu de 440 milhões de pessoaspara 1,2 bilhão de seres humanos. Dos anteriores 7,6% da população terrestre, em2010 isso já compreende 16,1% dos habitantes. No Brasil, 90 milhões de pessoasformam a nova classe média e desejam dominar a própria vida, ser integradas eacolhidas, empreender no mercado de trabalho, obter lazer, além de buscar asustentabilidade no consumo.
  2. 2. O luxo no Brasil tem crescido na proporção de duas a três vezes o crescimentodo PIB. Os desafios para vender e atender são cada vez mais competitivos; o grandesegredo é descobrir os sonhos dos clientes e entregar-lhes esses sonhos com respeito erelacionamento de longo prazo. O luxo está se tornando cada vez mais “para todos”. Um artigo publicado narevista Forbes diz que a riqueza dos bilionários cresce de ano em ano. Contudo, dizque, em paralelo, a classe média está aumentando nos países emergentes e que asclasses sociais da base da pirâmide de renda estão entrando cada vez mais no mercadodo consumo. As classes C, D e E estão, cada vez mais, dispostas a gastar dinheiro e jásão as responsáveis pela maior parte da renda movimentada no Brasil. Nas classes A ou nas outras classes, as aspirações do consumidor secaracterizam pela busca de exclusividade, mesmo que isso se manifeste em diferenteslinguagens. 70% das nossas escolhas de consumo são condicionadas por nosso ladoemocional. E isso vale para todas as camadas sociais. Todos estão no caminho e nabusca do acesso ao luxo, cada vez mais acessível. Hoje o consumidor pode financiar suas compras em 12, 15, 20 vezes, mesmosendo algum produto de marca com preço alto. Provavelmente esse produto nãoexistirá mais após o término do pagamento, porém o desejo da compra foi realizado,mesmo o comprador tendo que abrir mão de outras coisas que seriam mais relevantesao seu dia-a-dia. Na última década, o Brasil passou a ocupar uma posição mais relevante nocenário mundial e as vendas das multinacionais instaladas no país ganharam maiorimportância. De cosméticos a caminhões, passando por refrigerantes, chocolates etelevisores, as subsidiárias brasileiras se transformaram no principal mercado mundialou ascenderam no ranking dos países com mais vendas. Com a queda da inflação e o aumento da oferta de empregos, a rendadisponível para os brasileiros aumentou e alimentou o consumo. Esse fenômenoexplica o surgimento da nova classe média. Nos últimos seis anos, segundo aSociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transacionais e da GlobalizaçãoEconômica (Sobeet), a massa real de salários cresceu 35%.
  3. 3. A revolução de paradigma que estamos vivendo é que aquilo que há algumtempo era reservado restritamente à elite – roupas, perfumes, tecnologias – hoje, e nofuturo, interessam às massas. O luxo como distinção baseada no dinheiro está emcrise. O futuro é ter o luxo como distinção baseado nas escolhas de vidas autônomas,conscientes e felizes. Reforçado inúmeras vezes pelos autores, existem algumas características quesão atribuídas aos objetos de luxo e os transformam em desejáveis. Em primeiro lugara qualidade, que se traduz nos elementos que a compõem e podem se referir àsmatérias-primas, à experiência ou aos profissionais envolvidos; em segundo lugar aexclusividade, que se expressa na dificuldade de encontrar o produto; o terceiroaspecto é o fator estético: um objeto de luxo pode ser considerado como peça demuseu e, nesse sentido, o ambiente em que é inserido incrementa a própria qualidadeestética. O consumo de marcas de alto valor é descrito como uma experiênciamultisensorial gratificante que contribui para aumentar a auto-estima. Então, umaquarta característica seria o preço elevado, dimensão que, sozinha, não é suficientepara designar o luxo, caso o preço não seja acompanhado de qualidade, estética,cultura ou de um componente tecnológico. O luxo tradicional é sintetizado por umpreço fora do comum e pela raridade de se encontrar o objeto. Porém, hoje é possível oferecer estética, qualidade e experiência exclusivacom preços acessíveis, atingindo uma parcela maior da população. E essa é a principalquestão discutida no livro.

×