O Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer Aqui

322 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
322
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Tipo De Igreja Que Ajudarei Estabelecer Aqui

  1. 1. <ul><li>O TIPO DE IGREJA QUE AJUDAREI A ESTABELECER AQUI </li></ul><ul><li>ATOS 2-4 </li></ul><ul><li>AJUDAREI A ESTABELECER UMA IGREJA PRIORITARIAMENTE BÍBLICA </li></ul><ul><li>Parece redundância querermos uma igreja prioritariamente bíblica. Só o fato de uma entidade levar o nome de igreja, poder-se-á imaginar a Bíblia como sua prioridade. É possível acreditarmos que é assim? </li></ul><ul><li>A igreja bíblica e aquela que conserva a doutrina. Doutrina é o ensino dos princípios bíblicos </li></ul><ul><li>A igreja dos primeiros dias era conhecida como bíblica. É-nos dito a respeito dela, que “ perseveravam na doutrina (didachê- ensino, instrução) dos apóstolos” (v.42). </li></ul><ul><li>Como ensino dos apóstolos, compreenda-se o conjunto das coisas que eles tinham recebido do Senhor. Assim como o próprio Paulo diz: “Porque eu recebi do Senhor este ensinamento que passei para vocês” (1 Cor.11.23). </li></ul><ul><li>Os crentes da Beréia eram bíblicos, ninguém lhes ensinava qualquer coisa que eles não conferissem a veracidade (At. 17.10,11). </li></ul><ul><li>Como posso ajudar a estabelecer essa igreja bíblica? </li></ul><ul><ul><li>Crendo que a Bíblia a Palavra de Deus; </li></ul></ul><ul><ul><li>Crendo que a Bíblia mostra-nos o caminho, sendo a regra e a prática. </li></ul></ul><ul><ul><li>Sendo bíblico na conduta em todos os seus segmentos: moral, ético, social, etc </li></ul></ul><ul><ul><li>Sendo um estudioso, não apenas um leitor da Bíblia. </li></ul></ul><ul><li>Se a igreja não é da Palavra, não é a igreja de Cristo. E é certo que não queremos ser conhecidos como uma igreja sem Cristo. Igreja sem Cristo é igreja sem cabeça. Não é esquisito ver um corpo sem cabeça? </li></ul>
  2. 2. <ul><li>II – AJUDAREI A ESTABELECER UMA IGREJA QUE SAIBA ATRAIR SIMPATIA. </li></ul><ul><li>“ Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos” (v.47). </li></ul><ul><li>Um exemplo de falta de simpatia da comunidade. Um amigo pastor me disse que a igreja que dirigira, como vice-presidente, por muitos anos, não contava com a simpatia dos seus vizinhos. É que os crentes iam chegando para o culto, e a rua sendo estreita, estacionavam os carros em frente às garagens das casas. Não poucas vezes os vizinhos tinham que ir até a igreja chamar os crentes. </li></ul><ul><li>Nós os crentes (a igreja) devemos ser simpáticos para termos a simpatia dos nossos vizinhos. Há um hino pentecostal que diz “onde está aquele povo barulhento?”. Com certeza alguns vizinhos da igreja não nos suportarão se fizermos muito barulho (Acabarão chamando o PSIU pra cima de nós!). </li></ul><ul><li>A igreja descrita por Lucas tinha (εχοντες ) a simpatia (χαριν =graça, favor ) de todo o povo. Ela era vista com bons olhos. Então como membro da igreja, ajudarei na busca da simpatia aonde ela está inserida. </li></ul><ul><li>A comunidade abria-lhe as portas, e assim “ cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos” (v.47). </li></ul><ul><li>Então a igreja esperava sentada que o Senhor acrescentasse os que iam sendo salvos? Não! Encontramos em Atos 4.32 que “ todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus”. </li></ul><ul><li>Posso assumir o compromisso de, tentar ao máximo fazer da minha igreja uma agência de proclamação? </li></ul>
  3. 3. <ul><li>III – AJUDAREI A ESTABELECER UMA IGREJA DE CRENTES COM ALMA VOLUNTÁRIA </li></ul><ul><ul><li>A alma voluntária é a alma espontânea, aquela que não precisa ser pressionada para que realize alguma coisa. </li></ul></ul><ul><ul><li>Quando Davi passava o trono de Israel ao seu filho Salomão disse a ele: “Tu, meu filho Salomão, conhece o Deus de teu pai e serve-o de coração íntegro e alma voluntária; porque o Senhor esquadrinha todos os corações e penetra todos os desígnios do pensamento. Se o buscares, ele deixará achar-se por ti; se o deixares, ele te rejeitará para sempre (1º Cron. 28.9). </li></ul></ul><ul><ul><li>Primeiro, Salomão deveria servir ao Senhor de coração íntegro , i. é, inteiro. A palavra íntegro, que em Hebraico é shâlêm, significa perfeito, justo, pronto, pacifista e quieto. Em Deuteronômio 27.6 há instrução que as pedras do altar deveriam ser shâlêm, pedras toscas, não cortadas. Salomão não deveria ter um coração cortado, dividido. E ainda, de shâlêm, derivam-se shalôm (paz) e shelomoh (Salomão, que é, homem de paz ). </li></ul></ul><ul><ul><li>Segundo, Salomão deveria ser ao Senhor de alma voluntária. Deveria servi-lo com determinação, resoluto e decidido; disposto, de boa vontade, com prontidão, com prazer. Há uma palavra da mesma raiz hebraica, que significa “não estar escravizado”. </li></ul></ul><ul><ul><li>A partir da própria disposição de Davi (1 Cron. 29.3), houve em Israel uma avalanche de voluntários para a edificação do Templo ao Senhor (1 Cron. 28.21; 29.5 liberalmente , 6 voluntariamente ). </li></ul></ul><ul><ul><li>Escreve o autor das Crônicas que “O povo se alegrou com tudo o que se fez voluntariamente; porque de coração íntegro deram eles liberalmente ao SENHOR; também o rei Davi se alegrou com grande júbilo (v.9). O povo agiu com espontaneidade, com livre vontade e com liberdade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Davi nos dá o porquê da liberalidade dele e do povo: “v.14 Porque quem sou eu, e quem é o meu povo para que pudéssemos dar voluntariamente estas coisas? Porque tudo vem de ti, e das tuas mãos to damos. v.17 Bem sei, meu Deus, que tu provas os corações e que da sinceridade te agradas; eu também, na sinceridade de meu coração, dei voluntariamente todas estas coisas; acabo de ver com alegria que o teu povo, que se acha aqui, te faz ofertas voluntariamente. </li></ul></ul><ul><ul><li>Diante da liberalidade do povo de Deus, nós, que somos a sua igreja, o seu povo, queremos ter alma voluntária na adoração, no serviço ( diakonia), na evangelização e na contribuição. </li></ul></ul>
  4. 4. <ul><li>IV – AJUDAREI A ESTABELECER UMA IGREJA PRÁTICA NA MUTUALIDADE (ALLELÔNICA). </li></ul><ul><li>“ E na comunhão, no partir do pão e nas orações”. </li></ul><ul><li>Na alegria de estarmos juntos. Estarmos juntos é muito mais que chegarmos atrasados e sairmos mais cedo. </li></ul><ul><li>Na alegria de termos objetivos comuns (v.44). “ Tinham tudo em comum”. Nesta característica há muito mais do que, simplesmente, criarmos um grupo por afinidades, tais como: comunidades das que usam tranças ou das que a detestam; comunidade dos que só usam tênis de marca, ou dos que detestam tênis de marca; a comunidade daqueles que gostam de Apolo ou de Pedro, de Paulo ou de Cristo. Ter tudo em comum é não puxar a corda para o lado contrário. Ter tudo em comum é não torcer para que arrebente a corda. </li></ul><ul><li>Na alegria de nos preocuparmos uns com os outros (v.45). Na unidade da igreja havia o interesse pelo bem estar do irmão (4.32-35). Eles eram unidos pela graça de Deus. Pessoas imperfeitas não podem ser unidas sem graça (David Faust). </li></ul><ul><li>Na alegria de partirmos o mesmo pão (v.46). Segundo Shedd, o Ágape e a Ceia eram celebrados forçosamente em casas particulares. </li></ul><ul><li>O Ágape, era reunião de comunhão, como fazemos em nossas casas. Nessas reuniões eram feitas refeições conjuntas, cada pessoa levava um “pratinho”, ou o dono da casa servia do que tinha. </li></ul><ul><li>A Ceia do Senhor (v.42) era o momento de recordar a Sua presença entre eles. É no momento da ceia que podemos refletir o quando Ele sofreu em nosso lugar. </li></ul><ul><li>Na Ceia nos apropriamos de um mesmo pão (Jesus). É o que nos traz a simbologia que há na Ceia. </li></ul><ul><li>Na Ceia somos confrontados com o seu sangue. Geralmente, todos têm algum tipo de aversão ao sangue mas, foi através do seu sangue que fomos lavados. Assim cantamos “o sangue de Jesus me lavou”. </li></ul><ul><li>CONCLUSÃO </li></ul><ul><li>Eu quero ajudar a estabelecer neste lugar a igreja pretendida por Jesus. Eu quero ser voluntário. </li></ul><ul><li>Pr. Eli da Rocha Silva </li></ul><ul><li>IBJH 31/12/2006 </li></ul>

×