Apostila de empreendedorismo

1.405 visualizações

Publicada em

para quem quer ser um bom empreendedor esta ai uma otima oportunidade.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.405
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila de empreendedorismo

  1. 1. • Observação: A consulta a este material não dispensa o acesso ao Ambiente Virtual, assim só iremos registrar sua conclusão se acessar todas as aulas e realizar a avaliação final. • Este documento visa facilitar o estudo e a compressão das informações disponíveis no site..
  2. 2. Boas Vindas Boas vindas do Curso Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja conosco discutindo e trabalhando respeito da expressão e história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de profissão, mas características que fazem com características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que a pessoa se destaque e faça coisas que a di vamos fazer um passeio juntos e descobrir quais são essas características. Problematização Problematização Esta problemática nort identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do Sucesso para os Empreended Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as diferenças entre seu jeito de fazer as coisas e a Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudança significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você possa aplicar no seu dia das características empreendedoras aqui apresentadas. Boas Vindas Boas vindas do Curso Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja conosco discutindo e trabalhando respeito da expressão e história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de profissão, mas que deseja ser alguém na vida. Existem controvérsias acerca das características que fazem com características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que a pessoa se destaque e faça coisas que a di vamos fazer um passeio juntos e descobrir quais são essas características. Problematização Problematização Quais atitudes diferenciam o empreendedor das pessoas que Esta problemática nort identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do Sucesso para os Empreended Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as diferenças entre seu jeito de fazer as coisas e a Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudança significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você possa aplicar no seu dia das características empreendedoras aqui apresentadas. Boas vindas do Curso Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja conosco discutindo e trabalhando respeito da expressão empreendedorismo. Pois é, neste módulo, apresentaremos uma história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de que deseja ser alguém na vida. Existem controvérsias acerca das características que fazem com características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que a pessoa se destaque e faça coisas que a di vamos fazer um passeio juntos e descobrir quais são essas características. Quais atitudes diferenciam o empreendedor das pessoas que Esta problemática norteará nosso curso. O objetivo é que, ao final das atividades, você identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do Sucesso para os Empreended Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as diferenças entre seu jeito de fazer as coisas e a Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudança significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você possa aplicar no seu dia-a-dia as ações que gerem empreendimentos de sucesso a das características empreendedoras aqui apresentadas. Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja conosco discutindo e trabalhando esse conceito. mpreendedorismo. Pois é, neste módulo, apresentaremos uma história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de que deseja ser alguém na vida. Existem controvérsias acerca das características que fazem com que uma pessoa se torne características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que a pessoa se destaque e faça coisas que a di vamos fazer um passeio juntos e descobrir quais são essas características. Quais atitudes diferenciam o empreendedor das pessoas que empreendedoras? eará nosso curso. O objetivo é que, ao final das atividades, você identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do Sucesso para os Empreendedores”, que fará a diferença no meio em que ela vive. Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as diferenças entre seu jeito de fazer as coisas e a Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudança significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você dia as ações que gerem empreendimentos de sucesso a das características empreendedoras aqui apresentadas. Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja esse conceito. Vocês já devem ter ouvido ou lido a mpreendedorismo. Pois é, neste módulo, apresentaremos uma história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de que deseja ser alguém na vida. Existem controvérsias acerca das que uma pessoa se torne características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que a pessoa se destaque e faça coisas que a diferenciem da maioria da população. Então, vamos fazer um passeio juntos e descobrir quais são essas características. Quais atitudes diferenciam o empreendedor das pessoas que empreendedoras? eará nosso curso. O objetivo é que, ao final das atividades, você identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do ores”, que fará a diferença no meio em que ela vive. Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as diferenças entre seu jeito de fazer as coisas e a de nossos novos amigos. Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudança significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você dia as ações que gerem empreendimentos de sucesso a das características empreendedoras aqui apresentadas. Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja Vocês já devem ter ouvido ou lido a mpreendedorismo. Pois é, neste módulo, apresentaremos uma história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de que deseja ser alguém na vida. Existem controvérsias acerca das que uma pessoa se torne “empreendedora”, pois as características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que ferenciem da maioria da população. Então, vamos fazer um passeio juntos e descobrir quais são essas características. Quais atitudes diferenciam o empreendedor das pessoas que empreendedoras? eará nosso curso. O objetivo é que, ao final das atividades, você identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do ores”, que fará a diferença no meio em que ela vive. Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as de nossos novos amigos. Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudança significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você dia as ações que gerem empreendimentos de sucesso a das características empreendedoras aqui apresentadas. Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja Vocês já devem ter ouvido ou lido a mpreendedorismo. Pois é, neste módulo, apresentaremos uma história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de que deseja ser alguém na vida. Existem controvérsias acerca das “empreendedora”, pois as características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que ferenciem da maioria da população. Então, vamos fazer um passeio juntos e descobrir quais são essas características. Quais atitudes diferenciam o empreendedor das pessoas que eará nosso curso. O objetivo é que, ao final das atividades, você identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do ores”, que fará a diferença no meio em que ela vive. Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as de nossos novos amigos. Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudança significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você dia as ações que gerem empreendimentos de sucesso a Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja Vocês já devem ter ouvido ou lido a mpreendedorismo. Pois é, neste módulo, apresentaremos uma história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de que deseja ser alguém na vida. Existem controvérsias acerca das “empreendedora”, pois as características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que ferenciem da maioria da população. Então, Quais atitudes diferenciam o empreendedor das pessoas que não são eará nosso curso. O objetivo é que, ao final das atividades, você identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do ores”, que fará a diferença no meio em que ela vive. Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudança significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você dia as ações que gerem empreendimentos de sucesso a partir Hoje iniciamos o curso sobre empreendedorismo. É muito importante que você esteja Vocês já devem ter ouvido ou lido a mpreendedorismo. Pois é, neste módulo, apresentaremos uma história muito interessante sobre uma jovem que tem problemas familiares, de escolha de que deseja ser alguém na vida. Existem controvérsias acerca das “empreendedora”, pois as características presentes no empreendedor também podem ser desenvolvidas por aquelas que não são. Entretanto há consenso de que tais características fazem com que ferenciem da maioria da população. Então, eará nosso curso. O objetivo é que, ao final das atividades, você identifique as atitudes que precisa adotar e/ou aperfeiçoar para se tornar um empreendedor. Para isso, temos uma jovem, personagem principal da história “A Arte do ores”, que fará a diferença no meio em que ela vive. Compartilhe conosco essa história, olhe para si mesmo e descubra quais são as semelhanças entre suas atitudes e as de nossos personagens. Veja também as Queremos que, ao final deste curso, você se conheça um pouco mais e, através do conhecimento da teoria e das práticas empreendedoras, consiga aprimorar seu comportamento na direção de ações que gerem transformações e operem mudanças significativas no ambiente no qual está inserido. Em outras palavras, desejamos que você consiga identificar e avaliar o comportamento empreendedor. E, acima de tudo, que você partir
  3. 3. A Arte do Sucesso para os Empreendedores Fernanda Origens: analfabeto e bastante inteligente para os negócios Sua mãe era dona de casa, comunicativa, politizada, mas muito submissa ao pai. Características físicas: encaracolados, castanhos claros, um sorriso cativante, lábios carnudos, nariz afilado, olhos grandes e pretos feitos duas j mediana (1,65m). Idade: Formação: Escola Dinâmica Sonho: Nasceu em Ataléia Fica a 3 horas e meia da praia Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? A Arte do Sucesso para os Empreendedores Fernanda Origens: filha de pai autoritário, comerciante, semi analfabeto e bastante inteligente para os negócios Sua mãe era dona de casa, comunicativa, politizada, mas muito submissa ao pai. Características físicas: encaracolados, castanhos claros, um sorriso cativante, lábios carnudos, nariz afilado, olhos grandes e pretos feitos duas j mediana (1,65m). Idade: 18 anos Formação: Cursando o Curso Técnico de Gestão na Escola Dinâmica Sonho: Ser jogadora de vôlei Nasceu em Ataléia Fica a 3 horas e meia da praia Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Toda segunda verificar revistas e jornais do final de semana. Como de costume, folheia os jornais, lendo as manchetes. Mas um pequeno jornalzinho chamou sua atenção. Era o jornal da Escola Selestina. Nele consta um anúncio, informando sobre um campeonato de vôlei que acontecerá no ginásio da Escola e que será coordenado por educação física. A Arte do Sucesso para os Empreendedores filha de pai autoritário, comerciante, semi analfabeto e bastante inteligente para os negócios Sua mãe era dona de casa, comunicativa, politizada, mas muito submissa ao pai. Características físicas: morena de cabelos grandes encaracolados, castanhos claros, um sorriso cativante, lábios carnudos, nariz afilado, olhos grandes e pretos feitos duas j mediana (1,65m). Cursando o Curso Técnico de Gestão na em Belo Horizonte Ser jogadora de vôlei Nasceu em Ataléia - Interior de Minas Fica a 3 horas e meia da praia Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Toda segunda-feira, Fernanda chega mais cedo à Escola Técnica para verificar revistas e jornais do final de semana. Como de costume, folheia os jornais, lendo as manchetes. Mas um pequeno jornalzinho chamou sua atenção. Era o jornal da Escola Selestina. Nele consta um anúncio, informando sobre um campeonato de vôlei que acontecerá no ginásio da Escola e que será coordenado por educação física. A Arte do Sucesso para os Empreendedores filha de pai autoritário, comerciante, semi analfabeto e bastante inteligente para os negócios Sua mãe era dona de casa, comunicativa, politizada, morena de cabelos grandes encaracolados, castanhos claros, um sorriso cativante, lábios carnudos, nariz afilado, olhos grandes e pretos feitos duas jabuticabas, estatura Cursando o Curso Técnico de Gestão na em Belo Horizonte - MG Interior de Minas - Cidade de aproximadamente 14.000 habitantes. Fica a 3 horas e meia da praia – Mucuri/BA Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? feira, Fernanda chega mais cedo à Escola Técnica para verificar revistas e jornais do final de semana. Como de costume, folheia os jornais, lendo as manchetes. Mas um pequeno jornalzinho chamou sua atenção. Era o jornal da Escola Selestina. Nele consta um anúncio, informando sobre um campeonato de vôlei que acontecerá no ginásio da Escola e que será coordenado por A Arte do Sucesso para os Empreendedores - A personagem principal da História: filha de pai autoritário, comerciante, semi analfabeto e bastante inteligente para os negócios Sua mãe era dona de casa, comunicativa, politizada, morena de cabelos grandes encaracolados, castanhos claros, um sorriso cativante, lábios carnudos, nariz afilado, olhos abuticabas, estatura Cursando o Curso Técnico de Gestão na MG Cidade de aproximadamente 14.000 habitantes. Mucuri/BA Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? feira, Fernanda chega mais cedo à Escola Técnica para verificar revistas e jornais do final de semana. Como de costume, folheia os jornais, lendo as manchetes. Mas um pequeno jornalzinho chamou sua atenção. Era o jornal da Escola Selestina. Nele consta um anúncio, informando sobre um campeonato de vôlei que acontecerá no ginásio da Escola e que será coordenado por sua paixão: Robertinho A personagem principal da História: filha de pai autoritário, comerciante, semi- analfabeto e bastante inteligente para os negócios. Sua mãe era dona de casa, comunicativa, politizada, morena de cabelos grandes encaracolados, castanhos claros, um sorriso cativante, lábios carnudos, nariz afilado, olhos abuticabas, estatura Cursando o Curso Técnico de Gestão na Cidade de aproximadamente 14.000 habitantes. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? feira, Fernanda chega mais cedo à Escola Técnica para verificar revistas e jornais do final de semana. Como de costume, folheia os jornais, lendo as manchetes. Mas um pequeno jornalzinho chamou sua atenção. Era o jornal da Escola Selestina. Nele consta um anúncio, informando sobre um campeonato de vôlei que acontecerá no ginásio da sua paixão: Robertinho A personagem principal da História: Cidade de aproximadamente 14.000 habitantes. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? feira, Fernanda chega mais cedo à Escola Técnica para verificar revistas e jornais do final de semana. Como de costume, Fernanda folheia os jornais, lendo as manchetes. Mas um pequeno jornalzinho chamou sua atenção. Era o jornal da Escola Selestina. Nele consta um anúncio, informando sobre um campeonato de vôlei que acontecerá no ginásio da sua paixão: Robertinho - professor de A personagem principal da História: Cidade de aproximadamente 14.000 habitantes. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? feira, Fernanda chega mais cedo à Escola Técnica para Fernanda folheia os jornais, lendo as manchetes. Mas um pequeno jornalzinho chamou sua atenção. Era o jornal da Escola Selestina. Nele consta um anúncio, informando sobre um campeonato de vôlei que acontecerá no ginásio da professor de A personagem principal da História: Cidade de aproximadamente 14.000 habitantes.
  4. 4. Desafio 1: A oportu chave 1 Ponto chave 1 Desafio 1: A oportu chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda encontra Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda encontra Pára e conversa com ele sobre a notícia do jornalzinho da Escola. nidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda encontra-se com Robertinho saindo do ginásio, na catra Pára e conversa com ele sobre a notícia do jornalzinho da Escola. nidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas se com Robertinho saindo do ginásio, na catra Pára e conversa com ele sobre a notícia do jornalzinho da Escola. Geralmente, Fernanda sai da biblioteca e fica de papo com alguns professores que estão no fumódromo, mas desta vez ela sai correndo direto para o ginásio. nidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas se com Robertinho saindo do ginásio, na catra Pára e conversa com ele sobre a notícia do jornalzinho da Escola. Geralmente, Fernanda sai da biblioteca e fica de papo com alguns professores que estão no fumódromo, mas desta vez ela sai correndo direto para o ginásio. nidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas se com Robertinho saindo do ginásio, na catra Pára e conversa com ele sobre a notícia do jornalzinho da Escola. Geralmente, Fernanda sai da biblioteca e fica de papo com alguns professores que estão no fumódromo, mas desta vez ela sai correndo direto para o ginásio. nidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto se com Robertinho saindo do ginásio, na catraca. Pára e conversa com ele sobre a notícia do jornalzinho da Escola. fumódromo, mas desta vez ela sai Ponto
  5. 5. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? chave 1 Ponto chave 1 Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Ponto chave 1 - Busca de Oportunida conversando. Fernanda não acredita no que está acontecendo; é SORTE demais para uma pessoa só: achar um torneio de vôlei que ela ama e Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunida Fernanda e Robertinho seguem para a lanchonete da Escola conversando. Fernanda não acredita no que está acontecendo; é SORTE demais para uma pessoa só: achar um torneio de vôlei que ela ama e Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda e Robertinho seguem para a lanchonete da Escola conversando. Fernanda não acredita no que está acontecendo; é SORTE demais para uma pessoa só: achar um torneio de vôlei que ela ama e ainda manter contato com Robert Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas des, informações e iniciativas Fernanda e Robertinho seguem para a lanchonete da Escola conversando. Fernanda não acredita no que está acontecendo; é SORTE demais para uma pessoa só: achar um torneio de vôlei que ela ama e ainda manter contato com Robert Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Busca de Oportunidades, informações e iniciativas des, informações e iniciativas Fernanda e Robertinho seguem para a lanchonete da Escola conversando. Fernanda não acredita no que está acontecendo; é SORTE demais para uma pessoa só: achar um torneio de vôlei que ela ama e ainda manter contato com Robert Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? des, informações e iniciativas Fernanda e Robertinho seguem para a lanchonete da Escola conversando. Fernanda não acredita no que está acontecendo; é SORTE demais para uma pessoa só: achar um torneio de vôlei que ela ama e ainda manter contato com Robertinho! Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Fernanda e Robertinho seguem para a lanchonete da Escola conversando. Fernanda não acredita no que está acontecendo; é SORTE demais para uma pessoa só: achar um torneio de vôlei que ela ama e Ponto conversando. Fernanda não acredita no que está acontecendo; é SORTE
  6. 6. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto chave 1 Ponto chave 1 Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Ne três livros que Fernanda segura no braço, cujo título é: “O segredo de Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Neste momento, Robertinho aponta para o livro que está por cima dos três livros que Fernanda segura no braço, cujo título é: “O segredo de Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas ste momento, Robertinho aponta para o livro que está por cima dos três livros que Fernanda segura no braço, cujo título é: “O segredo de Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas ste momento, Robertinho aponta para o livro que está por cima dos três livros que Fernanda segura no braço, cujo título é: “O segredo de Luisa” Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas ste momento, Robertinho aponta para o livro que está por cima dos três livros que Fernanda segura no braço, cujo título é: “O segredo de Luisa” Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas ste momento, Robertinho aponta para o livro que está por cima dos três livros que Fernanda segura no braço, cujo título é: “O segredo de Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto ste momento, Robertinho aponta para o livro que está por cima dos três livros que Fernanda segura no braço, cujo título é: “O segredo de Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto
  7. 7. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto chave 1 Ponto chave 1 Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto e 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda não esperou nem Robertinho terminar de falar direito, já foi se despedindo e afirmando que isso ela conseguiria em direção ao refeitório. Não achou Renato, que era quem ela procurava.Mas pensou que, no intervalo, com certeza, ele estaria ali. Na hora do intervalo, estava não só Renato, amigo que a levou pela primeira vez ao ginásio, mas toda a Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda não esperou nem Robertinho terminar de falar direito, já foi se despedindo e afirmando que isso ela conseguiria em direção ao refeitório. Não achou Renato, que era quem ela procurava.Mas pensou que, no intervalo, com certeza, ele estaria ali. Na hora do intervalo, estava não só Renato, amigo que a levou pela primeira vez ao ginásio, mas toda a Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda não esperou nem Robertinho terminar de falar direito, já foi se despedindo e afirmando que isso ela conseguiria em direção ao refeitório. Não achou Renato, que era quem ela procurava.Mas pensou que, no intervalo, com certeza, ele estaria ali. Na hora do intervalo, estava não só Renato, amigo que a levou pela primeira vez ao ginásio, mas toda a Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda não esperou nem Robertinho terminar de falar direito, já foi se despedindo e afirmando que isso ela conseguiria em direção ao refeitório. Não achou Renato, que era quem ela procurava.Mas pensou que, no intervalo, com certeza, ele estaria ali. Na hora do intervalo, estava não só Renato, amigo que a levou pela primeira vez ao ginásio, mas toda a turma que jogava vôlei com ele. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda não esperou nem Robertinho terminar de falar direito, já foi se despedindo e afirmando que isso ela conseguiria. Partiu da lanchonete em direção ao refeitório. Não achou Renato, que era quem ela procurava.Mas pensou que, no intervalo, com certeza, ele estaria ali. Na hora do intervalo, estava não só Renato, amigo que a levou pela primeira turma que jogava vôlei com ele. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda não esperou nem Robertinho terminar de falar direito, já foi se . Partiu da lanchonete em direção ao refeitório. Não achou Renato, que era quem ela procurava.Mas pensou que, no intervalo, com certeza, ele estaria ali. Na hora do intervalo, estava não só Renato, amigo que a levou pela primeira turma que jogava vôlei com ele. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto Fernanda não esperou nem Robertinho terminar de falar direito, já foi se . Partiu da lanchonete em direção ao refeitório. Não achou Renato, que era quem ela procurava.Mas pensou que, no intervalo, com certeza, ele estaria ali. Na hora do intervalo, estava não só Renato, amigo que a levou pela primeira Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?Ponto hora do intervalo, estava não só Renato, amigo que a levou pela primeira
  8. 8. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Fernanda dispara a falar para convencer Vitim a participar. Parte para cima de Renato, pois sabe que ele é caidinho por ela. Joga duro com os rapazes para mostrar que ela sempre deu pitacos corretos em alguns treinos e as equipes sempre saíram ganhando. E, se precisasse de ela estudar mais e buscar auxílio de outras pessoas da área para ajudá- los, ela faria. Iniciativa para correr atrás das coisas era o que não faltava em Fernanda. Por fim, ela consegue convencer os oito rapazes a se inscreverem.
  9. 9. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto chave 1 Ponto chave 1 Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto chave 1 Ponto chave 1 Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Zezim logo lemb Além disso ficará difícil preparar a documentação para a inscrição e depois ir até a secretaria, localizada no outro prédio, longe dali. Fernanda já sai avisando que, na segunda, depois da aula, E todos devem estar presentes. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Zezim logo lemb Além disso ficará difícil preparar a documentação para a inscrição e depois ir até a secretaria, localizada no outro prédio, longe dali. Fernanda já sai avisando que, na segunda, depois da aula, E todos devem estar presentes. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Zezim logo lembra ao grupo que eles terão prova de Física e Química. Além disso ficará difícil preparar a documentação para a inscrição e depois ir até a secretaria, localizada no outro prédio, longe dali. Fernanda já sai avisando que, na segunda, depois da aula, E todos devem estar presentes. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas ra ao grupo que eles terão prova de Física e Química. Além disso ficará difícil preparar a documentação para a inscrição e depois ir até a secretaria, localizada no outro prédio, longe dali. Fernanda já sai avisando que, na segunda, depois da aula, E todos devem estar presentes. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Busca de Oportunidades, informações Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas ra ao grupo que eles terão prova de Física e Química. Além disso ficará difícil preparar a documentação para a inscrição e depois ir até a secretaria, localizada no outro prédio, longe dali. Fernanda já sai avisando que, na segunda, depois da aula, Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Continuação Busca de Oportunidades, informações e iniciativas ra ao grupo que eles terão prova de Física e Química. Além disso ficará difícil preparar a documentação para a inscrição e depois ir até a secretaria, localizada no outro prédio, longe dali. Fernanda já sai avisando que, na segunda, depois da aula, já tem treino. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Continuação e iniciativas Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto ra ao grupo que eles terão prova de Física e Química. Além disso ficará difícil preparar a documentação para a inscrição e depois ir até a secretaria, localizada no outro prédio, longe dali. já tem treino. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto já tem treino. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto
  10. 10. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Exercício de Passagem 1 Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas - Exercício de Passagem 1 Quais são as fontes de informações existentes para o empreendedor? Marque a alternativa correta: Jornais Revistas especializadas Pessoas mais experientes Revistas diversas Amigos Internet Seminários Folders Bula de remédio Embalagem de produtos
  11. 11. Rádio Televisão Livros Congressos Feiras Todas as opções estão corretas Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Exercício de Passagem 2 Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas - Exercício de Passagem 2 Fernanda demonstra ter iniciativa, quando: Ela dispara a falar para convencer Vitim a participar do torneio. Vai até a biblioteca e pega o livro “O segrego de Luisa”, indicado pelo professor. Os rapazes não têm tempo para fazerem a inscrição na secretaria e ela se propõe a fazer para eles. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura?> Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas>Exercício de Passagem 3 Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas - Exercício de Passagem 3 É verdade que a oportunidade só aparece para quem tem sorte? Sim. Não. Desafio 1: A oportunidade aparece para quem tem sorte ou para quem a procura? Ponto chave 1 - Busca de Oportunidades, informações e iniciativas Exercício de Passagem 3 Atividade de Aprendizagem - desafio 1
  12. 12. Desafio Desafio Desafio 2: Como o líder deve agir e Desafio 2: Como o líder deve agir em situações difíceis? No 2º encontro do grupo, na mesa de reunião, surgiram dois questionamentos que fizeram Fernanda impor Como o líder deve agir e Como o líder deve agir em situações difíceis? No 2º encontro do grupo, na mesa de reunião, surgiram dois questionamentos que fizeram Fernanda impor Como o líder deve agir em situações difíceis? Como o líder deve agir em situações difíceis? No 2º encontro do grupo, na mesa de reunião, surgiram dois questionamentos que fizeram Fernanda impor m situações difíceis? Como o líder deve agir em situações difíceis? No 2º encontro do grupo, na mesa de reunião, surgiram dois questionamentos que fizeram Fernanda impor m situações difíceis? Como o líder deve agir em situações difíceis? No 2º encontro do grupo, na mesa de reunião, surgiram dois questionamentos que fizeram Fernanda impor-se para o grupo: No 2º encontro do grupo, na mesa de reunião, surgiram dois se para o grupo:se para o grupo:
  13. 13. Desafio 2 : Como o líder deve agir em situações e postura profissional Ponto Fernanda explica para o grupo: como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de que iremos conquistar esse torneio? Mas, para isso, rapazes, além todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e assíduos, vestir como um time e seguir todas as regras. Para planejar pa que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de cada um, a fim de manter o ponto forte e melhorar o fraco. Desafio 2 : Como o líder deve agir em situações e postura profissional Ponto-chave 2:Liderança, ética e postura profissional Como nenhum dos rapazes dá sugestões, Fernanda começa a falar para o grupo. Fernanda explica para o grupo: como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de que iremos conquistar esse torneio? Mas, para isso, rapazes, além todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e assíduos, vestir como um time e seguir todas as regras. Para planejar pa que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de cada um, a fim de manter o ponto forte e melhorar o fraco. Desafio 2 : Como o líder deve agir em situações e postura profissional chave 2:Liderança, ética e postura profissional Como nenhum dos rapazes dá sugestões, Fernanda começa a falar para o grupo. Fernanda explica para o grupo: como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de que iremos conquistar esse torneio? Mas, para isso, rapazes, além todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e assíduos, vestir como um time e seguir todas as regras. Para planejar pa que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de cada um, a fim de manter o ponto forte e melhorar o fraco. Desafio 2 : Como o líder deve agir em situações chave 2:Liderança, ética e postura profissional Como nenhum dos rapazes dá sugestões, Fernanda começa a falar para Fernanda explica para o grupo: Vejam bem, na condição de té como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de que iremos conquistar esse torneio? Mas, para isso, rapazes, além todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e assíduos, vestir como um time e seguir todas as regras. Para planejar pa que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de cada um, a fim de manter o ponto forte e melhorar o fraco. Desafio 2 : Como o líder deve agir em situações difíceis? Ponto chave 2:Liderança, ética e postura profissional Como nenhum dos rapazes dá sugestões, Fernanda começa a falar para Vejam bem, na condição de té como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de que iremos conquistar esse torneio? Mas, para isso, rapazes, além todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e assíduos, vestir como um time e seguir todas as regras. Para planejar pa que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de cada um, a fim de manter o ponto forte e melhorar o fraco. difíceis? Ponto-chave 2:Liderança, ética chave 2:Liderança, ética e postura profissional Como nenhum dos rapazes dá sugestões, Fernanda começa a falar para Vejam bem, na condição de té como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de que iremos conquistar esse torneio? Mas, para isso, rapazes, além todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e assíduos, vestir como um time e seguir todas as regras. Para planejar pa que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de cada um, a fim de manter o ponto forte e melhorar o fraco. chave 2:Liderança, ética Como nenhum dos rapazes dá sugestões, Fernanda começa a falar para Vejam bem, na condição de técnica, eu preciso atuar como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de que iremos conquistar esse torneio? Mas, para isso, rapazes, além da dedicação de todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e assíduos, vestir como um time e seguir todas as regras. Para planejar passo a passo o que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de chave 2:Liderança, ética Como nenhum dos rapazes dá sugestões, Fernanda começa a falar para cnica, eu preciso atuar como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de da dedicação de todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e sso a passo o que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de chave 2:Liderança, ética Como nenhum dos rapazes dá sugestões, Fernanda começa a falar para cnica, eu preciso atuar como líder, definindo as metas para que o objetivo do grupo seja alcançado. Nosso objetivo é ganhar o torneio e nós vamos ganhar. Ou há alguém aqui que tem dúvida de da dedicação de todos vocês, precisamos manter uma postura profissional e ética. Portanto precisamos agir como um time profissional: devemos ter disciplina nos treinos, ser pontuais e sso a passo o que vou fazer, preciso conhecer cada um de vocês, bem como o ponto forte e fraco de
  14. 14. Também não podemos esquecer que ganhar o torneio será muito importante, mas se tivermos ética. Pensem comigo: o que estão pensando em fazer para conseguir informações sobre os outros times é considerado certo ou errado? Podemos considerar algo bom ou ruim? Se pudermos realizar isso sem culpa ou constrangimento, tudo bem. Vocês concordam? Caso contrário, devemos analisar se a nossa vitória valerá a pena. Quero que vocês pensem nisso para continuarmos nossa conversa amanhã neste mesmo horário. E não se esqueçam de ler o regulamento e trazê-lo na ponta da língua. Desafio 2: Como o líder deve agir em situações difíceis? Ponto-chave 2: Liderança, ética e postura profissional Continuação Ponto-chave 2: Liderança, ética e postura profissional
  15. 15. Desafio 2: Como o líder deve agir em situações difíceis? Ponto-chave 2: Liderança, ética e postura profissional Exercício de passagem 1 Ponto-chave 2: Liderança, ética e postura profissional - Exercício de passagem 1 Você considera a sugestão de Vitim ética? Sim. Não.
  16. 16. Desafio 2: Como o líder deve agir em situações difíceis? Ponto-chave 2: Liderança, ética e postura profissional Exercício de passagem 1 Ponto-chave 2: Liderança, ética e postura profissional - Exercício de passagem 2 É correto o líder utilizar mais de um estilo de liderança com o mesmo grupo? SIM. Não. Desafio 2: Como o líder deve agir em situações difíceis? Ponto-chave 2: Liderança, ética e postura profissional Exercício de passagem 1 Ponto-chave 2: Liderança, ética e postura profissional - Exercício de passagem 3 Quando Fernanda solicita que o time tenha postura profissional, ela está solicitando que: Os atletas devem ter disciplina nos treinos, ser pontuais e assíduos, vestir-se como um time e seguir todas as regras ditadas; Além de o grupo ter disciplina nos treinos, ser pontual e assíduo, vestir-se como um time e seguir todas as regras ditadas, também precisa ter uma missão, crenças, valores pessoais, enfim, deve ter uma postura ética; Além de o grupo ter disciplina nos treinos, ser pontual, assíduo, vestir-se como um time e seguir todas as regras ditadas, deve também trabalhar em equipe. Desafio 2: Como o líder deve agir em situações difíceis? > Atividade de Aprendizagem Desafio 2: Como o líder deve agir em situações difíceis - Atividade de Aprendizagem Preencha as linhas e as colunas de acordo com a instrução abaixo.
  17. 17. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda finalizou a reunião de 15 minutos e partiu com a equipe para o treino prático na exercícios de resistência e depois explicou que era preciso treinar bastante para que ficassem craques e pudessem criar jogadas estratégicas em campo. Como seis, com a às outras equipes, por isso o treino aconteceria com uma simulação de quatro jogadores de um lado e quatro de outro. O objetivo era criar jogadas estratégicas em todos os treinos, pois no dia do torne Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda finalizou a reunião de 15 minutos e partiu com a equipe para o treino prático na exercícios de resistência e depois explicou que era preciso treinar bastante para que ficassem craques e pudessem criar jogadas estratégicas em campo. Como seis, com apenas dois reservas, estavam em desvantagens em relação às outras equipes, por isso o treino aconteceria com uma simulação de quatro jogadores de um lado e quatro de outro. O objetivo era criar jogadas estratégicas em todos os treinos, pois no dia do torne Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda finalizou a reunião de 15 minutos e partiu com a equipe para o treino prático na quadra de vôlei. Iniciou com um aquecimento e alguns exercícios de resistência e depois explicou que era preciso treinar bastante para que ficassem craques e pudessem criar jogadas estratégicas em campo. Como penas dois reservas, estavam em desvantagens em relação às outras equipes, por isso o treino aconteceria com uma simulação de quatro jogadores de um lado e quatro de outro. O objetivo era criar jogadas estratégicas em todos os treinos, pois no dia do torne Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda finalizou a reunião de 15 minutos e partiu com a equipe para o quadra de vôlei. Iniciou com um aquecimento e alguns exercícios de resistência e depois explicou que era preciso treinar bastante para que ficassem craques e pudessem criar jogadas estratégicas em campo. Como o número de jogadores da equipe era penas dois reservas, estavam em desvantagens em relação às outras equipes, por isso o treino aconteceria com uma simulação de quatro jogadores de um lado e quatro de outro. O objetivo era criar jogadas estratégicas em todos os treinos, pois no dia do torne Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda finalizou a reunião de 15 minutos e partiu com a equipe para o quadra de vôlei. Iniciou com um aquecimento e alguns exercícios de resistência e depois explicou que era preciso treinar bastante para que ficassem craques e pudessem criar jogadas o número de jogadores da equipe era penas dois reservas, estavam em desvantagens em relação às outras equipes, por isso o treino aconteceria com uma simulação de quatro jogadores de um lado e quatro de outro. O objetivo era criar jogadas estratégicas em todos os treinos, pois no dia do torne Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda finalizou a reunião de 15 minutos e partiu com a equipe para o quadra de vôlei. Iniciou com um aquecimento e alguns exercícios de resistência e depois explicou que era preciso treinar bastante para que ficassem craques e pudessem criar jogadas o número de jogadores da equipe era penas dois reservas, estavam em desvantagens em relação às outras equipes, por isso o treino aconteceria com uma simulação de quatro jogadores de um lado e quatro de outro. O objetivo era criar jogadas estratégicas em todos os treinos, pois no dia do torne Fernanda finalizou a reunião de 15 minutos e partiu com a equipe para o quadra de vôlei. Iniciou com um aquecimento e alguns exercícios de resistência e depois explicou que era preciso treinar bastante para que ficassem craques e pudessem criar jogadas o número de jogadores da equipe era penas dois reservas, estavam em desvantagens em relação às outras equipes, por isso o treino aconteceria com uma simulação de quatro jogadores de um lado e quatro de outro. O objetivo era criar jogadas estratégicas em todos os treinos, pois no dia do torneio... Fernanda finalizou a reunião de 15 minutos e partiu com a equipe para o quadra de vôlei. Iniciou com um aquecimento e alguns exercícios de resistência e depois explicou que era preciso treinar bastante para que ficassem craques e pudessem criar jogadas o número de jogadores da equipe era penas dois reservas, estavam em desvantagens em relação às outras equipes, por isso o treino aconteceria com uma simulação de quatro jogadores de um lado e quatro de outro. O objetivo era criar
  18. 18. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda observava a discussão dos rapazes com muita preocupação, pois a primeira coisa que pediu foi respeito ent isso já começava a faltar, com a troca de algumas agressões verbais. Também ficou intrigada com o questionamento dos rapazes, de que dois deles não eram criativos. E lembrou ela e sua família pa relatar sua experiência de viver no interior para seus colegas. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda observava a discussão dos rapazes com muita preocupação, pois a primeira coisa que pediu foi respeito ent isso já começava a faltar, com a troca de algumas agressões verbais. Também ficou intrigada com o questionamento dos rapazes, de que dois deles não eram criativos. E lembrou ela e sua família pa relatar sua experiência de viver no interior para seus colegas. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda observava a discussão dos rapazes com muita preocupação, pois a primeira coisa que pediu foi respeito ent isso já começava a faltar, com a troca de algumas agressões verbais. Também ficou intrigada com o questionamento dos rapazes, de que dois deles não eram criativos. E lembrou ela e sua família passaram em Ataléia. Achou que seria interessante relatar sua experiência de viver no interior para seus colegas. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda observava a discussão dos rapazes com muita preocupação, pois a primeira coisa que pediu foi respeito ent isso já começava a faltar, com a troca de algumas agressões verbais. Também ficou intrigada com o questionamento dos rapazes, de que dois deles não eram criativos. E lembrou-se da sua infância e dias difíceis que ssaram em Ataléia. Achou que seria interessante relatar sua experiência de viver no interior para seus colegas. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda observava a discussão dos rapazes com muita preocupação, pois a primeira coisa que pediu foi respeito entre eles e percebeu que isso já começava a faltar, com a troca de algumas agressões verbais. Também ficou intrigada com o questionamento dos rapazes, de que dois se da sua infância e dias difíceis que ssaram em Ataléia. Achou que seria interessante relatar sua experiência de viver no interior para seus colegas. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? Fernanda observava a discussão dos rapazes com muita preocupação, re eles e percebeu que isso já começava a faltar, com a troca de algumas agressões verbais. Também ficou intrigada com o questionamento dos rapazes, de que dois se da sua infância e dias difíceis que ssaram em Ataléia. Achou que seria interessante relatar sua experiência de viver no interior para seus colegas. Fernanda observava a discussão dos rapazes com muita preocupação, re eles e percebeu que isso já começava a faltar, com a troca de algumas agressões verbais. Também ficou intrigada com o questionamento dos rapazes, de que dois se da sua infância e dias difíceis que ssaram em Ataléia. Achou que seria interessante Fernanda observava a discussão dos rapazes com muita preocupação, re eles e percebeu que isso já começava a faltar, com a troca de algumas agressões verbais. Também ficou intrigada com o questionamento dos rapazes, de que dois se da sua infância e dias difíceis que ssaram em Ataléia. Achou que seria interessante
  19. 19. Fernanda explica: rapazes, vamos deixar de criancice! Será que realmente existem pessoas mais criativas do que outras? Ou será que é o meio, a cultura, as regras impostas pela sociedade que nos prejudicam? Vejam minha história de vida, eu sei que vocês já sabem, mas ouçam novamente e analisem. Meu pai, Roque, é comerciante, e minha mãe, D. Celeste, é dona de casa, e vocês conhecem bem os doces dela. Em períodos em que os negócios não iam muito bem, as vendas estavam baixas, comércio pouco aquecido ou quando “painho” resolvia fazer algum negócio que exigia sacrifício da família, a vida era muito complicada. Muitas vezes, “mainha” tinha que fazer malabarismo para fazer as compras no mercado e na mercearia, pois o dinheiro semanal que entrava em casa desaparecia. Nesses momentos, “mainha” era muito esperta. Ela se reunia comigo e minha irmã mais velha e íamos para a pequena fazenda que tínhamos. De lá trazíamos limão, laranja, banana, goiaba, tudo que houvesse na época. Ela pegava também parte do leite a ser entregue para a cooperativa e fazia queijo, tanto para a família como para vender. Assim, desde os seis, sete anos, eu e minha irmã já vendíamos esses produtos para os amigos da família. Como vocês sabem, eu sou um pouco tímida para algumas coisas. Para sair vendendo, eu não era muito boa, mas, como minha mãe sempre dava uma percentagem sobre o que a gente vendia, para gastarmos na escola, eu, que não queria ganhar menos que minha irmã, sempre observava como ela fazia e seguia os seus passos. E dava certo. Assim, eu fui crescendo e sempre ouvia meu pai dizer que ter o próprio negócio era a melhor coisa, pois, quanto mais se trabalhasse, maiores seriam as chances de aumentar o patrimônio e ter uma velhice tranqüila. Só que o problema da minha casa é que eu e minha irmã éramos mulheres, e meu pai achava que nós devíamos ter um emprego seguro, e o bom para ele, era um concurso. Então ele falava do negócio próprio, mas, ao mesmo tempo, colocava minha mãe em nosso pé quando ele não estava em casa, para que ela acompanhasse nossas notas e verificasse se nós estávamos freqüentando a escola direitinho. Ele sempre dizia que, se saíssemos da linha, íamos ver com ele. Eu já passei alguns sufocos, pois ia jogar, às vezes esquecia-se de estudar e até cabulava aula, mas depois, para explicar, era complicado. Nesses momentos, eu utilizava minha criatividade, pois, caso contrário, eu levaria surra de ficar em banho de água de sal como dizia ele. E como eu não queria provar.
  20. 20. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? >Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico Fernanda continua: Na verdade eu nunca entendi esse pensamento do meu pai, pois sei que foi uma pessoa que veio do nada, já que sua família era muito pobre. Ele, que pertencia a uma família de 11 irmãos, era o que tinha uma situação financeira melhor, justamente porque não era empregado. Ele é semi-analfabeto, nunca gostou de estudar e fugia da escola quando menino. Isso eu sei porque uma tia minha, que morreu o ano passado, contava essas estórias escondido dele, que ficava bravo quando a ouvia falar sobre isso. Todos os irmãos dele passaram fome quando criança, pois sua mãe morreu quando ele, que era o mais velho, tinha 12 anos. Painho, geralmente, até a minha adolescência, viajava durante a semana procurando gado para comprar e vender e só retornava em casa nos finais de semana. Mainha ficava com a gente e cuidava de tudo: casa, escola e necessidades da família. Ela fazia tudo isso com muita criatividade, como já contei, mas só tem uma coisinha que me aborrece muito: é muito submissa ao meu pai. E foi justamente essa submissão que fez com que nossa família perdesse todos os bens e tivesse que mudar para aqui. Painho tinha um amigo que era como irmão. Ele era o salvador da pátria principalmente quando meu pai estava viajando. Qualquer problema - por exemplo, mainha não dirigia – era ele quem resolvia. Seu nome era Ostílio, e todos na cidade o conheciam como Didi. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? >Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico Fernanda continua: Em agosto de 2007, Didi levou vários amigos ao banco, inclusive “painho”, como avalistas. “Mainha”, antes de “painho” sair de casa para avalizar a quantia solicitada por Didi, até teve, pela primeira vez, uma discussão com “painho”, tentando argumentar que avalizar uma quantia tão alta como a que Didi queria não era uma boa coisa, uma vez que tudo sempre foi muito difícil para a família, tudo foi conseguido com muito suor, e que aquela quantia, caso ele não conseguisse honrar com o compromisso,
  21. 21. poderia comprometer todos os negócios da família. “Painho” ficou muito nervoso, pois, na cultura em que ele estava inserido, ele era o homem da casa, ele mandava na casa, ele trabalhava mais e, acima de tudo, ele era amigo de Didi, não podia negar um pedido ao amigo. “Mainha” estava muito receosa, porque tinha conversado com outras amigas e tinha ficado sabendo que os maridos delas já tinham avalizado dinheiro em menor quantia para Didi no mesmo banco. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? >Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico Fernanda continua: Ela tentou mostrar isto para “painho”, mas foi em vão. Parecia que ela estava adivinhando. Não passou uma semana, foi como uma bomba que caía na cidade, o banco começou a cobrar de várias pessoas valores que estavam atrasados e aí descobrimos que praticamente todo o patrimônio da nossa família teria que ser usado para pagar as dívidas contraídas por Didi. Naquele momento, Didi não lembrou que tinha um amigo irmão. Ele fugiu e deixou nossa família no maior desespero. Simplesmente, de uma hora para outra, a única coisa que nos sobrou foi uma pequena casa que alugávamos e que agora seria nossa moradia, para não pagarmos aluguel. As duas pequenas fazendas, o gado e a casa em que morávamos foram vendidos para pagar a dívida avalizada. Essa foi a decisão tomada por “painho”, uma vez que ele pensou que, se deixasse passar mais tempo, os juros cobrados pelo banco poderiam tornar a situação ainda pior. Mas, enfim, apesar de todos esses defeitinhos de fábrica dos meus dois velhinhos, eu os admiro muito, pois sei que, diante da dificuldade que passamos no
  22. 22. último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, é pré-conceituoso, dentro de su Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar soluções que, para nossa educação, foram muito importantes. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criati Criatividade, pró Ponto chave 3: Criatividade, pró último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, conceituoso, dentro de su Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar soluções que, para nossa educação, foram muito importantes. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criati Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró Fernanda percebe de cima do mastro que Jorge não está sacando corretamente, que não escolhe l de cima para ele melhorar seu campo de visão para onde jogará a bola. último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, conceituoso, dentro de su Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar soluções que, para nossa educação, foram muito importantes. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criati atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró Fernanda percebe de cima do mastro que Jorge não está sacando corretamente, que não escolhe l de cima para ele melhorar seu campo de visão para onde jogará a bola. último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, conceituoso, dentro de suas limitações, é até bastante criativo. E “mainha” também! Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar soluções que, para nossa educação, foram muito importantes. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criati atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico Fernanda percebe de cima do mastro que Jorge não está sacando corretamente, que não escolhe l de cima para ele melhorar seu campo de visão para onde jogará a bola. último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, as limitações, é até bastante criativo. E “mainha” também! Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar soluções que, para nossa educação, foram muito importantes. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação atividade e raciocínio lógico Fernanda percebe de cima do mastro que Jorge não está sacando corretamente, que não escolhe lugares vazios do campo. Então berra lá de cima para ele melhorar seu campo de visão para onde jogará a bola. último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, as limitações, é até bastante criativo. E “mainha” também! Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar soluções que, para nossa educação, foram muito importantes. vas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação atividade e raciocínio lógico Fernanda percebe de cima do mastro que Jorge não está sacando ugares vazios do campo. Então berra lá de cima para ele melhorar seu campo de visão para onde jogará a bola. último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, as limitações, é até bastante criativo. E “mainha” também! Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar vas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico Fernanda percebe de cima do mastro que Jorge não está sacando ugares vazios do campo. Então berra lá de cima para ele melhorar seu campo de visão para onde jogará a bola. último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, as limitações, é até bastante criativo. E “mainha” também! Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar vas e outras não? > Ponto chave 3: Fernanda percebe de cima do mastro que Jorge não está sacando ugares vazios do campo. Então berra lá de cima para ele melhorar seu campo de visão para onde jogará a bola. último ano, e também em anos anteriores, eles sempre tiveram muita fibra. E vejam bem, “painho”, um cara que já passou fome, não estudou, foi criado numa sociedade machista, as limitações, é até bastante criativo. E “mainha” também! Vivia sob as garras do pai dela e depois sob as do meu pai, e ela ainda conseguia buscar
  23. 23. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Criatividade, pró Ponto chave 3: Criatividade, pró seguinte, quando estava tomando banho para ir à escola, lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, enfim, em datas importantes. E, junto a essa lembrança, eu também de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor que ministrou as aulas comentou um dia que ele fez um curso té na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele aconselhava a todos os jovens que pudessem cursá prestarem vestibular, pois o curso permitia ao jovem se colocar no mercado e emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro para pagar inscrições de concurso, pois, no momento, minha família não t para isso e eu achava que um emprego público seria uma excelente forma de auxiliá Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Criatividade, pró Ponto chave 3 Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e racioc Ponto chave 3: Criatividade, pró Fernanda nasceu no dia de Santa Luzia e, quando criança, teve uma doença nos olhos. Os médicos disseram que ela perderia parte da visão de um dos olhos. Sua mãe fez enxergar normalmente. Só quando mocinha, quando ela tinha três anos. Fernanda passou a dizer que direciona seus olhos a fim de enxergar onde estão seus pr seguinte, quando estava tomando banho para ir à escola, lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, enfim, em datas importantes. E, junto a essa lembrança, eu também de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor que ministrou as aulas comentou um dia que ele fez um curso té na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele aconselhava a todos os jovens que pudessem cursá prestarem vestibular, pois o curso permitia ao jovem se colocar no mercado e emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro para pagar inscrições de concurso, pois, no momento, minha família não t para isso e eu achava que um emprego público seria uma excelente forma de auxiliá Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e racioc Ponto chave 3: Criatividade, pró Fernanda nasceu no dia de Santa Luzia e, quando criança, teve uma doença nos olhos. Os médicos disseram que ela perderia parte da visão de um dos olhos. Sua mãe fez enxergar normalmente. Só quando mocinha, quando ela tinha três anos. Fernanda passou a dizer que direciona seus olhos a fim de enxergar onde estão seus problemas ou desejos. seguinte, quando estava tomando banho para ir à escola, lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, enfim, em datas importantes. E, junto a essa lembrança, eu também de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor que ministrou as aulas comentou um dia que ele fez um curso té na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele aconselhava a todos os jovens que pudessem cursá prestarem vestibular, pois o curso permitia ao jovem se colocar no mercado e emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro para pagar inscrições de concurso, pois, no momento, minha família não t para isso e eu achava que um emprego público seria uma excelente forma de auxiliá Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação : Criatividade, pró Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico Fernanda nasceu no dia de Santa Luzia e, quando criança, teve uma doença nos olhos. Os médicos disseram que ela perderia parte da visão de um dos olhos. Sua mãe fez enxergar normalmente. Só quando mocinha, quando ela tinha três anos. Fernanda passou a dizer que direciona seus olhos a fim de enxergar onde estão oblemas ou desejos. seguinte, quando estava tomando banho para ir à escola, lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, enfim, em datas importantes. E, junto a essa lembrança, eu também de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor que ministrou as aulas comentou um dia que ele fez um curso té na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele aconselhava a todos os jovens que pudessem cursá prestarem vestibular, pois o curso permitia ao jovem se colocar no mercado e emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro para pagar inscrições de concurso, pois, no momento, minha família não t para isso e eu achava que um emprego público seria uma excelente forma de auxiliá Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação : Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: ínio lógico > Continuação atividade e raciocínio lógico Fernanda nasceu no dia de Santa Luzia e, quando criança, teve uma doença nos olhos. Os médicos disseram que ela perderia parte da visão de um dos olhos. Sua mãe fez promessa para Santa Luzia e ela voltou a enxergar normalmente. Só quando mocinha, quando ela tinha três anos. Fernanda passou a dizer que direciona seus olhos a fim de enxergar onde estão oblemas ou desejos. seguinte, quando estava tomando banho para ir à escola, lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, enfim, em datas importantes. E, junto a essa lembrança, eu também de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor que ministrou as aulas comentou um dia que ele fez um curso té na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele aconselhava a todos os jovens que pudessem cursá prestarem vestibular, pois o curso permitia ao jovem se colocar no mercado e emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro para pagar inscrições de concurso, pois, no momento, minha família não t para isso e eu achava que um emprego público seria uma excelente forma de auxiliá Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação atividade e raciocínio lógico Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: ínio lógico > Continuação atividade e raciocínio lógico Fernanda nasceu no dia de Santa Luzia e, quando criança, teve uma doença nos olhos. Os médicos disseram que ela perderia parte da visão promessa para Santa Luzia e ela voltou a enxergar normalmente. Só quando mocinha, entendeu o que aconteceu quando ela tinha três anos. Fernanda passou a dizer que direciona seus olhos a fim de enxergar onde estão Fernanda explica: não desisto fácil não, acreditei e tive fé em Deus, rezei para minha Santa, que considero a guia dos meus olhos pedi que ela iluminasse meus olhos para enxergar uma saída que ajudasse minha f foi ela, minha fé, algo de outro mundo, só sei que acho que todo mundo deve acreditar em algo; passei noites e dias pensando e estudando a situação. Um belo dia, eu dormi e, no dia seguinte, quando estava tomando banho para ir à escola, veio como um estalo a lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, enfim, em datas importantes. E, junto a essa lembrança, eu também de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor que ministrou as aulas comentou um dia que ele fez um curso té na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele aconselhava a todos os jovens que pudessem cursá-lo, que fizessem isso antes de prestarem vestibular, pois o curso permitia ao jovem se colocar no mercado e emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro para pagar inscrições de concurso, pois, no momento, minha família não t para isso e eu achava que um emprego público seria uma excelente forma de auxiliá Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação atividade e raciocínio lógico Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico Fernanda nasceu no dia de Santa Luzia e, quando criança, teve uma doença nos olhos. Os médicos disseram que ela perderia parte da visão promessa para Santa Luzia e ela voltou a entendeu o que aconteceu quando ela tinha três anos. Fernanda passou a dizer que Santa Luzia direciona seus olhos a fim de enxergar onde estão as soluções para os Fernanda explica: não desisto fácil não, acreditei e tive fé em Deus, rezei para minha Santa, que considero a guia dos meus olhos – Santa Luzia pedi que ela iluminasse meus olhos para enxergar uma saída que ajudasse minha família. Não sei se foi ela, minha fé, algo de outro mundo, só sei que acho que todo mundo deve acreditar em algo; passei noites e dias pensando e estudando a situação. Um belo dia, eu dormi e, no dia veio como um estalo a lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, enfim, em datas importantes. E, junto a essa lembrança, eu também tinha feito um curso de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor que ministrou as aulas comentou um dia que ele fez um curso técnico de curta duração na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele lo, que fizessem isso antes de prestarem vestibular, pois o curso permitia ao jovem se colocar no mercado e emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro para pagar inscrições de concurso, pois, no momento, minha família não t para isso e eu achava que um emprego público seria uma excelente forma de auxiliá Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Fernanda nasceu no dia de Santa Luzia e, quando criança, teve uma doença nos olhos. Os médicos disseram que ela perderia parte da visão promessa para Santa Luzia e ela voltou a entendeu o que aconteceu Santa Luzia as soluções para os Fernanda explica: Mas eu não desisto fácil não, acreditei e tive fé em Deus, rezei para minha Santa, que considero a guia dos Santa Luzia pedi que ela iluminasse meus olhos para enxergar uma saída que ajudasse amília. Não sei se foi ela, minha fé, algo de outro mundo, só sei que acho que todo mundo deve acreditar em algo; passei noites e dias pensando e estudando a situação. Um belo dia, eu dormi e, no dia veio como um estalo a lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, tinha feito um curso de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor cnico de curta duração na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele lo, que fizessem isso antes de prestarem vestibular, pois o curso permitia ao jovem se colocar no mercado e encontrar emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro para pagar inscrições de concurso, pois, no momento, minha família não teria dinheiro para isso e eu achava que um emprego público seria uma excelente forma de auxiliá-los. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Fernanda nasceu no dia de Santa Luzia e, quando criança, teve uma doença nos olhos. Os médicos disseram que ela perderia parte da visão promessa para Santa Luzia e ela voltou a entendeu o que aconteceu Santa Luzia as soluções para os Mas eu não desisto fácil não, acreditei e tive fé em Deus, rezei para minha Santa, que considero a guia dos Santa Luzia – pedi que ela iluminasse meus olhos para enxergar uma saída que ajudasse amília. Não sei se foi ela, minha fé, algo de outro mundo, só sei que acho que todo mundo deve acreditar em algo; passei noites e dias pensando e estudando a situação. Um belo dia, eu dormi e, no dia veio como um estalo a lembrança da minha madrinha, que morava aqui há uns 15 anos, e já tinha uns 10 anos que eu não a via pessoalmente. Eu sempre telefonava para ela no Natal, aniversário, tinha feito um curso de informática básica, o qual foi ministrado por unidades móveis do SENAI em Ataléia. Sempre fiz curso de tudo que aparecia na cidade, pois lá nunca tinha nada. O professor cnico de curta duração na área gerencial, aproximadamente de um ano e meio, que o ajudou muito. Ele lo, que fizessem isso antes de encontrar emprego rápido, além de lhe dar uma visão até para planejar a sua vida pessoal. Então lembrei que seria um curso para eu me ingressar no mercado, assim teria algum dinheiro eria dinheiro los.
  24. 24. Fernanda continua: Eu já tinha começado a achar que “painho” tinha razão, que ter negócio próprio era muito complicado. Talvez o melhor fosse ter um emprego que pagasse bem. E, para encurtar essa minha história, no café eu comecei a colocar as minhas idéias de telefonar para a madrinha, de contar o que aconteceu. Pedi a meus pais para que eu passasse uns tempos na casa dela, a fim de fazer o curso técnico, uma vez que terminaria o terceiro ano em Ataléia e, como sempre estudei em escola pública, se tentasse o vestibular naquele momento, provavelmente eu não passaria, mesmo tendo sido uma boa aluna durante todos aqueles anos. E, se eu fizesse um curso técnico, reconhecido, eu teria chances de conseguir uma boa colocação no mercado para ajudá-los, já que eles sempre se esforçaram tanto para criar a mim e minha mana. Vocês precisavam ver a cara de “painho”. Não dava para saber se ele estava meio perdido, se ele estava com raiva por eu ser mulher e ter tido a idéia primeiro do que ele. Era muito engraçado a cara de bravo, descrente, perplexo, não sei o quê. Por fim, “mainha”, percebendo a situação meio constrangedora para ele, disse rapidamente: “Querida, termine seu café, vá para a escola, que à noite ligaremos para comadre Joaquina e o compadre Emanuel”. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico Fernanda continua: Gente, o mais impressionante, foi quando nós ligamos à noite. Todo mundo ficou impressionado. Meu pai contou a história para meu padrinho Manu... ele estava num sofrimento só, quando terminou de explicar. Padrinho Emanuel, que era um funcionário público, estava com um dinheiro que vinha juntando há algum tempo, mas, como funcionário público, ele não podia, ou acho que não queria, abrir um negócio próprio, pois, mesmo que pudesse, ele não teria tempo para tocá-lo para frente. E olha a coincidência: quando ele era mais novo e antes de mudar-se para Belo Horizonte, ele foi sócio de uma padaria e de um açougue de “painho”. Imaginem! Ofereceu uma sociedade para nossa família, na verdade, para meu pai. Ele entraria com o dinheiro e “painho” com o trabalho. Várias vezes, “painho” veio a Belo Horizonte para negociar com seu novo sócio e também para pensarem sobre o novo negócio. Até que, em Fevereiro, todos nós mudamos para aqui. Vida nova para todos. Eu, que achava que ia morar com os meus padrinhos, continuei morando com meus pais, mas fomos morar bem próximo da casa da minha madrinha Joaquina, que é finíssima. Quando eu era pequena, ela me fazia todas as vontades. Agora não é mais assim, mas tudo bem. Nós nos mudamos para Belo Horizonte e eu comecei o Curso técnico de Gestão na Escola Dinâmica.
  25. 25. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Criatividade, pró Ponto chave 3: Criatividade, pró Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró Fernanda percebeu que já fazia uma hora que eles estavam treinando, quando ela terminou sua história e olhou no relógio. Nesse meio tempo, Marcão não perdeu a oportunidade de fazer uma brincadeira com Fernanda, pois ela tem um sotaque diferente das pess Belo Horizonte e redondeza. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró Fernanda percebeu que já fazia uma hora que eles estavam treinando, quando ela terminou sua história e olhou no relógio. Nesse meio tempo, Marcão não perdeu a oportunidade de fazer uma brincadeira com Fernanda, pois ela tem um sotaque diferente das pess Belo Horizonte e redondeza. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação Ponto chave 3: Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico Fernanda percebeu que já fazia uma hora que eles estavam treinando, quando ela terminou sua história e olhou no relógio. Nesse meio tempo, Marcão não perdeu a oportunidade de fazer uma brincadeira com Fernanda, pois ela tem um sotaque diferente das pess Belo Horizonte e redondeza. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação atividade e raciocínio lógico Fernanda percebeu que já fazia uma hora que eles estavam treinando, quando ela terminou sua história e olhou no relógio. Nesse meio tempo, Marcão não perdeu a oportunidade de fazer uma brincadeira com Fernanda, pois ela tem um sotaque diferente das pess Belo Horizonte e redondeza. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico > Continuação atividade e raciocínio lógico Fernanda percebeu que já fazia uma hora que eles estavam treinando, quando ela terminou sua história e olhou no relógio. Nesse meio tempo, Marcão não perdeu a oportunidade de fazer uma brincadeira com Fernanda, pois ela tem um sotaque diferente das pess Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: atividade e raciocínio lógico Fernanda percebeu que já fazia uma hora que eles estavam treinando, quando ela terminou sua história e olhou no relógio. Nesse meio tempo, Marcão não perdeu a oportunidade de fazer uma brincadeira com Fernanda, pois ela tem um sotaque diferente das pessoas que são de Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? > Ponto chave 3: Fernanda percebeu que já fazia uma hora que eles estavam treinando, quando ela terminou sua história e olhou no relógio. Nesse meio tempo, Marcão não perdeu a oportunidade de fazer uma brincadeira com oas que são de Fernanda percebeu que já fazia uma hora que eles estavam treinando, quando ela terminou sua história e olhou no relógio. Nesse meio tempo, Marcão não perdeu a oportunidade de fazer uma brincadeira com oas que são de
  26. 26. Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? - Exercício de Passagem 1 Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? - Exercício de Passagem 1 Dos personagens listados abaixo que fizeram parte da história do desafio 3, marque quais demonstraram pró-atividade: Fernanda Branquelo Zezim Kaká Roque D. Celeste Irmã de Fernanda Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? - Exercício de Passagem 2 Desafio 3: Porque algumas pessoas são criativas e outras não? - Exercício de Passagem 2 É certo afirmar que algumas pessoas são criativas e outras não? SIM NÃO

×