FÍSICA MODERNA (QUÂNTICA)                        Alunos:Luana Lima, Maria Júlia, Ramon Freitas e Uendeo Luz.       Uma das...
possui como objetivo o estudo da constante de Planck. Para tal, simulamos um efeitofotoelétrico no simuladorde efeito foto...
Este experimento foi proposto inicialmente por Albert Einsten para comprovar auniversalidade da constante de Planck, onde ...
Por fim, salientamos as dificuldades técnicas que tivemos para a realização desteexperimento, desde a escolha do melhor ti...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luz

681 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
681
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório luana lima, maria júlia, ramom freitas e uendeo luz

  1. 1. FÍSICA MODERNA (QUÂNTICA) Alunos:Luana Lima, Maria Júlia, Ramon Freitas e Uendeo Luz. Uma das constantes mais importantes para o mundo quântico é a constante dePlanck, pois se mostra de fundamental importância para o entendimento e interpretaçõesde vários conceitos da Física Moderna. Esta constante foi assim nomeada emhomenagem ao físico Max Karl Ludwig Planck, que realizou estudos a cerca do queconhecemos hoje por Física Quântica. Aliado à constante está o conceito do EfeitoFotoelétrico, que consiste na capacidade que a luz tem em retirar elétrons de umasuperfície metálica, levando em consideração parâmetros como a frequência e aintensidade da luz emitida à superfície do metal. Outro conceito importante que seráutilizado ao longo deste relatório é o significado de quantum, que nada mais é que oacumulo de energia em uma partícula de luz, sendo que cada quantum é chamado deFóton e sua energia é proporcional à frequência, e sua relação é dada através da equaçãode Planck. Através dos conceitos citados acima, entramos em nosso experimento, que
  2. 2. possui como objetivo o estudo da constante de Planck. Para tal, simulamos um efeitofotoelétrico no simuladorde efeito fotoelétrico – disponível nas referências – que nospermite escolhermos o material das placas onde a luz incidirá, o material da fonteemissora da radiação, levando em consideração seu comprimento de onda, e a tensão aser aplicada entre as placas, conforme ilustra a imagemacima. Escolhemos então o material da placa de metal e o material da fonte luminosa. Adeterminação mais precisa da constante de Planck se dá pelo trabalho de investigação ede seleção dos materiais da placa metálica e da fonte luminosa, observando que tipo delâmpada possibilita a retirada de elétrons com o maior número possível de distintoscomprimentos de onda. Ajustando os valores da tensão aplicada e do comprimento de onda da radiação,consideramos aqueles em que o valor da energia cinética do elétron fosse igual, ou seaproximasse bastante, ao valor da energia de arranque do mesmo, fazendo assim comque o elétron não tivesse energia suficiente para “sair da placa”, ou seja, chegasse omais próximo possível da placa condutora mas não chegasse a encostar de fato nela;caso isso acontecesse haveria a circulação de uma corrente elétrica pela placa citada quelevaria à deflexão do ponteiro do amperímetro, conforme esquematizado. Material da placa de metal Material da Lâmpada Tório Zinco Associando a DDP com comprimento de onda para os materiais anteriormenteescolhidos, obtivemos os seguintes resultados: DDP (V) Comprimento da onda Intensidade da luz (angstrom) 0,70 3036 1 0,65 3072 1 0,318 3345 1Obtidos os valores acima, solicitamos então a representação gráfica dos mesmos,obtendo o seguinte resultado:
  3. 3. Este experimento foi proposto inicialmente por Albert Einsten para comprovar auniversalidade da constante de Planck, onde o coeficiente angular seria dado por h/e,sendo e a carga elétrica de um elétron, e que o coeficiente linear seria o b visualizado nográfico acima. Por meio da detectação de que o gráfico acima representa uma função doprimeiro grau (uma reta), métodos experimentais nos fizeram concretizar a afirmaçãoacima, calculando nosso valor para a constante de Planck e o valor da energia dearranque, demonstrados na tabela abaixo: Energia de arranque (J) Constante de Planck (J.s) -3,43 6,672x10^-34 Para calcularmos o valor da constante de Planck (h), levamos em consideraçãoque a carga do elétron vale 1.6x10-19 C e que o eixo horizontal representa a frequênciada radiação que foi emitida em unidades 1014 Hz. Sendo assim, multiplicamos o valor de“a”pelo da carga e depois dividimos pela frequência. Aplicando o valor de “a”, obtidono gráfico, na formula, achamos h=6,672x10-34 J.S. Considerando que, em seus estudos,Planck chegou a uma constante de 6,63x10-34J. s, podemos considerar que ambos osvalores são iguais, chegando assim a uma comprovação dessa constante.
  4. 4. Por fim, salientamos as dificuldades técnicas que tivemos para a realização desteexperimento, desde a escolha do melhor tipo de lâmpada, que permitisse o maiornúmero de emissões para distintos comprimentos de onda, além da perda de algunsdados obtidos com outros materiais. Acrescentamos apenas a importância da realização desta atividade, que permitiuvisualizar empiricamente – assim como Planck – a obtenção de sua constantemundialmente conhecida e utilizada no estudo quântico, além do aprofundamento dosconceitos por trás do efeito fotoelétrico e demais parâmetros da física moderna aquitrabalhados.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:<http://www.fisica.ufs.br/egsantana/cuantica/fotoelectrico/fotoelectrico.htm>

×