Campina Grande - ParaíbaCHAMADA DE TRABALHOSREVISTA BRASILEIRA DE LITERATURA COMPARADANúmero 22: Ensino de literatura e co...
escolhida. A extensão do texto deve ser de, no mínimo, 10 páginas, no máximo, 20,espaço simples. Todos os trabalhos devem ...
[...] conforme Octavio Paz, “As fronteiras entre objeto e sujeito mostram-separticularmente indecisas. A palavra é o própr...
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid= S1517-106X2008000100005&script=sci_arttext>. Acesso em: 6 fev. 2009.O...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Chamada de trabalhos Revista Brasileira de Literatura Comparada 22 e 23

1.028 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.028
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Chamada de trabalhos Revista Brasileira de Literatura Comparada 22 e 23

  1. 1. Campina Grande - ParaíbaCHAMADA DE TRABALHOSREVISTA BRASILEIRA DE LITERATURA COMPARADANúmero 22: Ensino de literatura e comparativismoO ensino de literatura, nas últimas décadas, vem sendo objeto de discussão e depesquisas em diferentes universidades do país. Tendo em vista que o modelo vigente deensino de literatura pouco tem contribuído para formar leitores, justifica-se a busca pornovas metodologias de abordagem do texto literário em situação de ensino. Reflexõesteóricas, como as trazidas pela estética da recepção, deslocando o foco da leitura para oleitor, veem abrindo caminho para se pensar um ensino que tenha como eixo a vivênciado jovem leitor com as obras e não a assimilação de um ensinamento e a introjeção deinterpretações autorizadas. Neste sentido, o comparativismo poderá contribuir para oensino da literatura, apontando possibilidades de diálogo entre textos literários dediferentes gêneros e épocas, bem como entre a literatura e outras artes. O diálogo entretextos, culturas, tempo e espaços diversos poderá ser instrumento dinamizador dotrabalho com o texto literário, numa perspectiva que valorize a experiência do leitor efavoreça o papel de mediador do professor. Os artigos propostos para este número daRevista da ABRALIC poderão explorar tanto um caráter mais teórico, quanto descrevervivências inovadoras, devidamente fundamentadas, sobre o ensino da literatura.Prazo para submissões para o número 22: 12 de agosto de 2013Número 23: A literatura comparada hojeDesde que se tornou disciplina, método de abordar o objeto de estudo, ciência, ocomparativismo literário tem sido redefinido em razão dos próprios objetosrelacionados, das línguas e culturas postas em questão, da emergência de escritas váriase suportes que ultrapassaram a escrita verbal e o livro impresso como modelo. Asrelações comparadas inter e intralingual, objetos e suportes como literatura escrita ecinema, vídeo e música, discursos e performances, academia e ensino, centros emargens parecem operar a dinâmica do comparativismo hoje. Nesta perspectiva, onúmero 23 da Revista Brasileira de Literatura Comparada reunirá artigos queproblematizem a literatura comparada hoje em suas várias versões ou modus operandi.Prazo para submissões para o número 23: 12 de agosto de 2013A SEGUIR, INFORMAMOS AS NORMAS PARA SUBMISSÃO VÁLIDASPARA ESSES NÚMEROS:• Só serão aceitos trabalhos enviados pela internet para o endereço:revista@abralic.org.br• Os artigos podem ser apresentados em português ou em outro idioma. Devem serproduzidos em MSWord 2007 (ou versão superior), com uma folha de rosto ondeconstem os dados de identificação do autor: nome, instituição, endereço paracorrespondência (com o CEP), e-mail, telefone (com prefixo), título e temática
  2. 2. escolhida. A extensão do texto deve ser de, no mínimo, 10 páginas, no máximo, 20,espaço simples. Todos os trabalhos devem apresentar também Abstract e Keywords.• O espaço para publicação é exclusivo para pesquisadores doutores. Eventualmente,poderá ser aceito trabalho de não-doutor, desde que a convite da comissão editorial –casos de colaborações de escritores, por exemplo.• Após a folha de identificação, o trabalho deve obedecer à seguinte seqüência:- Título – centralizado, em maiúsculas e negrito (sem grifos);- Nome(s) do(s) autor(es), à direita da página (sem negrito ou grifo), duas linhas abaixodo título, com maiúscula só para as letras iniciais. Usar asterisco para nota de rodapé,indicando a instituição à qual está vinculado(a). O nome da instituição deve estar porextenso, seguido da sigla.- Resumo – a palavra Resumo em corpo 10, negrito, itálico e maiúsculas, duas linhasabaixo do nome do autor, seguida de dois pontos. O texto-resumo deverá serapresentado em itálico, corpo 10, com recuo de dois centímetros de margem direita eesquerda. O resumo deve ter no mínimo 3 linhas e no máximo 10;- Palavras-chave – dar um espaço em branco após o resumo e alinhar com as mesmasmargens. Corpo de texto 10. A expressão palavras-chave deverá estar em negrito, itálicoe maiúsculas, seguida de dois pontos. Máximo: 5 palavras-chave.- Abstract – mesmas observações sobre o Resumo.- Keywords – mesmas observações sobre as palavras-chave.- Texto – em Times New Roman, corpo 12. Espaçamento simples entre linhas eparágrafos. Usar espaçamento duplo entre o corpo do texto e subitens, ilustrações etabelas, quando houver.- Parágrafos: usar adentramento 1 (um);- Subtítulos: sem adentramento, em negrito, só com a primeira letra em maiúscula, semnumeração;- Tabelas e ilustrações (fotografias, desenhos, gráficos etc.) devem vir prontas paraserem impressas, dentro do padrão geral do texto e no espaço a elas destinados peloautor;- Notas – devem aparecer ao pé da página, numeradas de acordo com a ordem deaparecimento. Corpo 10.- Ênfase ou destaque no corpo do texto – negrito. Palavras em língua estrangeira –itálico.- Citações de até três linhas vêm entre aspas (sem itálico), seguidas das seguintesinformações entre parênteses: sobrenome do autor (só a primeira letra em maiúscula),ano de publicação e página(s). Com mais de 3 linhas, vêm com recuo de 4 cm namargem esquerda, corpo menor (fonte 11), sem aspas, sem itálico e também seguidas dosobrenome do autor (só a primeira letra em maiúscula), ano de publicação epágina(s).As citações em língua estrangeira devem vir em itálico e traduzidas em notade rodapé.- Anexos, caso existam, devem ser colocados antes das referências, precedidos dapalavra ANEXO, em maiúsculas e negrito, sem adentramento e sem numeração.Quando constituírem textos já publicados, devem incluir referência completa bem comopermissão dos editores para publicação. Recomenda-se que anexos sejam utilizadosapenas quando absolutamente necessários.- Referências: devem ser apenas aquelas referentes aos textos citados no trabalho. Apalavra REFERÊNCIAS deve estar em maiúsculas, negrito, sem adentramento, duaslinhas antes da primeira entrada.Alguns exemplos de citações• Citação direta com três linhas ou menos
  3. 3. [...] conforme Octavio Paz, “As fronteiras entre objeto e sujeito mostram-separticularmente indecisas. A palavra é o próprio homem. Somos feitos de palavras. Elassão nossa única realidade, ou pelo menos, o único testemunho de nossa realidade.”(PAZ, 1982, p. 37)• Citação indireta[...] entre as advertências de Haroldo de Campos (1992), não há qualquer reivindicaçãode possíveis influências ou contágio, ao contrário, foi antes a poesia concreta queassumiu as conseqüências de certas linhas da poética drummoniana.• Citação de vários autoresSobre a questão, pode-se recorrer a vários poetas, teóricos e críticos da literatura(Pound, 1977; Eliot, 1991; Valéry, 1991; Borges, 1998; Campos, 1969)• Citação de várias obras do mesmo autorAs construções metafóricas da linguagem; as indefinições; a presença da ironia e dasátira, evidenciando um confronto entre o sagrado e o profano; o enfoque daspersonagens em diálogo dúbio entre seus papéis principais e secundários são todoscomponentes de um caleidoscópio que põe em destaque o valor estético da obra deSaramago (1980, 1988, 1991, 1992)• Citação de citação e citação com mais de três linhasPara servir de fundamento ao que se afirma, veja-se um trecho do capítulo XV da ArtePoética de Freire: Vê, [...] o nosso entendimento que a fantasia aprendera e formara emsi muitas imagens de homens; que faz? Ajunta-as e, de tantas imagens particulares querecolhera a apreensiva inferior [fantasia], tira ele e forma uma imagem que antes nãohavia, concebendo que todo o homem tem potência de rir [...] (FREIRE, 1759, p.87apud TEIXEIRA, 1999, p. 148)Alguns exemplos de Referências• LivroPERRONE-MOISÉS, Leyla. Vira e mexe, nacionalismo. Paradoxos do nacionalismoliterário. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.• Capítulo de livroBERND, Zilá. Perspectivas comparadas trans-americanas. In: JOBIM, José Luís et al.(Org.) Lugares dos discursos literários e culturais – o local, o regional, o nacional, ointernacional, o planetário. Niteroi: EdUFF, 2006. p.122-33.• Dissertação e tesePARMAGNANI, Claudia Pastore. O erotismo na produção poética de Paula Tavares eOlga Savary. São Paulo, 2004. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras eCiências Humanas, Universidade de São Paulo.• Artigo de periódicoGOBBI, M. V. Z. Relações entre ficção e história: uma breve revisão teórica.Itinerários, Araraquara, n.22, p.37- 57, 2004.• Artigo de jornalTEIXEIRA, I. Gramática do louvor. Folha de S.Paulo, São Paulo, 8 abr. 2000. Jornal deResenhas, p.4.• Trabalho publicado em anaisCARVALHAL, T. F. A intermediação da memória: Otto Maria Carpeaux. In: IICONGRESSO ABRALIC – Literatura e Memória Cultural, 1990. Anais..., BeloHorizonte. p.85-95.• Publicação on-line – InternetFINAZZI-AGRÒ, Ettore. O comum e o disperso: história (e geografia) literária na Itáliacontemporânea. Alea: Estudos Neolatinos, Rio de Janeiro, v.10, n.1, jan./jun. 2008.
  4. 4. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid= S1517-106X2008000100005&script=sci_arttext>. Acesso em: 6 fev. 2009.OBSERVAÇÃO FINAL: A desconsideração das normas implica a não-aceitação dotrabalho. Os artigos recusados não serão devolvidos ao(s) autor(es).

×