Crise Convulsiva
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Curtiu isso? Compartilhe com sua rede

Compartilhar

Crise Convulsiva

  • 16,082 visualizações
Uploaded on

Resumo do atendimento a crise convulsiva

Resumo do atendimento a crise convulsiva

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Be the first to comment
No Downloads

Visualizações

Visualizações totais
16,082
No Slideshare
16,062
A partir de incorporações
20
Número de incorporações
2

Ações

Compartilhamentos
Downloads
105
Comentários
0
Curtidas
1

Incorporar 20

http://www.slideshare.net 19
http://webcache.googleusercontent.com 1

Conteúdo do relatório

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ATENDIMENTO EMERGÊNCIA DE CRISE CONVULSIVA Resumido
  • 2. ATENDIMENTO EMERGÊNCIA DE CRISE CONVULSIVA
    • MOV (Monitorização, Oxigênio, Veia)
    • Abrir Vias Aéreas
    • Dextro
    • Drogas
  • 3. DROGAS - SEQÜÊNCIA
    • 1 – Benzodiazepínico (lorazepam, diazepam, midazolam)
    • 2 – Repetir dose benzodiazepínico
    • 3 – Hidantalizar
    • 4 – Dose adicional fenitoína
    • 5 – (45min) Fenobarbital ou midazolam
    • 6 – (60min) Anestesia geral (tiopental, midazolam, propofol)
  • 4. CONVULSÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    • MOV + AD
    • 0 minuto: diazepam (ou dormonid) IV 0,2mg/Kg
      • Velocidade infusão 2mg/min (máximo 5mg/min)
      • Se não tiver acesso venoso pode fazer dormonid IM 0,1mg/Kg ou diazepam via retal
    • Repete diazepam mesma dose se não sair com primeira dose
  • 5. CONVULSÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    • HIDANTALIZAR
      • Hidantal 20mg/Kg (ampola 250mg/5ml)
      • Diluído em 250-500ml de SF
      • Velocidade infusão 50mg/min
      • Problemas: hipotensão, arritmias
      • Recorrência da crise durante infusão do hidantal pode fazer diazepan
    • Ainda em crise após hidantalização pode fazer novas doses de hidantal de 5mg/Kg, respeitando máximo de 30mg/Kg (20 + 5 + 5)
  • 6. CONVULSÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    • Crise após hidantal: Intubar obrigatoriamente
    • Ainda em crise ou 45min de crise iniciar gardenal 20mg/Kg IV
      • Ampolas 200mg/1ml (apresentação para uso IV não é a mesma que para uso IM)
      • Velocidade infusão 50-75mg/min
      • Problemas: depressão respiratória, RNC, hipotensão
      • Opção ao gardenal: Midazolam ataque 0,2mg/kg IV, manutenção 0,05-0,4mg/kg/h
  • 7. CONVULSÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    • Ainda em crise ou 60min de crise iniciar droga anestésica ajustando dose até cessação crises e EEG com surto-supressao
      • (1a opção) Tiopental: ataque 100-250mg em 30seg, seguido 50mg cada 3min até controle crise; após iniciar manutenção 3-5mg/kg/h. Problema: hipotensão
      • Midazolam: ataque 0,2mg/kg IV, manutenção 0,05-0,4mg/kg/h. Problema: taquifilaxia
      • Propofol: ataque 1,5mg/kg, manutenção 2-10mg/kg/h
  • 8. APÓS CONVULSÃO PENSE NA SUA CAUSA!!!!!!!
    • História clínica
    • Exame físico
    • Exames laboratoriais
    • Exames imagem
    • Em 90% dos casos fatais, a morte deve-se à causa que levou ao status , e não ao status em si
  • 9. ALGUNS CONCEITOS
    • Convulsão ou crise convulsiva: crise com atividade tônico-clônica
    • Crise não-convulsiva: crise sem atividade tônico-clônica (crise parcial simples ou complexa, crise tipo ausência, crise mioclônica)
    • Estado de mal epiléptico (status epiléptico): crise suficientemente prolongada ou repetitiva para causar uma condição fixa e duradoura.
      • Status convulsivo
      • Status não-convulsivo
  • 10. STATUS EPILÉPTICO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS
    • Status convulsivo
      • Crise convulsiva com mais de 5 min de duração
      • 20 a 30 min de crises convulsivas contínuas (subentrantes)
      • Pelo menos três convulsões em 1 hora
    • Status não-convulsivo
      • - Crises não-convulsivas sem recuperação da consciência entre as crises
  • 11. QUANDO HIDANTALIZAR?
    • No estado mal epiléptico após segunda dose diazepam: fazer hidantal na dose máxima em velocidade de infusão máxima
    • Após segunda crise convulsiva (regra geral): fazer mais lento, mais comumente 40-60 min
  • 12. ALTA APÓS CRISE ÚNICA!!!!!!!!!
    • Após crise única (descartado crise aguda sintomatica) deve-se estratificar o risco de recorrência da crise para se definir introdução ou não de droga anti-epiléptica. Pedir RM crânio (se não disponível TC é aceitável) e EEG
  • 13. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DO PÓS-ICTAL
    • Efeito benzodiazepínicos usados durante crise
    • Estado mal não-convulsivo
    • Outra doença neurológica ativa (que inclusive pode ter sido a causa da convulsão, p.e. encefalite)
    • TCE durante crise
    • Paciente ficou seqüelado