Uti Neonatal Parte 1

4.315 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
256
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uti Neonatal Parte 1

  1. 1. UTI Neonatal Enfº Eduardo Gomes da Silva – COREN 001790 Enfª Juliana Lopes Figueiredo – COREN 99792
  2. 2. Conceitos <ul><li>Neonatologia : é a área da saúde que presta assistência ao recém-nascido até 28 dias </li></ul><ul><li>Adaptação do Neonato: o período de transição, engloba as primeiras 24 horas,onde a adaptação do neonato da vida intra-uterina para vida extra uterina, é mais crítico </li></ul>
  3. 3. Conceitos <ul><li>Nascido vivo: ao nascimento ocorre a expansão pulmonar e batimento cardíaco </li></ul><ul><li>Óbito fetal: não apresenta sinais de vida </li></ul><ul><li>Natimorto: óbito fetal após 28ª semana de gestação </li></ul>
  4. 4. Classificação do Rn quanto ao Peso <ul><li>Rn pequeno para idade gestacional (PIG): < que 2.700 Kg; abaixo do percentil ou 2 desvios padrão abaixo da média; resultado de crescimento intra-uterino retardado </li></ul><ul><li>Rn nascido vivo com peso de 2.500 Kg ou menos: baixo peso </li></ul><ul><li>Rn com peso < que 1000 Kg: muito baixo peso </li></ul>
  5. 5. Classificação do Rn quanto ao Peso <ul><li>Rn com peso Apropriado para Idade Gestacional (AIG): pesa entre 2.700 Kg e 4000 Kg </li></ul><ul><li>Rn Grande para Idade Gestacional (GIG): pesa mais de 4000 Kg; 2 desvios padrão acima da média </li></ul>
  6. 6. Classificação do Rn quanto a Idade Gestacional <ul><li>Rn pré-termo: viável após o nascimento até completar 37 semanas </li></ul><ul><li>Pré-termo limítrofe: entre 35 e 36 semanas, onde geralmente não apresenta intercorrências e não necessita de cuidados especiais </li></ul><ul><li>Pré-termo moderado: entre 30 e 34 semanas </li></ul><ul><li>Pré-termo extremo: abaixo de 30 semanas. Apresenta imaturidade dos seus órgãos e necessita de cuidados altamente especializados </li></ul>
  7. 7. Classificação do Rn quanto a Idade Gestacional <ul><li>Rn a Termo: nasce entre 37 semanas completas até 42 semanas. Essa idade gestacional possui características anatômicas e fisiológicas que permitem sua adaptação perfeita ao meio externo </li></ul>
  8. 8. Classificação do Rn quanto a Idade Gestacional <ul><li>Rn pós-termo: nascido após 42 semanas de gestação podendo ter perda de peso e insuficiência placentária </li></ul>
  9. 9. Características Fisiológicas do RN Sistema Cardiovascular <ul><li>A conversão da circulação fetal para neonatal ocorre quando há clampeamento do cordão umbilical e o neonato tem sua primeira respiração </li></ul><ul><li>O volume sanguíneo do Rn a termo varia de 80 a 90ml/Kg de peso corporal </li></ul>
  10. 10. Características Fisiológicas do RN Sistema Cardiovascular <ul><li>O clampeamento tardio do cordão umbilical pode evoluir para complicações como crepitações e cianose </li></ul>
  11. 11. Características Fisiológicas do RN Sistema Cardiovascular <ul><li>O débito cardíaco, a pressão arterial e o volume sanguíneo de uma criança diferem do adulto </li></ul><ul><li>Uma perda sanguínea de 30 ml na criança é muito mais </li></ul>
  12. 12. Características Fisiológicas do RN Sistema Respiratório <ul><li>Durante a gestação, as características respiratórias bioquímicas se desenvolvem progressivamente, preparando o feto para as alterações respiratórias abruptas trazidas pelo nascimento </li></ul><ul><li>Entre as 24 e 30 semanas de gestação os pneumócitos do tipo 2 começam a secretar surrfactante </li></ul>
  13. 13. Características Fisiológicas do RN Sistema Respiratório <ul><li>O surfactante é um fosfolipídeo que diminui a tensão superficial e evita o colapso alveolar ao final da expiração </li></ul><ul><li>Essa redução facilita trocas gasosas e dimini o trabalho respiratório </li></ul>
  14. 14. Características Fisiológicas do RN Sistema Respiratório <ul><li>Os músculos intercostais que auxiliam a respiração ainda não se desenvolveram completamente na criança </li></ul><ul><li>Respiração do Rn é frequentemente irregular </li></ul><ul><li>Luz traqueal é menor nos Rns, sendo mais facilmente obstruídas por secreções mucosas que nos adultos </li></ul><ul><li>A irritação da traquéia com sondas maiores pode provocar laringoespasmo e PCR </li></ul>
  15. 15. Características Fisiológicas do RN Sistema Hematopoiético <ul><li>Tal como outros sistemas, o sistema hematopoiético não está totalmente desenvolvido após o nascimento </li></ul><ul><li>Após nascimento, as características hematológicas precisam ser substituídas por alguns elementos mais maduros após o nascimento para garantir a oxigenação tissular </li></ul>
  16. 16. Características Fisiológicas do RN Sistema Hematopoiético <ul><li>A eritropoiese – produção de eritrócitos – ou hemácias é estimulada pelo hormônio renal eritropoietina </li></ul><ul><li>No feto, a baixa saturação de oxigênio causa aumento da liberação da eritropoietina; mecanismo de compensação para garantir a oxigenação dos tecidos, produzindo assim, mais hemácias </li></ul>
  17. 17. Características Fisiológicas do RN Sistema Hematopoiético <ul><li>As hemácias fetais tem vida útil de cerca de 90dias, comparadas com 120 dias em hemácias normais nos adultos, podendo levar à uma discreta anemia fisiológica </li></ul>
  18. 18. Características Fisiológicas do RN Sistema Hematopoiético <ul><li>As células de defesa do neonato, os leucócitos, que protegem o neonato contra as infecções, existem cinco tipos: neutrófilos, eosinófilos, basófilos, linfócitos e monócitos </li></ul><ul><li>Linfócitos são defesas humorais, através das imunoglobulinas </li></ul><ul><li>Monócitos, neutrófilos são células fagocitárias </li></ul>
  19. 19. Características Fisiológicas do RN Sistema Hepático <ul><li>No neonato é imaturo </li></ul><ul><li>A bilirrubina é um pigmento biliar amarelo e subproduto da heme, após degradação das hemácias </li></ul><ul><li>À medida que envelhecem são eliminadas da circulação pelo sistema fagocitário </li></ul><ul><li>Porções de ferro e proteínas são removidas e recicladas para uso posterior </li></ul>
  20. 20. Características Fisiológicas do RN Sistema Hepático <ul><li>Após deixar o sistema fagocitário, a bilirrubina se liga à albumina plasmática, tornando-se insolúvel em água, denominada bilirrubina indireta </li></ul><ul><li>A bilirrubina indireta precisa ser conjugada (convertida em bilirrubina direta), juntamente ao ácido glicurônico e atuação da enzima glicorunil transferase, tornando-se hidrossolúvel </li></ul>
  21. 21. Características Fisiológicas do RN Sistema Hepático <ul><li>O resultado desse processo resulta em urobilinogênio e o estercobilinogênio, compostos hidrossolúveis, podem ser eliminados pela urina e pelas fezes </li></ul><ul><li>A bilirrubina não conjugada leva o Rn a desenvolver uma coloração amarelada conhecida como icterícia </li></ul>
  22. 22. Tipos de Icterícia <ul><li>Icterícia Fisiológica </li></ul><ul><li>Icterícia Patológica </li></ul><ul><li>Encefalopatia Bilirrubínica </li></ul>
  23. 23. Icterícia Fisiológica <ul><li>Manifesta-se 48 a 72 horas após nascimento </li></ul><ul><li>Valores séricos podem atingir o pico de 4 a 12 mg/dl </li></ul><ul><li>Causas: circulação hepática diminuída, carga de bilirrubina aumentada, conjugação da bilirrubina diminuída, excreção da bilirrubina diminuída, captação hepática da bilirrubina diminuída </li></ul>
  24. 24. Icterícia Patológica <ul><li>Manifesta-se nas primeiras 24 horas após nascimento e o nível de bilirrubina sérica se eleva acima de 13 mg/dl </li></ul><ul><li>As causas estão relacionadas com incompatibilidade sanguínea ABO ou Rh, anormalidades hepáticas, biliares, metabólicas ou infecção </li></ul>
  25. 25. Encefalopatia Bilirrubínica <ul><li>Denominada de Kernicterus ou icterícia nuclear </li></ul><ul><li>Os níveis séricos de bilirrubina não conjugada eleva-se aproximadamente 20 mg/dl, levando à encefalopatia por excesso de bilirrubina no sangue </li></ul><ul><li>Essa condição potencialmente fatal, caracteriza-se por depósitos de bilirrubina nos gânglios basais do cérebro </li></ul><ul><li>Pode ser necessário exanguineotransfusões </li></ul>
  26. 26. Características Fisiológicas do RN Coagulação Sanguínea <ul><li>Nos primeiros dias , o sistema gastrointestinal não tem atividade bacteriana para sintetizar vitamina K suficiente </li></ul><ul><li>A vitamina K catalisa a síntese de protrombina pelo fígado, ativando os fatores de coagulação, o que coloca o Rn a risco de hemorragias </li></ul><ul><li>Devido esses fatores, o RN recebe administração profilática de Vitamina K injetável logo após o nascimento </li></ul>
  27. 27. Características Fisiológicas do RN Metabolismo <ul><li>Principal fonte de energia durante as primeiras 4 e 6 horas após nascimento é a glicose </li></ul><ul><li>90% é usado dentro das primeiras 3 horas </li></ul><ul><li>Caso não receba glicose exógena suficiente para manter o nível sérico de 60 mg/dl , o Rn poder entrar em um processo de hipoglicemia </li></ul>
  28. 28. Características Fisiológicas do RN Metabolismo <ul><li>Ferro: na gestação a termo o fígado do Rn contém ferro o suficiente para produzir hemácias até a idade de 5 meses (desde que a mãe tenha recebido suplemento durante a gestação) </li></ul><ul><li>Removido e destruída as hemácias, o ferro é armazenado no fígado e depois reciclado em novas hemácias </li></ul>
  29. 29. Características Fisiológicas do RN Sistema Renal <ul><li>O sistema renal do Rn é imaturo, o que coloca em risco para desidratação, acidose e desequilíbrio eletrolítico, em processos diarréicos e vômitos </li></ul><ul><li>O equilíbrio hídrico após o nascimento sofre alterações no Rn a termo, onde a água corresponde à cerca de 78% da sua composição corporal </li></ul><ul><li>Os prematuros corresponde a cerca de 80% do seu peso corporal e na idade adulta 58% </li></ul>
  30. 30. Características Fisiológicas do RN Sistema Renal <ul><li>O neonato urina dentro de 24 horas após o nascimento </li></ul><ul><li>A primeira urina poderá ter coloração vermelho-escura e nebulosa devido presença de uratos e muco, lanugem, não tendo significado clínico </li></ul><ul><li>O débito normal é em média de 15 a 20 ml/dia, seguindo-se 1 a 2 ml/Kg/hora e quando a ingesta hídrica do neonato aumenta, o débito urinário aumenta e a urina se torna mais clara </li></ul>
  31. 31. Características Fisiológicas do RN Sistema Digestório <ul><li>Ao nascer, o Rn precisa assumir as funções digestivas previamente realizadas pela placenta, incluindo o metabolismo de quantidades suficientes de água, proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e minerais para crescimento e desenvolvimento adequado </li></ul>
  32. 32. Características Fisiológicas do RN Sistema Digestório <ul><li>Capacidade gástrica é de 40 a 60 ml no primeiro dia após o nascimento, o que repercute em alimentações mais frequentes e tempo de esvaziamento gástrico em geral de 2 a 4 horas </li></ul><ul><li>A regurgitação geralmente ocorre em pequenas quantidades (1 a 2 ml) de matéria ingerida devido o esfíncter cárdia imaturo </li></ul><ul><li>As regurgitações persistentes e forçadas ou de grandes volumes é anormal, necessitando investigação </li></ul>
  33. 33. Características Fisiológicas do RN Sistema Digestório <ul><li>A síntese de vitamina K por meio da atividade bacteriana é outra função gastrintestinal importante, no qual estabelece dentro da primeira semana após o nascimento, permitindo síntese adequada de vitamina K </li></ul>
  34. 34. Características Fisiológicas do RN Sistema Digestório <ul><li>O início da alimentação deve começar o mais precocemente possível, fisicamente estável e exiba coordenação adequada de reflexos de sucção e deglutição </li></ul><ul><li>A demora em iniciar a alimentação pode esgotar as reservas limitadas de glicogênio no neonato, resultando em hipoglicemia, que coloca em risco o cérebro que é altamente dependente de glicose </li></ul>
  35. 35. Características Fisiológicas do RN Sistema Digestório <ul><li>O mecônio, substância fecal espessa, verde-escura e inodora, consiste em líquido amniótico, bile, células epiteliais e cabelo, geralmente é eliminado dentro das primeiras 24 horas após o nascimento </li></ul><ul><li>Após presença de alimento no intestino, a cor, odor e a consistência das fezes se alteram, para marrom-esverdeado e o teor de água é maior que o mecônio </li></ul>
  36. 36. Características Fisiológicas do RN Sistema Digestório <ul><li>Neonatos alimentados somente com leite materno, as fezes geralmente são liquefeitas, de odor adocicado e cor amarelo-vivo; contrariando os neonatos alimentados com fórmulas lácteas onde as fezes são pastosas, amareladas e odor forte </li></ul>
  37. 37. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>É deficiente ao nascimento, onde a exposição aos microorganismos como bactérias e vírus, não estão presentes comumente no útero </li></ul><ul><li>A exposição ativa os componentes da resposta imune, geralmente no primeiro ano de vida, onde a vulnerabilidade a infecções é maior </li></ul><ul><li>Algumas vezes as barreiras naturais de proteção(pele e membranas mucosas)não impedem invasão dos antigênica </li></ul>
  38. 38. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>A resposta sobre a invasão é iniciada pela imunidade humoral, chamada de imunoglobulinas </li></ul><ul><li>Imunoglobulinas são proteínas sintetizadas pelos Linfócitos B, no qual reagem com o antígeno ativando o sistema complemento e uma série de reações químicas que remove o antígeno do corpo </li></ul>
  39. 39. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>Imunoglobulina G (IgG) é a imunoglobulina mais abundante e é sintetizada em resposta à bactérias, vírus e fungos </li></ul><ul><li>A IgG materna, transferida para o feto por meio da placenta, confere a imunidade adquirida (imunidade de curta duração na qual não há produção de anticorpos) </li></ul>
  40. 40. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>A igG fetal aparece em torno da 12ª semana de gestação e os níveis crescem significativamente no último trimestre </li></ul><ul><li>Ela é ativa contra cocos Gram-positivos (pneumococos e estreptococos) </li></ul>
  41. 41. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>O Rn tem proteção contra a maioria das doenças infantis desde que a mãe tenha anticorpos contra essas doenças </li></ul><ul><li>O IgG não age contra bacilos Gram-negativos ( Escherichia coli e Enterobacter ) </li></ul><ul><li>Em torno de três meses, a IgG da mãe se esgota </li></ul>
  42. 42. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>A imunoglobulina M (IgM) é a primeira imunoglobulina produzida pela estimulação antigênica </li></ul><ul><li>A IgM é o principal anticorpo na incompatibilidade do tipo sanguíneo e em infecções por bactérias Gram-negativas </li></ul><ul><li>A IgM materna não atravessa a placenta e em torno da 20 semana de gestação em resposta à exposição ao antígeno </li></ul>
  43. 43. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>A IgM promove imunidade permanente resultante da estimulação antigênica por meio da inoculação ou da ímunidade natural </li></ul><ul><li>Níveis elevados de IgM podem indicar infecção perinatal </li></ul>
  44. 44. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>A Imunoglobulina A (IgA) é o principal anticorpo do revestimento mucoso dos intestinos e brônquios </li></ul><ul><li>Aparece nas secreções corpóreas, não atravessa a placenta e está comumente ausente no Rn </li></ul><ul><li>Combinada com uma proteína mucosa a IgA é secretada sobre as superfícies mucosas como um anticorpo </li></ul><ul><li>Está presente no leite materno conferindo imunidade passiva ao lactente </li></ul>
  45. 45. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>A imunidade celular indireta é mais aparente nas inflamações e são realizadas pelos Linfócitos T </li></ul><ul><li>Essas reconhecem o antígeno, mobilizam os macrófagos tissulares e na presença de fator de inibição migratória, desencadeia reações químicas, convertendo os macrófagos em fagócitos que irão destruir os antígenos </li></ul>
  46. 46. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>A imunidade celular indireta também é adquirida passivamente ao neonato, através do aleitamento materno </li></ul>
  47. 47. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>Infecções congênitas: adquiridas no útero e resultam da exposição a vírus como citomegalovírus, rubéola, hepatite B, herpes simples, herpes-zoster, varicela e Epstein-Barr </li></ul><ul><li>Agentes virais como toxoplasmose, sífilis, tuberculose, tripanossomíase e malária: são denominados TORCH (toxoplasmose, outros [tripanossomíase,malária], rubéola, citomegalovírus, herpes) </li></ul>
  48. 48. Características Fisiológicas do RN Sistema Imunológico <ul><li>Podem causar ampla faixa de sequelas, desde aborto espontâneo e morte fetal até infecção explícita ou assintomática ao nascer </li></ul><ul><li>O feto pode ser infectado por organismos que chegam à bolsa amniótica por meio da cérvice materna ou pela placenta </li></ul><ul><li>Um neonato infectado pode estar gravemente enfermo ao nascer com septicemia,pneumonia ou ambos </li></ul>
  49. 49. Características Fisiológicas do RN Sistema Neurológico <ul><li>Não totalmente desenvolvido, podendo realizar funções complexas necessárias para regular a adaptação: estimular respirações iniciais, manter equilíbrio ácido-básico e regular temperatura corporal </li></ul><ul><li>É controlada principalmente pelo tronco cerebral e pela medula espinal </li></ul><ul><li>Sistema autônomo e o tronco cerebral coordenam as funções respiratórias e cardíacas </li></ul>
  50. 50. Características Fisiológicas do RN Sistema Neurológico <ul><li>Todos os nervos cranianos estão presentes ao nascimento, porém não são totalmente recobertos com mielina, que é uma substância essencial para a transmissão dos impulsos nervosos </li></ul><ul><li>Tem um córtex funcionante, porém o grau de utilização ainda é desconhecido </li></ul><ul><li>O cérebro necessita de um suprimento constante de glicose como fonte de energia e de um nível relativamente alto de oxigênio </li></ul>
  51. 51. Características Fisiológicas do RN Sistema Neurológico <ul><li>Os níveis de glicose e oxigênio devem ser constantemente monitorados, com a finalidade de detectar comprometimento de trocas gasosas e hipoglicemias, podendo comprometer um metabolismo celular adequado </li></ul>
  52. 52. Características Fisiológicas do RN Sistema Neurológico <ul><li>No desenvolvimento do sistema neurológico, as vias sensoriais, cerebelar e extrapiramidal são as primeiras a se desenvolverem, por isso, o forte senso de audição, paladar e olfato do neonato </li></ul><ul><li>O cerebelo governa os movimentos involuntários e o equilíbrio </li></ul><ul><li>O trato extrapiramidal controla os movimentos grosseiros e ajuste postural </li></ul>
  53. 53. Características Fisiológicas do RN Sistema Neurológico <ul><li>Os reflexos neonatais classificados como alimentares, protetores, posturais e sociais, incluem os reflexos primitivos como sucção e reflexo de procura </li></ul><ul><li>Esses reflexos são cruciais para sobrevivência e servem como base para exames neurológicos do Rn </li></ul>
  54. 54. Características Fisiológicas do RN Sistema Endócrino <ul><li>Logo após a interrupção da circulação placentária ao nascer, o suprimento de oxigênio, nutrientes, eletrólitos e outras substâncias que antes eram supridos pela mãe, implicam alterações metabólicas significativas e imediatas </li></ul><ul><li>Após o nascimento, os níveis de cálcio sérico e de glicose mudam rapidamente </li></ul>
  55. 55. Características Fisiológicas do RN Sistema Endócrino <ul><li>A glicose do recém-nascido a termo ao nascer é em geral de 60 a 70% do nível de glicose sérica materna, cujo nível diminui entre 35 e 40 mg/dl nas duas horas seguintes </li></ul><ul><li>Após 6 horas do nascimento, se eleva novamente para cerca de60 mg/dl, a não ser que o Rn seja prematuro, ou sofra de estresse por frio, alimentação retardada, anomalias metabólicas ou sepse </li></ul>
  56. 56. Características Fisiológicas do RN Sistema Endócrino <ul><li>Os níveis de cálcio sérico diminui ao nascer, mas geralmente se estabiliza 24 a 48 horas após o nascimento (um nível abaixo de 7 mg/dl caracteriza hipocalcemia e pode resultar em hipoxemia) </li></ul>
  57. 57. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>A manutenção da temperatura corporal é essencial para uma adaptação extra-uterina bem sucedida </li></ul><ul><li>Regulada por interações complexas entre a temperatura ambiental e a perda e a produção de calor </li></ul><ul><li>O neonato tem uma capacidade termorreguladora limitada, obtida por mecanismos de aquecimento e esfriamento corporal </li></ul>
  58. 58. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>O mecanismo de termorregulação pode levar à morte do Rn quando não pode mais manter a temperatura corporal, devido alterações nos mecanismos de aquecimento ou esfriamento natural </li></ul><ul><li>À medida em que neonato faz a transição para a vida extra-uterina, a temperatura central diminui em quantidades que variam com a ambiental </li></ul>
  59. 59. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Esse ambiente, em condições normais de parto, a temperatura do recém-nascido poderá cair 3ºC, antes mesmo de sair da sala de parto </li></ul>
  60. 60. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>A prevenção da hipotermia está em uma das mais importantes prioridades da assistência de enfermagem neonatal </li></ul><ul><li>A hipotermia não tratada pode ter várias consequências, resultando em morte do Rn </li></ul>
  61. 61. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>O processo da hipotermia leva à liberação de norepinefrina, resultando em vasoconstrição periférica </li></ul><ul><li>Como consequência, ocorre um aumento da resistência vascular pulmonar, resultando em hipóxia </li></ul><ul><li>Com a hipóxia, o metabolismo anaeróbio, leva ao aumento da acidose que resulta em pouco tempo a morte </li></ul>
  62. 62. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Em um processo agudo, a hipotermia pode levar à vasoconstrição pulmonar, acarretando em aumento da acidose e consequentemente à morte </li></ul><ul><li>Portanto, um ambiente térmico neutro, requer menor quantidade de energia para manter uma temperatura central estável, para o Rn à termo </li></ul>
  63. 63. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Para manter a temperatura dentro desse ambiente térmico neutro (32 a 34ºC), o consumo de oxigênio e a produção de dióxido de carbono é menor, onde o Rn faz ajustes vasomotores como a vasoconstrição para manter calor e vasodilatação para liberar calor </li></ul><ul><li>Temperaturas ambientais acima ou abaixo do ambiente neutro, aumentam o metabolismo e a taxa de oxigênio </li></ul>
  64. 64. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Essa desvantagem fisiológica correspondem à algumas características do RN para a hipotermia: superfície corporal maior que a massa; deposição limitada de gordura subcutânea para prover isolamento; instabilidade vasomotora e capacidade metabólica limitada </li></ul>
  65. 65. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Os mecanismos de perda do calor pode ocorrer por 4 mecanismos </li></ul><ul><li>Evaporação </li></ul><ul><li>Condução </li></ul><ul><li>Radiação </li></ul><ul><li>Convecção </li></ul>
  66. 66. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Evaporação: perda de calor por evaporação quando os fluidos se tornam vapor ao ar seco </li></ul><ul><li>Quanto mas seco o ambiente, maior a perda de calor por evaporação </li></ul><ul><li>A perda acentuada de calor por evaporação que ocorre no parto pode ser minimizada secando-se imediatamente o RN e removendo-se os campos molhados </li></ul>
  67. 67. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Condução: ocorre quando a pele entra em contato direto com um objeto mais frio, por exemplo, uma mesa ou balança frias </li></ul><ul><li>Portanto, qualquer superfície metálica ao qual o Rn será colocado deverá ser forrada </li></ul>
  68. 68. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Radiação: perda de calor sem contato direto com o Rn pode causar perda de calor por radiação </li></ul><ul><li>As fontes comuns de perda incluem as paredes e janelas da incubadora, mesmo em temperaturas quentes </li></ul><ul><li>Pode ser minimizada através do uso de uma cobertura de calor termoplástica </li></ul>
  69. 69. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador <ul><li>Convecção: perda de calor da superfície corporal para o ar circunjacente mais frio </li></ul><ul><li>É maior em ambientes refriados, como a sala de parto resfriada para conforto da equipe de saúde </li></ul>
  70. 70. Características Fisiológicas do RN Sistema Termorregulador -Defesas <ul><li>Controle vasomotor </li></ul><ul><li>Isolamento térmico </li></ul><ul><li>Atividade muscular </li></ul><ul><li>Termogênese não espasmogênica </li></ul>
  71. 71. Características Fisiológicas do RN Sistema Tegumentar <ul><li>O Rn saudável é úmido ao toque </li></ul><ul><li>Podem presenciar lanugem (cabelo fino e felpudo sobre as costas e os ombros), servindo como primeira linha de defesa contra infecções </li></ul><ul><li>A camada mais externa contém o vérnix caseoso que consiste em uma substância gordurosa branca produzida pelas glândulas sebáceas e que protege a pele do Rn do fluído amniótico </li></ul>
  72. 72. Características Fisiológicas do RN Sistema Tegumentar <ul><li>A pele do Rn parece eritematosa (avermelhada) por várias horas após o nascimento, assumindo sua coloração normal, horas após </li></ul><ul><li>A acrocianose (coloração azulada das mãos e dos pés) </li></ul>

×