Seu SlideShare está baixando. ×
0
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Exame Físico Geral
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Exame Físico Geral

91,791

Published on

Published in: Saúde e Medicina, Educação
15 Comentários
114 pessoas curtiram isso
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
91,791
No Slideshare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
15
Curtidas
114
Incorporar 0
No embeds

Conteúdo do relatório
Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
No notes for slide

Transcript

  • 1. Exame Físico Geral Enfº Eduardo Gomes da Silva – COREN 001790 Enfª Juliana Lopes Figueiredo – COREN 99792 Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 2. Conteúdo <ul><li>Temperatura </li></ul><ul><li>Pulso </li></ul><ul><li>Respiração </li></ul><ul><li>Pressão Arterial </li></ul><ul><li>Posições para Exames </li></ul><ul><li>Condição Nutricional </li></ul><ul><li>Medidas </li></ul><ul><li>Circunferência Corporal </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 3. Temperatura <ul><li>É o grau de calor que o corpo apresenta indicando o equilíbrio entre a produção e eliminação do calor </li></ul><ul><li>O sistema termoregulador é precisamente equilibrado na relação calor produzido x calor perdido, através de mecanismos fisiológicos e comportamentais </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 4. Temperatura – Mecanismo Fisiológico <ul><li>Região posterior do hipotálamo: redução do fluxo sanguíneo para pele e músculos através da vasoconstrição </li></ul><ul><li>Contração muscular voluntária </li></ul><ul><li>Região anterior do hipotálamo: vasodilatação com redistribuição do sangue para vasos superficiais </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 5. Alterações Fisiológicas da Temperatura <ul><li>Sono e repouso – aumenta pela manhã </li></ul><ul><li>Sono e repouso - diminui pela tarde </li></ul><ul><li>Emoções – aumenta </li></ul><ul><li>Fator Hormonal – menstruação aumenta </li></ul><ul><li>Fator Hormonal – ovulação diminui </li></ul><ul><li>Desnutrição – diminui </li></ul><ul><li>Alimentos quentes – aumenta </li></ul><ul><li>Alimentos frios – diminui </li></ul><ul><li>Hipotireoidismo – diminui </li></ul><ul><li>Hipertireoidismo – aumenta </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 6. Hipertermia <ul><li>Elevação patológica da temperatura </li></ul><ul><li>A febre pode ser causada por anormalidades no próprio cérebro ou por substâncias tóxicas que afetam os centros termorreguladores </li></ul><ul><li>Substâncias tóxicas são chamadas pirogênios e são liberadas por bactérias ou pelos tecidos em degeneração no organismo </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 7. Mensuração Normal <ul><li>Axilar – 36.0 ºC a 36.2 ºC </li></ul><ul><li>Oral – 36.2 ºC a 36.4 ºC </li></ul><ul><li>Retal - 36.4 ºC a 36.8 ºC </li></ul><ul><li>Timpânica – 36.4 ºC a 36.8 ºC </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 8. Variações Patológicas <ul><li>37 a 38 ºC – estado febril </li></ul><ul><li>38.1 a 39 ºC – febre </li></ul><ul><li>39.1 a 40 ºC – pirexia </li></ul><ul><li>> que 40 ºC – hiperpirexia </li></ul><ul><li>36 a 35.1 ºC – subnormal </li></ul><ul><li>35 ºC – colapso </li></ul><ul><li>< de 35 ºC – colapso álgido </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 9. Tipos de Febre <ul><li>Continua </li></ul><ul><li>Remitente </li></ul><ul><li>Intermitente </li></ul><ul><li>Recorrente </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 10. Febre Contínua <ul><li>Oscilações diárias de temperatura </li></ul><ul><li>Máxima e mínima não ultrapassam 1 ºC, permanecendo por 24: </li></ul><ul><li>Comum em pneumonia </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 11. Febre Remitente <ul><li>Oscilações vão além de 1 ºC, variando entre 1º a 2º durante 24h </li></ul><ul><li>Não chega ao normal </li></ul><ul><li>Geralmente em septicemias </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 12. Febre Intermitente <ul><li>Alternância entre febre e pirexia </li></ul><ul><li>Queda brusca da temperatura com período de Tº normal ou subnormal </li></ul><ul><li>Comumente associado à malária </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 13. Febre Recorrente <ul><li>Há alternâncias de alguns dias de apirexia </li></ul><ul><li>Geralmente apresenta-se no mesmo horário e associada à neoplasia </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 14. Hipotermia <ul><li>Temperatura inferior a 36 ºC </li></ul><ul><li>Observa-se geralmente na fase final de declínio da febre com graduações de até 34 a 35 graus por alguns dias, elevando-se ao normal </li></ul><ul><li>Há diminuição correspondente das pulsações de dos movimentos respiratórios </li></ul><ul><li>Difere de colapso </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 15. Fatores Relacionados <ul><li>Hipovolemia </li></ul><ul><li>Choque hemodinâmico </li></ul><ul><li>Inanição crônica </li></ul><ul><li>Uremia </li></ul><ul><li>Coma diabético </li></ul><ul><li>Drogas </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 16. Técnica de Verificação da Temperatura Finalidade <ul><li>Detectar infecções </li></ul><ul><li>Identificar problemas termorreguladores </li></ul><ul><li>Auxiliar no diagnóstico </li></ul><ul><li>Auxiliar o tratamento </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 17. Técnica de Verificação da Temperatura Locais <ul><li>Oral </li></ul><ul><li>Axilar </li></ul><ul><li>Retal </li></ul><ul><li>Timpânico </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 18. Técnica Axilar <ul><li>Lavar as mãos </li></ul><ul><li>Reunir o material (em bandeja) e levar ao quarto, próximo ao paciente </li></ul><ul><li>Explicar o procedimento </li></ul><ul><li>Fazer desinfecção do termômetro </li></ul><ul><li>Agitar o termômetro de coluna de Hg para que desça ao bulbo </li></ul><ul><li>Secar a região axilar </li></ul><ul><li>Colocar o termômetro na região axilar posicionando o membro do cliente sobre o tórax </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 19. Técnica Axilar <ul><li>Manter nesta posição por 7 a 10 minutos </li></ul><ul><li>Verificar o valor </li></ul><ul><li>Agitar novamente para o Hg descer </li></ul><ul><li>Limpar novamente o termômetro </li></ul><ul><li>Guardar o material em local apropriado </li></ul><ul><li>Lavar as mãos </li></ul><ul><li>Checar na prescrição e fazer a anotação </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 20. Observação <ul><li>Se for utilizado quadro gráfico marcar com caneta azul e, o tracejado será contínuo </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 21. Técnica para Aferição de Temperatura Oral <ul><li>Dispor de termômetro individual para cada paciente </li></ul><ul><li>Colocar o termômetro lateralmente com bulbo embaixo da região lateral da língua, ao centro da mandíbula </li></ul><ul><li>Orientá-lo a manter os lábios cerrados </li></ul><ul><li>Manter durante 03 minutos com termômetro de mercúrio e durante 60 segundos com termômetro descartável ou até um sinal audível com termômetro eletrônico </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 22. Atenção! <ul><li>Contra indicada em crianças, idosos, doentes graves, inconsciente e psiquiátricos, portadores de lesões orofaríngeas, após fumar, após ingestão de alimentos gelados ou quentes </li></ul><ul><li>O uso do termômetro deverá ser individual </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 23. Técnica para Aferição de Temperatura Retal <ul><li>Dispor de termômetro individual para cada paciente </li></ul><ul><li>Posição de sims </li></ul><ul><li>Lubrificar a ponta do termômetro (soro fisiológico 0,9%) </li></ul><ul><li>Afastar as nádegas com gaze ou papel higiênico </li></ul><ul><li>Inserir no ânus delicadamente em direção ao umbigo (1,2 cm para crianças e 3,5 cm para adultos); nunca forçar </li></ul><ul><li>Manter por 3 minutos, retirar o material fecal e fazer a leitura </li></ul><ul><li>Lavar com água e sabão e deixar em solução desinfetante </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 24. Técnica para Aferição de Temperatura Timpânica <ul><li>É a mensuração mais precisa da temperatura central </li></ul><ul><li>Inserir a ponta no canal auricular </li></ul><ul><li>Aplicar uma pressão leve e firme </li></ul><ul><li>Ligar o aparelho e deixar na posição até que o sinal audível ou visual indique a medida </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 25. Conversão <ul><li>Celsius para Fahrenheit </li></ul><ul><li>ºF = ºC x 1,8 + 32 </li></ul><ul><li>Fahrenheit para Celsius </li></ul><ul><li>ºC = ( ºF – 32 ) / 1,8 </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 26. Pulso <ul><li>É a distensão ou pulsação dos vasos sanguíneos produzida por uma onda de sangue que é enviada pelo ventrículo esquerdo cada vez que se contrai </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 27. Objetivos <ul><li>Tensão </li></ul><ul><li>Ritmo </li></ul><ul><li>Frequência </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 28. Tensão <ul><li>É a força com que o pulso bate </li></ul><ul><li>Cheio </li></ul><ul><li>Fino </li></ul><ul><li>Filiforme </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 29. Ritmo <ul><li>É a cadência com que o pulso bate </li></ul><ul><li>Regular ou rítmico </li></ul><ul><li>Irregular ou arrítmico </li></ul><ul><li>Pulso dicrótico </li></ul><ul><li>Extrasístole </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 30. Frequência <ul><li>Número de batimentos por minuto </li></ul><ul><li>Normocárdico </li></ul><ul><li>Taquicárdico: acima do normal </li></ul><ul><li>Bradicárdico: abaixo do normal </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 31. Escala de Valores Normais de Acordo com Idade <ul><li>Rn................120 a 160 batimentos por minuto </li></ul><ul><li>Lactentes.......90 a 140 batimentos por minuto </li></ul><ul><li>Pré-escolar....80 a 110 batimentos por minuto </li></ul><ul><li>Escolar...........75 a 100 batimentos por minuto </li></ul><ul><li>Puberdade.......60 a 90 batimentos por minuto </li></ul><ul><li>Adulto homem.........60 a 80 batimentos por minuto mulher..........65 a 70 batimentos por minuto </li></ul><ul><li>> de 60 anos....60 a 70 batimentos por minuto </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 32. Fatores Influentes que Aumentam a Frequência <ul><li>Exercícios físicos </li></ul><ul><li>Febre </li></ul><ul><li>Calor </li></ul><ul><li>Dor aguda </li></ul><ul><li>Ansiedade </li></ul><ul><li>Atropina </li></ul><ul><li>Ficar em pé ou sentado </li></ul><ul><li>Emoções </li></ul><ul><li>Banho frio </li></ul><ul><li>Digestão </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 33. Fatores Influentes que Diminui a Frequência <ul><li>Dor crônica intensa contínua </li></ul><ul><li>Digitálicos </li></ul><ul><li>Beta-bloqueadores </li></ul><ul><li>Antiarrítmicos </li></ul><ul><li>Posição do corpo deitado </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 34. Pulsos Arrítmicos (Irregulares) <ul><li>Pulso Parvus </li></ul><ul><li>Pulso Anacrótico </li></ul><ul><li>Pulso Dicrótico </li></ul><ul><li>Pulso Bisferiens </li></ul><ul><li>Pulso Paradoxal </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 35. Pulso Parvus <ul><li>Pequena amplitude, mas com figuração normal </li></ul><ul><li>Acontece nos casos de baixo débito </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 36. Pulso Anacrótico <ul><li>Composto de uma onda principal lenta e de baixa amplitude e que ocorre na estenose aórtica </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 37. Pulso Dicrótico <ul><li>Impressão de dois batimentos </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 38. Pulso Bisferiens <ul><li>Duplo batimento na sístole e que ocorre na hipertensão arterial e na dupla lesão aórtica </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 39. Pulso Paradoxal <ul><li>Pulso que durante a inspiração profunda diminui acentuadamente a sua amplitude. Ele é um exagero do normal e ocorre na pericardite constritiva </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 40. Locais de Aferição <ul><li>Pulso temporal </li></ul><ul><li>Pulso carotídeo </li></ul><ul><li>Pulso apical </li></ul><ul><li>Pulso radial </li></ul><ul><li>Pulso ulnar </li></ul><ul><li>Pulso braquial </li></ul><ul><li>Pulso femoral </li></ul><ul><li>Pulso poplíteo </li></ul><ul><li>Pulso tibial posterior </li></ul><ul><li>Pulso pedioso </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 41. Pulso Temporal <ul><li>Palpar ao longo dos ossos temporais-esfenóides </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 42. Pulso Carotídeo <ul><li>Margem medial do músculo esternocleidomastóideo </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 43. Pulso Apical <ul><li>Localizar o 5º espaço intercostal na linha médioclavicular </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 44. Pulso Radial <ul><li>Face externa do punho </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 45. Pulso Ulnar <ul><li>Face interna do punho, menos proeminente </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 46. Pulso Braquial <ul><li>Face anterior do cotovelo, interna </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 47. Pulso Femoral <ul><li>Posição supina, entre a sínfise púbica e espinha ilíaca ântero-superior </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 48. Pulso Poplíteo <ul><li>Localizado atrás do joelho flexionado, palpar profundamente lateral a linha média </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 49. Pulso Tibial Posterior <ul><li>Lado interno do maléolo, colocar os dedos atrás e abaixo </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 50. Pulso Pedioso <ul><li>Ao longo do dorso do pé, alinhado com o sulco entre os tendões extensores do grande e o primeiro artelho </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 51. Técnica do Controle do Pulso - Finalidade <ul><li>Avaliar condições hemodinâmicas do cliente e detectar arritmia cardíaca </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 52. Técnica do Controle de Pulso <ul><li>Lavar as mãos </li></ul><ul><li>Colocar o paciente em posição confortável, sentado ou deitado, com o braço sempre apoiado </li></ul><ul><li>Explicar o procedimento </li></ul><ul><li>Colocar os dedos médio e indicador sobre uma artéria superficial do paciente, comprimindo-a levemente </li></ul><ul><li>Contar os batimentos durante um minuto (utilizar relógio com ponteiro de segundos) </li></ul><ul><li>Lavar as mãos </li></ul><ul><li>Checar na prescrição e anotar </li></ul><ul><li>Se utilizar quadro gráfico marcar com caneta vermelha e tracejado contínuo </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 53. Observações <ul><li>Ter as mãos aquecidas </li></ul><ul><li>Nunca fazer pressão muito forte sobre a artéria </li></ul><ul><li>Nunca contar o pulso do paciente após esforço físico </li></ul><ul><li>Certificar-se primeiro do ritmo, depois contá-lo </li></ul><ul><li>Em casos de pacientes atletas, o pulso poderá apresentar-se com freqüência diminuída </li></ul><ul><li>(condicionamento físico). </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 54. Técnica do Controle do Pulso Apical <ul><li>Lavar as mãos </li></ul><ul><li>Explicar o procedimento </li></ul><ul><li>Colocar o diafragma do estetoscópio na parte esquerda do tórax na altura do 4º espaço intercostal </li></ul><ul><li>Auscultar e contar os batimentos cardíacos por um minuto </li></ul><ul><li>Guardar o material utilizado </li></ul><ul><li>Lavar as mãos </li></ul><ul><li>Checar a prescrição e anotar o valor obtido </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 55. Respiração <ul><li>É regulada e mantida em movimentos rítmicos pelos centros respiratórios, fibras nervosas do SNA e pela composição química do sangue </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 56. Fatores Influentes que Aumentam a Respiração <ul><li>Exercício (frequencia e profundidade) </li></ul><ul><li>Febre e calor </li></ul><ul><li>Dor aguda (frequência, profundidade e altera o ritmo) </li></ul><ul><li>Ansiedade (frequência, profundidade e altera o ritmo) </li></ul><ul><li>Anfetamina e cocaína (frequência e profundidade) </li></ul><ul><li>Postura ereta (expansão pulmonar completa) </li></ul><ul><li>Da infância à idade adulta a capacidade pulmonar aumenta </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 57. Fatores Influentes que Diminuem a Respiração <ul><li>Senescência – a profundidade diminui </li></ul><ul><li>Postura relaxada – redução da frequência e volume </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 58. Alterações da Respiração <ul><li>Apnéia – parada respiratória </li></ul><ul><li>Dispnéia – dificuldade e dor ao respirar </li></ul><ul><li>Hiperpnéia – aumento da profundidade com frequencia normal </li></ul><ul><li>Eupnéia – respiração normal para a idade (ritmo, frequência, e profundidade) </li></ul><ul><li>Hipoventilação – diminuição da frequência e da profundidade </li></ul><ul><li>Hiperventilação – aumento da frequência e da profundidade </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 59. Frequência Respiratória <ul><li>Nº de movimentos por minuto </li></ul><ul><li>Taquipnéia – aumento da frequencia da respiração </li></ul><ul><li>Bradipnéia – diminuição da frequência </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 60. Escala de Valores Normais – de acordo com a Idade <ul><li>Rn....................- 40 a 45 mrpm </li></ul><ul><li>Lactentes.........- 25 a35 mrpm </li></ul><ul><li>Pré-escolares...– 20 a 35 mrpm </li></ul><ul><li>Escolares.........– 18 a 22 mrpm </li></ul><ul><li>Adultos </li></ul><ul><li>homem 16 a 18 mrpm </li></ul><ul><li>mulher 18 a 20 mrpm </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 61. Ritmos Anormais <ul><li>Cheyne Stokes (ciclopnéia) </li></ul><ul><li>Kussmaul </li></ul><ul><li>Biot </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 62. Cheyne Stokes <ul><li>Movimentos respiratórios cada vez mais amplos e rápidos </li></ul><ul><li>Faz um período mais ou menos prolongado de apnéia </li></ul><ul><li>Reinicia o ciclo </li></ul><ul><li>Diminuição da frequência, seguido de um período de apnéia(20s).O ciclo da respiração dura em média 30 a 40 segundos antes de cada episódio de apnéia </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 63. Kussmaul <ul><li>Amplos movimentos inspiratórios e expiratórios </li></ul><ul><li>Períodos de apnéia ao fim de cada um dos movimentos </li></ul><ul><li>Aumento da freqüência e da profundidade </li></ul><ul><li>Respiração difícil e semelhante à respiração “ arfante” </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 64. Biot <ul><li>Pausas apnéicas de duração variável </li></ul><ul><li>No intervalo destas pausas, os ciclos respiratórios podem ser regulares ou anárquicos </li></ul><ul><li>Irregular, as incursões respiratórias podem ser superficiais ou profundas e cessam por curtos períodos. Depressão respiratória e lesão cerebral no bulbo </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 65. Técnica de Verificação <ul><li>Contar a respiração por um minuto </li></ul><ul><li>Anotar a seguir </li></ul><ul><li>Se marcar em gráfico, será em azul e o tracejado pontilhado </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 66. Observações <ul><li>Não deixar que o paciente perceba que estão sendo contados os movimentos respiratórios, para isso, segurar o antebraço como se estivesse verificando o pulso. </li></ul><ul><li>Contar os movimentos respiratórios durante 1 </li></ul><ul><li>( um ) minuto completo </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 67. Pressão Arterial <ul><li>É a pressão que o sangue exerce dentro das artérias </li></ul><ul><li>Tem como unidade padrão de medida milímetros de mercúrio ( mmHg ) </li></ul><ul><li>Depende: </li></ul><ul><li>força de contração do coração </li></ul><ul><li>resistência periférica </li></ul><ul><li>volume de sangue circulante </li></ul><ul><li>viscosidade do sangue </li></ul><ul><li>elasticidade das paredes dos vasos </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 68. Itens Conservadores da Pressão Arterial <ul><li>Força de contração do coração </li></ul><ul><li>Resistência periférica </li></ul><ul><li>Volume de sangue circulante </li></ul><ul><li>Viscosidade do sangue </li></ul><ul><li>Elasticidade das paredes dos vasos </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 69. Pressão Sistólica (máxima) <ul><li>Ocorre quando o ventrículo esquerdo do coração empurra o sangue até a aorta </li></ul><ul><li>É a pressão mais elevada verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 70. Pressão Diastólica (mínima) <ul><li>Está presente continuamente nas paredes arteriais </li></ul><ul><li>É a pressão arterial mais baixa detectada no sistema arterial sistêmico, observada durante a fase de diástole do ciclo cardíaco </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 71. Débito Cardíaco <ul><li>É o volume de sangue bombeado por um ventrículo por unidade de tempo. É determinado pela relação entre freqüência cardíaca e o volume sistólico </li></ul><ul><li>DC = VS x FC </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 72. Pressão Arterial Normal no Adulto (OMS) <ul><li>Sistólica igual ou inferior a 140 mmHg </li></ul><ul><li>Diastólica igual ou inferior a 90 mmHg </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 73. Hipertensão Arterial <ul><li>Sistólica igual ou superior a 160 mmHg </li></ul><ul><li>Diastólica igual ou superior a 95 mmHg </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 74. Hipertensão Limítrofe <ul><li>Sistólica entre 140 e 160 mmHg </li></ul><ul><li>Diastólica entre 90 e 95 mmHg </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 75. Hipertensão Leve <ul><li>Sistólica 160 a 179 mmHg – 140 a 159 mmHg </li></ul><ul><li>Diastólica 95 a 140 mmHg – 90 a 99 mmHg </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 76. Hipertensão Moderada <ul><li>Sistólica 180 mmHg a 199mmHg – 160 a 179 mmHg </li></ul><ul><li>Diastólica 105 mmHg a 114 mmHg – 100 a 109 mmHg </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 77. Hipertensão Grave <ul><li>Sistólica igual ou acima de 200 mmHg - > 180 mmHg </li></ul><ul><li>Diastólica igual ou acima de 115 mmHg - > 110 mmHg </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 78. Classificação da Pressão Arterial segundo o V Joint National Committee Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino >120 >210 Hipertensão gravíssima 110 - 119 180 - 209 Hipertensão grave 100 - 109 160 - 179 Hipertensão Moderada 90 - 99 140 - 159 Hipertensão Leve 85 - 89 130 - 139 Normal Alta <85 <130 Normal Diastólica Sistólica Categoria
  • 79. Fatores que Influenciam na Pressão Arterial <ul><li>Aumentam: enfermidades renais, avc, arterioesclerose </li></ul><ul><li>Diminuem: febre, hemorragia, tuberculose </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 80. Pressão Convergente <ul><li>Sistólica se aproxima da diastólica </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 81. Pressão Divergente <ul><li>Sistólica se distancia da diastólica </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 82. Técnica de Aferição da Pressão Arterial <ul><li>A PA deve ser aferida no seu modo mais simples, no braço, com o indivíduo tranquilamente sentado e o braço apoiado numa superfície plana </li></ul><ul><li>Antes da medida da PA, deve-se tomar dados relativos à sua identificação, às suas queixas e a sua história pregressa </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 83. Técnica de Aferição da Pressão Arterial <ul><li>O braço deverá estar apoiado numa mesa, numa altura confortável – o ponto médio do braço deverá estar à mesma altura do coração – Linha axilar média </li></ul><ul><li>O braço deve estar relaxado, livre de roupas e a manga da camisa ou da blusa não deverá exercer nenhum efeito constritor, a mão também deverá estar aberta e relaxada </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 84. Técnica de Aferição da Pressão Arterial <ul><li>A braçadeira deve cobrir 2/3 do comprimento do braço; a borda inferior deve ficar dedos acima da prega do cotovelo, de modo a deixar livre a artéria braquial </li></ul><ul><li>O esfignomanômetro deve estar corretamente calibrado </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 85. Técnica de Aferição da Pressão Arterial <ul><li>A parte média da braçadeira que contém o manguito (bolsa de ar) deve estar acima da artéria braquial, para que possa pressioná-la contra o úmero </li></ul><ul><li>Ao se iniciar o procedimento deve-se verificar se o ponteiro do manômetro aneróide ou o nível da coluna de mercúrio estão precisamente no ponto zero </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 86. Técnica de Aferição da Pressão Arterial <ul><li>A artéria braquial deve ser palpada com os dedos indicador e médio, de modo a localizá-la com precisão à altura da prega do cotovelo </li></ul><ul><li>As peças auriculares (olivas) do estetoscópio devem estar firmemente colocadas nos ouvidos e a campânula em cima da artéria, no ponto onde ela passa a se chamar braquial; deve-se tocar de modo firme toda a superfície da pele </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 87. Técnica de Aferição da Pressão Arterial <ul><li>A mão dominante segura a pêra de borracha do aparelho e fecha a válvula delicadamente </li></ul><ul><li>Insufla-se a pêra bombeando-se rapidamente, de modo a elevar o ponteiro do manômetro ou o menisco da coluna de mercúrio 20 a 30 mm acima do ponto onde o ruído de Korotkoff desaparece </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 88. Técnica de Aferição da Pressão Arterial <ul><li>A campânula deve ser mantida firmemente sobre o braço do paciente, observando-se o mostrador e abrindo-se vagarosamente a válvula de controle de ar. A queda da pressão deve ser lenta,a uma velocidade de 2 a 3 mmHg </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 89. Técnica de aferição da Pressão Arterial <ul><li>O aparecimento do primeiro ruído (ruído de Korotkoff) *representa a pressão sistólica </li></ul><ul><li>O desaparecimento do último ruído (quinto Korotkoff) representa a pressão diastólica </li></ul><ul><li>Deve-se aguardar alguns minutos antes de se verificar novamente </li></ul><ul><li>A reinsulfação do manguito antes dos 30 segundos pode acarretar estase venosa, que interferirá na leitura correta da PA </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 90. Sons de Korotkoff* <ul><li>K1 Som súbito, forte, bem definido, que aumenta em intensidade . </li></ul><ul><li>A pressão da bolsa iguala-se a pressão sistólica , ocorre passagem parcial da onda de pulso arterial . </li></ul><ul><li>K 2 Sucessão de sons soprosos, mais suaves e prolongados (qualidade de sopro intermitente) . </li></ul><ul><li>Decorre de mudança no calibre arterial (de estreito para mais largo) com criação de fluxo turbilhonado - o qual produz vibração do sangue e da parede arterial - produzindo sopros . </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 91. Sons de Korotkoff <ul><li>K3:desaparecimento dos sons soprosos e surgimento de sons mais nítidos e intensos (semelhantes ao da fase I), que aumentam em intensidade. </li></ul><ul><li>À medida que a pressão na bolsa em adicionalmente diminuída, a artéria permanece aberta na sístole mas permanece fechada na telediástole ( diástole tardia). </li></ul><ul><li>K 4:os sons tornam-se abruptamente mais suaves e abafados, são menos claros. A pressão da bolsa encontra-se no nível da pressão diastólica intra-arterial. </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 92. Sons de Korotkoff <ul><li>K5:desaparecimento completo dos sons </li></ul><ul><li>A artéria permanece aberta durante todo o ciclo cardíaco </li></ul><ul><li>Segundo as recomendações da American Heart Association devemos considerar a pressão na qual o som inicialmente aparece (início da fase I ou K1) como a pressão arterial sistólica. </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 93. Considerações <ul><li>Para a determinação da pressão arterial diastólica ainda existem discussões sobre qual fase dos sons de Korotkoff (K4 - início do abafamento ou K5 - desaparecimento do som) melhor corresponde a ela. </li></ul><ul><li>Quando se compara a medida intra-arterial (direta) da pressão arterial com a medida indireta, observa-se que o desaparecimento dos sons (K5) se correlaciona melhor com a pressão diastólica do que o abafamento (K4). </li></ul><ul><li>Assim, atualmente a pressão diastólica é definida, em adultos, pelo início da fase V (K5). </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 94. Considerações <ul><li>Em crianças com menos de 13 anos, gestantes e pacientes com débito cardíaco alto ou com vasodilatação periférica, onde os sons podem ser ouvidos até aproximadamente 0 mmHg, por motivos práticos, o abafamento (fase IV ou K4) deve ser utilizado como indicativa da pressão diastólica, entretanto ambos (K4 e K5) devem ser registrados </li></ul><ul><li>(p. ex. PA = 120/50/10 mmHg). </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 95. Mudança de Posição <ul><li>A resposta normal quando uma pessoa fica em pé ou sai da posição de decúbito, inclui uma queda da PA sistólica de até 15 mmHg e uma leve queda ou aumento da diastólica de 5 a 10 mmHg </li></ul><ul><li>Pode ocorrer hipotensão postural (ortostática), que se acompanha de tontura ou síncope </li></ul><ul><li>As três causas mais comuns da hipotensão ortostática: depleção do volume intra-vascular,mecanismos vasoconstritores inadequados e efeito autônomo insuficiente sobre a constrição vascular. </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 96. Método Palpatório <ul><li>Insufla-se o manguito, fechando-se a válvula e apertando-se a “ pera” rapidamente até o desaparecimento do pulso radial </li></ul><ul><li>Verifica-se o valor e acrescenta-se 30 mmHg. Após, desinsufla-se lenta e completamente o manguito até o aparecimento do pulso, o que é considerado a pressão arterial sistólica. </li></ul><ul><li>Desinsufla-se a seguir o manguito rapidamente. </li></ul><ul><li>O método palpatório só permite a verificação da pressão arterial máxima </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 97. Hiato Auscultatório <ul><li>É um intervalo durante o qual os sons de Korotkoff não são audíveis mesmo sendo a pressão no interior da bolsa inflável elevada, entretanto inferior a pressão sistólica. </li></ul><ul><li>Este intervalo geralmente ocorre no final da fase I ou II (podendo ter duração de até 40 mmHg). </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 98. Hiato Auscultatório <ul><li>A principal causa associada ao aparecimento do hiato auscultatório é a redução do fluxo sangüíneo para região distal a bolsa inflável, por aumento da pressão venosa ou outras causas, ele é observado principalmente em idosos hipertensos com arterioesclerose ou estenose aórtica severa </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 99. Hiato Auscultatório <ul><li>O hiato auscultatório pode ser responsável por medidas de pressão sistólica falsamente baixas ou pressão diastólica falsamente elevadas </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 100. Hiato Auscultatório <ul><li>O primeiro erro decorre da não auscultação dos sons de Korotkoff iniciais </li></ul><ul><li>Para evitá-lo é fundamental que seja realizada a medida da pressão arterial pela técnica palpatória, assim após determinada a pressão sistólica por este método, realiza-se a técnica auscultatória, agora insuflando a bolsa 40 mmHg acima da pressão sistólica determinada pelo método palpatório </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 101. Hiato Auscultatório <ul><li>O segundo erro é devido ao desaparecimento temporário dos sons de Korotkoff após sua ausculta inicial - causando medidas falsamente elevadas da pressão diastólica, para evitar este erro deve-se ficar atento à ausculta durante a desinsuflação do manguito por pelo menos 40 mmHg após o seu desaparecimento. </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 102. Pressão Arterial Média -PAM <ul><li>Pressão arterial média </li></ul><ul><li>PAM = PD = 1/3 ( PS – PD ) </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 103. Fatores que Afetam a Aferição da Pressão Arterial <ul><li>Medida falsamente alta: </li></ul><ul><li>Manguito demasiadamente estreito extremidade </li></ul><ul><li>Manguito frouxo na extremidade </li></ul><ul><li>Inclinação do manômetro distante do observador </li></ul><ul><li>Braço abaixo do nível do coração </li></ul><ul><li>Verificações em rápida sucessão </li></ul><ul><li>Encher novamente o manguito após perder uma leitura sistólica ou diastólica sem esvaziar totalmente o manguito e aguardar 30 segundos </li></ul><ul><li>Deixar a pressão cair muito rapidamente </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 104. Fatores que Afetam a Aferição da Pressão Arterial <ul><li>Medida falsamente baixa: </li></ul><ul><li>Manguito largo para a extremidade </li></ul><ul><li>Manguito muito apertado para extremidade </li></ul><ul><li>Manga da camisa arregaçada apertando o braço  constrição do fluxo sanguíneo </li></ul><ul><li>Braço acima do nível do coração= 13 a 17 mmHg + baixa </li></ul><ul><li>Colocação do estetoscópio sobre o manguito durante a ausculta </li></ul><ul><li>Deixar a a pressão cair muito rapidamente </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 105. Observações Importantes <ul><li>A braçadeira onde o manguito se encontra, deve respeitar a faixa etária, respeitando, obviamente as medidas do membro </li></ul><ul><li>É importante que tanto a largura da braçadeira como o comprimento (envolvendo 2/3 do braço do cliente) da mesma devem estar adequados </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 106. Medidas da Largura da Braçadeira Recomendadas pela American Heart Association <ul><li>Menores de 01 ano 2,5 cm </li></ul><ul><li>De 1 a 4 anos 5 a 6 cm </li></ul><ul><li>De 4 a 8 anos 8 a 9 cm </li></ul><ul><li>Adultos normais 12,5 cm </li></ul><ul><li>Adultos obesos 14 cm </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 107. Medidas da Largura da Braçadeira Recomendadas pela American Heart Association <ul><li>Prematuros 03 cm </li></ul><ul><li>Rn a 02 anos 4,5 cm </li></ul><ul><li>02 a 04 anos 07 cm </li></ul><ul><li>05 a 09 anos 10 cm </li></ul><ul><li>10 a 14 anos 13 cm </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 108. Variações <ul><li>Normal – quando o indivíduo toma a posição ortostática, a sistólica diminui e a diastólica aumenta </li></ul><ul><li>Hipertenso – quando na posição ortostática, tanto a sistólica com a diastólica aumenta </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 109. Variações Fisiológicas <ul><li>Idade - em crianças é nitidamente mais baixos do que em adultos </li></ul><ul><li>Sexo - na mulher é pouco mais baixa do que no homem, porém na prática adotam-se os mesmos valores </li></ul><ul><li>Raça - as diferenças em grupos étnicos muito distintos talvez se deva à condições culturais e de alimentação. </li></ul><ul><li>Sono - durante o sono ocorre uma diminuição de cerca de 10% tanto na sistólica como na diastólica. </li></ul><ul><li>Emoções - há uma elevação principalmente da sistólica. </li></ul><ul><li>Exercício físico - provoca intensa elevação da PA, devido ao aumento do débito cardíaco, existindo curvas normais da elevação da PA durante o esforço físico. (testes ergométricos). </li></ul><ul><li>Alimentação - após as refeições, há discreta elevação, porém sem significado prático. </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 110. Posição para Exames e Tratamentos <ul><li>Sentada: cliente sentado com o tórax elevado. Usado para exames da cabeça, braços e tronco </li></ul><ul><li>Ereta ou ortostática: em pé, mantendo a coluna alinhada e os pés ligeiramente afastados. Para verificar a atividade motora, marcha, postura e equilíbrio </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 111. Posição para Exames e Tratamentos <ul><li>Supina: decúbito dorsal, braços estendidos ao longo do corpo e pernas estendidas ou ligeiramente fletidos. Pode-se colocar um travesseiro sob a cabeça para conforto. Usada para exame do tórax, parte anterior do abdome e extremidades </li></ul><ul><li>Prona: decúbito ventral com a cabeça virada para um dos lados, braços abduzidos para cima com os cotovelos fletidos e pernas estendidas. Usada para exame da parte posterior do tórax, regiões cervical, lombar e glútea </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 112. Posição para Exames e Tratamentos <ul><li>Sims: decúbito lateral esquerdo, com os braços posicionados de maneira confortável para o paciente, perna direita ligeiramente mais fletida que a esquerda e apoiada sobre a cama. Colocar travesseiro para conforto. Usada para exames do reto e lavagem intestinal </li></ul><ul><li>Litotomia: paciente em decúbito dorsal, com as pernas afastadas, joelhos fletidos e pés apoiados sobre a cama. Usada para exames dos órgãos genitais </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 113. Posição para Exames e Tratamentos <ul><li>Genupeitoral: ajoelhado, mantendo os joelhos afastados, com peito apoiado sobre a cama e a cabeça lateralizada sobre os braços. Exames do reto </li></ul><ul><li>Tredelemburg: decúbito dorsal, em plano inclinado, de forma a manter a cabeça mais baixa em relação ao corpo. Usada em casos de edema, hemorragia </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 114. Posição para Exames e Tratamentos <ul><li>Fowler: decúbito dorsal, com o tronco elevado em ângulo de 45º. Colocar travesseiro para conforto. Usada após cirurgia de tireóide, para drenagem torácica, quando de dispnéia </li></ul><ul><li>Ginecológica: decúbito dorsal, com as pernas flexionadas, afastadas. Usada para exame dos órgãos genitais, cirurgias, partos, sondagem vesical feminina </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 115. Condição Nutricional <ul><li>Ingestão dos alimentos </li></ul><ul><li>Absorção </li></ul><ul><li>Aproveitamento dos nutrientes </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 116. Condições que Influenciam <ul><li>Fatores sociais </li></ul><ul><li>Econômicos </li></ul><ul><li>Saneamento ambiental </li></ul><ul><li>Presença de doenças que interferem no desenvolvimento normal </li></ul><ul><li>Impedimento do organismo de atingir o máximo de suas potencialidades </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 117. Compreende <ul><li>Antropometria </li></ul><ul><li>Inquéritos alimentares </li></ul><ul><li>Exame clínico </li></ul><ul><li>Exames bioquímicos </li></ul><ul><li>Composição corporal </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 118. Métodos mais Utilizados <ul><li>Antropometria compreende </li></ul><ul><li>Peso </li></ul><ul><li>Estatura </li></ul><ul><li>Circunferência corporais (crânio, braço, cintura e quadril) </li></ul><ul><li>Pregas/dobras cutâneas (triciptal, biciptal, supra-ilíaca, subescapular) </li></ul><ul><li>Tamanhos de segmentos corporais </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 119. Medidas <ul><li>Peso: balança manual ou eletrônica devidamente aferida </li></ul><ul><li>Tara determinada, confirmando marca zero </li></ul><ul><li>Paciente deve ser posicionado no centro da balança, com o peso igualmente distribuído entre dois pés, com o mínimo de roupas </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 120. Medidas <ul><li>Estatura: régua antropométrica (cç até 36 meses), Antropômetro ou fita métrica </li></ul><ul><li>Para pacientes que não deambulam usar fita métrica, lateral da cama </li></ul><ul><li>Para pacientes com dificuldade de se manter ereto. </li></ul><ul><li>Fletir a perna sobre a coxa a 90º posicione a régua antropométrica paralela a perna entre a parte superior do joelho e a base do calcanhar e usar a fórmula </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 121. Fórmula <ul><li>Estatura do homem: 64,19 – [0,04 x a idade (anos)] + 2,02 x CP (cm) </li></ul><ul><li>Estatura da mulher: 84,88 – [0,24 x a idade (anos)] + 1,83 x CP (cm) </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 122. Circunferência Corporal <ul><li>Crânio: acompanhamento em cças. Em idade pré-escolar </li></ul><ul><li>Punho: associado à altura pode ser útil p/ compleição do delta </li></ul><ul><li>Cintura-quadril:medir a gordura intra-abdominal, e avaliar risco vascular </li></ul><ul><li>Circunferência do braço: amplamente usada (com fita métrica, em terço médio do braço) </li></ul><ul><li>Pregas ou Dobras Cutâneas: monitorizar a quantidade de gordura existente no organismo </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 123. Índice de Massa Corpórea <ul><li>Adolescentes e adultos devem ser avaliados com a mesma equação </li></ul><ul><li>IMC= PESO (Kg) </li></ul><ul><li>Altura x Altura </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 124. Tabela de Valores Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino OBESIDADE SEVERA Acima de 50 kg OBESO MÓRBIDO 40/50 kg OBESO 30/40 kg SOBREPESO 25/30 kg NORMAL 20/25 kg CONDIÇÃO IMC
  • 125. Estado Nutricional Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino > 40 OBESIDADE CLASSE III 35 - 39 OBESIDADE CLASSE II 30 – 34,9 OBESIDADE CLASSE I 25 – 29,9 SOBREPESO 18,5 - 25 PESO NORMAL < 18,5 DESNUTRIDO IMC (Kg/m²) ESTADO NUTRICIONAL
  • 126. Exame Clínico* <ul><li>Complementa a avaliação, verificando as características físicas sugestivas de carência alimentar em pele e anexos, fígado, boca, língua, etc. </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 127. Exames Bioquímicos* <ul><li>Massa protéica somática (massa muscular): creatinina urinária/24h </li></ul><ul><li>Massa protéica visceral: utilizado como substrato energético em situações de jejum prolongado </li></ul><ul><li>Valores de referência dos níveis séricos das proteínas viscerais para classificar a desnutrição energético protéica </li></ul><ul><li>Albumina (tabela) </li></ul><ul><li>Transferrina (fórmula e tabela) </li></ul><ul><li>Pré-albumina (tabela) </li></ul><ul><li>Proteína transportadora de retinol </li></ul><ul><li>* disponível em grupoaliancaenfermagem.blogspot.com </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 128. Avaliação Imunológica <ul><li>A imunidade celular são feitas pela contagem de linfócitos totais e os testes de hipersensibilidade (cutâneos) </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 129. Avaliação do Estado Nutricional <ul><li>Adipômetro: compasso especial destinado à mensuração da prega cutânea, sua escala é em milímetros quadrado. É um valioso auxiliar na avaliação do estado nutricional do paciente e a prega tende a refletir os estoques adiposos do organismo. É prático, rápido e seguro </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 130. Técnica do Adipômetro <ul><li>A medida é tomada no ponto central do braço </li></ul><ul><li>O paciente deve permanecer com o braço em extensão </li></ul><ul><li>Na dobra da gordura atrás da parte superior do braço (tríceps), o examinador deve apertar a pele e gordura subcutânea, entre o polegar e o dedo indicador, 1 cm acima do ponto central </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 131. Técnica do Adipômetro <ul><li>A prega deve ser levemente removida do tecido muscular </li></ul><ul><li>A boca do adipômetro deve ser colocada acima da prega cutânea no ponto central, enquanto continua-se a apertar a prega </li></ul><ul><li>Forçar até que as linhas do adipômetro estejam alinhadas </li></ul><ul><li>A leitura é feita após 3 segundos </li></ul><ul><li>Deve ser feito o procedimento por três vezes </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 132. Índices em Adultos Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino 9,9 mm 11,6 mm 13,2 mm 14,9 mm 16,5 mm FEMININO 7,5 mm 8,8 mm 10,0 mm 11,3 mm 12,5 mm MASCULINO 60 % NORMAL 70 % NORMAL 80% NORMAL 90% NORMAL NORMAL SEXO
  • 133. Índice em Crianças de 0 à 5º Anos Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino 9,4 mm 9,1 mm 60 10,2 mm 9,3 mm 48 9,7 mm 9,3 mm 36 10,1 mm 10,0 mm 24 10,2 mm 10,3 mm 18 10,2 mm 10,3 mm 12 10,0 mm 10,0 mm 6 6,5 mm 6,0 mm NASCIMENTO CUTÂNEA FEMININO PREGA MASCULINO IDADE (MESES)
  • 134. Referências Bibliográficas <ul><li>ATKINSON,Leslie D; Fundamentos de enfermagem : introdução ao processo de Enfermagem.Rio de Janeiro:Guanabara Koogan,1989 </li></ul><ul><li>BARROS A.L.B.L; Anamnese e exame físico: avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto.São Paulo: Artmed, 2002 </li></ul><ul><li>BEVILACQUA, F; Manual do exame clínico: Rio de Janeiro: Cultura médica, 10ªed </li></ul><ul><li>JARVIS,C; Exame físico e avaliação de saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. </li></ul><ul><li>POTTER,Patrícia A; Fundamentos de Enfermagem. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan,2004 VI J.N.C. - Arch. Intern. Med., 157:2413,1997 </li></ul>Grupo Aliança de Enfermagem - Salvando Vidas com Qualidade de Ensino
  • 135.  

×