Seleção, Avaliação e Qualificação de Fornecedores

2.934 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada na Construtech 2008 (São Paulo)

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.934
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seleção, Avaliação e Qualificação de Fornecedores

  1. 1. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 1Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Seleção, Avaliação e Qualificação de Fornecedores
  2. 2. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 2Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Tópicos abordados ● Quem somos nós e sobre o quê estamos falando ● Modelo para a gestão de fornecedores ● Dificuldades enfrentadas pelas empresas ● Aspectos estratégicos da gestão de fornecedores ● Métodos de avaliação ● Estudo de caso: avaliação de empreiteiros ● Considerações finais
  3. 3. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 3Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Núcleo Orientado para a Inovação da Edificação - NORIE ● Criado em 1978 ● Integra o PPGEC/UFRGS ● Cerca de 80 pessoas ● Principais linhas de pesquisa: ● Tecnologia de materiais e processos construtivos ● Desempenho do Ambiente Construído e Sustentabilidade ● Gerenciamento e Economia da Construção
  4. 4. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 4Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Principais trabalhos desenvolvidos sobre o tema ● Isatto, 1996: Relações entre as construtoras e fornecedores de materiais ● Azambuja, 2002: Cadeia de suprimentos elevadores ● Marder, 2004: Cadeia de suprimentos do aço cortado e dobrado ● Isatto, 2005: GCS de empreendimentos ● Sterzi, 2006: Integração com fornecedores estratégicos ● Biesek, 2008: Avaliação de empreiteiros
  5. 5. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 5Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Sobre o quê estamos falando ● Qualificar: Identificar empresas que possam vir a ser fornecedores pelo atendimento de um conjunto mínimo de critérios ● Selecionar: Escolher o(s) melhor(es) dentre os fornecedores atuais (aqueles que já estão qualificados) ● Desenvolver: Melhorar o desempenho do fornecedor em um ou mais aspectos
  6. 6. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 6Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Modelo para a gestão de fornecedores Desenvolver Selecionar QualificarProspectar
  7. 7. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 7Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Modelo para a gestão de fornecedores Desenvolver Selecionar Qualificar Avaliar Prospectar
  8. 8. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 8Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Porque avaliar fornecedores? ● Proteção contra fornecedores ruins ● Exigência do Sistema de Gestão da Qualidade da empresa ● Escolher os melhores fornecedores ● Melhorar os atuais fornecedores ● Estabelecer parcerias de longo prazo com fornecedores estratégicos
  9. 9. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 9Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Principais dificuldades enfrentadas pelas empresas ● A avaliação de fornecedores vista como uma formalidade burocrática ● Falta de um método estruturado e bem definido ● Subjetividade ● Falta de equilíbrio entre o esforço envolvido e os benefícios obtidos
  10. 10. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 10Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Que fornecedor a empresa quer? – “Por favor, você poderia me dizer que caminho devo seguir?”, perguntou Alice ao Gato – “Isto depende muito de onde você quer chegar”, disse o Gato – “Isto não tem muita importância -- ” disse Alice – “Então não interessa o caminho que você tomar”, disse o Gato – “-- desde que eu chegue em algum lugar”, complementou ela.
  11. 11. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 11Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Que fornecedor a empresa quer? – “Por favor, você poderia me dizer que caminho devo seguir?”, perguntou Alice ao Gato – “Isto depende muito de onde você quer chegar”, disse o Gato – “Isto não tem muita importância -- ” disse Alice – “Então não interessa o caminho que você tomar”, disse o Gato – “-- desde que eu chegue em algum lugar”, complementou ela.
  12. 12. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 12Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Oportunidades de integração com fornecedores ● Integração de sistemas de planejamento e controle da produção ● Integração logística ● Design compartilhado ● Foco nas competências essenciais (core competences) do negócio ● ...
  13. 13. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 13Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Os fornecedores segundo sua importância para a empresa ● Fornecedores estratégicos: Aqueles fornecedores os quais se deseja e é possível influenciar o desempenho ● Outros fornecedores: Aqueles fornecedores os quais não é interessante ou possível influenciar o desempenho
  14. 14. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 14Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 O querer... Transação discreta Troca relacional ● Eventual ● Produtos pouco diferenciados (commodities) ● Recorrente ● Produtos únicos, específicos, MTO/ETO
  15. 15. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 15Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 O querer... Transação discreta Troca relacional ● Eventual ● Produtos pouco diferenciados (commodities) ● Recorrente ● Produtos únicos, específicos, MTO/ETO
  16. 16. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 16Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 … e o poder. Predomínio do comprador Interdependência Independência Predomínio do fornecedor BaixoBaixo BaixoBaixo AltoAlto AltoAlto Poder do fornecedor Poderdocomprador Adaptado de Cox et al (2000)
  17. 17. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 17Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Métodos de avaliação: Método categórico ● Nota geral obtida a partir da opinião dos envolvidos, eventualmente utilizando um conjunto reduzido de atributos ● Ex.: Qualidade do produto: ● Simples e não exige um histórico de fornecimento, mas é subjetiva e agregada demais para feedback ao fornecedor ● Fornecedores menos importantes
  18. 18. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 18Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Métodos de avaliação: Método ponderado ● A avaliação inclui diversos atributos, associados com diferentes pesos de importância e critérios bem definidos para avaliação do desempenho ● Atributo: pontualidade de entrega ● Peso → Importância [1-5]: 4 ● Critério → Desempenho [1-3]: – entrega atrasada = 1 – entrega no dia = 3
  19. 19. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 19Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Métodos de avaliação: Método ponderado ● Exemplo: Qual o melhor fornecedor? Fornecedor Preço Prazo pgto Qualidade Velocidade Pontualidade Fulano      Beltrano     
  20. 20. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 20Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Métodos de avaliação: Método ponderado ● Exemplo: Qual o melhor fornecedor? Fornecedor Preço Prazo pgto Qualidade Velocidade Pontualidade Fulano      Beltrano      Pesos: 3 3 5 5 4
  21. 21. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 21Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Métodos de avaliação: Método ponderado ● Mais rica em termos de feedback ao fornecedor (destaca os pontos fortes e fracos), mas implica em um maior esforço de coleta ● Fornecedores estratégicos, onde o esforço na coleta é compensado pelos benefícios resultantes
  22. 22. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 22Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Exemplos de atributos ● Materiais: ● Preço ● Forma de pagto ● Prazo entrega ● Pontualidade ● Qualidade ● Assistência técnica ● Serviços: ● Preço e prazo propostos ● Documentação ● Qualidade serviço ● Uso EPI ● Organização e asseio ● Execução no prazo
  23. 23. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 23Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Peso de cada atributo ● Estudo de caso em 8 pequenas empresas, para materiais (Isatto, 1996): ● Ponderação existia, mas não era explícita ● Surpreendentemente, na prática não eram afetados pelo tipo de material ● Dificuldade em se obter consenso na empresa ● As múltiplas influências a que está sujeito o comprador
  24. 24. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 24Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 O caráter sistêmico do processo de suprimentos ● Atende diversos “clientes internos”: ● Produção ● Segurança ● Gestão da Qualidade ● Administrativo (financeiro, pessoal, etc.) ● Orçamento ● Planejamento e controle da produção (PCP) ● ...
  25. 25. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 25Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 É realmente necessário utilizar pesos? ● Raramente uma “nota geral” é considerada isoladamente para a tomada de decisão (caso fosse, como alguma empresa “entraria no sistema”?) ● O peso do atributo não é elemento essencial para promover o feedback ao fornecedor ● A possibilidade de ter pesos diferenciados conforme o cliente da informação
  26. 26. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 26Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 A avaliação de desempenho e o desenvolvimento do fornecedor ● Importância de feedback regular ● Alternativas simples podem produzir excelentes resultados
  27. 27. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 27Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Caso de aplicação: avaliação de empreiteiros (Biesek, 2008) ● Empresa de médio porte, atuando no mercado de obras industriais e comerciais no RS ● Reduções de custo e prazo a partir de melhorias nos projetos da obra e de seus subsistemas ● Obras rápidas e complexas ● Elevada autonomia das equipes das obras ● Dependência em fornecedores especialistas
  28. 28. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 28Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Diagnóstico ● Escolha dos fornecedores: ● Início do empreendimento ● Alto impacto ● 3 sistemas de avaliação independentes: obra, empresa e segurança ● Periodicidade mensal ● Muitos atributos (36) ● Parcela significativa não aplicável (37%)
  29. 29. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 29Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Diretrizes gerais ● Definir o sistema de avaliação: Estrutura, atributos considerados, agrupados por tipo e por setor ● Setores: orçamento, produção, segurança, administração e qualidade ● Tipos: básicos, avançados e específicos
  30. 30. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 30Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Atributos e setores da empresa Setor Atributos Básicos Avançados Específicos Orçamento Preço e prazo pagto. Pontualidade proposta Conteúdo e forma proposta Participação reuniões PDP Renegociação Administração Doctos. início obra Doctos. mensais Doctos. controle resíduos Segurança Doctos. pessoal EPI: uso e manuten. Atendim. acidentes Doctos. prevencionista legal Fornecimento EPI Uniformes: uso e manut. Máquinas, equip. e ferram. Participação treinamentos Áreas de vivência Planej. segurança e visitas a obras Qualidade Retrabalhos Organização e limpeza Agregar valor ao produto Satisfação do cliente Produção PPC Cumprimento prazos Reuniões CP e MP Mobilização recursos Obrigações legais com funcionários PBPP Serviços adicionais
  31. 31. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 31Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Diretrizes gerais ● No início de cada empreendimento: ● Identificar os empreiteiros de alto impacto ● Classificar, para cada setor, se a avaliação do empreiteiro demanda atributos avançados ● Identificar eventuais atributos específicos adicionais
  32. 32. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 32Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Fluxograma Alto impacto? Atributos avançados? Atributos específicos? Atributos básicos Acrescentar atributos avançados Acrescentar Atributos específicos Avaliação simplificada ou não avaliar Avaliação detalhada Inicio Não Sim Não Sim Sim Não (por setor) (baseado em Biesek, 2008)
  33. 33. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 33Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Fluxograma Alto impacto? Atributos avançados? Atributos específicos? Atributos básicos Acrescentar atributos avançados Acrescentar Atributos específicos Avaliação simplificada ou não avaliar Avaliação detalhada Inicio Não Sim Não Sim Sim Não (por setor) (baseado em Biesek, 2008)
  34. 34. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 34Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Fluxograma Alto impacto? Atributos avançados? Atributos específicos? Atributos básicos Acrescentar atributos avançados Acrescentar Atributos específicos Avaliação simplificada ou não avaliar Avaliação detalhada Inicio Não Sim Não Sim Sim Não (por setor) (baseado em Biesek, 2008)
  35. 35. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 35Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Fluxograma Alto impacto? Atributos avançados? Atributos específicos? Atributos básicos Acrescentar atributos avançados Acrescentar Atributos específicos Avaliação simplificada ou não avaliar Avaliação detalhada Inicio Não Sim Não Sim Sim Não (por setor) (baseado em Biesek, 2008)
  36. 36. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 36Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Fluxograma Alto impacto? Atributos avançados? Atributos específicos? Atributos básicos Acrescentar atributos avançados Acrescentar Atributos específicos Avaliação simplificada ou não avaliar Avaliação detalhada Inicio Não Sim Não Sim Sim Não (por setor) (baseado em Biesek, 2008)
  37. 37. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 37Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Planilha: Empreiteiro alto impacto?
  38. 38. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 38Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Planilha: Atributos avançados por setor
  39. 39. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 39Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Planilha: Atributos específicos
  40. 40. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 40Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Planilha: Atributos considerados (final) Azul > Básico Preto > Avançado Vermelho >Específico
  41. 41. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 41Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Avaliando o desempenho
  42. 42. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 42Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Avaliando o desempenho
  43. 43. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 43Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Resultados ● Redução do número médio de atributos de 36 para 22,5, e de 37% para 6,1% os atributos não aplicáveis ● Redução do tempo de preenchimento ● Customização: ● Maior detalhe naqueles empreiteiros importantes ● Simplificação para empreiteiros de menor importância ● Feedback contínuo ao fornecedor
  44. 44. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 44Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Conclusões do estudo de caso ● Envolvimento de diferentes setores, informação centralizada ● Critérios objetivos de avaliação ● Priorizar atributos para cada fornecedor, mas a partir de um conjunto pré- estabelecido ● O processo de avaliação deve ser explícito, compreendido por todos envolvidos e as responsabilidades bem definidas
  45. 45. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 45Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Considerações finais ● Caráter estratégico ● Aspectos técnicos envolvidos: ● Método ● Sistema de informação ● Integração com processos gerenciais existentes ● Dificuldades associadas com a tomada de decisão
  46. 46. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 46Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 Maiores informações ● INFOHAB: www.infohab.org.br ● Repositório de teses e dissertações da UFRGS: www.lume.ufrgs.br
  47. 47. NORIE/UFRGSNORIE/UFRGS 47Prof. Eduardo L. Isatto – NORIE/UFRGS Construtech2008 NORIE NORIE/UFRGS

×