Aquisição da Linguagem

43.757 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
13 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
43.757
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
424
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
961
Comentários
0
Gostaram
13
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aquisição da Linguagem

  1. 1. Teorias de Aquisição da Linguagem
  2. 2. Teorias de Aquisição da Linguagem <ul><li>A aquisição da linguagem não é caótica, aleatória </li></ul><ul><li>Por volta de 3 anos, uma criança faz uso produtivo de uma língua. </li></ul><ul><li>Como ela é aprendida? </li></ul>
  3. 3. Teorias de Aquisição da Linguagem <ul><li>Vejamos as principais correntes teóricas sobre o assunto: </li></ul>EMPIRISMO (behaviorismo, conexionismo) RACIONALISMO (inatismo, constrututivismo-cognitivista e construtivismo-interacionista).
  4. 4. <ul><li>Empirismo </li></ul><ul><li>O conhecimento é derivado da experiência; o que é inato é a capacidade de formar associações entre estímulos. </li></ul><ul><li>1) Empirismo-behaviorista : Skinner (1957) – é possível predizer e controlar o comportamento verbal: </li></ul><ul><li>Exemplo : criança + mamadeira + “papá” + reforço = “aprendizagem” </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem Estímulo -> Resposta -> Reforço
  5. 5. <ul><li>Problema 1 : nomeação de algo a partir da referência, da denotação; onde entraria a conotação (as noções não referenciais)? </li></ul><ul><li>Problema 2 : como produzimos e compreendemos sentenças nunca ouvidas antes? </li></ul><ul><li>Problema 3 : a rapidez do aprendizado e as generalizações internas (“erros” como cabeu, fazi, fazeu, engoliva); </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem Logo, o processo de aquisição não pode se resumir a variáveis externas
  6. 6. <ul><li>2) Empirismo-conexionista : aprendizado ad hoc (de acordo com cada fato), com certa admissão de analogias e generalizações; </li></ul><ul><li>Não nega a existência da mente e tenta explicar, em termos neurais, o que ocorre entre os dados de entrada e os dados de saída na mente; </li></ul><ul><li>Interação entre organismo (rede neural) e ambiente , assumindo-se a existência de um algoritmo de aprendizagem (processo de cálculo, ou de resolução de um grupo de problemas semelhantes; conjunto de regras e operações bem definidas e ordenadas, destinadas à solução de um problema ou de uma classe de problemas); </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  7. 7. <ul><li>A aprendizagem está vinculada a mudanças nas conexões neurais, a partir de um algoritmo de aprendizagem interno que permite o aprendizado a partir de experiências. </li></ul><ul><li>Em um modelo conexionista, dá-se muita importância à quantidade de dados de entrada – freqüência – e à variabilidade dos dados de saída. </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  8. 8. <ul><li>Racionalismo </li></ul><ul><li>defendem a força de uma capacidade inata; </li></ul><ul><li>Racionalismo-inatista : o aprendizado da linguagem é independente da cognição e de outras formas de aprendizagem (p. ex.: estímulo-resposta) </li></ul><ul><li>Chomsky (1965): o ser humano é dotado de uma gramática inata. </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  9. 9. <ul><li>Pinker (1994): a faculdade da linguagem não é um módulo da cognição; há famílias inteiras com problemas lingüísticos (Specific Languagem Impairement), enquanto suas capacidades cognitivas são normais; </li></ul><ul><li>A criança teria um dispositivo de aquisição da linguagem (DAL) inato que é ativado e trabalha a partir de sentenças (input) e gera a gramática da língua à qual a criança está exposta. </li></ul><ul><li>Input  DAL/GU  Output (língua L, regras 1, 3, 6) </li></ul><ul><li>Regras 1, 2, 3, 4, ... </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  10. 10. <ul><li>A gramática universal: Princípios (leis invariantes e gerais)+ Parâmetros (leis cujos valores variam entre as línguas e lhes conferem diferença superficial): </li></ul><ul><li>Princípio: toda língua tem sujeito; </li></ul><ul><li>Parâmetro: esse sujeito pode ou não ser omitido. </li></ul><ul><li>Em inglês , o parâmetro seguido é a marcação invariável do sujeito: It is raining. </li></ul><ul><li>Em português , existe a possibilidade de omissão de um sujeito: Está chovendo. </li></ul><ul><li>A exposição ao parâmetro é que o determina; mas muitas questões ainda hoje estão por ser respondidas: </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  11. 11. <ul><li>1. Quantos são os valores dos parâmetros? </li></ul><ul><li>2. É possível haver reparametrização? </li></ul><ul><li>3. O que desencadearia a parametrização? </li></ul><ul><li>4. O que faz a criança iniciar o processo? </li></ul><ul><li>5. Tempo de exposição, de definição de um parâmetro, de freqüência...? </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  12. 12. <ul><li>Construtivismo: o mecanismo responsável pela aquisição da linguagem também é responsável por outras capacidades cognitivas (conjunto dos processos mentais usados no pensamento, na percepção, na classificação, reconhecimento, etc. </li></ul><ul><li>Construtivismo-cognitivista : linguagem vinculada à cognição; a fonte do conhecimento está na ação sobre o ambiente; </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  13. 13. <ul><li>Para Piaget, os universais lingüísticos são reflexos das estruturas cognitivas universais; a linguagem é porta para a cognição, que passa por períodos: </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem <ul><li>Sensório-motor (zero a 18 meses: exercícios reflexos, primeiros hábitos, coordenação entre visão e apreensão e busca de objetos desaparecidos); </li></ul><ul><li>2. Pré-operatório (2 a 7 anos: função simbólica, organizações representativas); </li></ul><ul><li>3. Operações concretas (7 a 12 anos); </li></ul><ul><li>4. Operações formais . </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Para que a criança faça uso do signo lingüístico, é necessário que ela “aprenda” que as coisas existem mesmo que não estejam no seu campo de visão. Um objeto precisa continuar existindo mesmo fora do campo de visão! </li></ul><ul><li>Uma vez que se sabe que o objeto continua existindo mesmo fora da visão, é preciso representá-lo; o signo lingüístico desempenha esse papel </li></ul><ul><li>Problemas do construtivismo-cognitivista : a passagem pelas fases não é uniforme </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  15. 15. Teorias de Aquisição da Linguagem Construtivismo-interacionista : Vygotsky (1962) também defende que o desenvolvimento da fala segue as mesmas leis, o desenvolvimento de outras operações mentais; mas destaca a função social da fala, do interlocutor, no desenvolvimento da linguagem: LÍNGUA + PENSAMENTO + SOCIEDADE
  16. 16. Teorias de Aquisição da Linguagem <ul><li>Quatro estágios no desenvolvimento das </li></ul><ul><li>operações mentais: </li></ul><ul><li>1 Natural ou primitivo ; </li></ul><ul><li>2 Psicologia ingênua (a criança experimenta as propriedades físicas do seu corpo e dos objetos, e aplica essa experiência ao uso de instrumentos); </li></ul><ul><li>3 Signos exteriores (as operações externas são usadas para auxiliar as operações internas); </li></ul><ul><li>4 Crescimento interior (interiorização); </li></ul><ul><li>Por volta de 2 anos, fala e pensamento se </li></ul><ul><li>unem; a fala passa a servir ao intelecto, e </li></ul><ul><li>os pensamentos podem ser verbalizados; </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Vygotsky buscou compreender 3 questões fundamentais: </li></ul><ul><ul><li>1. a relação entre os seres humanos e o seu ambiente físico e social; </li></ul></ul><ul><ul><li>2. o que fez o trabalho se tornar o meio fundamental de relacionamento entre o homem e a natureza, e as conseqüências psicológicas dessas formas de atividade; </li></ul></ul><ul><ul><li>3. a natureza das relações entre o uso de instrumentos e o desenvolvimento da linguagem; </li></ul></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  18. 18. <ul><li>Vygotsky buscou entender as chamadas funções psicológicas superiores, tipicamente humanas: </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem capacidade planejamento memória voluntária imaginação simbolização complexa
  19. 19. <ul><li>São “superiores” porque se referem a mecanismos intencionais , ações conscientemente controladas, que dão ao indivíduo a possibilidade independência em relação ao momento e espaço presente. </li></ul><ul><li>Não seriam inatos ; são oriundos das relações entre os indivíduos e se desenvolvem ao longo do processo de internalização de formas culturais de comportamento. </li></ul><ul><li>Diferem, portanto, dos processos psicológicos elementares (presentes em crianças e nos animais, tais como reações automáticas, ações reflexas, etc. </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  20. 20. <ul><li>O cérebro é um “ sistema aberto ”, de grande plasticidade, cuja estrutura e modos de funcionamento são moldados ao longo da história da espécie e do desenvolvimento individual; </li></ul><ul><li>A linguagem é um signo mediador por excelência entre os homens, pois ela carrega em si os conceitos generalizados e elaborados pela cultura humana! </li></ul>Teorias de Aquisição da Linguagem
  21. 21. Teorias de Aquisição da Linguagem Algumas conclusões… A aquisição da linguagem é fascinante! As correntes teóricas vistas aqui são apenas correntes teóricas e não verdades absolutas! Todas têm aspectos positivos e esclarecedores, mas, quando confrontadas com os dados de uma criança, ainda têm muitas questões por explicar!

×