UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS 
NUCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 
CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA 
POLO OLHO D’ÁGUA DAS FLOR...
EDNEIDE MARIA DE LIMA 
AS IMPLICAÇÕES DO NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E NA QUALIFICAÇÃO DO (A...
AS IMPLICAÇÕES DO NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E NA QUALIFICAÇÃO DO (A) PROFESSOR (A) A educa...
Neste sentido, é cada vez mais necessário que todos em uma instituição escolar aprendam a trabalhar como uma equipe sinton...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

As implicações do novo paradigma educacional no projeto político pedagógico e na qualificação do

450 visualizações

Publicada em

AS IMPLICAÇÕES DO NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E NA QUALIFICAÇÃO DO (A) PROFESSOR (A)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
450
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As implicações do novo paradigma educacional no projeto político pedagógico e na qualificação do

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS NUCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA POLO OLHO D’ÁGUA DAS FLORES MATRÍCULA: 13211730 EDNEIDE MARIA DE LIMA AS IMPLICAÇÕES DO NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E NA QUALIFICAÇÃO DO (A) PROFESSOR (A) Olho D’Água das Flores/AL 2014
  2. 2. EDNEIDE MARIA DE LIMA AS IMPLICAÇÕES DO NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E NA QUALIFICAÇÃO DO (A) PROFESSOR (A) Trabalho apresentado como requisito parcial de nota na disciplina “Estatística Educacional”, no curso de Pedagogia a Distância do Polo de Olho D`Água das Flores, ministrada pela professora Ms. Maria Alba Correia da Silva, para fins avaliativos. Olho D’Água das Flores/AL 2014
  3. 3. AS IMPLICAÇÕES DO NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E NA QUALIFICAÇÃO DO (A) PROFESSOR (A) A educação, em todos os tempos, e principalmente nos dias de hoje, ressente-se de maior aprofundamento e clareza sobre o verdadeiro sentido da vida e da aprendizagem e sobre os objetivos a serem alcançados. Não se trata simplesmente de aprender mais algumas matérias, mas, antes, preparar-se para o pleno exercício de sua cidadania. O desafio é sair da postura reprodutiva, oferecendo indicações que facilitem o aprender e o saber pensar. Seguindo essa linha de pensamento, na caminhada em busca da construção do saber, o mundo sente a necessidade de incluir o pensar próprio desde os anos iniciais da vida escolar do educando. No novo modelo educacional, o poder não se situa em níveis hierárquicos, mas nas diferentes esferas de responsabilidade, garantindo relações interpessoais entre sujeitos iguais e ao mesmo tempo diferentes. Importante ressaltar que esta nova concepção organizacional não diminui a importância e autoridade dos gestores educacionais, ao contrário, destaca a função fundamental destes na gestão democrática e a importância de que sua prática seja mais competente tecnicamente e mais relevante socialmente. Na gestão democrática participativa é comum desenhos circulares exibirem a integração entre as várias partes (funções) da estrutura organizacional, conforme segue: Fonte: Libâneo (2005, p.344) (grifos nossos)
  4. 4. Neste sentido, é cada vez mais necessário que todos em uma instituição escolar aprendam a trabalhar como uma equipe sintonizada nos mesmos objetivos, abandonando o paradigma de inovação de cunho regulatório ou técnico que apenas “engole” o que já está posto desconsiderando o contexto escolar e local bem como a realidade do aluno. Estamos em uma época em que o desafio é equilibrar as necessidades, os desejos pessoais e profissionais num ambiente cada vez mais complexo. E é este o cenário que o gestor e o professor têm pela frente. Participar ativamente de uma organização é um desafio que está deixando de ser apenas um atributo da experiência e de competência técnica, para tomar-se uma aprendizagem do exercício da cidadania. Assim: A escola, local de trabalho dos professores, assume, com a reforma educacional a função de ser o espaço de formação docente, o que pode trazer uma nova identidade ao professor, uma vez que a formação continuada se faz em um ambiente coletivo de trabalho (LIBÂNEO, 2005, p. 272) Neste sentido, a escola e seus atores fazem parte de um todo planejado e organizado para o bem comum e a gestão democrática possui papel fundamental uma vez que valoriza a participação da comunidade escolar no processo de tomada de decisão, apostando na construção coletiva dos objetivos e do funcionamento da escola através do diálogo, do consenso (LIBÂNEO, 2005). Já o professor, antes autoritário e dono do conhecimento, é um agente que está sempre buscando desenvolvimento pessoal uma vez que os sujeitos em seu próprio processo de formação, refletem acerca de sua prática cotidiana e sua identidade pessoal provocando experiências, tornando-se um professor-pesquisador, investigativo. Portanto, o docente nesta nova realidade é alguém que reconstrói suas práticas, ocasionando mudanças pessoais e profissionais, investindo em sua formação permanente e se atualizado constantemente. Referências: LIBÂNEO, J. C; OLIVEIRA, J. F; TOSCHE, M. S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2005. MORAES, Maria Cândida. Paradigma educacional emergente. Campinas, SP: Papirus, 1997. Disponível em: http://www.ub.edu/sentipensar/pdf/candida/paradigma_emergente.pdf. Acessado em 10 de agosto de 2014. VEIGA, I.P.A. Inovações e projeto político-pedagógico: uma relação regulatória ou emancipatória? In: Caderno Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 267 – 281, dezembro de 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v23n61/a02v2361.pdf. Acessado em 10 de agosto de 2014.

×