Medicina tibetana 8

3.182 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.182
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
202
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Medicina tibetana 8

  1. 1. MEDICINA TIBETANA Livro 8 Uma publicação destinada ao estudo da medicina tibetana editada pela Biblioteca de Obras e Arquivos Tibetanos, Dharamsala, Índia.
  2. 2. MEDICINA TIBETANA Livro 8 Dr. Lobsang Rapgay Dra. Giacomella Orofino Enrico dell' Angelo Traduzido por: Williams Ribeiro de Farias Dra. Yeda Ribeiro de Farias EDITORA CHAKPORI 2
  3. 3. Título original:Tibetan Medicine Series 7 Biblioteca de Obras e Arquivos Tibetanos, Dharamsala, Índia 1995 Direitos autorais para línguas portuguesa e espanhola adquiridos pela EDITORA CHAKPORI Brasil 3
  4. 4. AGRADECIMENTOS À PRESENTE EDIÇÃO Agradeço ao Sr. Lhasang Tsering, ao Venerável Dagom Rimpoche e seu assistente Lama Tsultrim Dorge, ao Sr. Lobsang Samten, à Srta. Nying- ma Sherpa, ao Sr. Tsewang Jigme Tsarong, Diretor do Centro Médico Tibe- tano em Dharamsala, à Maria do Carmo Chagas Ribeiro e ao Sr. Sérgio Fanelli, que ajudaram a tornar possível a edição destes livros sobre Medicina Tibetana. O Editor Williams Ribeiro de Farias 4
  5. 5. 5
  6. 6. NOTA DA PRESENTE EDIÇÃO Esta publicação da Biblioteca de Obras e Arquivos Tibeta- nos traz informações curiosas sobre a cultura, as tradições e as superstições do povo tibetano. Não constituem textos médicos e não apresentam análise científica na área médica. É importante conhecermos as tradições da população que se submeterá aos cuidados médicos para que estas sejam respei- tadas e para que possam assimilar o conhecimento que o médico está transmitindo. De outra maneira, corre-se o risco de criar um desrespeito aos mais velhos e às suas tradições. O médico deve saber contornar as superstições sem ferir as tradições evitando que o paciente venha a cometer erros advindos das mesmas. Deve-se evitar entrar em confronto direto, com o risco de destruir suas raízes e sua identidade, onde toda aquela sociedade foi fun- damentada. As superstições de um povo podem ter um fundamento científico, mas não necessariamente. Podemos extrair delas infor- mações valiosas, possíveis de serem avaliadas e aperfeiçoadas para melhoria da qualidade de vida. Por outro lado, religiões africa- nas que se utilizam de sacrifícios animais em seus rituais servem apenas para banalizar a violência. Este tipo de prática religiosa, ao incentivar o sadismo, sempre foi um péssimo exemplo para a edu- cação das crianças. Williams Ribeiro de Farias 6
  7. 7. ÍNDICE TRADIÇÕES TIBETANAS SOBRE O PARTO E OS CUIDADOS COM A CRIANÇA Homenagem 9 Sinais que ocorrem durante a concepção 10 Sinais durante a gestação 10 Duração da gestação 11 A saúde da gestante 13 Sinais de proximidade do parto 13 Preparação da vestimenta do bebê 14 Sinais de parto iminente 16 Assegurando um parto sem dificuldades 17 Seccionando o cordão umbilical 18 Recuperação e placenta 21 Cerimônias realizadas após o parto 22 O nome da criança 23 Festividades do nascimento 23 O primeiro passeio do bebê 23 Cuidados gerais 24 A saúde da criança 25 Alimentação 26 Crescimento 26 Celebrações de aniversário 27 Patologia 27 Sintomas gerais das doenças 28 Diagnóstico 30 Tratamento de pústulas bucais 31 Dentição 31 Diarréia e vômitos 32 7
  8. 8. Sarampo 33 Tratamento no deslocamento do fígado 34 Preparação da medicação preventiva 36 Lazer 37 Educação 38 Epílogo 41 Notas 42 SUPERSTIÇÕES TIBETANAS RELACIONADAS COM O PARTO 48 RITUAL TIBETANO PARA A MORTE Morrer 55 Morte 56 A transferência de consciência 57 Mantras de emergência 58 Lamas convidados 59 Cálculos astrológicos 59 Preparação para desfazer-se do corpo 61 Solicitando orações 62 Doações 63 O dia da luz 64 Desfazendo-se do corpo 64 Limpeza 69 O sétimo dia 69 O 14º e o 21º dia 70 O vigésimo-oitavo dia 70 O 35º e o 42º dias 70 O quadragésimo-nono dia 70 A oferenda anual 72 8
  9. 9. TRADIÇÕES TIBETANAS SOBRE O PARTO E OS CUIDADOS COM A CRIANÇA Uma Escalada ao Paraíso do Ser Compassivo Thubten Sangay Homenagem A terra tibetana, que se eleva do topo da terra, Limpa, alta, fria e calma, circundada pelas montanhas nevadas, Contada nos Vedas como residência dos deuses, E seu único líder, Sua Santidade o Dalai Lama, reverencio. Como enxames de insetos que surgem no verão, Muitos seres habitam as terras além dos oceanos, seguindo ou não as mais diversas doutrinas religiosas E, mesmo assim, a Terra da Neve‚ é reconhecida como a terra da religião. Oh Gloriosa Deusa Mag-ze, Oh Protetor Pe-Har Benevolentes deuses, protetores do Tibete, Cedam-me, neste momento, a ventura de escrever brevemente sobre as técnicas necessárias Para sustentação e educação destas crianças que são como os filhos dos deuses. 9
  10. 10. Tendo lançado ao ar a flor destas auspiciosas palavras, posso registrar resumidamente aquelas boas tradições sobre o parto e os cuidados com as crianças nas terras do Tibete. Sinais que Ocorrem Durante a Concepção Se uma criança está destinada a ter uma vida favorável, os pais, em especial a mãe, apresentarão, certamente e com freqüên- cia, sonhos auspiciosos durante a última parte da noite, experimen- tando um prazer inteiramente novo. Geralmente são sonhos como colher e comer uma fruta, com a presença de certos objetos auspi- ciosos, como uma concha branca, sonha que está usando jóias finas, vendo e recebendo manifestações do corpo, da fala e da mente dos Seres Iluminados, tocando instrumentos musicais, com o nascer do sol etc. Todos são considerados auspiciosos. Se a criança está destinada a ter uma vida pouco afortunada, sonha que está caindo de um abismo, que não está usando qualquer orna- mento ou jóia, que está em uma planície deserta, vazia, discutindo com outros, com choros, com a escuridão etc. Além disso, a mãe torna-se infeliz sem qualquer razão aparente. Casais que não possuem filhos devem solicitar que um mestre espiritual realize certos rituais tântricos utilizando mandalas de divindades, para que possam conceber um menino. Se pedirem para usar um amuleto especial, serão capazes de gerar um filho. Muitas considerações sobre tais práticas podem ser encontradas nas escrituras. Sinais durante a gestação Diz-se que os pais desfrutam de um prazer sexual maior do que o usual quando uma criança está sendo concebida. A mãe pode, além disso, tornar-se indisposta durante dois ou três dias, apresentando uma doença semelhante a um distúrbio de mKris-pa. Ela perde o desejo de alimentar-se, sente-se cansada, e pesada e indisposta no trabalho diário. 10
  11. 11. São sinais indicativos do nascimento de uma criança do sexo masculino quando a região lateral direita do estômago da mãe apresentar-se mais elevada do que a esquerda, quando a mama direita secretar leite, quando ela tende a inclinar-se para a direita ao sentar ou levantar etc., quando a saliência do estômago é mais pontuda e elevada, quando sente seu corpo leve e quando sonha com o nascimento de meninos, cavalos e elefantes ou que está se encontrando com os mesmos. Quando os sinais acima ocorrem do lado esquerdo, quando a saliência do estômago está mais plana, quando deseja encontrar-se com homens mais do que o habitual e parece apreciar músicas, danças e jóias, estes sinais indicam o nascimento de uma menina. Se, além da combinação dos sinais acima, o centro do estômago estiver deprimido e com as laterais proeminentes, indi- cam nascimento de gêmeos. Se todos os sinais estão misturados e confusos, indicam nascimento de hermafrodita. Duração da gestação Geralmente, a criança permanece no útero durante trinta e oito semanas, entretanto, as escrituras afirmam que este tempo de permanência pode variar. Na primeira semana, a combinação entre o esperma do pai e o "sangue" da mãe possui uma consistência cremosa. Na segunda semana‚ apresenta-se como um iogurte espesso. Na terceira semana, o embrião adquire a forma de uma formiga e na quarta, a forma de uma castanha de caju. Na quinta semana desenvolve-se o cordão umbilical e são visíveis as saliên- cias dos membros. O canal vital é formado na sexta semana, assim como os ombros e os joelhos. Na sétima semana, formam- se os olhos, as palmas das mãos e as solas dos pés. Na oitava semana, desenvolvem-se a cabeça e os dedos das mãos e dos pés. Na nona semana, as porções superior e inferior do corpo são diferenciadas e surgem as bases dos nove orifícios. Na décima semana, todo o corpo aumenta suas dimensões. Na décima- 11
  12. 12. primeira, salientam-se as aberturas dos órgãos sensoriais e na décima-segunda formam-se os órgãos principais e os intestinos. Na décima-terceira semana, a criança sente fome e sede e, nesta fase, a essência dos alimentos sólidos e líquidos é transmitida à criança através do cordão umbilical. Da décima-quarta semana em diante, artérias, veias e nervos aumentam em tamanho e número. Da décima-sétima semana em diante, a energia move-se através das bases sensoriais, o tecido muscular, o sangue e os ossos aumentam em número e completa-se o desenvolvimento dos cinco órgãos sensoriais. Na vigésima-quarta semana a criança é capaz de experimentar felicidade e sofrimento. Se a criança for do sexo masculino, curva-se sob as coste- las, com a face coberta pelas mãos, olhando para o dorso de sua mãe. Uma garota enrola-se da mesma maneira, mas sobre o lado esquerdo, olhando de frente. A criança permanece abaixo do estômago da mãe, entre as duas regiões: aquela que contém ali- mentos digeridos e a que contém alimentos não digeridos. Após seis meses e meio os pensamentos da criança tor- nam-se claros e ela é capaz de enxergar o útero como uma sala. Desta fase em diante, as partes externas e internas do corpo, os dentes, os cabelos e as unhas, a cor da pele e a experiência das sensações físicas começam a se desenvolver. Após a trigésima- sétima semana, torna-se consciente do movimento de virar-se gra- dualmente. Na trigésima-oitava semana este processo está com- pleto, a cabeça aponta para baixo, os braços estão nas laterais, as pernas apontam para cima e a criança está pronta para nascer. Entretanto, se durante a gestação houve demasiada perda de san- gue, impedindo o desenvolvimento completo da criança ou se a cavidade pélvica estiver bloqueada por ar ou, ainda, se o útero estiver edemaciado, a criança deverá nascer mais tarde. 12
  13. 13. A saúde da gestante Durante a gestação, a mãe deve evitar ingerir alimentos oferecidos por aqueles que não tenham conservado suas obriga- ções morais ou ser hóspede de tais pessoas. Ela não deve vestir roupas de segunda mão. Sua alimentação não deve ser muito quente nem muito fria e devem ser evitados os licores fortes, gran- des quantidades de cerveja e alimentos picantes, azedos e con- dimentados. Deve ingerir alimentos nutritivos, cuidando para não se exceder. Também devem ser evitadas as atividades extenuan- tes e relações sexuais freqüentes. Se estas restrições não forem observadas, desnecessário mencionar a grande dor causada ao futuro bebê. Tais ações podem até mesmo resultar em defeitos físicos na criança. Quanto à sua saúde, a gestante não deve permanecer muito inativa. Deve realizar trabalhos domésticos leves, circundar tem- plos, fazer caminhadas etc. Esta última atividade exercita a crian- ça, torna seu corpo flexível, possibilitando um parto mais tranqüilo e proporciona à criança um corpo firme e ereto. Se a mãe, no primeiro mês de gestação, tomar um pouco de água consagrada, abençoada por um mestre espiritual, ou receber regularmente iniciações para a longa vida ou, melhor ainda, se puder receber uma iniciação tântrica mais elevada, estará contri- buindo para a longevidade e a riqueza da criança. Ao aproximar-se da época do nascimento, a mãe deve inge- rir alimentos nutritivos fortes, assim como leite, sopa ou caldo de carne com arroz, para suprimir a elevação de rLung em seu corpo. Sinais de proximidade do parto Apesar da mãe estar geralmente bem, a região inferior de seu corpo começa a tornar-se muito pesada, seus olhos parecem estar cansados e permanecer em pé é difícil e exaustivo. A virilha, o abdome e a vagina tornam-se dolorosos e ela perde a vontade de alimentar-se. A parte superior do dorso, o pescoço, o coração e as 13
  14. 14. veias das coxas começam a doer. Ela pode tornar-se levemente irritável. Dores súbitas, incontroláveis e a emissão de um fluido semelhante à urina são sinais que precedem a abertura do colo do útero. Assim, em um momento auspicioso a gestante deve ser levada para uma sala tranqüila e limpa, na qual a criança nascerá, reunindo em torno dela todos os requisitos para o parto. Deve ser queimado incenso medicinal para afugentar as influências prejudiciais e purificar o local. Serão necessárias uma ou duas auxiliares habilitadas em partos, ou parentes, que possam permanecer com a mãe. Não devem ser recebidos outros visitan- tes. Nesta fase, ela deve ingerir um pouco de caldo forte para suprimir a elevação de rLung. Em outra sala, pode ser recitada a escritura "Coleção de Mantras" (em tibetano, "rGyal-bkah gzungs- bsdus") Preparação da vestimenta do bebê Os materiais para a roupa do bebê devem estar prontos antes do parto, mas é tradição não cortá-los ou costurá-los até depois do nascimento. Diz-se que quando há demasiada prepara- ção, o bebê pode ir a óbito durante o parto. Após o cordão umbilical ter sido cortado e antes do primeiro banho, o bebê é colocado sobre a macia roupa de baixo de sua mãe. Após o banho, é envolvido em uma peça quadrada de seda ou de algodão branco e macio ou em algum material mais quente no inverno. Quando ainda estávamos no Tibete, em torno desta peça de seda, amarrava-se um manto feito de um tecido de algo- dão branco, macio, com uma nesga de cada lado. A roupa não tinha mangas, possuía uma gola, amarras ao invés de botões e três abas, pontudas e sem forro, atadas atrás da gola. Um pequeno gorro com a forma de um abafador de bule de chá é feito com o mesmo material. Era necessária a confecção de um bom supri- mento de babadores de bebê, quadrados, feitos de algodão ou fla- nela macios. Eram amarrados em torno do corpo da criança, 14
  15. 15. estendidos logo abaixo das axilas. Um cinto era atado em torno do manto, feito com material lanoso branco, grosso, com cerca de três polegadas de largura com brocado na parte externa. O brocado era costurado ao cinto com pontos em cruz. Uma aplicação com dese- nho de uma suástica era belamente costurado na parte de trás do cinto. O cinto tinha quatro amarras, duas acima e duas mais abai- xo. Sobre estas roupas, o bebê era envolvido em um xale qua- drado de lã grossa. No inverno, um xale de pele de carneiro bran- co, revestido internamente, também era utilizado. Duas aplicações quadradas de tecido brocado, um vermelho e outro verde, podiam ser maravilhosamente costurados na face externa deste xale. Os quatro cantos de uma aplicação tocando os quatro lados da outra, formando um diamante dentro de um quadrado. Estas roupas eram fixadas com uma fivela de bronze ou ouro, para que fossem con- servadas no local quando a criança estivesse repousando. Um recém-nascido não necessitava de imediato de blusas com man- gas, mas dois ou três trajes grandes, semelhantes às camisas tibe- tanas, eram necessários após alguns dias. Os trajes eram feitos de seda ou algodão e se estendiam até os pés, com mangas um pou- co mais longas que o comprimento dos braços. Com alguns meses o menino devia vestir calças de algodão ou de lã com uma abertura na frente e uma veste superior sem mangas amarrada com faixas ou botões sobre o ombro. Uma menina devia vestir uma saia com uma veste superior semelhante. Tradicionalmente, fazia-se um pequeno gorro ornamentado com imitações de olhos e orelhas de gato. No Tibete, a ama-seca carregava a criança em suas costas amarrada em um grande manto vermelho de lã. Este manto pos- suía duas aplicações costuradas como descrito anteriormente. Podia ser fixado por uma bela e resistente fivela de duas pontas feita de bronze ou ferro. Pelo menos duas destas fivelas eram necessárias. 15
  16. 16. Se a mãe possuísse roupas de bebê de uma criança ante- rior que estivesse viva, não necessitava de muitas roupas novas, exceto uns poucos babadores e forros. Estes eram os tipos de vestimentas usadas nas terras ele- vadas do Tibete. Entretanto, atualmente encontram-se disponíveis uma grande variedade de roupas de bebê provenientes de outros países e são utilizados mantos ao invés de xales tibetanos. Assim, os pais decidem quais roupas são adequadas, considerando-se o clima, o horário e o país. Sinais de parto iminente O colo do útero vibra, muito sangue e muco é eliminado e quando o feto completa sua rotação no útero, a mãe experimenta uma dor excruciante. Nesta fase, a passagem da vagina abre-se e as pernas e o abdome da mãe devem ser massageados com óleo. No inverno, ela deve conservar-se muito aquecida. A facilidade do parto depende em parte da compatibilidade dos pais. Uma criança nasce sem dificuldades se os pais pertence- rem a linhagens semelhantes e se o pai tiver boa descendência, pois crianças de boa linhagem possuem ossos flexíveis, não impor- ta seu tamanho. Por exemplo, quando um touro cruza com uma "dri", a fêmea do iaque, para gerar um "dzo", ou quando um burro cruza com uma égua para gerar uma mula, com freqüência a fêmea irá a óbito sem dar à luz. Se isto é real para os animais, é muito mais verdadeiro para um precioso nascimento humano. Inci- dentalmente, por causa da probabilidade de morte da fêmea, em algumas regiões do Tibete, o cruzamento de um touro com uma "dri" não é considerado ético, pois esta ação "irrita as divindades locais", é proibido, quase ao ponto de ser ilegal. Quando um viajante, seja monge ou monja, chega a uma casa, fechada por ocasião de um parto, ocorrem, posteriormente, danos causados por influências externas prejudiciais. Para prevenir tais danos, devem ser recitadas orações e realizados determinados 16
  17. 17. rituais. Cinco fios de diferentes cores são passados pelo buraco de uma agulha e ambos são fixados no batente externo da porta. Isto afasta qualquer perigo. Alternativamente, uma suástica de farinha de aveia é desenhada sobre um pedaço de material preto e sacu- dido para fora. Isto afugenta e pacifica as influências prejudiciais. Assegurando um parto sem dificuldades Os capítulos sobre a saúde da criança encontrados nas escrituras médicas ensinam certos métodos e rituais para provocar o nascimento quando o trabalho de parto é longo e difícil. Serão descritos um ou dois deles, fáceis de serem realizados. Nove pequenas denteações, como aquelas encontradas nas laterais de um dado, são feitas sobre um pequeno pedaço de man- teiga quadrado. Um praticante de tantra recita o seguinte mantra duas ou duzentas vezes: Om Sha-sha-lam-phye shu-shu-lam-phye Soprando sobre a manteiga, ele a oferece para a mãe. Após deglutir, a mulher dará à luz rapidamente. Se não houver nenhum praticante de tantra, o médico, o pai, um tio ou alguém que tenha conservado seus deveres morais podem recitar este mantra. O melhor ritual é aquele no qual um pequeno pedaço de manteiga é moldado com a forma de um peixe com dois olhos. O mantra a seguir, Om ka-ka-mahi-lam-phye ki-ki-mahi-lam-phye shon-shon mahi- lam-phye ma-mo-hbyung bzhihi-lam-phye, é recitado mil vezes e soprado na manteiga e esta é oferecida à mãe. Ela ingere primeiro a cabeça, sem mastigá-la. Uma pena de pavão e oito pêlos de um urso são queimados e as cinzas deposi- tadas em um copo de água. O último mantra é repetido uma cente- na de vezes. Logo após a mãe ingerir esta solução, o parto se con- 17
  18. 18. solida definitivamente. Há outros rituais, mas são muito numerosos e os descritos acima são suficientes para demonstração. Alguns afirmam que comer um pequeno peixe pescado no Lago Manasarowara, aos pés do Monte Kailash, com um pouco de água fria assegura um nascimento mais rápido e alguns chefes de família conservam um pequeno suprimento deste peixe. Algumas pessoas experientes dizem que antes do nascimento a mãe deve beber chá de manteiga, chá doce ou chá preto, todos com proprie- dades frias. Portanto, ela deve evitar cerveja, cebola e alho, pois causam muita sonolência, efeito resultante de suas propriedades quentes e ácidas e também porque tais alimentos tornam o feto preguiçoso, reduzindo sua capacidade de auxiliar no processo do parto e retardando as contrações. Seccionando o cordão umbilical Para evitar que o útero seja deslocado, aplica-se sobre o estômago da mãe farinha de cevada misturada com um pouco de manteiga derretida morna ou cerveja de cevada. Ela deve agachar- se sobre os joelhos em uma cama confortável e empurrar. Com estes procedimentos, dará à luz rapidamente. Não deve empurrar com muita força, pois pode haver o risco de um colapso uterino. Alguns dizem que ao empurrar no momento correto, a mãe deve fazer um som como de um torrão de chá sendo triturado em um pilão (corresponderia a um torrão de açúcar cristalizado sendo esmagado por uma colher), para facilitar e acelerar o trabalho de parto. As escrituras médicas afirmam que o parto ocorre com faci- lidade depois que a mãe experimenta sua dor mais cruciante. Assim que o bebê nasce, a auxiliar anuncia o ocorrido à mãe e respinga um pouco de água sobre sua face para refrescá-la. Se necessário, pode ser utilizado um ventilador ou ventarola. A auxiliar tenta fazer com que a mãe sinta alegria e bem-estar. Se o bebê nasce com a cabeça voltada de frente para a mãe, com o cordão umbilical em torno da porção superior do corpo, 18
  19. 19. haverá prosperidade para aquela família. Se nascer envolvido por uma pele membranosa, esta deve ser cortada com um entalhe auspicioso. Um bebê nascido com uma fontanela relativamente pequena, que treme e chora ao nascer será fácil de cuidar. Ao nascer, devem ser proferidas as seguintes palavras: "Minha criança, você nasceu de nossos corações. Que você viva uma centena de anos, que assista a cem outonos, que tenha uma vida longa e gloriosa, superando todas as doenças e desfrutando de completa felicidade, prosperidade e fortuna". A auxiliar deve comprimir o sangue do cordão umbilical da criança com seus dedos por três vezes e amarrar um fio resistente, com um nó de encontro ao umbigo e um outro nó a quatro dedos de distância do primeiro. Certo de que não haja sangramento, o cordão é seccionado entre os dois nós. Um medicamento em pó(1) misturado com manteiga deve ser aplicado de imediato sobre o umbigo e, depois, diariamente. Uma auxiliar abençoada com boa sorte deve pegar o bebê com as mãos limpas e banhá-lo em água morna perfumada com açafrão do Kashimir. Este procedimento dará uma boa compleição à criança. A água do banho deve ser retirada preferivelmente de um rio ou córrego limpo e corrente. Imediatamente após o banho, o bebê deve ser envolvido com vestes limpas e macias, permeada com a fumaça de um incenso especialmente abençoado para com- bater as forças prejudiciais. Com mãos limpas e unhas bem apara- das, deve mergulhar um pequeno chumaço de algodão em óleo e esfregá-lo no palato da criança. Isto proporcionará gengivas sau- dáveis no futuro. Antes que seja oferecido o leite materno ao bebê, a sílaba HRIH deve ser desenhada sobre sua língua com água de açafrão. Isto dará à criança o sábio poder da palavra. Além disso, deve ser alimentada com uma colher de água com almíscar para protegê-la dos deuses da terra. Finalmente, deve ser fornecida uma mistura de manteiga com mel. Agora o bebê pode alimentar-se do leite de 19
  20. 20. sua mãe. A água de açafrão, o chumaço de algodão, a água com almíscar e a mistura de manteiga e mel devem ser preparados anteriormente. A maioria das declarações médicas afirmam que a letra HRIH deve ser desenhada sobre a língua, entretanto, alguns textos contidos na tradição oral declaram que a letra DHIH deve ser desenhada na água com açafrão, ou então HRIH, utilizando-se uma solução de “gi-wam”(2). Aparentemente, DHIH destina-se a dar inteligência à criança e HRIH‚ a dar longa vida e prosperidade sendo, portanto, ambas benéficas. O tipo de chumaço, escova ou pena a ser utilizada não está definido nas escrituras. Deve-se utili- zar o selo gravado em madeira de zimbro com a letra DHIH, que é distribuído pelo Governo do Tibete, sob as ordens de Sua Santida- de o 13º Dalai Lama, juntamente com um pequeno texto sobre os cuidados com a criança nos vários distritos tibetanos ou uma vare- ta redonda, fina, de ouro ou prata, que as mulheres usam em feixes como ornamentos ou uma escova de pêlos finos ou uma pena de ponta arredondada feita de marfim, sândalo ou zimbro, ou de qual- quer madeira macia e não venenosa. O melhor tipo de açafrão pro- vém do Kashimir, conhecido no idioma hindi como Kashimir gosar. Se a mãe não tiver leite, o bebê deve ser colocado no peito de uma outra mãe que o tenha. Esta deve possuir a mesma idade, apresentar boa saúde e ser proveniente de uma boa família. Alem disso, não deve ter gerado uma criança que tenha falecido. Um bebê que suga fortemente é um bebê saudável. Para proporcionar à criança memória clara, sabedoria e voz doce, deve ser administrada uma substância medicinal(3) triturada e fervida em leite de carneiro branco. Este leite deve ser trazido por uma menina que venha da direção sul da casa. Esta menina deve ser de boa família e os pais devem estar vivos. Tal procedimento é realizado para proporcionar uma perspectiva favorável pois, con- forme a lenda, Saraswati nasceu ao sul, no oceano, como filha de Brahma. 20
  21. 21. Se o bebê nasce com dentes ou se o dente inferior nasce primeiro, de acordo com uma antiga evidência, é um mau sinal que prediz certos infortúnios para a família. Para evitar isto, devem ser realizadas oferendas de fogo para a divindade Gzhon-nu gdong drug. Imediatamente após o parto, há o costume de colocar-se o anel da mãe sobre o pênis do filho, cobrindo-o com fuligem. Isto é feito para evitar que o menino mude o sexo. Os pais devem saber o momento exato em que o cordão foi seccionado, pois este horário é utilizado no cálculo de horóscopos. Após alguns dias, o cordão remanescente cairá. Deve ser envolvi- do em um pedaço de pano e alfinetado no ombro de um vestido. Recuperação e placenta Um medicamento preparado com a pele de uma cobra negra é colocado sobre a vagina por um curto período de tempo para auxiliar na recuperação da mãe. Se a placenta não for elimi- nada logo após o nascimento, o útero pode sofrer um prolapso, gerando uma situação muito arriscada. Até sua expulsão, portanto, a mãe não deve ingerir cerveja, leite, iogurte e especialmente rapé ou tabaco, uma vez que todos produzem calor no estômago. Deve- se ingerir caldo de carne moída, arroz, sopa de ossos com trigo moído ou sopa de carne e cevada. A auxiliar deve pressionar as laterais do estômago da mãe, para baixo, com as palmas das mãos, em direção à vagina, para ajudar na expulsão da placenta. As escrituras sobre os cuidados com as crianças declaram que a placenta deve ser queimada. O local depende do mês do nascimento, pelo calendário tibetano. No primeiro, quinto e nono mês, a placenta é queimada na direção leste; no segundo, sexto ou décimo mês, é queimada na direção norte; no terceiro, décimo e décimo-primeiro mês, na direção sul e no quarto, oitavo e décimo- segundo mês, no oeste. Deve ser queimada a certa profundidade 21
  22. 22. no solo para que não seja desenterrada por cães, aves e outros animais. Tão logo a placenta tenha sido expulsa, deve ser fornecida à mãe uma alimentação nutritiva e forte, assim como cerveja de cevada tibetana fervida para suprimir os rLungs. Cerimônias realizadas após o parto Na manhã seguinte ou no próximo dia auspicioso, a casa deve ser limpa e purificada com incenso medicinal queimado em seu interior e sobre o telhado. A face e as mãos da mãe devem ser lavadas com leite de vaca ou de "dri". Um pouco de leite de vaca‚ derramado sobre uma xícara de porcelana branca e borrifada sobre a mãe e a criança e em torno do quarto com um galho de kusha ou um raminho de zimbro enquanto são proferidas as seguintes pala- vras: "Ofereço este límpido leite proveniente de deuses puros. Para que todas as impurezas possam ser eliminadas." Os outros mem- bros da família podem estar presentes oferecendo cachecóis (katas) da boa sorte para a criança e os pais. Até que estas cerimônias tenham sido realizadas, nenhum visitante deve ser recebido, pois de outro modo o bebê pode adoe- cer. Assim que terminam as cerimônias, os amigos chegam e ofe- recem ao bebê oferendas como cachecóis da boa sorte e presen- tes como babadores e mantos e trazem para a mãe carne, man- teiga, mel etc. Cerimônias especiais Em um dia auspicioso, um mestre em tantra deve ser con- vidado para que venha à casa realizar um ritual de fortalecimento à vida da criança. Ele molda uma residência dos deuses com massa de bolo ou pão e faz oferendas para as divindades de meditação e para os cinco deuses pessoais que todos temos. Toma então de quatro flechas, se a criança for do sexo masculino, ou cinco fusos, se do sexo feminino, e visualiza a energia vital da criança habitan- 22
  23. 23. do no interior dos mesmos. Dispõe um dos objetos (flecha ou fuso) sobre o telhado da casa, outro sobre a laje, um acima da porta e outro sobre o assoalho. Para proteger a criança dos espíritos pre- judiciais, o mestre amarra um cordão protetor fortalecido por man- tras em torno do pescoço e do punho do bebê. Ele também amarra uma pequena bolinha de shu-dag (Acorus calamus) em torno de seu pescoço. Devem ser feitas oferendas de alimento às divinda- des e aos guardiães, todo mês, no dia do nascimento da criança. Também devem ser feitas oferendas aos espíritos. O nome da criança O nome deve ser dado no dia seguinte ao nascimento, em homenagem à estrela que predominou aquela noite, a um grande mestre espiritual, a uma divindade, a um guardião da Doutrina, a uma dádiva ou um parente. O nome deve ser bonito e auspicioso. Alternativamente, pode-se pedir a um mestre espiritual que dê um nome à criança . Festividades do nascimento Em um dia favorável, penduram-se bandeiras ao vento sobre o telhado da casa e fazem-se oferendas às cinco divindades pessoais e aos protetores, enquanto que aos membros da família e convidados são servidos os melhores petiscos. As razões para pendurar as bandeiras e realizar as oferendas estão nos textos sobre os cuidados com a criança. O primeiro passeio do bebê Seu primeiro passeio deve ser feito em um dia predetermi- nado e nunca em algum outro não auspicioso para a criança ou sob sua estrela não auspiciosa (todos temos um dia e uma estrela auspiciosos e não-auspiciosos, dependendo do ano em que nas- cemos). Na manhã daquele dia, o bebê deve ser banhado em água morna e seu corpo, gentilmente massageado com óleo e vestido 23
  24. 24. com roupas limpas. Existe um ritual antigo no qual a criança, usan- do cabresto de mula, é carregada pelo exterior da casa, circundan- do-a no sentido horário, por um tio ou uma tia. Os pais devem levá-la para visitar os locais sagrados da região e devem marcar uma audiência com seus mestres espiri- tuais pessoais. Devem solicitar um nome a cada um dos mestres espirituais que encontrarem. O nome permanente, entretanto, é dado como explicado anteriormente. Cuidados Gerais Os babadores devem ser trocados freqüentemente. Quando vestir o bebê, disponha os braços lateralmente, estenda as pernas e enrole-o no babador e no camisolão. Em torno deste, amarre o cinto e se estiver frio, envolva-o em um manto. Feito isto, o bebê desenvolverá pernas eretas. Como agita muito os braços, ele pode eventualmente arranhar a face e, se continuar, poderá desenvolver dor nas axilas. Quando deitar o bebê, certifique-se de que o sol não esteja brilhando diretamente em seus olhos, pois isto resulta em estra- bismo. Se as fontanelas ou as solas dos pés são expostas a um calor muito forte, os olhos do bebê podem perder a claridade. O frio intenso nestes dois locais pode causar surdez. Se o bebê é carre- gado de forma incorreta, pode desenvolver uma curvatura anormal no pescoço. Fazê-lo sentar-se muito cedo pode deslocar o fígado para baixo. Portanto, deve-se tomar o cuidado de proteger o bebê contra os perigos do fogo, dos pássaros, dos animais e das doen- ças contagiosas em todos os momentos. De vez em quando, uma massagem é benéfica, com óleo e sob o calor do sol. Isto tornará o corpo forte e saudável e a babá deve ser instruída nestes assun- tos. Podem ser utilizados óleos de gergelim e de mostarda. Uma pequena quantidade é despejada em um copo com água morna ou fria, dependendo do tempo. A água impede que o óleo lambuze as mãos e as roupas do bebê. 24
  25. 25. Algumas vezes, quando a mãe estiver trabalhando, poderá sentir dor nas mamas e o bebê deverá chorar com fome. Neste momento, deve ser dado leite ao bebê. Atualmente, as mães ali- mentam seus bebês com mamadeiras. Ao dar apenas um bico de plástico para sugar, este não deve possuir orifício para prevenir do- enças de rLung. A saúde da criança Eventualmente, deve ser aplicado sobre o umbigo sal medi- cinal combinado com manteiga ou um composto medicamentoso(4) em pó dissolvido em manteiga. Quando o bebê estiver deitado para dormir, sua cabeça deve estar sempre direcionada para o norte ou leste. O couro cabeludo deve estar coberto com algodão embebido em óleo. Durante o dia a mãe não deve dormir, pois o bebê neces- sita de seus cuidados. Nas escrituras sobre os cuidados com a criança afirma-se: "Para proporcionar inteligência e longa vida, triture ingredientes medicinais(5) formando uma mistura fina. Combine-a com mel ou manteiga. Ao fornecer um pouco desta mistura todas as manhãs, consegue-se inteligência e saúde". A mistura deve ser feita por alguém que seja experiente na preparação de medicamentos, deve-se pedir que um médico a faça. Certas substâncias enroladas no formato de uma pequena trouxa, amarrada em torno do pescoço do bebê o protegerá dos danos causados por deuses da terra, por nagas e por influências prejudiciais. Os métodos de preparação de medicamentos podem ser encontrados nos capítulos setenta e um e setenta e dois da escritu- ra médica “Gunatantra” (em tibetano, yon-ten rgyud) e com mais detalhes nos capítulos cento e três e cento e quatro. Métodos de preparação também podem ser encontrados no “Comentário ao Gunatantra”, no texto “Safira Azul” (em tibetano, Be-ngon) e nas várias tradições orais. 25
  26. 26. Alimentação Devem ser fornecidos regularmente ao bebê açúcar cristal, mel, manteiga derretida, biscoitos doces e, eventualmente, frutas e carne fervida e frita em manteiga fresca. Estes alimentos propor- cionam boa compleição e nutrem a musculatura. Certas substân- cias medicinais(6) finamente trituradas e fervidas com manteiga devem ser fornecidas regularmente na forma de uma pequena pílu- la para o vigor e a saúde. Diz-se que um bebê que se alimenta de sólidos está com fome quando suga o polegar. Crescimento De acordo com um antigo conhecimento, há seis estágios no desenvolvimento precoce de uma criança: sua habilidade de agitar e dar suas mãos aos pais após os cinco meses, sua capaci- dade de sentar-se após seis meses, o surgimento dos dentes após oito meses, engatinhar após nove meses, caminhar após um ano e a capacidade de falar as palavras "A-ma" e "A-pa" após dois anos. Se a criança não caminha após um ano, os pais devem rea- lizar um pequeno ritual. Sente-a e segure-a de costas sobre uma vaca branca; uma auxiliar faz a vaca mover-se, gritando "da-ya, da- ya". Este ritual ajudará o bebê a caminhar. É costume perfurar a orelha do bebê aos oito meses. Perfu- ra-se a orelha direita do menino e a orelha esquerda da menina. De acordo com as escrituras sobre os cuidados com a criança, esfre- ga-se um pouco de mercúrio no lóbulo. A orelha é perfurada a par- tir do dorso, no seu ponto mais fino, utilizando-se uma agulha transpassada com um pêlo de cachorro. O orifício é tratado com um pouco de óleo. A perfuração da orelha é um ritual realizado principalmente para a prosperidade, mas não é feito se a criança é uma encarnação reconhecida (Tulku) ou se está destinada a ser ordenada. 26
  27. 27. Quando o bebê está engatinhando e os pais estão ocupa- dos, não sendo possível observá-lo constantemente, ele deve ser preso em um quadrado para evitar que ocorra qualquer acidente. De acordo com um conhecimento antigo, se as primeiras palavras da criança são "A-ma" ou "Ma", ela será separada primei- ro de sua mãe e se falar "A-pa" ou "Pa", de seu pai. A melhor pala- vra que a criança poderia pronunciar primeiro poderia ser "A-ni" (tio ou tia). Celebrações de aniversário As escrituras sobre os cuidados com a criança dizem que o primeiro aniversário deve ser celebrado hasteando-se bandeiras de orações e fazendo-se as oferendas mais refinadas às divindades e aos protetores. A criança de ser banhada, vestida com roupas novas e levada a uma audiência com um mestre espiritual. Poste- riormente, a família janta as melhores comidas e bebidas e todos se divertem. Patologia Em geral há vinte e quatro tipos de doenças que afetam as crianças. As condições que propiciam algumas delas vêm da mãe e outras surgem de cuidados inadequados com a criança. As con- dições que vêm da mãe incluem cuidados inadequados para com sua saúde durante a gestação e durante a amamentação. Tais condições podem causar deformidades como surdez, cegueira, gagueira, deformidades na formação do corpo, dedos extras, pele manchada etc. Estas deformidades, resultantes de doenças con- traídas pela mãe durante a gestação e que afetam posteriormente o feto, são inatas e difíceis de curar, enquanto outras são curáveis. Após o nascimento, as doenças podem ser causadas por atitudes como sacudir demasiadamente o bebê, sentá-lo muito cedo, não trocar os babadores com a freqüência necessária e dar alimentos e bebidas excessivamente quentes ou frios. Estas doen- 27
  28. 28. ças são curáveis e os pais devem procurar um médico sábio ime- diatamente, seguindo exatamente suas instruções. Se o bebê está se alimentando exclusivamente de leite materno, a mãe deve inge- rir todos os medicamentos. Se está sendo alimentado por ambos, leite materno e sólidos, a mãe e a criança dividem os medicamen- tos. Uma criança completamente desmamada ingere todos os medicamentos. Sintomas gerais das doenças As escrituras sobre os cuidados com as crianças mencio- nam alguns dos sintomas gerais das doenças: choro constante com expressão dolorosa ou infeliz, ela segura a região do corpo que quando pressionada causa dor, há perda do apetite, respiração irregular, as unhas tornam-se pontiagudas, a voz apresenta-se fra- ca, a criança geme, emite sons estranhos, não tem vontade de brincar etc. Os sinais específicos das doenças incluem: elevação da temperatura, tosse, pulsação das veias e das artérias, sudorese e vômitos, sangramento nasal, ruídos altos no estômago, fezes diar- réicas de cores diferentes, sede intensa, o umbigo apresenta-se inchado, a criança esfrega o nariz e a boca com as mãos, arranha o peito ou mesmo a mãe, manifesta o desejo de comer, mas na verdade não come etc. Os sintomas de doenças graves incluem: ressecamento e endurecimento das narinas, contração das ore- lhas, membros finos, olhos fundos, língua seca, estômago duro, taquipnéia, diarréia aquosa, fortes movimentos rotatórios da cabe- ça, protuberâncias da pele etc. O deslocamento do fígado até o nível do umbigo é particularmente grave e a chance da criança sobreviver é pequena. De outro lado, se os olhos, ouvidos, nariz, boca e compleição apresentam uma aparência sadia, se a criança respira bem, se veias e artérias não estão pulsando, se as palmas das mãos e as solas dos pés possuem uma coloração rósea e ela 28
  29. 29. se alimenta bem, a doença é curável e um médico habilidoso deve ser imediatamente consultado. Há quinze tipos de espíritos que afetam a criança, sete acometem o menino e oito são causas de doenças das meninas. Um deles é o fantasma de um rei assassinado que renasceu como um espírito por causa de sua raiva. Um outro é o fantasma de uma mulher maldosa e outro ainda é de um rei dos nagas. Os sinais que indicam danos causados por estes espíritos incluem um medo súbito, choro excessivo principalmente nas primeiras horas da manhã e da noite, tremores, gemidos, sono perturbado, a criança morde seus lábios, recusa-se a receber o leite materno, os olhos tornam-se brancos, esfrega suas unhas em sua mãe e apresenta febre. Quando estes sinais ocorrem deve-se consultar um médico. A criança não deve ingerir alimentos fortes como álcool, carne, sangue, vegetais verdes etc. É preferível alimentá-la com os três alimentos brancos: leite, iogurte e manteiga. Rituais especiais devem ser realizados, incluindo o Ritual em Três Partes, a Oferen- da da Água, a Leitura dos Cinco Grandes Mantras e o ritual das Cem Carnes e dos Cem Alimentos na qual são feitas efígies e ofe- recidas ao espírito. Uma roda de proteção deve ser amarrada à criança e, se possível, o ritual "Do" (mdos) deve ser realizado. Se isto não trouxer melhora, de acordo com as escrituras, deve ser procurado um poderoso mestre em tantra e solicitado que realize, entre outros, a volta da “Roda de Fogo” juntamente com o “Mantra Irado” e o ritual para a “Destruição do Pássaro Demônio”. Estes rituais estão explicados no texto "Chung-dpyad padma-gches- phreng" e também estão presentes em uma obra do grande médico Dkon-mchog phan-dar conhecida como "Nyams-yig rgya-rtsa". Finalmente, um médico espiritual com poderes sobre o mantra deve ser consultado novamente, para aconselhamento. 29
  30. 30. Diagnóstico Há três maneiras de diagnosticar as doenças: através do exame das veias, da voz e do leite materno. As veias dorsais do lóbulo da orelha são examinadas enquanto a criança está defrente para o sol. Há três veias atrás de cada lóbulo que revelam as condições dos órgãos do corpo. As três veias do lóbulo direito fornecem informações sobre os pul- mões, o fígado e os rins; as três veias do lóbulo esquerdo, sobre o coração, baço e rins. Nas meninas, as veias do coração e dos pul- mões são contrárias. A doença pode ser diagnosticada através da coloração das veias. Quando apresentam-se com cor marrom, indicam febre; se amarelas indicam uma doença de mKris-pa; cin- zas, uma doença causada pelo frio; brancas, um distúrbio do humor Bad-kan e vermelhas, uma doença do sangue. Uma altera- ção nas veias relacionadas com os pulmões, o fígado e o coração indica danos causados por espíritos. Veias pouco nítidas sinalizam ocorrência de morte e neste caso devem ser realizados rituais (7), solicitadas iniciações da longa vida e compreendidas as práticas de doar-se. A doença pode ser diagnosticada pelo exame da voz. Cho- ros longos e estridentes indicam um distúrbio de mKris-pa; um cho- ro que soa baixo e profundo indica doença causada por frio; um som áspero, um desequilíbrio de rLung e um som semelhante ao de um pato é sinal de diarréia ou vômitos. Um bebê acometido por espíritos emite uma variedade de sons estranhos. Diagnosticar uma doença utilizando-se do leite materno envolve a compressão das mamas para a retirada de uma pequena quantidade de leite sobre um recipiente cheio de água e posterior avaliação das reações que ocorrem entre eles. Se o leite não per- manecer flutuando sobre a superfície da água, o bebê não necessi- ta de tratamento por um médico. Se continuar suspenso na água, a criança está doente, mas não é grave. Se permanecer como uma coluna reta, é um sinal de morte. Quando vai até o fundo, também 30
  31. 31. é um sinal de perigo. Quando se assemelha a nuvens indica dano causado por espíritos. A coloração do leite também pode ser examinada. Marrom indica doença do sangue; amarelo, distúrbio de mKris-pa; esbran- quiçado com bolhas sugere desequilíbrio de rLung; o leite com filamentos verdes indica um distúrbio de Bad-kan e quando asse- melha-se à desova de rãs, indica doença causada pelos deuses da terra. Tratamento de pústulas bucais As crianças com freqüência desenvolvem pústulas na boca e pode-se tratá-las com uma mistura contendo almíscar adicionado a um minúsculo retalho de cordão umbilical que é colocada na boca. Um outro medicamento pode ser administrado(8). O leite de uma cabra branca misturado com as cinzas da pena de um tipo de pombo e aplicados às pústulas também serão benéficos. Se depois de alguns dias a criança é imersa em água, a dor cessará e a doença não retornará. Além disso, algumas pessoas afirmam que esfregar regularmente um resíduo de cordão umbilical no interior da boca ou colocar um anel de ouro limpo com uma pedra de tur- quesa dentro da boca também pode ser de algum auxílio. Dentição No comentário do "Gunatantra" afirma-se que quando um jovem pavão desenvolve pela primeira vez as penas da coroa e quando um bebê desenvolve sua primeira dentição ambos experi- mentam dor no corpo inteiro. Um determinado medicamento(9), fervido com mel e deixado a esfriar, pode ser aplicado em todo o corpo para acelerar o desen- volvimento dos dentes. Também existem medicamentos para qual- quer distúrbio que surja em decorrência da dentição. 31
  32. 32. Diarréia e vômitos A diarréia pode ser tratada com mantras. Três longos cor- dões protetores são trançados para formarem uma corda e esta é cortada em duas. Vinte nós são amarrados em cada uma. O man- tra "Ya-ma chod" (pronuncia-se “yama cho”) é recitado cem vezes para cada corda e “soprado” nelas. Uma das cordas é amarrada em torno do pescoço do bebê e a outra em seu punho. Quanto aos vômitos, o mesmo ritual é realizado utilizando-se o mantra "Ya-ma shig" (pronuncia-se “yama chik”). A diarréia associada ao “calor” é vermelha, marrom, amarela ou verde e a diarréia associada com “frio” é geralmente branca.(10) Os vômitos são mais frequentemente causados por mKris- pa frio. Seus sintomas são: incapacidade para digerir o leite da mãe ou o alimento, olhos amarelados e estômago saliente. Pode ser tratado com a aplicação de baforadas de fumaça produzidas pela queima de uma combinação de substâncias medicinais (11) sobre o estômago do bebê ou através de medicamentos (12) adicio- nados ao caldo de carne fresco. Se o conteúdo do vômito é um muco esverdeado ou o próprio leite de sua mãe, o medicamento deve ser adicionado ao mingau de arroz. Se vomitar o mingau, um pequeno jejum ajudará. Se nenhum destes tratamentos for bem sucedido, uma aplicação de moxa sobre o topo da cabeça curará a doença(13). Um remédio para a ocorrência simultânea de vômitos e diar- réia encontra-se na escritura médica "A Casa dos Tesouros das Pedras Preciosas, uma Coleção de Tradições Orais Preciosas", escrito pelo médico rDo-karma Chos-rGyal. Geralmente quando um bebê tem diarréia não deve ser ofe- recido carne, mingau de aveia ou de arroz, mas alimente-o com mingau de farinha de trigo indiano ou tibetano bem cozido com manteiga fresca, queijo ralado doce e um pouco de sal; deixe esfriar até que engrosse um pouco. Se o bebê está desmamado deve ser oferecido mingau de trigo torrado com queijo e sal duas 32
  33. 33. ou três vezes por dia. Estes mingaus curarão a diarréia muito facilmente. Alguns pais preferem o mingau preparado com arroz, mas apesar deste procedimento auxiliar na cura da diarréia asso- ciada ao calor, não age quando o distúrbio está associado com frio. O trigo é melhor. Sarampo Há muitos tipos de doenças eruptivas, algumas ocorrem somente uma vez e outras são recorrentes. O sarampo e a varíola, uma vez curadas, não mais ocorrem. Houve muito interesse no tratamento de varíola e existem muitas curas. O uso de vacinas também está difundido e, portanto, não escreverei sobre este assunto aqui. O sarampo, entretanto, é prevalente entre crianças menores, de forma que descreverei algo sobre esta patologia. O tratamento sob esta denominação não é mencionado nos tantras médicos, apesar de que os sintomas descritos na escritura da tra- dição oral “Safira Azul” assemelham-se ao “tremor febril” e, uma vez tomadas as precauções, nenhum tratamento é necessário. Devem ser evitados alimentos azedos como bebidas alcoólicas, queijo azedo etc., além de cebolas e alhos, pimenta preta e sal, ou seja, tudo aquilo que aumenta o calor do corpo ou que piore a doença. A criança deve alimentar-se com os três alimentos bran- cos. Deve ser evitado especialmente o sal, uma vez que o mesmo faz com que as erupções se desenvolvam no interior das pálpe- bras. As escrituras da tradição oral mencionam sete tipos de sarampo, que podem ser condensados em duas variedades. Os sintomas são geralmente semelhantes para qualquer doença con- tagiosa, manifestando-se especificamente com pequenas pústulas, como sementes de mostarda, que aparecem sobre todo o corpo quando a doença irrompe. As axilas e a virilha também tornam-se quentes. Dia após dia, as pústulas secam, mas até que isto ocorra, a criança deve ser mantida aquecida. 33
  34. 34. Em certas regiões do Tibete, existe um método tradicional para eliminar rapidamente as pústulas. Em primeiro lugar, os ali- mentos inadequados citados acima são evitados, depois, fricciona- se cerveja de cevada engrossada no corpo da criança por dois dias, durante os quais a criança deve permanecer aquecida. As pústulas serão eliminada e, quando isto ocorre, ela deverá receber alimentos nutritivos para suprimir rLung.(14) Tratamento no deslocamento do fígado O fígado de um bebê é muito macio e com membranas finas, assim, se o bebê recebe alimento ou leite insuficiente ou é colocado a sentar-se muito cedo, o órgão pode facilmente se des- locar para baixo. Os sintomas podem ser uma recusa para alimen- tar-se ou mamar, elevação da temperatura, dispnéia e perda de peso. Se não for submetido a tratamento imediato e se o fígado descer além do umbigo, o bebê não sobreviverá. Por outro lado, os casos curáveis são de duas variedades: aqueles causados por calor e aqueles causados por frio. Os sintomas do primeiro são olhos vermelhos, sangramento nasal, coloração azulada da pele mesmo que a face apresente boa compleição, pulso ondulante e urina marrom-avermelhada. Os sintomas da doença, quando cau- sada por frio, são bocejos, lacrimejamento, um fígado exsudativo e dor neste órgão após a digestão do alimento. A cura de um fígado deslocado para baixo causado pelo calor inclui dieta correta, sangria, administração de medicamentos, aspersão de água e moxabustão. Os alimentos a serem evitados incluem carne velha, manteiga rançosa, cevada, alimentos fortes, em especial aqueles produtores de calor, assim como o álcool. Uma dieta correta incluiria carne fresca, caldo de carne fresca, manteiga fresca, iogurte fresco, açúcar, leite e mingau de trigo e arroz. A dieta deve ser adotada pela mãe também, se esta estiver amamentando a criança. A sangria é realizada nas veias das pan- turrilhas e dos tornozelos. Apenas o sangue afetado deve ser reti- 34
  35. 35. rado e não o sangue vital. Muitos medicamentos (15) indicados para estes casos são encontrados nos textos médicos. A água utilizada na aspersão deve ser fria e o tratamento deve ser realizado à noite sob a luz das estrelas. Um litro desta água é despejado na região da nona vértebra. Como alternativa, uma bexiga cheia de água fria é pressionada contra o corpo da criança. Isto interrompe a pulsa- ção das veias do fígado e resulta na redução do calor. O moxabustão, nestes casos, é aplicado em três locais depois que o calor foi eliminado: a região do fígado entre a nona e a décima-segunda vértebra, os quatro cantos ocultos do fígado situados a uma distância de um dedo de largura de um lado a outro do umbigo e na região das duas costelas flutuantes. Se a queima é feita antes do calor ter sido dissipado, o fígado não retornará ao seu sítio correto. O momento, portanto é de grande importância. As instruções devem ser retiradas da “Escritura da Safira Azul”. A cura de um fígado deslocado causado pelo frio inclui die- ta, medicamentos(16), banhos medicinais(17), purgação(18) e moxa- bustão. A dieta já foi explicada. O moxabustão é realizado nos locais mencionados, mas o momento não precisa ser tão exato. Estes tratamentos são descritos na “Escritura da Safira Azul”. O moxabustão e a sangria, no entanto, seriam insuportáveis para a criança e para os pais. Devem ser utilizados apenas como último recurso. Há um método tradicional de curar um fígado deslocado, ainda praticado por algumas mulheres experientes. Nas primeiras horas da manhã, a criança é despida e deitada sobre uma cama. A mulher pega um espelho de bronze ao qual é amarrado um cache- col branco de lã ou seda e pressiona-o sobre a coluna vertebral da criança, abaixo das costelas, movendo-o em círculos na região frontal do corpo em uma área logo acima do umbigo. Ela repete o movimento sobre o outro lado do corpo. Todo o processo é repeti- do três a quatro vezes. Depois o cachecol é mergulhado em água muito fria e espremido sobre o corpo da criança, acima do umbigo 35
  36. 36. e sob as costelas daquele lado, fazendo-a pular com o choque. O cachecol úmido é amarrado em torno da cintura da criança e depois ela é vestida e colocada na cama. Este tratamento deve ser realizado em segredo. Se a criança já é portadora da doença há algum tempo, o tratamento deve ser repetido duas ou três vezes com intervalos de três ou quatro dias. Este método é de grande auxílio para que o fígado retorne à sua posição correta. Se o espe- lho fixa-se à pele quando colocado sobre o fígado ficando difícil deslizá-lo, é um sinal de que o fígado foi deslocado. Se o fígado estiver deslocado já há algum tempo, ao pressionar com os dedos, ele estará duro. Em algumas regiões do Tibete existe um método tradicional para prevenir esta doença. Quatro ou cinco semanas após seu nascimento, o bebê era seguro pelas pernas, de cabeça para bai- xo, e balançado suavemente para lá e para cá poucas vezes. Depois ele repousava durante uma hora em decúbito frontal. Diz-se que se este procedimento fosse repetido de hora em hora a criança nunca adquiriria esta doença. Preparação da medicação preventiva Um pouco de uma substância negra, semelhante à fuligem e um pouco de musgo amarelo, ambos encontrados sobre um pedra negra, cuja localização esteja de frente para o norte e não tenha sido tocada pelos raios de sol, são queimados juntamente com dois ou três fios de cabelo retirados do topo da cabeça da mãe para formar cinzas e dadas para a criança com um pouco de ceva- da. Isto conservará a criança protegida das doenças durante um ano. Uma mistura de almíscar, Acorus calamus e melaço, forne- cida à criança com cerveja de cevada, assegura não apenas uma saúde semelhante a um vajra, mas protege das doenças e danos causados por espíritos durante doze anos. Estas preparações são descritas no “Compêndio de Ensinamentos Orais Preciosos sobre a Ciência da Cura” pelo Dr. rDo-karma Chos-rGyal. 36
  37. 37. Lazer Quando a criança aprende a andar e a falar, os pais não devem ser muito rígidos com ela. É melhor que ela seja encorajada a brincar com os amigos que desejar, sempre que assim quiser, deixar que seu corpo realize grande quantidade de exercícios, permitir que amadureça e que sua fala se desenvolva rapidamente. Entretanto, sempre existe o perigo de acidentes, quedas, mordidas de cães, ataque de animais de fazenda etc. Os pais devem estar conscientes disto. As crianças gostam de brincar com terra e freqüentemente cobrem-se com ela, mas contanto que não haja sujeira, espinhos, metais ou vidro, isto só pode ser bom para seus corpos. As crian- ças também comem barro e alguns pais com pouco conhecimento batem nelas por este motivo, mas aqueles com mais experiência dizem que o barro é benéfico para os intestinos e, de nenhuma maneira, prejudicial. Não deve ser permitido que as crianças carreguem instru- mentos pontiagudos, tais como canivetes de bolso, espetos etc. No Tibete, os meninos brincam com modelos de cavalos, vacas, macacos etc., flautas feitas de argila ou de ossos do tornozelo de carneiro. As meninas brincam com bonecas de pano, partes do material da qual são feitas as bonecas, agulhas e linhas, pequenas bolas coloridas de vidro ou de pedra para fazer truques de mão, penas amarradas com um peso em baixo como uma peteca, cor- das de pular etc. As crianças pequenas gostam de colocar brin- quedos em suas bocas, portanto, estes devem ser macios sem extremidades pontiagudas. Atualmente, entretanto, existem muitos tipos diferentes de brinquedos e os tradicionais não são necessá- rios. Quando brincam, as crianças com freqüência lutam. A criança que começa a lutar deve ser gentilmente reprimida pelos seus próprios pais e não pelos pais de outras crianças, pois pode causar atrito entre os primeiros. 37
  38. 38. No Tibete, quando a criança é capaz de falar e compreen- der, sua mãe, avó ou babá contam-lhe estórias agradáveis para tranqüilizá-la e sentir sono. Educação A educação infantil no Tibete começava aproximadamente aos cinco anos de idade. Em um dia auspicioso, a criança era registrada em uma escola. Alternativamente, um tutor era convida- do e na época adequada, com a criança frente a uma direção aus- piciosa, ele iniciava sua educação, em casa, ensinando-a a ler o alfabeto a partir de um livro contendo as vogais e as consoantes em tamanho grande. Prosseguindo com seus estudos desta manei- ra, mais tarde, seria registrado em uma escola. Apesar de ser ensinada, sua própria inteligência e esforço são pré-requisitos necessários para o sucesso de sua educação. A maioria das crianças não é entusiástica para estudar; indolentes, elas preferem brincar. A responsabilidade de criar condições para a educação é dos pais. E assim, quando chega o momento, eles não devem ser negligentes em suas considerações que valerão para toda sua vida, nem negar à criança oportunidades para sua educação por serem demasiadamente apegados à ela. O melhor é proporcionar entusiasticamente seu aprendizado. Além disso, mesmo que os pais tenham uma boa educação, não devem tentar educá-la, pois a criança não desenvolve o mesmo tipo de respeito pelos pais como o fazem pelos professores e isto retardaria seu aprendizado. Eles devem enviá-la, com certeza, a uma boa escola e apresentá-la a seu professor e posteriormente ao seu tutor espiri- tual, encorajando-a para que adquira um profundo respeito por ele. Quando a criança se esforça muito na escola, os pais devem demonstrar que estão satisfeitos, dando-lhe pequenos presentes como alimentos e roupas, elogiando-a e, em geral, fazendo-a sen- tir-se feliz. A gentileza dos professores e do tutor deve ser retribuí- 38
  39. 39. da convidando-os para uma visita a sua casa de vez em quando e oferecendo-lhes doações à escola e ao tutor. Com base em suas próprias experiências de vida, os pais devem algumas vezes dar à criança conselhos úteis e benéficos. Entre os oito e os treze anos, se a criança desobedece seus pais, falta às aulas, briga, rouba ou mente, parece não haver alternativa para não apanhar de seus pais ou de seu professor. Um menino deve apanhar de seu pai e a menina de sua mãe. Quando a crian- ça atinge a idade de quatorze anos, ela está mentalmente e fisica- mente mais desenvolvida e um método mais suave de disciplina deve ser utilizado pois, de outro lado, uma criança desta idade, que apanha de seus pais ou de seu professor, perde completamente seu amor e respeito pelos mesmos, sobrevindo-lhes rancor. Dos quatorze anos em diante, ela deve ser disciplinada apenas ver- balmente. Haverá momentos nos quais os pais, com relutância, necessitarão corrigir a criança utilizando algumas verdades desa- gradáveis. Tais palavras devem ser duras, não importando se a criança fica desconcertada, pois tal conselho visa seu benefício. Há um provérbio que diz: "Bons medicamentos algumas vezes são amargos, certos conselhos algumas vezes são duros". Sua Santi- dade o Quinto Dalai Lama dizia: "Se não for explicado, nem o pai compreenderá, portanto, fale claramente. O fogo não ajudará se não estiver mais queimando a madeira, portanto, alimente o fogo no momento adequado". Na obra “Bodhisattvacarya Avatara”, de Shanti Deva, afirma-se: "Se é possível ser corrigido, porque ficar infeliz; Se não é possível ser corrigido, porque, também, ficar infeliz?" Portanto, até atingirem a adolescência e serem capazes de pensarem por si mesmas, os pais devem preocupar-se com abne- gação e sem lamentações com relação à sua educação, tendo em mente o amor que possuem à vida de seus filhos. 39
  40. 40. Se for ordenado, ao atingir a adolescência deve residir em uma comunidade monástica. Costuma-se dizer: "Monges vivem juntos como bandos de gansos". Mais especialmente, é muito importante estudar e contemplar os ensinamentos de Buda e seus comentários com o único objetivo de servir à doutrina e aos seres vivos ou trazer felicidade temporária e permanente tanto para si quanto para todos os outros. É muito conveniente, portanto, intro- duzir a criança em um colégio monástico. Como Senhor do Dhar- ma, disse Sakya Pandita: "Mesmo sendo já muito velha, a pessoa deve continuar aprendendo". Se o jovem não possui inclinação para a vida monástica, os pais devem fazer acordos quanto ao casamento, no momento ade- quado, nem muito precoce, nem muito tardiamente. Diz o ditado: "O dever dos pais é casar as crianças. O dever das crianças é car- regar o cadáver de seus pais". Quando um filho se casa, diz-se que sua família ganhou um novo membro. Quando uma filha se casa, sua família perdeu um membro. Se os arranjos para esta perda ou adição não são feitos na época correta, há o risco de que o jovem faça uso de sua vida para propósitos não construtivos ou não signi- ficativos. Os pais têm a responsabilidade de assegurarem que isto não ocorra. Geralmente, apesar da educação e da saúde, há tanto feli- cidade como tristeza na vida, está é sua natureza. Diz um antigo ditado: "Durante uma longa primavera há três períodos de calor e três períodos de frio; durante uma longa vida há três períodos de felicidade e três períodos de sofrimento". Portanto, sem ficar demasiadamente satisfeito com a felicidade, ou deprimido com a tristeza, se você é bem ou mal afortunado, se é feliz ou triste, se depositar sua verdade nas Três Jóias e viver uma vida de virtude e honestidade, você encontrará contentamento. 40
  41. 41. Epílogo Os pais possuem um amor inato, natural, por seus filhos. Quando a criança está feliz, eles estão felizes, quando ela sofre, eles também sofrem; não recuar ante qualquer necessidade, por amor às suas crianças, é uma atitude comum a todos os pais. Entretanto, a maneira como se desenvolve, e mesmo o fato de ela sobreviver ou não, tudo vai depender de quanto os pais conheciam sobre cuidar e educar crianças. É muito importante conhecer estas abordagens. Posteriormente, por amor próprio ou por amor a seus pais e ao seu país, as crianças devem adquirir grande entusiasmo por estudos proveitosos, assim como história tibetana, as obras de Sakya Pandit etc. e por todas as atividades instrutivas, tanto espiri- tuais como temporais. Como adultos, devem refletir sobre a bon- dade de seus pais e professores e desenvolver um forte sentimen- to de amor por seu país. Quando éramos jovens e desamparados, aqueles que demonstraram mais bondade conosco foram nossos pais, aqueles que nos mostraram o caminho da felicidade temporá- ria e permanente foram nossos professores e se nosso país for feliz e próspero, também seremos. Por outro lado, se nosso país é pobre e fraco, mesmo que sejamos pessoalmente ricos, podemos apenas sentir vergonha. Por esta razão, devemos considerar a Lei da Causa e Efeito, de acordo com a religião dos deuses, e os prin- cípios do bom comportamento, de acordo com a religião dos homens. As ações de nossa fala e de nosso corpo devem ser sempre exemplares, universalmente elogiáveis e nunca devemos procurar por aqueles de má conduta. Um velho ditado afirma: "Más influências podem destruir um país", o que significa que os maus elementos na sociedade podem destruir as boas tradições da mesma. Também afirma o ditado: "Considere seu comportamento, desconsidere as circunstâncias". Com relação à sua prosperidade, se uma pessoa é amável e de boa aparência, ela será comentada e suas virtudes se espalharão até que finalmente se torne um ser 41
  42. 42. humano refinado e um recurso indispensável à sua comunidade. Posteriormente, após haver completado sua educação, o indivíduo será capaz de realizar muito, sem contar tanto com outros, tornan- do-se eminente na sociedade. Por exemplo, um cavalo de boa apa- rência, com um bom pêlo e um bom caráter, que nunca se espanta ou dá coices, é o tipo escolhido pelos reis e pela nobreza. Mas se nunca lhe foi ensinado como trotar bem, como uma criança a quem faltou educação, ele perde uma qualidade essencial. Por outro lado, um cavalo que é conhecido por seu trote gracioso, mas que dá coices, empina e recusa-se a obedecer as rédeas é como uma criança que teve apenas uma boa educação. Tal cavalo é indese- jado por todos, passa de mão em mão, seu valor decresce, até que finalmente se torna um fardo. Toda criança, portanto, que possua um caráter louvável associado com uma boa educação será capaz de satisfazer seus desejos e de outros. Notas 1. "Rur-ta", Saussurea lappa (C.B. Clarke) 2. “Ghi-wam”, uma resina amarelo-laranja extraída da vesícula biliar de elefante (neste caso, a qualidade da resina é de melhor qualidade), de vaca (intermediária) ou da terra (baixa qualidade) 3. São eles: i)"A-ru-ra", Terminalia chebula, Retz., mirabólano ii)"Shing-kun", Ferula narthex, Boiss., assafétida iii)"Tsha-ba-sga-pi-pho-gsum", combinação de três medicamentos quentes: Zingiber officinale, Rosc., Piper longum e Piper nigrum iv)"Shu-dag", Acorus calamus v)"Manupatra", uma flor amarela brilhante vi)"Lche-myang-tsha", sal de sequóia 4. Ver nota 1 42
  43. 43. 5. Ingredientes: i)"Shu-dag", Acorus calamus ii)"Gla-rtsi", almíscar iii)"A-ru-ra", Terminalia chebula iv)"Yungs-dkar", semente de Brassica comprestis, Linn., semen- te de colza 6. Lista de ingredientes: i)"Yungs-dkar", semente de Brassica comprestis ii)"Shu-dag", Acorus calamus iii)"Rgyam-tsha", sal-gema muito claro iv)"Pi-pi-ling", Piper longum v)"Ru-rta", Saussurea lappa, C.B.Clarke vi)"Ba-spru-ba"; Mirabilis himalaica, Edgew 7. –Bla-hgug tshe-hdug, "O Ritual da Apreensão da Vida e da Alma" –Tshe-chhog, "Ritual para a Longa Vida", etc. 8. Uma preparação de blon-po-gsum (um medicamento que con- tém três ingredientes: folha de cinamomo, açafrão e Baellium indiano) e "gu-gul", Commiphora mukul; ou uma preparação de "ru-rta" (Saussurea lappa), "a-ru" (Terminalia chebula), "gu-gul" (Commi-phora mukul) e "shu-dag" (Acorus calamus); ou uma preparação contendo uma pequena quantidade de uma mistura de "gla" (almíscar) e "gu-gul" (Commiphora mukul) adicionada a uma combinação de "blon-po-gsum" (mistura de três frutas: Terminalia chebula, Terminalia bellerica e Emblica officinalis) 9. Partes iguais dos seguintes ingredientes: "a-byag" (uma flor amarela) e "skyu-ru" (Emblica officinalis) 10.Medicamento para diarréia associada com “calor”: uma prepa- ração de "mkris-phye bdun-po" ou uma preparação de "ka-pad bsnam-pa" à base de "Indra bzhi" ou uma preparação de "gur- gum" (açafrão), "dom-khris" (bile de urso), "ha-loi me-tog" 43
  44. 44. (Althaea rosea) ou uma preparação de "sa-myag", "gla-rtsi" (almíscar), "tsan-dan dkar-po" (Santalum album), "gur-gum" (açafrão), "dug-nyung" (Hollarrhena antidysenterica, W.), "bong- ba dkar-po" (Aconitum balfouri), "ga-pur" (Cinnamomum cam- phora, Nees.), "ba-le-ka" (Aristolochia saccada, W.), "re-ral" (Adiantum pedantum, avenca comum), "skyer-shun" (casca intermediária de Berberis aristata), "dom-khris" (bile de urso) e "brag-zhun" (exsudato de uma pedra). O medicamento para diarréia associada com “frio” consiste de uma preparação de "se-hbrus" (droga que contém Punica granatum, Piper longum, Piper nigrum e Cinnamomum zeylanicum) ou uma preparação de "da-trig" (Schisandra spaeranda, "mon-chag" e "bir-ba"). O medicamento geral para diarréia é uma preparação de "bong- buhi lche-tshod" (língua de macaco) ou uma preparação de "rgod-khrag" (sangue de cabrito montanhês selvagem) e "btsod khrag" (sangue de antílope). 11. i)"Se-hbru lnga", um medicamento que contém cinco ingredien- tes: ii)"Rgyam-tsha", sal-gema claro iii)"Bur-dkar", melaço esbranquiçado 12.Uma preparação de: i)"lchag-zhu" ii)"dza-ti", noz-moscada iii)"sug-smel", cardamomo de folhas menores iv)"da-trig", Schisandra spaerandra v)"srab-hbras", uma flor negra, dura vi)"a-phug", rabanete vii)"kanda-kari", Solanum xanthocarpum, W. viii)"sga-pi-pho gsum", três medicamentos quentes: Zingiber officinalis, Piper longum e Piper nigrum ix)"sbrang-rtsi", mel 44
  45. 45. x)"bu-rum", melaço 13."Se-bru" e "ha-ho" finamente triturados e combinados com "ri- bong klad-pa" (cérebro de coelho), fervidos em água e deixados a esfriar. 14.Medicamentos para sarampo incluem: uma solução de "nor-bu bdun", "hong-len" (Pichrorriza kurroa, Royle), "Ba-sha-ka" (Adhatoda vasica, Nees), "Ba-le-ka" (Aristolochia saccada, W.) ou uma solução de "dpah-bo bchu-gsum" ou de "phye-ma chhu" ou ainda de "stod-lugs spang-rtsi bchu-gnys". Depois que as lesões se romperem, aplique também "dngul-chhu bzhi-pa" ( uma preparação que envolve o mercúrio) em uma solução de "tshar-bong" (um arbusto enorme com fruto acinzentado) ou uma preparação de "stag-sha" (Oxytrophis chiliophylla, Royle), "gu-gul" (Commiphora mukul), "bsnan-pahi phye-ma" sobre uma preparação básica de "bya-khyung-lnga" (um medicamento con- tendo uma espécie de mirabólano, Acorus calamus, Saussurea lappa, Baellium indiano e almíscar) ou uma preparação de "dngul-chhu" (preparação de mercúrio), "mu-zi bsnan-pahi phye- ma" (enxofre) sobre uma preparação básica de "bya-khyung- lnga" ou uma preparação de "kyi-lche" (um tipo de genciana) e "hong-len bsnan-pahi phye-ma" (Pichrorriza kurroa) sobre um preparado básico de "bya-khyung-lnga". Quaisquer destas pre- parações serão comprovadamente benéficas se administradas em uma solução de "tshar-bong". 15.Dois deles são: i)"brag-zhum" (exsudato de pedra, resina mineral) em pó adicio- nado a uma mistura em ebulição de "tig-ta" (Swertia chirata, Roxb.) e "ba-sha-ka" (Adhatoda vasica, Nees.) ii)"pri-yang-ku" (Callicarpa macrophylla, Vahl. ou Dracocepha- lum tanguticum, Maxim.), açafrão do Kashmir, açafrão do Nepal adicionados a uma mistura fervida de "a-ru-ra" (Termi- nalia chebula, Retz.) e "skyu-ru-ra" (Emblica offinalis) 45
  46. 46. 16.Uma mistura de "gur-kum" (açafrão) e "chu-gang" (extraído do bambu) adicionados a uma preparação fervida de "a-bar-skyur gsum" (uma combinação de três frutas, incluindo o mirabólano), ou "dza-ti" (Myristica fragrans), "sug-smel" (Elettaria cardamo- mum), "shing-tsha" (Cinnamomum zeylanicum) e "sga-skya" (gengibre selvagem), misturado com "bur-dkar" (melaço esbran- quiçado) ou uma preparação de "bye-ma gla-sgang" (semente de Cyperus rotundus, Linn.), "gur-gum" (Crocus sativus), "ghi- wam", resina amarelo-laranja que pode ser extraída da vesícula biliar de elefante (de melhor qualidade), de vaca (qualidade intermediária) e da terra (qualidade inferior) misturada com "ka- ra" (torrão de açúcar), alternado com "rgyam-tsha gsum" (um medicamento composto de Zingiber officinalis, Saussurea lappa e Terminalia chebula) e adicionados a uma solução fervida de “dza-ti” (Myristica fragrans), “sug-smel” (Elettaria cardamomum) e “sga-skya” (Zingiber officinalis) 17.O banho medicinal é preparado a partir de uma combinação de “spos-dkar” (Shorea robusta, a resina da árvore-sal), “sga-skya” (gengibre selvagem), “pi-ling” (Piper longum) e “la-la-phud” (Trachys-permum) ou uma mistura de ossos e medula óssea de vaca trituradas e quaisquer flores não tóxicas em quantidades iguais. Adiciona-se à ambas as misturas o conteúdo aquecido do estômago de animais herbívoros de casco fendido. 18.Um purgativo suave seria uma preparação de "thal-dkar rdo-rje" (Cassia tora, Linn.) e "so-ma ra-dza" (as sementes da Cannabis sativa), adicionados a uma mistura fervida de "dur-byid" (uma variedade de talo, com flores marrom-avermelhadas), "lchun- rtsa" (Rheum palmatum, um tipo de ruibarbo do Himalaia), "a-ru- ra" (Terminalia chebula, Retz.) e "sngon-bu" (uma erva peluda com flores azuis, contendo seiva leitosa). Se afetar adversamen- te os pulmões, adicione um pouco de "dpos-dkar" (Shorea robusta, Saerdu, F.) Se prejudicar o estômago adicione certa 46
  47. 47. quantidade de "manu-pus-kar" e se afetar mKris-pa adicione "sga-skya" (Zingiber officinalis) e "bu-ram" (melaço). 47
  48. 48. SUPERSTIÇÕES TIBETANAS RELACIONADAS COM O PARTO Norbu Chophel Superstição 1 Nove meses e dez dias é a duração usual de uma gestação, mas os tibetanos acreditam que, se um cavalo passar sobre uma mulher grávida, por acaso, ou se a mesma passar por baixo deste animal ou mesmo se sua sombra incidir sobre ela, esta mulher desenvolverá o que se denomina Ta-dip* (rTa: cavalo; sGrib: halo invisível poluído, escuro), ou seja, ela permanecerá grávida duran- te doze meses, o tempo de gestação de uma égua. Há casos nos quais a criança desaparece do útero após um trovão atordoante. Os tibetanos crêem que os trovões sejam nada mais do que o grito de um dragão e é este quem retira a criança do útero. * A expressão tibetana Dip ou sGrib possui muitos significados, mas em geral refere-se a um halo pouco nítido, invisível. Um homem sofre com freqüência deste distúrbio, se estiver continuamente sujeito a coisas impu- ras, não necessariamente resíduos, mas também coisas que não são vistas ou mesmo supostamente limpas (por fora, mas impuras por dentro). Quan- do submetido às poluições, um homem pode sofrer de doenças comuns como resfriados, cefaléias etc. ou então desenvolver dip. Por exemplo, um homem piedoso adquirirá dip se visitar o matadouro de um açougueiro. Nos dois casos o homem se tornará doente, com uma sensação pesada e sono- lenta na cabeça. A moléstia pode ser eliminada apenas com a observação de um ritual de purificação. Acontece o mesmo com um homem que assiste a um funeral – ele pode eliminar qualquer dip que tenha acumulado através da realização de um ritual simples de inalação da fumaça de incenso, imer- gindo o corpo na fumaça. Além disso, se um tibetano vê um homem com secreção em excesso nos olhos diria que um distúrbio de dip abateu-se sobre ele. Ocorre o mesmo com infecções oculares raras etc. 48
  49. 49. Superstição 2 Quando a mãe dá a luz a uma criança ela não deve tocar nenhuma propriedade familiar ou seu próprio cabelo imediatamente após o parto. Se o fizer, acredita-se que aquela matéria tocada se esgotará ou será perdido rapidamente. Superstição 3 Os tibetanos afirmam que podem determinar o sexo do bebê enquanto ainda no útero. Além de buscar o auxílio dos pode- res proféticos e da visão clarividente de um lama reencarnado, se a mãe elimina sangue antes do parto será um menino e se não hou- ver eliminação de sangue será uma menina. Este sangue é deno- minado Dung-Trag (gDung-Khrag) que significa linhagem sanguí- nea. É assim denominado pois uma linhagem sanguínea é inter- rompida quando a família não possui descendentes masculinos. Os tibetanos acreditam sinceramente que uma criança pode mudar o sexo mesmo depois de nascido. Dizem que há muitas testemunhas oculares que contam estes casos. A maioria dos oci- dentais, entretanto, são absolutamente contrários a esta idéia. De acordo com os tibetanos, uma mudança de sexo é causada princi- palmente por maldições vindas de outras pessoas, principalmente mulheres. É provável que isto ocorra pois creêm na existência de sinais de magia negra. Para evitar tais infortúnios, em especial uma mudança de sexo de um menino para uma menina, a mãe deve evitar discutir com outras mulheres, visitá-las ou mesmo inge- rir qualquer coisa dada por outra. Ainda, por precaução, a mãe deve tocar os genitais do bebê ou colocar um anel de ouro imedia- tamente após o nascimento. Superstição 4 Afirma-se que se a criança no útero é um menino e o pai estiver presente no momento do parto, ela não será expulsa pron- 49
  50. 50. tamente pois acredita-se que o menino possa sentir-se envergo- nhado perante seu pai. Superstição 5 Quando a criança nasce, realiza-se uma cerimônia de puri- ficação. Se for uma garota, esta se realizará no quarto dia após o nascimento e no terceiro dia se for um menino. Em algumas regiões do Tibete esta diferença não é observada. A cerimônia é realizada para livrar o bebê das impurezas do parto. Até que esta tenha sido realizada, as pessoas estão proibidas de visitar a casa. Em qualquer caso, a família não recebe ninguém, pois acredita-se que toda a atmosfera dentro da casa tenha sido poluída pelo parto. Como a cerimônia de purificação é realizada pela manhã, os vizi- nhos, os amigos e os parentes chegam com presentes para cele- brar o nascimento e dar boas vindas ao mundo. Esta cerimônia de purificação é denominada Bang-so. Envolve uma cerimônia religio- sa breve, incluindo a queima de incensos, material para purificar tudo e o método tibetano de limpar impurezas invisíveis. A mãe lava sua face e cabelos com água morna e veste roupas limpas. Superstição 6 Apesar de algumas mudanças na atitude, os tibetanos pre- ferem geralmente que seu primeiro filho seja uma menina, assim quando ela cresce será não apenas mais útil para a família, mas também acredita-se que isto garantirá uma longa vida aos pais. Superstição 7 Uma criança nunca (raramente) deve ser retirada de casa durante a noite para evitar que sejam lançadas pragas e para pre- venir doenças causadas por seres malignos e outros espíritos pre- judiciais. Desta maneira eles pretendem protegê-la de ver qualquer coisa amedrontadora no escuro, especialmente porque é comum acreditar-se que uma criança pode ver coisas que os adultos não podem. Se houver necessidade de que o bebê saia de casa, colo- 50
  51. 51. ca-se a fuligem de um forno sobre o nariz e o peito. Desenha-se uma linha escura ascendente utilizando o terceiro dedo. Superstição 8 É um costume comum cortar todo o cabelo da criança algum tempo após o nascimento. Chamado "cabelo de nascença" é considerado impuro e impediria o crescimento natural do cabelo. Acredita-se que o corte assegure um bom crescimento posterior- mente. Superstição 9 Acredita-se que não seja auspicioso comprar ou fazer rou- pas para uma criança que ainda não nasceu. Mesmo tendo com- prado tecido para babadores, estes não devem ser feitos antes do nascimento do bebê. Quando esta prática não é respeitada, acredi- ta-se que o recém-nascido venha a falecer em breve. Muitas pes- soas consideram seriamente esta superstição porque testemunha- ram-na como verdadeira. Superstição 10 Dormindo ou acordada a criança faz muitas expressões. A explicação médica faz referência à presença de rLung no intestino causado pela alimentação ou sucção inadequada ocasionando dor e as caretas observadas. Quando não há rLung, ela sorri. A expli- cação popular tibetana afirma que existe um anãozinho chamado Thep-rang (pequena criatura dos contos de fadas) que irrita o bebê tornando-o carrancudo e com aparência infeliz, mas quando Thep- rang brinca com o bebê ele sorri. Outra explicação popular afirma que o bebê parece infeliz quando tem lembranças de suas terríveis experiências nos reinos infernais; quando se lembra de tempos mais felizes, sorri. Uma outra crença ainda para os sorrisos e caretas da crian- ça declara que a mesma está sendo cuidada por um porco e um macaco invisíveis que cuidam dela em dias alternados. No dia do 51
  52. 52. porco acredita-se que ocorra o desenvolvimento da carne e, por- tanto, ela dorme melhor e permanece mais calma, enquanto que no dia do macaco ocorre o desenvolvimento e a formação dos ossos. Como a criança experimenta dor decorrente deste crescimento, ela não dorme bem e chora com mais freqüência. Superstição 11 Três dias após o nascimento ou em um dia auspicioso a criança é tirada de casa para um pequeno passeio. A cerimônia é chamada Go-don (sGo-'don) que significa saída. Depois disto, não sai de casa novamente durante pelo menos um mês. (Esta prática é completamente ignorada atualmente). Superstição 12 Porque a criança aperta a mão com tanta força nos primei- ros meses de vida? A resposta popular tibetana é a seguinte: acre- dita-se que possua a pedra preciosa da satisfação de todos os seus desejos dentro de sua mão e não quer de forma alguma per- dê-la. Superstição 13 Se uma criança sorri ao encontrar um homem pela primeira vez, acredita-se que ele terá uma longa vida. Por outro lado, se ela chora ou não apresenta nenhuma expressão facial agradável ao vê-lo, o homem terá uma vida breve ou dias difíceis se encontram em seu caminho. Superstição 14 Uma criança nascida no trigésimo dia de um mês (não necessariamente na véspera do próximo mês, porque alguns meses, os lunares, não têm trinta dias, ou seja, um mês pode ter- minar no dia 29 e alguns possuem 31 dias), sempre estará pedindo por alguma coisa, dê-me isto e aquilo e assim por diante. Superstição 15 52
  53. 53. Encontramos crianças dizendo e fazendo todos os tipos de coisas. O povo tibetano acredita que elas são capazes de predizer o futuro e revelar o desconhecido, bastante inadvertidamente. Por exemplo, as crianças algumas vezes brincam de bang-bang e se divertem imensamente, perdendo algumas vezes, ganhando outras e espreitando o inimigo como em um comando real. Mas os tibeta- nos mais velhos não apreciam estes jogos acreditando que eles trazem uma guerra ou luta real e repreendem-nas dizendo: "Parem com este jogo azarado!" ou "Parem de criar superstições!" Se a criança diz algo auspicioso ou age de uma maneira muito auspicio- sa na frente de um tibetano mais velho, ela será afortunada e será recompensada com algo. Superstição 16 Se possível, os pais tibetanos preferem que seu bebê rece- ba o nome de Sua Santidade o Dalai Lama. De outro modo, levam- na a um lama reencarnado de elevada posição na hierarquia lamaísta para que lhe dê o nome. Mas alguns pais pouco ortodoxos dão eles mesmos o nome da criança um dia após o nascimento ou escolhem um nome ao acaso. Por exemplo, se nasceu no sábado (em tibetano: Pen-pa) eles podem dar à criança o nome de Penpa Dhondhup (menino) ou Penpa Dolma (menina) e assim por diante. Mas geralmente as pessoas preferem que um lama reencarnado dê o nome, acreditando-se que isto traga consigo um significado mais poderoso, além de minimizar as doenças e outros incidentes desagradáveis que porventura possam se abater sobre ela. Algu- mas vezes quando o bebê está gravemente doente, um lama reen- carnado pode propor uma mudança de nome. Em raras ocasiões, quando a criança ou um adulto que já morreu volta a vida nova- mente, recebe um novo nome de Shi-log (literalmente, “retorno da morte”). Nomes pré-natais ou no útero também são requisitados aos lamas por pais ansiosos. 53
  54. 54. Quando a família encontra dificuldades em criar as crianças, o que ocorre quando mais de uma falece, dá-se ao sobrevivente ou ao próximo um nome estranho como Khyi-kyag e Ta-khog. Eles acreditam que isto repeliria futuros infortúnios para ele. Superstição 17 Caminhar sobre a roupa da criança deve ser evitado quando e onde possível porque pode resultar em problemas de saúde cau- sados por "Dip" (ver explicação na página 43) que se manifestam como obstrução nasal e resfriado. Esta atitude também é conside- rada um sinal da parte de um criminoso. No que diz respeito ao assunto, andar sobre as roupas de outras pessoas é absolutamen- te proibido. Se a criança está na fase de caminhar, isto a fará viajar e cair freqüentemente porque a divindade pessoal da criança foi molestada e não pode guiá-la adequadamente. O mesmo é verdadeiro para os adultos, apesar de aconte- cer com menor gravidade. Todos, incluindo as mulheres, devem evitar caminhar sobre as roupas de outras mulheres, especialmen- te quando a vestimenta é usada abaixo da cintura. Acredita-se também que sua divindade pessoal está sendo degradada. Superstição 18 Se uma criança chora incessantemente sem nenhuma razão, acredita-se que um visitante vindo de longe chegará em breve. Superstição 19 Se uma criança curva-se e olha para trás entre suas pernas, acredita-se que esta ação indica que sua mãe já está ou ficará grá- vida em breve. Diz-se que ela está procurando para ver quem vem atrás de si. 54
  55. 55. RITUAL TIBETANO PARA A MORTE Thubten Sangay Morrer Geralmente, quando a vida de um doente tibetano termina e a morte é inevitável, aquele que está cuidando dele deve reunir seus amigos e parentes para questioná-lo sobre seu desejo. Devem ser removidas as vestimentas e as roupas de cama feitas de pele de animais, pois esta pode ocultar a “transferência da consciência”. Uma pílula especialmente abençoada, obtida previa- mente pelo moribundo ou por aquele que dispensa os cuidados, deve ser misturada em uma xícara ou um copo de água e oferecida para que ele beba imediatamente antes de cessar sua respiração externa. Neste momento, ele deve deglutir uma ou duas porções de “relíquias de Tathagata” misturadas com manteiga de vaca ou dri. Diz um ditado: "As últimas palavras são o desejo, o último ali- mento é a relíquia, a última bebida é a pílula abençoada". Quando uma pessoa morre, não há mais a capacidade de falar e sua respiração externa está prestes a cessar, qualquer ami- go, com quem tenha tido bom relacionamento, deve falar bem alto em seu ouvido o nome de um mestre espiritual por quem tenha fé poderosa e o nome de uma divindade na qual tenha confiança, recomendando com veemência que medite nos mesmos. Poderia dizer, por exemplo: "Pense em Sua Santidade o Dalai Lama, pense em Avalokiteshvara". 55
  56. 56. Se a pessoa que está morrendo é um chefe de família, sua esposa e filhos não devem estar presentes no momento da morte, porque é importante que o indivíduo morra com a mente tranqüila e virtuosa. Isto assegurará um bom resnascimento. Quando cessa também a respiração interna e ele está preso pela morte, o corpo deve ser deixado sozinho e não deve ser tocado por ninguém. Morte Ninguém deve manusear o corpo até que a “transferência de consciência” tenha sido completada. Amigos íntimos devem ser chamados à casa para providenciar as necessidades imediatas. Devem convidar um mestre espiritual para que realize a “transfe- rência de consciência”, monges para efetuar os rituais necessários e orações de emergência e providenciar que seja traçado o horós- copo do falecido. Devem ser queimadas lâmpadas de manteiga ao redor do corpo continuamente. Estas lâmpadas são oferendas, mas também afastam os maus espíritos do corpo. No Tibete, era utilizado óleo ao invés de manteiga, uma vez que eram usadas como sinal de luto e não havia um momento sequer a desperdiçar derretendo manteiga. Como sinal de luto, os membros da família deixavam seus cabelos soltos sem tranças, não lavavam suas faces, não usavam brincos e vestiam apenas roupas pretas e antigas. Algumas famí- lias arriavam as bandeiras que tremulavam no telhado de suas casas. Não havia música ou dança durante quarenta e nove dias. Uma refeição de arroz, pão e chá deveria ser colocada na tigela do falecido e, ao amanhecer e ao anoitecer de todos os dias, deveriam ser realizadas oferendas de cevada queimada em um recipiente de barro não usado, acompanhadas pelo som dos címbalos. 56
  57. 57. A Transferência de Consciência Até que o mestre espiritual tenha completado a “transferên- cia de consciência”, o corpo não deve ser tocado ou movido de nenhuma maneira, ou então esta poderá deixar o corpo através do local que foi tocado. Afirma-se que quando a consciência deixa o corpo através de um ponto abaixo da cintura, poderá acontecer um mau renascimento e ocorrerá um bom renascimento se deixar o corpo através de um ponto acima da cintura. As escrituras listam renascimentos específicos para as consciências que saem de cada um dos nove orifícios: Se sair pela boca, renascerá como um espí- rito, se sair pelo umbigo, como um deus do reino do desejo, e assim por diante. Portanto, é necessário convidar um mestre espiri- tual muito experiente. Transferir a consciência é um método especial do Tantra para prevenir que o falecido venha a renascer no samsara e espe- cificamente para evitar que renasça em quaisquer dos três reinos inferiores, através da poderosa elevação de sua consciência para um reino puro. Pode-se requisitar a certos mestres eminentes, que não possam vir pessoalmente à casa, para realizarem a Transfe- rência à Distância. Deve-se dizer a estes mestres para qual dire- ção está dirigida a cabeça do defunto. Alguns mestres fornecem pílulas para a transferência de consciência. Tal pílula deve ser produzida por um homem de "boa família". Ele lava suas mãos, mistura a pílula com manteiga de vaca ou de dri e pressiona-a de encontro ao topo da cabeça. Este procedimento deve ser feito antes que qualquer pessoa tenha tocado o corpo. Não deve ser utilizada a manteiga de dzo-mo, um cruzamento entre a fêmea do iaque e um touro, assim como de animais considerados impuros. Quando estas pílulas não estão disponíveis e a transferência é feita por um mestre espiritual, a primeira pessoa a tocar o corpo após o término da transferência deve puxar o cabelo do topo da cabeça antes de manusear o cor- 57
  58. 58. po. Isto auxilia a consciência a partir pelo topo da cabeça. Agora, qualquer um pode tocar o corpo. A consciência pode deixar o corpo através de qualquer dos nove orifícios, mas é difícil fazê-la sair pelo topo da cabeça. Esta saída assegura ao menos um renascimento nos reinos dos homens ou dos deuses, sem mencionar outras sete vantagens ensinadas nas escrituras. Todos os quatro ramos do budismo tibe- tano concordam com isto. Entretanto, o método profundo de “trans- ferência de consciência” pelo topo da cabeça é obviamente para favorecer o falecido. Quando a pessoa é capaz de morrer na “postura do leão”, todas as aberturas são seladas, com exceção daquela situada no topo da cabeça, permitindo que a consciência deixe o corpo atra- vés deste ponto. Isto é conhecido como Transferência pela Condu- ta. É possível também elevar a consciência a um reino puro atra- vés de seu próprio poder ou pela confiança nas bênçãos das pala- vras de um mestre espiritual. Estas práticas pertencem ao caminho tântrico rápido e, por- tanto, não há muito a ser escrito. Havendo um desejo venturoso e veemente para saber mais, a pessoa deve abordar um mestre e estudar as escrituras apropriadas. Mantras de Emergência Amigos íntimos e parentes devem ajudar a cuidar das ques- tões necessárias. Devem ser oferecidos mantras de emergência aos grandes mestres espirituais. Estes mestres devem ser presen- teados com katas (cachecóis de seda), dinheiro, uma carta de mantras e se possível, uma estátua do Buda Shakyamuni. A está- tua deve ser de ouro, cobre, metal fundido ou barro. Deve ser sóli- da e adornada com trajes cerimoniais. Caso não possa ser ofereci- da uma estátua, ele deve ser presenteado com uma grande pintura (tanka) ou pelo menos com uma miniatura (tsakali). Se não for possível, presenteie-o apenas com um kata, dinheiro ou uma carta 58

×