E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011

960 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
960
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011

  1. 1. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Sumário 1
  2. 2. SumárioChassis Competitivo – Negócios, Processos e Tecnologias ................................................................................................................................................................. 4A Tecnologia da Informação como Viabilizadora de Valor Corporativo .............................................................................................................................................. 6Tecnologia Para que te Quero... .......................................................................................................................................................................................................... 8A Tecnologia da Informação e a Comunicação Corporativa .............................................................................................................................................................. 10Pessoas, Processos e Tecnologia – a Base para uma Gestão Eficiente ............................................................................................................................................. 12Se Informação É Conhecimento, Então TI é TC.................................................................................................................................................................................. 14Papel da TI na Construção de Valor das Empresas ............................................................................................................................................................................ 16T2I - Tecnologia da Informação e Inovação ....................................................................................................................................................................................... 18Anywhere Office ................................................................................................................................................................................................................................ 21As Tecnologias Sustentáveis se Sustentarão? ................................................................................................................................................................................... 23Contra-Governança, Leis de Newton & Governança de TI ................................................................................................................................................................ 27 E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Sumário 2
  3. 3. A E-Consulting® Corp. (www.e-consultingcorp.com.br), empresa do Grupo ECC, é uma Boutique de Proje-tos e Conhecimento 100% brasileira, especializada nos setores e práticas de TI, Internet, Mídia, Telecom eContact Center, líder na criação, desenvolvimento e implementação de estratégias e serviços profissionaisem TI, E-Business e Comunicação Digital para empresas líderes em seus mercados.Atuando no tripé Consultoria de Negócios, Análise e Desenvolvimento Tecnológico e Comunicação 360o.,a E-Consulting® Corp. Desenvolve seus projetos e soluções a partir de metodologias proprietárias associa-das às metodologias golden-standard de mercado.A empresa é, atualmente, formada por cerca de noventa profissionais multidisciplinares, com vasta expe-riência em bancos de investimentos, agências de publicidade, empresas de consultoria e tecnologia. Seumodelo de negócios e atuação reúne somente clientes preferenciais, parcerias duradouras, metodologiascomprovadas, experiências únicas, serviços exclusivos, atendimento personalizado e foco em resultados. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Sumário 3
  4. 4. Chassis Competitivo – Negócios, Processos e TecnologiasO ritmo e a complexidade das atividades desenvolvi- tros. Racionalizar a gestão por processos se trata, no fundo, de organizar o fluxo de das nas empresas vêm aumentando significativa- informações por etapas a serem cumpridas em função de finalidades e convocatórias, mente ao longo dos últimos anos. Com o advento da muitas vezes por pessoas distintas compondo times multidisciplinares com responsa-Internet, informações podem ser coletadas e disponibiliza- bilidades complementares.das/enviadas a uma rapidez assustadora. A eficiência da cadeia de informações depende, principalmente, da eficiência individu-Processos interdepartamentais e equipes multidisciplinares al de cada um de seus elos, e, para tal, a necessidade, decorrente do cenário competi-atuando de maneira integrada em projetos comuns, dispersões tivo, exige níveis de performance cada vez maiores. Fazer mais, com menos, mais rá-geográficas de equipes e colaboradores e a busca de organiza- pido, com menor custo e de forma integrada às necessidades de negócio é fator críticoção e agilidade na otimização dos processos corporativos aca- de sucesso para o desempenho superior e o atingimento de um posicionamento dife-bam por fornecer o pano de fundo para que a eficiência nos renciado para as empresas no Séc. XXI.processos corporativos passe a ser um tema de extrema rele- Metodologias e tecnologias se fundem com processos. Áreas de negócio passam a servância para as empresas. “sócias” das áreas técnicas e a empresa tem que auferir os lucros desta interação.Tudo o que é produzido dentro de uma empresa, de uma ma- A utilização do arsenal tecnológico viabiliza em grande parte esta problemática. Viabi-neira ou de outra, acontece via algum processo (estruturado ou liza, mas não resolve. Sistemas de gerenciamento de informações (EIS), bancos denão). A padronização e a otimização dos processos é sem dúvi- dados e workflows, soluções de acesso remoto (via PDAs, celulares, smart-phones,da um fator que contribui para a eficiência empresarial, contri- etc), assim como migração de sistemas para plataformas Web, com controle, organi-buindo para o aumento da qualidade dos produtos finais, redu- zação, colaboração e multi-interação permitem que atividades simultâneas e encade-zindo burocracias e redundâncias e/ou sobreposições de pa- adas sejam realizadas por pessoas – ou grupos - onde quer que estejam.péis, evitando erros, otimizando relacionamentos, dentre ou- E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Chassis Competitivo – Negócios, Processos e Tecnologias 4
  5. 5. Uma vez que sistemas são, ou deveriam ser, fruto de uma ne- cios que a tecnologia proporciona é a de permitir maior controle, organização e agili-cessidade de negócios e que os negócios acompanham flutua- dade na coleta e processamento de dados e informações, ou seja, provê as condiçõesções e alterações - muitas vezes imprevisíveis - nos rumos dos para que áreas de negócios sejam mais eficientes e dinâmicas. .mercados em que está inserida, a flexibilidade nas regras de Negócios, processos e tecnologia acabam por formar o tripé de sustentação e execu-negócios destes sistemas e processos passa a ser fator essencial ção das estratégias corporativas, desempenhando sua função tática de entregar a es-para a capacidade de reação das empresas. Compreender, atu- tratégia da empresa.ar, participar e até remodelar/redefinir as cadeias de valor emque estão inseridas é prerrogativa das empresas modernas Quanto maior a aderência e capacidade de resposta deste tripé às exigências e defini-mais competitivas. ções estratégicas da empresa frente às mudanças e pressões de seus mercados e stakeholders, maior será a competitividade desta empresa. Nas empresas da era glo-A tecnologia da informação, quando utilizada de forma apro- bal, assim como para as máquinas de alta peformance, quanto melhor o chassis, me-priada, é uma ferramenta extremamente valiosa para o aumen- lhor a performance.to da competitividade das empresas. Um dos principais benefí- E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | 5
  6. 6. A Tecnologia da Informação como Viabilizadora de Valor CorporativoN a medida em que a Tecnologia da Informação tor- imperativo do intenso e contínuo investimento em Tecnologia da Informação, a fim de nou-se a principal construtora e mantenedora das atender a uma demanda que se caracteriza, fundamentalmente, por um relaciona- principais vias de tráfego de dados e informações mento intenso e volumoso para com clientes (PF e PJ), funcionários e demaiscorporativas, muito em função de aumentar rapidamente sua stakeholders, que pressionam por serviços eficientes, ágeis, seguros, interativos, depresença e importância nos ambientes e plataformas transaci- fácil acesso e ótima usabilidade.onais e de relacionamento das empresas, entendemos que o De acordo com o estudo Brasil Financial Insights Investment, realizado pela IDC Brasiluso correto, estratégico e eficiente da Tecnologia da Informa- com 33 bancos e 29 seguradoras, 54% das 62 empresas têm certeza ou claras inten-ção impacta diretamente o sucesso ou fracasso destas empre- ções de que vão ampliar os investimentos em TI em 2011 em relação a 2010. Os quesas nos mais diversos setores. afirmam que vão manter o mesmo volume aplicado neste ano representam 42% doDentre os setores da economia que fazem uso mais intensivo total. Já os que disseram que vão gastar menos foram 3%. Segundo estudo desenvol-da Tecnologia da Informação está o setor bancário/financeiro, vido pela E-Consulting Corp, o setor financeiro deve ser responsável por perto de R$justificado pelo alto volume de dados e transações com a ne- 17 bilhões do total de investimento em TI no ano de 2010, e 62% das 100 maiorescessidade de velocidade no processamento, alta escala de ar- empresas do setor aumentará o budget para TI em 2011, incluindo aquisições e ope-mazenamento e máxima segurança em seus sistemas nos mais rações/manutenção.diversos processos, operações, canais e ambientes potenciali- Uma vez que a Tecnologia da Informação pode ser considerada uma área “meio” (parazas pela TI. empresas que não vendem serviços de TI ou correlatos), seu principal papel é o deDentre os principais fatores e variáveis que afetam diretamente contribuir para que todas as demais áreas da empresa (sejam elas de negócio, relacio-os resultados das empresas deste setor podemos destacar o namento com clientes ou mesmo as administrativas e de suporte a operação) possam E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | A Tecnologia da Informação como Viabilizadora de Valor Corporativo 6
  7. 7. atingir seus resultados de forma eficiente, aumentando assim ção do time to Market, maior controle gerencial, incremento do trabalho colaborativo,consideravelmente seus índices de performance e produtivida- satisfação dos clientes, criação de vantagens competitivas e diferenciação percebidade. por clientes e demais stakeholders, assim como valorização da marca e inovação.Neste sentido, a contribuição da Tecnologia da Informação vem Vale ressaltar que apesar dos benefícios serem de conhecimento da grande maioriaagregando valor e competitividade às empresas do setor finan- dos executivos do setor, percebe-se, ainda, muito em função da velocidade e repre-ceiro na medida em que viabilizam novos canais eletrônicos e sentatividade que os aspectos tecnológicos assumiram nos últimos anos, que os inves-digitais de atendimento, inclusive o autoatendimento (por timentos em TI são, em grande parte, contabilizados como um gasto ou investimentoexemplo, a Internet Banking obteve um crescimento de 255% necessário sem que exista uma correlação direta ou mesmo indireta com os benefíciosentre 2003 e 2009), relacionamento, vendas e serviços, auto- e resultados gerados. Esta situação leva a alguns impactos que tendem a ser o fiel damatizando processos internos, provendo níveis de segurança balança no que tange a priorização e definição de investimentos, assim como em rela-cada vez mais elevados, disponibilizando conhecimento acerca ção à percepção de valor, de fato, agregado ao negócio pela TI.do mercado e seus clientes com sistemas analíticos de CRM ou Sem dúvida as tendências apontam para um “Banco do Futuro” que seja multicanal,mesmo utilizando-se do poder de processamento de visões que multiplataforma, 24X7, personalizado, customizável, seguro, interativo e intuitivo. Taisos sistemas de Business Intelligence proporcionam. atributos irão ditar a percepção de valor do mais importante stakeholders de qualquerVia de regra, o retorno proporcionado pelos investimentos em empresa – o cliente – e somente pela contribuição ativa, integrada e eficaz da Tecno-Tecnologia da Informação recaem sobre critérios quantitativos logia da Informação é que será possível entregar tal oferta.e qualitativos, a saber: redução de custos operacionais, otimi- Para saber sobre Valoração do Ativo TI e conhecer a Metodologia ITVM (IT Valuezação de processos, eliminação de redundâncias e trabalhos Management)repetitivos, maior agilidade na obtenção de informações, redu- E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | 7
  8. 8. Tecnologia Para que te Quero...O setor de telecomunicações brasileiro está inserido A inovação em processos e produtos, que, no mercado de Telecom, passa principal- em um ambiente de extremo dinamismo, onde, de mente pela Tecnologia da Informação, é um dos fatores essenciais na geração de van- um lado, as empresas buscam constantemente for- tagem competitiva, impulsionando novas soluções e gerando valor através de ruptu-mas de melhorar sua competitividade, reduzindo custos e me- ras dos processos tradicionais, uma vez que os serviços básicos (voz) pouco diferemlhorando a produtividade e, de outro, a tecnologia traz novida- entre os principais concorrentes.des quase diariamente, gerando tanto oportunidades, quanto A proximidade entre a realidade de mercado/negócio e TI é crucial, uma vez que, porriscos em relação à adaptação ao que chamamos de conver- um lado, a TI deve fornecer às áreas de negócio a visão das limitações e capacidadesgência. tecnológicas, assim como as áreas de negócio mostrar às áreas técnicas as necessida-Os avanços da tecnologia, sedimentados no setor pelo fenôme- des de inovação e recursos que o negócio demanda.no da convergência tecnológica, trazem novos e mais comple- As estratégias de competitividade começam a se estabelecer, em conjunto, buscandoxos desafios, além de exigir uma maior participação e integra- critérios de diferenciações em serviços, flexibilidade e velocidade no lançamento deção da área de Tecnologia da Informação (TI) - mais alinhada e novos produtos/serviços e no empacotamento de novas propostas de valor ao cliente.aderente aos objetivos estratégicos corporativos, assim comoas tendências e desafios do mercado. Além das necessidades de alinhamento interno, as mudanças das estratégias de negó- cio nas empresas levam à necessidade de integrações com toda uma nova cadeia deA inovação fomentada ou suportada pelas novas tecnologias valores, levando a um intenso processo de mudança tecnológica como descentraliza-(Voip, Wi-Max, IPTV etc) alça a TI a um posto de agente de in- ção dos sistemas de informação, descentralização no processamento, integrações,tegração e agente de mudança, ocupando um papel crucial no estruturação e automação de processos, foco no cliente externo imperando acesso aambiente competitivo. dados e informações em tempo real, sistemas de personalização, CRMs analíticos etc, E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Tecnologia Para que te Quero... 8
  9. 9. ou seja, uma real compreensão e comprometimento com resul- Neste cenário, torna-se essencial um plano estratégico que aborde o tema de gover-tados mercadológicos, apesar de sua posição de retaguarda nos nança e as melhores soluções de arquitetura, propondo um modelo futuro que sejaníveis de proximidade direta com clientes. mais flexível e aderente às novas demandas e necessidades da organização como um todo (e do mercado em geral).Porém, vale ressaltar a alta complexidade em que se insere oambiente tecnológico das empresas de Telecom, com centenas Na medida em que a TI se insere como agente ativo na estratégia da empresa, melho-de sistemas, níveis discrepantes de interoperabilidade entre si - rando o processo de planejamento das atividades com priorizações mais claras e raci-em muitos casos, baixos -, constantes necessidades de adequa- onais e menos impositivas e urgentes, a área de TI passa não somente a trabalhar nações de plataformas e aplicações para atendimento das normas melhoria de seus processos de negócio atuais, mas também a buscar modelos maisemitidas pelos órgãos regulatórios etc. inovadores que auxiliem na geração de competitividade e diferenciação em um ambi- ente altamente dinâmico e alicerçado fortemente em tecnologia e inovação. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | 9
  10. 10. A Tecnologia da Informação e a Comunicação CorporativaA capacidade de se comunicar, trocar ideais, experiên- controláveis. A construção de uma arquitetura de comunicação eficiente é pré- cias, informações, passar, transmitir e registrar co- requisito para que se obtenha sucesso no mundo corporativo. nhecimento e novas descobertas sem dúvida foi uma O sucesso nos mercados impõe um alinhamento de visões e objetivos entre diversasdas mais importantes características que fizeram do ser huma- pessoas com papéis complementares e necessidades específicas de acesso a dados,no o ser dominante do planeta, o mais “tecnologicamente“ informações, relacionamentos etc, muitas vezes em locais e com línguas distintas.capacitado para competir pelos recursos disponíveis. A orquestração da comunicação entre os diversos colaboradores que devem direta ouA evolução do Homem associada à criação de sistemas mais indiretamente trabalhar como uma equipe, ou, seja, o trabalho colaborativo, consiste,complexos de organizações e modelos de sociedades, incluin- quando bem executada, de um grande diferencial competitivo, capaz de trazer resul-do-se relações e relacionamentos de todo tipo (inclusive co- tados superiores e inovadores, pela melhor utilização e divulgação do conhecimento emercias) foi impulsionando gradativamente o desenvolvimento interação entre aqueles que possuem algum objetivo momentâneo comum a serdas formas e meios de comunicação empregados por estes in- cumprido.divíduos e suas organizações, utilizando-se cada vez mais datecnologia como elemento chave para a viabilização das novas A comunicação falada, escrita, documentada, padronizada, captada, comprada, gera-necessidades e formas de se comunicar. da... deve, de alguma forma, fluir, ser capturada, armazenada e disponibilizada de forma permitir que pessoas possam acessá-la e processá-la de acordo com suas ne-Quando falamos em comunicação corporativa, os níveis de cessidades.complexidade são bastante respeitáveis, pois presumem a exis-tência e operação em níveis adequados de estruturas de comu-nicação mais formais, distribuídas, integradas, harmônicas e E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | A Tecnologia da Informação e a Comunicação Corporativa 10
  11. 11. A tecnologia da informação desempenha papel principal na Atualmente a TI e a Comunicação são peças interdependentes de um sistema de in-viabilização deste cenário, em que padrões, fluxos e processos formações, conhecimentos e relacionamentos que permite tanto empresas quantodevem conviver com o caos da comunicação e suas relações, indivíduos a estabelecerem relações de forma cada vez mais interativa, dinâmica emotivações e objetivos, muitas vezes, aparentemente, desco- rica, em conteúdo e em formatos.nexos. A sociedade do conhecimento já está em curso e com ela a necessidade premente deUma comunicação integrada com os principais stakeholders, se reinventar as arquiteturas corporativas. Em outras palavras, se as empresas não secom as redes de colaboração ou cadeia de valor é premissa ajustarem dentro de suas fronteiras, não poderão concorrer com competitividade emfundamental para a Era Digital, principalmente na época em seu ecossistema. O chassis operacional e infraestrutural das empresas, pautado porque vivemos, onde as mudanças, inovações e evoluções ocor- processos e, principalmente, tecnologias, é o grande habilitador de modelos comuni-rem a um ritmo acelerado e a capacidade de compartilhar in- cação, interação e relacionamento eficientes entre a empresa e seus diversosformações, acontecimentos e de se comunicar são ainda mais stakeholders. Podemos dizer sim que os sistemas de comunicação corporativa são tãorelevantes, já que o conhecimento, em muitos casos, é o único mais eficazes, quão melhor desenhadas e integradas forem suas arquiteturas tecnoló-diferencial. gicas corporativas. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | 11
  12. 12. Pessoas, Processos e Tecnologia – a Base para uma Gestão Eficiente.O ritmo e a complexidade das atividades desenvolvi- muitas vezes por pessoas/áreas/funções distintas e com características e per- das nas empresas vêm aumentando significativa- fis/prerrogativas complementares. mente ao longo dos últimos anos. Processos inter- A eficiência da cadeia de atividades e informações depende, principalmente, da efici-departamentais, equipes multidisciplinares atuando de maneira ência individual de cada um de seus elos, e, para tal, a necessidade, decorrente dointegrada em projetos comuns, dispersões geográficas de equi- cenário competitivo exige níveis de performance cada vez maiores: fazer mais compes e colaboradores, assim como a busca de organização e agi- menos, mais rápido, com menor custo e tudo de maneira organizada e controlada. Alidade na otimização dos processos corporativos acabam por falta de visibilidade das relações de causa e efeito entre processos que fazem parte defornecer o pano de fundo para que a eficiência nos processos uma cadeia maior de valor podem afetar todo um resultado corporativo, expondo acorporativos passe a ser um tema de extrema relevância para empresa a toda a sua cadeia de valor, potencializando riscos e perdas de competitivi-as empresas. dade.Tudo o que é produzido dentro de uma empresa, de uma ma- Diferenciar-se é sobre ocupar uma posição de destaque no ecossistema corporativo eneira ou outra, acontece via algum processo (estruturado ou requer agilidade e qualidade nas decisões, sejam elas estratégicas e/ou táticas, quenão). A padronização e a otimização dos processos é, sem dúvi- por sua vez requerem dados e informações qualificadas e analíticas acerca das princi-da, um fator que contribui para a eficiência empresarial, princi- pais variáveis que impactam os resultados, assim como de indicadores de performan-palmente na medida em que aumentam a qualidade dos pro- ce e valor.dutos finais e a produtividade dos recursos humanos, automa-tizam a burocracia, definem papéis e responsabilidades, redu- Metodologias, melhores práticas, modelos de gestão, operações e tecnologia se fun-zem erros e inconsistências, enfim, tratam de organizar o fluxo dem com processos. Neste cenário vemos os sistemas de ERP (Enterprise Resourcede informações e atividades por etapas a serem cumpridas, Planning) como o grande destaque no provimento de soluções corporativas de gestão. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Pessoas, Processos e Tecnologia – a Base para uma Gestão Eficiente. 12
  13. 13. O amplo escopo de atuação dos sistemas de ERP, que promo- formações geradas e assim utilizarem sua capacidade intelectual e experiência comovem a gestão e visão integrada de processos internos e exter- diferencial.nos, foram - e tem sido - uma das principais plataformas gera- Um dos fatores críticos de sucesso para uma correta implantação de sistemas de ges-doras de dados e informações para a tomada de decisões nas tão (ERPs) está na participação ativa de uma equipe multidisciplinar interna que pos-organizações, assim como promotoras de ganhos de produtivi- sua o conhecimento de todos ou, pelo menos, dos principais processos que serão in-dade e eficiência operacional. tegrados. Vale ressaltar que o acompanhamento e suporte de consultorias externas,Outro benefício colateral da adoção de sistemas de gestão via de regra, estão presentes nos projetos, constituindo-se de uma força tarefa focada(ERPs) constitui-se na definição ou homologação formal de re- única e exclusiva para o desenvolvimento das atividades relacionadas ao mesmo.gras de negócio, muitas das quais passíveis de serem realizadas Pessoas, processos e tecnologia, trabalhando de forma integrada, acabam por formarpor um sistema. Pessoas cada vez mais passam a ter foco em o tripé de sustentação, execução e entrega das estratégias corporativas. Assim, quan-atividades de maior valor agregado e não na execução mecâni- to maior a aderência e resposta deste tripé às exigências e definições estratégicas daca de tarefas, já que são liberadas para atuarem sobre as in- empresa, maior será sua capacidade competitiva da mesma. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Pessoas, Processos e Tecnologia – a Base para uma Gestão Eficiente. 13
  14. 14. Se Informação É Conhecimento, Então TI é TC.N o panorama competitivo pautado pela construção resultado de um processo intelectual humano profundo, de interpretação e tradução de diferenciação a partir dos ativos intangíveis, o de sua realidade, que quando realizado por múltiplos indivíduos organizados em tro- papel do Conhecimento Corporativo, como ativo cas cotidianas formam a realidade corporativa, o Conhecimento Corporativo.central e viabilizador dos demais ativos, passa a ter relevância Assim, a informação de per se (a exceção das situações em que esta é exclusiva) nãoímpar, uma vez que praticamente todas as trocas realizadas pode ser considerada Conhecimento, e por consequência, ativo. Por este motivo, opela empresa com seus stakeholders podem ser realizadas de suporte da tecnologia não poderá ser para a informação, mas sim para a geração doforma virtual (batizável), com o apoio do avanço tecnológico. conhecimento. Do contrário, temos um monte de dados reunidos, que podem ter fi-Quando pensamos em tecnologia aplicada ao mundo dos negó- nalidades diversas, mas não um ativo de valor, uma vez que a informação, em suacios, naturalmente enxergamos a Tecnologia da Informação (TI) grande maioria não é perene. De outra forma, podemos dizer que Conhecimento ée suas práticas como a exata tradução do processo de geração Informação formatada para o uso competitivo, que agrega valor e causa transforma-de Conhecimento a partir da tecnologia aplicada às relações e ções, decisões, enfim, gera impacto.relacionamentos corporativos. Porém, a própria sigla TI indica Ao invés do uso da tecnologia para a informação, a tendência que se mostra mais re-qual é o objetivo dessa prática de negócios: informação. levante para a evolução competitiva das corporações e do papel de TI (de área e ativi-A diferença entre informação e conhecimento não é apenas dade operacional de suporte para competência estratégica) é construir uma base sus-semântica ou uma relação de parte-todo. Certamente, os dados tentável de Conhecimento passível de ser formatado e gerenciado, através da TCe as informações compõem um determinado Conhecimento, (Tecnologia do Conhecimento). Afinal, o que é tecnologia do conhecimento, senãomas não são os únicos. Conhecimento é muito mais do que gerar, reter, armazenar, combinar, disseminar, compartilhar e proteger conhecimentodados ou informações bem organizadas. Conhecimento é o (além de apenas informação)? E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Se Informação É Conhecimento, Então TI é TC. 14
  15. 15. A Tecnologia do Conhecimento é a vertente da tecnologia que Porém, a TC não se restringe ao conteúdo em si, mas incorpora a gestão tecnológicacompreende o fluxo de construção de valor através do conhe- do conhecimento como massa de dados e informações de valor. A estruturação docimento em sua visão ampla e sistêmica, habilitando e potenci- Conhecimento Corporativo em Componentes de Conhecimento (assim como se fazalizando, com ferramental e expertise tecnológica, cada Troca, com softwares e aplicativos), em formatos ready-to-use disponíveis a quem de direito,Relação e Relacionamento (Matriz TRR) dos stakeholders inter- no momento ideal para seu uso, é tão importante quanto o próprio conhecimento,nos da empresa entre si e com os stakeholders externos. uma vez que navegar em meio à terabytes de dados, informação e conhecimento é uma tarefa cada vez mais complexa e que exige skills avançados (e paciência!) paraE de que forma a tecnologia do conhecimento pode auxiliar encontrar o que se deseja.nessa tarefa? As relações dentro de qualquer organização hu-mana estão pautadas na troca de conhecimento (e, nesse as- Aceleração para execução, economia de escala e redução de custos de produ-pecto, a comunicação é essencial). A aplicação das vertentes, ção/gestão, redução de time-to-market, apropriação do aprendizado pregresso, cus-ferramentas e ambientes tecnológicos de colaboração, mobili- tomização da entrega e do uso, possibilidade de colaboração e, principalmente, trans-dade e convergência no centro das interações corporativas, formação Conhecimento Corporativo em ativo replicável, customizável, agregável, viacomo agente viabilizador e fomentador, é apenas a mais óbvia componentização e encapsulamento, são apenas alguns dos benefícios que as empre-delas. O uso combinado e integrado da TC com as melhores sas que desejam ser efetivamente competitivas não poderão abrir mão, se quiserempráticas de gestão, inteligência competitiva, planejamento es- performar na nova ordem dos negócios. E, para tanto, precisam aprender a contartratégico, etc é o movimento que permite levar a performance com a Tecnologia do Conhecimento para tal tarefa.da empresa a novos patamares. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | 15
  16. 16. Papel da TI na Construção de Valor das EmpresasO que você, como profissional de TI, deve compreen- operacional, maximização de ativos existentes, automatização de processos, etc. der sobre sua atuação para colaborar com os objeti- O lado da conta que muitas vezes se encontra escondido ou esquecido é o valor como vos da corporação? ativo intangível, quando se trata de TI. Por serem ativos não-físicos, interdependentesFundamental! A TI tem papel fundamental na construção de e de difícil mensuração, as empresas ainda os entendem como custo ou despesa, ig-valor das empresas, para si próprias e para os stakeholders de norando seu papel estratégico e o valor da estruturação de um racional para sua ges-sua rede. Em termos práticos, a TI pode desenvolver e entregar tão.o conceito de valor através de suas 2 vertentes principais: Mas como a TI gera Valor Intangível?Tangível | Financeiro | Curto Prazo É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem. Teórico da décadaIntangível | Econômico | Longo Prazo de 60 sobre os meios de comunicação, Marshall McLuhan foi precursor dos estudosEm artigos anteriores, discutimos o desafio que os CEOs e ges- midiológicos como foco na compreensão de sua interferência nas sensações humanas.tores estratégicos enfrentam para equilibrar a sede dos acionis- Daí o conceito de "meios de comunicação como extensões do homem" ou "prótesetas por resultados no próximo quarter com o crescimento sus- técnica". Em outras palavras, a forma de um meio social tem a ver com a percepção (etentável e a perenidade corporativa no longo prazo. fato) das novas possibilidades viabilizadas pelas tecnologias da informação.Gerar resultado como ativo tangível não é novidade para nin- Trazendo mais para perto do contexto presente, Andy Clark - especialista em Ciênciaguém em TI, ou seja, está no dia-a-dia buscar a implementação Cognitiva - foi além, mostrando que nossa mente não se limita àquilo que o cérebrotecnológica com viés de redução de custos, busca de eficiência faz, mas torna-se aquilo que o cérebro é capaz de fazer, graças a contribuições exter- nas, incluídas aquelas que nos chegam através da tecnologia, como o computador e o smartphone. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Papel da TI na Construção de Valor das Empresas 16
  17. 17. Recordando o que dissemos no artigo De Company Erectus pa- dora das diversas finalidades corporativas, mas também da TI como fim, ligada à ino-ra Company Sapiens (Newsletter DOM/SP), a utilização de tec- vação nas questões relacionadas ao core business das empresas.nologias e ambientes colaborativos - como plataformas Share- Dada essa constatação, atualmente não é difícil encontrar executivos de TI de altopoint, CMS, Facebook e Twitter - incentivam o usuário a comu- escalão quebrando a cabeça para entender como as novas tecnologias podem poten-nicar “o que está pensando/fazendo agora?” gerando, ao final cializar a entrega dos atributos de marca, valores corporativos e da experiência dodo dia, um repositório de pensamentos, ideias, opiniões e in- consumidor com o produto ou serviço: a TI estratégica, menos vista como custo e maissights que formam uma rede social similar ao cérebro humano como vetor de negócio. Ou a tecnicidade dando espaço à visão de competitividade(rede de neurônios que trocam informações = rede de pessoas com diferenciação.que trocam informações), com incrível potencial de utilizaçãopor parte das empresas na identificação de oportunidades de É elementar que o valor intangível é construído através da percepção dos stakehol-negócio e de evolução corporativa. ders externos à corporação e a informação é seu insumo básico, o tijolo da percepção. Como a TI é Tecnologia da Informação (e Comunicação), as possibilidades que ela dis-A esta altura da análise, fica claro que a amplitude e capacida- ponibiliza são os insumos que o arquiteto corporativo terá para construir valor.des e oportunidades deste cérebro corporativo dependem, emprimeiro lugar, das tecnologias adotadas. As possibilidades de E quando se fala de arquitetura, o tamanho (e resultados) da obra é proporcional aosse construir valor acumulado diferencial – mas mais do que recursos disponibilizados para concluí-la com excelência. Cabe ao profissional de TI seisso, valor único|uniqueness, de natureza intangível – derivam capacitar e à empresa com tais novas possibilidades.sim das tecnologias como meio, como habilitadora e fomenta- E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | 17
  18. 18. T2I - Tecnologia da Informação e InovaçãoI novação. Se nos aventurarmos a explicar seu significado, que rompe com o estado atual, desequilibra os vetores de forças, elimina as empresas dificilmente deixaremos de orbitar nas práticas, produtos, inábeis para o novo cenário, seleciona as empresas sobreviventes, potencializa novas resultados e consequências derivadas da Inovação, especi- empresas com novos modelos, etc, reconfigurando o cenário competitivo como umficamente daquela gerada pela Tecnologia da Informação (TI). A todo.inovação pode se expressar de muitas formas - inovações soci- Esta natureza peculiar da inovação disruptiva - de gerar o caos seguido da reordena-ais, de comportamento, biológicas, educacionais, etc - mas na- ção em um novo status quo superior - associada às possibilidades trazidas pela TI, é ada se compara, em termos de novas possibilidades, velocidade forças que cria os novos mercados, com novas dinâmicas e necessidades; novos min-e amplitude, à inovação tecnológica. De todos os possíveis be- dset corporativos com novos valores e premissas estratégicas; e, principalmente, no-nefícios derivados da aplicação da TI nos negócios - desde a vas empresas, com modelos de negócio e chassis competitivos impensados anterior-realização de atividades impensáveis, em grande escala ou mente, especialmente moldados para explorar as novas oportunidades, normalmenteeconomicamente inviáveis, à automatização e simplificação de virgens e inexploradas.processos, passando pela redução de custos -, nenhum se com-para ao caráter de inovação em mercados e modelos de negó- A forma como as novas tecnologias da informação, associadas a cada ciclo de disrup-cio que as tecnologias permitiram nos últimos 50 anos. ção, irão permear e suportar os processos e estruturas corporativas, desde as ativida- des de estratégia e inteligência, até recursos humanos e operações em geral, é o queSegundo o renomado professor de Harvard, Clayton Christen- determina o sucesso da empresa no novo contexto.sen existe dois modelos centrais de inovação: o modelo pauta-do na inovação incremental - que é aquele que melho- Como exemplo, no caso dos processos de relacionamento, conforme vão ampliandora/aperfeiçoa o estado atual, gerando vantagem competitiva seus tentáculos (capilaridade) para novos canais e ambientes, amparados pelas inova-agregada para a empresa - e o modelo da inovação disruptiva, ções tecnológicas, às empresas precisam estar atentas à garantia da consistência de E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | T2I - Tecnologia da Informação e Inovação 18
  19. 19. sua mensagem, abordagem, tom e objetivo de cada interação A tarefa de personalizar e clusterizar (em escala de massa!) cada uma das variáveiscom os clientes em cada um dos canais, de forma sinérgica. A relevantes no processo de decisão e transformá-las em ofertas individualizadas (que atentação de cada canal agir por conta própria, independente de princípio vendem mais que o pacotão padrão) é das mais complexas, exigindo infra-qualquer diretriz estratégica de integração é alta, bem como o estrutura tecnológica, inteligência virtual e uma boa dose de bom senso analítico paraônus para a satisfação e fidelidade do cliente. acertar o alvo.Pensando em novos modelos comerciais, tomando como Neste contexto, não se pode minimizar o papel da TI, que além de ter seu espaço cati-exemplo um varejista - seja ele uma loja física, um site E- vo no back office operacional, é um dos principais atores para a entrega dos atributosCommerce, um programa de televendas ou vendas por catálo- intangíveis tão valorizadosgo - hoje se consegue disponibilizar uma gama de serviços e Pergunte aos clientes do Pão de Açúcar o que significa ter uma lista online com ossoluções associadas à mercadoria adquirida, que o produto em produtos de compras recorrentes que podem ser adquiridas em um click e entreguessi passa a ser apenas mais um dos elementos que o consumidor na porta de casa.considera no processo de compra. A competição com atributoscomo comodidade, praticidade, rapidez, segurança e proximi- Ou ao uso, na loja, de um carrinho inteligente que localiza produtos, verifica preços edade, pela maior relevância para a tomada de decisão, é injusta registra as compras. Saia do segmento de varejo e vá para o setor imobiliário que apara o comoditizado produto tangível, que só é fator crítico em história é a mesma, com clientes comprando apartamentos da Tecnisa pela Internetcaso de escassez. (sem ao menos visitar o imóvel!).Combinar da melhor forma cada um dos elementos, para cada Apesar dos mercados estarem repletos de exemplos (que não são nenhuma novidade)tipo de cliente, é a chave para o sucesso. A intuição e astúcia do de como a TI pode fazer toda a diferença, gastar um pouco de fosfato em um brains-vendedor experiente não estão mais lá para entender, em uma torm de sinapses para vislumbrar a oportunidade óbvia, em seu próprio mercado, nãofração de segundo, o que se passa na cabeça do cliente indeciso faz mal a ninguém (exceto ao concorrente…).e oferecer exatamente aquele produto ou serviço que o cliente Portanto cabe se perguntar:deseja, mas nem sabe. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | T2I - Tecnologia da Informação e Inovação 19
  20. 20.  Como posso utilizar a TI para potencializar e rentabilizar  As últimas evoluções e tendências tecnológicas já fazem parte do meu portfó- minhas atividades comerciais? lio de soluções? Como meu cliente, seja ele B2B ou B2C, pode ter uma  É possível incrementar ainda mais minha performance através da TI? experiência única que apenas o uso estratégico da TI Em suma, as corporações precisam rever suas práticas e atividades sob a ótica da TI permita? como vetor de inovação, bem como a adequação dos valores de sua cultura corporati- E para meus intermediários, fornecedores, acionistas, va à nova realidade competitiva, pois o futuro já é, agora mesmo, digital e convergen- funcionários: como a TI pode alavancar valor de cada re- te. lacionamento? E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | 20
  21. 21. Anywhere OfficeP odemos citar que os conceitos e modelos de trabalho Atualmente, é discurso recorrente nas empresas o tema qualidade de vida dos funcio- têm mudado muito nestes últimos dez anos. Com a nários. Com isso, o conceito Home Office, possibilitado pela mobilidade e pela conver- adesão das empresas à Internet e a evolução da Tec- gência de tecnologias da informação e comunicação, tem sido bastante abordado,nologia da Informação, o mundo coorporativo começou a ter uma vez que consegue alinhar as tendências de evolução da TI e da Internet, às exi-acesso a muito mais informações; com isto, as empresas, que gências dos modelos mais modernos de gestão de pessoal e ao benefício da possibili-trabalhavam suas estratégias para Era da Informação, logo pas- dade de construção de redes de colaboração e valorização de recursos humanos.saram a ter que se preparar para o paradigma do valor intangí- A chegada do mundo wireless multimídia, multiformato ao mundo operacional das empresas só incentiva essa tendência, uma vez que permite o trabalho remoto de qualquer lugar, a custos baixíssimos. A Era do Conhecimento oferece aos profissionais a possibilidade de trabalharem em empresas onde podem ter autonomia e acesso às tecnologias que fazem parte de suas vidas, se relacionamento de forma mais transparente com elas.vel. Cientes que seus bens mais valiosos são as pessoas - e não A evolução desse contexto está levando o conceito de Home Office a algo mais similara produção, os processos ou mesmo as tecnologias – as empre- ao que definimos como Anywhere Office, uma vez que as pessoas podem trabalhar nasas se forçaram a integrar mais estrategicamente ao planeja- praia, nas montanhas, em restaurantes, aviões, aeroportos, cafés ou mesmo em mo-mento corporativo suas áreas de RH (Recursos Humanos), hoje vimento, com seus smartphones, além de suas casas.em dia denominadas, por alguns, de TH (Talentos Humanos). E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Anywhere Office 21
  22. 22. Se a Internet tem permitido o Home Office (ainda que embrio- modelo particular de adesão maciça à convergência e ao Anywhere Office.nariamente no Brasil), as tecnologias Mobile e Convergentes Os números mais recentes mostram que os brasileiros têm aderido aos novos padrõespermitirão o Anywhere Office em larga escala. e formatos da Internet e a prova disso é o aumento considerável de brasileiros emA justificativa para o máximo interesse nesse modelo de opera- comunidades virtuais no mundo, liderando boa parte das mais relevantes, além dação em redes é que este modelo, além de mais flexível e lear- excelente performance em tempo de navegação e variedade de interesses e utilizaçãoning (no conceito de Peter Senge), de fato tenderá a trazer de serviços online.maior facilidade e economia às pessoas e empresas. A socieda- Assim sendo, o conceito Anywhere Office deverá se tornar uma realidade mais fortede está mudando o modelo de vida e perfil de demandas das no mundo e, particularmente no Brasil à medida que as empresas possam auferir be-pessoas e suas organizações sociais – independente de finali- nefícios comprovados do modelo a riscos menores, principalmente com a flexibiliza-dade - também. ção das leis trabalhistas, realidade ainda bastante aquém da velocidade de transfor-Infelizmente, no Brasil, o acesso à tecnologia ainda é caro e os mação causada pelos avanços tecnológicos e até pelo barateamento das tecnologias.impostos são altos para produtos importados e até nacionais As novas gerações já começam a vivenciar este conceito. Muitos profissionais da gera-(vide liderança global em consumo de pirataria, por exemplo). ção Y - o futuro da alta gestão das empresas em 10 anos - operam sob a realidade dePorém, isto vem mudando paulatinamente e a inclusão digital que o local em que se produz, em si, não é tão relevante, mas sim o acesso aos melho-propiciada pelos celulares – e que será altamente exponencia- res arsenais de conhecimento, suporte e monitoramento de valor agregado (do tipoda pelas TVs interativas, quando massificadas – construirão um coaching, mentoring, etc) que o farão produzir mais e melhor, com maior liberdade e em menor tempo. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | 22
  23. 23. As Tecnologias Sustentáveis se Sustentarão?S obreviver corporativamente hoje e no futuro passa por mado tripé resultado econômico-financeiro X resultado social X resultado ambiental é entender que qualquer organização empresarial faz cada vez mais valorizado por acionistas, clientes e colaboradores, tornando-se um parte de um todo, que deve ser sustentável per se para imperativo para o sucesso das corporações.poder evoluir. Mas, para ser traduzido em ativos de valor, o programa de Sustentabilidade Corpora-Portanto, para que as empresas consigam ter sucesso, seu am- tiva da empresa deve estar obrigatoriamente ligado ao core business do negócio e,biente, sua cadeia de valor, formada pelo conjunto de seus portanto, à sua estratégia corporativa. E se isso vale para a estratégia geral da empre-stakeholders diretos e indiretos, deve ter sucesso e deve pros- sa, vale para toda e qualquer tecnologia habilitadora desta estratégia.perar, o que torna a empresa co-responsável por este processo, Por conta disso tudo, e por que as empresas são agentes altamente influentes nosjuntamente com governos, Academia, ONGs e os próprios cida- ecossistemas em que estão inseridas, elas não podem mais abrir mão de se engajar nodãos. processo de transformação sócio-ambiental que nosso planeta, em instância maior,Ultimamente, Sustentabilidade Corporativa passou a ser mais necessita. Não podem, portanto, ignorar a relação de causa-impacto específica daque um conceito importante. De fato, passou a ser um vetor tecnologia com o meio ambiente, ou seja, o conceito de tecnologia verde.determinante no sucesso das empresas, seja por estimular sua Não há dúvidas que nosso planeta está ameaçado pelo aquecimento global. Nós jácapacidade de interagir com seus stakeholders gerando ganhos impomos tensões cada vez maiores ao finito e limitado meio ambiente, ultrapassandopara ambas as partes, seja por sua preponderância de constru- a sua capacidade de se sustentar. Nós já estamos consumindo 25% mais recursos na-ção de reputação e credibilidade a partir de questões ligadas à turais a cada ano do que o planeta é capaz de repor. E neste ritmo, em 2050 estare-governança corporativa, tais como transparência, ética, cidada- mos consumindo mais que o dobro da capacidade da Terra.nia corporativa e responsabilidade social empresarial. Portanto,o conceito de Sustentabilidade Corporativa, embasado no cha- E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | As Tecnologias Sustentáveis se Sustentarão? 23
  24. 24. A procura por soluções mais amigáveis ao meio ambiente está arch Group mostra que ainda existe uma distância muito grande entre o que as em-pouco a pouco se disseminando por todos os setores econômi- presas americanas consideram uma área “IT Green” e o que realmente estão fazendo.cos. Podemos até dizer que em breve estaremos entrando em Mas, também acredita que o crescente interesse em adotar medidas de redução deuma nova onda verde, onde as questões ambientais deixarão energia e desperdício começará a gerar ações mais intensas.de ser apenas obrigação dos parâmetros legais, mas um dos E aqui no Brasil? Na avaliação de Cezar Taurion, estrategista de TI da IBM, pouca coisafatores preponderantes para sustentabilidade do negócio. Os tem sido debatida e mesmo estudada. Estamos começando agora a compreender oexecutivos começam a perceber que no futuro a questão ambi- problema. Muitos executivos de empresas globais ainda estão mais preocupados comental poderá ser uma restrição ou uma ferramenta para ala- os seus acionistas que com as questões de sustentabilidade. Uma recente pesquisavancar negócios. As estratégias de negócio vão ter que alinhar feita pelo Insead, escola de negócios francesa, mostrou que apenas um em cada seiscompetitividade com sustentabilidade. Provavelmente este executivos de grandes corporações acha que suas companhias devam ajudar na reso-movimento vai se acelerar após 2012, quando o Protocolo de lução de problemas sociais e ambientais. É uma preocupação ainda débil no topo dasKyoto será revalidado e possivelmente deverá fixar normas organizações. Neste contexto, o que um CIO pode e deve fazer?mais rígidas para as empresas brasileiras. Já sabemos que o custo de energia sobe constantemente… Considerando apenas aQualquer que seja o setor econômico a preocupação ambiental tarifa média cobrada do consumidor industrial, houve um aumento de 200% entrevai se tornar cada vez mais evidente, e envolverá desde a cons- 2001 e 2006, muito superior aos índices de inflação do período. E, segundo estimati-trução de novas plantas industriais e prédios até a concepção, vas, o preço médio da energia no Brasil até 2015, poderá aumentar em até 20,4%. Edesenvolvimento, fabricação, distribuição e descarte do produ- para a indústria, a alta será mais pesada, chegando até 30%. Aliás, a tarifa da energiato final. A pressão por parte da sociedade e dos parceiros de elétrica industrial brasileira é elevada, quando comparada a de outros países. Pornegócios no exterior será cada vez maior para que as empresas exemplo, analisando os preços de 2006, em US$/MWh, vemos que o preço no Brasil étenham processos cada vez mais limpos e ecológicos. de 39 dólares, enquanto que outros países como França (35 dólares), Canadá (28 dóla-Muito bem, e a área de TI? Como se encaixa neste contexto? res) e EUA (25 dólares) tem preços bem menores.Uma recente pesquisa efetuada nos EUA pela Info-Tech Rese- E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | As Tecnologias Sustentáveis se Sustentarão? 24
  25. 25. Com certeza, à medida que mais e mais informações sobre con- Pensar em lucro é premissa de existência de uma empresa; mas não sua finalidadesumo de energia comecem a se disseminar entre os executivos, absoluta. O lucro empresarial é imperativo e deve ser exigido das empresas (comoos CIOs também deverão ficar mais preocupados. Algumas es- forma de mensuração de seu direito de existir como agente econômico de transfor-timativas mostram que em muitos datacenters, o consumo de mação sócio-econômica); porém, deve ser entendido como meio, energia, combustí-energia chega a 20% dos seus gastos totais. Portanto a primeira vel que permite à empresa atingir seus objetivos e sua missão.providência será inserir gastos ambientais e de energia nos seus Ao mesmo tempo, a sociedade, na figura de suas ONGs, dos órgãos governamentais,estudos de custos de propriedade. da imprensa e na própria figura do indivíduo-cidadão (como eleitor, consumidor eDa cosncientização devemos passar à ação, ou seja, uma vez acionista/investidor) passa a exigir das empresas, principalmente as de capital aberto,mensurado os gastos (sugerimos fazer um assessment da situa- que estas adotem a prática da transparência no seu processo de governança corpora-ção atual), deve-se criar um “Action Plan”, que identifique e tiva e distribuição de riqueza, obrigando-as a mostrar, a quem de direito, que estãopriorize os objetivos da sua iniciativa “verde” (cada empresa devolvendo à sociedade (em diferentes formas) os recursos que utilizam para produzirtem objetivos e prioridades diferentes), e insera energia como suas riquezas.um dos critérios na seleção de tecnologias. Sugerimos adotar Por sua monta, os consumidores estão cada vez mais cientes do seu poder de trans-ações de resultados rápidos como virtualização e consolidação formação social e começam a demandar mais responsabilidade das empresas no quede servidores e storage (eliminando servidores antigos, que se refere às questões sociais e ambientais. Para jogar o jogo de hoje, é preciso pensarconsumam muita energia), programar medidas que reduzam além dos ganhos empresariais, é preciso avaliar o que a comunidade, a região, país edesperdício (uso desnecessário de impressoras, desligar micros mesmo o mundo vão ganhar com o sucesso da empresa.quando não em uso, adotar thin-client quando adequado…),redesenhar a data Center, incentivando negociações que te- Em outras palavras, a capacidade de gerar riqueza de uma empresa, como agentenham como pano de fundo o vetor da reciclagem e da inclusão econômico, passa a ser, cada vez mais, fundamentalmente dependente de sua apro-social, implementar o trabalho remoto, etc. vação social. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | As Tecnologias Sustentáveis se Sustentarão? 25
  26. 26. Sem esta aprovação social, a capacidade comercial (e, portanto, no futuro. Uma marca, símbolo da organização, bem cuidada ao longo dos anos valede sobrevivência da empresa no longo prazo) tende a ser com- mais do que qualquer ganho de curto prazo.prometida. E isto afeta aos acionistas, executivos, funcionários Portanto, reduzir desperdício, tornar sua empresa mais produtiva e ainda ajudar ae a toda cadeia de stakeholders envolvida direta e indiretamen- salvar o planeta… Parece ser um bom negócio! E se é um bom negócio para TI e seuste em suas operações. stakeholders, é um bom negócio para a empresa, para o mercado, para sociedade,Não é de hoje que sabemos que a imagem da empresa é “qua- para o planeta.se” tudo o que ela tem no mercado. Reputação é nome do jogo E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | As Tecnologias Sustentáveis se Sustentarão? 26
  27. 27. Contra-Governança, Leis de Newton & Governança de TI.O conceito de Contra-Governança foi originalmente vavelmente fizeram testes criteriosos, certo? Se os “experts” dizem que a Apple é cunhado para explicar o processo de ruptura nas “cool”, ela provavelmente o deve ser, não é verdade? Quantas tecnologias não se tor- formas tradicionais de comunicação em massa. naram padrão por terem sido ovacionadas pelos “experts” de plantão?A premissa do conceito é que a comunicação em massa explo- Contra-Governança chega a TI e questiona até Newtonrava o fato de ser unidirecional – e, portanto não participativa e A chegada da Web 2.0 e da mobilidade traz consigo as sementes da ruptura. A “mas-colaborativa - para embutir em usuários-consumidores a sua sa” se transformou em “nicho” e o “macro” em “micro”. O marketing de massa sevisão de mundo (representada por seus padrões, tecnologias e transformou em marketing onde-to-one. O que aconteceu com Marketing se daráprodutos preferidos).·····. com a TI. A Contra-Governança chega a TI e esse é o conceito expandido que estamosOs chamados canais de massa (tanto TV e rádio quanto canais defendendo.de distribuição de produtos/ serviço em massa), com suas ca- A 3ª Lei de Newton, sob a ótica de negócios, pode ser compreendida sob a seguintepacidades únicas de audiência, influência e capilaridade, foram ótica: Quando um Ator A (“empresas) exerce uma força (“ padrões impostos ”) em Butilizados pelas empresas como plataformas de transformar (“usuários-consumidores”), B simultaneamente exerce uma força sobre A (“aceitaçãotendências (políticas, sociais, culturais, tecnológicas e de con- de produtos e padrões”), em mesma intensidade e direção inversa.sumo) em verdades absolutas e inquestionáveis. “To every action there is always an equal and opposite reaction: or the forces of twoAfinal, quem ousaria duvidar da seriedade do apresentador do bodies on each other are always equal and are directed in opposite directions.”telejornal ou da qualidade dos produtos veiculados em seu in-tervalo? O mesmo se deu em tecnologia; afinal se os “experts”recomendam a utilização de determinada tecnologia, eles pro- E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Contra-Governança, Leis de Newton & Governança de TI. 27
  28. 28. Esse movimento de Contra-Governança, caracterizado pelodescontrole de uso, formatos e padrões tecnológicos dentrodas empresas (hoje muitos aplicativos e conteúdos são grátis, E mais: conceitos e leis tradicionais, como a que prega que 2 corpos não podem ocu-por download, customizável e imediato) redefiniu, de certa par o mesmo lugar no espaço, bem como a lei de que um corpo não pode estar simul-forma, a terceira de Lei de Newton. taneamente em 2 lugares ao mesmo tempo praticamente são sabotadas, com os di-Agora, a reação não se dá na direção contrária, mas sim em versos avatares e personagens criados pelos usuários.formato de dispersão. E Agora Governança de TI?Na Web 2.0, as leis da mecânica são substituídas pelas leis do A Governança de TI deriva da Governança Corporativa, que por sua vez se reforçou acaos. A reação aos movimentos de A se darão em várias formas partir dos escândalos que culminaram com as regulações de compliance da Lei Sarba-(concordar, reforçar, refutar, compartilhar, descartar), por vá- nes Oxley. Uma das maneiras de se compreender a Governança de TI é entender querios grupos (heavy users, soft users, followers, prospects, etc) e se trata de um modelo que visa padronizar as decisões, regras e gestão para encorajarem vários momentos (hoje, amanhã, nunca). comportamentos desejáveis para TI, da aquisição, desenvolvimento e customização, E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Contra-Governança, Leis de Newton & Governança de TI. 28
  29. 29. ao uso e disseminação. As intenções da Governança de TI são load, gratuitamente ou a custos módicos, que fazem “quase” exatamente o que RH ougarantir a máxima performance e previsibilidade dos sistemas Marketing necessitam?de TI, com o mínimo possível de riscos e impactos diretos e Os ingredientes para o surgimento de movimentos de Contra-Governança estão sobreindiretos. a mesa. E rapidez, flexibilidade, disponibilidade, atualização e baixos custos são algunsNo entanto, isso é compreendido de maneira diferente por deles. Isso afora, ainda existem outros ingredientes mais apimentados, como o ques-muitos usuários e consumidores de TI (sejam de sistemas, apli- tionamento à imposição de padrões, a defesa de interesses individuais e a oposição àscativos, produtos ou conteúdos). A Governança de TI tem sido relações unidirecionais.compreendida como um conjunto de regras arbitrárias, impos- Usuários-consumidores já estão buscando suas soluções de TI na “nuvem” e em for-tas por “alguém lá em cima” para defender práticas pouco fun- matos como o SaaS. O modelo tradicional de distribuição, precificação e desenvolvi-cionais. Para os usuários corporativos, principalmente os mais mento de TI já está sendo questionado.jovens (entre 20 e 30 anos), Governança de TI é algo que atra-palha sua experiência de uso/consumo da tecnologia e, ainda De maneira similar ao ocorrido com o Marketing, a TI e seus CIOs deverão ser capazespor cima, torna os fluxos internos mais burocráticos e lentos. de lidar com esse novo mindset de preferências e expectativas de seus usuários- consumidores.Afinal, para quê esperar (ou como justificar) que determinadafuncionalidade ou aplicativo que o RH ou o Marketing precisam A TI continuará a ter um papel indispensável na gestão operacional e na contribuiçãocom rapidez seja implementadas em 2 ou 3 meses, com inúme- às formulações estratégicas da empresa. A diferença agora é que seu desempenhoras idas e vindas de validação de escopo e testes, se a nuvem será avaliado também por outras variáveis, como capacidade de customização, flexibi-da Web oferece ferramentas em ASP ou aplicativos para down- lidade e velocidade (time to market). E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Contra-Governança, Leis de Newton & Governança de TI. 29
  30. 30. Os artigos deste e-book fazem parte da série de artigos disponibilizados nos newsletters do Grupo ECC. Os textos são produzidos pelos analistas do Tech Lab (Strategy Research Center) do Grupo ECC e pelos sócios e consultores da E-Consulting Corp. (www.e-consultingcorp.com.br) Os artigos deste e-book, assim como todo seu conteúdo, estão sob licença Creative Commons. E-Book As Empresas São Tecnologia E-Consulting Corp. 2011 | Contra-Governança, Leis de Newton & Governança de TI. 30

×