Recursos Hídricos e SaneamentoESGOTO SANITÁRIO E LIXO<br />águas<br />Anaiza Helena Malhardes Miranda<br />
CAPACIDADE HÍDRICA MUNDIAL<br />A superfície do PLANETA TERRA é composta de 2/3 de área alagadas.<br />Deste volume, 97% é...
A Água no Planeta<br />“A quantidade total de água existente no planeta com certeza não mudou desde as era geológicas: o q...
Ciclo Hidrológico no Planeta Terra<br />Lagos e rios se configuram em 0,26% de todo o estoque global do Planeta.<br />O re...
Águas ‘Doces’<br />“Desta quantidade, mais da metade já tem destino e está sendo usada. Esta proporção talvez não pareça m...
Água Doce no Brasil<br />Da água doce disponível no Planeta Terra, 11% se encontra no Brasil.<br />Porém, 90% dessas águas...
PROBLEMAS DE ABASTECIMENTO<br />Desmatamento das cabeceiras das nascentes<br />Desmatamento dos topos de morro<br />Desmat...
SANEAMENTO<br />No Brasil 80% da população tem acesso à água canalizada, e 50% tem coleta de esgoto.<br />Segundo o CENSO/...
Saneamento RJ<br />Menos de 2% das moradias possuem rede de esgoto ligado a algum sistema de tratamento.<br />Menos de 50%...
Saneamento em Teresópolis<br />Somente uma parte do 1º Distrito é atendida por abastecimento de águas.<br />NÃO HÁ REDE PÚ...
Água e Saúde<br />“A água dita potável é de qualidade muito precária, pois, nos países pobres do chamado Terceiro Mundo, m...
SANEAMENTO = ESGOTO SANITÁRIO =<br />Sistemas conhecidos para coleta e tratamento do esgoto domestico<br />Falta de preocu...
SANEAMENTO X SAÚDE<br />A ANVISA divulgou que o consumo de água contaminada no Brasil, provocando doenças em 10.000 brasil...
SANEAMENTO: Sistema público<br />Grandes redes de captação nas ruas públicas<br />Sistema de elevatórias<br />Grandes espa...
TOMADA EM TEMPO SECO<br />CAPTAÇÃO NA REDE PLUVIAL<br />Ou desvio de todo o rio;<br />Bypass para sistema de tratamento<br...
Sistemas domésticos convencionais<br />Fossa séptica<br />Filtro de brita<br />Sumidouros ou dispersão em sistema público<...
SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residências <br />BIODIGESTOR:<br />Caixa separadora<br />Fossa com fechamento ...
SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residências<br />FOSSA + FILTRO POR ZONA DE RAÍZES:<br />Fossa séptica tradicio...
FILTRO POR ZONA DE RAÍZES<br />
SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residências<br />BANHEIRO SECO:<br />Dois vasos sanitários interligados a duas ...
Água = Futuro da Humanidade<br />“A escassez de água pode não levar à guerra, mas certamente levará à escassez de comida, ...
....................................................<br />.<br />lixo<br />
LIXO – resíduos sólidos urbanos<br />Lei Federal nº 12.305/2010<br />RESÍDUOS – material reciclável;<br />Coleta separada;...
LOGISTICA REVERSA<br />Princípio do Poluidor Pagador<br />Responsabilidade das indústria em receber os produtos obsoletos ...
fases do sistema de Coleta<br />COLETA SELETIVA = a coleta seletiva hoje é medida imprescindível a qualquer sistema de lix...
COLETA SELETIVA<br />Participação efetiva da população na devolução dos produtos sem uso<br />dela dependerá a vida útil d...
1 - educação ambiental da população<br />preparo e a conscientização da população<br />depende de cada cidadão promova a s...
2 - Disposição de pontos de coleta de resíduos para reciclagem<br />coleta deve ser feita por meio de caminhões fechados, ...
3 - Incentivo à empresas de manufatura de reciclagem<br />Empresas e serviços para logística reversa<br />Necessidade de i...
COLETA DO LIXO ORGÂNICO<br />= o lixo orgânico deve ser diferenciado em dois tipos, para o fim de uma coleta eficiente e i...
Lixo Orgânico Não Contaminado<br />Um eficiente programa de coleta de lixo pode prever o reaproveitamento do lixo orgânico...
LIXO CONTAMINADO<br />resíduos que não podem, em hipótese alguma, ser reaproveitado, posto que imerso em moléculas química...
LIXO COMERCIAL<br />resíduos contaminados com hidrocarbonetos oriundos de postos de gasolina e oficinas mecânicas;<br />Re...
RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL<br />Esses, sempre foram utilizados como material de recobrimento do lixo nos lixões antigos,...
DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS<br />a disposição final dos resíduos restantes devem ser disposto em sistemas previamente pre...
Conclusão:<br />“Na natureza não há <br />prêmios nem castigos:<br />apenas consequências.”<br />				Robert Ingersoll (183...
ANAIZA HELENA MALHARDES MIRANDA<br />Promotor de Justiça Titular da 1ª Promotoria<br />de Justiça de Tutela Coletiva do Nú...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Saneamento básico dra anaíza

1.672 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.672
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
171
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saneamento básico dra anaíza

  1. 1. Recursos Hídricos e SaneamentoESGOTO SANITÁRIO E LIXO<br />águas<br />Anaiza Helena Malhardes Miranda<br />
  2. 2. CAPACIDADE HÍDRICA MUNDIAL<br />A superfície do PLANETA TERRA é composta de 2/3 de área alagadas.<br />Deste volume, 97% é água salgada. Menos de 10% é água doce.<br />Destes, menos de 2,5% são acessíveis ao consumo humano.<br />
  3. 3. A Água no Planeta<br />“A quantidade total de água existente no planeta com certeza não mudou desde as era geológicas: o que tínhamos então continuamos a ter. A água pode ser poluída, maltratada e mal utilizada, mas não é criada nem destruída ; ela apenas migra.”<br />Marq De Villiers - Água<br />
  4. 4. Ciclo Hidrológico no Planeta Terra<br />Lagos e rios se configuram em 0,26% de todo o estoque global do Planeta.<br />O restante está na atmosfera, nas geleiras e nos subterrâneos.<br />Essa água corre para os oceanos, através dos rios, do degelo e das chuvas.<br />Apenas parcela das chuvas retornam aos aqüíferos acessíveis ao homem.<br />
  5. 5. Águas ‘Doces’<br />“Desta quantidade, mais da metade já tem destino e está sendo usada. Esta proporção talvez não pareça muito, porém a demanda vai dobrar em trinta anos. E muito do que se encontra disponível está degradado por aluvião erodido, esgotos, poluição industrial, produtos químicos, excesso de nutrientes e pragas de algas.”<br />Marq De Villiers - Água<br />
  6. 6. Água Doce no Brasil<br />Da água doce disponível no Planeta Terra, 11% se encontra no Brasil.<br />Porém, 90% dessas águas se dividem entre a Amazônia, o Pantanal e o Aquífero Guarani.<br />Os 10% restantes se dividem pelos demais Estados Brasileiros, com terras áridas e semiáridas, além de vários polígonos de seca (nordeste, norte do Rio Grande do Sul, norte de Minas Gerais, Goiás e Tocantins).<br />
  7. 7. PROBLEMAS DE ABASTECIMENTO<br />Desmatamento das cabeceiras das nascentes<br />Desmatamento dos topos de morro<br />Desmatamento e uso indevidos das margens dos rios<br />Excesso de captação de águas nos aquíferos subterrâneos<br />POLUIÇÃO <br />
  8. 8. SANEAMENTO<br />No Brasil 80% da população tem acesso à água canalizada, e 50% tem coleta de esgoto.<br />Segundo o CENSO/2000:<br />3.705.308 sem banheiro sanitários <br />2.958.831 domicílios recebem água canalizada<br />10.594.752 tem fossa rudimentar<br />1.154.910 tem vala aberta<br />1.110.021 usam rio, lago ou mar como esgoto<br />
  9. 9. Saneamento RJ<br />Menos de 2% das moradias possuem rede de esgoto ligado a algum sistema de tratamento.<br />Menos de 50% das moradias possuem rede de esgoto RECOLHIDO.<br />A maioria dessas redes, se valem da rede de águas pluviais.<br />TODOS DESAGUAM NOS RIOS<br />
  10. 10. Saneamento em Teresópolis<br />Somente uma parte do 1º Distrito é atendida por abastecimento de águas.<br />NÃO HÁ REDE PÚBLICA PARA CAPTAÇÃO DE ESGOTO – uso de rede pluvial<br />Uso de fossas ligadas a SUMIDOUROS<br />Uso proibido pela Lei Municipal 2199<br />Sub solo incapaz de drenar efluentes sanitários<br />
  11. 11. Água e Saúde<br />“A água dita potável é de qualidade muito precária, pois, nos países pobres do chamado Terceiro Mundo, mais de 80% das doenças é mais de um terço da taxa de mortalidade são decorrência da má qualidade d’água utilizada ela população para o atendimeno de suas diversas necessidades. ” Fonte: Paulo de Bessa Antunes – Direito Ambiental – Lúmen Iuris – 4º edição, pág.632<br />
  12. 12. SANEAMENTO = ESGOTO SANITÁRIO =<br />Sistemas conhecidos para coleta e tratamento do esgoto domestico<br />Falta de preocupação dos governantes com o tema;<br />Insalubridade extrema das cidades brasileiras<br />
  13. 13. SANEAMENTO X SAÚDE<br />A ANVISA divulgou que o consumo de água contaminada no Brasil, provocando doenças em 10.000 brasileiros entre 1999 e 2008.<br />A OMS estima que para cada R$ 1,00 gastos com saneamento básico da população, deixaríamos de gastar R$ 4,00 no Sistema Único de Saúde.<br />
  14. 14. SANEAMENTO: Sistema público<br />Grandes redes de captação nas ruas públicas<br />Sistema de elevatórias<br />Grandes espaços para implantação:<br />Caixa separadora<br />Tanques aeróbios, com aeradores e batedores<br />Centrífugas <br />Tanques de decantação<br />Dispersão em grandes volumes de água<br />
  15. 15. TOMADA EM TEMPO SECO<br />CAPTAÇÃO NA REDE PLUVIAL<br />Ou desvio de todo o rio;<br />Bypass para sistema de tratamento<br />Retorno ao rio.<br />Tratamento em período sem chuvas;<br />Contaminação da rede pluvial;<br />Contra indicação para áreas de elevada pluviosidade.<br />
  16. 16. Sistemas domésticos convencionais<br />Fossa séptica<br />Filtro de brita<br />Sumidouros ou dispersão em sistema público<br />Sumidouros provocam contaminação de sub solo e águas subterrâneas<br />Ambos os sistemas que não alcançam a eficiência exigida por lei ( entre 30 a 52%, se bem operados)<br />
  17. 17. SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residências <br />BIODIGESTOR:<br />Caixa separadora<br />Fossa com fechamento hermético – autoclave<br />Sistema anaeróbio<br />3 filtros posteriores<br />Dispersão final em lagoa de decantação ou sistema público<br />Formação de gás metano para uso doméstico<br />
  18. 18. SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residências<br />FOSSA + FILTRO POR ZONA DE RAÍZES:<br />Fossa séptica tradicional ou em fibra<br />Filtro em zona de raízes com camadas de rocha ou conchas, areia e terra + plantas com caule úmido, talo largo e raízes em rede (papirus, copo-de-leite,etc...)<br />Dimensionamento de 1m³ por pessoa da residência. <br />Eficiência entre 88% a 92%<br />
  19. 19. FILTRO POR ZONA DE RAÍZES<br />
  20. 20. SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residências<br />BANHEIRO SECO:<br />Dois vasos sanitários interligados a duas caixas revestida por zinco pintado de preto, e voltados para o sol da tarde, com duas chaminés para dispersão de odores.<br />Banheiros são usados a cada seis meses, mantendo o outro em desuso, para permitir a formação do esterco.<br />Descarga líquida substituída por pó de serra.<br />Sem formação de resíduos líquidos poluentes.<br />
  21. 21. Água = Futuro da Humanidade<br />“A escassez de água pode não levar à guerra, mas certamente levará à escassez de comida, ao aumento da pobreza e à disseminação de doenças. Ela torna as pessoas mais pobres. .... Os padrões de vida se deteriora, aumentam também a inquietude social e a violência, levando, como colocou o profeta do apocalipse Robert Kaplan, a uma ‘anarquia iminente.” <br />ÁGUA, Marc de Villiers – Ediouro- 2002<br />
  22. 22. ....................................................<br />.<br />lixo<br />
  23. 23. LIXO – resíduos sólidos urbanos<br />Lei Federal nº 12.305/2010<br />RESÍDUOS – material reciclável;<br />Coleta separada;<br />Encaminhamento setor de separação;<br />Retorno à industria<br />REJEITO – material não reciclável;<br />Coleta separada;<br />Disposição final em aterros sanitários;<br />Aproveitamento apenas como combustível.<br />
  24. 24. LOGISTICA REVERSA<br />Princípio do Poluidor Pagador<br />Responsabilidade das indústria em receber os produtos obsoletos produzidos.<br />Desmonte dos materiais.<br />Reuso obrigatório dos resíduos.<br />Menor necessidade matéria prima nova<br />Proteção da Natureza<br />
  25. 25. fases do sistema de Coleta<br />COLETA SELETIVA = a coleta seletiva hoje é medida imprescindível a qualquer sistema de lixo, posto que dela dependerá a vida útil do aterro de disposição final, posto que quanto menos lixo se levar para o aterro, mais tempo se ganhará de uso da área. <br /> A coleta seletiva depende de três parâmetros: <br />
  26. 26. COLETA SELETIVA<br />Participação efetiva da população na devolução dos produtos sem uso<br />dela dependerá a vida útil do aterro de disposição final <br />(quanto menos lixo se levar para o aterro, mais tempo se ganhará de uso da área). <br />Parâmetros da coleta seletiva: 1 - educação ambiental da população <br />2 - disposição de pontos de coleta de resíduos para reciclagem<br />3 - Incentivo à empresas de manufatura de reciclagem<br />
  27. 27. 1 - educação ambiental da população<br />preparo e a conscientização da população<br />depende de cada cidadão promova a separação dos resíduos reaproveitáveis do lixo orgânico, ainda dentro da casa. <br />Devolução dos produtos sem uso aos pontos de coleta<br />A reunião de lixo orgânico e inorgânico haverá a contaminação do reciclável e tornará o produto imprestável à maioria dos processos de reciclagem <br />
  28. 28. 2 - Disposição de pontos de coleta de resíduos para reciclagem<br />coleta deve ser feita por meio de caminhões fechados, especiais para a coleta, com dias diferenciados para o recebimento do material;<br />Ou por meio da implantação de eco-pontos, até mesmo com a participação da comunidade, do condomínio ou da associação de moradores.<br />Pontos especiais para eletrônicos<br />
  29. 29. 3 - Incentivo à empresas de manufatura de reciclagem<br />Empresas e serviços para logística reversa<br />Necessidade de indústrias para o recebimento desses produtos. <br />Daí das políticas públicas que:<br />identifiquem as carências de recicladores de determinados produtos;<br />criação de programas de atração das mesmas à região;<br />Promoção de programa para o encaminhamento dos produtos para as industrias, quando impossível trazer a empresa até à cidade.<br />
  30. 30. COLETA DO LIXO ORGÂNICO<br />= o lixo orgânico deve ser diferenciado em dois tipos, para o fim de uma coleta eficiente e implantação de projeto com eficiência superior, a saber: <br />lixo orgânico contaminado e<br />lixo orgânico não contaminado.<br />
  31. 31. Lixo Orgânico Não Contaminado<br />Um eficiente programa de coleta de lixo pode prever o reaproveitamento do lixo orgânico (lixo molhado) não contaminado:<br />Previsão de esterqueiras para sua recepção, <br />acondicionamento com terra;<br />Criação de sistema de produção de adubo orgânico, que pode ser comercializado ou mesmo utilizado em projetos de reflorestamento ou hortas comunitárias.<br />projeto de compostagem de resíduos oriundos de poda de jardim e árvores urbanas também para o projeto de adubo.<br />
  32. 32. LIXO CONTAMINADO<br />resíduos que não podem, em hipótese alguma, ser reaproveitado, posto que imerso em moléculas químicas perigosas, vetores patológicos ou metais pesados. <br />Resíduos oriundos de unidades de saúde (hospitais, farmácias, clínicas, laboratórios, clínicas veterinárias e outros).<br />Resíduos sanitários domésticos<br />
  33. 33. LIXO COMERCIAL<br />resíduos contaminados com hidrocarbonetos oriundos de postos de gasolina e oficinas mecânicas;<br />Resíduos de agrotóxicos, dentre outros. <br />Esses resíduos devem receber tratamento especial, e podem ser reutilizados desde que submetidos a sistema de tratamento especialíssimo.<br />
  34. 34. RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL<br />Esses, sempre foram utilizados como material de recobrimento do lixo nos lixões antigos, ou como material de recobrimento de estradas vicinais. <br />sua utilização pode ser muito melhor, já que os resíduos são quase que totalmente reaproveitado.<br />Ferros e vergalhões são totalmente reaproveitados pela siderurgia;<br />cimento e material de alvenaria podem ser triturados e reutilizados na própria construção civil, como forma de diminuir a utilização de cimento; <br />madeira totalmente utilizada.<br />Canos e caixas d´água - reaproveitamento<br />
  35. 35. DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS<br />a disposição final dos resíduos restantes devem ser disposto em sistemas previamente preparados da forma seguinte:<br />abertura das células;<br />cobertura do fundo da células com manta PEAD;<br />implantação de sistema de drenagem de chorume ao fundo;<br />cobertura do sistema de drenagem com brita;<br />cobertura de todo o fundo da célula e da manta PEAD com argila, de forma a proteger a manta;<br />implantação de sistema de tratamento do chorume que será coletado pelo sistema de drenagem da célula;<br />implantação de sistema de captação de gás metano oriundo da decomposição do lixo (com ou sem reaproveitamento).<br />
  36. 36. Conclusão:<br />“Na natureza não há <br />prêmios nem castigos:<br />apenas consequências.”<br /> Robert Ingersoll (1833-1899)<br />
  37. 37. ANAIZA HELENA MALHARDES MIRANDA<br />Promotor de Justiça Titular da 1ª Promotoria<br />de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo<br />Teresópolis.<br />Atribuição por Meio Ambiente – Urbanismo e<br />Patrimônio Cultural, em Teresópolis, Carmo,<br />Sumidouro e Sapucaia<br />anaiza@mp.rj.gov.br<br />

×