Ajudas técnicas, uma mais valia no processo de cuidar

5.082 visualizações

Publicada em

Formação em Serviço

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.082
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
405
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
149
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ajudas técnicas, uma mais valia no processo de cuidar

  1. 1. Ajudas técnicas Uma mais-valia no processo de cuidar Elaborado por: Paulina Rodrigues 4º CPLEER Orientação: Paula Ricardina V. Castro (EEER) Fafe, 23 de Maio de 2012
  2. 2. Ajudas técnicas/produtos de apoio• Qualquer produto (incluindo dispositivos, equipamento, instrumentos, tecnologia e software) especialmente produzido e disponível, para prevenir, compensar, monitorizar, aliviar ou neutralizar qualquer impedimento, limitação da atividade e restrição na participação (ISO 9999/2007).
  3. 3. Ajudas técnicas/produtos de apoio(cont.)• Destinam-se às pessoas com deficiência ou incapacidade, aos idosos ou, aos que de forma temporária ou definitiva, necessitam de os utilizar.• São meios indispensáveis para a funcionalidade e integração das pessoas com incapacidade ou deficiência.• São utilizados ou colocados pelo próprio ou com a ajuda de terceiros (técnicos ou familiares) tendo como objetivo uma maior funcionalidade.
  4. 4. Classificação• 04 - Produtos de apoio para tratamento clínico individual• 05 - Produtos de apoio para treino de competências• 06 - Ortóteses e próteses• 09 - Produtos de apoio para cuidados pessoais e protecção• 12 - Produtos de apoio para mobilidade pessoal• 15 - Produtos de apoio para actividades domésticas• 18 - Mobiliário e adaptações para habitação e outros edifícios• 22 - Produtos de apoio para comunicação e informação• 24 - Produtos de apoio para manuseamento de objectos e dispositivos• 27 - Produtos de apoio para melhoria do ambiente, máquinas e ferramentas• 30 - Produtos de apoio para actividades recreativasEsta classificação consiste em três níveis hierárquicos (classes, sub classes edivisões) e os códigos de cada um correspondem a um par de dígitos (6 dígitosno total).A terminologia adotada na Norma ISO 9999:2007 é a utilizada naClassificação Internacional da Funcionalidade (CIF)
  5. 5. Classificação ( Anexo V do Diário da República, 2.ª série — N.º 16 23 de janeiro de 2012) *
  6. 6. A escolha das ajudas técnicas• É um processo que deve ser feito de uma forma cuidada, refletida e rigorosa.• Avaliação: ▫ Utente ▫ Familiares ▫ Técnicos especializados• Adequadas a cada situação.• Devem ser indicados os cuidados de manutenção a ter com cada um (se possível, deve ser feita uma revisão periódica).
  7. 7. A escolha das ajudas técnicas (cont.)• Os materiais devem ser: ▫ Seguros; ▫ Resistentes; ▫ Duráveis; ▫ Esteticamente aceitáveis pelo utente e pelos seus familiares.• O utilizador deverá informar-se junto dos técnicos e dos fornecedores qual a melhor solução em termos económicos, valorizando o binómio custo/eficácia.
  8. 8. Financiamento• Os produtos de apoio são prescritos, atribuídos e financiados no âmbito da reabilitação médico funcional, através do Serviço Nacional de Saúde (SNS) ou de outros subsistemas de Saúde.• Anualmente é publicado em "Diário da República", um Despacho Conjunto dos Ministério da Saúde e do Trabalho e da Solidariedade Social, que define os montantes a atribuir anualmente pelas diversas entidades.
  9. 9. Níveis de prescrição e entidades prescritoras• Nível 1 - Centros de Saúde e Hospitais do Nível 1;• Nível 2 - Hospitais de Nível 1 plataforma B;• Nível 3 - Hospitais Distritais plataforma A, Hospitais Centrais, Centros Especializados com equipa de reabilitação constituída por médico e pessoal técnico especializado de acordo com a tipologia da deficiência e Centros de Emprego do IEFP com serviços de medicina do trabalho.
  10. 10. Financiamento (cont.)• O financiamento das ajudas técnicas prescritas pelos Centros de Saúde e pelos Centros Especializados efectua-se pelos Centros Distritais da Segurança Social da área de residência das pessoas a quem se destinam e devem, no processo de instrução de candidatura, conter: ▫ Ficha de prescrição, de acordo com o nível de prescrição estabelecido, corretamente preenchida; (Anexo II do Diário da República, 2.ª série — N.º 16 — 23 de janeiro de 2012)* ▫ Fotocópia legível do bilhete de identidade; ▫ Três (3) orçamentos distintos para aquisição da ajuda técnica, atualizados e datados referentes ao ano do pedido.
  11. 11. Financiamento (cont.)• A análise do processo será sujeita à verificação da necessidade e/ou impacto que a ajuda técnica terá para o requerente, no contexto da sua vida quotidiana.• As instituições hospitalares financiam as ajudas técnicas/ tecnologias de apoio que prescrevem, após avaliação médico-funcional e sócio-familiar.
  12. 12. Financiamento (cont.)• “O financiamento é de 100 %, quando a ajuda técnica/produto de apoio não consta nas tabelas de reembolsos do Serviço Nacional de Saúde, do subsistema de saúde de que o cidadão é beneficiário, ou quando não é comparticipado por companhia seguradora.• Quando a ajuda técnica/produto de apoio consta das tabelas de reembolsos do Serviço Nacional de Saúde, de subsistema de saúde, ou, ainda, quando é coberta por companhia seguradora, o financiamento é do montante correspondente à diferença entre o custo da ajuda técnica/produto de apoio e o valor da respetiva comparticipação.” (Diário da República, 2.ª série — N.º 16 — 23 de janeiro de 2012) *
  13. 13. Deveres do utilizador• Não se deve precipitar na aceitação ou compra dos materiais. Deve escutar a opinião ou sugestão do técnico, da equipa, dos familiares ou dos amigos e não deve decidir sozinho.• Deve saber utilizar e funcionar eficazmente com o produto de apoio. Deve sentir-se confortável, seguro e o mais funcional possível.• Deve tratar com cuidado o seu produto de apoio, para que o mesmo se mantenha em boas condições, durante bastante tempo.• Caso já não necessite do produto de apoio que utilizava e este esteja em bom estado de conservação, deve devolvê-lo à entidade que lho forneceu.
  14. 14. Normas de conduta para os técnicos• Informar e encaminhar correctamente a pessoa que solicita ajuda;• Repetir as informações sempre que necessário;• A avaliação e o treino com os produtos de apoio deve ser sempre um processo individualizado e de acordo com as necessidades específicas de cada utilizador;• Deve haver o máximo respeito e responsabilidade pela pessoa que necessita das orientações;• Ao seleccionar um produto de apoio, escutar a opinião dos utilizadores;• Procurar ter sempre a informação actualizada sobre o Sistema de financiamento dos produtos.
  15. 15. Autocuidado: alimentar-se
  16. 16. Autocuidado: alimentar-se
  17. 17. Autocuidado: alimentar-se
  18. 18. Autocuidado: alimentar-se
  19. 19. Autocuidado: alimentar-se
  20. 20. Autocuidado: alimentar-se
  21. 21. Autocuidado: alimentar-se
  22. 22. Autocuidado: cuidar da higiene pessoal
  23. 23. Autocuidado: cuidar da higiene pessoal
  24. 24. Autocuidado: cuidar da higiene pessoal
  25. 25. Autocuidado: cuidar da higiene pessoal
  26. 26. Autocuidado: cuidar da higiene pessoal
  27. 27. Autocuidado cuidar da higiene pessoal
  28. 28. Autocuidado: arranjar-se
  29. 29. Autocuidado: vestir-se/despir-se
  30. 30. Autocuidado: vestir-se/despir-se
  31. 31. Autocuidado: vestir-se/despir-se
  32. 32. Autocuidado: vestir-se/despir-se
  33. 33. Autocuidado vestir-se/despir-se
  34. 34. Autocuidado: vestir-se/despir-se
  35. 35. Autocuidado: usar o sanitário
  36. 36. Autocuidado virar-se
  37. 37. Autocuidado: virar-se
  38. 38. Autocuidado: auto elevar-se
  39. 39. Autocuidado: auto elevar-se
  40. 40. Autocuidado: transferir-se
  41. 41. Autocuidado: transferir-se
  42. 42. Autocuidado: andar
  43. 43. Autocuidado: andar
  44. 44. Autocuidado: andar
  45. 45. Autocuidado: usar a cadeira de rodas
  46. 46. Autocuidado: usar a cadeira de rodas
  47. 47. Autocuidado: usar a cadeira de rodas
  48. 48. Capacidade para gerir o regime:Regime medicamentoso
  49. 49. Comunicação
  50. 50. Outras ajudas
  51. 51. Outras ajudas
  52. 52. Ortóteses
  53. 53. Ortóteses
  54. 54. • http://www.inr.pt• http://dre.pt/pdf2sdip/2012/01/016000000/0261602627. pdf• http://www.acessibilidade.gov.pt/• http://www.inov.pt/• http://www.weadapt.eu/index.php?option=com_flippingb ook&view=book&id=2&Itemid=36&lang=pt• http://miminhosaosavos.com• https://www.prosavos.com• http://www.alojadoavo.pt• http://ajudasvitais.com• http://www.ajudas.com• http://www.wecare-servicos.com• http://www.maisquecuidar.com• http://www.vivermelhor.pt• http://www.medicalemcasa.com

×