Absg 12-q2-p-l11-t

1.274 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.274
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
816
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Absg 12-q2-p-l11-t

  1. 1. AUXILIAR DO MODERADOR e denegrir a função do Espírito Santo? Até que ponto isso pode levar ao LIÇÃO 11 10 a 16 de junho de 2012 desânimo, sobretudo se não se alcançarem os nossos objetivos? 2. llen G. White escreve: “Deus poderia ter confiado aos anjos celestes a E mensagem do Evangelho e toda a obra do ministério de amor…. Mas no Seu amor infinito preferiu tornar-nos cooperadores Seus.” – Aos Pés de Dar a Conhecer à Igreja Cristo, p. 79 (edição P.A., p. 77). Como é que reagimos a esta afirmação? Para aqueles que estão envolvidos SÁBADO À TARDEno evangelismo numa atitude centrada em obras, até que ponto esta revelaçãopode ser como um metafórico balde de água fria sobre a sua cabeça? LEITURA PARA O ESTUDO DA SEMANA: Atos 4:1-31, 21:19-25; I Coríntios 4.º PASSO – APLICAR! 9:19-23; Números 13:17-33; Atos 11:1-18. Só para o Moderador: Aproveite os poucos momentos finais do estudo da VERSO ÁUREO: “E os apóstolos juntaram-se a Jesus, e contaram-lhelição para orientar a classe de volta à pessoa de Cristo – a âncora da nossa fé e tudo, tanto o que tinham feito como o que tinham ensinado.” Marcos 6:30.do nosso testemunho. Num mundo ideal, o nosso compromisso com o testemunhar resultaria sim- PENSAMENTO-CHAVE: O livro de Atos, como relatório dos esforços missioná-plesmente da nossa resposta ao sacrifício e ao amor de Jesus por nós. Contudo, rios da Igreja do primeiro século, está repleto de lições para nós hoje.segundo as palavras das Escrituras, e segundo a nossa própria experiência,vemos que há outras forças poderosas em ação – forças que conseguem sub- O INCRÍVEL CRESCIMENTO DA IGREJA DO PRIMEIRO SÉCULO tem mo-verter as boas intenções que temos. Seremos nós alguma vez capazes de desa- tivado muitos a estudar o livro de Atos. Por conseguinte, muitas áreas da vida datar o desesperadamente complicado nó dos nossos motivos e desejos – sejam Igreja têm sido analisadas à luz deste livro – áreas como o crescimento da Igreja,eles conscientes ou inconscientes? Será necessário fazê-lo? Ou bastará sim- as missões no estrangeiro, a administração na Igreja e o evangelismo. Emboraplesmente reconhecer a nossa incapacidade e entregar todo esse emaranhado muito tenha sido recolhido do livro de Atos a respeito destes tópicos, há outraconfuso nas mãos amorosas do nosso Criador? áreas, como seja a apresentação de relatórios, que não receberam a atenção que merecem. Atividades: Encerre a classe com a leitura do Salmo 51:1-13, escrito porDavid depois de se arrepender do pecado de adultério cometido com Bate-Seba. A apresentação de relatórios no livro de Atos assenta na prática vinda dosDavid reconheceu francamente que Deus o conhecia por dentro e por fora – o Evangelhos e mostra que esta importante atividade da vida da igreja tem umbom, o mau e o horrível. E então David entregou-se humilde, embora confian- impacto significativo no sucesso do testemunho e do evangelismo. Muito sim-temente, à misericórdia de Deus. Leiam o salmo como uma oração, em espírito plesmente, precisamos de saber o que se está a passar, aquilo que funciona ede meditação. Concentrem-se, sobretudo, nos versículos 10-13. De que modo aquilo que não funciona.essas poucas palavras resumem os temas principais da lição de hoje? Vamos examinar esta semana o modo como os primeiros evangelistas apre- sentavam relatórios aos seus dirigentes e à Igreja no seu todo. O objetivo é compreender a importância da apresentação de relatórios e ver onde é que isso promove as estratégias de testemunho e de evangelismo numa igreja local. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 52 e 53; João 2:1-11; DTN, cap. 15.144 145
  2. 2. DOMINGO, 10 de junho UM PRINCÍPIO BÍBLICO SEGUNDA, 11 de junho “O QUE DEUS TINHA FEITO” Logo que alguém menciona relatórios, imaginam-se resmas de papel cheias Somos continuamente lembrados de que, na maior parte das áreas da vida,de factos e de estatísticas que, provavelmente, pouco mais farão do que ganhar uma comunicação eficiente é o segredo da compreensão e da harmonia. Aopó. No entanto, a apresentação de relatórios não é uma invenção moderna des- pensarmos na família da Igreja, vemos que o hábito de relatar as atividades e ostinada a frustrar aqueles que estão envolvidos em testemunho e evangelismo. respetivos resultados é uma parte vital da comunicação interna. Em muitas igre-É um princípio bíblico. Como revela o verso áureo desta semana, quando os jas, há muitas atividades, mas só os que estão envolvidos em cada uma delasdiscípulos voltaram de uma viagem missionária, relataram a Jesus tudo o que sabem aquilo que aí está a acontecer. Devido a isto, há entre os que dirigem astinham feito e ensinado. Isto parece ser uma parte central da obra do evangelho. atividades o sentimento de que não há grande interesse naquilo que andam a Embora não seja possível apontar um texto bíblico específico que diga “Tens fazer. Estes sentimentos não são de surpreender, se esses dirigentes nunca par-de fazer um relatório porque…”, há ampla evidência de que os relatórios eram tilham os objetivos e as estratégias com a igreja e nunca apresentam relatóriosimportantes tanto no Antigo como no Novo Testamentos. A apresentação de re- das suas atividades e resultados.latórios é uma atividade numa cadeia de acontecimentos. Isto é, alguém preparaum relatório, alguém recebe o relatório, o relatório é avaliado e, depois, são Leia Atos 21:19-25. Até que ponto foi a Igreja afetada quando os crentestomadas decisões e são planeadas medidas em resposta ao que foi relatado. ouviram os relatórios missionários do apóstolo Paulo? Ao mesmo tempo, mesmo entre os bons relatórios, havia indícios de divisão entre os cren- Analise Atos 4:1-31. Que relatório fizeram Pedro e João quando voltaram tes. Que problemas eram esses, como é que Paulo reagiu, e que liçõespara junto dos seus companheiros, e o que é que esse relatório motivou a podemos nós retirar daí para os nossos dias? Veja também I Cor. 19-23.Igreja a fazer? Que lições aí encontramos para nós hoje? Regressado a Jerusalém depois de uma viagem missionária, Paulo relatou a Tiago e a todos os anciãos o modo como Deus tinha abençoado o seu ministério entre os Gentios. À medida que Paulo relatava um a um os muitos progressos do evangelho, os dirigentes da Igreja reagiam com espontâneo e genuíno louvor Pense que não havendo jornais, rádios ou televisão por satélite, a palavra a Deus.falada de boca em boca era o meio principal de espalhar as boas novas acerca Simultaneamente, porém, havia evidências de divisão e de confusão, mesmode Jesus. Se aqueles primeiros crentes tivessem cedido a ameaças feitas contra no meio das boas novas do testemunho de Paulo.eles, então a sua influência a favor de Deus teria sido severamente reduzida. Por “Muitos dos judeus que tinham aceitado o evangelho ainda acariciavam umaisso, reuniram-se todos, ouviram os relatórios e depois decidiram uma estratégia certa deferência para com a lei cerimonial, e estavam demasiado dispostos aque os capacitaria a ser fiéis ao seu chamado evangelístico. fazer concessões imprudentes, esperando, dessa forma, ganhar a confiança dos Fundamental em tudo isto, foram, naturalmente, as suas orações e a leitura seus concidadãos, remover os seus preconceitos e ganhá-los para a fé em Cris-das Escrituras. Se nada mais retirarmos desta história, podemos pelo menos to como Redentor do mundo. Paulo compreendeu que, enquanto muitos dosperceber a importância que tinham para eles a oração e a confiança na Palavra principais membros da igreja em Jerusalém continuassem a manter o precon-de Deus. Hoje em dia, as coisas não deveriam ser diferentes entre nós. ceito contra si, procurariam constantemente prejudicar a sua influência. Acredi- Embora não tenhamos os pormenores daquilo que os discípulos possam ter tava que, se através de alguma concessão razoável pudesse ganhá-los para aplaneado, o versículo 29 mostra que, apesar das ameaças feitas contra eles, verdade, removeria um grande obstáculo ao êxito do evangelho noutros lugares.decidiram continuar a falar acerca de Jesus. Não estava, porém, autorizado por Deus a ceder tanto quanto pediam.” – Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, pp. 286, 287, ed. P. Servir. As Escrituras foram citadas tanto diante dos dirigentes da nação como diante dos outros crentes judeus, mostrando como elas eram Nos nossos dias também nos debatemos com divisão entre nós fundamentais para a sua fé e o seu testemunho. Têm as Escrituras um quanto à forma de melhor chegar às pessoas. Quais são alguns dos lugar central e fundamental na sua vida pessoal? (Um palpite: pode sa- conflitos particulares da Igreja na sua região do mundo, e de que modo ber qual a resposta se pensar em quanto tempo lhes dedica.) pode contribuir para encontrar uma solução?Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 54 e 55; João 2:12-25; DTN, cap. 16. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 60-62; João 3:1-17; DTN, cap. 17.146 147
  3. 3. TERÇA, 12 de junho A IMPORTÂNCIA DOS RELATÓRIOS QUARTA, 13 de junho RELATÓRIOS E MOTIVAÇÃO A importância da prática de relatar as atividades de evangelismo e testemunho Quando falamos de motivação, estamo-nos a referir àquelas razões profundamentee os respetivos resultados nem sempre tem sido vista e, consequentemente, nem enraizadas que nos levam a acreditar ou a fazer coisas. Isto também é verdade a res-sempre foi seguida. Em todas as áreas da movimentada vida moderna, a impor- peito da apresentação de relatórios. Quando relatamos alguma coisa, fazemo-lo portância é atribuída às coisas em proporção ao valor que nelas se percebe. Coisas uma razão ou por várias. As nossas razões poderiam ser simplesmente uma tentativaque sejam tidas como perda de tempo e de esforços geralmente não recebem de convencer um conselho a continuar a dar fundos para o projeto. Ou pode fazer-segrande dose de tempo e atenção. Por conseguinte, a importância da apresentação um relatório de maneira a convencer as pessoas a descontinuar um programa ou ade relatórios tem de ser demonstrada. Isto é, os membros da igreja precisam de mudar o pessoal dirigente. Se for relatada ou realçada informação selecionada, então é provável que as decisões tomadas com base na avaliação desse relatório não sejamver o que está a ser alcançado com a avaliação dos relatórios. as melhores. Daí que a nossa apresentação de relatórios deva ser honesta e justa. Existe uma diferença entre o simples relatar de factos nus e crus e a partilha daforma como as atividades representadas por esses factos são uma parte do êxito Leia Números 13:17-33. Todos os doze espias viram as mesmas coisas; o quedos esforços da igreja para alcançar pessoas para Cristo. É responsabilidade da- levou a que apenas dois dos doze reagissem como reagiram? Que lições pesso-queles que apresentam os relatórios garantir que estes transmitem o entusiasmo e ais devemos nós retirar deste incidente?a alegria do sucesso que resulta do estar envolvidos na atividade relatada. Embora Deus tivesse prometido que os filhos de Israel tinham certamente possibili- Se retirássemos do livro de Atos todos os relatórios de atividade evan- dades de conquistar a terra, alguns dos espias não estavam muito convencidos. Josuégelística, que emocionante e encorajadora informação se perderia, a qual é e Caleb apresentaram um relatório positivo da terra e sugeriram que podiam avançarfornecida nos seguintes versículos? Atos 5:14, 8:4 e 12, 11:21, 14:21. de imediato e tomá-la (v. 30). Os outros, que estavam com eles quando espiaram a terra, apresentaram um relatório negativo, salientando os obstáculos para a sua pos- sessão e sugerindo que regressassem ao Egito. O espantoso crescimento da Igreja relatado no livro de Atos não aconteceu por Ao prepararmos relatórios, devemos fazê-lo com atenção à vontade revelada deacaso. Fortalecidos pelo Espírito Santo, e lembrados da promessa de sucesso fei- Deus e à luz das Suas bênçãos. Não nos limitaremos a relatar como estamos a fazerta por Jesus, os crentes dedicaram-se a atividades que conduziram a esses resul- bem, mas como estamos a cumprir bem a vontade de Deus (veja Mat. 7:21). Há sem-tados. Estavam concentrados naquilo que desejavam alcançar e na melhor forma pre o potencial de vir a ser apanhado nos modelos mais recentes de atividade evan-de o conseguir. Está relatado que, através da pregação do evangelho, multidões gelística e de medir o nosso sucesso pela forma como estamos a implementar bemde homens e mulheres voltaram para o Senhor e foram batizadas como parte do tais princípios em comparação com outras igrejas. Ao relatarmos os nossos aparentesseu processo de discipulado. Uma vez mais, isto sublinha a importância da prática sucessos, podemos estar mais interessados em parecer bem sucedidos do que emde relatar os resultados e as atividades em tanto pormenor quanto seja possível. procurar a vontade de Deus para a nossa igreja e em prosseguir pela Sua graça.De facto, a Bíblia relata os resultados das atividades de testemunho e de evange- Este é um desafio que se coloca às nossas igrejas hoje em dia, quando parece quelismo mais do que relata os pormenores das próprias atividades. somos bombardeados por infindáveis “melhores” maneiras de fazer trabalho missio- Aqueles primeiros missionários foram por toda a parte onde lhes era possível nário. No relatório dos espias, Josué e Caleb também viram certamente os obstáculosir, pregando acerca de Jesus e do Seu reino. Graças aos resultados relatados que se levantavam à conquista da terra, mas também conheciam a vontade de Deus.e registados, imaginamos que eles também faziam poderosos apelos aos seus Por conseguinte, uma parte importante do seu relatório assegurava ao povo que aouvintes. Esta pregação contínua e os apelos permanentes trouxeram resultados posse da terra era certamente possível. Por outro lado, aqueles espias cujo pensarextraordinários ao crescimento da Igreja, tal como registado no livro de Atos. não incluía reflexões sobre a vontade de Deus trouxeram consigo um relatório com- pletamente negativo, calculado para convencer o povo de que a melhor opção era o regresso ao Egito. É, naturalmente, encorajador ouvirmos histórias de esforços evange- lísticos bem sucedidos. Como reagimos, porém, quando as coisas não Como é que se consegue o equilíbrio entre viver pela fé, reclamando as correm assim tão bem, quando parece que os nossos planos falham, promessas de Deus e agindo com base nelas, e viver pela presunção e pelo quando os nossos trabalhos parecem não alcançar nada de bom? Qual fazer coisas, talvez nem sempre as mais sensatas, recorrendo a afirmações deve ser a nossa reação? Analise a sua resposta com a classe no dia dúbias sobre a “direção” de Deus, com vista a justificá-las? Como é que se de Sábado. pode escolher a primeira atitude e evitar a última?Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Jeremias 4-6; João 3:18-36; DTN, cap. 18. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Jeremias 7 e 8; João 4:1-42; DTN, cap. 19.148 149
  4. 4. QUINTA, 14 de junho DAR A GLÓRIA A DEUS SEXTA, 15 de junho Algumas pessoas hesitam em apresentar relatórios de sucesso, porque pen- ESTUDO ADICIONAL: Relatar a Sua Atividadesam que esta é uma forma de se vangloriarem com os feitos humanos. Na rea- Como vimos ao longo desta semana, os outros precisam de saber aquilo que anda-lidade, porém, Deus é glorificado pela apresentação de relatórios fiéis, e a Sua mos a fazer. Os relatórios específicos sobre os números das presenças e as informa-Igreja é fortalecida na fé e permanece decidida a continuar a trabalhar por Ele. ções financeiras são certamente necessários. Também é importante que sejam apre-Embora seja verdade que, ocasionalmente, alguém possa apresentar um re- sentados relatórios na comissão de evangelismo da igreja e nos conselhos da igreja.latório com uma motivação menos digna, tal não deve impedir os crentes que Embora um relatório verbal possa tocar ao de leve nos pontos principais, é bom quesão humildes de partilhar as grandes coisas que Deus tenha operado por seu seja entregue um relatório escrito com tanto pormenor quanto seja possível. Não só esta informação manterá as pessoas interessadas na sua atividade e tornaráintermédio, ao capacitá-los a ser testemunhas e evangelistas em Seu nome. A mais fácil animar o envolvimento de pessoas, mas também promoverá diretamente aapresentação de relatórios, se feita com humildade, entusiasmo e amor pelas al- avaliação e o planeamento e orientação para o futuro.mas, pode encorajar em grande medida outros membros da igreja a envolver-se Certifique-se de que os seus relatórios são apresentados com referência aos planostambém no trabalho de evangelismo e conquista de pessoas. gerais de evangelismo da igreja. Explique como a sua atividade faz parte de uma estra- tégia que está a contribuir para a consecução dos objetivos da igreja. Leia Atos 11:1-18. De que modo reagiram os dirigentes e membros da Esteja muito atento à sua motivação para a apresentação de relatórios. Até queigreja de Jerusalém ao relatório de Pedro sobre o trabalho entre os Gen- ponto está concentrado na vontade de Deus para a sua igreja e para a salvação detios? Até que ponto os princípios aí revelados se demonstram importantes pessoas?para nós nestes tempos? PERGUNTAS PARA REFLEXÃO: 1 Recorde a última pergunta da secção de terça-feira. Como é que se faz um relatório de “más notícias”? É mais do que natural preferirmos falar dos Tinha havido críticas ao apóstolo Pedro e a outros que se tinham lançado no sucessos que vivemos. As pessoas fazem-no mesmo nas coisas mundanastestemunho e na evangelização fora dos círculos judaicos; foi então que, depois da vida. Mas que dizer do trabalho de evangelismo? O que é que se faz seda apresentação do relatório de Pedro à igreja de Jerusalém, cessaram as críti- um programa da igreja não está a dar resultados? De que modo deve issocas e os outros crentes judeus deram glória a Deus. ser analisado e revisto, de maneira que resulte nas mudanças necessárias? Da nossa perspetiva hoje em dia, não é fácil compreender as questões em Mais ainda, analisem esta questão: Se atribuímos o sucesso no evangelis-causa naquela altura. O evangelho deve, obviamente, ser levado a toda a gen- mo ao Senhor, a quem deitamos as culpas se as coisas não correm assimte, para salvação de Judeus e Gentios – mesmo que “primeiro do judeu” (Rom. tão bem?1:16). Toda a gente sabe isto. Contudo, no contexto do livro de Atos, a ideia das 2 Pense no tema considerado na quinta-feira a respeito da mudança depromessas do concerto se estenderem também aos gentios requeria uma gran- atitude que precisavam de ter os crentes judeus quanto ao trabalho entre osde mudança no pensamento judaico. No entanto, graças aos relatórios da ação e Gentios. Pense na sua própria igreja, na cultura e na sociedade. Por muitodas bênçãos de Deus, os membros da Igreja obtiveram uma nova compreensão que possamos afirmar dogmaticamente a nossa crença de que o evangelho se destina a todo o mundo, em que aspetos poderão os nossos própriosdo desejo de Deus de salvar todos os povos, em todos os lugares, embora tives- preconceitos culturais e sociais precisar do mesmo tipo de mudança vividose desde sempre sido plano de Deus salvar todos os que haviam de ser salvos por aqueles primeiros crentes judeus?(Efé. 1:1-4; Isa. 53:6; Heb. 2:9). 3 Embora o contexto do estudo desta semana fosse sobre a apresen- Um leitor normal talvez não leve mais do que dois minutos a ler o relatório de tação de relatórios de atividades evangelísticas, pense em todo o conceitoPedro em Atos 11:1-18. Podemos, com segurança, supor que o relatório apre- de apresentar algum tipo de relatório em qualquer tipo de situação. Como ésentado, as perguntas que se seguiram e as novas respostas sobre o relatório que nos asseguramos de que somos sempre honestos e verdadeiros, e deterão levado consideravelmente mais tempo. Além disso, embora Pedro se refira que não distorcemos informação de modo a que nos conceda aquilo quea si ao longo do relatório, e embora alguns membros tivessem naturalmente dito queremos, independentemente de quão tendenciosas sejam as nossas pa-“ bom trabalho, Pedro”, toda a glória foi dada a Deus, e os dirigentes da Igreja lavras? Por que razão é tão fácil proceder assim, e por que razão é tão fácilsentiram-se encorajados ao compreender melhor que o mandato do evangelho a enganarmo-nos a nós mesmos com esse procedimento?ser levado a todo o mundo podia tornar-se uma realidade.Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Jeremias 9-11; João 4:43-54; DTN, cap. 20. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Jeremias 12 e 13; João 5; DTN, cap. 21.150 151
  5. 5. As Minhas Notas Pessoais AUXILIAR DO MODERADOR Texto-Chave: Marcos 6:30 Com o Estudo desta Lição o Membro da Classe Vai: Aprender: A sintetizar os benefícios que resultam de apresentar relatórios ao restante corpo da igreja sobre os resultados das ações de testemunho e evangelismo. Sentir: O desejo de partilhar o entusiasmo e o ânimo que a alegria na obra de Deus desperta no seu coração. Fazer: Relatar honestamente os frutos dos seus trabalhos, a fim de informar a igreja e ajudá-la na avaliação e no planeamento de trabalho futuro na seara. Esboço da Aprendizagem: I. Aprender: Relatar os Resultados A.De que modo a apresentação de relatórios dos resultados dos trabalhos de testemunho e de evangelismo contribui para que a igreja dê glória a Deus? B. or que razão a apresentação de relatórios é importante para futuros P trabalhos nos campos a ceifar? C. e que modo é que a apresentação de relatórios ajuda a igreja a unir-se D em oração e louvor? II. Sentir: Partilhar a Alegria A. uais foram as reações da comunidade de crentes aos relatórios que os Q apóstolos apresentaram à Igreja do primeiro século? B. or que motivo é importante partilhar com o conjunto da igreja a alegria P da ceifa? III. Fazer: Falar do Que se faz A. ue benefícios nos traz não só “fazer o que se fala”, mas também “falar Q do que se faz”, aos outros na nossa família da igreja? B. que foi que aprendeu recentemente no seu trabalho para Deus, capaz O de poder ser partilhado com os seus companheiros de missão? Sumário: Apresentar relatórios sobre o nosso trabalho, ao procurarmos fazer a vontade de Deus nos campos da seara, contribui para encorajar outros a envolver-se, para se planear o futuro e para dar glória por aquilo que Deus fez enquanto trabalhávamos com Ele.152 153
  6. 6. AUXILIAR DO MODERADOR AUXILIAR DO MODERADOR CICLO DA APRENDIZAGEM vas da salvação foi motivada por um acontecimento sobrenatural. No final do seu livro, Lucas descreve um grupo de discípulos espantados a procurar desespera- 1.º PASSO – MOTIVAR! damente perceber o reaparecimento do seu Salvador recentemente crucificado. Lucas comenta: “Então abriu-lhes o entendimento para que compreendessem Conceito-Chave para Crescimento Espiritual: Embora a apresentação de as Escrituras” (Lucas 24:45) – as Escrituras que estavam relacionadas com a Sua relatórios sobre os nossos esforços de testemunho e evangelismo não seja vinda, a Sua morte, ressurreição e ascensão. O tempo após a Ressurreição que tão importante como as novas do próprio evangelho, representa um elo chave os discípulos passaram com Jesus deixou uma marca indelével na sua consciên- no encadeamento do plano de Deus para a salvação da humanidade perdida. cia. Como é que eles poderiam tratar da sua vida diária e não falar das maravilho- É fundamental que se comunique a atividade de Deus a toda a igreja. sas notícias do seu Salvador, que tinha vencido a morte? Ellen White escreve que, à medida que o Salvador ressurreto explicava aos Só para o Moderador: A lição desta semana analisa os mecanismos de co- discípulos as profecias a respeito da obra da Sua vida, estes “começaram a com-municação da Igreja do primeiro século, colocando uma ênfase especial no efeito preender a natureza e extensão da sua obra e a reconhecer que deviam procla-que a comunicação tem tanto nos dirigentes como nos leigos. Ao preparar-se mar ao mundo as verdades que lhes tinham sido confiadas. Os acontecimentospara o estudo na classe, comece com uma breve troca de impressões sobre o da vida de Cristo, a Sua morte e ressurreição, as profecias que apontavam paraambiente tão denso de meios de comunicação existente nos nossos dias. esses acontecimentos, os mistérios do plano da salvação, o poder de Jesus para Vivemos num mundo saturado de meios de comunicação. Há benefícios profun- perdão de pecados – tinham sido testemunhas de todas estas coisas e deviamdos em viver num tempo em que as notícias viajam à velocidade da luz. Quando um dá-las a conhecer ao mundo.” – Atos dos Apóstolos, p. 22, ed. P. SerVir.tremendo terramoto devastou o Haiti em 2010, as notícias da devastação galvani- Pense Nisto: Os discípulos sentiram-se motivados a partilhar as novas dazaram o apoio mundial em favor das vítimas. O trabalho de socorro foi precursor de salvação quando compreenderam a obra e o ministério de Cristo. O que é queuma novidade na forma de doações: fazer doações por mensagem eletrónica. isto nos diz sobre a importância de conhecer e compreender quem Jesus é e o Contudo, aquilo que a tecnologia trouxe também levou. Logo que os meios de que Ele veio realizar?comunicação “mudaram de canal” sobre o Haiti, o mundo rapidamente foi atrás.Hoje em dia, raramente há nos noticiários uma menção da crise no Haiti. Que II. A Grande Missãolição se retira disto? A crise é importante, mas só por pouco tempo. (Leia Mateus 28:18-20; I Coríntios 9:19-23.) Pense Nisto: Peça aos alunos que falem da forma como tendem a reagir às Escreveram-se incontáveis volumes sobre a missão evangélica, o chamadonotícias das crises que ocorrem por todo o mundo. Se acontecimentos mundiais de Jesus para que homens, mulheres, meninos e meninas sejam levados a umchocantes não conseguem captar a atenção das pessoas por muito tempo, que conhecimento redentor d’Ele. Todos os seguidores de Cristo são chamados aprobabilidades terão de o conseguir as boas novas da salvação? Troquem im- realizar este trabalho. Quando a missão é vivida e praticada, as pessoas reparampressões sobre este assunto. nisso. Haverá um “rumorejar”. A apresentação de relatórios sobre o evangelho não é, portanto, nenhum exer- 2.º PASSO – ANALISAR! cício de narcisismo. Na realidade, tal como o estudo da secção de quinta-feira torna claro, quando as obras de Deus são relatadas há pouco a fazer a não ser Só para o Moderador: Esta secção vai ter em conta o que motivava os primei- dar-Lhe glória e louvor.ros evangelistas a relatarem à crescente família da fé os resultados da divulgação Por que razão isto é assim? Talvez tenha alguma coisa a ver com a natureza edo evangelho. Os discípulos eram motivados pela ressurreição de Jesus, desafia- o alcance da missão evangélica. “O Cristianismo foi a primeira religião a assumirdos pela Grande Missão e fortalecidos pela presença do Espírito Santo. um caráter verdadeiramente internacional. As religiões pagãs estavam de modo geral vazias de zelo e de atividade missionários. Eram principalmente de caráter COMENTÁRIO BÍBLICO nacional e não se predispunham a fazer conversos dentre outros grupos nacio- nais. O mandato do evangelho eliminou efetivamente as fronteiras, e os homens I. Um Fogo Novo de todas as nações descobrem que são membros de uma grande irmandade.” – (Recapitule com a classe Lucas 24:36-49; Atos 21:19-25.) SDABC, Comentário Bíblico ASD, vol. 5, p. 557. Esta fé que quebrava fronteiras era uma maravilha para o mundo em que os O estudo da secção de quarta-feira analisou algumas das razões por que cre- apóstolos atuavam, e continua a ser uma maravilha nos dias de hoje.mos e fazemos certas coisas. Vale a pena lembrar que a divulgação inicial das no-154 155
  7. 7. AUXILIAR DO MODERADOR AUXILIAR DO MODERADOR Pense Nisto: O mandato evangélico, quando praticado em toda a plenitude, quentemente testemunhos pessoais da orientação e ação de Deus na suademonstra o poder da unidade e do amor num mundo fraturado. De que modo a vida e na vida de outros. O que é mais importante, e porquê: o relatóriosubstância da nossa fé influencia os relatórios informativos que as pessoas levam daquilo que Deus está a fazer na minha vida ou o relatório daquilo que Elea outras a respeito dessa fé? O que dizem as pessoas sobre o Cristianismo, com está a fazer na vida da igreja?base na forma como nós o pomos em prática? Perguntas para Testemunho: III. A Ação do Espírito 1. e que maneira pode uma pessoa tímida e introvertida falar da mensagem D (Leia com a classe Atos 1:8, 11:15.) do evangelho? Enumere três opções que essa pessoa poderá analisar a fim de ajudar a cumprir o mandato de Deus. O Espírito Santo era indispensável para o trabalho dos primeiros discípulos. 2. lição desta semana apontou que nem toda a gente ficou satisfeita com os AFoi o derramamento do Espírito que fez deles vasos nas mãos de Deus para feitos de Deus, tal como relatados pelos primeiros evangelistas. O que devesalvar os seres humanos caídos. a igreja fazer quando alguns membros discordam daquilo que outros consi- Pedro, em Atos 11:1-18, deu testemunho da movimentação do Espírito. Fica- deram ser a ação de Deus? De que modo lidamos com conflitos concretos-se com a sensação nesta passagem de que o apóstolo não estava tanto a ar- no ministério? Até que ponto esses conflitos afetam os crentes recentes?gumentar sobre o caso da inclusão dos crentes gentios na família da fé, comoestava, sim, a relatar a ação de Deus. Deus dera-lhes o dom, e Pedro nada podia 4.º PASSO – APLICAR!fazer para alterar o plano de Deus (v. 17). No livro de Atos, vê-se o Espírito Santo a encher os crentes (Atos 2:4), a des- Só para o Moderador: A lição desta semana lembra-nos que a apresentaçãocer sobre aqueles que se arrependem e são batizados (Atos 15:8) e a conduzir de relatórios faz parte do sucesso do trabalho geral da igreja no testemunho e noe a orientar os dirigentes na Igreja (v. 28). Estes são apenas alguns dos feitos do evangelismo. A atividade sugerida abaixo analisa a forma como a igreja deve fun-Espírito Santo no livro de Atos. cionar numa época de grandes igrejas e de saturação de meios de comunicação. Os admiráveis relatórios dos primeiros crentes dão testemunho de alguma coi- Troquem impressões na classe sobre as afirmações que se seguem.sa nova, poderosa e dinâmica a operar na sua vida e na vida daqueles que eles Atividades:procuravam alcançar. Deus estava a atuar neles e por meio deles. É difícil exagerar os efeitos que essa “cultura de grandes igrejas” está a ter no Pense Nisto: Em que aspetos vemos evidências similares da atuação de Deus conceito de Cristianismo nos nossos dias. As pequenas congregações em desen-no mundo de hoje? Como é que podemos garantir que há substância nos relatórios volvimento questionam-se se estão na verdade a fazer a vontade de Deus devidoque apresentamos? Qual é o perigo que há em transmitir relatórios empolados que à simples falta dos números impressionantes que têm as igrejas maiores.nos fazem sentir bem acerca dos nossos débeis esforços para Deus? Fala-se muito de casas, carros, roupas e influência, bênçãos, dizem alguns, que deviam acompanhar todos os que assumem o nome de Cristo. Há muitos 3.º PASSO – PRATICAR! ministérios que desenvolveram campanhas vistosas nos meios de comunicação para melhorar o “mercado” do evangelho, numa tentativa de “fazerem concorrên- Só para o Moderador: Esta secção analisa os relatórios que levamos ao mun- cia” pelas pessoas. Nalguns casos, há uma cultura de entretenimento que se temdo. Enquanto a classe analisa o chamado que nos é feito para divulgar o conhe- infiltrado na igreja.cimento das boas obras de Deus, concentrem-se na prática pessoal desta diretriz Reparem nas afirmações que se seguem e vejam se concordam ou não com ona vida do cristão. que aí é dito. Apresentem as vossas razões. 1. A Igreja deve evitar todas as formas de meios de comunicação, concentran-Perguntas para Reflexão: do-se, antes, nas atividades de porta a porta e de pessoa a pessoa. 2. A Igreja deve recorrer a todas as formas de tecnologia, a fim de divulgar a 1. e Jesus achou suficientemente importante explanar diante dos discípulos S sua mensagem junto dos membros e do mundo. as profecias a respeito da Sua vida e obra (Lucas 24:45), que razão leva a 3. A Igreja deve evitar espampanantes campanhas de publicidade. O evange- que alguns, hoje em dia, ponham de lado o estudo da profecia bíblica? De lho não precisa de ser enfeitado. que modo essa relutância afeta a divulgação do evangelho? 4. Mediante um uso criterioso dos meios de comunicação, a Igreja deve gerir 2. e Deus não está a atuar na nossa vida, como é que nos vamos aperceber S a sua imagem. Ao fazê-lo dessa maneira, os membros sentem orgulho na sua da Sua movimentação no mundo? Os primeiros evangelistas davam fre- igreja, e os novos crentes acabarão por admirar o trabalho e a prática da igreja.156 157

×