Egas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDER

4.017 visualizações

Publicada em

7 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.017
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
7
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Egas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDER

  1. 1. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 1 I. INTRODUÇÃO 1.1. Generalidades O tomate (Lycopersicon esculentum Mill) é classificado, na olericultura, como uma cultura herbácea, anual, podendo ser de crescimento determinado ou indeterminado. Ele tem uma quantidade apreciável de β-caroteno, que é transformado em vitamina A no corpo humano, e vitamina C, é também uma hortícola comercial importante para os agricultores familiares e comerciais (Naika, et al., 2006). Stratton & Rechcigl (1998), definem cobertura morta (mulching ou mulch), como sendo material orgânico não contaminado aplicado sobre a superfície do solo. Em zonas tropicais, o uso da cobertura morta tem sido uma técnica muito recomendada devido aos seus efeitos benéficos sobre as suas plantações de hortaliças. Segundo Tilander & Bonzi (2003), a cobertura morta, beneficia na redução do impacto da chuva, diminui a presença de plantas infestantes, ajuda a reter a água do solo e propícia no fornecimento de nutrientes para solo. Em Moçambique, em particular para as zonas de solo arenoso a franco-arenoso (caso de Vilankulo), o material vegetal desidratado não contaminado é comumente usado pelos horticultores locais como cobertura morta, nas suas plantações, porque propicia um suprimento mais uniforme da água, evita a ocorrência de plantas infestantes, reduz a amplitude da variação da temperatura do solo resultante da insolação, além de proporcionar outras vantagens como o controlo a erosão, correção do balanco químico do solo e redução dos danos causados por pragas e doenças. Segundo Varela et al., (2003), o espaçamento óptimo nos canteiros (parcelas), é muito essencial para evitar a sob ou sobre utilização da área útil de cultivo. Para Filgueira (2000), na cultura de tomate, o espaçamento entre as plantas e linhas depende do porte da cultivar, do tipo do solo, do sistema de cultivo, forma de crescimento (prostrado ou erecto), o plantio em sulcos deve ser feito a 20 cm de profundidade, com o espaçamento de 1,0 m entre linhas e 0,4 m entre plantas.
  2. 2. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 2 1.2. Problema de estudo e justificação Em Moçambique, para um bom rendimento, o Tomate requer uma boa práctica dos amanhos culturais e uso de espaçamento de plantio óptimo nos canteiros, de modo que haja condições óptimas na zona radicular, onde a planta obtém os nutrientes e a humidade que necessita para se desenvolver (Alves, 1989). Os produtores de tomate de Vilankulo enfrentam diversos problemas devido, em destaque para a maior infiltração da água dos seus solos, a evaporação dos solos, a formação de crostas e não obediência de espaçamento de plantio nos canteiros da cultura. Em solos arenosos, para fazer face a este problema há necessidade de haver recomendações técnicas e científicas de cultivo de tomate para os produtores desta cultura em solos arenosos, com disponibilidade de restos vegetais não contaminados que possam usar como cobertura morta e a determinação de um espaçamento óptimo de plantio nos canteiros para maximizar o rendimento nas condições edafo-climáticas locais. Segundo Filgueira (2000), a cobertura morta pode reter muita água o que significa que em épocas de seca haverá mais água disponível para as plantas, durante um período mais longo, esta propriedade é particularmente importante para os solos arenosos, pois estes retêm pouca água. A cobertura morta além de proporcionar o controlo de determinados patógenos de solo, actua na conservação da humidade do solo, controlo de ervas daninhas, redução na lixiviação de nutrientes, prevenção da compactação e erosão do solo, afecta passivamente a microflora e microfauna antagonista, favorece o desenvolvimento da planta e reduz o uso de substâncias químicas, isso quando utilizado de maneira adequada (Housbeck et al., 1996; Galindo et al., 1984; Jones et al., 1974). A produção e a massa média de tomate são influenciadas pela densidade de plantas e pelo número de ramos por planta. Quanto maior a densidade nos canteiros e o número de ramos por planta, menor será a produção total comercial, a produção de frutos grandes e a massa média dos frutos grande e médio, e maior será a produção de frutos pequeno (Oliveira et al., 1995; Camargos, 1998). O presente trabalho visa avaliar o efeito da cobertura morta (mulching) e de espaçamento nos canteiros na cultura de tomate, de forma a fornecer informações científicas aos
  3. 3. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 3 produtores locais, para incrementar o seu rendimento por área, a partir dos seus recursos locais (mulching orgânico), nas condições edafo-climáticas locais. 1.3. Objectivos 1.3.1. Objectivo geral: Avaliar o efeito da cobertura morta (mulching) e do espaçamento de plantio nos canteiros na cultura de tomate. 1.3.2. Objectivos específicos  Descrever o efeito da cobertura morta nos canteiros na cultura de tomate para, a altura de planta, e número de racemos por planta e rendimento.  Caracterizar o efeito dos diferentes níveis de espaçamentos de plantio nos canteiros na cultura de tomate para, a altura de planta, número de racemos por planta e rendimento.  Relacionar o efeito da cobertura morta à diferentes níveis de espaçamentos nos canteiros para a altura de planta, número de racemos por planta e rendimento. 1.4. Hipóteses H0: A cobertura morta não influencia no rendimento da cultura de tomate; H1:A cobertura morta influencia no rendimento da cultura de tomate; H0: O espaçamento nos canteiros não influência no rendimento da cultura de tomate; H1:O espaçamento nos canteiros influencia no rendimento da cultura de tomate; H0: O efeito da morta no rendimento da cultura de tomate é o mesmo para diferentes espaçamentos nos canteiros; H1: O efeito da morta no rendimento da cultura de tomate não é o mesmo para diferentes espaçamentos nos canteiros
  4. 4. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 4 II. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Considerações gerais 2.1.1. Taxonomia, origem e distribuição do tomate. O tomate (Lycopersicon esculentum Mill) é uma cultura hortícola da família Solanaceae onde fazem parte a Batata Reno, a beringela, o pimento e outras plantas (Heuvelink, 2005).O tomate é originário das regiões andinas do Peru, Bolívia e Equador e, foi domesticado no México (Heuvelink, 2005; Dusi et al., 1993; Ribeiro & Rulkens, 1999; Messiaen, 1992; Tindall, 1983). O tomate foi levado para Europa e aí cultivado, no século XVI e a sua difusão foi por volta do século XIX (Dusi et al, 1993; Ribeiro & Rulkens, 1999). A Oeste de África o tomateiro pode ter sido introduzido pelos portos através dos comerciantes Portugueses ou cruzando o continente a partir do Egipto ou Sudão (Ribeiro & Rulkens, 1999). 2.1.2. Características Morfológicas O tomate é cultivado normalmente como uma cultura anual, contudo, quando as condições climáticas são favoráveis, a duração do ciclo em algumas variedades pode prolongar-se por vários anos (Purseglove, 1991) más, em Moçambique, geralmente é praticada como cultura de ciclo curto porque o clima não é favorável para o cultivo de tomate durante todo o ano, (existência de duas estações bem distintas, que uma favorece a produção da cultura a baixo investimento e a outra com maior investimento). De acordo com Purseglove (1991), o desenvolvimento das caracteristicas morfológicas da cultura de tomate variam geralmente em função da variedade, amanhos culturais, tipo de cultivo (com solo, sem solo, céu aberto, estufas), época de plantio, entre outros factores, más, geralmente apresenta as seguintes: Raiz: sistema radicular vigoroso com raiz axial que se desenvolve até atingir uma profundidade de 50 cm ou mais. A raiz principal produz um denso conjunto de raízes laterais e adventícias (Cermeño, 1978; Maroto, 1995; Ribeiro & Rulkens, 1999). Caule: o seu porte varia entre erecto a prostrado. Cresce até atingir uma altura de 2-4 m. O caule é sólido, áspero, peludo e glandular (Cermeño, 1978; Maroto, 1995; Ribeiro & Rulkens, 1999).
  5. 5. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 5 Folhagem: folhas dispostas de forma helicoidal, com 15-50 cm de comprimento e 10-30 cm de largura. As folhas são de forma oval até oblonga, cobertas com pelos glandulares. Entre as folhas maiores encontram-se pequenas folhas pinadas. O pecíolo tem um comprimento de 3-6 cm (Ribeiro & Rulkens, 1999). Flores: As flores são bissexuais, regulares e têm um diâmetro de 1,5-2 cm. No geral, há seis pétalas com um comprimento que pode atingir um cm, de cor amarela e recurva quando maduras. Há seis estames, e as anteras são de cor amarelas claras dispostas em redor do estilete previsto de uma ponta alongada estéril (Maroto, 1995). Fruto: uma baga carnosa, de forma globular a achatada e com 2-15 cm de diâmetro. A cor do fruto maduro varia entre amarelo, cor-de-laranja a vermelho, no geral, o fruto é redondo, com uma superfície lisa ou canelada (Cermeño, 1978; Maroto, 1995; Ribeiro & Rulkens, 1999). Sementes: abundantes, com forma de rim ou de pêra. São peludas, de cor castanha clara, com 3-5 mm de comprimento e 2-4 mm de largura. O embrião está envolto no endosperma. O peso de 1000 sementes é, aproximadamente, de 2,5 – 3,5 g (Maroto, 1995; Purseglove, 1991; Villareal, 1980). 2.1.3. Exigências edafo-climáticas da cultura. Atendendo às origens do tomateiro, Dusi et al., (1993) & Fazio (1981) referem que esta cultura cresce bem em climas tropicais de altitude e subtropicais, frescos e secos, com bastante luminosidade. A temperatura favorável para a germinação varia de 20 oC a 25 oC. Para um bom desenvolvimento vegetativo a temperatura deve variar de 18 oC a 25 oC. No período de frutificação é importante que a temperatura varie de 18 oC a 25 oC, no período diurno e de 13 oC a 24 oC, no período nocturno. Se as temperaturas permanecem acima de 28 oC, prejudicam a firmeza e a coloração dos frutos, que tendem a ficar amarelados devido à inibição da síntese do licopeno e de outros pigmentos que lhes dão a coloração vermelha. Temperaturas superiores a 34 oC podem causar distúrbios respiratórios (Filgueira, 2000).
  6. 6. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 6 Além da temperatura, a humidade é outro factor de clima importante para a cultura de tomate. A humidade condiciona muito o aparecimento de doenças provocadas por fungos com temperaturas elevadas (Filgueira, 2000). 2.1.4. Preparação do solo A preparação do solo para a cultura de tomate em Vilankulo, normalmente consiste no revolvimento, destorroamento e nivelamento do solo para que o sistema radicular possa ter um bom desenvolvimento além de permitir um bom maneio da cultura como a rega (Villareal, 1980; Ribeiro & Rulkens, 1999). O tomateiro dá se bem na maioria dos solos, desde que sejam bem preparados, pH entre 6 a 6.5, contudo, solos media-argilosos com bastante matéria orgânica, com pelo menos 50 cm de profundidade e permeáveis (Ministério da Agricultura, 1985) 2.1.5. Métodos de propagação A propagação do tomateiro é por semente podendo ser uma sementeira directa ou em alfobres (Filgueira, 2000; Ribeiro & Rulkens, 1999; Halfacre & Barden, 1979;). Má em Moçambique em alfobres é a mais comum (Ribeiro & Rulkens, 1999). A germinação da semente pode durar 7 a 10 dias, dependendo das condições climáticas e da variedade. 2.2. DESCRIÇÃO DO EFEITO DA COBERTURA MORTA Em Moçambique, a cobertura morta orgânica é formada por diversos tipos de material vegetal que se colocam sobre o solo para manter a humidade e melhorar as condições do mesmo, é uma das melhores prácticas que dá bons rendimentos no tomateiro. Diferentes substratos não contaminados (serragem, papel, cinza de madeira, casca e cavacos, capim seco, entre outros restos vegetais) são usados como cobertura morta orgânica que contém carbono orgânico, eles podem dar diferentes efeitos sobre a cultura de tomate, (Stratton & Richcilgl, 1988). A serragem de madeira é considerada como o produto de madeira mais utilizado como cobertura, proporciona um aumento na produção de frutos e de raízes, (Patten, 1988
  7. 7. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 7 citado por Stratton & Richcilgl, 1988). Quando algumas culturas são plantadas imediatamente após a incorporação de serragem, deve-se fazer a adição de N, devido o N disponível no solo se tornar imóvel (Stratton et al., 1998). Inclusive produtos de madeira que possuem alta relação C:N, através de sua decomposição podem induzir a exaustão de N disponível no solo para N imóvel (Streck, 1996 citado por Stratton & Richcilgl, 1988). A casca de árvore é muito utilizada como cobertura e um de seus efeitos é a retenção de humidade, além da melhora na infiltração de água (Sponer, 1970). A casca tem efeitos nematicidas, seja pela liberação de produtos químicos ou por intermédio da umidade do solo.Oliveira (1993); Diez et al., (1995), citados por Stratton & Richcilgl (1998), dizem que a cinza de madeira não pode ser considerada como adubo orgânico, pois não aumenta, diretamente, a quantidade de matéria orgânica no solo, mas ela pode fornecer Ca, K e Mg. 2.2.1. Efeito da cobertura morta nas propriedades físicas do solo A cobertura proporciona efeitos na infiltração e retenção de água, estabilização de temperaturas, controle de erosão (Housbeck et al., 1996; Stratton & Richcilgl, 1988; Galindo et al, 1983; Jones et al, 1974;). Alguns efeitos proporcionados pela cobertura na estrutura do solo parecem ser devido a decomposição da cobertura. Segundo Pinamonti (1998) relatou que a chegada de nutrientes na planta é mais influenciada pelas condições físicas do solo, do que pela disponibilidade de nutriente no solo. 2.2.2. Efeito da cobertura morta na erosão do solo O principal factor que permite a redução da erosão é a protecção contra os impactos causados pelas gotas de água (chuva ou irrigação) na superfície do solo. A cobertura morta reduz a velocidade de escoamento superficial da água (runoff) (Housbeck et al.,; Galindo et al., 1984; Manrique, 1995). Manrique (1995), demonstrou que a melhor protecção contra erosão foi quando se utilizou cobertura com grama e casca de arroz. Cobertura com palha de trigo a uma altura de 5 cm reduziu o escoamento superficial “runoff” em 43% e a perda de N reduziu de
  8. 8. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 8 230 kg/ha sem cobertura para 33 kg/ha com cobertura e de P de 215 kg/ha sem cobertura para 18 kg/ha com cobertura (Shock et al., 1997). 2.2.3. Efeito da cobertura morta na humidade e temperatura do solo A cobertura morta aumenta a humidade que propicia à decorrência da diminuição da evaporação de água da superfície do solo e do aumento da quantidade de água infiltrada. Solos com cobertura morta conservam mais humidade no período de seca, e entre chuvas do que solos descobertos (Stratton & Richcilgl, 1988). Alguns problemas de excesso de humidade podem ocorrer com cobertura, principalmente em solos de péssima drenagem, o que pode causar anaerobiose e perda de N (Sterck et al., 1998; Stratton & Richcilgl, 1988). Em áreas com altos índices pluviométricos, camada grossa de cobertura pode levar ao desenvolvimento de condições ambientais favoráveis ao desenvolvimento de doença (Manrique, 1995). Além disso, solos com alta humidade podem ser condutivos para determinados patógenos como, Phytophthora cactorium em macieira (Malus sieversii), onde o controlo da humidade é um factor importante para o controlo de doenças incitadas por esse patógenos (Utkhede & Smith, 1996). A temperatura do solo é afetada pela cobertura principalmente em regiões quentes onde o seu uso resulta em solos com temperaturas mais amenas, inclusive reduz a flutuação da temperatura do solo. O desenvolvimento de doenças causadas por Rhizoctonia solani esta muitas vezes associada com baixas temperaturas do solo (Haji et al, 2005). Para Stratton & Richcilgl (1998) descreve que alguns autores demonstraram que a melhoria da temperatura favorece o aumento na quantidade de raízes. 2.2.4. Efeitos da cobertura morta nas propriedades químicas do solo O excesso da cobertura morta pode afeitar as propriedades químicas do solo mediante a inibição da troca de gases, retenção humidade e influência de ácidos orgânicos produzidos pela decomposição da cobertura, constitui nutrientes para as plantas (Le et al., 1987).
  9. 9. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 9 2.2.5. Efeitos da cobertura morta na aeração do solo A dedução de oxigênio para as raízes estimula o desenvolvimento de doenças nas plantas e também a desnitrificação pode ocorrer em solos com cobertura. A respiração do solo pode depender principalmente da quantidade e da viabilidade de K e N presentes no substrato e no solo (Croteau & Zibilske, 1998). Conforme esses mesmos autores o solo tratado com resíduo de fábrica de papel tem um aumento na concentração de CO2 e na imobilização de nitrogênio. Todos estes efeitos são dependentes das condições do local em questão, do clima, das propriedades físicas do solo e do tipo de cobertura. 2.2.6. Efeitos da cobertura morta na fertilidade do solo, nutrição das plantas e na produção. É sabido que o pH do solo influencia na disponibilidade de vários nutrientes para as plantas, e como a cobertura afeta o pH do solo, consequentemente afeta a disponibilidade de nutriente, um exemplo é a utilização de restos de árvores como cobertura para aumentar a disponibilidade de Mn, outro já relativo ao aumento de nutriente, ocorre com cobertura de macadamia (Macadamia integrifólia), a qual proporciona um aumento no teor de K, Ca e P no solo. Nos trópicos a cobertura contribui muito para aumentar N, P e K no solo, porém a cobertura deve ser reposta com mais frequência, devido a sua rápida decomposição (Stratton & Rechcigl, 1998). Outros autores relatam que a cobertura do solo além de aumentar o teor de matéria orgânica no solo, aumenta a disponibilidade de P e K trocável (Pinamonti, 1998) e o teor de C orgânico e Mg (Cadavid et al., 1998). Tilander & Bonzi (1997), relatam um aumento na produção de sorgo (Sorghum vulgare Pers) com o uso de cobertura de folhas de neem (Azadirachta indica) e folhas de neem + composto, assim bem como uma significativa influência na conservação de água no solo e redução na temperatura. A utilização de polietileno como cobertura em melancia, (Citrullus lanatus) proporcionou um aumento na produção, que foi devido a melhoria da disponibilidade e chegada de N (Backer & Earhart, 1998) De acordo com Blevins & Thomas (1997) e Borraz et al., (1991), citados por (Stratton &
  10. 10. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 10 Rechcigl, 1998), relataram uma maior produção em áreas de plantio direto do que em áreas de plantio convencional e esse aumento foi atribuído ao aumento na infiltração de água e decréscimo na evaporação. A cobertura favorece a nutrição de plantas devido a mesma proporcionar um aumento na produção de raízes e inclusive pelos radiculares (Stratton & Rechcigl, 1998). A utilização de grama (Zoysia japonica) como cobertura na cultura da mandioca proporcionou um aumento na produção de raízes e biomassa e uma redução de HCN na raiz (Cadavid et al., 1998). 2.2.7. Efeitos da cobertura morta no controlo de infestantes. Segundo Stratton & Rechcigl (1998) para alguns autores a cobertura morta muitas vezes é mais eficiente do que herbicidas e que a cobertura inorgânica (plástico preto) é mais eficiente no controlo de plantas infestantes do que cobertura orgânica. Para Manrique (1995) a eficiência no controlo das plantas infestantes, depende do material que esta sendo utilizado como cobertura. 2.2.8. Efeitos da cobertura sobre os organismos do solo A cobertura morta exerce grandes efeitos sobre a microflora e microfauna habitantes do solo. O tipo de material utilizado para cobertura tem efeito significativo sobre o decréscimo ou aumento de incidência ou severidade de doenças em plantas (Stratton & Rechcigl, 1998). A utilização de cobertura e o pH do solo tem influência sobre a microflora antagonista a R. solani como, Aphelenchus avenae e Falsomia fimetria no patossistema R. solani X batata (Bowen,et al, 1995). 2.2.9. Efeitos da má aplicação da cobertura morta. A má aplicação de cobertura pode trazer efeitos negativos, tanto para a planta quanto para o solo e esses efeitos podem afeitar direta ou indiretamente na produção (Cadavid et al., 1998).
  11. 11. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 11 2.3. CARACTERIZAÇÃO DO EFEITO ESPAÇAMENTO DE PLANTIO NOS CANTEIROS NA CULTURA DE TOMATE Uma das formas de melhoria da qualidade e aparência do tomate produzido é a adopção de técnicas adequadas de maneio da cultura. As principais formas de maneio empregadas na cultura do tomateiro são: tipo de tutoramento, forma de condução e espaçamento. O tipo de tutoramento utilizado, bem como a forma de condução, pode alterar a distribuição da radiação solar e a ventilação em torno das plantas (Andriolo, et al., 1999). O uso de compasso óptimo na variedade em cultivo, não só evita a maior incidência de doenças, mas também evita a maior competição das plantas, mas determina a qualidade e a quantidade dos frutos por planta. No entanto, segundo Castaner (1984), a densidade de plantio dependerá do desenvolvimento vegetativo da cultura que, por sua vez, é influenciado pela cultivar escolhida e suas características de crescimento, pelo tipo de poda e de tutoramento empregado e pela fertilidade do solo e condições climáticas da época de plantio. Seleguini et al., (2003) salientam que, para obtenção de uma alta produção de tomate, torna-se necessário um elevado número de frutos por área de crescimento. O espaçamento entre plantas deve aumentar com o aumento do vigor da cultivar e com o número de hastes que se pretende conduzir por planta. O espaçamento entre linhas de plantio é função do vigor quanto maior o vigor, maior deverá ser o espaçamento entre linhas (Sterck, et al.,1998). Na cultura do tomate, a quantidade produzida pode ser aumentada tanto pelo plantio em menores espaçamentos como pelo acréscimo do número das hastes a serem conduzidas por planta. O efeito de diferentes espaçamentos sobre o número de frutos obtidos por planta e o peso médio dos frutos, diversos autores verificaram que, utilizando espaçamentos menores, tanto o número de frutos por planta quanto o peso médio dos frutos tiveram seus valores reduzidos, devido à influência negativa que maiores densidades de plantio nos canteiros podem exercer sobre essas variáveis (Tuitert, et al.,1998). Na cultura de tomate além do uso de maior densidade, o número de plantas por unidade de área, o número de frutos colhidos por plantas e a massa média dos frutos estão
  12. 12. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 12 diretamente relacionados à produtividade (Papadopoulos e Pararajasingham, 1997; Streck et al., 1998, citados por Heine, 2012). Segundo Andriolo & Falcão (2000), a densidade de plantas pode ser aumentada para melhorar o efeito da supressão de folhas, sem modificar o índice de área foliar óptimo. Porém, o número de hastes por planta e o uso da poda apical para um número definido de cachos também interferem na densidade de plantio e na relação fonte/dreno, constituindo- se em práticas alternativas na produção de tomate (Silva Junior et al., 1992; Silva et al., 2001; Peixoto et al., 2001). A produção e a massa média de tomate comercial, também são influenciadas pela densidade de plantas e pelo número de ramos por planta. Quanto maior for a densidade de plantio e o número de ramos por planta menor será a produção total comercial, a produção de frutos grandes e a massa média dos frutos grande e médio, e maior será a produção de frutos médio e pequeno (Oliveira et al., 1995; Camargos, 1998), Seleguini et al., (2002) verificaram que apenas na produção de frutos médios houve um aumento linear da produtividade com o aumento da densidade. Este efeito da densidade de plantas na produção e massa média de tomate classificado ocorre porque em condições de adensamento as plantas competem mais por luz e direcçionam um maior gasto de energia aos processos de crescimento celular e menor translocação de açúcares para os frutos, resultando numa diminuição do diâmetro do fruto (Borraz et al., 1991).
  13. 13. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 13 III. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Descrição da área de estudo a) Localização geográfica. O distrito de Vilankulo fica situado a Norte da Província de Inhambane, tendo como limites a Norte com o distrito de Inhassoro, a Sul com o distrito de Massinga, a Oeste com os distritos de Mabote e Funhalouro e a Este com o Oceano Indico (MAE, 2005). b) Caracterização edafo-climática do Distrito. O Distrito de Vilankulo apresenta um clima do tipo tropical seco, no interior, e húmido, com duas estações, a quente que vai de Outubro com precipitação média anual da época de 1500 mm a Março, e a seca que de Abril a Setembro, com precipitação média anual da época de 1000 a 1200 mm (MAE, 2005). Quanto aos solos, na zona litoral o distrito apresenta solos arenosos e permeáveis, enquanto no interior do distrito apresenta solos franco-arenosos e areno-argilosos (MAE, 2005). Contudo, para a cultura de tomate, os solos desta região podem apresentar bons resultados mediante a aplicação de fertilizantes orgânicos, permitindo a correção da estrutura do solo, consequentemente aumenta também a capacidade de troca catiónica (CTC). O ensaio foi realizado no Distrito de Vilankulo, a 1 km da Vila sede, bairro Desse quarteirão F, casa 74. A área experimental apresenta solos arenosos a franco-arenosos com cor pardo na superfície e amarelo em profundidade, com uma textura média sob um relevo de planície (MAE, 2005). Estas caracteristicas da textura do solo dificultam o cultivo da cultura de tomate sem a aplicação da cobertura morta devido a sua maior infiltração e erodibilidade. Durante o período da realização do ensaio (Junho a Outubro), as temperaturas e precipitação variam 18.6 ºC a 23.9 ºC conforme o anexo I. Antes da condução do ensaio o local havia sido ocupado pela cultura de mandioca (Manihot esculentum).
  14. 14. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 14 c) Sistemas de produção de tomate no Distrito. A produção de tomate no distrito é praticada pelos pequenos produtores, nas margens das baixas lagoas locais, em consociação com outras hortícolas em destaque para alface (Latuca sativa), couve (Brassica oleirácea var.) (MAE, 2005). A cultura de tomate, apenas é praticada no período seco, devido a favorabilidade do clima, nesta altura, o que constitui uma actividade de rendimento e reduz o sedentarismo da comunidade, apesar de baixos rendimentos devido a não observância de tratos culturais, sistemas de rega rudimentares e qualidade de água de rega (uso de regador, sulcos e/ou água salubre), não observância das datas de sementeira, má adubação (doses inadequadas e/ou adubos não bem curtidos) baixo controlo fitossanitário (MAE, 2005). 3.2. Metodologia 3.2.1. Delineamento experimental Para a realização do ensaio, foi usado o delineamento de blocos completos causalizados (DBCC) baseado num arranjo factorial. No ensaio, foram estudados 2 factores com 4 tratamentos e 3 repetições. O factor cobertura (C), tinham dois níveis, (com aplicação de cobertura morta C1 e sem cobertura C0) e o factor espaçamento de plantio nos canteiros também tinha dois níveis (com espaçamento de plantio nos canteiros de 0.35mx0.5m E1 e espaçamento de plantio nos canteiros de 0.75mx0.5m E2, com o total de 12 parcelas experimentais. Os tratamentos do ensaio estão descritos na tabela 1 abaixo:
  15. 15. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 15 Tabela 1. Descrição dos tratamentos do ensaio. Tratamento Descrição Combinação dos níveis Interpretação T1 C0E2 0 Mulching + (0.75x0.5m) Parcela tratada sem mulching e um nível de espaçamento no canteiro de 0.75x0.5 m (controlo) T2 C0E1 0 Mulching + (0.35x0.5m) Parcela tratada sem mulching e um nível de espaçamento no canteiro de 0.35x0.5 m T3 C1E2 Mulching + (0.75x0.5m) Parcela tratada com mulching a 5cm um nível de espaçamento no canteiro de 0.75x0.5 m T4 C1E1 Mulching + (0.35x0.5m) Parcela tratada com mulching a 5cm um nível de espaçamento no canteiro de 0.35x0.5m A área total do ensaio (área dos blocos e a área dos espaços entre blocos) foi de 171.5m2 (0.01715 ha), a distância entre as parcelas (canteiros) foi de 1 m e entre os blocos foi de 2 m, conforme o desenho experimental em apêndices I, onde cada bloco tinha 30.6 m2 , com cada bloco 4 parcelas, onde cada parcela tinha 7.65 m2 , representava um tratamento, com dimensões de 1.7 de largura por 4.5 m de comprimento, tinha 18 ou 27 plantas para o factor espaçamento de plantio nos canteiros (0.35x0.5 m) e (0.75x0.5 m), respectivamente. Em toda a área obteve-se o total de 270 plantas, sendo162 sob o factor espaçamento de plantio nos canteiros, (0.35 mx0.5 m) e 108 sob o mesmo factor a nível (0.75 mx0.5 m), enquanto para o factor cobertura morta foram 135 para cada nível (C0 e C1).
  16. 16. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 16 A área útil do ensaio compreendeu todas as plantas (não houve efeito bordadura) as quais foram estudadas para a recolha de dados, análise estatística, conclusões e recomendações. 3.3. Condução do ensaio O experimento foi conduzido com a variedade Roma VFN, nos finais da época seca e fresca (inverno) e princípios da época quente e chuvosa (verão), desde dia 30 de Junho de 2012 a 25 de Outubro de 2012, com o objectivo de estudar a influência da cobertura morta e o espaçamento de plantio no rendimento da cultura de tomate, conforme o cronograma das actividades realizadas em apêndices VI. O ensaio foi conduzido compreendendo duas fases bem distintas, (alfobre e campo definitivo), sendo: 3.3.1. Alfobre O alfobre, foi montado no dia 30 de Junho de 2012 com dimensões de 1.5m e 2.0 m para largura e comprimento respectivamente que foi adubado com esterco galináceo a uma quantidade de 15kg, e fez a incorporação de 5kg de cinza de capim elefante (Panicum maximum) “KOH”, (um tratamento preventivo) para reduzir a população de micro- organismo, no solo. A rega foi diária com uma quantidade de 20 L, durante uma semana, ao fim deste período fez-se a sementeira a uma profundidade de 3 cm com uma separação de 10 cm entre linhas e entre plantas, cuja emergência das plantas foi verificada aos 5 dias após a sementeira com um total de 300 plântulas. No alfobre não houve nenhuma incidência de pragas e doenças, contudo não se fez nenhum tratamento químico curativo além do preventivo. 3.3.2. Campo definitivo A preparação do campo definitivo foi feita manualmente, nivelamento manual, abertura de sulcos de 10 e 15cm de profundidade e largura respectivamente distando se 0.5m um do outro, incorporação de adubo (esterco galináceo a uma quantidade de 40kg/parcela)
  17. 17. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 17 nos sulcos, incorporação de mulch para as áreas experimentais causalizadas e rega durante 30 DAT (Dias Antes do Transplante). a) Transplantação Para se fazer o transplante foi considerado o estado de desenvolvimento (altura e número de folhas definitivas) das plantas. Antes do transplante, as plântulas foram endurecidas (retirou se a cobertura de contra insolação directa e reduziu-se a quantidade de água à metade apenas no período de manhã), durante 4 dias antes do transplante e depois foi mantido o turgor (regar de novo, com abundância), de forma a evitar que haja défice hídrico durante o transplante ao campo. As plântulas foram transplantadas a uma altura de 9-15 cm de altura com 3-5 folhas definitivas aos 25dias depois da emergência das plântulas no dia 25 de Julho de 2012 para todos os blocos. O transplante foi feito de tarde (no final da tarde) de forma a reduzir o “stress” provocado por esta operação, logo fez se a rega imediatamente. Vide as fotos das plântulas no alfobre em apêndices. XX b) Retancha Devido a algumas falhas de pegamento, causados seja pela fragilidade das plântulas, ou pelo ataque fitófagos fez se a retancha até aos 15 dias após o transplante devido incidência da lagarta rosca (Agrotis ipsylon) nas plântulas. c) Tutoramento O tomate produz rendimentos altos e que a planta não consegue suportar o peso dos seus frutos, contudo deve se proceder com a operação de tutoragem e amário (Heuvelink, 2005). Contudo, tutoramento foi feito usando tutores verticais individuais aos 20 DDT (Dias Depois do Transplante),com aproximadamente 30 cm de altura da planta, com tutores de altura igual a 1.4 m. d) Poda, Desfolha e Desponta A poda consistiu na retirada de brotos desnecessários em excesso nas axilas das plantas, pois, os brotos laterais prejudicam na produtividade, devido a menor quantidade de
  18. 18. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 18 partição dos fotoassimilados (os nutrientes não são deslocados para a boa formação dos frutos). Foram removidas quaisquer folhas senescentes ou, num intervalo de 1 semana aos 10DDT até a colheita totalizando 9 podas diferente em todo o ciclo, de forma a prevenir a difusão de doenças, assim como foi retirada toda a inflorescência inicial de modo a garantir maior produtividade, pois a inflorescência inicial (registada geralmente as aos 20DDT) tem sido estéril ou fruto de menor qualidade. No início da frutificação, fez monda dos frutos, eliminando os deformados ainda quando pequenos, já que para além de sobrecarregarem a planta não tem valor comercial desejado. e) Amontoa Um bom desenvolvimento da cultura de tomate, reque um bom equilíbrio da fonte (raízes e folhas) e do dreno1 (frutos), contudo fez a amontoa num intervalo de 15 dias para fornecer uma ambiente bom para o desenvolvimento do sistema radicular, através da elevação do solo desde aos 14DDT ate à colheita. f) Controlo de infestantes As ervas daninhas competem com os tomateiros pela luz, a água e os nutrientes, às servindo de abrigo aos organismos patogénicos que reduzem o rendimento. Para o controlo das ervas daninhas começou se por uma lavoura profunda, na fase de preparo do solo, remoção dos restos vegetais da cultura anterior, saneamento do campo, lavoura superficial, aplicação de uma cobertura morta (de acordo com modelo de casualização estabelecido no anexo), tendo no entanto se registado maior infestação das plantas não cobertas com mulch. Fizeram se mondas manuais das infestantes a partir dos 15DDT num intervalo de 15dias. Devido a condução do ensaio em um solo franco arenoso, registou se maior infestação de infestantes com bolbos, em destaque para a (tiririca) Albuca setosa que fez se o seu controlo através de campinas manuais e mondas. O controlo das plantas daninhas para que fosse eficaz fez controlo permanente, através da 1 O dreno é abordado neste trabalho apenas como os frutos, mas também pode se considerar as gemas e folhas novas.
  19. 19. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 19 integração das práticas culturais manuais de controlo de infestantes que reduzam a quantidade de sementes de plantas daninhas (capinas regulares e exposição dos bolbos ao sol) no solo, para reduzir a reinfestação. g) Controlo de Pragas e Doenças. Na implantação de métodos de controlo de pragas e doenças neste trabalho, vários métodos foram considerados desde os preventivos (a escolha de variedade mais resistentes para região de implantação, levantamento dos dados da fitossanidade da cultura anterior, uma lavoura profunda retirando os restos culturais para eliminar pupas e larvas, pela sua exposição a luz do sol; a eliminação das plantas daninhas, que podem ser hospedeiras de pragas; uma adubação equilibrada no intuito de proporcionar a planta um equilíbrio para torná-las mais resistente aos ataques de pragas) até os curativos (inspeções frequentes na área, eliminando os órgãos atacados, aplicação de inseticida Fortis K 5%Ec). Neste ensaio, as pragas foram registadas em diferentes fases do desenvolvimento da cultura, sendo no estabelecimento a lagarta rosca (Agrotis ipsylon), gafanhoto vermelho (Locustella lanceolata), em que o método de controlo foi mecânico (colectaram-se numa garrafa de 750g, em seguida foram esmagados e aplicados na água da irrigação, e o ataque reduziu se antes de criar o nível económico de dano (NED). Na fase de crescimento vegetativo não se registou nenhuma infestação, más na fase da antese, registou se infestação das mariposas em destaque para a Broca Grande (Heliothis spp), tendo se usado o inseticida Fortis K 5%Ec por duas vezes num intervalo de 21 dias a uma doze de 20 mL por 20 L de água segundo as recomendações do fabricante. h) Irrigação A cultura do tomate, para além de ser muito exigente aos tratos culturais, é também exigente à irrigação, contudo para a determinação da quantidade de água de rega, depende da variedade e tipo de solo em cultivo. O intervalo de rega foi de duas vezes por dia em cada sulco desde o transplante ate a colheita, com um total de 15600 L ate a primeira colheita aos 65DDT.
  20. 20. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 20 3.3.3. Registo de observações Depois do transplante começaram as observações programadas. Durante a condução do ensaio, as observações foram feitas semanalmente a partir dos 7DDT. As observações envolveram a avaliação da altura das plantas e na fase da frutificação a contagem de racemos por planta. Realizou-se uma colheita escalonada a parir dos 65 dias depois do transplante (5 de Outubro de 2012) quando os frutos apresentavam uma coloração verde-clara a vermelha e terminou aos 90 dias depois do transplante (dia 25 de Outubro de 2012). Durante este período foram feitas 5 colheitas seguindo cada uma delas a seguinte sequência de procedimentos: Colheita dos frutos; Separação dos frutos comercializáveis dos não comercializáveis; Contagem dos frutos totais (comercializáveis e não comercializáveis); Pesagem dos frutos totais (comercializáveis e não comercializáveis). 3.3.4. Parâmetros avaliados Foram avaliadas os seguintes parâmetros neste ensaio: Altura de planta, Número de racemos por planta. Quantidade de frutos totais, Quantidade de frutos comercializáveis, Rendimento por hectare. Dos parâmetros descritos foi considerada a cobertura morta e os níveis de espaçamentos nos blocos como variáveis independentes, enquanto o rendimento por hectare, altura das plantas, número de frutos por planta, número de racemos por planta como variáveis dependentes.
  21. 21. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 21 3.3.5. Colecta de dados estatísticos Um levantamento sistemático de dados, conforme um calendário pré-estabelecido mediante um período suficiente para ocorrer um desenvolvimento fisiológico na planta, garante uma recolha fiável de dados, de acordo com as variáveis em análise. Os dados da variável altura de planta foram recolhidos num intervalo de 10dias, desde aos 7 DDT até a maturação agronómica verificada a partir de 60 DDT, através da sua medição com a fita métrica, calculando se a média das 18 ou 27 plantas estudadas, por parcela, totalizando 90 plantas por bloco. Para a variável número de frutos por racemo foram colhidos num intervalo de 8 dias após uma frutificação de 10% (verificada aos 38DDT) até o período de maturação agronómica (aos 52 DDT), através da sua contagem manual, calculando se a média das 18 ou 27 plantas estudadas, por parcela, totalizando 90 plantas por bloco. Para a variável quantidade de frutos totais, foi verificada aos 65DDT, estendendo-se até os 90DDT, o que totalizou 5 colheitas após a colheita através da contagem e pesagem somando-se, as 5 colheitas parciais dos frutos comercializáveis e não comercializáveis, calculando se a média das 18 ou 27 plantas estudadas, por parcela, totalizando 90 plantas por bloco. Enquanto para a variável quantidade de frutos comercializáveis foi verificada aos 65DDT, estendendo-se até os 90DDT, o que totalizou 5 colheitas após a colheita, através da contagem e pesagens apenas dos frutos comercializáveis. Para a variável rendimento da cultura em toneladas hectare foi obtida através do quociente dos frutos comercializáveis e a área cultivada, matematicamente expresso por: A F hatonnd )/.(Re , Fórmula 1 Onde: Rend. = rendimento em toneladas por hectare, F = frutos comercializáveis em toneladas, A = área total do campo em hectare (área dos canteiros e entre canteiros).
  22. 22. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 22 3.3.6. Análise estatística Para as quatro variáveis de rendimento em estudo, os dados colhidos foram analisados com um Software estatístico Excel. Neste pacote foi feita a análise da variância, o teste de homogeneidade de variância, e teste de correlação de Pearson. Para a análise da variância foi usado ANOVA F com um arranjo factorial baseado em DBCC. Para a comparação das médias dos tratamentos foi feito o teste DMS a 5% de nível de significância. 3.3.7. Modelo estatístico para experimentos factoriais em Blocos completamente casualizados. Modelo Estatístico geral para experimentos factoriais baseados em DBCC Yijk = µ+ Θi+ τj+ βk+ (Θτ)ij+ εijk, εijk̰ ̴̴dN(0,σ²); i=1,2,...,a; j=1,2,...,b e k=1,2,...,r Fórmula 2 Para o ensaio a equação torna-se: Ycdk = µ+ Θc+ τd+ βk+ (Θτ) cd + εcdk, εcdk dN(0,σ²); c=1,2; d=1,2; e k=1, 2, 3 Fórmula 3 Onde: µ = Média geral; Θc = efeito do nível (C0 e C1) do factor cobertura morta; τd = efeito do nível (E1 e E2) do factor níveis de espaçamentos nos canteiros; βk = efeito de repetição (bloco) k; (Θτ)cd= interacção entre o nível (C0 e C1) do factor Mulching e o nível (E1 e E2) do factor espaçamento; εcdk = termo do erro, assumido como tendo uma distribuição normal com media zero e variância constante (0,σ²).
  23. 23. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 23 IV. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros na altura da cultura de tomate Nas condições de estudo, aos 52 DDT, quando as plantas mostraram-se com uma frutificação de 97%, as plantas apresentavam uma altura média de 70.68cm. A altura das plantas não mostrou diferenças significativas entre os tratamentos a 5% de nível de significância, conforme descreve a tabela 1 em apêndices III. Resultados similares foram encontrados pelo Seleguini et al., (2006), estudando o espaçamento entre plantas e número de racimos para tomateiro. *De acordo com a tabela 1 da ANOVA em apêndices III, conclui-se que a 5% e 1% de nível de significância a cobertura morta, o espaçamento de plantio nos canteiros e a sua interacção, não tem uma diferença significativa. Deste modo, aceitam-se as hipóteses nulas, ou seja, a altura dos tomateiros não varia em função da cobertura morta e diferentes níveis de espaçamentos nos canteiros, isto porque as medias são estatisticamente iguais a um nível de significância de 5% e 1% de significância. A altura das plantas somente apresenta significância a 5% e 1% de significância quando submetidos a teste de Fisher, ou seja a altura média das plantas entre os blocos é estatisticamente diferente. Apesar de haver significância entre os blocos não foi feito o teste de médias neste trabalho porque as hipóteses formuladas não estudam os efeitos entre blocos e nem, porque não houve nenhuma replicação dos blocos. O coeficiente de variação em altura das plantas determinam uma percentagem de 50.25%%, o que mostra uma precisão possivelmente típica para a altura, ou seja os factores mostram uma variação media em torno da média das alturas. 4.2. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros no número de frutos por planta da cultura de tomate. De acordo com os resultados da análise da variância do número de frutos por planta em função da cobertura morta e dos diferentes níveis de espaçamentos nos canteiros, pode se verificar que há efeito significativo para os factores de variação blocos e diferentes níveis de cobertura nos canteiros. Contudo o efeito não significativo foi verificado para as
  24. 24. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 24 restantes fontes de variação em estudo nas hipóteses (factor cobertura espacamento e interacção), conforme a tabela em 2 apêndices IV. *A um nível de 5% de significância ou seja com um intervalo de confiança de 95%, pode se concluir que entre os blocos e em relação ao factor cobertura morta há diferença significativa da quantidade dos frutos por planta. Logo, pode se concluir que o número de frutos por planta varia em função da cobertura a 5% de nível de significância, na condições em que este ensaio foi conduzido. Apesar de haver significância entre os blocos não foi feito o teste de médias neste trabalho porque as hipóteses formuladas não estudam os efeitos entre blocos, porque não houve nenhuma replicação dos blocos. De acordo com os valores da ANOVA, apenas o factor cobertura morta mostrou significância em a 5% de nível de significância, contudo, os valores foram submetidos ao teste de médias pelo teste de DMS, conforme segue na tabela 2 abaixo. Tabela 2. Comparação de médias da variável número de frutos por planta do factor cobertura morta, pelo teste de DMS a 5% de nível de significância. Factor Media dos frutos C0 28.435b C1 35.327a DMS:0.05 5.1 * Medias seguidas pela mesma letra não se diferem estatisticamente pelo teste de DMS. Os diferentes níveis de espaçamentos dentro dos canteiros não mostraram diferenças significativas, apesar de o nível E1 apresentar maior média, contudo, E1 contribuiu significativamente para o aumento de número de frutos por plantas a nível de diferentes níveis de espaçamentos nos canteiros. De acordo com a tabela 2 de comparação de médias pelo teste de DMS, médias seguidas pela mesma letra não tem diferenças estatísticas, ou seja as médias do factor (C) a níveis de C0 e C1 se diferem estatisticamente pelo teste de médias a 7 frutos por planta, contudo, podem existirem outros factores não estudados neste trabalho, como no caso da qualidade de minerais existentes nas diferentes antes da incorporação da adubação,
  25. 25. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 25 capacidade de adaptação a factores adversos de cada planta dentro da mesma variedade e ou cultivar, entre outros determinantes do rendimento. Os diferentes níveis de cobertura morta tiveram efeito significativo no número de frutos produzidos por planta pelo teste de Fisher e DMS: 0.05 assemelhando-se aos resultados verificados por Fery & Janick (1970); Campos et al., (1987); Borreli (1983); Streck et al., (1998) e Dicta, (1980), ao estudar o número de frutos ou à produção de flores por racimo, na distribuição de fotoassimilados como resposta à competição intra-linhas e agravada pela competição inter-linhas em adubação orgânica com cobertura morta. A cobertura conduziu a produção de muitos frutos por planta apesar de apresentarem tamanho maior em relação ao obtido sem cobertura desse efeito pode ter sido ocasionado pelo maior gasto de energia em processos de crescimento celular. De acordo com Machado, et al., (2002Autin, et al., (1970), observaram também resultados semelhantes em relação ao número de frutos por planta, no qual o solos cobertos com palha de amendoim (Arachis hypogaea L.) entre plantas apresentou maior número total de frutos comparado ao sem cobertura. Nessas condições, os resultados obtidos neste ensaio, mostram o crescimento reduzido das plantas com cobertura pode ser explicado pelo efeito positivo da força de dreno dos frutos sobre o crescimento e desenvolvimento do compartimento vegetativo da planta, especialmente o número de folhas e a área folhar, os quais influenciam a capacidade fotossintética da planta (Koning, 1994; Heuvelink & Buiskool,1995). Ainda, resultados similares aos deste ensaio foram obtidos, por Oliveira (1993) e Oliveira et al., (1995) que verificaram um aumento no número de frutos e na produção comercial e a redução na massa média das plantas com cobertura devido ao maior número de inflorescências produtivas e à maior competição entre inflorescências pelos fotoassimilados, respectivamente. Tais resultados foram também relatados por Poerschke et al., (1995). Pelo contrário, resultados contraditórios deste trabalho, foram obtidos por vários autores (Camargos, 1998; Streck et al.,1998; Camargos et al., 2000), onde verificaram que o aumento da produção de racimos nas plantas conduzidas a cobertura morta
  26. 26. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 26 provavelmente foi devido a menor competição intra-linhas pelos fotoassimilados e da variedade em cultivo. 4.3. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros no número de racemos por planta da cultura de tomate. O número de racemos por planta foi colhido ate ao 52 DDT, quando a uma frutificação de 97%, com o número medio de 9 racimos por planta. Contudo, a partir dos resultados da ANOVA, da tabela 4 em apêndices VI, verificou-se que não houve efeito significativo para nenhum dos factores em estudo nas hipóteses. *De acordo com a tabela 3 de ANOVA em anexo VI, conclui-se que a 5% e 1% de nível de significância para o factor cobertura morta, o espaçamento de plantio nos canteiros e a sua interacção, não tem uma diferença significativa. Deste modo, aceitam-se as hipóteses nulas, ou seja, o número de racimos dos tomateiros não varia em função da cobertura morta, nem do espaçamento de plantio nos canteiros nas condições em que este ensaio foi conduzido, isto porque as médias são estatisticamente iguais a um nível de significância de 5% e 1% de significância. O coeficiente de variação entre a cobertura morta e o espaçamento mostraram um coeficiente de variação a uma percentagem de 8.79%, o que mostra uma precisão muito alta, logo baixa variação das médias parciais em relação a média geral. Em relação às características agronómicas, verificou-se que não houve interacção entre os factores para as variáveis avaliadas. O número médio de racemos por planta não foi influenciado pelo factor cobertura, nem pelo espaçamento nos canteiros. Resultados semelhantes foram observados por Seleguini et al., (2003) avaliando o número de racimos e hastes por planta. Entretanto, Poerschke et al., (1995), para o Híbrido Monte Carlo e Campos et al., (1987), para o cultivar São Sebastião, verificaram aumento na massa média do fruto com a redução no número de racemos por planta.
  27. 27. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 27 4.4. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros no peso em kg por planta da cultura de tomate Os dados de rendimento foram colhidos a partir dos 65DDT, na altura da primeira colheita, procedendo se ate aos 90DDT, com um total de 5 colheitas, com os seguintes valores do peso medio dos frutos em kg 167.9676, 260.9035, 216.5054 e 231.4083 para os tratamentos C0E1, C0E2, C1E1 e C1E2, respectivamente. Vide a tabela 3. Contudo, a partir dos resultados da ANOVA, da tabela 6 em apêndices VI, pode se verificar que não houve efeito significativo para a o factor cobertura morta o espaçamento nos canteiros, nem para com a sua interacção. De acordo com a ANOVA, conclui-se que a 5% e 1% de nível de significância, o factor cobertura, espaçamento de plantio nos canteiros e a sua interacção, não tem uma diferença significativa. Deste modo, aceita-se a hipótese nula, ou seja, o peso em kg dos tomateiros não varia em função da cobertura morta de espaçamento de plantio nos canteiros e da sua interacção com a cobertura morta, isto porque as médias são estatisticamente iguais a um nível de significância de 5% e 1% de significância. O coeficiente de variação média do peso dos frutos em kg determinam uma percentagem de 20.24%, o que mostra uma precisão alta, ou seja o peso médio dos frutos em kg mostrou uma alta. Resultados similares foram encontrados por Seleguini et al., (2006) que verificaram maior produtividade de frutos com maior cobertura morta quando, relacionados stes valores ao teste de Fisher, ao contrário de Maschio & sousa (1982), Fayad, et al., (2001), Gusmão (1998), citados por Fery & (2005); Churata (1975), e Madden, et al., que observaram que a produtividade de tomate não mostra aumento no rendimento, apenas na estrutura do solo.
  28. 28. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 28 4.5. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros no rendimento (ton/ha) da cultura de tomate. Os valores do rendimento da cultura em toneladas por hectare (t/ha) foram obtidos pelo somatório das 5 colheitas parciais até aos 90DDT, dos frutos comercializáveis, sendo que do total de 8517 frutos comercializáveis 681.36 eram pequenos,1362.72 médios e 6472.92 grandes, correspondente a 8%, 16% e 76% respectivamente. Os valores de rendimentos por kg de cada tratamento estão expressos na tabela 5 a baixo. Tabela 3. Descrição dos rendimentos parciais obtidos em função dos tratamentos. Tratamentos C0E2 C0E1 C1E2 C1E1 Pequenos 129.84 201.68 167.36 178.88 Quantidade em Nr. Médios 259.68 403.36 334.72 357.76 Grandes 1233.48 1915.96 1589.92 1699.36 Subtotal 1 1623 2521 2092 2236 Pequenos 9.274286 14.40571 11.95429 12.77714 Quantidade em kg Médios 21.64 33.61333 27.89333 29.81333 Grandes 137.0533 212.8844 176.6578 188.8178 Subtotal. 2 (kg) 167.9676 260.9035 216.5054 231.4083 Total (kg) 876.7848 Rend. (ton/ha) 51.124478 De acordo com os dados da tabela, o tratamento C0E1, mostrou maior rendimento medio de frutos em kg de 260.90kg/bloco, enquanto o tratamento C0E2, mostrou um rendimento mais baixo de todos os, com o rendimento medio de 167.97kg. Em todo o ensaio foram colhidos 876.7848kg (0.8767848 t), tendo-se verificado uma produtividade de 51.124478 ton/ha, Segundo Heine (2012); Takahashi (2005) e Machado et, al., (2002) a espaçamento conferiram maior rendimento em, podendo ser explicado pelo facto de existir uma menor competição com tamanho reduzido entre plantas. Esses resultados estão contraditórios aos obtidos neste trabalho, onde sem cobertura morta entre plantas foram os que apresentaram maiores números de frutos por parcela. Seleguini (2006) e Makishina (2009), os quais verificaram que a utilização de duas linhas proporcionou a cobertura morta, um aumento significativo no rendimento por hectare.
  29. 29. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 29 Taha (1984); Schimidt, et al., (2000), também verificaram menor número de frutos por planta, quando conduzidas com uma cobertura morta deve ao faco de a cobertura morta não estar disponível na altura de condução do ensaio e estará disponível na fase seguinte, havendo maior actividade microbiana e menos acumulo de fotoassimilados, maior devido ao facto de estes emitem maior número de racemos e, consequentemente, produzem maior número de frutos. Para além da análise da ANOVA e do teste de DMS, as variáveis: Altura versus Número de frutos por planta; Altura versus Número de frutos por canteiro e Altura versus Peso dos frutos em kg foram submetidas ao teste de regressão linear a 5% de nível de significância. a). Altura versus Número de frutos por planta As variáveis altura e número de frutos por planta não mostraram uma correlação significativa nas condições do ensaio, pois o Fcal é menor que o Fcrit de acordo com o apêndice VIII. De acordo com o apêndice VIII, existem evidências suficientes para aceitar se as hipóteses nulas, ou seja a altura da planta não influencia no número de frutos por planta, estes valores devem se ao facto de as duas variáveis não serem de causa efeito. O coeficiente de variação, de 14.88% mostra dispersão media em torno da média geral. Resultados similares a estes foram encontrados por Le et al., (1987) que verificaram que o rendimento de tomate é grandemente influenciado pelas variáveis de causa efeito como quando há concorrência por luz, água e nutrientes, assim como pelo autosombreamento e pela diminuição da taxa fotossintética líquida. Ainda para Streck et al., (1996), a maior espaçamento dentro dos canteiros causa maior altura de plantas devido ao aumento do comprimento dos internódios ocasionado pela busca mais intensa da luz. Deste modo a altura de plantas diminuiu linearmente com a diminuição do número de cachos por planta, o que causa a redução do número de frutos pequenos em detrimento dos grandes b). Altura versus Número de frutos por canteiro
  30. 30. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 30 As variáveis altura e número de frutos por canteiro não mostraram uma correlação significativa nas condições do ensaio, pois o Fcal é menor que o Fcrit de acordo com o apêndice IX Nesta relação, pode-se verificar que o número de frutos por canteiro não é influenciado pela altura das plantas porque as duas variaveis não são de causa efeito. Apenas o número de frutos por canteiro pode ser influenciado pela altura de desponte e isto caracteriza que, quanto maior o número de cachos por planta, maior será a sua produtividade, por outro lado, o crescimento em altura também é demandado por fotoassimilados, aumentando a competição entre frutos. Estes resultados da poda apical são concordantes com Silva et al., (2001), o qual relata que esta poda proporciona aumentos na proporção de frutos maiores. O coeficiente de variação de 18.8% mostra, uma dispersão media em torno da média geral. c). Altura versus Peso dos frutos em kg As variáveis altura e peso de frutos em kg não mostraram uma correlação significativa nas condições do ensaio, pois o Fcal é menor que o Fcrit de acordo com o apêndice X. As variáveis altura e peso de frutos em kg não mostraram um efeito significativo, isto deve se ao facto de as duas variáveis ter uma dependência não do tipo causa-efeito. Para Heine et al., (2012) verificaram que o peso de frutos por planta so pode ser influenciado por varaiaveis directos de causa efeito como o numero de haste em que as plantas são conduzidas. Esses resultados estão de acordo com trabalhos realizados por Fayad et al., (2001). Os espaçamentos maiores entre plantas foram os que apresentaram maiores massas de frutos por planta; e Seleguini et al., (2006), em relação ao número de hastes, verificaram que a utilização de duas hastes proporcionou maior produção por planta e, concordando em partes com o trabalho de Sterck (1998), o qual relata que a maior produção de frutos foi obtida com menor espaçamento entre plantas; isso se deve ao maior número de frutos obtidos. Resultados discordantes foram obtidos por Silva et al., (2001).
  31. 31. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 31 V. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1. Conclusões Nas condições em que foi realizado o presente experimento, foi possível chegar a seguintes conclusões: A 5% e 1% de nível de significância o de cobertura morta, e de espaçamento nos canteiros e a sua interacção, não tem uma diferença significativa em todos os seus tratamentos pelo teste F, apresentou maior altura (altura media de 72.464cm). O número de frutos por planta varia em função da cobertura morta a 5% de nível de significância pelo teste de Fisher, e com o teste de DMS, os diferentes níveis de cobertura dentro dos canteiros mostraram diferenças significativas, com uma diferença media de 7 frutos por planta, com aproximadamente 25% mais numero de frutos por planta com cobertura morta. A 5% e 1% de nível de significância para o factor cobertura morta, espaçamento de plantio nos canteiros e a sua interacção, não tem uma diferença significativa para a variável número de frutos por racemo. O factor cobertura morta, espaçamento e a sua interacção não apresentaram significância a 5% e 1% quando submetidos a teste de Fisher, ou seja a cobertura morta não altera o peso dos frutos em kg da cultura de tomate, porque as médias não são estatisticamente diferentes, contudo, foram aceites as hipóteses alternativas. As médias do factor cobertura morta a níveis C0 e C1 se diferem estatisticamente pelo teste de médias de DMS, apenas para o número de frutos, contudo podem haver outras diferenças não avaliadas neste trabalho, no caso da capacidade de adaptação a factores adversos dentro da mesma variedade, taxa fotossintética de cada planta no campo, equilíbrio entre a fonte e o dreno, entre outros determinantes do rendimento. O número de racimos dos tomateiros não variou em função da cobertura morta e dos diferentes níveis de espaçamentos nos canteiros, porque as médias são estatisticamente iguais a um nível de significância de 5% e 1% de significância pelo teste de Fisher. O tratamento C0E1, mostrou maior rendimento medio de frutos em kg de 260.9kg/ parcela, enquanto o tratamento C0E2, mostrou um rendimento mais baixo de todos com o
  32. 32. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 32 rendimento médio de 167.97kg. Contudo os diferentes níveis de espaçamentos nos blocos mostraram maior rendimento em peso dos frutos. Em todo o ensaio foram colhidos 876.7848kg (0.8767848 ton), tendo-se verificado uma produtividade de 51.12 ton/ha. 5.2. Recomendações Depois de analisados os resultados do ensaio pode-se deixar as seguintes recomendações: 5.2.1. Para os agricultores de Vilankulo Recomenda-se que usem o mulch orgânico a um nível de 5cm e altura com um espaçamento de 75cm entre plantas, pois para além de mostrar rendimentos satisfatórios, os mesmos foram obtidos por vários autores, e este material é de fácil acesso nas comunidades, garante a melhoria da textura do solo e disponibilidade dos nutrientes para as plantas, Recomenda-se que ao selecionarem o mulch deve não ser contaminado, assim como, deve se ter cuidado de não carregar as plantas infestantes de difícil eliminação. 5.2.2. Para os investigadores Recomenda-se que façam mais estudos desta natureza com espaçamentos maiores de 75cm e diferentes níveis de mulch, com outras variedades uma vez que neste trabalho o rendimento máximo foi obtido com 5cm de cobertura e um espaçamento de 75cm, o que pode apresentar resultados maiores a outras combinações de espaçamento e cobertura morta com outras variedades. Recomenda-se também que se repita este ensaio com muitas réplicas noutras épocas quentes do ano para outras áreas de solos arenosos para garantir a eficiência do uso de água e analisar o efeito de outros factores não estudados neste ensaio. 5.2.3. Para a ESUDER Recomenda-se a divulgação dos resultados deste estudo aos estudantes e aos agricultores através de demostrações nos seus campos, de modo a incrementar os seus rendimentos. Recomenda-se a repetição deste estudo nas práticas produtivas em diferentes épocas do ano para poder-se fazer comparações dos resultados.
  33. 33. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 33 VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. AEROPORTOS DE, MOCAMBIQUE, (2012). Relatório mensal de Meteorologia. Vilankulo. 2. ANDRIOLO, J.L.; DUARTE, T.S.; LUDKE, L.; SKREBSKY, E.C. (1999). Crescimento e desenvolvimen- to do tomateiro cultivado em substrato com fertirrigação. Horticultura Brasileira, Brasília, v.15, n.1, p.28-32. 3. ANDRIOLO, J.L.; FALCÃO, L.L. (2000).Efeito da poda de folhas sobre a acumulação de matéria seca e sua repartição para os frutos do tomateiro cultivado em ambiente protegido. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v.8, p.75-83. 4. AUSTIN, M.E.; DUNTON Jr., E.M. (1970). Fertilizer – plant population studies for once tomato harvester. J. Am. Soc. Hortic. Sci., Mount Vernon, v. 95, p. 645-649. 5. BAKER, J.T; EARHART, D.R; BAKER, M.L; DAINELLO, F.J; HABY, V.A. (1998). Interactions of poultry litter, polyethylene mulch, and floating row covers on triploid wotermelon. Hort Science. 33(5): 810-813. 6. Bergamin, F. A. & Amorim, L. (1996). DoençasTropicais:EpidemiologiaeControlo 7. BERTIN, N. (1995) .Competition for assimilates and fruit position affect fruit set in indeterminate greenhouse tomato. Annals of Botany, Oxford, v.75, 55-65, biótipoB (Hemiptera:aleyrodidae)emcultivaresdealgodão. Brasil. 64p. 8. BLEVINS, R.L.; THOMAS, G.W. et al., (1997). Influence of no-tillage and nitrogen fertilization of certain soil properties after 5 years of continuous corn. Agron. J. 69: 383. 9. BORRAZ, C.J.; CASTILHO, S.F.; ROBELES, E.P. (1991). Efectos del despunte y la densidad de poblacion sobre dos variedades de jitomate (Lycopersicon esculentum, Mill), en hidroponía bajo invernadero. Chapingo, v.14, n.73/74, p.26-30. 10. BORRELI, A, (1983). Influenza della densita d’investimento e della cimatura sulla produzione del pomodoro coltivado in serra. Riv. Ortoflurofrutt. Ital., Firenze, v. 76, p. 113-122. 11. BOWEN, K.L., YOUNG, B., BEHE, B.K.( 1995). Managemente of blackspot of rose in the landscape in Alabama. Plant Disiease, v.79, p.250-253,. Disponível em: 366333
  34. 34. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 34 12. CADAVID, L.F.; EL-SHARKAWY, M.A.; ACOSTA, A.; SÁNCHEZ, T. (1998). Long – term effects of mulch, fertilization and tillage on cassava grown in sandy soils in northern Colombia. Reprinted from Field Crops Research. 57: 45-56. 13. CAMARGOS, M.I. et al.( (2000). A produção de tomate longa vidaem estufa, influenciada por espaçamento e número de racimos por planta. Hort. Bras., Brasília, v. 18, p. 563-564. 14. CAMPOS, J.P.; BRLFORT, C.C.; GALVÃO, J.D.; FONTES, P.C.R. (1987). Efeito da poda de haste e da população de plantas sobre a produção do toma- teiro. Revista Ceres, v.34, n.191, p.198-208. 15. CASTAÑER, M. A. & Castañer, J. A. (1984). Horticultura,2ªed. Lerida. 533pp. 16. CEAGESP. Classificação do tomate. São Paulo: CQH/CEAGESP. 1998. 8 p. (folder) 17. CERMEÑO, Z. S. (1978). Tomate,PimientoyBerenjenaeninvernadero. Madrid. 248pp. 18. CHURATA-MASCA, M.G.C. (1975). Recomendações práticas para a produção de tomate para fins industriais. Jaboticabal: FMVA,. 39p. 19. CROSSAN, D.F., FIELDHOUSE, D.J., MOREHART, A.L., BANIECKI, J.F. (1963).The effect of fungicide and wax mulch soil tratments on tomato fruit disiease control. Plant Disiease, v.47, p.111-113. 20. CROTEAU, G.A.; ZIBILSKE, L;M.( 1998). Influence of papermill processing residuals on saprophytic growth and disease caused by Rhizoctonia solani. Apllied soil ecology. 10: 103-105. 21. CSIZINSZKY, A.A.( 1980). Response of tomatoes to fertilizer rates and within row plant spacing in two and four row productions systems. Proc. Fla. State Hortic. Soc, Gainesville, n. 93, p. 241-243. 22. DICTA. (1998). Manejo IntegradodeMoscablanca. Proyecto Sanidad Vegetal -GTZ. Tegucigalpa. Honduras. 23. DIEZ NICLOS, J. (1995) Tipos varietables. In: NUEZ, F. (Coord.) El cultivo del tomate. Madrid: Mundi Prensa. p. 93-129. 24. Dusi, A. N., Lopes, C. A., Oliveira, C. A. S., Moreira, H. M., Miranda, J. E. C., Charchar, J. M., Silva, J. L. O., Magalhães, J. R., Branco, M. C., Reis, N. V. B.,
  35. 35. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 35 makishima, N., Fontes, R. R., Pereira W. & horino, Y, (1993). Tomateiroparamesa. 1a ed. Brasília – 89pp. 25. FAYAD, J.A.; FONTES, P.C.R.; CARDOSO, A.A.; FINGER, F.L.; FERREIRA, F.A, (2001) . Cresci- mento e produção do tomateiro cultivado sob con- dições de campo e de ambiente protegido. Horticultura Brasileira, Brasília, v.19, n.3, p.365-370. 26. FERY, R.L.; JANICK, J. (1970b). Effect of planting paten and population pressure on the yield response of tomato. Hortsci., East Lansing, v. 5, n. 5, p. 443-444. 27. FERY, R.L.; JANICK, J. (1970a). Response of the tomato to population pressure. J. Am. Soc. Hort. Sci., Mount Vernon, v. 95, n. 5, p. 614-624. 28. FILGUEIRA, F.A.R. (2000), Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produ- ção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV,. 402 p. 29. GALINDO, J.J, ABAWI, G.S, THURSTON, H.D, GALVEZ, G. (1983), Effect of mulching on web blight of beans in Costa Rica.-Phytopathology, v.73, p.610-615. 30. GÄREDAL, L; LUNDEGARDH, B. (1988). Ecological cultivation of greenhouse tomatoes (Lycopersicon esculentum Mill) in limited beds fertilized with locally produced mulches: Effects on growth and yield. Biological Agriculture and Horticulture. 16: 173- 189. 31. GUSMÃO, S.A.L (.1988). Efeito da poda e densidade de plantio sobre a produção de tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill.). Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Viçosa – UFV. Viçosa-MG. 103p. 32. HAJI, F; Mattos, M; Alencar, J; Barbosa, F. R. & B. J. Paranhos. (2005). Maneio da Mosca. 33. HEINE, A. J. M, (2012). Produção e qualidade do tomateiro híbrido Lumi sob adensamento e condução de hastes. Vitória da Conquista - BA: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB,. 82p. (Dissertação - Mestrado em Agronomia, Área de Concentração em Fitotecnia). 34. HEUVELINK, E. (2005). Crop Production Science In Horticulture-Tomatoes. Wageningen University, The Netherlands 399p.
  36. 36. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 36 35. HOUSBECK, M.K, PENNYPACKER, S.P., STEVENSON, R.E, (1996) The effect of platic mulch and forced heated air on Botrytis cinerea on geranium stock plants in a research greenhouse.Plant Disiease, v.80, p.170-173. 36. JONES, C.W., McCARTER, S.M.( 1974). Etiology of tomato fruit rots and evaluation of cultural and chemical treatments for their control. Phytopathology, v.64, p.1204-1208. 37. KONING, A.N.M. de. (1994). Development and dry mass distribution in glasshouse tomato: a quantitative approach. . 240f. Dissertation. Wageningen Agricultural University. 38. Le BIHAN, B.; SOULAS, M.L.; CAMPOROTA, P.; SALERNO, M.I.; PERRIN, R. (1987). Evaluatioin of soil solar heating for control of damping-off fungi in two forest nurseries in France. Biol Fertil Soils. 25: 189-195.LED, Wageningen. 104 Pp. Disponível em: (http://www.anancy.net/uploads/file_pt/17-p- 2006-screen.pdf, Acessado em: 20 de Fevereiro de 2012). 39. MACHADO, J. O., BRAZ, L. T., GRILLI, G. V. G .(2002). Desempenho de produção de cultivares de tomateiro tipo cereja em diferentes espaçamentos. Setor de Olericultura e Plantas Aromático-medicinais do Departamento de Produção Vegetal da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Unesp – FCAV. Jaboticabal-SP. 40. MADDEN, L.V, WILSON, L.L, ELLIS, M.A. (1993). Field spread of anthracnose fruit rot of strawberry in relation to ground cover and ambient weather conditions. Plant Disiease, v.77, p.861-866. 41. MAKISHIMA, N. (2003). O popular tomate. In: PROGRAMA BRASILEIRO PARA MODERNIZACÃO DA HORTICULTURA. Normas de classificação do tomate. São Paulo: Centro de Qualidade em Horticultura/CEAGESP. (CQH. Documentos, 26). 42. MANRIQUE,, J.V. (1995). Mulching in potato systens in the tropics. J. Pl. Nutr. 18(4): 593. 43. MAROTO, J. V. (1995). Horticultura.Herbaceaespecial,4aed. Madrid. 611pp. Messiaen, C- M. (1992). Thetropicalvegetablegarden. Londres. 514pp. Mosca, J. (1988). Contribuiçãodo SectorAgráriodoChókwe. MADER. 8 Pp. 44. MAROTO, J. V. (1995). Horticultura.Herbaceaespecial,4aed. Madrid. 611pp.
  37. 37. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 37 45. MESSIAEN, C-M. (1992). The tropical vegetable garden. Londres. 514pp. Mosca, J. (1988). ContribuiçãodoSectorAgráriodoChókwe. MADER. 8 Pp. 46. MASCHIO, L.M.; SOUZA, G.F, (1982) .Adubação básica, nitrogênio em cobertura, espaçamento e desbrota na produção de tomateiro. Pesq. Agropecu. Bras., Brasília, v. 17, n. 9, p. 1309-1315. 47. MINISTERIO DA AGRICULTURA, (1999). Cultura do tomateiro, Maputo 65p. serie c. Agricultura no 3. 48. NAIKA, S., J. V. L. Jeude, M. Goffau, M. Hilmi, B. V. Dam. (2006). A Cultura do tomate. Netherlands. 49. NUEZ, F. (1995). El cultivo del tomate, Madrid : Mundi-Prensa. 793p. 50. OLIVEIRA, V.R. (1993). Número de ramos por planta, poda apical e época de plantio influenciando a produção e a qualidade dos frutos de tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill.).. 114 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 51. OLIVEIRA, V.R.; CAMPOS, J.P.; FONTES, P.C.R.; REIS, F.P. (1995). Efeito do numero de hastes por planta e poda apical na produção classificada de frutos de tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill.). Ciência e Prática, v.19, n.4, p.414-419. 52. PAPADOPOULOS, A.P.; PARARAJASINGHAM, S. (1997). The influence of plant spacing on light interception and use in greenhouse tomato (Lycopersicon esculentum Mill.): Areview. Scientia Horticulturae, v.69, p.1-29. 53. MINISTERIO DE ADMINISTRACAO ESTATAL, (2005). Perfil Do Distrito de Vilankulo, Maputo. 54. PICKERING, J.S.; KENDLE, A.D.; HADLEY, P. (1998). The suitability of composted green waste as an organic mulch: effects on soil moisture retention and surface temperature. Proc. Is Composting and use Composted Materials. Ed. R.A.K. Szmidt. Acta Hort. H69, I SHS. 319-324. 55. PINAMONTI, F. (1998).Compost mulch effects on soil fertility, nutricional status and performance of gravepine. Nutient Cycling in Agroecosystems. 51: 239-248. 56. POERSCHKE, P.R.C.; BURIOL, G. A.; STRECK, N.A.; ESTEFANEL, V. (1995). Efeito de sistemas de poda sobre o rendimento do tomateiro cultivado em es- tufa de polietileno.
  38. 38. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 38 Ciência Rural, Santa Maria, v.25, n.3, p.379-384. 57. PURSEGLOVE, J. W. (1991). TropicalCropsDicotyledons. Inglaterra. 719pp. 58. RIBEIRO, J. & T. RULKENS (1999). OTomate. FAEF-UEM. Maputo. 29Pp. 59. SALVADOR, R. N. (2004). MoscaBranca(BemisiatabaciBiótipoB)naCulturadeTomate. Disponível em: (http://www.ihara.com.br/index/ezsite.asp?id=946, acessado em 23 de Março de 2008). 60. SCHMIDT, D.; SANTOS, O.S.; BONNECARRÈRE, A.G.; PILAU, F.G, (2000), Potencial produtivo de tomate cultivado com alta densida- de em hidroponia. Horticultura Brasileira, Brasília, v.18, p.273-274. 61. SELEGUINI, A. et al. (2006 ). Número de hastes e racimos por planta de tomateiro de crescimento indeterminado, em condições de ambiente protegido. Hort. Bras., Brasília, v. 21, Suplemento CD-ROM. 62. SELEGUINI, A.; SENO, S.; ZIZAS, G.B.( 2003). Influência do espaçamento entre plantas e número de cachos por plantas na cultura do tomateiro, em condições de ambiente protegido. Horticultura Brasileira, Brasília, v.20, n.2, Jul., p. 25-28, 2002. Suplemento. 63. SHOCK, C.C.; HOBSON, J.H.; SEDDIGH, M. SHOCK, B.M.; STIEBER, T.D.; SAUNDERS, L.D. (1997). Mechanical straw mulching of irrigation furrows: soil erosion and nutrient losses. Reprinted from Agronomy jornal. 89 (6), p. 887-893. 64. SILVA, L.M.G. et al. (2001). Produção de tomate (L. esculentum Mill) cv. Carmem sob diferentes sistemas de desbrota e densidade de plantio. Hort. Bras., Brasília, v. 19, Suplemento CD-ROM. 65. SPONER, L.A. (1970). Availability of water absorbed by hard wood bark soil amendment. Agron. J. 69 (4): 589. 66. STERCK, N.A.; BURIOL, G.A.; ANDRIOLO, J.L.; SANDRI, M.A.(1998,) Influência da densidade de plantas e da poda apical drástica na produtividade do tomateiro em estufa de plástico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília v.33, n.7. p.1105-1112. 67. STRATTON, M.L. & RECHCIGL, J.E. (1998), Organic mulches, wood products, and composts as soil amendments and condition ners. New York. 68. STRECK, N.A. et al.( 1996). Efeito da densidade de plantas sobre a produtividade do
  39. 39. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 39 tomateiro cultivado em estufa de plástico. Pesq. Agropecu. Bras., Brasília, v. 31, n. 2, p. 105-112. 69. TAHA, A.A, 1984. Influence of plant population pressure on the response of tomato nitrogen fertilization. Acta Hort., Den Haag, v. 143, p. 299-304. 70. TAKAHASHI, K. (2005). Aspectos biológicos e potencial de parasitismo de Encarsia formosa (Gahan) (Hymenoptera: Aphilinidae) sobre Bemisia tabaci biótipo B (GENNADIUS) (Hemiptera:Aleydodidae)emcouve,tomateesoja. Brasil. 85p. 71. TILANDER, Y. & BONZI, M. (1997). Water and nutrient conservation through the use of agroforestry mulches, and sorghum yield response. Plant and Soil. 197: 219-232.. 72. TINDALL, H.D. (1983). VegetablesintheTropics. Hong Kong. 533pp. 73. TORRES, L. (2006). Aspectos biológicos preferência para oviposição por Bemisia tabaci 74. TUITERT, G.; SZCZECH, M.; BOLHERI, G.J. (1998). Suppression of Rhizoctonia solani in potting mixtures amended with compost made from organic household waste. Phytopathology. 88: 764-773. 75. UTKHEDE, R.S. & HOGUE, E.J. (1998). Effect of herbicides, plastic mulch, and hand- weeding an development of Phytophthora crown and root rot of apple trees. Canadian Journal of Plant Pathology. 20: 81-86. 76. VARELA, A & SELF, A. (2003). Crop Protection. Manual for Tomatoes. ICIPE. Nairobi. 77. VILLAREAL, R. L. (1980). TomatoesintheTropics. IADS. Wetview. EUA. 174pp.
  40. 40. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 40 Índice Conteúdo Página DECLARAÇÃO………………………………………………………………………………….iii DEDICATÓRIA………………………………………………………………………………….iv AGRADECIMENTOS……………………………………………………………………………v LISTA DE ABREVIATURAS…………………………………………………………………...vi LISTA DE TABELAS E FIGURAS…………………………………………………………….vii LISTA DE APÊNDICES………………………………………………………………………...vii LISTA DE ANEXOS…………………………………………………………………………...viii GLOSSÁRIO……………………………………………………………………………………..ix RESUMO………………………………………………………………………………………….x SUMMARY………………………………………………………………………………………xi I. INTRODUÇÃO....................................................................................................................... 1 1.1. Generalidades....................................................................................................................... 1 1.2. Problema de estudo e justificação........................................................................................ 2 1.3. Objectivos ................................................................................................................................ 3 1.3.1. Objectivo geral:..................................................................................................................... 3 1.3.2. Objectivos específicos .......................................................................................................... 3 1.4. Hipóteses.................................................................................................................................. 3 II. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA................................................................................................... 4 2.1. Considerações gerais................................................................................................................ 4 2.1.1. Taxonomia, origem e distribuição do tomate. ................................................................... 4 2.1.2. Características Morfológicas ................................................................................................ 4 2.1.3. Exigências edafo-climáticas da cultura................................................................................. 5
  41. 41. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 41 2.1.4. Preparação do solo .............................................................................................................. 6 2.1.5. Métodos de propagação ...................................................................................................... 6 2.2. DESCRIÇÃO DO EFEITO DA COBERTURA MORTA...................................................... 6 2.2.1. Efeito da cobertura morta nas propriedades físicas do solo.................................................. 7 2.2.2. Efeito da cobertura morta na erosão do solo................................................................... 7 2.2.3. Efeito da cobertura morta na humidade e temperatura do solo ............................................ 8 2.2.4. Efeitos da cobertura morta nas propriedades químicas do solo............................................ 8 2.2.5. Efeitos da cobertura morta na aeração do solo ..................................................................... 9 2.2.6. Efeitos da cobertura morta na fertilidade do solo, nutrição das plantas e na produção........ 9 2.2.7. Efeitos da cobertura morta no controlo de infestantes. .................................................. 10 2.2.8. Efeitos da cobertura sobre os organismos do solo ......................................................... 10 2.2.9. Efeitos da má aplicação da cobertura morta. ...................................................................... 10 2.3. CARACTERIZAÇÃO DO EFEITO ESPAÇAMENTO DE PLANTIO NOS CANTEIROS NA CULTURA DE TOMATE ............................................................................. 11 III. MATERIAIS E MÉTODOS.............................................................................................. 13 3.1. Descrição da área de estudo................................................................................................... 13 3.2. Metodologia ........................................................................................................................... 14 3.2.1. Delineamento experimental ................................................................................................ 14 3.3. Condução do ensaio ........................................................................................................... 16 3.3.1. Alfobre ........................................................................................................................... 16 3.3.2. Campo definitivo............................................................................................................ 16 3.3.4. Parâmetros avaliados...................................................................................................... 20 3.3.5. Colecta de dados estatísticos.......................................................................................... 21 3.3.6. Análise estatística........................................................................................................... 22
  42. 42. Efeito da Cobertura Morta (Mulching) e de Espaçamento de plantio nos canteiros no Rendimento da Cultura de Tomate Tese de Licenciatura em Produção Agrícola Egas José Armando 42 3.3.7. Modelo estatístico para experimentos factoriais em Blocos completamente casualizados. ................................................................................................................................. 22 IV. RESULTADOS E DISCUSSÃO....................................................................................... 23 4.1. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros na altura da cultura de tomate....................................................................................................................................... 23 4.2. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros no número de frutos por planta da cultura de tomate..................................................................................................... 23 4.3. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros no número de racemos por planta da cultura de tomate....................................................................................... 26 4.4. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros no peso em kg por planta da cultura de tomate..................................................................................................... 27 4.5. Influência da cobertura morta e de espaçamento de plantio nos canteiros no rendimento (ton/ha) da cultura de tomate ........................................................................................................ 28 V. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES............................................................................. 31 5.1. Conclusões ............................................................................................................................. 31 5.2. Recomendações……………………………….……………………………………………..32 5.2.1. Para os agricultores de Vilankulo ....................................................................................... 32 5.2.2. Para os investigadores......................................................................................................... 32 5.2.3. Para a ESUDER .................................................................................................................. 32 VI. Referências Bibliográficas…………………………………………...………………………33

×