GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 1
O jihadismo, os semeadores de ventos e as vítimas das
tempestades (1)
Pode dizer-se qu...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 2
Mediterrâneo - Distribuição da população
0%
20%
40%
60%
80%
100%
1950 1970 1980 1985 1...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 3
cultura dos indígenas, dos nativos, mantidos atrasados pelos 3 M’s de René Dumont,
no ...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 4
restringida, tem como consequência, lógicas discriminatórias e guetos que atingem
tamb...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 5
plano, ainda no tempo de Daud Khan, as forças armadas foram reforçadas com forte
apoio...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 6
A invasão iria permitir que o apoio aos rebeldes mujahedin afegãos crescesse e
assumis...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 7
wahabita, edificando mesquitas e criando madrassas, como na década seguinte iriam
faze...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 8
A derrota soviética no cenário afegão correspondeu a uma importante vitória para os
EU...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 9
Irão, o grande rival dos sauditas na área do Golfo, sem esquecer o controlo dos
abaste...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 10
progressistas na América Latina. Pouco depois, em setembro é a Macedónia que se
decla...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 11
qualquer reconhecimento por parte da Sérvia até hoje, tal como acontece com muitos
pa...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 12
O mesmo não acontece com a via férrea que atravessa o Cáucaso e que tem na
república ...
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 13
dos 850 reféns21
; eram dirigidos por Bassaev e pelo saudita Ibn al-Khattab, ambos
li...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O jihadismo, os semeadores de ventos e as vítimas das tempestades 1

378 visualizações

Publicada em

Pode dizer-se que em 11 de setembro de 2001, a criatura mordeu a mão do criador. Abordaremos em seguida algumas situações reveladoras dos atos criadores e da inclusão das criaturas no perímetro dos interesses dos criadores.


Sumário

1 – Uma base de opressão e desigualdades
2 - Afeganistão – um primeiro capítulo
2.1 - O fortalecimento do jihadismo no Afeganistão
3 - Novos cenários para a atuação jihadista
3.1 – A estreia na Europa – A Bósnia
3.2 – Um viveiro do crime – O Kosovo
3.3 – Chechénia – ventre mole da Rússia?

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
378
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O jihadismo, os semeadores de ventos e as vítimas das tempestades 1

  1. 1. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 1 O jihadismo, os semeadores de ventos e as vítimas das tempestades (1) Pode dizer-se que em 11 de setembro de 2001, a criatura mordeu a mão do criador. Abordaremos em seguida algumas situações reveladoras dos atos criadores e da inclusão das criaturas no perímetro dos interesses dos criadores. Sumário 1 – Uma base de opressão e desigualdades 2 - Afeganistão – um primeiro capítulo 2.1 - O fortalecimento do jihadismo no Afeganistão 3 - Novos cenários para a atuação jihadista 3.1 – A estreia na Europa – A Bósnia 3.2 – Um viveiro do crime – O Kosovo 3.3 – Chechénia – ventre mole da Rússia? +++ |||||||||||||||||||||||||||||| +++ 1 – Uma base de opressão e desigualdades As causas da desestabilização crescente no Médio Oriente e em África são estruturais e não se resolvem com a recepção de refugiados a contragosto e, menos ainda, com bombardeamentos. Emblematicamente os dois gráficos seguintes, revelam esses problemas estruturais resultantes das grandes desigualdades que dividem a orla mediterrânica1 . Essas desigualdades são de per si violentas; e onde há violência, há resistência que, pacífica ou não, por norma, atrai mais violência, destruição e sofrimentos. Mesmo que não seja referido explicitamente nos discursos editoriais, na base dos conflitos estão as relações desiguais que caraterizam o capitalismo. 1 http://grazia-tanta.blogspot.com/2012/02/as-manobras-guerreiras-do-imperio-no.html http://grazia-tanta.blogspot.pt/2012/01/oneoliberalismo-e-geopolitica-no.html http://grazia-tanta.blogspot.pt/2012/01/opentagono-e-nato.html http://www.slideshare.net/durgarrai/um-problema-mundial-chamado-nato
  2. 2. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 2 Mediterrâneo - Distribuição da população 0% 20% 40% 60% 80% 100% 1950 1970 1980 1985 1990 1995 2000 2005 2010 2025 2050 Africa do Norte Asia Ocidental Europa Sul-Oriental Europa Sul-Ocidental Israël Mediterrâneo - Distribuição do PIB 0% 20% 40% 60% 80% 100% 1970 1980 1985 1990 1995 2000 2005 2010 Africa do Norte Asia Ocidental Europa Sul-Oriental Europa Sul-Ocidental Israel Fonte primária: CNUCED/UNCTAD A compreensão ocidental dos problemas vividos, nasce e cinge-se, desde há muitas décadas à leitura das questões relativas à infraestrutura económica à qual se exige produza o desenvolvimento económico – cujo nome disfarça o extrativismo predatório - como solução; sem tocarem na propriedade dos meios de produção, na distribuição do rendimento gerado, nem evitarem a destruição dos ecossistemas. Em contrapartida canta-se a estúpida narrativa neoliberal do investimento que gera emprego, do baixo salário como base da competitividade, do consumo montado em dívida. Há uma superstrutura ideológica de crispação, de choque de civilizações, teorizada por Huntington, que atualizou para o mundo pós-colonial o complexo de superioridade do colonizador, exigente da obediência e da mimetização de hábitos “civilizados”2 pelo colonizado mas, pouco votado a compreender o sentir e a racionalidade inerente à 2 Achamos ridícula mas reveladora a figura de muitos africanos, asiáticos e outros povos encadernados em fatos e gravatas pretendendo assumir o papel de “peles negras, máscaras brancas” junto das suseranias ocidentais e para se afirmarem como ungidos pelo capital , junto dos seus próprios concidadãos
  3. 3. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 3 cultura dos indígenas, dos nativos, mantidos atrasados pelos 3 M’s de René Dumont, no referente à África3 . Essa superioridade geradora de direitos de liderança e de imposição aos recalcitrantes designa-se, muitas vezes por eurocentrismo e é a fonte de uma dívida menos falada do que a financeira, que é a dívida colonial. A contestação radical que foi conhecida na Europa nos anos 60/70 do século passado baseava-se em filosofias de raiz europeia e foi essa mesma a base política dos movimentos de libertação anticoloniais. Naquela época, as culturas europeias confrontaram-se com a imolação pelo fogo de monges budistas no Vietnam, em luta contra a ditadura local, totalmente incompreensível para os europeus, incapazes de entender a força da mensagem de protesto daqueles sacrifícios serenos e pacíficos. Do mesmo modo, os atentados praticados por muçulmanos, com o rebentamento de cintos com explosivos, para atingir o inimigo, são actos que resultam da falta de esperança, da humilhação racista, da vingança de parentes vitimados ou da vingança comunitária, face a um opressor ou agressor e não a procura de benfeitorias no Além. Uma vez mais, as causas estão no terreno, na pobreza, nas desigualdades, na falta de futuro, na humilhação comunitária, na agressão externa, na repressão. Na antiga Saigão, em Nova Iorque, em Paris. Podem colocar um polícia em cada porta, um a vigiar cada IP de computador, vigiar fronteiras e escrutinar listas de passageiros, aumentar as trocas de informações e bombardear países inteiros que nada disso irá alterar a essência do que é espelhado nos gráficos acima inseridos. Com toda a verdade histórica do seu lado, os árabes e os muçulmanos em geral apontam para as responsabilidades ocidentais na divisão política, arbitrária e artificial do território do extinto império otomano, na década de 20 do século passado, em reinos entregues a famílias coniventes com os interesses, nomeadamente dos ingleses – os al-Saud na Arábia, os hachemitas na Jordânia e no Iraque, os al-Husayn no Yemen, os al-Sabah no Kuwait, para além da manutenção das famílias reinantes nos vários protetorados ingleses do Golfo. Merece ainda uma incontornável referência, o facto de que são os ingleses a permitir a criação, em terras palestinianas, da entidade genocida conhecida por Israel, logo substituídos na sua proteção pelos norte-americanos; o que vai durando até hoje. O paulatino desvendar das imensas riquezas energéticas na zona, tem vindo, desde então, a acentuar as intervenções de vária índole dos ocidentais, as quais vêm impedindo a autonomia e o progresso na região, mesmo que seja popular uma narrativa em torno do fatalismo muçulmano que atrai esses povos para a manutenção da pobreza ou para uma mórbida atração cultural pelo exercício da violência. É fácil detetar os beneficiários dessa narrativa racista que, nesse contexto, se pretendem apresentar como vítimas de incompreensão. Em toda esta área geográfica é sentida uma mescla de desejo pela prosperidade dos ocidentais e de ódio pelo facto de um acesso à prosperidade ser bloqueada por aqueles - e seus aliados das casas reinantes ou ditadores avulsos - para a continuidade da pilhagem do petróleo. A emigração para a Europa, nomeadamente, mesmo 3 Le marchand, le militaire et le missionaire
  4. 4. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 4 restringida, tem como consequência, lógicas discriminatórias e guetos que atingem também várias gerações de já nascidos na Europa. Convém ainda sublinhar que uma perigosa segmentação dos povos se está também a desenhar na Europa, com o acentuar de diferenças entre um centro rico e periferias que, através dos mecanismos da dívida são instados a reduzir rendimentos, direitos e bem-estar por parte de uma reduzida oligarquia que une os cúpidos banqueiros, os estreitos burocratas que pululam na corda Berlim-Frankfurt-Bruxelas e as suas metástases nacionais. Em nome da segurança, por seu turno, insinua-se nas instituições e em algumas mentes, a xenofobia e o fascismo, bem como a aceitação de intromissões policiais e militarizadas4 dos espaços públicos e privados que fazem lembrar o reino do Big Brother. Por muito que esteja afastado dos noticiários e das bocas dos encartados comentadores do costume, o combate dos povos de ambas as margens do Mediterrâneo faz-se a partir da mesma trincheira. 2 - Afeganistão – primeiro capítulo Em julho de 1973 um dignitário afegão, Daud Khan, derrubou o rei – de quem era primo – e acabou com a monarquia, com o esperado apoio do Parcham, uma fação do PDPA - Partido Democrático do Povo do Afeganistão. Daud, inicialmente, recolheu algum apoio da URSS antes de dar prioridade às relações com o Irão, então governado pelo xá Pahlevi, próximo dos EUA. Em 27/4/1978, Daud é deposto pelo exército, onde reinava grande simpatia pelo PDPA e assassinado (com a sua família), sendo substituído por Nur Taraki, secretário-geral daquele partido. O novo governo procedeu a reformas modernizadoras que dividiram as duas fações do PDPA – os parchamis, na sua maioria não-pashtuns e os khalkis - e provocaram com isso a reação das tribos, onde vigorava um forte tradicionalismo, bem como dos latifundiários, ameaçados pela reforma agrária, o fim da usura e a anulação da dívida de pequenos agricultores. Ainda no tempo de Daud, em 1975, o Paquistão de Ali Butho, por solidariedade com as tribos pashtun e para criar dificuldades ao governo de Cabul, apoiou a rebelião do Jamiat e-Islami cujos membros, derrotados, se refugiaram no Paquistão. A influência soviética no Afeganistão era tradicionalmente grande, como produto da colisão entre os russos/soviéticos e os ingleses, colonizadores da Índia e do futuro Paquistão que, desde o século XIX, haviam constituído o Afeganistão (e a Pérsia/Irão) como estado-tampão para conter a aproximação russa dos “mares quentes”. Sobretudo, depois da II Guerra o apoio soviético ao Afeganistão aumentou na construção de infraestruturas, das universidades de Cabul, Herat e outras, para além de apoios humanitários e de âmbito militar; a URSS beneficiava assim, da retirada dos ingleses com a extinção do seu Império das Índias. Por outro lado, a nuclearização dos dois contendores do conflito indo-paquistanês tornava o Afeganistão um instrumento interessante para o apoio a um deles, sentindo-se também a influência do Irão e, nesse 4 http://www.jornalmapa.pt/2015/11/21/desarmemos-a-policia/
  5. 5. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 5 plano, ainda no tempo de Daud Khan, as forças armadas foram reforçadas com forte apoio soviético. Em meados de 1978 surgem os primeiros grupos de rebeldes nas zonas montanhosas junto à fronteira com o Paquistão (pashtuns) e em setembro de 1979, Hafizullah Amin, da fação khalki assume o poder depois do assassinato de Taraki (dentro da prática local à época), somando à luta aos rebeldes, a luta contra os parchamis. Neste período, a repressão aos poderes tradicionais e religiosos era particularmente impiedosa, incluindo execuções, provocando a fuga do país de oposicionistas do regime. Um levantamento rebelde em Herat (março de 1979) provocou a morte de 100 soviéticos a que se seguiu uma forte repressão, a generalização da rebelião (em 24 das 28 províncias) e deserções do exército. Na sequência, o presidente norte-americano Jimmy Carter assinou em 3 de julho a sua primeira diretiva5 para apoio secreto aos opositores do regime de Cabul, cerca de seis meses antes da entrada de tropas soviéticas. A crispação dos EUA já se havia demonstrado, prenunciando um futuro período de confrontação entre as superpotências, quando Carter se recusou a ratificar o tratado SALT II sobre a proliferação do nuclear, em junho do mesmo ano, 1979. Brejnev não queria enviar tropas para o Afeganistão, conhecedor das debilidades da economia soviética, dos riscos políticos de uma aberta intervenção no exterior e da oposição declarada do povo soviético. Perante a degradação da situação interna, o governo afegão instou a intervenção soviética que, em 16 de junho de 1979 se materializou no envio de tanques para proteger Cabul e os aeroportos; e, pouco depois (7 de julho) paraquedistas desarmados entram na base de Bagram, havendo ainda a preocupação de não interferir no conflito local até porque a URSS discordava das atitudes sectárias de Hafizullah Amin que, em setembro, havia passado de primeiro- ministro a presidente da república. Amin tornava-se um elemento cuja atuação incentivava a rebelião e assim, tropas soviéticas com uniformes afegãos, de 27 para 28 de dezembro de 1979, assassinam Amin e substituem-no pelo parchami Karmal. Nesse mesmo dia, 1800 tanques, 2000 blindados e 80000 soldados soviéticos de infantaria entram no Afeganistão desencadeando um coro de protestos protagonizado por 34 países islâmicos. Iniciava- se assim, abertamente, o período de crescimento das várias formas de jihadismo, com o apoio ocidental. 2.1 - O fortalecimento do jihadismo no Afeganistão Carter herdava algumas derrotas nos últimos anos antes da invasão soviética do Afeganistão. A descolonização portuguesa não criara estados vassalos dos EUA e, sobretudo em Angola, não se verificara êxito na intervenção sul-africana, nem os EUA puderam evitar a presença de soldados cubanos no país. Na Etiópia, Mengistu Mariam acabara com o império e construía um regime alinhado com a URSS. Em 1975, os EUA, ainda com Gerald Ford, haviam saído do Vietnam e da Indochina vergados pela derrota. Assim, a invasão soviética do Afeganistão seria a grande oportunidade para a retoma da iniciativa e para causar dificuldades ao adversário estratégico. 5 http://www.huffingtonpost.com/akbar-ganji/us-jihadist-relations_b_5542757.html
  6. 6. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 6 A invasão iria permitir que o apoio aos rebeldes mujahedin afegãos crescesse e assumisse uma visibilidade até aí inconveniente de ser mostrada. Os EUA compraram todo o armamento soviético detido por Israel e forneceram-no aos mujahedin, provavelmente cuidando de o substituir por armamento made in USA; o Egipto reequipou o seu exército e enviou para os afegãos o material velho, tal como a Turquia; a Grã-Bretanha enviou os ultrapassados mísseis Blowpipe e a neutral Suiça, os canhões Oerlikon, também fora de prazo. Somente a China enviou material moderno, ao contrário dos outros que utilizaram o Afeganistão como área de reciclagem. Havia uma firme intenção dos EUA em vergar o seu inimigo estratégico, a qualquer custo. A operação Ciclone, um programa da CIA que chegou a custar $ 630 M em 1987, consistia na utilização do poderoso ISI6 (Inter-Services Intelligence) paquistanês para a canalização de meios militares, financeiros e de logística, aos mujahedin afegãos. O ISI forneceu treino militar a 100000 homens durante uma década, com financiamento dos EUA, incluindo 35000 combatentes7 provenientes de outros países islâmicos, entre os quais o célebre bin Laden, encarregado em 1986 pelo recrutamento. A al-Qaeda de bin Laden armada e financiada pelos EUA e outros contribuintes, tal como os restantes grupos, caraterizava-se pelo seu ardor combatente, pelo seu extremismo militante e constituía o núcleo agregador dos 4000 sauditas que lutaram no Afeganistão. Já no período final da guerra, os EUA tentaram concentrar o seu apoio no moderado Massoud mas, não podiam garantir que isso fosse cumprido pelo ISI nem pelos outros doadores, mormente a Arábia Saudita; e daí que poucos anos depois da saída dos soviéticos, o poder no Afeganistão tenha caído nas mãos dos taliban. Os soviéticos tinham cometido um enorme erro de cálculo admitindo que com a eliminação do odiado Amin os afegãos ficariam contentes com Karmal liderando o exército afegão e com a ajuda da tropa soviética. Esqueceram o arraigado espírito de independência dos afegãos que os ingleses bem conheciam desde o século XIX. Esqueceram a lição aprendida pelos EUA na Indochina, ou pelos portugueses na Guiné- Bissau, de que o controlo das cidades deixando o resto do território às guerrilhas – para mais com fortes apoios ocidentais e no Paquistão - provocaria um desgaste enorme a um exército convencional, em termos de baixas, no orçamento e na moral das tropas. E não imaginaram que o desmembramento do exército afegão colocaria todo o esforço de guerra nos soldados soviéticos, sem qualquer razão para se empolgarem com essa guerra, para mais na pouco simpática posição de ocupantes. Um dos aspetos com sequelas bem evidentes nos tempos que correm é que os soviéticos eram apontados como comunistas e ateus, fulcro de uma guerra santa em nome do Islão que ia muito para além do Afeganistão. Esse exacerbamento religioso – choque de civilizações - foi pago pelos EUA com a distribuição de textos teológicos radicais, bem como pela rica Arábia Saudita, desejosa de espalhar o seu integrismo 6 O ISI tinha interesses próprios para contrariar os soviéticos no Afeganistão uma vez que aqueles eram um grande suporte da Índia, com quem o Paquistão tinha um crispado contencioso em Caxemira. 7 A Concise History of Afghanistan in 25 volumes (vol 1) https://books.google.pt/books?id=- WRlAQAAQBAJ&pg=PA374&dq=35000+mujahedin&hl=pt- PT&sa=X&ved=0CF8Q6AEwB2oVChMIjqf8r_6ZyQIVRlkaCh3_Twg5#v=onepage&q=35000%20mujahedin&f=false Outras fontes apontam para 100000 o numero de combatentes estrangeiros financiados e armados pela CIA e pelos sauditas http://www.huffingtonpost.com/akbar-ganji/u-s-jihadists-relation-pa_b_5553529.html
  7. 7. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 7 wahabita, edificando mesquitas e criando madrassas, como na década seguinte iriam fazer também nas ex-repúblicas soviéticas com população muçulmana. A ausência de uma estrutura unificada entre os mujahedin, resultante da grande diversidade de culturas entre o povo afegão, facilitou o aparecimento de senhores da guerra (Dostum, uzbeque, Hekmatyar e Massoud, tadjiks, o mullah Omar, pashtun) e pregadores da aplicação do rigor corânico para evitar a cólera divina. Em princípios de 1988, Gorbachov consciente das debilidades económicas do modelo soviético começou a retirar tropas do Afeganistão – tal como conteve a intervenção vietnamita no Cambodja ou a dos cubanos em Angola – num processo que terminou em fevereiro do ano seguinte. Os acordos de Genebra contemplaram o compromisso da URSS e dos EUA em não interferirem na política interna do Afeganistão ou do Paquistão. O governo afegão de Najibullah contudo, só cairia três anos depois, no meio das habituais barbaridades. Outro problema surgido durante a guerra foi a cultura de papoila para a produção de ópio que tornou o Afeganistão o grande produtor mundial (80% em 2014), num negócio dominado por paquistaneses em parceria com os grupos mujahedin; em 2014 o cultivo quase triplicava o observado antes da invasão ocidental. Em 1998, Brzezinski, secretário de estado de Carter à época da intervenção soviética, interrogado se lamentava o seu aventureirismo com a criação da al-Qaeda e o terrorismo jihadista em 1978/79, respondeu de modo muito claro: “Lamentar porquê? A ideia de uma operação secreta foi excelente. Precipitou os russos na armadilha afegã e querem que eu o lamente? No dia em que os soviéticos atravessaram a fronteira, como escrevi precisamente ao presidente Carter: “Nós temos presente a oportunidade de oferecer à URSS a sua guerra do Vietnam.”8 3 - Novos cenários para a atuação jihadista 8 http://www.editionsdemilune.com/media/presse/NouveauDesordreMondial/PeterDaleScott-Diplomatie-Magazine-N51- WEB.pdf?zenAdminID=d38469229e266df2da988198b0b91a74&utm_source=Infolettre+Mondialisation&utm_campaign=234bfd6c 46-13_Novembre11_15_2015&utm_medium=email&utm_term=0_24340f1e06-234bfd6c46-82728089
  8. 8. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 8 A derrota soviética no cenário afegão correspondeu a uma importante vitória para os EUA e seus aliados. No plano estratégico, foi um enorme contributo para a implosão da URSS em 1991 e aquela, iria a ser aproveitada para uma redefinição do mapa das influências políticas, económicas e militares no mundo, com particular ênfase nos cacos daquela implosão e seus arredores. A aliança entre o Ocidente, essencialmente alinhado pela estratégia do Pentágono com a dos seus próximos no mundo muçulmano, que já tinha revelado no Afeganistão alguns aspetos reveladores de objetivos diferenciados, iria continuar a apresentar áreas de confluência e outras, em que as agendas seriam distintas e mesmo conflituantes. Depois da retirada dos soviéticos e sobretudo depois da implosão da URSS, os EUA desinteressaram-se do Afeganistão, da reconstrução do seu pós-guerra e dos conflitos sangrentos entre as diversas fações de mujahedin. Desse desinteresse resultou a influência acrescida de sauditas e paquistaneses que veio a conduzir à relativa estabilização do Afeganistão em torno dos fundamentalistas taliban9 (literalmente, estudantes) que constituíram governo em 1996 que durou até à invasão ocidental em 2001, entretanto somente reconhecidos pelo Paquistão, pela Arábia Saudita e pelos Emiratos Árabes Unidos. Durante a década de 80, o Irão de Khomeini tornara-se adverso quer dos EUA (o Grande Satã) como da URSS (comunista) que se digladiavam no vizinho Afeganistão e de onde vieram centenas de milhar de refugiados afegãos, nomeadamente hazaras, xiitas. A sua margem de intervenção no cenário afegão era escassa pois o Irão confrontava-se com o Iraque numa sangrenta guerra iniciada por Saddam Hussein. Este, aproveitando-se das transformações políticas e do isolamento relativo do Irão, decidiu restaurar velhas reivindicações territoriais em áreas ricas em petróleo, seguro da conivência dos EUA - humilhados pelo Irão na década anterior - como ainda do apoio da quase totalidade dos estados árabes (excepto a Síria) desejosos do enfraquecimento do Irão como potência regional e para mais, não árabe. Sem ganhar a guerra contra o Irão e endividado ao fim de oito anos de hostilidades, Saddam decidiu colocar uma nova reivindicação: a incorporação do Kuwait, a antiga 27ª província do Iraque, terra sem água mas muito petróleo, protetorado ocidental cujo emir tinha emprestado dinheiro ao Iraque para Saddam combater o Irão. E, nesse contexto invadiu e ocupou o Kuwait esquecendo que não se deve morder um dedo da mão do dono; o dono reagiu e, em janeiro de 1991 começa a intervenção dos ocidentais e dos monarcas árabes (desta vez também a Síria participou) para resgatar o Kuwait e colocar Saddam na ordem. No final, a soberania de Saddam ficou restrita à área sunita do centro do país, foi excluído de atuar no sul xiita ou no norte curdo, para além de ver reduzido o seu poder militar, numa situação que, com alguns cambiantes, durará até 2003. Neste conflito a Rússia pairou de longe, sem intervir, enquanto os EUA criavam um excelente pretexto para estabelecerem bases militares no Kuwait, no Bahrein, na Arábia Saudita, no Oman, cujo objetivo, não seria certamente um enfraquecido Iraque mas, o 9 Os taliban, pelas suas origens geográficas eram essencialmente pashtun, embora também incluíssem militantes provenientes da ex-repúblicas soviéticas, dos países árabes e outras regiões muçulmanas.
  9. 9. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 9 Irão, o grande rival dos sauditas na área do Golfo, sem esquecer o controlo dos abastecimentos energéticos da China, do Japão e da Coreia do Sul. Esta situação de ocupação, mesmo amistosa, não agradou a muitos árabes e uns quantos não perdoariam ao rei saudita, como guardião dos lugares santos do Islão, a permanência de infiéis. Por outro lado, as frequentes incursões e bombardeamentos dos ocidentais sobre o Iraque e o rude bloqueio económico10 castigaram a população em geral e não enfraqueceram internamente Saddam; o petróleo, porém, continuava a jorrar em troca de importações de bens essenciais, medicamentos… No Iraque, até então laico e sem conflitos entre sunitas e xiitas, passou a desenhar-se uma antipatia profunda para com os ocidentais que iria avolumar-se depois da invasão de 2003, baseada na dramática e burlesca mentira das “armas de destruição massiva. Votaremos mais adiante ao Iraque. 3.1 – A estreia na Europa – A Bósnia A implosão da URSS (1991) criou novas oportunidades para a estratégia dos EUA ou, de outro modo, mais preciso, da CIA e do Pentágono, cuja influência e autonomia face aos presidentes se vem demonstrando ser crescente. Uma delas, na Europa, consistiu no desmembramento da Jugoslávia com a focagem, tendo em conta o objeto deste texto, na Bósnia-Herzegovina. A Jugoslávia surgia como vulnerável uma vez quebrado o equilíbrio Leste-Oeste na Europa, com a extinção do Comecon e do Pacto de Varsóvia, ambos em 1991. Nesse mesmo ano, a 25 de julho, na sequência de conflitos internos baseados nas etnias e religiões dominantes, a Eslovénia e a Croácia declararam a independência, logo reconhecidas pela Alemanha e pelo Vaticano, onde reinava o fanático João Paulo II, aliado íntimo de Reagan na colocação dos países do Leste europeu na esfera dos interesses económicos e militares da CEE e da NATO11 12 13 ou, na oposição aos 10 Aprovadas pela ONU (Resoluções 661 de 6/8/1990 e 687 de 3/4/1991) promoveram um verdadeiro crime humanitário, como indutor de mortalidade infantil e pobreza 11 Nessa estratégia estava na primeira linha o papa Wojtyla (João Paulo II) que, sendo polaco, tinha audiência na Polónia onde a popularidade de Lech Walesa subia, perante a incapacidade do regime chefiado por Gierek que acabaria por ser substituído; pouco depois, o general Jaruzelsky decreta o estado de excepção e irá estar no poder até ao desmembramento do bloco soviético. Em 1980 Wojtyla inicia as suas três viagens à Polónia e também um financiamento superior a $ 50 M para apoiar o Solidariedade e os seus membros mais reacionários e fiéis à Igreja, como Walesa. Wojtyla viria também a brilhar na 1983 na Nicarágua, mostrando-se bem alinhado com Reagan no combate à teologia da libertação e do governo anti-oligárquico do país. Wojtyla evidenciou-se como um empolgado aliado de Reagan, contra o “eixo do mal”. 12 https://www.wsws.org/pt/2005/may2005/port-m13.shtml 13 Esta cooperação foi intensificada sob a presidência de Reagan. O embaixador americano junto ao Vaticano à época, James Nicholson, fala de uma "aliança estratégica" entre Washington e o Vaticano contra a União Soviética. De acordo com informações colhidas pelo jornalista Carl Bernstein e Marco Politi, que escreveram um livro sobre a diplomacia secreta do Vaticano, o diretor da CIA William Casey e seu vice-diretor Vernon Waters mantiveram
  10. 10. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 10 progressistas na América Latina. Pouco depois, em setembro é a Macedónia que se declara independente com a presença de soldados dos EUA na fronteira com a Sérvia, sob a bandeira da ONU, embora nunca se tenha verificado qualquer conflito. O principal problema surgiu na Bósnia-Herzegovina, um verdadeiro mosaico constituído por sérvios (de tradição ortodoxa), croatas (católicos) e outros que, à falta de uma distinção étnica passaram a ser conhecidos por muçulmanos, envolvendo-se todos numa guerra marcada pelas barbaridades. Os sérvios bósnios constituíram uma República Srpska e atraíram sobre si o poder militar da NATO em setembro de 1995, embora o território não pertencesse a um país da organização, nem ameaçasse países da NATO, tornando-se assim inaplicável o célebre artº 5º do tratado que instituiu a NATO. Os interesses económicos e políticos sempre se mostraram ágeis na divisão das pessoas por razões étnicas ou religiosas, como se isso constituísse uma verdadeira distinção entre seres humanos. A colocação do conflito num plano de luta religiosa, num país com forte tradição laica como a ex-Jugoslávia começou em 1992, quando voluntários muçulmanos estrangeiros (o Batalhão Mujahedin)14 chegaram à Bósnia para ajudar os locais de tradição islâmica, uma vez que... no Afeganistão já não eram necessários. Dentro da mesma tradição, hoje, há bósnios que se deslocam para o Levante para reforçar os grupos jihadistas, como o Daesh e o al-Nusra. Segundo Aimen Dean, um fundador da al-Qaeda que se tornou espião britânico "A Bósnia deu ao movimento jihadista moderno a narrativa de que há uma guerra entre o Ocidente e o Islão. É o berço"15 . Segundo a mesma fonte, o Batalhão expulsou os não- muçulmanos de Travnik, lutou contra as tropas britânicas da ONU em Guca Gora e apresentou no seu currículo bósnio uma decapitação (que foi julgada), sequestros e execuções de prisioneiros, num contexto global, sublinhe-se de crimes cometidos por todas as partes do conflito. O recrutamento de bósnios multiplicou os efetivos do Batalhão que, em 1995 já compreendia 1500 homens e as chefias bósnias fechavam os olhos às atrocidades para agradar aos doadores árabes. Depois dos acordos de Dayton os membros do Batalhão rumaram à Chechénia, ao Paquistão e ao Afeganistão, em busca do martírio. 3.2 – Um viveiro do crime – O Kosovo O Kosovo declarou a sua independência face à Sérvia em 1991 sem reconhecimento algum até que o conflito se agudizou em 1998/99 quando o UÇK – Exército de Libertação do Kosovo acusou os sérvios de limpeza étnica, a qual nunca se provou. Após o falhanço das negociações de Rambouillet em fevereiro de 1999, a NATO inicia em 24 de março o bombardeamento da Jugoslávia (então constituída pela Sérvia e o Montenegro) que duraria até 3 de junho sendo o conflito encerrado dia 10, sem discussões confidenciais com o papa desde o começo de 1981. O tópico principal era a ajuda financeira da CIA e o apoio logístico ao Solidariedade”. (idem). Era lugar-tenente de Wojtyla, nesta cruzada anti-soviética e na afirmação da sociedade neoliberal, o famoso Ratzinger, futuro papa como Bento XVI. 14 http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07/150704_bosnia_jihadismo_mu_cc 15 idem
  11. 11. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 11 qualquer reconhecimento por parte da Sérvia até hoje, tal como acontece com muitos países como Rússia, China, Índia, Brasil e ainda alguns da UE (Espanha, Eslováquia, Roménia e Grécia). Desde então o Kosovo tem sido administrado pela ONU sendo a KFOR, a força de proteção da minoria sérvia que vive no norte do território. Depois da separação da Sérvia forçada pela NATO e pela UE, o território kosovar mantém-se com uma débil estrutura económica, marcada pelo contrabando, pela corrupção e crime organizado envolvendo antigos combatentes do UÇK e mesmo funcionários das instituições internacionais16 . O Kosovo tem funcionado como um protetorado financiado pela UE e como logradouro da enorme base norte-americana de Bondsteel17 . O financiamento por parte dos países árabes ricos, com relevo para a Arábia Saudita, sempre empenhada na expansão do seu wahabismo tem vindo a não agradar ao governo, por declarações expressas, pela prisão de 60 pessoas ligadas ao jihadismo ou ao recrutamento de combatentes e ainda, pelo encerramento de ONG financiadoras de grupos jihadistas, em outubro de 2014. A inserção no dispositivo militar estratégico da NATO e na orla da UE assim obriga. O Kosovo, proporcionalmente à sua dimensão populacional é um dos países europeus com mais combatentes no Levante (150 no Iraque e na Síria). Embora islâmica na sua grande maioria, os kosovares não são grandes praticantes e as diferenças religiosas não foram muito sublinhadas no conflito com a Sérvia em 1998/99, ao contrário das diferenças étnicas e linguísticas ou o hegemonismo sérvio. Calcula-se entre 15 a 40 o número de kosovares abatidos na Síria ou no Iraque como integrantes do Daesh ou da al-Nusra18 . 3.3 – Chechénia – ventre mole da Rússia? A Chechénia é uma das repúblicas da federação russa, situada no sopé e na vertente norte da cordilheira do Cáucaso. O seu território, no século XVIII, esteve no centro das disputas entre russos e otomanos, com aqueles a pretender o estabelecimento de corredores para acederem e zelarem pelas populações cristãs da vertente sul da cordilheira, na Geórgia e na Arménia. O islamismo constituiu uma forma de os chechenos afirmarem as suas distâncias face aos ocupantes russos, desde o surgimento destes na região, alguns séculos atrás. O oleoduto que liga Baku a Novorossisk contorna a Chechénia mas a sua importância estratégica reduziu-se com a construção de ligações Baku-Supsa (Geórgia) em 1999 e do conhecido BTC – Baku-Tbilissi-Ceyhan em 2006 com o propósito de tornar o acesso europeu ao petróleo azeri desligado de uma passagem obrigatória por território russo. 16 http://www.tvi24.iol.pt/internacional/peritos/acusacoes-de-corrupcao-na-missao-europeia-do-kosovo http://visao.sapo.pt/lusa/kosovo-governador-do-banco-central-detido-por-corrupcao=f566910 17 Bondsteel é a maior base norte-americana fora do seu território nacional. Alberga 7000 militares em 300 edifícios, tem um perímetro de 14 km e destina-se a cobrir os Balcãs, proteger o petróleo do Cáspio, já tendo funcionado como alternativa ao campo de concentração de Guantanamo. Pode considerar-se o Kosovo como uma criação artificiosa para permitir uma extensa e estratégica presença nos Balcãs. 18 http://ecodiario.eleconomista.es/internacional/noticias/6127817/10/14/Kosovo-exportador-de-yihadistas-tras- la-llegada-del-islam-radical.html
  12. 12. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 12 O mesmo não acontece com a via férrea que atravessa o Cáucaso e que tem na república um verdadeiro entroncamento de linhas. Neste cenário estavam presentes todos os ingredientes para os conflitos geo- estratrégicos. Uma população muçulmana e um poder que o não é constituem um alimento apetecível para o jihadismo, a que se juntou a apetência dos EUA para enfraquecer a já debilitada Rússia, escavando, já não na sua periferia exterior, como o Afeganistão e a Jugoslávia mas, na sua própria periferia interna. A junção destes dois ingredientes continua a fornecer frutos de sangue, mesmo que o objetivo seja mais lato e se transforme no cerco da Rússia e da China, ou no controlo das vias de transporte marítimo, por parte do Pentágono e dos seus seguidores europeus. Uma Chechénia independente, na órbita dos EUA e da NATO, seria uma cunha aberta para as rotas russas do petróleo, entre o Cáspio e o Mar Negro, intolerável para a Rússia. Por isso, em 2008, também no Cáucaso, a Rússia demonstrou a sua determinação na Geórgia, com a criação de repúblicas-tampão na Ossétia do Sul e na Abcásia, em território georgiano; George W Bush percebeu isso e engoliu em seco. Curiosamente, a Geórgia havia apoiado os rebeldes chechenos contra a Rússia. As ações separatistas dos chechenos remontam a meados do século XIX e, no final da II Guerra, Stalin, em 1944, deportou os chechenos e outros povos do Cáucaso, acusados de colaboração com os alemães, deportação essa que só acabou depois da morte do georgiano. No inicio da desagregação da URSS iniciaram-se os conflitos entre o poder e grupos separatistas. Em 1991, o general Dudaiev declarou a independência da Chechénia e Ieltsin, em 1994, invadiu a região com elevados custos para a tropa russa e a população chechena até que, em 1996, há um acordo que reconheceu a soberania chechena no seio da federação russa. Em 1999 a guerra voltou à Chechénia na sequência da declaração de um “emirato do Cáucaso” abrangendo o Daguestão, a Chechénia e a Ossétia do Norte, pela mão do wahabita Chamil Bassaev. A participação dos EUA, das suas empresas de segurança privada, da Turquia, da Jordânia e da Arábia Saudita no apoio aos jihadistas na Chechénia é revelado por Yossef Bodansky, diretor do “US Congressional Task Force on Terrorism and Unconventional Warfare19 . Neste retorno, a guerra é muito marcada pela presença de missionários wahabitas pagos pela Arábia Saudita e o “emirato” tem no Afeganistão governado pelos taliban o único país a reconhecê-lo. Outros grupos jihadistas envolvidos na luta contra a Rússia são o Dagestani Shari’ah Jamaat, o Islambouli Brigades of al-Qa’ida, as Forças Armadas da República Chechena de Ichkeria, o Sword of Islam e o Kata’ib al-Khoul20 . Putin, nomeado primeiro ministro em 2000 ganhou notoriedade com a relativa pacificação do território. Posteriormente, em 23 de outubro de 2002, 42 combatentes chechenos e árabes ocuparam um teatro em Moscovo e, até serem detidos, geraram a morte de 129/200 19 citado em http://www.zerohedge.com/news/2015-05-23/original-chechnya-bombers-cia-saudis-and-bin-laden 20 http://www.washingtontimes.com/news/2013/apr/19/chechnya-terror-groups-and-ties-al-qaeda/?page=all
  13. 13. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 24/11/2015 13 dos 850 reféns21 ; eram dirigidos por Bassaev e pelo saudita Ibn al-Khattab, ambos ligados à al-Qaeda, tendo o último combatido no Afeganistão em 1989/94 onde encontrou bin Laden22 . Em setembro de 2004 um grupo comandado por Bassaev ocupou uma escola na Ossétia do Norte, território da federação russa, vizinho da Chechénia e fez 1200 reféns; no rescaldo, houve 331 mortos e mais de 700 feridos… muito para além das vítimas provocadas pelos atentados de 13 de novembro de 2015, em Paris. Al-Khattab foi abatido pelos russos em 2002, o mesmo sucedendo a Bassaev, em julho de 2006 enquanto os restantes “árabes afegãos” se puseram a salvo na Turquia, no Azerbaijão, na Alemanha e em terras dos aliados árabes dos EUA. Várias centenas de combatentes de Bassaev terão obtido treino nos campos da al- Qaeda no Afeganistão e o próprio al-Khattab arregimentou elementos na Inguchétia, no Daguestão, na Ossétia, na Geórgia e no Azerbaijão para combaterem na Chechénia. Em agosto de 2005, a ONU referia um substancial número de “árabes afegãos” a combater contra os russos na Chechénia23 . Após um referendo realizado em 2003 o poder caiu nas mãos do mufti A. Kadyrov, ex- separatista que, assassinado em 2005 foi sucedido por seu filho Ramzan Kadyrov, considerado o homem mais rico da república e senhor de uma milícia – os kadyrovtsy - pouco dada ao respeito pelos direitos mas, cuja existência alivia Moscovo de ter uma presença militar na Chechénia. (continua) Este e outros textos em: http://grazia-tanta.blogspot.com/ http://www.slideshare.net/durgarrai/documents https://pt.scribd.com/uploads 21 https://pt.wikipedia.org/wiki/Crise_dos_ref%C3%A9ns_do_teatro_de_Dubrovka 22 http://www.washingtontimes.com/news/2013/apr/19/chechnya-terror-groups-and-ties-al-qaeda/?page=all 23 idem

×