Portfolio digital fabio2

364 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
364
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
197
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portfolio digital fabio2

  1. 1. Poetas da natureza
  2. 2. Fernando Pessoa 19-08-1933 Entre o luar e a folhagem, Entre o sossego e o arvoredo, Entre o ser noite e haver aragem, Passa um segredo. Segue-o minha alma na passagem. Ténue lembrança ou saudade, Princípio ou fim do que não foi, Não tem lugar, não tem verdade, Atrai e dói, Segue-o meu ser em liberdade, Vazio encanto ébrio de si, Tristeza ou alegria o traz? O que sou dele a quem sorri? Nada e nem faz, Só de segui-lo me perdi.
  3. 3. Fernando Pessoa 1915-1920 Um princípio leve de primavera fria, Um sabor primaveril a longínquo verão Nesta manhã, que o sol se enfia No meu coração Soluço improfícuo da saciedade da vida Baldada imprecisão de sonhar e querer. Passo por um desalento como na descida Que vae ter a viver.
  4. 4. sombras que a lua leva Sombras que a lua leva No seu rosto sombrio, Pálidas sombras no frio, Halos que a hora eleva, E em quem o é vazio. Numero oculto d’astros Postos em redemoinho Congruente alabastros Fernando Pessoa 12-2-1917
  5. 5. Rosa dos ventosNão foi por acaso que o meu sangue que veio do sul se cruzou com o meu sangue que veio do norte.Não foi por acaso que o meu sangue que veio do oriente se cruzou com o meu sangue que veio do ocidente. Não foi por acaso nada de quem sou agora. Em mim se cruzaram finalmente todos os lados da terra. A natureza e o tempo me valeram; séculos e séculos ansiosos por este resultado um dia e até hoje fui sempre futuro. Faço hoje a idade do antigo e agora nasço novo como ao principio:Foi a natureza que me guardou a semente apesar das épocas e gerações. Cheguei ao fim do fio da continuidade e agora sou o que até ao fim fui desejo:O centro do mundo já não é no meio da terra vai por onde anda a rosa dos ventos vai para onde ela vai Agora chego a cada instante pela primeira vez à vida já não sou o caso pessoal mas sim a própria pessoa Almada Negreiros, Poemas
  6. 6. Alberto Caeiro Sou um guardador de rebanhos. O rebanho é os meus pensamentosE os meus pensamentos são todos sensações. Penso com os olhos e com os ouvidos E com as mãos e os pés E com o nariz e a boca. Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la E comer um fruto é saber-lhe o sentido. Por isso quando num dia de calor Me sinto triste de gozá-lo tanto, E me deito ao comprido na erva, E fecho os olhos quentes,Sinto todo o meu corpo deitado na realidade, Sei a verdade e sou feliz.
  7. 7. Operador de jardinagemFábio CardosoLinguagem e comunicação2012/2013

×