O Docente em Sala de Aula - TIC

2.409 visualizações

Publicada em

Material utilizado no curso O Docente em Sala de Aula.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.409
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
103
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Docente em Sala de Aula - TIC

  1. 1. DOUGLAS CHANAN Mestre em Ciências da Educação – TE Bolsista da Comunidade Européia Labted / NEAD – UEL douglaschanan@gmail.com www.douglaschanan.com.br/educatec
  2. 2. Definição  Tecnologia  Educação  Tecnologia Educacional
  3. 3. Tecnologia  Técnica / arte / ofício + estudo  Envolve o conhecimento técnico, científico, cultural e as ferramentas, processos e materiais criados e/ou utilizados a partir de tal conhecimento.  Resolver ou facilitar a solução de problemas.
  4. 4. Educação  Processo de Ensinar: transmitir, doutrinar, indicar, mediar etc.  Processo de Aprender: conhecimento, habilidade, competência etc.  Formal e Informal.  Mediado e Não Mediado.
  5. 5. Tecnologia Educacional  Facilitadores do processo de ensino e aprendizagem.
  6. 6. Escrita e o livro
  7. 7. Quadro
  8. 8. Flip Chart
  9. 9. Projetor
  10. 10. Rádio
  11. 11. Televisão e Vídeo
  12. 12. Computador e Internet
  13. 13. O que são recursos audiovisuais?
  14. 14. Para que usar o recurso audiovisual  Facilitar o acompanhamento do raciocínio;  Possibilitar a lembrança do assunto por mais tempo;  Destacar informações importantes;  Demonstrar figuras, imagens ou procedimentos;  Motivar o público.
  15. 15. Características de um bom recurso audiovisual  Linguagem clara;  Legível;  Sequência lógica;  Equilíbrio;  Organização;
  16. 16. O que usar?  Imagens;  Simplificar conceitos;  Fórmulas;  Fotos;  Organogramas;  Etc.  Áudio;  Entrevistas;  Relatos;  Etc.  Vídeo;  Exemplos;  Recortes de filmes;  Situações reais;  Etc.
  17. 17. Planejando a apresentação  Para que comunicar?  Objetivo  O que comunicar?  Conteúdo  Para quem comunicar?  Público (idade, interesses, conhecimentos prévio etc.)  Como comunicar?  Recursos a serem utilizados  Quanto tempo para comunicar?  Tempo disponível (apresentação e questionamentos)  Onde?  Local (iluminação, disposição da platéia etc.)
  18. 18. Usando áudio em aula  Use em ambientes onde é possível manter silêncio;  Faça uso de equipamentos de amplificação (caixas acústicas amplificadas);  Verifique se o volume do equipamento não distorce o áudio dificultando a compreensão.  Teste antes.
  19. 19. Usando fora da sala de aula  PodCast: “áudioblog”.  Mp3 acessível aos alunos:  Celular;  MP3/MP4 player;  Computador etc.  Software Livre para criar material.  Site gratuito para distribuir.
  20. 20. Idéias de uso  Histórias contadas (participação dos alunos);  Entrevistas;  Dicas da disciplina;  Resumo das aulas...
  21. 21. Uso inadequado do vídeo  Vídeo tapa-buraco: Ausência/atraso do professor;  Vídeo enrolação: Sem ligação com a matéria;  Vídeo deslumbramento: Descoberta de algo novo e esquece o restante.
  22. 22. Uso adequado do vídeo  Vídeo como sensibilização – Facilita o interesse pela matéria.  Vídeo como ilustração – Ilustra situações, comportamentos, teorias.  Vídeo como simulação – Ilustração mais sofisticadas. Ex: Crescimento acelerado de plantas.
  23. 23. Uso adequado do vídeo  Vídeo como produção: – Documentário: Entrevista, eventos, experiências, depoimentos. – Intervenção: Alteração. Releitura. Edição. Acréscimo. – Expressão: Novas forma de comunicação. Arte. Aluno-diretor e Aluno-Ator.  Vídeo como avaliação: Do aluno, do professor, do processo. Ex: Filmagem de aula de estágio.  Vídeo como espelho – Modelagem. Intencionalidade.
  24. 24. Antes, durante e depois  Antes:  Checar conteúdo, conhecer, planejar.  Informar conteúdo ao grupo.  Não interpretar ou pré-julgar.  Durante:  Pausar quando necessário (chamar atenção, completar informação etc.).  Observar e anotar reações do grupo.  Depois:  Citar dados completos da obra e onde encontrar.  Dar sequência a aula conforme planejado.
  25. 25. Layout Texto amarelo ou branco em fundo escuro. Texto preto ou com cores escuras em fundo claro. Texto amarelo ou branco em fundo escuro. Nunca use cores claras em fundo claro. Nunca use cores escuras em fundo escuro.  OK  NÃO  OK  OK  NÃO
  26. 26. Exemplo TEXTO SEM CONTRASTE COM O FUNDO DO SLIDE. DIFICULDADE DE LEITURA
  27. 27.  TEXTO SEM CONTRASTE COM O FUNDO DO SLIDE. DIFICULDADE DE LEITURA EXEMPLO
  28. 28. Tamanho e tipo das fontes  Tamanho da FONTE:  Para título: Fonte entre 40 e 44;  Para textos: Fonte entre 24 e 32.  Tipo de FONTE:  Fontes limpas e com poucos elementos: ○ Verdana; ○ Arial; ○ Microsoft Sans Serif; ○ Tahoma.
  29. 29. Tamanho de fonte 44 Tamanho de fonte 40 Tamanho de fonte 32 Tamanho de fonte 28 Tamanho de fonte 24 - Tamanho de fonte 16 • Tamanho de fonte 12
  30. 30. Tamanho do texto no slide  O ideal são 7 palavras por linha e 7 linhas por slide.  Procure trabalhar próximo a estes números, nem muito acima nem muito abaixo.  Facilita a leitura para todos na sala.
  31. 31. Exemplo  Para que estes dados sejam devidamente interpretados, é necessário que sejam analisados com os instrumentos da Genética Quantitativa, que estuda a variação dos caracteres quantitativos, que são controlados por vários genes e/ou muito influenciados pelo ambiente, como é o caso da produção de grãos do feijoeiro.
  32. 32. Objetividade  Procure apresentar conceitos em 3 linhas. Se necessário, reescreva.  Evite citações, conceituações longas, pois dificulta a leitura e desvia a atenção do palestrante para o texto.
  33. 33. Exemplo  O dissacarídeo de fórmula C12H22O11, obtido através da fervura e da evaporação de H2O do líquido resultante da prensagem do caule da gramínea Saccharus officinarum, (Linneu, 1759) isento de qualquer outro tipo de processamento suplementar que elimine suas impurezas, quando apresentado sob a forma geométrica de sólidos de reduzidas dimensões e arestas retilíneas, configurando pirâmides truncadas de base oblonga e pequena altura, uma vez submetido a um toque no órgão do paladar de quem se disponha a um teste organoléptico, impressiona favoravelmente as papilas gustativas, sugerindo impressão sensorial equivalente provocada pelo mesmo dissacarídeo em estado bruto, que ocorre no líquido nutritivo da alta viscosidade, produzindo nos órgãos especiais existentes na Apis mellifera (Linneu, 1759) . No entanto, é possível comprovar experimentalmente que esse dissacarídeo, no estado físico-químico descrito e apresentado sob aquela forma geométrica, apresenta considerável resistência a modificar apreciavelmente suas dimensões quando submetido a tensões mecânicas de compressão ao longo do seu eixo em conseqüência da pequena capacidade de deformação que lhe é peculiar.  Rapadura é doce, mas não é mole não! http://tinyurl.com/docedecana
  34. 34. Tempo de apresentação X Número de slides  O tempo estimado para cada slide é de 1 a 3 minutos.  Para apresentações / palestras curtas (até 15 minutos), trabalhe com 1 slide para cada 1 minuto.  Para apresentações com mais tempo (acima de 20 minutos), trabalhe com 1 slide a cada 2 ou 3 minutos.
  35. 35. Uso de imagens  Procure utilizar a imagem em formato grande, com pouco detalhamento (diferente de pouca definição).  Simplifique quadros, gráficos, mapas.  Se necessário, refaça.
  36. 36. http://www.guiageo-parana.com/mapa-parana.htm  NÃO
  37. 37. http://onossosaite.files.wordpress.com/2007/10/mapa-pr1.jpg  OK
  38. 38. Fonte: http://www.stefanelli.eng.br/webpage/celula-combustivel/combustivel-fossil-mineral.html  NÃO
  39. 39. Fonte: http://projetosgam.pbworks.com/O-mundo-vai-acabar  OK
  40. 40. Média das Notas no 1º Semestre / 2009 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Matemática Português Ciências Geografia 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano 5º Ano 6º Ano 7º Ano 8º Ano  NÃO
  41. 41. Média das Notas no 1º Semestre / 2009 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 4,5 5 Matemática Português Ciências Geografia 1º Ano  OK
  42. 42. Power Point  Se você tem o Power Point 97 ou 2003 ○ Salve como *.ppt ○ Utilize as outras dicas de modo de salvar a sua apresentação.  Se você tem o Power Point 2007 ○ Salve como *.pptx (nativo do Power Point 2007) ○ Salve também como *.ppt  Motivo: ○ Evitar conflito de versões ou perda de funcionalidades.
  43. 43. PDF ○ Evita perder configuração. ○ Não é possível utilizar animações, vídeos ou áudio, pois cria um slide fixo, como uma transparência. ○ Para a apresentação, abra o arquivo e clique “Crtl+L” para Tela Cheia. ○ Converter utilizando o programa PrimoPDF.
  44. 44. BrOffice – Impress  Software de uso livre (licença GLP);  Apresenta semelhanças com o Power Point.  Cria arquivos com a extensão *.odp - Lido apenas por softwares livres como o BrOffice e o OpenOffice. *.ppt – Lido por softwares livres e pelo Power Point 97/2003 e 2007. Atenção para alteração de configurações quando aberto no Power Point.  Exporta arquivos como imagem (jpg, jpeg, gif, png etc)  Exporta arquivos como PDF, HTML (material para internet).
  45. 45. Google Docs  Ferramenta Web 2.0;  Fica disponível na Internet sem riscos de infecção por vírus em pendrives.  Dependente de uma conexão de internet no local de apresentação.  Basta ter uma conta Google.  Apresenta ferramentas mais simples que o BrOffice ou o Power Point.  Não é possível inserir animações.  http://www.docs.google.com
  46. 46. Como levar a minha apresentação  Pendrive  Cuidado com vírus.  Crie uma pasta específica para a apresentação caso tenha mais arquivos pessoais / profissionais no mesmo pendrive.  Cd-Rom e Dvd  Atenção para a velocidade de gravação.  Use uma mídia de boa qualidade.  Internet  Envie a sua apresentação para o seu email.  Suba a sua apresentação para o GoogleDocs ou Slide Share (http://www.slideshare.net)
  47. 47. “Comunicação não é o que você diz, é o que os outros entendem.” David Ogilvy
  48. 48. Douglas Chanan douglaschanan@gmail.com www.douglaschanan.com.br/educatec

×