Macroeconomia - Inflação

1.392 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre Inflação na disciplina de MacroEconomia no IESPES - Santarém - Tapajós - Brasil - Maio de 2015.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.392
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • http://br.advfn.com/economia/inflacao/brasil/calculo
  • http://i.ytimg.com/vi/hmAAqiZ_pUE/maxresdefault.jpg
  • http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572006000400005
  • http://www.amattos.eng.br/public/livro_inflacao/hist-br.gif
  • http://exame.abril.com.br/economia/noticias/veja-a-trajetoria-da-inflacao-nos-ultimos-meses-e-anos
    http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/01/09/inflacao-oficial-2014-ibge.htm
  • http://g1.globo.com/economia/inflacao-como-os-governos-controlam/platb/
  • http://www.tradingeconomics.com/euro-area/inflation-cpi
  • Macroeconomia - Inflação

    1. 1. Macroeconomia Fernando Monteiro D’Andrea dodandrea2@gmail.com Dodandrea.com Santarém – Tapajós - Brasil
    2. 2. Regras da FE / IESPES • Fevereiro: 3, 10, 24; • Março: 3, 10, 14 (PI), 17 (ESAd 1 ponto), 24, 31 (prova); – Dia 26 de Março EIC (2 pontos); • Abril: 7, 14, 28; • Maio: 5, 12, 19 (ESAd 1 ponto), 26, 30 (PI); – Dia 25 de maio vocês devem ter entregue o PI para os padrinhos, quem não entregar toma zero; • Junho: 2 (prova), 9 (EIC), 16 – Dia 9 de Junho EIC (2 pontos) • Substitutiva dia 23 de Junho;
    3. 3. Sistema de Avaliação • Primeiro bimestre: – Prova individual valendo 4 pontos; – Trabalho em grupo a ser feito em sala de aula, com perguntas abertas e consulta ao material; – Participação no PI valendo 1 ponto; – EIC valendo 2 pontos (26 de março, quinta); – ESAd em sala de aula, valendo 1 ponto (17 de Março, sem consulta, do marque, individual); • Segundo Bimestre: – Participação no PI: 1 ponto; – Trabalho em casa, em grupos: sobre o livro: Como a Economia Cresce e Porque ela Quebra. 2 pontos – EIC: 2 pontos (9 de Junho, terça, na minha aula); – ESAD: 1 ponto (19 de Maio) – Prova individual valendo 4 pontos;
    4. 4. Aula anterior • Desemprego, Moeda e Banco Central – Perguntas?
    5. 5. O Que estudaremos? • O que é Economia? – O que é Macroeconomia? • Medidas de produção. • Renda e distribuição de renda. • Desemprego. • Preços e inflação. • Cambio e balanço de pagamentos. • Políticas econômicas. • Sistema Monetário. • Crescimento e inflação. • Globalização Econômica.
    6. 6. Inflação Quanto vale o dinheiro?
    7. 7. Inflação • Em 1997 se comprava um refrigerante em lata em Santarém com uma moeda de um real; • Hoje, 18 anos depois, a mesma lata de refrigerante custa, em média, R$ 3,00 no varejo; • Nas economias modernas, que funcionam com fiat money, existe a tendência natural do aumento de preços; • Esse aumento, não só do refrigerante, mas do nível geral de preços é chamado popularmente de inflação; • Ela pode ser medida por qualquer índice do nível geral de preços: – No Brasil usam-se diversas medidas, sendo que o IPCA é considerada a medida oficial;
    8. 8. Inflação IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo IGP-M Índice Geral de Preços - Mercado IGP-DI Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna INPC Índice Nacional de Preços ao Consumidor IPC-S Índice de Preços ao Consumidor Semanal IPC-Fipe Índice de Preços ao Consumidor - Fipe INCC Índice Nacional da Construção Civil
    9. 9. Inflação • A inflação não é algo inevitável, mas é muito difícil de ocorrer em países que não controlam a sua emissão de moeda; – Ocorreu nos EUA no fim do século XIX; – No Japão no final do século XX; – Na Grécia em alguns meses dos últimos anos;
    10. 10. Inflação • Mas em países que controlam sua emissão de moeda (dados de 2009)... – EUA: 2%; – Japão: 1,7% – Rússia 9%; – Venezuela: 25%; – Zimbábue: 24.000% em fevereiro de 2008... • Mas o que determina a inflação e porque ela é um problema?
    11. 11. Inflação “A Inflação é sempre e em todo lugar um fenômeno monetário” Millton Friedman
    12. 12. Inflação • A inflação surge quando o regente de um país — por exemplo, um monarca — obrigava seus cidadãos a lhe entregar todas as moedas de ouro que possuíam sob o pretexto de que uma nova moeda iria substituir a atual. Neste processo, o monarca falsificava o conteúdo das moedas de ouro misturando a elas algum outro metal e devolvia aos cidadãos moedas contendo ouro diluído. Sobre isto, Rothbard escreveu: – Mais especificamente, a Casa da Moeda derretia e voltava a cunhar todas as moedas do reinado, devolvendo aos súditos o mesmo valor nominal de "libras" ou "marcos", mas a um peso menor. As sobras de ouro (ou prata) que ficavam na Casa da Moeda eram embolsadas pelo monarca e utilizadas para financiar seus gastos.
    13. 13. Inflação: Teoria Clássica • O valor que as pessoas dão às coisas muda ao longo do tempo, essa mudança, porém, não é suficiente para explicar as mudanças de preço dos bens; • Em geral a mudança de valor demora para ocorrer, o preço muda, pois a moeda usada para pagar pelo produto perdeu valor; – A inflação tem mais a ver com o valor da moeda do que com o valor dos bens;
    14. 14. Inflação: Teoria Clássica • A inflação é um fenômeno amplo da economia e diz respeito, em primeiro lugar, ao valor do meio de troca; – Os aumentos dos preços dos produtos isolados não causam inflação, e são pontuais, não amplos; • O aumento do nível de preços é consequência, numa inflação, da diminuição do valor da moeda;
    15. 15. Inflação
    16. 16. Inflação: oferta e demanda de moeda • O valor da moeda é determinado por sua escassez, na oferta e na demanda pelo bem; • Mas quais são os determinantes da oferta e demanda de moeda? – O banco central é capaz de tirar ou colocar moeda em circulação na economia, como já vimos: • Imprime, empresta ou paga ou emite títulos de dívida; • Além disso o dinheiro pago pelo governo, ao ir para os bancos, pode ser multiplicado, como já visto;
    17. 17. Inflação “Se a oferta de caviar fosse tão abundante quanto a de batatas, o preço do caviar - isto é, a relação de troca entre caviar e dinheiro, ou entre caviar e outras mercadorias - se alteraria consideravelmente. Nesse caso, seria possível adquirí-lo a um preço muito menor que o exigido hoje. Da mesma maneira, se a quantidade de dinheiro aumenta, o poder de compra da unidade monetária diminui, e a quantidade de bens que pode ser adquirida com uma unidade desse dinheiro também se reduz.” Ludwig Von Mises As 6 Lições Capítulo 4
    18. 18. Inflação: oferta e demanda de moeda • A demanda por moeda reflete quanta riqueza as pessoas desejam ter liquidamente; – As pessoas retém moeda pois ela facilita as trocas; • A quantidade de dinheiro na sua carteira depende da disponibilidade de cartões de crédito, de você ter ou não uma conta bancária, da facilidade de encontrar um caixa eletrônico, etc.; – Também depende da taxa de juros do banco, quanto mais ele pagar para você deixar o dinheiro lá, maior será seu incentivo para ter pouca liquidez;
    19. 19. Inflação: oferta e demanda de moeda • Quanto maiores os preços, mais moeda será exigida numa transação, mais moeda as pessoas terão que ter liquida (bolso e conta corrente); • Ou seja, um baixo valor de moeda aumenta a demanda por ela; • No longo prazo o nível geral de preços se ajusta para o nível em que a demanda e oferta de moeda sejam iguais;
    20. 20. Inflação: oferta e demanda de moeda
    21. 21. Inflação: injeção de moeda • Numa economia em equilíbrio, o banco central, subitamente, dobra a oferta de moeda; • Teoria quantitativa da moeda: afirma que a quantidade de moeda disponível determina o nível de preços e que a taxa de crescimento de moeda disponível determina o nível de inflação;
    22. 22. Inflação: oferta e demanda de moeda
    23. 23. Inflação: o processo de ajuste • Como a economia vai do antigo para o novo equilíbrio? • O efeito imediato da injeção de moeda é criar um excesso de moeda; – As pessoas tentam se livrar deste excesso: comprando bens e serviços ou emprestando para que outras comprem; • Veja o que ocorreu com o Brasil nos últimos 12 anos; – A capacidade da economia de ofertar bens e serviços não mudou, pois não houve investimento; • O aumento da demanda faz os bens e serviços aumentarem os preços, isto eleva a demanda por moeda para conseguir transacionar até o novo equilibrio;
    24. 24. Dicotomia clássica e neutralidade monetária • As alterações monetárias afetam outras variáveis? Produção? Emprego? Salários Reais? Taxas de Juros? • Variáveis nominais: medidas em unidades monetárias; • Variáveis reais: medidas em unidades físicas; – Dicotomia clássica: os dois tipos de variáveis estão separados pela teoria;
    25. 25. Dicotomia clássica e neutralidade monetária • A dicotomia clássica ajuda a compreender os preços relativos: – Se uma saca de milho custa R$ 30,00 e uma de feijão custa R$ 60,00 então uma saca de feijão vale 2 sacas de milho; • Preços em R$ são variáveis nominais, os relativos são variáveis reais; – O mesmo ocorre com a taxa de juros real (a nominal menos a inflação do período); – Alterações na oferta de moeda afetam variáveis nominais, mas não as reais; • Tal irrelevância das alterações monetárias é chamada de neutralidade monetária; – A moeda, como unidade de medida, quando sofre alterações de valor não traz efeitos reais importantes a longo prazo; • A curto prazo isso causa efeitos nas variáveis reais;
    26. 26. Velocidade da moeda • É a taxa pela qual a moeda troca de mãos; – Para calcular: divide-se o PIB nominal (valor nominal da produção_ pela quantidade de moeda; • P é o deflator do PIB (o nível de preços), Y o PIB Real e M a quantidade de moeda, a velocidade será: • V = PxY/M – Caso tenhamos uma economia que só faz sanduíches, 1000 por ano, cada um custa R$ 5,00 e a quantidade de moeda na economia é 40; • V = 5 x 1000 / 40 => 125 para que o gasto de 5000 ocorra com apenas 40 em moeda é preciso que o dinheiro troque de mãos, em média 40 vezes/ano;
    27. 27. Velocidade da moeda • Algumas aproximações demonstram que: 1. A velocidade da moeda é bastante estável ao longo do tempo; 2. Como velocidade é estável, ao aumentar a quantidade de moeda (M), haverá alterações proporcionais no PIB nominal (PxY); 3. A produção de bens e serviços da economia (Y) é determinada em grande parte pela oferta de fatores de produção e tecnologia, a moeda é neutra, não afeta a produção; 4. Sendo a produção (Y) afetada pela oferta de fatores e pela tecnologia, quando aumenta-se a oferta de moeda e aumenta o valor nominal da produção, as alterações refletem em alterações do nível de preço; 5. Ou seja, quando o banco central emite moeda rapidadente, o resultado é alta inflação;
    28. 28. O imposto inflacionário • Governos criam dinheiro para pagar suas despesas; – Isso também pode ser feito por meio de impostos diretos, é claro, mas é bem mais difícil politicamente; • Quando um governo aumenta sua receita imprimindo dinheiro, diz-se que está arrecadando um imposto inflacionário, quando há emissão de moeda o nível de preços se eleva e o dinheiro perde valor, assim o imposto inflacionário atinge todos que têm moeda;
    29. 29. Custos da Inflação • Nos EUA o termo econômico mais usado é “inflação”, acima de desemprego e produtividade; • A inflação, por si só, a longo prazo, não reduz o poder aquisitivo real, isso pode ocorrer por outros motivos, por exemplo a inércia (o varejista aumenta os preços pois acha que eles irão aumentar); – Isso se deve ao fato de a moeda ser neutra ou seja, vale o mesmo para todos;
    30. 30. Custos da Inflação • Custo de sola de sapato: recursos desperdiçados quando a inflação incentiva as pessoas a reduzir a quantidade de moeda que tem em mãos; • Custos de menu: custos de alteração de preço; • Variabilidade dos preços relativos e alocação distorcida de recursos: preços relativos ajudam a alocar melhor os recursos escassos, a inflação faz com que isso fique mais difícil;
    31. 31. Custos da Inflação • Confusão e inconveniência: a inflação muda a lógica do mercado, fica mais difícil calcular lucros, juros, salários, preços em geral; • Redistribuições arbitrárias de riqueza: a inflação distribui sem ter a ver com mérito ou mesmo com sorte, isso se dá porque muitos empréstimos são especificados em termos de moeda; – Se eu emprestar R$ 50 mil hoje com juros de 10% a.a. um ano para pagar e houver uma inflação de 20% a.a. terei que pagar, em termos reais, R$ 44 mil; – Se houver uma deflação de 10% estarei devendo não R$ 55 mil, mas R$ 60,5 mil;
    32. 32. Custos da Inflação • Distorções tributárias: a inflação aumenta a carga tributária sob a renda que se poupa; – Isso desestimula a poupança e portanto o investimento; – Inflação faz com que o rendimento nominal cresça mais rápido do que a renda real. – Impostos são baseados na renda nominal, e alguns não são ajustados pela inflação. – Assim, a inflação leva as pessoas a pagar mais impostos, mesmo quando os seus rendimentos reais não aumentam; – Tabela pg. 631;
    33. 33. Inflação Economistas usam o termo para denotar um aumento contínuo no nível geral de preços cotados em unidades de dinheiro. A taxa de inflação geralmente é relatada como o crescimento anualizado percentual de alguns amplo índice de preços monetários. Com os preços subindo, uma nota de compra menos a cada período. A inflação significa assim uma diminuição contínua no poder de compra total da unidade monetária. Concise Encyclopedia of Economics Simplificando, a inflação é um aumento dos preços em relação ao dinheiro disponível. Em outras palavras, você pode obter menos para o seu dinheiro do que você costumava ser capaz de obter .... SocialStudiesforKids.com. "É um fenômeno em que a maioria dos preços vai sendo reajustada com uma frequência mensal. O último índice oficial de inflação que foi divulgado mostrou que o índice de difusão do IPCA foi de 64%, o que significa que, dos preços pesquisados, 64% tiveram algum tipo de reajuste para cima. É uma remarcação de preço generalizada – que pode ser pequena ou pode ser grande, por algum tipo de acidente, para algum tipo específico de produto.“ Davi Simão Silber – Dpt. Economia da USP
    34. 34. Inflação "A taxa de inflação é o aumento no nível de preços. Ou seja, é a média do crescimento dos preços de um conjunto de bens e serviços em um determinado período.“ Pedro Rossi - Instituto de Economia da Unicamp "É o crescimento persistente e generalizado do nível de preços. A inflação é um fenômeno de longo prazo.“ Heron do Carmo - Faculdade de Economia e Administração da USP e Corecon-SP "Inflação é uma alta persistente e generalizada dos preços em uma determinada economia.“ Emerson Marçal Escola de Economia da FGV-SP "Inflação é o aumento geral e persistente dos preços. Estas duas características são cruciais. Se apenas uns poucos preços aumentam, enquanto os demais permanecem estáveis, não há como caracterizar um processo inflacionário, ainda que o índice de preços mostre valores positivos. Da mesma forma, se há um aumento de todos os preços num dado mês, por exemplo, por conta da imposição de algum tributo, mas estabilidade em seguida, também não temos como caracterizar inflação; esta tem que ser generalizada e persistente.“ Alexandre Schwartsman - Sócio-diretor da Schwartsman & Associados e ex-diretor do BC
    35. 35. Inflação Fala-se de inflação quando se verifica um aumento geral dos preços dos bens e serviços e não quando apenas os preços de artigos específicos sobem. O resultado é que se compra menos com um euro. Por outras palavras, um euro vale menos do que anteriormente. Banco Central Europeu A inflação é um processo de elevação de preços que ocorre sempre que há procura maior do que a capacidade de uma economia produzir determinado bem ou serviço. Em resumo, a inflação pode ser de oferta – quando há escassez de produto – ou de demanda – quando a procura é maior do que a quantidade ofertada. Revista Veja É o aumento no nível geral de preços dos bens e serviços de uma economia. Revista Veja Inflação é um aumento na quantidade de dinheiro e de crédito criado em decorrência desta criação adicional de dinheiro. A principal e mais visível consequência da inflação é a elevação dos preços. Portanto, uma inflação de preços — atenção para o termo correto — é causada unicamente pelo aumento da quantidade de dinheiro na economia. Henry Hazlitt
    36. 36. Inflação Hiperinflação A inflação é um aumento sustentado do nível de preços agregado. A hiperinflação é a inflação muito alta. Embora este limiar seja arbitrário, os economistas geralmente usam o termo para descrever episódios nos quais a taxa de inflação mensal é superior a 50%. Com esta taxa, um item que custa um dólar em 1 de Janeiro custa 130 dólares em 1 de Janeiro do ano seguinte .... Concise Encyclopedia of Economics Como o Brasil chegou à hiperinflação? Texto...
    37. 37. Inflação no Brasil
    38. 38. Inflação no Brasil
    39. 39. Inflação
    40. 40. Inflação no Brasil
    41. 41. Inflação
    42. 42. Hiperinflação: +50% a.m. Crianças alemãs brincando com dinheiro década de 1920 Cartaz no Zimbabwe “Bilionário Faminto” 100 bilhões no Zimbabwe, compram 3 ovos. circa 2005
    43. 43. Hiperinflação: +50% a.m. Mulher queima dinheiro na Alemanha para se aquecer Verrendo papel moeda das ruas na Hungria
    44. 44. Hiperinflação: +50% a.m. Mulher queima dinheiro para fazer comida Risco zero de assalto no Zimbabwe
    45. 45. Hiperinflação: +50% a.m. Para pagar o restaurante... E uma cerveja... O dinheiro tem tão pouco valor que não se conta, mas se pesa...
    46. 46. Hiperinflação: +50% a.m. Papagaios feitos de dinheiro Somente papel higiênico pode ser usado neste banheiro Papelão: Não Pano: Não Dolar do Zimbabwe: Não Jornais: Não
    47. 47. Hiperinflação: +50% a.m.
    48. 48. Inflação: porqûes • Segundo Mises: – Para evitar levar a culpa pelas conseqüências nefastas da inflação, o governo e seus seguidores recorrem a um truque semântico. Eles tentam mudar o significado dos termos. Eles chamam de "inflação" aquilo que é justamente a consequência inevitável da inflação: o aumento dos preços. Eles se esforçam ao máximo para relegar ao esquecimento o fato de que esse aumento de preços é produzido justamente pelo aumento da quantidade de dinheiro e de substitutos monetários na economia. E eles nunca mencionam este aumento. – Eles culpam as empresas e os empresários por esse aumento do custo de vida. Este é o clássico exemplo do ladrão que grita "pega ladrão!". O governo, que é quem produziu a inflação ao multiplicar a oferta monetária, incrimina os produtores e os mercadores, e se jacta de ser o grande paladino dos preços baixos. "Se os governos desvalorizam a moeda para trair todos os credores, você educadamente chama este procedimento de 'inflação'." George Bernard Shaw
    49. 49. Inflação: efeitos em anos 1% 2% 5% 10% 50% 100% 387% 1 10,10R$ 10,20R$ 10,50R$ 11,00R$ 15,00R$ 20,00R$ 48,70R$ 2 10,20R$ 10,40R$ 11,03R$ 12,10R$ 22,50R$ 40,00R$ 237,17R$ 3 10,30R$ 10,61R$ 11,58R$ 13,31R$ 33,75R$ 80,00R$ 1.155,01R$ 4 10,41R$ 10,82R$ 12,16R$ 14,64R$ 50,63R$ 160,00R$ 5.624,91R$ 5 10,51R$ 11,04R$ 12,76R$ 16,11R$ 75,94R$ 320,00R$ 27.393,33R$ 6 10,62R$ 11,26R$ 13,40R$ 17,72R$ 113,91R$ 640,00R$ 133.405,51R$ 7 10,72R$ 11,49R$ 14,07R$ 19,49R$ 170,86R$ 1.280,00R$ 649.684,83R$ 8 10,83R$ 11,72R$ 14,77R$ 21,44R$ 256,29R$ 2.560,00R$ 3.163.965,14R$ 9 10,94R$ 11,95R$ 15,51R$ 23,58R$ 384,43R$ 5.120,00R$ 15.408.510,23R$ 10 11,05R$ 12,19R$ 16,29R$ 25,94R$ 576,65R$ 10.240,00R$ 75.039.444,80R$ Preços Estáveis Conjuntura inflacionária Hiperinflação 10 reais hoje...
    50. 50. Inflação: efeitos ano 1% 2% 5% 10% 50% 100% 387% 1 2,53R$ 2,55R$ 2,63R$ 2,75R$ 3,75R$ 5,00R$ 12,18R$ 2 2,55R$ 2,60R$ 2,76R$ 3,03R$ 5,63R$ 10,00R$ 59,29R$ 3 2,58R$ 2,65R$ 2,89R$ 3,33R$ 8,44R$ 20,00R$ 288,75R$ 4 2,60R$ 2,71R$ 3,04R$ 3,66R$ 12,66R$ 40,00R$ 1.406,23R$ 5 2,63R$ 2,76R$ 3,19R$ 4,03R$ 18,98R$ 80,00R$ 6.848,33R$ 6 2,65R$ 2,82R$ 3,35R$ 4,43R$ 28,48R$ 160,00R$ 33.351,38R$ 7 2,68R$ 2,87R$ 3,52R$ 4,87R$ 42,71R$ 320,00R$ 162.421,21R$ 8 2,71R$ 2,93R$ 3,69R$ 5,36R$ 64,07R$ 640,00R$ 790.991,28R$ 9 2,73R$ 2,99R$ 3,88R$ 5,89R$ 96,11R$ 1.280,00R$ 3.852.127,56R$ 10 2,76R$ 3,05R$ 4,07R$ 6,48R$ 144,16R$ 2.560,00R$ 18.759.861,20R$ Uma latinha de coca-cola Preços Estáveis Conjuntura inflacionária Hiperinflação ESTUDO
    51. 51. Inflação: efeitos em anos 1% 2% 5% 10% 50% 100% 387% 1 99,00R$ 98,00R$ 95,00R$ 90,00R$ 50,00R$ -R$ 287,00-R$ 2 98,01R$ 96,04R$ 90,25R$ 81,00R$ 25,00R$ -R$ 258,30-R$ 3 97,03R$ 94,12R$ 85,74R$ 72,90R$ 12,50R$ -R$ 232,47-R$ 4 96,06R$ 92,24R$ 81,45R$ 65,61R$ 6,25R$ -R$ 209,22-R$ 5 95,10R$ 90,39R$ 77,38R$ 59,05R$ 3,13R$ -R$ 188,30-R$ 6 94,15R$ 88,58R$ 73,51R$ 53,14R$ 1,56R$ -R$ 169,47-R$ 7 93,21R$ 86,81R$ 69,83R$ 47,83R$ 0,78R$ -R$ 152,52-R$ 8 92,27R$ 85,08R$ 66,34R$ 43,05R$ 0,39R$ -R$ 137,27-R$ 9 91,35R$ 83,37R$ 63,02R$ 38,74R$ 0,20R$ -R$ 123,54-R$ 10 90,44R$ 81,71R$ 59,87R$ 34,87R$ 0,10R$ -R$ 111,19-R$ Para onde vai o poder de compra? Inflação é um ato de fraude, de peculato. Frank Shostak
    52. 52. Inflação: hoje Previsão 2015 EUA: - 0,2% Japão: 2,2% Zona Euro: 0%
    53. 53. Porquê continuam a emitir papel moeda? • Se a maioria dos economistas concorda que a emissão de papel-moeda é um fator (ainda que não seja ao único) muito forte no nascimento da inflação, por que os governos seguem emitindo dinheiro? • Exitem 3 respostas, ou razões princiapais para isso: – O mito de que dinheiro é sinônimo de riqueza; – A crença de que, através da inflação se pode eliminar o desemprego; – A inflação é benéfica para o governante em turno, a curto prazo;
    54. 54. Dinheiro Sinônimo de Riqueza • É comum pensar que se com mais dinheiro irá aumentar a riqueza, por isso: “não seria sensacional emitir dinheiro para que todos fossem ricos?”; • Porém, o dinheiro, por sí só, não é sinônimo de riqueza; – numa economia com 3 tipos de bens camisas (50 und), calças (25 und) e sapatos ( 25 und); – Uma pessoa só, por R$ 5000,00, compra todos estes bens; – Se o rendimento desta esta dobra para R$ 10 mil, será possível comprar mais bens? • Não, é impossível, só poderá compra r mais desde que mais bens sejam produzidos!; • Conclui-se que a riqueza não está nos bens (nem mesmo no dinheiro, que é um tipo especial de bem usado como meio de troca para adquirir bens úteis);
    55. 55. Com inflação se elimina o desemprego • O economista William Phillips em meados do séc. XX concluiu que os governantes devem decidir entre um dos dois, seria um trade-off. – Em outras palavras, para baixar o desemprego se deveria gerar inflação através da emissão de dinheiro para gerar trabalho; • E evidencia suportou esta teoria até a década de 70 quando surgiram casos de alta inflação e desemprego (Argentina, Venezuela, países africanos hoje em dia); • Ainda hoje a idéia permanece presente em muitos países;
    56. 56. A emissão de moeda é benéfica • Provavelmente a razão mais importante para quem está no poder; • Quando um governo emite dinheiro este chega em suas mãos antes de chegar à economia como um todo, dado ao governo uma vantagem de tempo e diminuindo assim seus custos; – Quando este dinheiro começa a circular os preços relativos começam a variar aumentando, prejudicando o consumidor final, o último a receber tal dinheiro; – O governo compra barato (ou oaga suas dívidas com maior facilidade) às custas da maior dificuldade da população em geral para sobreviver no futuro;
    57. 57. Por fim: Inflação • Tem uma fonte, dividida em 3 maneiras diferentes: – O governo precisa de mais dinheiro para manter os seus gastos correntes: • Governo toma empréstimos e não aumenta os impostos e a produção não aumenta (o que elevaria a arrecadação dos impostos); • Governo compra títulos de volta (jogando liquidez na economia); • Governo imprime dinheiro; – Todas as três soluções terão, por consequência a inflação;
    58. 58. Bibliografia • Mankiw, N. Gregory. Introdução À Economia - Tradução da 6ª Edição Norte- americana, São Paulo. Cengage Learning, 2013 2014 – Capítulo 30 • HUNT, E. K. História do Pensamento Econômico: uma perspectiva crítica.2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. • Como a Economia cresce e porquê ela quebra. São Paulo, ______ 2013. • Economia numa única lição, Henry Hazlitt. • As 6 Lições, Von Mises;
    59. 59. Bibliografia • Inflation, High School Economics Topics | Library of Economics and Liberty (http://www.econlib.org/library/Topics/HighSchool/Inflation.html) • G1 Economia – O que é inflação (http://g1.globo.com/economia/inflacao- o-que-e/platb); • BCE: O que é a inflação? (http://www.ecb.europa.eu/ecb/educational/hicp/html/index.pt.html); • Inflação - Perguntas e Respostas - VEJA.com (http://veja.abril.com.br/perguntas-respostas/inflacao.shtml) • IMB - O básico sobre a inflação (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1296) • IMB – Inflação (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=577) • IMB - Quando a inflação é boa (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=489) • IMB - Mito: crescimento econômico causa inflação (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=145) • IMB - Deflação: os maiores mitos (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=163);
    60. 60. Bibliografia • Lecciones financieras para gobiernos emisionistas (es.panampost.com/ivan-cachanosky/2014/04/09/lecciones-financieras- para-gobiernos-emisionistas); • IMB - A verdade sobre a inflação (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=101) • IMB - Os efeitos econômicos da inflação (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1576) • IMB - A atual definição de inflação impede a adoção de políticas sensatas (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1779); • IMB - A verdade sobre a inflação (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=101); • IMB - Inflação não é um aumento generalizado nos preços (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1302); • Instituto Ludwig von Mises Brasil (http://www.mises.org.br/EbookChapter.aspx?id=42); • A estabilidade de preços é importante porque? (http://www.ecb.europa.eu/ecb/educational/pricestab/shared/movie/EZB _Booklet_2011_PT_web.pdf??1f928d0a5f506b3fa8850b7200a5fc03)

    ×