Instituto Ciências Sociais
Universidade do Minho
Licenciatura Geografia e Planeamento
Expressão Gráfica e Cartografia
Prática...
Mapa Oporto [Porto]
Fonte: http://www.raremaps.com/gallery/detail/36968/Oporto_Porto/SDUK.html
1
3
2
1,2,3: Elementos cien...
Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática
Docente: Luís Moreira
Discente: Duarte Nunes A73789 1º A...
Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática
Docente: Luís Moreira
Discente: Duarte Nunes A73789 1º A...
Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática
Docente: Luís Moreira
Discente: Duarte Nunes A73789 1º A...
Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática
Docente: Luís Moreira
Discente: Duarte Nunes A73789 1º A...
Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática
Docente: Luís Moreira
Discente: Duarte Nunes A73789 1º A...
Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática
Docente: Luís Moreira
Discente: Duarte Nunes A73789 1º A...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Caracterização Mapa Oporto 1833

265 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado no âmbito da unidade curricular, Expressão Gráfica e Cartografia Prática
Licenciatura Geografia e Planeamento

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
265
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caracterização Mapa Oporto 1833

  1. 1. Instituto Ciências Sociais Universidade do Minho Licenciatura Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia Prática 1º Semestre - 2014/2015 Docente: Discente: Duarte Nunes A73789 Luís Moreira Caracterização do mapa: Oporto [Porto]
  2. 2. Mapa Oporto [Porto] Fonte: http://www.raremaps.com/gallery/detail/36968/Oporto_Porto/SDUK.html 1 3 2 1,2,3: Elementos cientificos (1,2) e puramente ilustrativo (3).
  3. 3. Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática Docente: Luís Moreira Discente: Duarte Nunes A73789 1º Ano | 1º Semestre | 2014/2015 Licenciatura Geografia e Planeamento | Universidade do Minho Introdução Com a introdução do estudo da cartografia e suas características que, ao longo dos séculos evoluiu consoante a necessidade das sociedades e as suas respectivas ideologias que estes pretendiam representar na sua própria cartografia, este trabalho surge com o objectivo de analisar e caracterizar um mapa escolhido por nós. Com o desenvolvimento dos conteúdos teóricos e práticos ao longo da unidade curricular Expressão Gráfica e Cartografia, a identificação dos mapas e as suas particularidades permitiu criar uma cronologia distintiva desde a época grega até aos nossos dias. A cartografia, como ciência produtora de mapas deriva de uma evolução histórica marcada por grandes picos (e estagnação) de desenvolvimento tanto científico como intelectual. Iniciando-se na época grega com o primeiro mapa conhecido de Anaximandro de Mileto (650-615 a.c.). e a introdução de medidas quantitativas, meridianos e paralelos por Eratóstenes (276-196 a.c.), passando pela Roma antigo, e após esta fase inicia-se um retrocesso devido à igreja católica influenciando fortemente o poder e a incutir apenas a sua visão (Idade média). A minha escolha do mapa, apesar de não se tratar cartografia propriamente portuguesa retrata uma fase importante e uma nova realidade que mantem-se até ao presente. Ao longo dos tempos a cartografia que serviria a ser unicamente instrumento alicerçado ao poder e militar, apesar de actualmente se encontrar ainda conectada a esses poderes governamentais, viria a se torna acessível ao grande público, servindo por vezes como forma de propaganda de impérios mas igualmente de forma educativa no ensino e para o grande público em geral. Tratando-se de um mapa com objecto de estudo território português, fundamentei pontos de vista tendo por base o livro: Os mapas em Portugal, da tradição aos novos rumos da cartografia, Coordenação de Maria Helena Dias. O mapa sobre o qual irei debruçar a minha análise encontra-se na nova tendência, de apresentar o território de modo mais rigoroso e cientificamente correcto, possibilitando múltiplas utilizações. Fig.3: Pesquisa bibliográfia, Duarte Nunes 2014. Fig.1: O mundo de Anaximandro. Fig.2: Mapa de Eratóstenes. 1
  4. 4. Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática Docente: Luís Moreira Discente: Duarte Nunes A73789 1º Ano | 1º Semestre | 2014/2015 Licenciatura Geografia e Planeamento | Universidade do Minho Informações do mapa Apresento alguns elementos informativos do mapa, sendo que este se encontra num website de vendas e compras de mapas antigos, existindo grande diversidade e tipologia, divididos por categorias, mundiais, regionais e outros recursos cartográficos. Sendo que foi neste sítio web onde efectuei a minha pesquisa e escolha de mapa. Os dados apresentados anexados ao mapa são: Título: Oporto (Porto) Publicação por: SDUK Data: 1833 Londres Tamanho: 15.5 x 12 polegadas ( 1 polegada = 2,54 cm) Preço: 104€ Caracterização “He inquestionável que o Cadastro, a Topografia e a Estatística são os três os grandes elementos da sciência de governar, dellas deriam o conhecimento dos factos, que he fundamento do verdadeiro saber; por consequência, he da rigorosa obrigação de um governo que se chama de ilustrado, de um governo próprio do grande século em que vivemos, estabelecer incessantemente estes meios governativos.” Filipe Folque (1800-74) O mapa Oporto, datado de 1833, foi produzida pela SDUK, antiga organização: Society for the Diffusion of Useful Knowledge, Sociedade para a Difusão do Conhecimento Útil que visava expandir e permitir o acesso ao conhecimento do público em geral e com material didático de baixo custo, sediada em Londes, fundada em 1826 até 1848. Esta planta foi desenhada por William Branwhite Clarke. À primeira vista o mapa assemelha-se em grande medida ao actuais, produzidos pelas instituições com tutela e jurisdição do território tais como camaras municipais, direcções regionais de ordenamento do território, exercito, etc.. e Porquê? Ao evoluir da cartografia a consolidação como ciência que comunica de um modo universal e legível através de signos geográficos e linguagem própria, fez com que Fonte adaptada: http://www.raremaps.com/gallery/detail/36968/Oporto_Porto/SDUK.html 3
  5. 5. Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática Docente: Luís Moreira Discente: Duarte Nunes A73789 1º Ano | 1º Semestre | 2014/2015 Licenciatura Geografia e Planeamento | Universidade do Minho certos elementos caracterizem o mapa. Estes elementos, escala, orientação, legenda, título, fonte/autor tornam o mapa “cientificamente correcto”. Não significa que determinada representação espacial não seja considerada mapa, mas, por termos globalmente instituídos assim se constituí um mapa. É com esta realidade que se insere o mapa escolhido, pois, observamos a presença destes elementos,logo um mapa moderno. Este mapa apesar de não ser propriamente fruto de uma cartografia exclusivamente portuguesa, segue, a tendência que décadas atrás viriam a tornar numa nova realidade para o destino final de um mapa. Em Portugal tinhamos assistido a mudanças de visão com Marquês de Pombal a implementar um sentido de interpretação e planeamento do território <<...a iconografia retrata normalmente Pombal na atitude de atenta examinação de plantas e mapas, respeitantes aos muitos problemas de obras públicas, sobre os quais teve de debruçar-se e decidir (...) foi o primeiro estadista lusitano a servir-se da Cartografia como ferramenta imprescindível do trabalho de todos os dias.>> Esta nova realidade é visível na nova cartografia produzida pelo mundo, altera-se a visão da importância de um mapa, um modo <<.. A cartografia viria a ganhar um destaque, pois em 1788, o governo português reconheceu que sem a cartografia não podia governar, mandando que se iniciassem os trabalhos geodésicos necessários para a cobertura do país.>> A Cartografia já há muitos séculos tinha deixado de utilizar uma linguagem de fantasia com representações divinas e seres míticos. Como tal, trata-se de um mapa que podendo ser utilizado para fins lúdicos, também poderia ter tido na altura uma utilização com vista ao planeamento e ordenamento do terriório. Encontramos ao longo do mapa referência às cotas altimétricas, direcção do rio Douro, representação de edifícios e assim como as zonas com vegetação e estrato arbóreo. É uma representação multifuncional, pois, e segundo S. Rimbert 1995 que define as funções de um mapa, encontramos neste exemplo um mapa que nos satisfaz ao permitir dar informações a nível: localização; documental e ilustração. Fig.4: Representação vegetação e estrato arbóreo. 4
  6. 6. Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática Docente: Luís Moreira Discente: Duarte Nunes A73789 1º Ano | 1º Semestre | 2014/2015 Licenciatura Geografia e Planeamento | Universidade do Minho No canto superior esquerdo da imagem ( 1 ) temos um mapa de maior abrangência territorial que serve como elemento de localização relativamente aos arredores do Porto, um elemento fundamental que não era usado em tempos anteriores e tornando- se hoje muito utilizado, permite ao leitor uma contextualização do território em estudo. No canto superior direito do mapa (2) encontramos a conhecida escala numérica em jardas e metros (500 m) e abaixo encontramos uma notas “note”, estas notas consistem em traduções das expressões portuguesas encontradas no mapa para língua inglesa,assim, intencionalidade de atingir o público britânico. No parte inferior do mapa ( 3 ), temos um elemento diferente, mas tendo em conta, os potenciais leitores, objectivo primordial de educação, esta imagem apresenta-se como uma fonte de noção espacial, mostrando a paisagem característica da zona representada no mapa, as suas gentes, e uma actividade muito forte ligada ao rio Douro. 5 Fig.7: Elemento ilustrativo do mapa,vista sobre a cidade desde a Torre da Barca. Fig.5: Contextualização do mapa relativamente ao território nos arredores. Fig.6: Escala e notas, canto superior direito do mapa.
  7. 7. Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática Docente: Luís Moreira Discente: Duarte Nunes A73789 1º Ano | 1º Semestre | 2014/2015 Licenciatura Geografia e Planeamento | Universidade do Minho Comparação Porto 1833 e 2014 Comparando o mapa escolhido a um mapa oficial recente produzido pela Câmara Municipal do Porto, podemos encontrar elementos constantes, apesar de uma nova realidade, o Sistema de Informação Geográfica permitiram um fundo e delimitação das costas muito mais rigoroso e correcto. A escala mantêm-se um elemento fundamental por forma a entender a conversão e a dimensão da mesma, as notas transformam-se em legenda por forma a entender os elementos representado, perdendo-se o sentido ilustrativo da imagem ( 3 ), mas atendendo ao aspecto formal da utilização final do mapa recente, não fazia sentido transformá-lo em algo mais didático. Ambos os mapas permitem uma visão de planeamento mas sendo a Fig.9, a representação da ciência cartográfica oficial nestas questões, não conseguindo ser legível para todos os leitores. Representa a Carta de Ocupação da Superfície. Fig.9:Carta Ocupação da Superfície.Fig.8:Mapa Oporto. 6
  8. 8. Geografia e Planeamento Expressão Gráfica e Cartografia – Prática Docente: Luís Moreira Discente: Duarte Nunes A73789 1º Ano | 1º Semestre | 2014/2015 Licenciatura Geografia e Planeamento | Universidade do Minho Conclusão O papel do geógrafo na sociedade incube de tratar e olhar para o espaço como nenhuma outra ciência o faz, é através de uma análise aos elementos cartográficos, à vivência no território que podemos fazer geografia, um exercício de análise a um mapa, remete muito além de mera localização e uma subjectividade de visão de opinião. O mapa serve e sempre servirá como ponto de partida para um conhecimento do território, mas nunca substituindo um conhecimento vivencial, um mapa além de meras linhas e pontos e sua simbologia característica, apresenta um cartão visita do natural ao humanizado, esvaziando e empobrecendo por um lado a dinâmica que se sucede no determinado espaço, as suas gentes, as suas culturas. É através de um exercício de reflexão sobre um mapa, que nós, como geógrafos e agentes essenciais e necessários participativos nas decisões com enfoque territorial, aprendemos a olhar os aspectos de outra forma e à multiplicidade de factores e atributos que agem num dado local. Com este mapa apercebemo-nos da evolução comparativamente aos instrumentos que hoje nos são acessíveis, o acesso à informação computorizada permite-nos produzir mais e mais, mas, este tipo de mapas são pequenas raridades. Com uma leitura de uma mapa temos que nos posicionar na época, no contexto social-cultural, não são admitindo o que é cientificamente correcto como objecto de estudo e tentando perceber a visão e a mensagem que se pretendia transmitir. De uma cartografia em evolução, mas mantendo traços característicos, sempre em prol de uma verdadeira produção e reprodução do espaço geográfico com rigor e verdade. O aluno, Duarte Nunes Webgrafia in Infopédia. Porto: Porto Editora, 2003-2015. [consult. 2014-12-28]. Disponível na Internet: http://www.infopedia.pt/$cartografia; Câmara Municipal do Porto: http://www.cm-porto.pt/cidade/carta-geotecnica-do-porto Consultado a 30-12-2014 ; http://en.wikipedia.org/wiki/William_Branwhite_Clarke Consultado a 2-01-2014; http://portoarc.blogspot.pt/2013/07/caractergenio-e-costumes-dos-portuenses.html Consultado a 2-01-2014; http://www.davidrumsey.com/luna/servlet/detail/RUMSEY~8~1~21026~540003; Consultado a 2-01-2014; Bibliografia Os mapas em Portugal, da tradição dos novos rumos da cartografia, Coordenação Maria Helena Dias Páginas 70-73;98; 127-128 7

×