José Alberto Carvalho  (30.11.1999) constata:  Estamos muito condicionados pela matriz da imprensa. É uma questão cultural...
Cândida Pinto  (30.11.1999) notava  falta de investigação jornalística , também na  SIC :  Não sei se não será um processo...
“ Aqui, o que dita o alinhamento do dia são as headlines das rádios, as cachas dos jornais e as headlines internacionais. ...
José Cruz  (19.10.1999) coloca as agências noticiosas em primeiro lugar:  Quem marca a agenda noticiosa são as agências, p...
Fernando Barata  (16.11.1999), coordenador do  Telejornal  da RTP1, fala de uma submissão do jornalismo televisivo à agend...
Barata  considera quase inexistente o jornalismo de investigação na estação em que trabalha:  O nosso jornalismo sucumbiu ...
Nesse mesmo dia, o  Telejornal  alinhou em 15.º lugar uma peça revelando novos avanços no combate à Sida. Um jornalista ex...
Efectivamente, a TSF já tinha tratado o assunto no dia anterior (15.11.1999), às 12h, 17h e 18h.  Mais tarde haveria de me...
Passou então no  Telejornal  de dia 16.  Na SIC também se deu relevo ao avanço científico.  Apesar da RTP1 ter acordado pa...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AGENDA NOTICIOSA DA TV DETERMINADA POR OUTROS MEIOS

1.546 visualizações

Publicada em

Olha a Sida. Na SIC só hoje! Batemos a SIC por 24 horas!…..
José Alberto Carvalho (30.11.1999) constata: Estamos muito condicionados pela matriz da imprensa. É uma questão cultural, à qual é difícil fugir. Creio que seria necessário começar tudo do zero. Nos EUA os jornais televisivos de referência não seguem, em nada, o que vem na imprensa. A BBC tem o What Newspapers Says, programa que arrasa a imprensa. Se fosse cá em Portugal era um escândalo. Fez-se um pouco isso com A Noite da Má Língua.

Cândida Pinto (30.11.1999) notava falta de investigação jornalística, também na SIC: Não sei se não será um processo natural. A SIC começou com muita força no jornalismo de investigação e depois baixou. Na TSF aconteceu o mesmo. O jornalismo de investigação é importante para a credibilidade de um meio de informação, e importante também para a vida da sociedade civil. Mas noto que hoje em dia estamos muito dependentes da agenda. Também é uma questão de investimento. Aqui na SIC não temos uma redacção muito grande, e a criação de núcleos de investigação obriga a investimentos de monta, como é sabido. Deveríamos reflectir sobre os custos e benefícios de tais opções.

“Aqui, o que dita o alinhamento do dia são as headlines das rádios, as cachas dos jornais e as headlines internacionais. São raras as reportagens originais que emitimos.
A maioria das propostas que recebemos do serviço de agenda são resultado dessas fontes que enunciei, muitas delas com base em artigos de jornais” – afirma Dinis Sotto Mayor (20.10.1999), que foi coordenador do Jornal da Tarde (RTP1) de 1992 a Junho de 1996.

José Cruz (19.10.1999) coloca as agências noticiosas em primeiro lugar: Quem marca a agenda noticiosa são as agências, porque transmitem informação em contínuo. Depois vêm as rádios.
O facto de recebermos aqui os alertas das notícias das rádios prova isso mesmo.
Ajuda-nos bastante.

Fernando Barata (16.11.1999), coordenador do Telejornal da RTP1, fala de uma submissão do jornalismo televisivo à agenda dos outros meios: Hoje em dia a máquina informativa começa a desenhar-se por um processo que é alheio às próprias televisões.
As pessoas são muito marcadas pelo que dá nas rádios, que ouvem durante bastante tempo nas filas de trânsito. E isto cria uma grande expectativa de verem as imagens desses acontecimentos quando chegam a casa, pela hora do jantar.
Barata considera quase inexistente o jornalismo de investigação na estação em que trabalha: O nosso jornalismo sucumbiu à rotina, a investigação é muito reduzida, somos claramente seguidistas das agendas dos outros meios. E o drama é que aos jornalistas mais jovens não lhes pressinto vontade de mudar as coisas. Já não vêm com capacidade de iniciativa, são raríssimos os casos em que tal acontece. É um hábito instalado que se transmite quase como um vírus!

Nesse mesmo dia, o Telejornal alinhou em 15.º lugar uma peça revelando novos avanços no combate à Sida. Um jornalista explica-nos como é que tal peça subiu ao alinhamento: Ontem, quando vinha no carro, já ouvi tal notícia na rádio. Como hoje foi manchete no Diário de Notícias, a coordenação deu indicações para avançarmos com uma peça também.

Efectivamente, a TSF já tinha tratado o assunto no dia anterior (15.11.1999), às 12h, 17h e 18h.
Mais tarde haveria de merecer destaque no Primeira Página, programa emitido pela RTP1 por volta das duas da manhã, e no qual se informavam os telespectadores das manchetes e principais destaques da imprensa da manhã seguinte:
Os títulos dos jornais desta noite falam de economia e de saúde. Falam de saúde porque foi descoberta a proteína que impede que as células boas sejam contaminadas pelas células infectadas – assinalava Francisco José Viegas no início do Primeira Página.

Passou então no Telejornal de dia 16.
Na SIC também se deu relevo ao avanço c

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AGENDA NOTICIOSA DA TV DETERMINADA POR OUTROS MEIOS

  1. 1. José Alberto Carvalho (30.11.1999) constata: Estamos muito condicionados pela matriz da imprensa. É uma questão cultural, à qual é difícil fugir. Creio que seria necessário começar tudo do zero. Nos EUA os jornais televisivos de referência não seguem, em nada, o que vem na imprensa. A BBC tem o What Newspapers Says, programa que arrasa a imprensa. Se fosse cá em Portugal era um escândalo. Fez-se um pouco isso com A Noite da Má Língua . 967
  2. 2. Cândida Pinto (30.11.1999) notava falta de investigação jornalística , também na SIC : Não sei se não será um processo natural. A SIC começou com muita força no jornalismo de investigação e depois baixou. Na TSF aconteceu o mesmo. O jornalismo de investigação é importante para a credibilidade de um meio de informação, e importante também para a vida da sociedade civil. Mas noto que hoje em dia estamos muito dependentes da agenda. Também é uma questão de investimento. Aqui na SIC não temos uma redacção muito grande, e a criação de núcleos de investigação obriga a investimentos de monta, como é sabido. Deveríamos reflectir sobre os custos e benefícios de tais opções . 967
  3. 3. “ Aqui, o que dita o alinhamento do dia são as headlines das rádios, as cachas dos jornais e as headlines internacionais. São raras as reportagens originais que emitimos. A maioria das propostas que recebemos do serviço de agenda são resultado dessas fontes que enunciei, muitas delas com base em artigos de jornais” – afirma Dinis Sotto Mayor (20.10.1999), que foi coordenador do Jornal da Tarde (RTP1) de 1992 a Junho de 1996. 967
  4. 4. José Cruz (19.10.1999) coloca as agências noticiosas em primeiro lugar: Quem marca a agenda noticiosa são as agências, porque transmitem informação em contínuo. Depois vêm as rádios. O facto de recebermos aqui os alertas das notícias das rádios prova isso mesmo. Ajuda-nos bastante . 967
  5. 5. Fernando Barata (16.11.1999), coordenador do Telejornal da RTP1, fala de uma submissão do jornalismo televisivo à agenda dos outros meios: Hoje em dia a máquina informativa começa a desenhar-se por um processo que é alheio às próprias televisões. As pessoas são muito marcadas pelo que dá nas rádios, que ouvem durante bastante tempo nas filas de trânsito. E isto cria uma grande expectativa de verem as imagens desses acontecimentos quando chegam a casa, pela hora do jantar . 967
  6. 6. Barata considera quase inexistente o jornalismo de investigação na estação em que trabalha: O nosso jornalismo sucumbiu à rotina, a investigação é muito reduzida, somos claramente seguidistas das agendas dos outros meios. E o drama é que aos jornalistas mais jovens não lhes pressinto vontade de mudar as coisas. Já não vêm com capacidade de iniciativa, são raríssimos os casos em que tal acontece. É um hábito instalado que se transmite quase como um vírus! . 967
  7. 7. Nesse mesmo dia, o Telejornal alinhou em 15.º lugar uma peça revelando novos avanços no combate à Sida. Um jornalista explica-nos como é que tal peça subiu ao alinhamento: Ontem, quando vinha no carro, já ouvi tal notícia na rádio. Como hoje foi manchete no Diário de Notícias, a coordenação deu indicações para avançarmos com uma peça também . 968
  8. 8. Efectivamente, a TSF já tinha tratado o assunto no dia anterior (15.11.1999), às 12h, 17h e 18h. Mais tarde haveria de merecer destaque no Primeira Página , programa emitido pela RTP1 por volta das duas da manhã, e no qual se informavam os telespectadores das manchetes e principais destaques da imprensa da manhã seguinte: Os títulos dos jornais desta noite falam de economia e de saúde. Falam de saúde porque foi descoberta a proteína que impede que as células boas sejam contaminadas pelas células infectadas – assinalava Francisco José Viegas no início do Primeira Página . 968
  9. 9. Passou então no Telejornal de dia 16. Na SIC também se deu relevo ao avanço científico. Apesar da RTP1 ter acordado para o assunto um dia e algumas horas depois da primeira notícia difundida pela TSF, tal não impediu reacção de júbilo de um dos responsáveis pelo alinhamento, quando, a 17, vê a notícia a ser emitida pelo Primeiro Jornal da SIC: (…) Olha a Sida. Na SIC só hoje! Batemos a SIC por 24 horas!….. 968

×