Meio ambiente

1.828 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.828
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
43
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Meio ambiente

  1. 1. CORREIO BRAZILIENSE • Brasília,domingo,5 de junho de 2011DIA MUNDIAL DOMEIOAMBIENTE Tarefa árdua Brasil se prepara para organizar a maior conferência ambiental do planeta, a Rio+20. Muito do que foi prometido à época não foi cumprido. Mas todos sabem: ainda dá tempo, com muito trabalho, de carregar aTerra para o caminho do desenvolvimento sustentável
  2. 2. DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE 3 CORREIO BRAZILIENSE • Brasília,domingo,5 de junho de 2011Mãos BRASIL COMEÇA A SE PREPARAR PARA A CONFERÊNCIA SOBREà obra MEIO AMBIENTE RIO+20, NO ANO QUEVEM. É A CHANCE DE CORRIGIR ERROS E PÔR EM PRÁTICA O QUE FOI COMBINADO — MAS DESCUMPRIDO — HÁ DUAS DÉCADASC opa do Mundo de 2014, leis e constitucionalidades para Jairo Farias Chagas/Divulgação Olimpíadas de 2016? esse tipo de desenvolvimento. A Que nada. O mundo proposta é mostrar que econo-olhará mesmo para o Brasil no mia e meio ambiente são interli-ano que vem. De 4 a 6 de junho, gados e que um beneficia o ou-o Rio de Janeiro será palco do tro. Também quer se transformarmaior encontro internacional o sistema econômico mundial —sobre meio ambiente: a Confe- hoje baseado no grande desper-rência das Nações Unidas sobre dício e uso de fontes não renová-Desenvolvimento Sustentável, veis — para uma economia fun-a Rio+20. O evento, que reunirá damentada em energias limpas.os principais líderes mundiais, E o Brasil tem exemplos a darorganizações não governamen- nessa área. O país detém a ma-tais e entidades do setor priva- triz energética mais renováveldo, ocorre 20 anos após a Con- do mundo industrializado. Se-ferência das Nações Unidas so- gundo dados do governo brasi-bre Meio Ambiente e Desenvol- leiro, pelo menos 45% de pro-vimento (Rio-92). Pelo menos dução provêm de fontes como50 mil pessoas participarão. recursos hídricos, biomassa e “A ideia é renovar o compro- etanol — além das energias eó-misso político, por parte de to- lica e solar. No caso das naçõesdos os atores da sociedade, em industrializadas, esse númeroprol do desenvolvimento susten- chega apenas a 13% e, nos terri-tável — além de fazer avaliação tórios em desenvolvimento, ados progressos e problemas que porcentagem cai para 6%.se deram desde 1992”, conta o di- Por isso, o professor do depar-retor do Centro de Informação tamento de desenvolvimentodas Nações Unidas para o Brasil sustentável da Universidade de(Unic-Rio), Giancarlo Summa. Brasília (UnB), Donald Sawyer,“É também a oportunidade de defende que não pode deixar dedecidir de forma coletiva os com- discutir a questão de padrões depromissos comuns a serem ado- consumo e de produção susten-tados para novos desafios das tável. “O tema até foi tratado napróximas décadas.” O que se es- Eco-92, mas não entrou em con-pera, ressalta ele, é um esforço venções específicas. Ficou perdi-para ir além dos interesse ime- do nesses 20 anos”, comenta.diatos — e olhar para a questão “Espero que o Brasil consiga co-mais global. locar para o mundo quais foram Dois temas dominarão a reu- as conquistas efetivamente al-nião. O primeiro, a economia cançadas nesse período”, alertaverde no contexto do desenvol- Geraldo Borin, coordenador do Produção de energia eólica:vimento sustentável e erradica- curso superior de tecnologia em Brasil tem a matriz energéticação da pobreza. O segundo, as gestão ambiental da PUC-SP. mais renovável do mundo industrializado CONFIRA [ Site oficial da Rio+20 ] www.uncsd 2012.org EXPECTATIVAS Uma das grandes diferenças em relação à Rio-92 é que,agora,o objetivo não é apenas mostrar quais os problemas existentes,mas apontar formas de solucioná-los e assumir novos compromissos para tanto.A participação de ONGs será ainda mais intensificada, até fisicamente. Enquanto os líderes mundiais se reunirão na área central da capital, próximo ao porto, as organizações estarão no Aterro do Flamengo, como à época. O Greenpeace será uma das participantes ativas da conferência, com direito à vinda do famoso navio Rainbow Warrior, que esteve em várias causas defendidas pela ONG mundo afora. O diretor executivo do Greenpeace no Brasil, Marcelo Furtado, explica que o público-alvo será o cidadão brasileiro.“Queremos engajar os que estão distantes dessa temática”, diz.
  3. 3. DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE 4|5 CORREIO BRAZILIENSE • Brasília,domingo,5 de junho de 2011HÁ DUAS DÉCADAS, O RIO SEDIAVA A MAIS IMPORTANTE CONFERÊNCIACOM CHEFES DE ESTADOS PARA TRATAR SOBRE A SUSTENTABILIDADE DO PLANETAMonica Zaratini/AE - 6/6/92 LINHA DOTEMPO Conferência das Nações 1972 Unidas sobre Meio Ambiente Humano Esse foi o primeiro grande evento sobre o tema.Nele,é reconhecido o fato de o ser humano e meio ambiente serem uma única coisa.Surge também o conceito de “ecodesenvolvimento”,criado pelo secretário-geral da Conferência,Maurice Strong.O termo defende a ideia de que só é possível ter desenvolvimento a longo prazo se você cuidar dos problemas ambientais em curto prazo. 1973 Criação do Programa das Nações Unidas para o MeioAmbiente (Pnuma) Institucionalização dessa temática no âmbito da organização. 1985 Convenção deViena sobre Camada de Ozônio Exigia comprometimento dos Estados,mas foi considerado um acordo vazio,por não estabelecer metas específicas e concretas. 1987 Relatório Nosso futuro comum Surge o conceito de desenvolvimento sustentável:é necessário e deve ser implementado pelo uso racional dos recursos naturais,de forma a garantir a continuidade dessas riquezas para gerações futuras.Reunião sobre meio ambiente promovida pelas Nações Unidas mobilizou participação inédita de chefes de estados: 108 ao todo 1987 ProtocoloUm marco ecológico de Montreal Com teor específico,complementa a Convenção deViena.É importante porque foi o símbolo de que,a partir da vontade política,é possível atingir objetivos. 1997 Protocolo de Kyoto» CECILIA PINTO COELHO nas mãos do primeiro presidente eleito tecnologia em gestão ambiental da Pon- Sugere redução dos gases causadores do» ALINE BRAVIM pelo povo em 20 anos, Fernando Collor tifícia Universidade Católica de São Pau- efeito estufa para países signatários e de Mello. Embora em um contexto de lo (PUC-SP). O evento também foi deci- impõe metas para nações poluidoras» JOÃO PAULO RESENDE desenvolvidas. ESPECIAL PARA O CORREIO grave crise econômica e escândalos de sivo para a criação da Comissão de De- corrupção, a iniciativa tornou-se reali- senvolvimento Sustentável na Organiza-E dade. A presença maciça de chefes de ção das Nações Unidas (ONU). Para o di- 2002 Rio +10, m 1992, o Brasil estava no início da re- em Johannesburg democratização. O mundo cobrava Estado, a participação da sociedade civil retor do Centro de Informação das ONU Buscou avaliar,dentre outros objetivos,o postura diferente não apenas quanto e a assinatura de importantes documen- no Brasil (Unic- Rio), Giancarlo Summa, que tinha sido feito.aos direitos humanos, mas — e principal- tos — entre os quais, a Agenda 21, a De- a Rio-92 foi determinante porque paísesmente —em relação ao meio ambiente. Pa- claração do Rio, a Declaração sobre e a opinião pública assumiram o com- 2009 COP XV,ra reverter a imagem negativa diante de princípios florestais, a Convenção sobre promisso de tentar desenvolver-se de em Copenhagen mudanças climáticas e a Convenção so- forma sustentável. Nações desenvolvidas se comprometeminúmeras queimadas da floresta amazôni- com recursos financeiros para combater osca e do assassinato de personalidades co- bre biodiversidade deram grande visibi- Já para o diretor-executivo do efeitos do aquecimento global. Países comomo Chico Mendes, em 1988, o então presi- lidade à conferência no Brasil. Greenpeace no Brasil, Marcelo Furtado, a Bolívia,aVenezuela e o Sudão criticaramdente José Sarney lançou a candidatura do “A Rio-92 foi um divisor de águas, que embora as pessoas atualmente estejam o documento emitido na reunião por seBrasil para sediar uma das maiores reu- evidenciou a conscientização dos parti- cientes dos problemas, ainda não sabem tratar de uma carta de intenções.niões internacionais sobre meio ambiente, cipantes para os problemas ambientais como agir. “Muitas pensam que aa Conferência das Nações Unidas para e para a priorização do ensino de ques- próxima geração é que fará a li-Meio Ambiente e Desenvolvimento (Cnu- tões fundamentais e do treinamento efe- ção de casa que nós não faze-mad), também conhecida como Eco-92, tivo das pessoas envolvidas com essa te- mos. Acho isso injusto, porqueRio-92 e Cúpula da Terra. mática”, relembra o professor Geraldo corremos risco de não entregar A tarefa de concretizar o sonho ficou Borin, coordenador do curso superior de um planeta decente”, lamenta.
  4. 4. 6|7 CORREIO BRAZILIENSE • Brasília,domingo,5 de junho de 2011A RIO-92 É A MAIOR CONFERÊNCIA SOBRE MEIO AMBIENTE REALIZADA NO MUNDO.ENTRETANTO,DIANTE DAS SOLUÇÕES PROPOSTAS,POUCAS SAÍRAM DO PAPELO planeta ainda espera» CECILIA PINTO COELHO Devemos aproveitar a Rio+20 para dis- Os números dão um parâmetro da situa- padrões de consumo da sociedade”.» ALINE BRAVIM cutir as falhas que cometemos há quase ção atual: a diversidade animal se perde Em 2009 foi realizada a última grande» JOÃO PAULO RESENDE 20 anos . Sem prática não há desenvol- a uma velocidade jamais vista na histó- conferência para tratar do clima mundial, ESPECIAL PARA O CORREIO vimento, temos que pensar a longo pra- ria. Segundo os cientistas, até 2030 pode- a COP15 — em Copenhague, Dinamarca. zo”, ressalta Albano Araújo, coordena- remos estar com 75% da biodiversidade Esse foi o 15º encontro entre nações, desdeO objetivo da Eco-92 era claro: reunir dor da ONG The Nature Conservancy. ameaçada de extinção. a Eco 92. Acordos foram firmados e os paí- o maior número de chefes de esta- ses desenvolvidos se comprometeram a do possível e traçar metas sustentá- Biodiversidade Clima investir US$ 30 bilhões para ajudar naçõesveisparaminimizaroabismoentreospaíses em desenvolvimento a lidarem com as alte-desenvolvidos e aqueles em desenvolvi- O documento assinado em 1992 que Na Convenção de 19 anos atrás também rações climáticas. Ao todo, 75 países agrega-mento. A reunião em si foi um grande even- trata da biodiversidade, traz como meta foram traçadas metas para tratar do clima ram metas de redução ou limitação do cres-to. Ao todo, 108 representantes de diversos principal a proteção das espécies do plane- terrestre. O documento proposto articula- cimento das emissões de gases do efeito es-países assinaram documentos como a Con- ta, além do uso sustentável de seus compo- va-se em torno das emissões de gás carbô- tufa até 2020, como parte do acordo de Co-venção do clima, o Tratado da biodiversida- nentes. Assinado por 156 países, estabele- nico. Sem determinar prazos, o objetivo penhague.de, a Agenda 21 Global e a Declaração do cia mecanismos para que os territórios ti- era reduzir a emissão de gases nocivos ao A situação ainda é complicada. As emis-Rio. Entretanto, na prática, o que se viu foi vessem acesso pago às florestas. Previa, planeta. Ao todo, 153 países se comprome- sões globais de carbono aumentaram 9%umaenormedificuldadedecolocarasideias também, transferência de tecnologia e re- teram a cumprir o acordo. entre 1992 e 2001. Nos Estados Unidos,em prática e ainda há muitos pontos que conhecimento de patentes e produtos que A partir daí foram realizadas diversas maior potência do mundo, o crescimentoprecisam ser aprimorados na Rio+20. fossem descobertos a partir de pesquisas. outras reuniões e negociações ao longo foi de 18%. No Brasil, os últimos dados E no meio de tantas metas de um futuro No Brasil, o acordo entrou em vigor dos anos que culminaram no Protocolo de apontam para um aumento significativopromissor, o efeito mais visível da Rio-92 foi em dezembro de 1993. Nele, destaca-se o Kyoto, em1997. Segundo a representante das liberações de C02: segundo o IBGE, aa articulação das comunidades internacio- Protocolo de Biossegurança, que autori- do Programa das Nações Unidas para o poluição com o gás no país passou de 1,35nais em torno do aquecimento global. O za países a deixarem de importar produ- Meio Ambiente (PNuma) no Brasil, Cristi- bilhão para 2,2 bilhões de toneladas entreProtocolo de Kyoto, por exemplo, assinado tos que contenham organismos geneti- na Montenegro, os resultados mais expres- 1990 e 2005, uma evolução de 62%.por 189 nações que se comprometeram em camente modificados. Das 175 nações sivos da discussão foram os tratados dereduzir a emissão de gases-estufa na atmos- signatárias da Agenda 21, 168 confirma- Biodiversidade e o do Clima, mas ainda Agenda 21fera, nasceu de uma reunião dos signatários ram sua posição de respeitar a conven- não se chegou tão longe quanto as naçõesda Convenção do Clima, firmada na Eco-92. ção sobre biodiversidade. pretendiam. “Estamos negociando as me- Para ampliar o leque de discussões, Embora haja dificuldade de se im- Entretanto, estudos atuais mostram tas e consideramos alto o nível de cons- surgiu, durante a Eco-92, a Agenda 21 —plementar as propostas previstas, o que a situação está longe de ser resolvi- cientização e que muitos esforços foram com incríveis 2,5 mil recomendaçõesevento é referência em processos polí- da. Cerca de 150 espécies são extintas feitos, mas não o suficiente. Na Rio+10 distribuídas em 40 capítulos. O docu-ticos. Os tratados e convenções são efi- diariamente. Apesar de 2010 ter sido o (realizada em 2002), por exemplo, não mento apresenta quase mil propostas decazes em suas teorias; o que falta é a prá- Ano Internacional da Biodiversidade, conseguimos traçar planos que resolves- atividades para serem desenvolvidas.tica. “Os problemas, nós já conhecemos. não houve motivos para comemoração. sem os problemas relacionados aos Trata praticamente de todos os assuntosLINHA DO TEMPO CONFIRA ABAIXO UMA SÉRIE DE DESASTRES AMBIENTAIS CAUSADOS PELA AÇÃO DO HOMEM NA NATUREZA, DESDE A ECO-92: 1992 1994 1995 1996 1998 1999 2000 2001 2002 EXPLOSÃO DE VAZAMENTO ONDA DE CALOR EXPLOSÃO EM VAZAMENTO ÓLEO NO MORTANDADE CRISE DO REFINARIAGÁS NO MÉXICO DE ÓLEO EM SP EM CHICAGO OSASCO (SP) DE ÓLEO RIO NEGRO DE PEIXES APAGÃO INTOXICA CRIANÇAS Uma série de Dutos de um Ao todo, 739 pessoas Um acúmulo de gás Uma rachadura de cerca Vazamento de 3 Morreram mais de A falta de chuvas, A Companhia de explosões na rede terminal marítimo morreram. Nesses de cozinha, devido a de um metro que liga a mil litros de óleo 130 toneladas de aliada a falta de Tecnologia de Saneamento coletora de esgoto da Petrobras, casos os problemas problemas na refinaria de São José dos no oleoduto da peixes na Lagoa planejamento e Ambiental multou a da cidade de localizado em São ocasionados pela alta instalação da Campos aoTerminal de refinaria da Rodrigo de Freitas, investimento, Refinaria Henrique Guadalajara Paulo, se romperam temperatura podem tubulação, causou uma Guararema, ambos em Petrobrás que no Rio de Janeiro. diminuiu reservas Lage de São Joséprovocou a morte de e 2,7 milhões de ser de leve intensidade explosão no Osasco São Paulo, causou o abastece a Manaus A cerca de 100 km do Brasil e dos Campos em300 pessoas e deixou litros de óleo (exantema cutâneo, Plaza Shopping. No vazamento de 1,5 Energia (Reman) de São Paulo, comprometeu a R$ 210.442 pela emissão 1,5 mil feridos. Uma vazaram.Ao todo, síncope, cãibras) total, 42 pessoas milhões de litros de atinge o Igarapé do outras centenas geração de de fumaça preta, quefaixa de 8km de casas 18 praias foram ou graves morreram e mais de óleo combustível no rio Cururu (AM) e Rio de milhares energia. chegou a intoxicar e veículos ficaram contaminadas e a (exaustão, lesões, 300 ficaram feridas. Alambari. O duto estava Negro. Danos apareceram 30 crianças da Escola completamente biodiversidade choque térmico Quarenta lojas foram há cinco anos sem ambientais ainda boiando no Municipal Maria destruídos. foi afetada. ou insolação). destruídas. manutenção. não recuperados. rioTietê. Amélia Wakamatsu.
  5. 5. DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTErelacionados ao desenvolvimento Declaração do Rio DUAS PERGUNTAS PARAsustentável, como a dinâmica de-mográfica, a crise urbana nos paí- Esse é o documento mais simbóli-ses em desenvolvimento (incluin- co da conferência. Nasceu com o ob- PAULO AFFONSO LEME MACHADOdo habitação, saneamento e polui- jetivo de estabelecer uma nova e justa Especialista em direito ambiental e professor nação urbana), uso da terra, energia e parceria global mediante a criação de Universidade Metodista de Piracicaba (UniMep)transportes sustentáveis, além de novos níveis de cooperação entre ostransferência de tecnologias, pro- Estados, a sociedade e os indivíduos. Os acordos estabelecidos na Rio-92 foramdutos químicos, oceanos, padrões Ao todo são 27 princípios do docu- postos em prática?de produção e consumo, além da mento, entre eles o que diz que “as Na verdade,grande parte das propostas chegounecessidade de erradicação da po- autoridades nacionais devem procu- a sair do papel.Inúmeras reuniões de alto nívelbreza no mundo. rar promover a internacionalização foram realizadas e eu tive,inclusive,o prazer de Na teoria, o documento propõe a dos custos ambientais e o uso de ins- participar de algumas delas.O direito à informaçãomelhoria do padrão de vida da hu- trumentos econômicos, tendo em foi discutido e,de lá para cá,muita coisa mudoumanidade. Mas, na prática, os resul- vista a abordagem segundo a qual o para melhor nesse sentido.O direito à participaçãotados são diferentes. No começo do poluidor deve, em princípio, arcar também evoluiu.Entretanto,há melhorias propostasano, a ONU divulgou uma estimati- com o custo da poluição, com a devi- que só ficaram no papel.Podemos reverter osva dos valores que seriam necessá- da atenção ao interesse público e sem pontos negativos na Rio+20.É uma granderios para diminuir a pobreza e para provocar distorções no comércio e oportunidade de pensar no futuro.cuidar melhor do meio ambiente no nos investimentos internacionais”.mundo inteiro. Na situação global Se isso fosse efetivamente seguido O que não pode deixar deatual, seria necessário um investi- à risca, e as maiores empresas globais ser discutido na Rio+20?mento de 2% do Produto Interno tivessem que arcar com os reais cus- O planeta enfrenta problemas sérios comBruto (PIB) mundial para combater tos da poluição, das mudanças cli- relação à poluição nuclear,direitos e deveres naa miséria e gerar um crescimento máticas e de outros impactos am- agricultura e consumo de agrotóxicos.Sou contra amais verde e eficiente — ou seja, US$ bientais, elas perderiam nada menos energia nuclear:os males provocados por essa1,3 trilhão por ano (R$ 2 trilhões), que um terço de seus lucros — o indústria são difíceis de serem controlados.Esse é,que segundo a ONU, deveriam ser, equivalente a US$ 2,2 trilhões, valor sem dúvidas,um dos maiores males da humanidade.mas não são, investidos em 10 seto- superior ao PIB da maior parte dos Precisamos discutir também os limites dares estratégicos da economia: agri- países do mundo. Resta, portanto, agricultura para evitarmos mais desmatamento.E,cultura, construção, indústria, trans- esperar que a Rio+20 seja um espaço por último,devemos traçar metas para o consumoportes, turismo, água, abastecimen- para balancear todos esses fatos e de agrotóxicos.A população se envenenato de energia, pesca, manutenção de consolide ações que sejam possíveis diariamente.Creio que esses são pontos que nãoflorestas e manejo de resíduos. de serem colocadas em prática. podem ficar de fora da pauta do evento. 2003 2004 2005 2007 2008 2009 2010 2011 MASSACRE ENCHENTES FURACÃO ONDA DE CALOR ENCHENTES QUEIMADAS PETRÓLEOVAZA DESLIZAMENTO DOS NO HAITI KATRINA De 15 a 22 de julho, EM SC No final de janeiro,Victoria e NO MÉXICO DETERRA GOLFINHOS Mais de 300 O desastre temperatura acima de Fortes chuvas Austrália Meridional O acidente na Chuvas intensas Pescadores japoneses pessoas morreram aconteceu no final 30ºC mata 500 alagaram mais de experimentaram condições plataforma provocam avalanches encurralaram e por causa da de agosto na cidade pessoas na Hungria. Na 60 cidades em Santa extremas para a formação de DeepwaterHorizon, e deslizamentos na mataram lentamente tempestade de Nova Orleans, Romênia, cerca de 19 Catarina. Cerca de queimadas,com temperaturas da empresa BP, região serrana do Rio 60 golfinhos. Fotos da tropical Jeanne no EUA. Matou mais de mil deram entrada em 1,5 milhão de pessoas entre 40 a 47°C em Melbourne provocou vazamento de Janeiro, que baía com mar norte do Haiti. mil pessoas. Os hospitais do país. No foram diretamente eAdelaide e na maior parte de cerca de 200 chegou a matar mais vermelho de sangue Com ventos de furacões estão mesmo período, a afetadas pelas norte dos estados,além do milhões de galões de de mil pessoas.A chocaram o mundo. 120 km/h, deixou relacionados com o Sérvia enfrentou 50 enchentes. Prefeitos aumento da velocidade média petróleo.Foi um maioria das famílias No Japão, são mais de 100 mil aumento da focos de incêndio com de diversas cidades do vento.Os números somaram dos maiores desastres ficaram sem casas. abatidos anualmente haitianos afetados. temperatura dos temperaturas chegaram a 80 cidades atingidas,173 mortos ambientais,com Nova Friburgo 22 mil golfinhos para oceanos, devido ao de até 43ºC. declarar estado de e 455 mil hectares destruídos. prejuízo de foi o município virar carne enlatada. aquecimento global. calamidade pública. US$ 11,2 bilhões. mais afetado.
  6. 6. Informe Publicitário À esquerda, funcionário trabalha na recuperação de áreas degradadas no cerrado. À direita, viveiro de mudas próprio, com mais de 400 mil mudas de árvores. JCGontijo investe Consultoria e Planejamento de Uso Racional da Água, H2C, o bra- sileiro gasta cerca de cinco vezes mais do que o volume indicado materiais mais resistentes na fa- chada, para reduzir a manutenção e evitar gastos periódicos. A recuperação de áreas de- RESPONSABILIDADE AMBIENTAL em tecnologia verde como suficiente pela Organização gradadas no cerrado é outra Os empreendimentos que possuem o selo Green Bulding Mundial da Saúde (OMS), que é ação que reforça ainda mais a by JCGontijo contam com dispositivos que favorecem o uso de 40 litros diários por pessoa. No preocupação da JCGontijo com racional da água, o aproveitamento dos recursos naturais, Brasil, cada pessoa consome em o meio ambiente. No parque contribuindo com o desenvolvimento sustentável. Entre média 200 litros/dia. ecológico do Tororó, região ad- esses dispositivos estão: O reúso da água da chuva ministrativa de Santa Maria, por • Sistema de aquecimento solar de água com pode reduzir pela metade os exemplo, foram plantadas apro- compensação a gás. No Living Superquadra Park Sul, a água reutilizável é utilizada na irrigação paisagística, por meio de um sistema automatizado. Abaixo, gastos com o consumo de água. ximadamente 75 mil mudas de área comum do Reserva Santa Monica, exemplo de empreendimento sutentável • Gás canalizado. “No Living Superquadra Park árvores nativas, recuperando 63 • Medição individual de água por apartamento. Sul, por exemplo, implantamos hectares do parque. R • Isolamento térmico de coberturas. um reservatório com capacida- A empresa mantém um vivei-Batizado de Atitude Verde, empresa ecuperação de áreas ver- des e degradadas, redu- ambientais. Por meio de concur- sos, eles apresentam ideias, que de para armazenar aproximada- ro com mais de 400 mil mudas de • Melhor aproveitamento da luz natural com janelas e projeto arquitetônico que favorecem a circulação de ar e a possui o maior programa de ção de energia e consu- se aprovadas, serão colocadas em mente três milhões de litros de água reutilizável, sendo que a árvore, que serão plantadas neste ano, em diversas áreas degrada- economia de energia com ar-condicionado e iluminação. mo de água, materiais e prática e o colaborador premia- conscientização ambiental sistemas, nas obras, que agridam do. “Importantes ideias já foram metade é utilizada na irrigação das e parques urbanos. • • Vaso sanitário com seletor para duas vazões. Torneiras com controle de vazão nas áreas comuns. menos o meio ambiente. Esse é implantadas em busca de melho- paisagística, lavagem de esta- “Às vezes, o Estado não cionamento e áreas comuns por dispõe de mão de obra para • Paisagismo: pomar com árvores frutíferas e mini-horta para o caminho que leva a sustentabi- ria na qualidade ambiental, como meio de um sistema automatiza- dar manutenção contínua a es- educação ambiental infantil. lidade, segundo Rodrigo Barjud, a adoção de equipamentos para do”, explica o geólogo. ses espaços, que ao longo do • Sistema automatizado para irrigação das áreas verdes. geólogo formado pela UNB com evitar o risco de erosão do solo, Outra proposta da empresa tempo vão se desgastando, • Uso de madeira de reflorestamento nos halls sociais. especialidade em monitoramento de enchentes e prevenir danos para minimizar o impacto am- em função do uso e da ação • Processo seletivo na coleta de resíduos sólidos para ambiental e gerente de meio am- ambientais”, diz o gerente. biente da JCGontigo. Para ele, esse assunto está biental é o uso de energias al- do efeito do tempo. E esse é o reciclagem. É ele quem coordena o maior cada vez mais presente nas estra- ternativas, além da utilização de papel do programa implantado • Recuperação de áreas degradadas. programa de conscientização tégias de trabalho da empresa. equipamentos comprovadamen- pela nossa empresa”, completa ambiental entre as empresas de “A construção civil é um dos seto- te econômicos, como o uso de Rodrigo Barjud. construção civil do Distrito Fe- res que mais tem a contribuir para deral. O programa Atitude Ver- a sustentabilidade. Nos últimos de visa difundir os conceitos de anos, a JCGontijo tem trabalha- ta bilidade: en éa responsabilidade social e educa- do com muito comprometimento st Su ssi ção ambiental junto aos colabo- para atingir a sustentabilidade em mq radores e à comunidade local, e seus canteiros de obras”. ue se c o green transformar pequenas ações de O uso consciente e adequa- conscientização em redução de do da água é uma das medidas impactos ambientais. adotadas por meio do programa. Quem conhece sabe a diferença. ns O próprio colaborador da em- Segundo pesquisas divulgadas ró t e. o fu i turo hoj presa é o disseminador das ideias recentemente pela empresa de www.jcgontijo.com.br • (61) 3345-9000
  7. 7. 10|11 CORREIO BRAZILIENSE • Brasília,domingo,5 de junho de 2011 ENTREVISTA IZABELLA TEIXEIRA Agora será mais difícil A MINISTRA DO MEIOAMBIENTE DIZ QUEA RIO+20 NÃOAPRESENTARÁ NOVOS COMPROMISSOS,MAS SERÁ IMPORTANTEAO PERMITIRA CRIAÇÃO DE MEDIDASRonaldo de Oliveira/CB/D.A Press - 28/4/10 QUE DEEM CONDIÇÕES DE SE IMPLEMENTAR O CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. » CECILIA PINTO COELHO nunca esteve tão vulnerável como atual- prática, pouco saiu do papel. Para isso, é estágios de implementação. Por exemplo, » ALINE BRAVIM mente. Nessas circunstâncias, o Brasil, importante observar que a Rio+20 não é toda a agenda chamada de agricultura » JOÃO PAULO RESENDE como anfitrião do evento, tem papel de uma conferência sobre meio ambiente, sustentável dentro do Ministério da Agri- ESPECIAL PARA O CORREIO grande relevância, estando a sua lideran- mas sobre desenvolvimento sustentável cultura (Mapa) tem a ver com a economia ça e protagonismo entre as condições de e, como tal, deverá refletir em sua discus- verde. É só olhar para a política de desen- Quais progressos devemos esperar êxito da Conferência. O Brasil espera são uma complexidade muito maior que volvimento produtivo do Ministério de dessa reunião de líderes mundiais? grandes avanços em 2012, particular- a experimentada em 1992. Indústria e Comércio para vermos que a Com efeito, o Brasil espera que a mente na renovação do compromisso sustentabilidade é tema transversal e Rio+20 possa reavivar o que em 1992 fi- político entre as nações que possa levar à Economia verde é um dos principais chave nas visões de competitividade. cou conhecido como o “espírito do Rio”, adoção de medidas concretas para um focos do evento…E diversos países já para usar as palavras do então secretário- novo modelo de desenvolvimento que trabalham suas agendas econômicas As críticas em relação à Eco-92 geral das Nações Unidas, Boutros Boutros possibilite, na prática, a implementação pensando em crescimento com baixa dizem respeito, basicamente, ao alto do conceito de desenvolvimento susten- emissão de carbono. Isso mexe com número de propostas acordadas Ghali. Esse “espírito” foi traduzido numa tável, consagrado em 1992 mas que, na toda estrutura econômica de uma entre as nações e a grande forte mobilização política que possibili- nação (sequestro de carbono, dificuldade de implementá-las… tou a adoção de importantes acordos investimentos em novas tecnologias multilaterais na área do meio ambiente e É que os problemas que em 1992 eram etc.). O que o Brasil já faz para inserir-se do desenvolvimento sustentável. Para o vistos como problemas ambientais são, dentro desse contexto? Brasil, é importante que a Rio+20 possa hoje, percebidos como de desenvolvi- O Brasil tem todas as condições para resgatar esse espírito e produzir resulta- mento. O que está em jogo, portanto, não ser líder em sustentabilidade. Temos re- dos à altura do esperado pela comunida- de internacional e adequados à dimen- O Brasil cursos naturais estratégicos e, com deci- é apenas a conservação dos recursos na- turais do planeta, mas a forma como a co- sões acertadas, temos a garantida de um são da gravidade dos problemas econô- tem todas as futuro invejável. A Comissão Econômica munidade internacional deverá adotar micos, sociais e ambientais de nosso pla- neta. É forçoso reconhecer que o mundo condições para para a América Latina (Cepal) está justa- mente, neste momento, construindo modelos de desenvolvimento que sejam socialmente inclusivos, economicamen- é hoje muito diferente de 1992 e as mes- ser líder em uma visão sobre como se deu o desenvol- te viáveis e ambientalmente sustentáveis. mas condições que levaram, numa mes- ma Conferência, a um forte consenso in- sustentabilidade vimento nos diferentes países nos últi- mos 20 anos, em que medida fomos ca- Um outro aspecto relevante, como condi- ção de sucesso da Rio+20, relacionado à ternacional em temas como mudança do pazes de aderir aos fundamentos da sus- crise do sistema multilateral, é a necessi- clima, biodiversidade e desertificação, tentabilidade em nossas políticas de de- dade de reduzir as desconfianças, que não estão presentes. senvolvimento. O Brasil está fazendo hoje produziram uma grave cisão entre o muita coisa para pautar suas políticas na mundo desenvolvido e o mundo em de- Por exemplo… www2.correiobraziliense.com.br/ sustentabilidade e em suas estratégias de senvolvimento, e que têm impedido o As Nações Unidas vivem uma crise sersustentavel desenvolvimento. São diferentes iniciati- acordo em inúmeras negociações multi- sem precedentes e o sistema multilateral Leia a íntegra da entrevista vas, muitas delas em diferentes graus ou laterais recentes.
  8. 8. DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTECÓDIGO FLORESTAL JÁ ESTÁ NO SENADO FEDERAL.CASO NÃO OCORRAMNOVAS MUDANÇAS, A PRESIDENTE DILMA PODE USAR PODER DE VETOImpasse ambiental » CECILIA PINTO COELHO » ALINE BRAVIM » JOÃO PAULO RESENDE ESPECIAL PARA O CORREIO O tema é polêmico — e, como tal, nem decidido está. O novo Código Florestal Brasileiro, aprovado na Câmara e rumo ao Sena- do, deve sacrificar cerca de 60 milhões de hectares de matas, o que equivale a 103 áreas do tamanho do Distrito Fe- deral. O documento anistia os agricul- tores que desmataram ilegalmente até julho de 2008, além de transferir aos es- tados a regularização em áreas de pre- servação permanente (APPs). Não são boas medidas — pelo menos é que en- tendem os cientistas (pouco ouvidos nas discussões, por sinal) e os ambien- talistas. O governo de Dilma Rousseff também não gostou — a presidente havia prometido à então candidata Marina Silva (PV) que, para ter o apoio dela no segundo turno das eleições, não permitiria alterações que pudes- sem favorecer o desmatamento. Faz sentido: o Brasil se prepara para receber a maior conferência ambiental do mundo. Como, então, pôr em risco a (boa) imagem sustentável do país? Dil- ma aceita até vetá-lo, caso o Código saia do Senado sem alterações.“Se julgar que a proposta vai ser prejudicial ao país, eu vetarei", garantiu. Mas por que chegar à tal situação? “Quem desmatou e des- cumpriu o Código Florestal nos últimos anos não pode ficar impune. É um total desrespeito com aqueles que se preocu- param em preservar”, ressalta Ana Cristi- na Barros, representante nacional da ONGThe Nature Conservancy (TNC). Por outro lado, o novo Código Flores- tal regulariza cerca de 5,2 milhões de propriedades rurais particulares no país. Isso equivale a 38,7% do território nacio- nal. O documento ainda promete tirar 90% dos produtores rurais brasileiros da irregularidade. Entretanto, não resolve os impasses. “Nós só queremos consoli- dar as áreas que estão sendo utilizadas há muito tempo e que não causam da- nos ambientais”, defende AssueroVero- nez, presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente da Confederação Na- cional de Agricultura e Pecuária (CAN).
  9. 9. 12|13 CORREIO BRAZILIENSE • Brasília,domingo,5 de junho de 2011O TÍTULO ABAIXO SIGNIFICA, NA LÍNGUA DESSANA,“NOSSA TERRA”. POIS É: ÍNDIO PEDIUE GOVERNO DILMA DEVE UNIFICAR LEIS E DEFINIR REGRAS DE USO DO SEU TERRITÓRIODhu’utahâ Arquivo pessoal de Verônica Machado/Divulgação» VERÔNICA MACHADO A Fundação Nacional dos Ín- das terras, o território é da União ESPECIAL PARA O CORREIO dios (Funai), por sua vez, crê que e nada pode ser retirado do local o conjunto de normas guiará as sem autorização. “Há casos emM anaus (AM) — Poron é ações de todos órgãos que cui- que os próprios índios vendem um pequeno peixe ca- dam do assunto para que tomem esses recursos — e esses não são racterístico dos rios ama- decisões justas de acordo com a protetores do meio ambiente”,zônicos. Significa também José, Constituição. O diretor de pro- comenta. O executivo da CNA es-na língua dessano. E é assim cha- moção ao desenvolvimento sus- clarece que o problema não estámado o índio da etnia Tuiuca, tentável da instituição, Aloísio nos índios ou nas demarcações,que mora a 40km ao norte de Ma- Guapindaia, explica que essa ini- mas na expansão das terras semnaus. Para ele, nome é tão impor- ciativa definirá a forma como os fiscalização constante de ilícitos.tante quanto dhu’utanâ — “nos- índios usam e exploram a terra. A Funai admite que essas si-sa terra” na língua da tribo. “Para “Tudo irá promover o uso ecoló- tuações acontecem, mas sãonós, pedra é viva, árvore é viva, gico do território indígena e das corrigidas. “Estamos dentro daágua é viva. Não tem como mal- comunidades que lá residem”, lei e, independentemente detratar”, ensina para o filho Bua — conta. E ressalta: “A política trará quem cometa atividades crimi- Índio José transmite ao filho Bua, de 8 anos, aElias em português — de 8 anos. impactos apenas para a terra in- nosas, combatemos”, garante importância da preservação do meio ambiente Preservar o meio ambiente é dígena regularizada. Não atingi- Aloísio Guapindaia. Ele diz tam-uma lição passada entre gerações rá outra propriedade”. bém que a fiscalização das fron-nas tribos. A missão é manter in- teiras é também responsabilida- A AMAZÔNIATEM…tacta a natureza. Durante anos, Atentos ao perigo de da Polícia Federal e do Ibamaos índios reivindicaram a posse e e que a PNGati intensifica a im- 5.029.322 km² de árearegularização de terras. Mas de- Quem pode sair perdendo são portância do controle de tráficomarcar não foi suficiente. Era os produtores rurais, segundo a animal, mineral, de drogas e de Um quinto da água potável do mundopreciso um plano para unir as leis Confederação Nacional de Agri- armas na região.indigenistas e ambientais. Agora, cultura (CNA). O presidente da comissão nacional de assuntos Hoje, 488 áreas indígenas es- Dois terços das reservas de energia elétrica do planetaestá pronto! Foi finalmente cons- tão demarcadas e outras 123 ain-truída a Política Nacional de Ges-tão Territorial e Ambiental em fundiários do órgão, Fábio de Sal- les Meirelles, diz que precisam da aguardam por identificação. A maioria localiza-se no norte do 30% de todas as espécies vivasTerras Indígenas, cuja sigla, aliás, entender melhor os critérios de país, na Amazônia. A localidadeparece uma expressão indígena: demarcação, pois não são claros. reúne povoados que conhecem maior província mineral do mundoPNGati. A expectativa é que a “O proprietário rural tem que re- mais de 1,3 mil plantas com prin-presidente Dilma Rousseff assine gistrar em cartório que 20% das cípios ativos medicinais — e cer- 22 mil km de rios navegáveiso decreto que institui a política terras são de utilização limitada ca de 90 delas são usadas da pro-nos próximos dias. para a reserva florestal. O governo dução de medicamentos nacio- A ideia é gerenciar as áreas e pode utilizar a qualquer momen- nais e estrangeiros. Como maiorestabelecer direitos e deveres, co- to essa área. Com os índios, isso floresta tropical do mundo, apre-mo pensar em alternativas eco- não acontece. Um produtor pode senta um banco genético guar-nômicas, fiscalizar parques eco- estar há 100 anos naquela terra e, dado pelo conhecimento mile-lógicos, proteger as terras e defi- ainda sim, pode ser desapropria- nar das populações indígenas.nir regras para a exploração dos do porque eles consideram um “Para garantir o melhor aprovei-recursos naturais. O gerente de patrimônio indígena. Onde está o tamento dessas áreas, não pode-Conservação do Programa Ama- direito de propriedade, que cons- mos deixar de assegurar às co-zônia da ONGTNC, Marcio Sztut- ta em cláusula pétrea da Consti- munidades tribais um processoman, acredita que proposta é um tuição?”, indigna-se. próprio de desenvolvimento egrande salto humano e jurídico. Meirelles chama atenção para conscientização ambiental”, res-“Todos ganham com isso. Como outra questão. As terras indíge- salta Guapindaia.os índios se relacionam intima- nas são muito ricas em minério emente com a natureza, precisa- madeira de qualidade. A explora- »A estudante do Centro Universitáriomos estruturar melhor os territó- ção é ilegal. Mesmo que os índios de Brasília (UniCeub) viajou arios em nome da preservação”, tenham a exclusividade do uso convite do Exército brasileirodiz. A coordenadora da categoriaindígena do Ministério do MeioAmbiente, PaulaVanucci, concor-da. Para ela, é importante legiti- Apropriaçãomar as questões ambientais sem Ele tinham oficialmente 10 milhões de hectares na década de 1990 e,esquecer de fortalecer as condi- em 2000, passaram a controlar mais de 100 milhões de hectaresções de vida dos povos. (devidamente demarcados). Hoje, ocupam 12,4% do território brasileiro.
  10. 10. DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE OS SEIS BIOMAS EXISTENTES NO TERRITÓRIOBRASILEIRO SÃO ALVO CONSTANTE DE AGRESSÕES.É PRECISO CONHECÊ-LOS PARA DAR IMPORTÂNCIATerra Mundi Viagens/Divulgação OS BIOMAS BRASILEIROS Amazônia Caatinga Área: 4.196.943km² Área: 844.453km² Cobre os estados do Acre, do Amapá, do É conhecido por se estender Amazonas, do Pará, de Roraima, 98,8% em boa parte da região Nordeste. de Rondônia, 54% do Mato Grosso, 34% A caatinga ocupa todo o Ceará, do Maranhão e 9% do Tocantins.A 95% do Rio Grande do Norte, 92% Amazônia é, em todos os sentidos, da Paraíba, 83% de Pernambuco, 63% gigante, e não apenas em tamanho, mas do Piauí, 54% da Bahia, 49% de também em biodiversidade.A floresta Sergipe, 48% de Alagoas, 2% de Minas tem 2.500 espécies — um terço de toda Gerais e 1% do Maranhão.A grande a madeira tropical do planeta — e 30 mil característica da região é o clima semi- das 100 mil espécies de plantas árido e, apesar de não parecer, o bioma existentes na América Latina. tem alta biodiversidade.A vegetação, adaptada ao ambiente seco, se caracteriza por árvores entre dois e 12 Cerrado metros, com poucas folhas e, em sua Área: 2.036.448km² maioria, armazenam a água das chuvas. As árvores de galhos tortos nosA Amazônia cobre sete estados do país e ocupa 5% da superfície terrestre arredores da cidade são um bom exemplo do bioma no qual Brasília está PampaA verdadeira riqueza inserida.Além de ocupar todo o Distrito Área: 176.496km² Federal, o cerrado está em 97% do Mesmo não sendo o menor bioma do estado de Goiás, 91% de Tocantins, 65% Brasil,os campos do Sul (ou pampas,no do Maranhão, 61% do Mato Grosso do termo utilizado pelos gaúchos) são os Sul, 57% de Minas Gerais, mais porções mais restritos:se encontram apenas no de outras regiões, totalizando 10 Rio Grande do Sul,ocupando 63% do estados. O bioma se caracteriza por terA estado,e se estendem além da fronteira inda agredimos, e muito, o meio am- mesmo porque não se tem total conhecimento vários tipos de paisagem, desde o com aArgentina e o Uruguai.A biente. Uma das razões é o desconheci- das espécies. O princípio da precaução deve im- cerrado mais conhecido, com árvores paisagem dos pampas se caracteriza por mento sobre a importância dele, sobretu- perar aí”, ressalta Eleazar Volpato, professor do baixas e distantes umas das outras, até o grandes campos limpos,sem árvores, cerradão, com árvores altas, além de com gramíneas,subarbustos e ervas.do, dos nossos biomas. São regiões cuja diversi- departamento de engenharia florestal da Uni- pedaços com matas ciliares.dade de fauna e flora é reconhecida internacio- versidade de Brasília (UnB).nalmente — daí a preocupação da comunidade Os biomas não são vitais apenas pela quanti- Pantanalinternacional em sua preservação — e funda- dade de animais e plantas raras, mas também Mata Atlântica Área: 150.355km²mental para a vida (e a economia) das pessoas. A por uma questão de sobrevivência. Na Amazô- Área: 1.110.182km² Corresponde a 25% do Mato Grosso Ocupando a totalidade do Espírito Santo, do Sul e 7% do Mato Grosso. OAmazônia, por exemplo, é de vital importância nia, por exemplo, moram 25 milhões de pessoas Rio de Janeiro,Santa Catarina,além de 98% Pantanal é o menor bioma dentro dopara o equilíbrio de todo o planeta — a floresta cuja atividade principal de subsistência está dire- do Paraná e porções de mais 11 estados,a território nacional, mas o tamanho ésozinha ocupa 5% da superfície terrestre e abriga tamente relacionada ao que a natureza tem a ofe- MataAtlântica foi o bioma mais devastado compensado com uma riquíssimauma variedade enorme de animais e plantas. recer. “A maior parte depende da floresta em pé, pela ação humana desde o descobrimento variedade de plantas e animais. São Os biomas são conjuntos de ecossistemas desde a madeira até os subprodutos florestais. do Brasil.No que restou dele ainda há 263 espécies de peixes, 122 de(formados por comunidades de seres vivos que Existem comunidades indígenas inteiras que de- muitas espécies de plantas e animais.As mamíferos, 93 de répteis, 1.132 deinteragem entre si, além de outros fatores, como pendem da floresta”, destaca Rafael Cruz, coor- árvores da MataAtlântica são altas,como borboletas e 656 de aves. O bioma se o jequitibá rosa,o pinheiro-do-paraná e o caracteriza por chuvas fortes eclima) e identificados pela vegetação, quando denador para código florestal do Greenpeace. pau-brasil,e se estendem em regiões de terrenos planos alagados, que seessa se estende por uma grande faixa do territó- Todos os biomas brasileiros têm sido alvo de altitude elevada,como a Serra do Mar,que comunicam com as águas do riorio nacional, e pelo clima. Segundo o Instituto ameaças, a principal delas o desmatamento. O fica a 1100m do nível do mar. Paraguai nas épocas de cheia.Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o exemplo histórico mais conhecido é o da MataBrasil está subdividido em seis biomas. Em or- Atlântica, agredida ao longo da história do Brasil Fonte: Mapa de Biomasdem de ocupação do território nacional, Ama- e hoje reduzida a 7% de sua área original. A Flo- do Brasil do IBGE eWWFzônia (49,29%), Cerrado (23.92%), Mata Atlânti- resta Amazônica, embora tenha programas deca (13,04%), Caatinga (9,92%), Pampa (2,07%) e monitoramento e proteção oficiais e não-ofi-Pantanal (1,76%). ciais, já perdeu 12% de sua área — boa parte dis- Independentemente do tamanho, os seis to nas últimas duas décadas.biomas são importantes pela biodiversidade. O “Embora a Amazônia tenha proteção, não te-Pantanal, que é o menor deles, abriga uma mos segurança jurídica, e ainda há uma culturaenorme quantidade de espécies de peixes, que latente de que o progresso está associado a verservem de alimento para outros tantos animais. florestas no chão. Todos os biomas estão afeta-Já a Mata Atlântica é casa de espécies ameçadas dos e ameaçados”, avisa o professor Volpato. Asde extinção, como a onça-pintada. “Quando vo- principais atividades responsáveis pela derru-cê pensa em biodiversidade, fica difícil precisar bada de florestas são a pecuária e a plantação dequal bioma é mais ou menos importante, até grandes monoculturas, como a soja.

×