Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
Edição Online Para Um Milhão e Setecentos Mil LeitoresD Todo Mundo Gostaiz:
Zon...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
2
Cultura
Paulo Roberto Cecchetti prcecchetti@ig.com.br
annaperet@gmail.com
DIZ...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
mo alternativo. Como no início destes jornais a circulação
ocorria em um ou doi...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
4
Informes
Expediente
Edgard Fonseca Comunicação Ltda.
Rua Otavio Carneiro 143/...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
5
InternetLaio Brenner - laiobrenner1@gmail.com
ORAÇÃOASANTO EXPEDITO
Festa 19 ...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
6
Edgard Fonseca
edgard.fonseca22@gmail.com
Edição na internet para Hum milhão ...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
7
Dr. Helder Machado
Urologia
Tratamento de
Cálculo Renal
a Raio Laser
Rua Dr. ...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
8
Renda Fina
Aniversariantes da Edição
Cesar Cury Rogéio Pires de Mello Angela ...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
9
Conexões
contato@erisveltonsantana.com
erisveltonsantana.com
E! Games
dizjorn...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
10
Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com
Fernando de Farias Mello
Blá, Blá, Blá ...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
Pela Cidade
11
Edição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores
Bruno Less...
Niterói
20/12 a 10/01/15
www.dizjornal.com
Em Foco
dizjornal@gmail.com
12
Edição na internet para Hum milhão e 200 mil lei...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dizjornal124

214 visualizações

Publicada em

Diz Jornal Edição 124

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
214
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dizjornal124

  1. 1. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com Edição Online Para Um Milhão e Setecentos Mil LeitoresD Todo Mundo Gostaiz: Zona Sul, Oceânica e Centro de Niterói16 Mil Exemplares Impressos D i r e t o r R e s p o n s á v e l: E d g a r d F o n s e c a 2ª Semana Nº 124 de Dezembro Ano 06 SueZulumakeMilzanaacessóriosPauloRobbertfotoJulioCerino Página 03 O Que é Conceito?
  2. 2. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com 2 Cultura Paulo Roberto Cecchetti prcecchetti@ig.com.br annaperet@gmail.com DIZ pra mim... (que eu conto) Anna Carolina Peret Edição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores - O Centro de Artes UFF (Rua Miguel de Frias, nº 9 - Icaraí) apresenta a exposição "Capas das grandes trilhas sonoras", da coleção de Robson Leitão, com visitação gratuita até 7 de janeiro de 2015. Uma bela homenagem aos compositores da música no cinema. Im-per-dí-vel! - Concorrida a Festa Natalina dos "Escritores ao ar Livro", na Pça Getúlio Vargas, em Icaraí, completando o 6º ano do movimento cultural. Com o período de recesso, re- tornaremos à praça em 08 de março de 2015. - A Sala de Cultura Leila Diniz (Rua Professor Heitor Carrilho, nº81 - Centro) apresenta a mostra fotográfica "Naturacidade". Visitação gratuita até 09 de janeiro de 2015, de 2ª a 6ª, das 10 às 17 h. - Outro dia, de surpresa, apareceu na Praça, no Escritores ao ar Livro, a modelo internacional Ariane Kinsel (da Agência Mots/ Barcelona). Arianne é de Niterói e vive há tempos fora do Brasil. Tem com o marido um Show Room de modas em Barcelo- na e Madri e viaja muito para as feiras de moda em vários países. Ela é so- brinha da escritora Ângela Gemésio. - Em clima natali- no, desejo a todos os leitores do DIZ um Feliz Natal e que 2015 seja re- pleto de realizações. Ofereço meu presente em forma de haicai: "Nada de presentes, / muito menos guloseimas: / no Na- tal, amor!" "Enfeite o Natal: / na árvore com guirlandas / coloque amor!" Bem Feliz T erminou! Finalizou! Acabou! Já era! C'est fini! It's allover! O que passou, passou e já ficou pra trás. E lá se foi 2014, com todas as suas derrotas e conquistas, com muitas lágrimas e largos sorrisos, com diversas per- das e inerentes ganhos... Como sempre, neste balan- ço final, notamos que restaram medos, arrependimentos e lamentações... Assim como ficaram as memórias, lem- branças e recordações. Nada é perfeito nesta matemática da vida, que tantas vezes nos tira mais do que nos dá. O importante é termos inteligência emocional suficien- te para lidarmos com destreza em todos os momentos, equilibrando a nós mesmos, caso a vida teime em nos tirar do prumo. Andei lendo alguns livros que reiteram o entendimento de que nós mesmos somos culpados por nossas conquis- tas e fracassos – autoajuda sim, e daí? Em geral, gosta- mos de colocar a culpa em outras pessoas ou situações. Afinal, a culpa é nossa e podemos fazer com ela o que bem entendemos. Porém, ai é que está: a culpa é nossa! Temos que nos responsabilizar pelos nossos altos e bai- xos. Só assim tomamos as rédeas da situação e passamos a viver melhor. É uma questão de responsabilidade sobre si mesmo. Não há receita milagrosa para alcançar sucesso, equilíbrio, saúde, amor ou felicidade. Acordamos todos os dias para uma nova batalha, para um novo desafio. Mentirá para você aquele que tentar te vender uma verdade ine- quívoca, um caminho reto a seguir, um futuro comple- tamente seguro. Essas coisas não existem, assim como o Coelhinho da Páscoa e o Papai Noel. A vida é dura, áspera, árdua. Cinematograficamente traduzindo, a realidade tem mais de "drama" e "suspense", do que de "musical" e "comédia"... Sem contar os momentos de "terror", "policial" e "faroeste" que pre- senciamos, os quais têm superado, de longe, aqueles repletos de "fantasia", "animação" e "romance". Faltam ainda alguns dias para ingressarmos oficialmente nos próximos 365 tempos que virão e as minhas listas de afaze- res já somam páginas e mais páginas. Eu diria, inclusive, que o ano vindouro já nasce pequeno para caber tudo o que deveria. Muitas dessas questões, devo dizer, são apenas adiamentos de promessas passadas, juras anteriores e professas atrasadas. A vida foi tratando de me atropelar, com seu tempo corrido, suas horas contadas, enfim, as ocasiões passaram e eu acabei por não conseguir desenvolver tudo o que queria. Ou talvez, eu devesse dizer aqui que eu apenas não encontrei as devidas oportunida- des para materializar alguns sonhos até o presente momento. Pode ser! A questão é que quero muito fazer de 2015 um ano produtivo, fecundo, inventivo. Não iria suportar uma có- pia malfeita de 2014 ou um 2013 meia-boca. Quero – e creio não estar só em meu desejo – um ano original, iné- dito, incomum! Quero dias que suplantem o óbvio, que me façam suspirar de desejo, me derreter de saudade. Quero poder resgatar o que o passado já me ofereceu de melhor e viver o que o futuro tem a apresentar de mais leve e bonito. Não quero meias vitórias... Quero triunfos e glórias, quero sabores intensos, prazeres gabáveis, pal- mas louváveis. Quero o tudo, o todo, o profundo. Quero mais e melhor. Quero muito. E quero agora! Teremos 365 novos dias para curtir o cinema e deixar a nossa imaginação nos ajudar a construir felicidade. Nos- sos artistas prediletos nos honrarão com suas obras e nós as degustaremos devagar, como tenros chocolates ao leite que desmancham na boca. O futuro está batendo na nossa porta, assim como as es- treias que não cansarão de chegar. O cardápio é varia- do, vai de Clint Eastwood à Bradley Cooper, de Brad Pitt à Amy Addams, de Cate Blanchett à Charlize Theron, de Julianne Moore à Will Smith, de Joaquin Phoenix à Mark Ruffalo, dos Pinguins de Madagascar à Cinderela, de Ge- orge Clooney à Pedro Almodóvar! O que não faltam são sucessos fresquinhos, para nosso deleite completo! E, façamos, nós dois, eu e você, desde já, uma combi- nação: que em 2015, tenhamos, na contabilidade geral, mais para agradecer do que para lamentar, mais a lem- brar do que a esquecer! Pois, como está na canção de Pixinguinha e Braguinha, "só assim, então, serei feliz... Bem feliz"! Ângela Gemésio, Colunista e Ariane Kinsel
  3. 3. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com mo alternativo. Como no início destes jornais a circulação ocorria em um ou dois bairros contíguos, ficou a imagem de que são todos iguais. A diferença do “jornalão diário” e do alternativo é que o “Jornalão” tem um foco noticioso e não se preocupa com fatos setorizados como uma festa de casamento de pessoas de uma sociedade; a menos que ele represente um ícone social, ou que por trás daquela publicação exista um interesse comercial ou político. No Jornalão só vai sair quem for muito “importante” ou signi- ficar algum ganho secundário. No alternativo é possível se tomar conhecimento de fatos em forma de comentário ou formação de opinião (conceito). Entretanto, existe um falso conceito de que todo jornal alternativo é igual. Ao contrá- 3 Documento dizjornal@gmail.com Edição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores Conceito Na vida, o norte de cada ideia, ação ou comportamento está centrada num pilar de valor, chamado “conceito”. Ele determina através de ações subjetivas o sucesso ou não de determinadas ações definitivas. Entretanto, o “conceito” é a proximidade maior de um dos seus derivados que é o preconceito. Do ponto de vista moral o conceito corre ris- co constante em ser confundido com um sub- conceito ou preconceito. Nas sociedades modernas funciona como uma espécie de balizador ou referência para escolhas e encami- nhamento de ações diversas. O uvimos falar que em arquitetura, artes plásticas ou mesmo a moda se define a partir de um con- ceito. A forma fica em segundo plano quando se quer expressar uma ideia. O conceito é o que importa. Uma ilustração de uma matéria jornalística não tem ob- jetivamente que expressar o fato como uma foto. Uma charge conceitual pode expressar mais amplamente um fato ou ideia. É referendada por um “conceito”. Uma in- dústria automobilística quando quer apresentar uma nova linha ou um novo modelo de algo existente pela para o conceito e dali se produzem os efeitos subsequente e secundários. Do ponto de vista intelectual, existem as chamadas esco- las de estilo literário que dentro de um conceito encon- tram suas identidades e âncoras verbais. O preconceito é o contraponto perigoso, quando não é definitivamente demolidor. Vejamos com exemplo as co- tas raciais para a universidade. Do ponto de vista históri- co e sociológico acredita-se que a forma de conduzir alu- nos negros aos bancos escolares estão fazendo “justiça”, compensando desigualdades sociais e econômicas esta- belecidas durante anos anteriores, usando a escravidão com tema central. Entretanto, esta prática cria o concei- to de profissionais e doutores de 2ª classe. No mercado de trabalho será usado o “conceito”, que mais uma vez será transformado em preconceito e poderá ser mais um “conceito segregador” que leva anos para se dissipar. Quantas vezes ouvimos a expressão que algum produto ou pessoa não tem um bom conceito. Quando diversi- dades e erros se tornam alvo de julgamentos baseados num “conceito”, a expectativa de estigma e insucesso é quase certa. Vejamos o caso dos Jornais alternativos. Do ponto de vista do conceito, alternativos é como expressa a palavra. Diverso, diferente dos padrões e de um conceito, como se todo jornal tivesse que ser noticioso e de preferência diário. Os alternativos são aqueles que oferecem outras vertentes de informação, com periodicidade diferente dos diários, o que não significa que seja uma circulação aleató- ria e sem periodicidade. Quando esta circulação é incerta e sem padrão, não é uma questão de “ser alternativo”. É de- sordem e principalmente dificuldade financeira de manter uma circulação periódica. Pode ser conceituado de ser sem compromisso, o que não se torna uma alternativa, mas um estigma. Entretanto, por desinformação do grande públi- co, que por provável desinteresse não sabe diferenciar uma coisa da outra, coloca a todos no mesmo lote, preconceitu- osamente. Não é difícil ouvir a expressão: “jornalzinho de bairro”. Ela é essencialmente depreciadora e desqualifica o trabalho de profissionais empenhados de fazer um jornalis- rio, são muito diferentes uns dos outros: em credibilida- de da informação, de conteúdo, de novidades ( que não saem nos jornalões) em tiragem, circulação, eficiência na entrega e com chega ao leitor. O jornalão depende de ser vendido nas bancas. O alternativo é distribuído gratuita- mente e em locais onde interessa chegar a informação. Alguns alternativos, por necessidade de sobrevivência se permitem “trocar” a independência por favores fi- nanceiros, empregos públicos e “verbas oficiais”. Não se trata de julgar ou conceituar. É uma questão de escolha de cada um. Não se pode censurar, mas se pode avaliar quem é quem, e o que diz e como pode dizer. Alguns não podem dizer nada, exceto o que o “político patrão” mandar. Perde-se a credibilidade mas, ganham a sobre- vivência. Daí, a estúpida comparação de que todos dão iguais. Quem vive “subsidiado” não precisa se preocu- par com valores a cobrar pelos anúncios. Podem cobrar qualquer coisa que está de bom tamanho. Aí começa a confusão. Quando um jornal independente como o nosso, cobra mais caro por um anúncio, fazem comparações: “mas tal jornal cobrou tanto...” Não se preocupam em saber da qualidade e da credibilidade do veículo. Um jornal de “conceito” que sobrevive do que produz dentro da liberdade e da ética. Sobreviver sem “patrão” é uma es- colha difícil, mas intimamente, todos sabem a diferença na hora de acreditar na informação. Eles têm conceito diferenciado e vão muito mais longe. Disseminam a in- formação onde nem o jornalão vai. Portanto, conceito é diferente e apartado do preconceito, embora tantos ponham tudo dentro do mesmo cesto. Nó quebramos a barreira do Jornal de Bairro. Primeiro, que a nossa tiragem física (sem as mentiras que costu- mam contar) e que podemos provar a quem quiser, é maior que a venda de qualquer jornalão que circula na cidade de Niterói. Temos um foco que é a Zona Sul, Oceânica e Centro. Fora isso, o nosso envio das edições pela internet já atinge a um milhão e oitocentos mil ende- reços. Somente na triangulação de Niterói, Rio de Janeiro e São Gonçalo, estamos beirando novecentos mil endereços. O restante vai para mais 68 municípios do Estado do Rio de janeiro, além de Brasília e uns poucos Estados. A pergunta que nos fazem é: mas todos leem? Não podemos saber. Mas, vamos apenas consideram que 20% destes leitores tenham a prática e interesse nesta leitura. São 360.000 pessoas. Uma mídia fantástica, somente alcançada por re- vistas nacionais como a Veja e Isto é. A diferença é que na cidade de Niterói estamos confortavelmente na frente, nos antecipando sempre. Isto é Conceito!
  4. 4. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com 4 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. Rua Otavio Carneiro 143/704 Niterói/RJ. Diretor Responsável: Edgard Fonseca Editor: Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Distribuição, circulação e logística: Ernesto Guadelupe Diagramação: Eri Alencar Impressão: Tribuna RJ Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz End: Rua Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ Tel: 3628-0552 | 36285252 | 9613-8634 Correspondência para Administração Rua Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, - CEP 24.020-270 dizjornal@gmail.com www.dizjornal.com Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. D! Nutrição clara.petrucci@dizjornal.com | Instagram: Clara PetrucciEdição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores Açúcar ou Veneno? A s doenças car- diovasculares re- presentaram em 2009 cerca de 350 mil mortes prematuras nos EUA, custando mais de 50 milhões de dólares para o país, e a pressão arterial é um dos maiores fatores de risco. Por isso, cada vez mais investem em pesquisas para investi- gar a causa dessas altera- ções no organismo. O sal embutido nos alimentos industrializados é extre- mamente maléfico para a pressão arterial e retenção de líquidos. Porém cada vez mais, estu- dos recentes mostram que o açúcar tam- bém pode ser um vilão para a hipertensão e outras patologias associadas. O jornal Open Heart publicou esta se- mana mais um estudo sobre a adição de açúcares, especialmente a frutose e mo- nossacarídeos (açúcares simples). Sim, é o “açúcar” das frutas, mas não con- sumido de forma natural, na fruta, mas sim adicionado a preparos industriais. O xarope de milho, por exemplo, é muito utilizado para adoçar alimentos processa- dos e refrigerantes. Este vem mostrando grande ligação na alteração da pressão arterial, resistência insulínica e toda uma ação em cadeia no organismo humano. Evite ingerir alimentos processa- dos, industrializados e refrigeran- tes, não deixe de comer frutas achan- do que são danosas a sua saúde. Os estudos não são conclusivos, mas apontam os mesmos vilões como desencadeadores de tantas doen- ças; então desde já reforço a dieta: quanto mais natural melhor, sendo hi- pertenso ou não. Consuma legumes, verduras, frutas, carnes magras e prepa- radas em casa ou por quem você confia. Deixe os industrializados para as ex- ceções ou momentos que não hou- ver chance de comer comida segura. Mas não use este argumento para fa- zer uso dos vilões porque você traba- lha na rua ou por que não tem tempo! Providencie tempo para cuidar da sua saúde ou terá que perder tempo cuidando das suas doenças! Posse da Diretoria do Sindicato dos Jornalistas Gestão Corporativa Natal na Pestalozzi Nesta última quinta feira (18) na Pestalozzi de Niterói cen- tenas de crianças, adolescentes e seus familiares partici- param da festa de chegada de Papai Noel. O grupo Aquarela fez recreações para crianças e houve a apresentação do Grupo Arte de Dançar do professor Luciano Motta e de um grupo de pagode que colocou todos para dançar. Sohail Saud, que há 30 anos encarna a figura do Papai Noel para as crianças da Pestalozzi, entrou no ginásio da instituição acompanhado da presidente Lizair Guarino e do vice-presidente, José Raymundo Martins Romeo para emoção das crianças e jovens que fazem tratamen- to e estudam na Pestalozzi. José Haddad, diretor executivo da Alta Gestão, fez palestra com o tema “Genialidade – Um Diamante à Disposição das Organizações “, no Congresso Na- cional de Gestão Corporativa, ocorrido no Centro de Convenções da Firjan. Na ocasião, Haddad lançou dois livros simultaneamente como coautor e coordenador: “Coaching para advogados e coaching para Gestão de Pessoas”. O livro “Segredos do Sucesso”, idealizado por ele e coordenado em parceria com a Empresa Alta Gestão e a Editora Leader, será lançado em 20 de março de 2015, em noite de Gala no Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. O livro ganhou o Guinness Book Brasileiro, por ser considerado o livro nacional que reúne maior quantidade de CEO’s (Chefes Executivos) em uma mesma obra literária. Tomou posse nesta terça feira (16) passada, na Câmara de Vereadores de Niterói, a nova diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro. O presidente da entidade, Luiz Edmundo Continetino Porto, foi reeleito e terá como 1º vice presidente o jornalista Mario de Souza e Dulce Tupy, 2ª vice-presidente. Ainda como diretores efetivos, Sergio Caldieri, 1º secretário, Jurivelson Salomão Santana,1º tesoureiro e Fernando Paulino, diretor jurídico. José Haddad Sergio Gomes
  5. 5. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com 5 InternetLaio Brenner - laiobrenner1@gmail.com ORAÇÃOASANTO EXPEDITO Festa 19 de abril. Comemora-se todo dia 19 Se vc. está com algum , precisa de , peça a Santo Expedito. Ele é o Santo dos Negócios que precisam de pronta solução e cuja invocação nunca é tardia. Problema Difícil e aparentemente sem Solução Ajuda Urgente ORAÇÃO Obrigado. : Meu Santo Expedito da Causas Justas e Urgentes, socorrei-me nesta hora de aflição e desespero. Intercedei junto ao Nosso Senhor Jesus Cristo! Vós que sois o Santo dos Aflitos, Vós que sois o Santo das Causas Urgentes, protegei-me, ajudai-me, Dai-me Força, Coragem e Serenidade. Atendei o meu pedido: (fazer o pedido) Ajudai-me a superar estas Horas Difíceis, protegei-me de todos que possam me prejudicar; Protegei minha família, atendei o meu pedido com urgência. Devolvei-me a Paz a Tranqüilidade Serei grato pelo resto da minha vida e levarei seu nome a todos que têm fé. Rezar 1 Padre Nosso,1 Ave Maria e Fazer o sinal da cruz. “para que os pedidos sejam atendidos é necessário que sejam justos”. Agradeço a Santo Expedito a Graça Alcançada.Santo Expedito D esde 2001, a criação e distribuição de softwares para celular vem se desen- volvendo exponencialmente. Sem- pre para segmentos específicos com aplicações online e associados a um atendimento personalizado e suporte 24h. Com ideias inovadoras para otimi- zar a gestão dos negócios, agre- gando praticidade, segurança e tecnologia, foi criado o Lorean. Que é apresentado por seus de- senvolvedores como o melhor software para gerenciamento de baladas, bares e restaurantes, e com ele você pode administrar seu estabelecimento a distância com segurança. O aplicativo é gratuito e funciona integrado com sua conta no face- book.. Nele são listadas as princi- pais baladas do pais disponibilizan- Você Conhece o Lorean? do além de todas as informações como local e preço de entrada ainda possível ganhar entrada VIP ou ainda incluir seu nome na lista amiga, opção que dá desconto ao frequentador. O Lorean funciona través de um sistema de “Chekins” com os quais os usuários participam de sorteios e ficam por dentro de tudo o que rola na balada online. Dentre seus principais recursos estão: BALA- DEIROS, visite o perfil de amigos, onde eles frequentam e quando foi o último checkin. CHECKINS, sua coleção de baladas que é feita auto- maticamente pelo aplicativo. SEM PARAR NA BALADA, consulte sua comanda pelo celular, pague e saia sem pegar fila. O QUE ROLA NA BALADA, compre convites online e utilize sua digital na entrada do club. SUA CONTA LOREAN é vin- culada ao cadastro na balada, e sua foto é exibida na saída. O sistema cumpre o que promete facilitando a vida de você baladei- ro de plantão. Basta olhar e fazer e checkin e curtir sua noite sem maiores preocupações. Bem vindo ao mundo Lorean!.
  6. 6. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com 6 Edgard Fonseca edgard.fonseca22@gmail.com Edição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores Incêndio no Mundo do Comércio O rlando Diniz, presidente da FECOMERCIO, desde o meado de 2014 é alvo de processos no Tribunal de Con- tas da União por malversação de recursos do “sistema S”. Apenas em patrocínios em ligação com a atividade fim do SESC, cerca de R$ 28 milhões teriam sido “malversa- dos”. Sem falar da fortuna que vem sendo gasta em escritórios de ad- vocacia. Os rumores agora são de falência da FECOMERCIO. As contas não fecham e existem extensões que atingiriam outras entidades como o SESC. Esse é o nosso Brasil brasileiro... Um Condado a Caminho N iterói é uma cidade que o seu maior volume de renda vem do comér- cio. Daí, a participação social e po- lítica da classe é um fato e é bem vinda. Entretanto, esta participação voluntária e até mesmo necessária não transforma um comerciante num político bem sucedido. Da mesma forma que não se faz um co- merciante da noite para o dia, não se pode atribuir talentos inerentes a quem não os possui.Sensibilidade política é um dom. Ou nascemos com ele, ou seremos eternos apren- dizes de meia boca. O Sindicato dos Lojistas de Nite- rói teve nos últimos anos coman- dos que só pensavam em benefí- cios próprios, que nada acrescentou à classe, além de algumas inimiza- des e desestímulos à prática asso- ciativa e sindical. Recentemente, houve troca neste Onde Estão as Lideranças? N este “Botequim do Brás” que vi- rou o Brasil, parece casa que não tem comida: todo mundo briga e ninguém tem razão. Os tempos são outros e os nossos “ouvidos digitais”, ensopados de tecnologia não podem ser comparados a antigas lideranças. Existiam os afoitos, mas a maioria sabia bem onde era o seu lugar. Dificilmente os papéis se misturavam. Hoje, todo mundo quer ser tudo. Ainda que não tenha a vocação específica e grande parte parece surda. Não se dispõem a ouvir e querem falar sem pausas e compassos. Os mais jovens, de forma mais frequente, tomam as rédeas das instituições e por açodamentos e pressa juvenil cometem equívocos incontornáveis. Não é que sejam bons ou maus, ou tenham más intenções premeditadas. Acreditamos que não seja assim, mas, temos certeza que as ambições desenfreadas, aliadas a uma forte dose de vaidade, os conduzem ao inevitável desas- tre. Se tivessem um mínimo de humildade e audição poderiam se assistir nestes com- portamentos vizinhos a sua própria trajetó- ria, pois, via de regra, são muito iguais. A CDL (Câmara dos Di- rigentes Lojistas) tem pela segunda vez a presidência do jovem Fabiano Gonçal- ves. Em que pese ser um bom rapaz, de boa índole e até religioso (talvez um pouco carola demais) é a “bola da vez”. Está lojista e dirigente numa velocida- de imprópria a seu próprio entendimento e maturida- de. Jovem de origem hu- milde olha o futuro com olhos de consumo e ambição. Talvez pela necessidade ime- diata de autoafirmação pessoal e uma dose de devaneios de rapaz de origem pobre. É claro que para configurar-se como lojista tem uma ou outra pequena participação em algum contrato social de empresa. Mas, vem respaldado pelo apadrinhamento de Joaquim Pinto, que em linhas reais é o seu patrão. Fabiano sempre teve bons cargos na Casa das Fechaduras, mas, não é dono da empresa. É funcionário. Daí, dizerem por aí que a maior instituição lojista da cidade tem na presidência um comerciário. Ape- sar de a instituição aceitar prepostos repre- sentando esta ou aquela empresa. Mas, é mais uma questão filosófica do que legalis- mo com preconceito autoritário. A questão não reside neste fato. O que chama atenção é a atitude megalômana política que tem. Fabiano, depois dessa candidatura a vice- prefeito da cidade, imagina-se um “grande politico”. Por pouco não saiu candida- to a deputado nas eleições passadas, mas, tem em mente candidatar-se a vereador nas próximas eleições. Embarcou nesta aventura de ser secre- tário municipal de Desenvolvimento Econômico, que só lhe trás desgaste e o impulsiona a fazer falas insípidas e equivocadas. Ele é um bom rapaz, mas a vaidade galopante o cega. Acaba não sen- do um bom secretário, nem um bom presidente lojista, nem bom candida- to, como não será bom vereador. Não consegue ser eficiente em nenhuma das funções. Torna-se estático como na foto que o ostenta no editorial da presidência na revista da CDL. Ou na pose supostamente risonha na abertura do seu extinto progra- ma de TV. Um poço de vaidade arrogante e pretensiosa. Ele poderá usar esta energia que gasta fre- neticamente para aprender, produzir, e ser útil, da forma mais religiosa possível. É só descer do pedestal. Sua boa índole o sal- vará. comando e dele se espera uma atu- ação reparadora de tantos anos de inércia e dúvidas. Assumiu a presi- dência o lojista Charbel Tauil. É um homem de perfil sóbrio e de pouca densidade para o confronto aberto. Já se nota a presença, ainda que in- direta, da FECOMERCIO, nas ativi- dades do sindicato de Niterói. Ao contrário do Tauil, o Orlando Diniz, presidente da Federação, é acostu- mado a enfrentar embates e se mos- tra disposto não só ao confronto, como a cooptação de outras entida- des sindicais. Corre-se o risco de termos um sin- dicato servil e inoperante. O Char- bel Tauil poderá sofrer da síndrome da rainha da Inglaterra. Vai reinar, mas não vai mandar em nada. A classe lojista da cidade precisa res- gatar a sua pujança e independência depois de tantos anos de conveniên- cia pessoal e narcisismo mal cheiroso. Tribunal Libera Maluf N a verdade não há o que se possa dizer. O TRE, de- pois desse suspense e a possível cassação do mandato do “deputado” Paulo Maluf, recuou admitiu a diploma- ção e manutenção do mandato, sob alegação que não existem ra- zões para enquadrá-lo na Lei da Ficha Limpa. O que todos se perguntam é: diante das inúmeras acusações e evidências de delitos de toda ordem, um mandado de prisão inter- nacional e ser procurado pela Interpol, será que este homem tem decoro para ser um “representante do povo”? É este o Congresso que queremos para o Brasil?
  7. 7. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com 7 Dr. Helder Machado Urologia Tratamento de Cálculo Renal a Raio Laser Rua Dr. Celestino, 26 Centro - Niterói. Tels:2620-2084 /2613-1747 Clínica Atendemos UNIMED eParticular Atendimento 24H pelo tels: 8840-0001e9956-1620 Edição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores JULIANA DIUANA ESCOLA DE DANÇA Quer Dançar Perfeito? Aulas de ballet, jazz, hip-hop, contemporâneo e sapateado, para todas as idades. Rua Noronha Torrezão, 24 Sl: 1.601/02 - Santa Rosa 3254.423 9952564319 Valet no Local Parceria Com o Colégio Maia Vinagre EDGARDFONSECACOM. CTI - Antessala da Morte O jornalista e escritor Mário Dias fez noite de autógrafos no Clube Can- to do Rio nessa última quinta feira do seu mais novo livro “CTI - Antes- sala da Morte”. Ele reune lenbranças de fatos moti- vados por uma enfermi- dade e a sua permanencia numa sala de CTI. Muitos amigos foram abraça-lo, incluindo o deputado Felipe Peixoto. A Turma Que Não Acabou Reuniram-se para grande confraternização ocorrida no almoço comemorativo dos 46 anos de formatura da turma de Engenharia que ficou conhecida como “do ano que não acabou”, pois se formaram em dezembro de 1968, ano do Ato Institucional nº 5. Compareceram cerca trinta colegas, dentre eles: Emmanuel Sader, Rogerio Brasil, Álvaro Antunes, Jorge Grego, Luiz Roberto Araújo, Rubens Weller, Caetano Picone, Ricardo Ki- chfy, Gutinho Monteiro Ferreira,José Américo Abi-Ramia e Euclides Bueno. Festinhas do Barulho Moradores da redondeza da Praia das Flexas e Rua Dr. Paulo Alves, no Ingá, se quei- xam do barulho que vem do Hotel H de Niterói. Dizem que promovem festas baru- lhentas em sua cobertura que vão até altas horas da madrugada. O hotel já anunciou que fará festa de Réveillon. Até aí tudo bem. Resta saber se já provi- denciou o isolamento acústico. Com a palavra a fiscalização municipal. BLITZ para IPVA J á se passaram alguns meses que por decisão judicial, a PM baiana não pode mais apreender veículo que esteja com IPVA atrasado. A juíza Maria Verônica Ramiro, da 11ª Vara da Fazenda Pública, proferiu sentença em uma ação civil pú- blica movida em novembro de 2013 pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Seção Bahia. Em caso de descumprimento da decisão, foi estabelecida uma multa de R$ 50 mil por blitz realizada. A juíza afirma na de- cisão que “apreender veículo na via pú- blica por de IPVA atrasado, é o mesmo que expulsar, sem qualquer prévio proce- dimento, o contribuinte de seu lar em caso de inadimplemento do IPTU”. O Conse- lho Pleno, após debates, chegou a con- clusão de que “o procedimento de blitz e apreensão do veículo em situação de inadimplência configura exercício ilegal do poder de polícia da Administração Públi- ca” e aprovou a ação judicial.Consequen- temente, essa ação gerou jurisprudência e acabará valendo para todo o Brasil. No Rio de Janeiro já existe quem esteja pre- tendendo fazer o mesmo que a OAB da Bahia. Taí, uma pauta boa para a OAB de Niterói assumir. Certamente será tão útil a este grande número de inadimplentes que se tornaria inesquecível. Descuidos de Verão Com a chegada do verão e das altas temperatu- ras a tendência é de deteriozação rápida do lixo doméstico. Não dá para recolher no dia seguinte. A CLIN precisa observar o lixo que tem se acu- mulado nas ruas. Felipe Peixoto e Mário Dias Paulo Bittencourt Gabriel Fonseca
  8. 8. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com 8 Renda Fina Aniversariantes da Edição Cesar Cury Rogéio Pires de Mello Angela Gonçalves Francisco Falcon Quesia Marmo Edição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores Almoço de Confraternização do Jornal Diz Fotos Julio Cerino Gabriel Petrucci, Pedro Cascon, Cristina Caparica, Demarré, Luiza Fonseca e Eri Alencar Edgard Fonseca, Paulo Roberto Checcetti e Fernando Mello Mazinho Jr e Ernesto Guadelupe Fernando Mello, Bernadete Proetti e Paulo LemosAluizio Lessa, Clara Petrucci e Bruno LessaVinicius Martins, Eduardo Caminha e Sílvio Lessa
  9. 9. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com 9 Conexões contato@erisveltonsantana.com erisveltonsantana.com E! Games dizjornal@gmail.com Jêronimo Falconi A Nova Era de Capacetes Um novo modelo de capacete foi criado com equipa- mentos que lhe dá a característica de inteligência. Chama-se Skully. Tem um sistema avançado, mostrando em um dos cantos da viseira a navegação por GPS e tam- bém "o retrovisor". Na verdade é uma câmera acoplada no capacete onde mostra o ponto cego do motociclista e que lhe permite manter o foco na parte mais importan- te da sua visão: a estrada. As câmeras tem um ângulo de visão de 180 graus e pos- sui um GPS que evita o motociclista tirar os olhos da estrada. O capacete vem com Bluetooth, tem controle de voz e é só conectar o celular e controlar música, enviar textos, fazer chamadas e alterar o destino. Completamente inteligente. Estação Espacial em Tempo Real Agora você pode as- sistir a Estação Espa- cial Internacional (ISS) ao vivo. A Nasa lançou essa novi- dade para quem sempre teve vontade de ver o planeta Terra ao vivo do espaço. Esta inicia- tiva da NASA instalou qua- tro câmeras na ISS (Estação Espacial Internacional), que transmite com alta definição a Terra. As imagens são transmitidas em tempo real pelo site Ustream e vale lembrar que a ISS dá uma volta na Terra a cada 90 minutos. Durante metade deste período, ela passa por territórios onde já é noite e não há iluminação. Em uma linha do tempo o site pode visualizar as atividades dos astronautas e o que eles estão fazendo no momento. Iluminação de Bicicletas Adam Pettler e Kent Franko- vich criaram um sistema de iluminação para bicicletas realmente inovador. Ele triplica a visibilidade da bicicleta quando se anda à noite. O sistema é montado direta- mente em cada roda e funcio- na com dois anéis com luzes de LED. Chama-se "Revolights". As lâmpadas de LEDs vermelhos são programadas para detectar a velocidade e trabalhar como uma luz de freio. As luzes dianteiras foram projetadas para iluminar o caminho. O sistema funciona com baterias re- carregáveis que alimentam as luzes por 4 horas. E o melhor de tudo: são resistentes à água. Pode rodar dentro de poças d’água sem sofrer qualquer dano. 2015 Vêm com Tudo B em, o ano de 2014 está terminando e nem todos os jogos prometidos fo- ram lançados. Contudo, mantenham seus olhos no horizonte. 2015 parece ser um dos melhores anos para nós, Ga- mes, e a relação de jogos está deixando todo mundo ansioso. Há muitos motivos para ficar animado com o próximo ano, mas a grande diferença de 2015 é que a atual geração de novos con- soles chegará em ritmo total, com vários jo- gos que mostrarão a potência gráfica que o Xbox One e Playstation 4 podem realmente exibir. Na ultima coluna de 2014 listarei os 5 ga- mes mais esperados para o ano que se ini- cia. Cada um destes títulos é uma grande promessa sendo mais do que mera distra- ção. 5º Mortal Kombat X - Um novo jogo de Mortal Kombat nunca vai ser algo ruim, mas o “MK X” fará realmente diferença. O 10º título da franquia terá além do clássico e sangrento combate, algumas inovações prometendo ser o mais ambicioso da série até agora. 4º The Witcher 3: Wild Hunt – Promete ser o melhor RPG de todos os tempos tan- to por seus gráficos e animações, quando por sua cinematográfica incrível, além é claro, da mecânica que desta vez será em modo aberto. 3º The Legend of Zel- da - Um novo “Zelda” é sempre um grande even- to para os fãs da Ninten- do e o atual é um grande abalo para a série. Uma característica muito elo- giada é o ambiente de mundo aberto e amplo, destinado a dar aos jo- gadores a sensação de liberdade. 2º Metal Gear V Solid: The Phantom Pain - Ação em um mundo aberto, “Phantom Pain” é o título mais esperado da aclamada série até agora. Os gráficos e as animações se destacam muito além da adição de um ciclo de dia e noite que inova. Em um mundo enorme e vários ve- ículos dirigíveis, este promete uma expe- riência de jogo ainda mais aberto do que nunca. 1º Batman: Arkham Knight - Nesta ter- ceira sequência, Batman está no auge de suas habilidades, lutando contra o vilão Espantalho e suas forças. O jogo promete melhorar o que deu certo em “Asylum e City” e aprimorar os pontos altos com um vilão enigmático e um enredo bem cons- truído, além é claro dos gráficos e anima- ções beirando a realidade. Até a próxima. Até 2015!
  10. 10. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com 10 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello Blá, Blá, Blá de Final de Ano Todo final de ano, confesso, fico com aquela ideia de escrever algo muito parecido com uma espécie de balan- cete. Isso é muito clichê, eu sei, e precisaria de muito mais espaço neste brioso Jornal. 2014 foi o ano em que o Brasil poderia ter corrigido a rota de colisão com o abismo do populismo. Não quero aqui afirmar que com o Aécio as coisas seriam maravilhosas, por- que isso não se consegue em nenhum lugar. O que ocorre em nosso país é uma falsa sensação de que estamos evoluindo, quando na verdade a nossa sociedade tomou rumos incrivelmente opostos ao verdadeiro cres- cimento em 2014. E isso mexe com a vida de cada um. Com a sua e a minha, prezado leitor. Por exemplo, com todo o apoio da mídia em geral e de acordo com o odioso “Código do Politicamente Correto”, dividimos a socie- dade entre negros, brancos, homossexuais, homofóbicos, mulher que apanha do homem e etc. Ora, meus amigos! Não somos todos iguais como está na Constituição? Não podemos separar a sociedade em quotas, sexo e sen- timentos! Agredir qualquer ser vivo é crime, portanto, para que Leis especiais como Ma- ria da Penha e homofobia? Ignorância, não é? Isso veio num crescendo tão intenso, com a opinião ceivada pela mídia e baseada no hor- roroso “politicamente correto”, que tive a sensação de que a sociedade se separou em definitivo em 2014. Não é uma pena criar privilégios raciais ou por opções de sexo? Já imaginou o humorista Costinha se apre- sentando e sendo preso por homofobia? E os policiais que o prenderam dando entrevista fumando maconha? Tudo bem, tudo certo! Outro fato que entrou no meu blábláblá de balanço de final de ano é a sociedade de ca- beça baixa. Isso mesmo. Entro em restauran- tes e quase há um silêncio sepulcral e even- tualmente quebrado por toques de celulares ou um talher caindo ao chão. A enorme maioria, não conversa e nem te- levisão assiste mais! Estavam mergulhados no Facebook, WhatsApp, Instagram... Todos de cabeça baixa, com o dedo arrastando nas telinhas de LCD com retina display, com os olhos arregalados recebendo a luz intensa dos celulares e tablets. E plin! Plin! Plin das mensagens... Uma sociedade em plena deserção da sua atividade primordial, que é conversar usando a boca, os ouvidos e os olhos. Em 2014, mergulhamos de vez e sem saí- da nessa onda de WhatsApp. Muitos casais não conseguem nem mesmo conversar mais em casa. Cada um no seu computador. Uns jogam e outros ficam rolando a tela do Face- book. Sem parar. Na hora do casal namorar, ao invés de dedos que agarram os lençóis, a mão busca sor- rateiramente o celular que vibrou receben- do alguma mensagem. O amor, que acabou adquirindo perfil fácil, foi deletado, já era! Levando consigo o sexo, o amor se transfor- mou numa frágil luz guiada pelas de LCD. É verdade. O que fez o mundo em 2014? Nada mais além de guerras e a luta contra o Ebola? Acho que não! Ganhamos provas de evolução dos outros países, como por exemplo, o aumento sig- nificativo do espírito solidário do norte ame- ricano. Principalmente dos milionários, que andaram distribuindo mais ainda a sua rique- za para o bem comum. Outro aspecto interessante de 2014 foi a energia renovável que está caminhando a passos largos pelo mundo. Em algumas dé- cadas o petróleo se tornará obsoleto. No Brasil, sempre caminhando na contramão do mundo, o álcool combustível continua perdendo espaço, pois criaram uma “tabela” fictícia que fixa o preço deste combustível ao da gasolina. Triste nação cheia de lobistas e cartéis! A educação continua sendo tratada como estorvo pelo governo deste país, que paga para os inteligentes estudarem no exterior porque, infelizmente, até a USP foi largada de lado e não está mais com a bola cheia. Pena! A Petrobrás, empresa orgulho dos brasileiros e motivo para os sindicatos cuspirem fogo quando se fala em privatização, está a peri- go. A “ladroagem” foi tão grande e há tanto tempo que vem sendo praticada, que acho que vai acabar sucumbindo. Uma empresa gigantesca está sendo exterminada logo por quem, um ex-sindicalista e uma presidente que defende a interferência do Estado na economia. Por isso, acho que 2014 foi o ano em que a cortina da corrupção caiu. Pena que grande parte do Brasil acredita nos populistas. Vamos ver o resultado disso em 2015. Saú- de para todos, pois vamos precisar! Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com SeÊvocê ÊnãoÊaguentaÊmaisÊserÊjogadoÊdeÊumÊladoÊ proÊoutroÊpeloÊSAC,ÊligueÊpraÊgente.ÊAqui,ÊvamosÊ ouvirÊ eÊ acompanharÊ suasÊ reclamaçõ esÊ sobreÊ leisÊ queÊnãoÊestãoÊsendoÊcumpridasÊeÊatéÊmesmoÊdeÊ serviçosÊmalÊprestadosÊporÊempresasÊprivadas. P I N G P I N G P O N G P I N G P I N G P O N G ... ... Perdeu! Valeu... Sai pô!!! Durango Kid
  11. 11. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com Pela Cidade 11 Edição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores Bruno Lessa Apresenta Balanço de Sua Atuação em 2014 A Capoeira Mundi O vereador Bruno Lessa (PSDB) fez um balanço de seu mandato no ano de 2014. Ele é um par- lamentar propositivo e de perfil fiscaliza- dor. Foi destaque dentro e fora das sessões plenárias, sendo um dos mais atuantes em defesa dos interesses da população. Ao final da Comissão Parlamentar de In- quérito dos Transportes Coletivos, a CPI dos Ônibus, em dezembro de 2013, Bru- no Lessa apresentou relatório em separa- do, que foi entregue ao Ministério Público Estadual, à Receita Federal e à Prefeitu- ra de Niterói a fim de que, os questiona- mentos então apontados - como indício de caixa dois e irregularidades do edi- tal – fossem devidamente investigados. Com fundamento na apuração, por parte da CPI, do superfaturamento do cálcu- lo tarifário, e após não obter êxito jun- to à Prefeitura para sua redução, Bruno propôs Ação Popular questionando o au- mento da passagem concedido pela Pre- feitura no início do ano. A ação objetivan- do a redução da passagem, ainda tramita na justiça. Também foi objeto de questionamento do parlamentar o uso de leitores biométricos para idosos, portadores da gratuidade no transporte públi- co, medida que causava grandes constrangimentos e transtornos aos idosos. Indignado com o sistema biométrico, o vereador protoco- lou representação junto ao Ministé- rio Público, questionando o uso da biometria, que sem dúvida afronta o Estatuto do Idoso de âmbito em todo território nacional. Hoje, após o órgão ministerial ajuizar ação Ci- vil Pública, a justiça determinou a suspensão de tal exigência para os idosos. Bruno também recorreu à justiça para cancelar as multas aplicadas no município desde 2013. Denúncias mostraram que operadores de trânsito anotavam as su- postas infrações e as repassavam para os agentes concursados lavrarem os autos, o que é expressamente vedado pelo Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito ela- borado pelo Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN). No dia 6 de outubro, Bruno obteve a pri- meira vitória. Foi acatado pela justiça o seu pedido de liminar no sentido de proi- bir Operador de Trânsito terceirizado de aplicar multas. Os empréstimos contraídos pela Prefeitu- ra - Caixa Econômica Federal, Banco In- teramericano de Desenvolvimento (BID), BNDES, Banco de Desenvolvimento da América Latina/Corporação Andina de Fomento, que somados ultrapassam 650 milhões de reais, também, foram alvos de questionamentos, pois além do valor ele- vado, nenhum começará a ser pago pelo atual governo. “Antes de contrair o último empréstimo de US$100 milhões, a Prefeitura não apresentou nenhum projeto. Parece ser o lema: fazer primeiro e ver como será depois. Não há compromisso, seriedade com o dinheiro público e com a popula- ção”, criticou. Ao todo foram apresentados 30 pro- jetos de lei pelo parlamentar. Um dos mais recentes propôs alteração na lei nº. 2.630/09, que trata dos mecanismos de instalação de sistema de coleta e reuso de água em edificações públicas e priva- das. Segundo Bruno, a medida é para estimular e ampliar o reuso de água no município de Niterói. O projeto passa a prever a reuti- lização de água para construções multifa- miliares com mais de 10 unidades. Além disso, é acrescido o inciso III ao artigo 3°, estendendo as edificações individuais mo- nofamiliares, residenciais, comerciais ou mistas com mais de 175 m² a obrigação de construção do reservatório de água. No Parque da Cidade em São Francisco, um dos maiores cartões postais de Niterói, aconteceu no último sábado, dia 13 de dezembro, a segunda edição do Capoeira Mundi, que contou com a presença de mais de 100 capoeiristas do Rio de Janeiro. A atividade, que é dirigida pelo Mestre Branco, ganhou impulso após a parceria firma- da com a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer de Niterói, através da Diretoria de Eventos, sob o comando de Giuliano Lara. Diversas atividades relacionadas a capoeiragem, como oficinas técnicas sobre o jogo, a musicalidade, rodas e feira de artesanato aconteceram sob um belo dia de sol, realçando a beleza dos movimentos dessa impressionante arte brasileira, que neste ano ganhou na ONU o título de Patrimônio Imaterial da Humanidade. Mestre Branco conduz o grupo Roda de capoeira entre mestres e alunos Presença feminina no jogo da capoeira (praticantres) Gabriel Fonseca Vereador Bruno Lessa Ulisses Franceschi
  12. 12. Niterói 20/12 a 10/01/15 www.dizjornal.com Em Foco dizjornal@gmail.com 12 Edição na internet para Hum milhão e 200 mil leitores Presentes num só lugar Niterói - Av. Amaral Peixoto, 370 - tel: 2717.8787 - Centro Rua Gavião Peixoto,112 - tel: 2612.2006 - Icaraí - Av. Rio Branco,133 - tel: 2282.9118 - CentroRio de Janeiro Shopping S. Gonçalo, 2º piso- tel: 2604.7776São Gonçalo - Boulevard www.nippon.com.br EdgardFonsecaCom A Nippon sabe de onde trazer os melhores produtos pelo menor preço. Sem Juros Crédito Facilitado É Proibida a Venda de Bebidas Alcoólicas para Menores de 18 anos Inclusão do Advogado no Simples Nacional Em atendimento a pedidos de advogados, a OAB de Niterói vai iniciar o ano com informações práticas para facilitar a inclusão do profissional no Simples Nacional. Será através de um plantão diário a cargo da Comissão de Assuntos Tributários e Empresarial, presidida por José Marinho dos Santos. José Marinho propôs a volta do vitorioso plantão que sem- pre, no início do ano, tira as dúvidas dos advogados sobre a declaração do Imposto de Renda. Agora, com os integrantes da Comissão, vai orien- tar diariamente os advogados sobre a inclusão no Sim- ples, entre os dias 12 a 23 de janeiro, das 14 às 16 horas. O plantão será na sala 601 da Casa do Advogado Alcyr Amorim da Cruz, na Avenida Amaral Peixoto 50, sendo necessário fazer agendamento pelos telefones 3716-8922 ou 3716-8923. O plantão deve-se à recente inclusão da advocacia no Simples Nacional (ou Supersimples), sistema que unifica oito impostos e reduz a carga tributária em até 40%. O período de adesão acontece somente durante o mês de janeiro para o ano-calendário 2015. A Roupa Nova do Arco-da-Velha Flavia Savary, que é escritora, ilustradora e dramaturga, comemorando os 40 anos de carreira onde publicou e ilustrou muitos livros infantis, lançou na Livraria da Travessa, no Shopping Leblon - Rio de Janeiro o seu mais novo trabalho, “A Roupa Nova do Arco-da-Velha”, com ilustrações de Jaguar. Flávia tem a literatura e as artes grá- ficas na genética. Ela é filha da escritora Olga Savary e do famoso cartunista-chargista Jaguar. La já ganhou cerca de 80 prêmios literários em todos os gêneros no Brasil e no exterior. Participou de várias co- letivas com seu trabalho de ilustradora e artista plástica. Escreveu peças teatrais, narrativas de ficção voltadas para público infantil, poemas, crônicas publicados em mais de 40 antologias, Muitas personalidades do mundo intelectual e artístico foram prestigiar o lançamento. Entre eles, Miguel Falabella, Ziraldo, Ísis Valverde, Maria Pompeu, Dalma Nascimento e Alberto Araújo. José Marinho dos Santos Ulisses Franceschi Flavia Savary e Jaguar Alberto Araújo

×