Diz90

527 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
527
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diz90

  1. 1. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com
  2. 2. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com - Será no Solar do Jam- beiro o lançamento do livro “Jornalismo, Polí- tica e outras paragens”, de Erthal Rocha, dia 25 de setembro, às 18 horas. O prefácio é do acadêmico e poeta Sá- vio Soares de Sousa. A venda do livro será des- tinada para o Orfanato Stº Antônio e a Casa Mª de Magdala. - Angela Gemésio, poeta, atriz, artista plástica, lança o livro de dramaturgia “Foi você o momento do meu amor”, dia 4 de setembro, às 20h30, no Teatro Abel (Rua Mario Alves, nº 2 - Icaraí). - O jornalista Octacílio Barros profere palestra sobre o tema “Influências espirituais e obsessão”, dia 31 de agosto, sá- - A Aliança Francesa de Nite- rói/AFN (Rua Lopes Trovão, nº 52 - 2º andar - Icarai) pro- move a exposição “Le Cirque”, de Carlos Valença. Vernissage acontecida dia 22 de agosto, e visitação de 2ª a 6ª, das 8h30 às 20h30; sab., das 8h30 às 12h, até 21 de setembro. - A artista plástica e esculto- ra Jo Grassini participa, como convidada de honra, do Salão de Artes e Poesias da Prima- vera, dia 13 de setembro, às 17 horas, na OAB-Niterói (Av. Amaral Peixoto, nº 507 - 8º andar - Centro). Visitação até 27 de setembro, das 10 às 16 horas. 2 Cultura Paulo Roberto Cecchetti prcecchetti@ig.com.br annaperet@gmail.com DIZ pra mim... (que eu conto) Anna Carolina Peret Edição na internet para 900 mil leitores A prendemos todos os dias. Aprende- mos a pensar duas vezes. A reavaliar conceitos. A mudar de opinião. Apren- demos que podemos errar – e a assumir nos- sos erros. Aprendemos a respeitar limites – os nossos e os dos outros. Aprendemos a aceitar o próximo como ele é. A pedir desculpas. A ser flexíveis. Aprendemos que tudo tem seu preço – e que nada, simplesmente nada é de graça. Aprendemos a amar – e a nos deixar ser amados. Aprendemos a nos conhecer – sempre mais e melhor. E é só aprendendo que desvendamos quem nós somos de verdade. Respondemos “auto- questionamentos” fundamentais tais como: “como eu me comporto?”, “como eu pen- so?”, “o que me move?”, “em que direção estou seguindo?”, “com o que realmente sonho?”, “o que estou fazendo para realizar meus desejos?”, “sou realmente uma pessoa boa?”, etc. Cabe lembrar aqui algo interessante. Sobre o portal de entrada do santuário dedicado a Apolo – Deus do Sol, da música e da profe- cia –, na cidade de Delfos, na Grécia, estava escrita a mensagem do principal oráculo de Apolo: “Conhece-te a ti mesmo”. Sócrates – filósofo considerado como um dos maiores sábios da Grécia Antiga – foi a este santuário consultar o Oráculo, pois desejava saber se ele era tão sábio como diziam. O Oráculo o respondeu perguntando: “o que você sabe?”. Sócrates disse: “Só sei que nada sei”. Foi Recomeço então que o Oráculo afirmou: “Sócrates é o mais sábio de todos os homens, pois é o único que sabe que não sabe”. Com uma de suas frases mais famosas – “só sei que nada sei” – Sócrates fazia da “ignorância” uma abertura para procurar sem- pre novos conhecimentos. Con- comitantemente, estimulava as pessoas ao redor a se reconhe- cerem como ignorantes, propon- do que, dessa forma, elas não se fechariam em falsas verdades ou conhecimentos ultrapassados. Era – e sempre será – preciso evoluir. E não estamos aqui falando de riqueza, poder, ciência. Estamos aqui falando de nós mesmos, indivíduos, células da socie- dade. Redescobrindo-nos, diariamente, nos permitindo mudar e evoluir, nos desenvolven- do – à medida que compreendemos nossas virtudes e fraquezas – tornamos nossas vidas mais leves, fluidas, conscientes e felizes. Algumas pessoas talvez pensem: “ora, mas isso é obvio, é claro que eu me conheço muito bem” e, com essa resposta, continu- arão trancadas na cegueira da superioridade e da soberba. Outras dirão: “ah, eu vivo me reinventando todos os dias” e, infelizmente, permanecerão em suas rotinas infelizes rumo ao nada. Porém, algumas pessoas dirão: “e se eu realmente repensar aquele assunto?”, “e se eu tivesse ajudado o meu amigo?”, “e se eu reconhecer que errei?”, etc. São essas pessoas, as quais terminarão esse texto com a sensação incômoda da reflexão, que estão prontas para evoluir. São elas que, amanhã, pela manhã, estarão diferentes. Estarão ap- tas a conhecer a si próprias e – a partir desta pessoa consciente que nasce – ao mundo ao redor. Este não é um texto de auto-ajuda. Não é uma lamentação ou um drama. São apenas algumas palavras que objetivam alertar para a efemeridade do tempo que se esvai a cada se- gundo. Se quisermos, podemos abrir nossos olhos. E é bom que isso seja feito o quanto antes. Não espere que a vida te jogue no chão para olhar para baixo e para os lados. Se an- tecipe. Olhe para si e perceba que indivíduo você é e qual o seu papel. Mudando hoje, você evita o tombo de amanhã. Acordando hoje, você economiza um erro que, porven- tura, poderá custar caro. É saindo da nossa concha hermeticamente fechada – que nos “livra e guarda” do mundo, através dos nos- sos conceitos empoeirados e nossas verdades eternas – que nos libertamos do grilhão mais pesado de todos: o “eu” que nós não co- nhecemos e que muitas vezes não queremos enxergar. Tenho dicas de produções que podem ajudar na reflexão. “Planeta Solitário” (“The Loneli- est Planet”, no original), conta a história de noivos que precisam mudar de habitat para realmente perceber que não se conheciam, pouco tempo antes de casar. “Karen Chora no Ônibus” (“Karen llora en un bus”) é uma película colombiana que fala de uma mulher que percebe que seu casamento foi um erro e decide encerrá-lo. Porém, precisará perceber o preço de sua decisão. Para dar valor a liber- dade, chore com Juliette Binoche protagoni- zando “Camille Claudel 1915”, ao interpretar a artista sã que foi internada pela família num manicômio. E sorria com o sucesso “cult” no- va-iorquino “Frances Ha”, no qual uma moça ambiciosa não consegue alcançar toda a fama que deseja, contudo, leva a vida de maneira leve e otimista. E, mais do que um bom filme, desejo, desta vez, um bom recomeço! Até mais! bado, às 14h30, no Centro Espírita Júlio César (Rua Juiz de Fora, nº 44 - Grajaú - Rio de Janeiro). Entrada franca.
  3. 3. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com 3 Documento dizjornal@gmail.com Edição na internet para 900 mil leitores Que Escolas São Estas? Num país onde a criminalidade cresce assustadoramente, e os jovens sem ocupação definida ficam a mercê do recrutamento para práticas delituosas pelas organizações criminosas, constatamos que esta tendência se concretiza por absoluta falta de opções de trabalho e, principalmente, pela baixa escolari- dade. A educação, que funciona como fator de expansão social e econômica, está em desacordo com as necessidades do Estado. O Rio de Janeiro, que durante o governo de Leonel Brizola, e por inspiração e estímulo de Darcy Ri- beiro, apontou para significativas melhorias na educação, hoje padece com a canibalização e descons- trução de um modelo vitorioso e promissor que foram os CIEPs. A nossa estrutura-malha de escolas do Estado se deteriora e mesmo que pequenos esforços de contenção sejam empreendidos, significam muito pouco para as nossas necessidades reais. Constatamos modelos de parcerias entre o estado e prefeituras que são absolutamente negativos e contra producentes. Há muito que a Secretaria Esta- dual de Educação fala de “otimização”, onde misturam turmas de alunos da rede Estadual com as dos municípios, num retrato claro de um arranjo para driblar as necessidades cres- centes e disfarçar as demandas que não são objetivamente atendidas. Assistimos a promoção de programas despro- porcionais, como distribuição de equipamen- tos sofisticados a uma minoria, que se presta aos manejos do marketing do governo do Es- tado, apresentando uma fachada de governo aplicado, enquanto em muitos municípios e seus distantes distritos, a realidade é tão rude e primitiva, que poderia se comparar ao in- terior dos estados mais pobres da Federação ou mesmo a deficientes países africanos. Na nossa pesquisa encontramos relatos e registros em jornais do interior que servem bem como amostragem cronológica das di- ficuldades existentes. Pequenos recortes di- zem bastante: (Tribuna de Petrópolis, de 25 de junho de 2013) “A união de turmas de escolas da rede estadual de ensino em uma única sala e o remanejamento de estudantes, no que o Estado vem chamando de “otimiza- ção” do sistema, provocou protestos, ontem, em audiência pública realizada na Câmara Municipal de Petrópolis, com a presença dos deputados estaduais Plínio Comte Leite Bittencourt, Paulo Ramos e Bernardo Rossi. Como representantes da Secretaria de Esta- do e Educação Regional Serrana I estavam o diretor administrativo Jelcy Corrêa e a direto- ra pedagógica Rita de Cássia. Solicitado por professores do Colégio Pedro II, o encontro tinha como pauta pontos relacionados à edu- cação estadual na cidade. O grupo também cobrou respostas em relação às obras da Es- cola Cardoso Fontes, que estão paradas.” O número de colégios da rede estadual do Rio fechados pela secretaria estadual de Edu- cação chegou a 50 no mês de maio de 2013. Um processo de "otimização" da rede e corte de gastos vêm sendo feitos nos últimos 18 meses pelo secretário estadual de Educação, o economista Wilson Risolia. O Colégio Estadual Vicente Licínio Cardoso é que está na mira do governo do Estado. Um comunicado anunciando o processo de extinção foi entregue ao diretor da unidade. O colégio é um dos que funciona em prédios da Prefeitura do Rio, à noite, e atende alu- nos dos 17 aos 50 anos, todos matriculados no Ensino Médio. A maioria vive nos morros da Providência e da Conceição. Atualmente consta como endereço: Rua Edgard Gordilho, 63 – Praça Mauá- Centro do Rio de Janeiro. Enquanto isso, o governo do Estado alardeia os avanços tecnológicos que oferece à Rede Pública, incluindo salas climatizadas. Na atualidade, possui 10 computadores, mas nenhum funciona. A internet do LIED é dis- cada, da Velox. Em Niterói, o tradicional Liceu Nilo Peça- nha, que tantas glórias deu a cidade, onde em tempos passados se disputava uma vaga como um troféu, pela excelente qualidade de ensino, hoje amarga as mesmas dificuldades das demais escolas estaduais. Em abril deste ano, pais, alunos e professores do Liceu Nilo Peçanha realizaram uma passeata pela Ave- nida Ernani do Amaral Peixoto, no Centro, com o objetivo de reivindicar melhorias para a instituição e melhores condições de traba- lho. Munidos de cartazes e um carro de som, estudantes e professores se revezavam nas reivindicações. A mobilização começou por volta das 8h. Se- gundo os alunos, a direção da escola chegou a impedir a saída dos estudantes que já esta- vam na unidade, que queriam se juntar aos presentes no manifesto. O professor de Quí- mica e ex-aluno do Liceu Nilo Peçanha, Paulo Eduardo, listou muitos problemas existentes, que vão desde focos de dengue, até péssimas condições de estudos e trabalho. As condições de segurança dos estudantes da Rede Estadual é precária, com assédio e venda de drogas na imediações dos estabe- lecimentos. Existe uma controvérsia quanto ao policiamento da PM nas escolas. A rigor, deveria ser uma prática efetiva e a presença policial garantiria a segurança. Entretanto, por despreparo de alguns policiais, surgiram denúncias de relações negligentes, truculen- tas e até de policial que esqueceu a arma no banheiro dos alunos. A deficiência dos qua- dros da PM, não só numericamente, mas com a qualidade do treinamento, dificulta esta relação entre PM e Escolas Estaduais. Mui- to embora, a obrigação da manutenção da ordem pública seja da PM, independente de ser escola pública ou privada. A Polícia Mili- tar deve estar ostensivamente nas ruas para garantia da segurança de todos. A polêmica se faz, quando eficientemente um policial dá combate defensivo, como aconte- ceu na tragédia de Realengo, quando um ex- estudante psicopata entrou armado numa es- cola e promoveu um massacre. Se não fosse a intervenção armada do policial, a extensão da tragédia teria sido muito maior. O poli- cial agiu com exata precisão e competência, fazendo o contraponto aos erros de outros colegas. Os professores se queixam repetidamente da deficiência de material didático e da qualifi- cação de profissionais dos serviços de apoio, como serventes, merendeiras, porteiros, au- xiliares de disciplina, etc. Existe uma carência nos quadros ou má distribuição. A verdade que os desequilíbrios funcionais são constan- tes. Existem problemas crônicos com a questão da má remuneração, carga horária mal dis- tribuída, plano de carreira e a valorização do trabalho, com a oferta de meios e subsídios adequados à função. Esta cristalização de problemas da classe se desenrola nos pa- ralelos do governo do Estado, onde a pre- feitura do Rio de Janeiro vive uma situação de simbiose com o Estado, seja na forma de conduzir os programas, seja nas misturas que chamam de “otimização”, ou nas mesmas di- ficuldades da remuneração. Os professores da rede municipal da cidade do Rio de Ja- neiro continuam na luta, com manifestações de porte, como aconteceu na tarde de quarta feira (28) corrente, na Avenida Rio Branco com pelo menos mil manifestantes e estão reunidos hoje (31) para decidirem os rumos do movimento. A educação no Estado do Rio de Janeiro continua com uma lacuna aberta para a ver- dadeira otimização das nossas necessidades educacionais. O Presidente da Comissão de Educação da ALERJ, deputado Comte Bittencourt, tem tra- balhado incansavelmente para minimizar as dificuldades e obter avanços. As condições são adversas, embora ele continue a propor introduções de caráter técnico educacional, como a recente proposta que irá apresentar para a criação de quadros de nutricionistas na Rede, que contribuirão para a melhoria substancial da qualidade alimentar dos alu- nos, que na grande maioria são carentes de alimentação regular e balanceada. Como se não bastasse, ainda existem dificul- dades criadas pelo Estado que somente são resolvidas após demandas duradouras, como neste caso onde foi aprovado pelos deputa- dos da Alerj, na terça-feira (20/08), o projeto de lei do deputado Comte Bittencourt (PPS), que garante aos alunos com deficiência o cer- tificado de conclusão do ensino médio. Até então existiam entraves para estas pessoas, como se não fossem suficientes as demais dificuldades.
  4. 4. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com 4 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. Rua Otavio Carneiro 143/704 Niterói/RJ. Diretor Responsável: Edgard Fonseca Editor: Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Distribuição e circulação: Ernesto Guadelupe Diagramação: Erisvelton Santana Impressão: Tribuna RJ Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz End: Rua Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ Tel: 3628-0552 | 36285252 | 9613-8634 Correspondência para Administração Rua Domingues de Sá, 274/1103 Icaraí-Niterói - CEP 24.220-091 dizjornal@gmail.com www.dizjornal.com Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. D! NutriçãoEdição na internet para 900 mil leitores clara.petrucci@dizjornal.com | Instagram: Clara Petrucci A moda de die- tas específi- cas, restritivas e por conta própria não para de crescer, apesar de todos os estudos e da mídia mostrarem o risco que isso pode acarre- tar. A interação de um alimento com o ou- tro, de medicamento e alimento, a sinergia necessária para um metabolismo funcio- nar adequadamente, a importância de vita- minas e minerais, car- boidratos, proteínas e fibras são deixadas de lado nestas dietas fei- tas por conta própria. A individualidade de cada organismo é ignorada pelos leigos que acham que sa- bem comer por estarem aparentemente em forma. Na prática, muitos tem feito aquela die- ta sem cor, de frango e macarrão, ou então, apenas salada, sem entender as necessidades de um organismo. Alguns não conseguem emagrecer devido ao or- ganismo que não consegue metabolizar adequadamente o que é ingerido. São necessários minerais, vitaminas e água, para veicular, absorver, fazer o corpo funcionar de forma adequada e realmen- te obter a homeostase, equilíbrio. As vitaminas do complexo B, por exem- plo, estão diretamente ligadas ao meta- bolismo, minerais como cálcio, zinco, manganês, cromo, magnésio funcionam como enzimas transportadores, auxiliam a síntese de tecidos, antioxidantes. Cada nutriente tem sua necessidade específica, fazendo valer de forma equivalente sua necessidade; um organismo desregulado compromete metabolismo, sistema imu- nológico, e aí sim, envelhecemos mais rápido! Cortisol elevado, radicais livres em abundância envelhecem, engordam e acabam com a nossa saúde. Um prato colorido, com variedade de alimentos, sendo harmonizado com as leis básicas da Nutrição (qualidade, quantidade, harmonia e adequação), é muito mais eficaz para uma melhor saú- de do que uma dieta monocromática A Moda das Dietas da moda ou inventada na sua mente. Se você possui alguma alteração, dificuldade de atingir um objetivo com o seu corpo ou mente, provavelmente você está se alimentando de forma incorreta. Não es- pere ficar doente para procurar um nutri- cionista, assim como a automedicação é muito perigosa, a "auto dieta" também! Estudos mostram inúmeras doenças de- sencadeadas por ingestão exacerbada ou falta de determinado nutriente, por isso a importância da sinergia e da interação entre eles. Manifestações Sociais no UFF Debate Brasil No próximo dia 24 de setem- bro, as “Manifestações So- ciais” será tema no “UFF Debate Brasil”, no Auditório Ismael Cou- tinho, no Instituto de Letras, bloco C, sala 218, no Campus do Grago- atá, às 18 horas. Terá transmissão ao vivo e exclusiva pela Unitevê, o canal universitário de Niterói e São Gonçalo (17 SIM TV). A Entrada é franca. Mais informações no site: www.centrodeartes.uff.br E-mails Valem como Prova Testemunhal na Justiça ASétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho con- firmou decisão que atribuiu à correspondência eletrô- nica trocada entre os litigantes valor de prova maior do que os depoimentos prestados pelas testemunhas de uma reclamação trabalhista. Num ação recente, o Tribunal ba- lizou-se com maior destaque aceitando como prova esta modalidade de correspondência entre as partes. Contrato com Médicos de Cuba é Ilegal Ojurista e advogado Ives Gandra declarou que o acordo para a contratação dos médicos cubanos é in- constitucional. Ele diz que o tratado tem força de lei ordi- nária, e não pode se sobre- por à Constituição. Salienta que a remuneração distinta entre os médicos cubanos e os demais participantes do programa viola os princí- pios constitucionais e que os cubanos não podem exercer a medicina no país sem o Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos). O jurista ainda afirma que “todo o povo cubano é escravo” de uma ditadura e que difi- cilmente algum médico cubano pedirá asilo ao Brasil. “Duvido que peçam. O governo cubano mantém seus familiares como reféns em Cuba." Ives Gandra
  5. 5. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com 5 InternetJuliana Demier - juliana.demier@gmail.com Edição na internet para 900 mil leitores Defensores de Baterias Hoje eu venho com dicas pre- ciosas para o Android pra salvar qualquer usuário dos smartphones que usam esse sistema operacional. Aplicativos que ajudam a economizar a bateria e fáceis de baixar são uma incrível mão na roda pra quem sem- pre esquece o carregador em casa. Vamos a alguns deles: O Battery Defender é um dos aplica- tivos mais baixados na Google Play e não é à toa. Além de ser gratuito e em português, ele cumpre a fun- ção de ajudar a desabilitar a rede de dados e Wi-Fi quando a tela é des- ligada, o que economiza, e bem, o consumo de energia. O usuário pode ativar a rede periodicamente para receber notificações e ajustar seus recursos. O Talking Battery fala com você. Esse app em inglês e também gratuito mo- nitora o consumo da bateria do seu smartphone Android e informa, por voz, a quantidade que ainda resta. Seus desenvolvedores ain- da prometem mais funções para melho- rar o desempenho do aparelho e a funcio- nalidade do app. O Duo Battery Saver, mais popular ainda que o Battery De- fender e mais funcio- nal, é um app quase que personalizado. Ele analisa a rotina do usuário e procu- ra adequar a bateria através de perfis cus- tomizados que con- trolam o consumo de acordo com os horários de maior ou menor uso do smartphone. Além disso, ele apresenta ferramentas que ajudam a economizar a bateria e avi- sos de descarregamento com 20% restante de energia, numa interface simples, intuitiva e, considerada por muitos, revolucionária. Com isso tudo, esse tem um preço: R$6,01 na Google Play. Nessa loja do Google Play existem, claro, várias outras opções com esse mesmo intuito, contendo todas as informações sobre os apps e, princi- palmente, a versão do sistema ope- racional necessária e o peso de cada um. Então é isso... Não precisa ficar tão preocupado agora se esquecer do carregador em casa. Só não pode esquecer-se de baixar um desses apps antes. Beijo e bom finde! ORAÇÃOASANTO EXPEDITO Festa 19 de abril. Comemora-se todo dia 19 Se vc. está com algum , precisa de , peça a Santo Expedito. Ele é o Santo dos Negócios que precisam de pronta solução e cuja invocação nunca é tardia. Problema Difícil e aparentemente sem Solução Ajuda Urgente ORAÇÃO Obrigado. : Meu Santo Expedito da Causas Justas e Urgentes, socorrei-me nesta hora de aflição e desespero. Intercedei junto ao Nosso Senhor Jesus Cristo! Vós que sois o Santo dos Aflitos, Vós que sois o Santo das Causas Urgentes, protegei-me, ajudai-me, Dai-me Força, Coragem e Serenidade. Atendei o meu pedido: (fazer o pedido) Ajudai-me a superar estas Horas Difíceis, protegei-me de todos que possam me prejudicar; Protegei minha família, atendei o meu pedido com urgência. Devolvei-me a Paz a Tranqüilidade Serei grato pelo resto da minha vida e levarei seu nome a todos que têm fé. Rezar 1 Padre Nosso,1 Ave Maria e Fazer o sinal da cruz. “para que os pedidos sejam atendidos é necessário que sejam justos”. Agradeço a Santo Expedito a Graça Alcançada.Santo Expedito Acesse o Nosso Site: www.dizjornal.com Curta Nossa Fanpage www.facebook.com/dizjornal
  6. 6. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com 6 Edgard Fonseca edgard.fonseca22@gmail.com Edição na internet para 900 mil leitores A Benção Meu Patrão... N ão se trata de um problema localizado. O Brasil é assim... Colonizado, descendente de degredados bandidos, que por punição do Rei de Portugal, foram mandados para “povoar” a colônia inóspita. Destes qua- trocentos bandidos, construímos os pila- res desta nação, reforçada pelas práticas da Corte, de pedir, bajular, assemelhar-se por arremedo e corromper sempre que possível. Ou seria a síndrome do me cor- rompa para que todos se assemelhem? Vemos com pesar o desenrolar dos fa- tos, e usando o ícone dos enganadores, poderíamos dizer que “nunca na história deste país... Estivemos tão podres e sem nenhuma moral disponível.” Contorcemo-nos de horror, dizemos nós, uns poucos restantes, repugnados por tanta falácia, mentira deslavada e tanta inversão de valores! Este é o país onde o cachorro mija no poste! Surreal e dantes- co é a nossa mais infame situação. Vale o que pesa ou quanto se pode pagar. Um congresso que vota corporativamente para que um ex-parlamentar (digo ex, na medida que alguém tem seus direitos po- líticos cassados, não pode por lógica ser deputado) seja preservado no cargo, com um mandato imundo, nos “representan- do de dentro da cadeia”. A mim, eles não representam! Estou cassando seus direitos em nome da autoridade moral que luto para preservar. Imaginei que nunca iria assistir uma cena tão desmoralizante para todos, absoluta- mente todas as instituições deste país. Ci- nicamente preparam o terreno para que outros deputados delinquentes, como Genoíno e João Paulo Cunha, mesmo presos, continuem ostentando vergonho- samente o título de deputado do “país da zona”. Ou talvez seja afronta aos bordéis, pois devem ter mais decência e organiza- ção, para não dizer “uma moral própria”, ou pelo menos alguma... E vamos descendo, para as mais diversas instâncias. Foi instalada em Niterói a CPI dos Trans- portes, assim como no Rio de Janeiro. Na capital, assistimos este festival de de- monstração do poder econômico dos em- presários, tirando e pondo os seus “des- pachantes” para acomodar o que melhor lhes convêm. Em Niterói, resta-nos dizer que não será diferente, ainda que pese os esforços hercúleos dos dois novos vere- adores, Bruno Lessa e Henrique Vieira. Bem intencionados, com o manual de- baixo do braço, querem uma execução e procedimento que não condiz com a realidade. Estão inteiramente certos nos seus pleitos e desejos, mas vão enfrentar a maré do desfazer para construção de outras perspectivas. Vão ficar “malhando em ferro frio”, sendo escamoteados, pro- crastinados, e diria até, correndo outros riscos. Poderão encontrar uma “casca de banana no caminho”, e escorregar feio! Não se trata de ser a Câmara de Nite- rói ou do Rio ou de qualquer lugar neste Brasil. A questão objetiva reside no mo- delo de ação e pactos aceitos pela grande maioria. É o modelo de financiamento de campanha, onde se admite que o eleito seja financiado por este ou aquele grupo, que depois vai voltar com a conta para ser paga! Os empresários de ônibus são invariavel- mente grandes financiadores de campa- nhas diversas. A pergunta clara é: quem vai se voltar contra quem o alimenta e elege? Não se trata de querer carimbar neste ou naquele empresário a demonização destrambelhada que alguns radicais ver- balizam com furor. Não se trata do quilô- metro mais bem pago no Estado ou quiçá no Brasil, que produz lucros imensos na mesma medida que defensivamente, to- dos “choram” pelas despesas e a “falta de rentabilidade”. Sejamos práticos e maduros. É necessá- rio que vozes como a de Bruno Lessa e Henrique Vieira se levantem e apontem um norte para qualquer esperança, mas, sem uma negociação apropriada, baseada na prova da necessidade da mudança, as coisas vão continuar na mesma situação. Inarredáveis! Nestes muitos anos, foram tantos e tan- tos dirigentes, e os contratos das em- presas rezam de vinte a quarenta anos de concessão. Alguém pode imaginar o tamanho do benefício e o esforço con- trário para que nada se perca? Uma CPI significa Comissão Parlamentar de Inqué- rito. Se existe inquérito é porque alguém supõe que algo precisa ser questionado, investigado e até mesmo transformado ou reformado. É a indicação intelectual que existem erros ou irregularidades. Fica muito bonito na foto, mas na reali- dade só restam riscos e desenganos. Não convém a grande maioria, assim como aprovam sem pestanejar empréstimos que sabe Deus onde vão ser utilizados (?), assim como todas as tantas audiên- cias das Operações Consociadas do Cen- tro. Todas negativadas, mas no final, nada representarão. O Projeto vai ser aprovado do mesmo jeito que passou o empréstimo e ponto! É uma vultuosa soma num país com as características já descritas. Vai haver resistência, lutas com o respeitável Ministério Público, mas quando chegar na Instância Superior vai encontrar aco- lhimento e provimento. Para mudar esta situação, será preciso mudar tudo. O Brasil todo, incluindo os poderes. Sinto muito, mas a minha maturidade amassada e desgostosa não vê luz no fundo deste túnel. O que não significa que não possamos falar e ter clareza dos fatos. Mas, o resultado, já estou cansado de saber. ZAPS... ... A Sociedade Fluminense de Foto- grafia (SFF) abre no próximo dia 3 de setembro (terça-feira) , às 20 horas, a exposição “Quase Real...” do premiado fotógrafo Paulo Mittelman, que reúne 65 fotografias de temáticas variadas de natureza, gente, visões e imagens cons- trutivistas. A mostra tem curadoria de Georges Racz, membro da Association Internacionale des Critiques D’Art e di- retor cultural da Associação Brasileira de Arte Fotográfica (ABAF) e fica em car- taz até o dia 4 de outubro. A entrada é franca. ...Está sendo distribuído na internet um e-book com o título “O Chefe” de autoria de Ivo Pitarra. Descreve com nuances e documentos as “pro- ezas” da corrupção do governo de Luiz Ignácio Lula da Silva. Como diz, é o maior antro de corrupção que se tem notícia em toda estória da huma- nidade. Busquem o “Chefe”. Todos vão entender quem é ou foi o maior corrupto da história brasileira. Sergio Gomes Bruno Lessa e Henrique Vieira
  7. 7. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com 7 Dr. Helder Machado Urologia Tratamento de Cálculo Renal a Raio Laser Rua Dr. Celestino, 26 Centro - Niterói. Tels:2620-2084 /2613-1747 Clínica Atendemos UNIMED eParticular Atendimento 24H pelo tels: 8840-0001e9956-1620 Edição na internet para 900 mil leitores Encontro de Assessores de Imprensa OSindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro realiza o Encontro de Jornalistas em Assessoria de Im- prensa, no dia 28 de setembro, das 9h às 20h, no plenário da Câmara dos Vereadores de Niterói. Haverá debates sobre vários eixos temáticos, os grandes eventos e o impacto no interior do Estado; a precarização da pro- fissão através da nomeação de profissionais que não sejam da área da Comunicação nos órgãos públicos, as novas ferramentas da Rede Social, o estudo de Assessoria de Imprensa nas faculdades, entre outros temas. O Encontro de Jornalistas havia sido inicialmente marcado para julho, mas, foi transferido devido a eleição nacional da Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas. Medalha São Francisco de Assis Foi aprovada na Câmara Mu- nicipal de Niterói a Medalha São Francisco de Assis, projeto do vereador Renatinho. Ao criar a honraria, o vereador citou o nome da ativista da causa animal Gláucia Motta para receber esta primeira condecoração. Apaixonada pela causa animal e ambiental, Gláucia participa ativamente de projetos, leis, debates, passeatas por amor à causa. Será uma homenagem justa a alguém que dedica sua vida a essa nobre e árdua atividade. Bela iniciativa do vereador Renati- nho e parabéns para Gláucia. Agora é só esperar a data da ce- rimônia. Raimundo Borges esteve presente com a esposa Lorenza Borges representando a Hayasa no evento que apoia financeiramente o Jantar Garçom Caixa Alta Atendimento Humanizado Há muito observo com admi- ração o trabalho incansável do SAMU e a atividade nobre dos bombeiros. Sempre existe algo de bom no mundo submerso. Assisti o grau de humanidade de atendi- mento da jovem que recolheu o homem bêbado, ferido pela pró- pria existência alcoólica, mas aco- lhido pela mão segura, humana, profissional e carinhosa da equipe deste brioso SAMU. Gláucia Motta
  8. 8. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com 48 Renda Fina Aniversariantes da Edição Luiza Petrucci da Fonseca Isabela Blanc Alexandre Ignácio Ciça Almeida Emmanuel de Macedo Soares Edição na internet para 900 mil leitores Homenagem na OAB-Niterói Festejando Gabi Nasser Antonio José Barbosa, presidente da OAB- Niterói comandou as homenagens Mônica Redua, Gabriela Nasser e Marcia Sharp em ritmo de festa Bruna Chrisostomo, Patrícia Amazonas e Danielle Novaes Indio do Brasil Cardoso, ex-presidente da OAB-Niterói, recebe a homenagem do advogado Silvio Lessa Fotos Ulisses Franceschi
  9. 9. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com 99 thatiana.ncunha@gmail.com esferaholistica.com T! News contato@erisveltonsantana.com erisveltonsantana.com E! Games Alinhamento Energético Games em Celulares O trabalho de Alinhamento Energé- tico tem suas raízes nas tradicio- nais culturas indígenas brasilei- ras e integra os milenares conhecimentos xamânicos e orientais, com as modernas Física Quântica e Psicologia Transpessoal, promovendo uma nova perspectiva em re- lação à vida e aos relacionamentos consigo mesmo, com o outro e com a natureza. Desenvolvida pelo falecido farmacêutico, agrônomo, alquimista, pesquisador e sen- sitivo fluminense Aloysio D. Nascimento (também chamado de xamã Dior Allem), a partir das observações de como os pajés (xamãs) procediam ao fazerem seus traba- lhos de cura nas aldeias indígenas de norte a sul do Brasil. Ao longo de 15 anos, percebeu que quan- do um índio procurava o curador da tribo apresentando algum tipo de desequilíbrio, o pajé atendia aos seus sintomas com ervas e rituais nativos, mas sempre pesquisava, utilizando seu sexto sentido, para saber (e curar) o que havia acontecido da vida do índio doente e que estava se apresen- tando agora na for- ma de uma doença física, psicoemocio- nal e/ou social. A partir daí, dedicou sua vida a desenvol- ver um trabalho que representasse aqui- lo que viu os pajés fazendo nas tribos, mas dentro de um outro formato, para que pudesse ser aplicado nas cidades em um ambiente de consultório, sem rituais nem nenhuma co- notação religiosa, podendo atender a pes- soas de todos os credos, níveis sociais e culturais. Posteriormente, a terapeuta sensitiva ca- rioca Monica Oliveira - que trabalhou com Aloysio durante muitos anos até a morte deste - reformulou esta técnica dando a ela o nome de Fogo Sagrado, desenvolvendo e sistematizando cursos de formação para terapeutas no Brasil e no exterior. Hoje, são seis terapeutas/professores brasi- leiros trabalhando em 10 países da Europa desde 2002. “A característica principal des- se trabalho é a utilização da sensitividade que através da canalização - uma outra for- ma de mediunização - acessa diretamente no inconsciente do cliente os registros, me- mórias e conteúdos dolorosos e limitadores que formam os seus sistemas de crenças e padrões, e que aparecem no corpo/mente na forma de desequilíbrios, impedindo que a vida da pessoa flua com plenitude, har- monia e prosperidade, de acordo com seu potencial, desejo e merecimento”, explica Ernani Fornari, que aprendeu o trabalho do Alinhamento Energético com Monica Oli- veira, com quem trabalhou por cinco anos no Brasil e na Europa, fazendo milhares de atendimentos e formando centenas de te- rapeutas. Além dos atendimentos individuais, o Ali- nhamento Energético pode ser feito em grupo nas formas da Roda de Cura (onde as pessoas sentam em círculo com um clien- te no centro), da Terapia Transdimensional (que é uma integração do Alinhamento Energético com as Constelações). Contato: 21 9468-1628/ 24.2468.1446. O s zumbis dominaram a terra e as únicas que podem detê-los são suas plantas guerreiras. É isso mesmo, não estou me referindo aos tra- dicionais games de terror do gênero, mas ao divertidíssimo “Plants vs Zombies 2”, lançado recentemente para o iPhone e iPad de forma gratuita porém, com itens a venda dentro do jogo. Chamado apenas de “PvZ2” para os mais íntimos, a continuação da franquia inova muito pouco, ou seja, a mecânica ainda é detonar hordas e hordas de zumbis com ajuda de uma grande variedade de plantas guerreiras, desde os já conhecidos “Dis- parervilha” passando pelos mal encarados “Repolhos-boxeadores” até os belos “Lí- rios-fertilizantes”. Não estou dizendo que o game não traz novidades, pois elas estão lá. Agora os gamers podem usar um adubo especial para au- mentar temporariamen- te a capacidade de suas plantas: a “Disparervilha” solta uma rajada de tiros, enquanto os “Girassóis” geram instantaneamente seis sóis. Outra novidade bacana são os poderes que usu- ários compram através das moedas adquiridas no decorrer das fases. Dignos de deuses gregos são eles: “Pinça” (o game deve fazer o movimento para partir o zum- bi ao meio), “Arremesso” (lança os zumbis para fora da tela) e o “Raio” (eletrocuta o zumbi até ele virar cinzas). O novo game leva o jogador a uma viagem no tempo. Enfrentando zumbis no Egito antigo, no Mar dos Piratas (1679) e no Ve- lho Oeste (1850). É diversão garantida em game simples, mais muito viciante. Os usuários de celulares com android terão que esperar até o fim do ano para o game chegue a está plataforma. Então, pegue suas plantas e derrote seus inimigos em três tempos históricos muito fascinantes. Até a próxima. Ernani Fornari
  10. 10. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com 10 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello Seu canal direto para fazer denœncias. Nada melhor do que um telefone para quem, atŽ bem pouco tempo atr‡s, s— podia colocar a boca no trombone. www.alerj.rj.gov.br DETRAN/RJ: Pelo Fim da Vistoria Nestes tempos de protestos, Black bloc pelas ruas, o povo em busca de correção dos rumos dos seus votos em políticos inoperantes, incompe- tentes e malvados, tentei fazer a vistoria do carro. Escrevi, tentei, porque o DETRAN/RJ, na forma que está, é algo que está definiti- vamente preso ao terceiro mundo, local que o Brasil oficialmente já saiu, mas que reluto em encontrar provas de que isto tenha acontecido. O DETRAN/RJ é um estorvo na vida dos milhões donos de veículos e para quem quer tirar documentos. Uma instituição que não foi feita para atender à popu- lação, pois não tem nada a oferecer de volta pelos serviços que cobra. É ao Detran/RJ que recolhemos o tal DUDA para “serviços”, que não são prestados de forma adequada e a vistoria de veículos é um deles. Aliás, para que serve a vistoria de veícu- los que não seja apenas para arrecadar dinheiro para alguma coisa, pois é to- talmente desnecessária. Não se sabe ao certo porque o Estado do Rio é o único Estado brasileiro que faz a vistoria anual. Assim, deduzo que seja para ganhar di- nheiro do cidadão. Uma cobrança ilegal e indevida. Para que serve o selo que está na placa traseira? Para que serve você ficar acelerando o carro com aqueles tubos e cabos enfiados no motor em busca de poluição quando os ônibus passam ao nosso lado fa- zendo fumaça e ninguém tem co- ragem de multar? A vistoria dos automóveis no De- tran/RJ é mais uma daquelas di- ficuldades criadas pelo inimigo Estado, que tudo faz para cobrar e atrapalhar a vida do cidadão de bem. Escrevo cidadão do bem porque aquele indivíduo que anda com o carro sem farol, pneus care- cas e sem freio é um verdadeiro as- sassino das ruas. Mas, por algum perdão de não sei quem, ele conti- nua circulando pelas ruas, como se fosse uma arma pronta para fazer a sua primeira ou quem sabe, se- gunda vítima. Por que será que ninguém exige o fim da vistoria anual de veículos? Por que não existe nenhum depu- tado estadual que crie uma Lei proibindo a vistoria? Por que os deputados estadu- ais estão mudos? Por que o Governo do Estado nada faz? Socorro Ministério Pú- blico Estadual! Pagamos por um serviço que só é essencial para a polícia e reco- lhimento de multa pelo Estado! E o De- tran/RJ não tem condições de executá-lo! Outra deficiência que está tirando a nossa paciência e que chegando ao limite é a falta de datas para a vistoria anual. Ora, se o Detran/RJ não tem estrutura para fazer a vistoria, que não a faça ou que seja proibido a fazê-la por pura falta de estrutura física. É um absurdo ter que ir de Niterói à Teresópolis, por exemplo, para regularizar o seu carro e poder an- dar pelas ruas sem ser incomodado pela polícia. Ora, que se faça uma intervenção no dis- plicente e incorrigível Detran/RJ. Que se abra uma CPI, com a presença de entida- des do povo. Algo tem que ser feito. Es- tamos reféns da inoperância do Detran/RJ e com a polícia em nosso encalço. Pelo fim da vistoria anual dos veículos já! Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com Venha para o Nova Auto Europeu Velocímetros, Contagiros, Marcadores de Gasolina, Temperatura e Pressão do Óleo. Bombas de Gasolina para injeção eletrônica, Reguladores de Pressão, Motores de Passo. Troca na hora de: Velocímetros e Bóias de Tanque. * Alarmes de Controle Remoto * Trava e Vidro Elétrico * Relógios Elétricos Rua Marechal Deodoro, 295 - Loja 103/104, Centro - Niterói- RJ. Tels: 2621-5702 / 2717-3881
  11. 11. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com Por iniciativa do vereador Leonardo Giordano – PT Ni- terói, 16 vereadores da cidade assinaram pela aprovação do Projeto de Resolução 18/2013, que tem o objetivo de erradicar todo e qualquer tipo de discriminação e cria a Frente Parlamentar Contra a Intolerância Religiosa. O Projeto surgiu a partir de uma proposição da audiência pública que debateu, em junho, temas referentes à Um- banda e ao Candomblé na Câmara. Pela Cidade 11 Edição na internet para 900 mil leitores Frente Parlamentar Contra Intolerância Religiosa Concerto de Felipe Naim no Conservatório Apresentando repertório com peças de Chopin, Vila-lobos, Mendelssohn e Shumann, o pianista formando Felipe Nain, aluno das mestres Celly Periard e Isis Machado, apresentou-se no Conservatório de Música do Estado do Rio de Janeiro, no dia 30 de agosto, às !9h30. Marco de referência na vida deste jovem pianista que certamente ainda irá cumprir uma longa e brilhante trajetória, por todo talento e de- dicação. Contagem Regressiva Odentista, Felipe Jorge Abunahman, reuniu a família no último sábado, 24, em Icaraí, para comemorar 99 anos. A família, aproveitou o encontro para dar início a conta- gem regressiva para o centenário, em 2014. Ele é descendente de libaneses, que se radicaram em Cachoeiras de Macacu, interior fluminense, e tem vida marcante na cidade de Niterói. É irmão do ex-prefeito de Niterói, Emílio Abunahman e do pneumologista, Antônio Abunahman, ambos já falecidos. Em festa, recebeu o carinho da esposa Judith, dos filhos Célia e Jorge, dos netos Márcio e Renata, das irmãs Thereza e Mariléia, e de amigos e familiares, que foram afagar carinhos, e saborear alguns pratos da cozinha árabe. Os 100 anos de Felipe Abunahmam será noticiado neste jornal com todo júbilo. Bela Vista Futebol Clube é o Representante na Série C Niterói tem um único representante na Série C do Campeonato Carioca. É o Bela Vista Futebol Clube. Fundado em 1977, filiou-se à Liga Niteroinse de Desportos e, em 1990 profissionalizou-se na Federação de Futebol do Rio de Janeiro. Luta com muitas dificuldades pela ausência de apoio oficial, de parceiros e de patrocínios. A falta de um campo disponível obriga o Bela Vista a treinar na Praia de Icaraí e em Rio Bonito; e seus mandos de campos são remanejados para Maricá. O Bela Vista continua em busca de jogadores para disputa do Campeonato Carioca de Juniores e o seu presidente, Eduardo Marcos, o Dico, não desanima e acredita que os responsáveis pelo setor de desportos do município vão reconhecer o esforço empreendi- do pela direção do clube e venham colaborar para que a agremiação de Niterói continue disputando o Campeonato Carioca. Passeata pela Causa Animal Organizada por Marcelo Pereira, ativista da Causa Animal, realizou-se na Praia de Icaraí, mais uma manifestação pela conscientização da necessidade no trato com ani- mais, especialmente os domésticos. Reuniram-se pessoas de vários municípios do entorno de Niterói, ostentando cartazes e afirmando palavras de ordem. Através destes eventos a cidade de Niterói tem se notabilizado como referência na causa animal.
  12. 12. Niterói 10/08 a 31/08/13 www.dizjornal.com Em Foco dizjornal@gmail.com 12 Edição na internet para 900 mil leitores Skatistas se Reúnem por Melhorias no Esporte O s Skatistas da cidade vão se reunir no rink de patinação, no Campo de São Bento, para pre- parar a reivindicação por maiores investi- mentos no esporte e melhores condições para a prática na cidade, na “1ª Skateata de Niterói”, no dia 1º de setembro. Nas redes sociais, o evento já está ga- nhando força, com 1.095 pessoas con- firmadas até o fechamento da matéria. O organizador do evento, o skatista Bruno Lobato, disse que são pautas do movi- mento a implantação de projetos de Skate Park, reforma e melhoria nas atuais pistas; construção de obstáculos simples (como corrimão, banco e caixote) em praças que não comportem um Skate Park, além de um local com asfalto seguro para a prática do Downhill (descer ladeira). Atualmente, para os praticantes do es- porte, as principais pistas ficam em São Francisco, Piratininga, Largo do Marrão e no Horto do Barreto. Tanto a pista do Barreto como a de São Francisco apre- sentam vários problemas, que vão des- de o abandono, gerando depredações, crescimento de vegetação, até a utiliza- ção para outros fins. Após se encontrarem no Campo de São Bento, o grupo seguirá pela Avenida Ro- berto Silveira até a Rua Miguel de Frias. O encontro permanecerá em desloca- mento pela Praia de Icaraí e a chegada acontecerá na Praça do Canal, na Aveni- da Ary Parreiras. A saída no Campo está prevista para as 14h30. O evento será anual e no primeiro domingo de setem- bro.

×