Atlas podológico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Atlas podológico

on

  • 38,793 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
38,793
Visualizações no SlideShare
38,793
Visualizações incorporadas
0

Actions

Curtidas
15
Downloads
945
Comentários
1

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Adobe PDF

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Atlas podológico Document Transcript

  • 1. ATLAS -"PODOLOGICO
  • 2. Título original: Atlas PodológicoMaria Auxiliadora Fontenelle VianaCopyright by Maria Mauxiliadora Fontenelle VianaTodos os direitos reservados. É proibida a reproduçãodeste livro em sua totalidade ou em partes, por qualquermeio, sem o consentimento prévio da autora.Projeto gráfico: Ana Lucia Mambrinianamambrini@gmail.comCapa: Ana Lucia MambriniEditora: Gráfica e Editora FAPIAv. Saramenha, 170, Bairro Guarani, Belo Horizonte, MG, CEP: 31.840-220Tel: (031) 3304.3322 - Fax: (031) 3433.2250www.editorafapi.com.br
  • 3. .•. ~ "ti- - -- - --4 "JiI .<" ~ ;ii"," ~_ •• ,~03 ~llIõo-~ Prefácio Este atlas é um componente visual e os podólogos, em qualquer nível, podem se beneficiar com asfotografias e explicações, mesmo que já estejam familiarizadas, Nosso objetivo foi produzir um livroabrangente e fartamente ilustrado que preenche a função de um atlas, com textos de apoio detalhado eorganizado por partes, o suficiente para torná-Io uma fonte de referência de trabalho pessoal e de consultapara qualquer profissional ou estudante de podologia. O Atlas podológico é uma referência confiável e um importante recurso de ensino de identificaçãodas doenças pédicas muito úteis, principalmente junto ao estudante e àqueles profissionais que necessitamrevisar uma enfermidade ou conceito importante, assim como informação de qualidade aos pacientes quechegam com inúmeros questionamentos. Éum instrumento para manter ao alcance das mãos, uma ferramenta valiosa de consulta, Maria Auxiliadora F. Viana Maria Auxiliadora Fontenelle Viana, Técnica em Podologia, com vasta experiência na área, aoescrever este, obra quis facilitar o nosso cotidiano podológico com diagnósticos precisos, eficazes e deidentificação das podopatias de forma imediata. Neste livro você encontrará um catálogo completo de podopatias e onicopatias desde as maissimples até as mais complexas. Este é um livro que não poderá faltar em um consultório podológico. Claudia Cristina da Rocha ex-aluna de podologia Av. AItamiro Avelino Soares 955, Bairro Castelo, Belo Horizonte - MG, CEP: 31330-000 Telefone: (031) 3476.7573, e-mail: doras1@terra.com.br Home Page: www.podossaudedospes.com
  • 4. ~ INDICEANATOMIA E BIOMECÂNICA DOS PÉSEsqueleto humano, Pé, Ossos do pé, Músculos do pé, Fascia plantar, Ligamentosdo pé, Circulação e inervação, Arcos plantares, Deformidades do pé, Movimentosarticulares, Deformidades dos dedos, Esporões e exostoses, Marcha, Desvios 07posturais.LESÕES CUT ÂNEAS DERMA TOLÓGICASDefinição, Mancha, Pápula, Pústula, Nódulo, Vegetação, Vesícula,Bolha, Crosta,Edema, Escamas, Fissura, Atrofia, Úlcera, Escoriação, Liquenificação Ceratose, 12Cicatriz, Petéquias, Púrpura, Telangiectasia, Erosão, Gangrena, Urticária,Comedão.PODOP ATlASBolhas de atrito, Calos, Cravos e Calosidades digitais e plantares, Dermatomicoses,Dermatoses (psoríase), Dermatoviroses (verrugas), Fissuras, Gota, Metatarsalgia, 14Hidrose, Fibromas, Queratodermias, Hanseníase, Anomalias/MalformaçõesGenéticas (Sindactilia,Clinodatclia,Braquimetatarso, Comptodactilia, Polidactilia,Ectrodactilia.ANATOMIA E ONICOPATIASAnatomia da unha, ClassificaçãoMoforlógica das Unhas.Onicopatias - Anoníquia, Calo subungueal, Coiloníquia, Baqueteamento, 22Distrofia, Fraturas ungueais, Involução ungueal, Hemorragia em estilhaço,Hematoma, Hiperqueratose subungueal, Linhas e/ ou Sulcos de Beau,Leuconíquia, Macroníquia/ Microníquia, Melaloníquia, Onicoatrofia,Onicocauxia, Onicocriptose, Matricectomia com e sem cauterização de matriz,Onicofose, Onicogrifose, Onicólise, Onicomadese, Onicomicose,Onicotilomania, Onicorrexe, Paquioníquia, Paroníquia, Pterígio, Síndrome dasunhas amarelas, Síndrome das unhas frágeis - SUF, Traumas ungueais,Traquioníquia, Tungíase, Tumores ungueais, Unha dobrada, Unha em trompete,Unhas postiças, Unha torta, Reconstituição e correção de unhas.
  • 5. AFECCÕES UNGUIAIS NAS DOENCAS SISTÊMICAS Unhas em vidro de relógio - Acropaquia, Sindrome Das Unhas Amarelas, Doença de Raynaud, Doença de Darier, Unhas de Terry ou Leuconíquia Aparente (Meio-a- 30 Meio), Traquioníquia - Unhas Rugosas, Linhas Duplas Brancas de Muehreke, Coiloníquia, Pitting ungueal, Linhas de Beau, Leuconíquia verdadeira, Pterígio, Onicomadese, Paquioníquia congênita TERAPIAS CORRETNAS DAS UNHAS Corte das unhas, Deslaminação, Pasta Afastadora de Pregas Periungueais-PAPP, Fibra de Memória Molecular, Laserterapia. 32 BIOSSEGURANCA Autoclave/ estufa, Papel grau cirúrgico, Caixa de expurgo, Seladora, Equipamentos de Proteção lndividual- EPIs, Microbiota da Pele, Degermação / Lavagem das mãos, Técnica de lavagem das mãos. 34EQUIPAMENTOS. INSTRUMENTAIS EACESSÓRIOS PODOLÓGICOS Instrumentais, Micromotor, Lâminas descartáveis, Pinças, Cureta, Tesouras, Enucleadoras, Lupa, Espátulas, Calcador de fibra, Fixador de gase, Pote dapen, 35 Almotolias, Materiais ortésicos, Paquímetro / gabarito ungueal, Brocas e fresas, Mandril e lixas, Gutta percha, Pasta Afastadora de Prega Ungueal, Monofllamento,.Glicosímetro, Alginato de cálcio, Bandagens, Microbrush, Silicone e catalizador, FilmePVC.CLASSIFI CA CÃO ESTATÍSTICAINTERNACIONAL DE DOENCA EPROBLEMAS RELACIONADOS À SAÚDECIO 10 39BIBLIOGRAFIA 40 • I I I /
  • 6. · -- -- - - -- - - -----{"- --, ,) - HFELIZ AQUELE QUE TRANSFERE O QUE SABE E APRENDE O QUE ENSINAo H Cora Coralina
  • 7. ANATOMIA E i BIOMECÂNICA DOS PÉS Esqueleto humano ------------~----~~-- ílio ----,~~fo Antepé Existem cinco metatarsos em cada antepé. Estes ossos longos possuem uma base, um corpo e uma cabeça. Fêmur -:"""";""----I Base Patela ----* __ Metatarsos --i";r:Jt-;ft-~1;-" proximais (rótula) Metatarsos --IH-rl-t-i-l-T- Cabeça Tíbia 1--- Fíbula Falanges ---,.1".-....,.. -;<.,-..,} Falange media I proximai/1 Falanqes - ?( rnedíals / Tarso Falanges Metatarso distais Retropé Os ossos do retropé são os tarsos. Existem setePé pequenos ossos irregulares que se articulam e são mantidos O pé é composto de 26 ossos, dois sesamóides, 38articulações e 107 ligamentos. Sesamóides Dedos - Os ossos dos dedos somam 14 falanges, eos dedos são numerados de 1 a 5. Hálux - duas falanges: 1".falange - proximal 2".falange - distal Cuneiformes: Do 2°. ao 5°. dedo: três falanges: Medial Intermediário ••• ..,~ • .;;.t" lateral 1".falange - proximal Navicular 2".falange-medial a.::::---- Cubóide 3".falange-distal ~~--- Tálus Os sesamóides são dois pequenos ossos existentesna superfície plantar da primeira falange do primeiro Calcâneo ----tmetatarso.
  • 8. próximos através de ligamentos, permitindo a absorção de Apresenta ainda os músculos intrinsecos que sechoques, devido ao peso do corpo e três merecem ser originam e se inserem no próprio pé, como o músculoreferidos: o escafóide, o calcâneo e o astrálago que se extensor curto do hálux e mais 15 pequenos músculos.encaixa em cima dos outros ossos társicos formando a Outro ponto importante no pé é a fáscia plantararticulação do tornozelo ou tibiotársica. que é uma zona de tecido de conexão desde o calcâneo e os metatarsos. O pé é uma estrutura do esqueleto complexa, Fascia Plantar - É uma aponeurose (tecido queresponsável por funções variadas como apoio, equilíbrio, recobre a musculatura) da planta do pé e que se estende doimpulsão, absorção de impacto e postura. Os 26 ossos do pé calcâneo aos dedos.são classificados segundo sua localização, em: . Anteriores - 5 metatársicos e 14 falanges. Medianos - Cubóide, navicular e três cuneiformes(lateral, intermédio, medial). Posteriores - Tálus e calcâneo. Dois sesamóides. AponeuroseBolsa de gordura A bolsa de gordura do calcanhar está localizadadebaixo do calcâneo é o primeiro amortecedor natural docorpo durante a caminhada. Esta bolsa torna-se mais densa efina com a idade. -~~ :~:~.(~ ... Facite Facite Plantar - Inflamação causada por microtraumatismos contínuos, da estrutura que recobre toda a superfície plantar. Está relacionada a distúrbios posturais tais como tendência a pisar para fora (pé cavo), para dentro (pé plano). Ligamentos do pé Um ligamento é uma faixa de tecido fibroso que segura os ossos na articulação.Músculos do pé Os músculos são tecidos de ligação que permitem acontração. Os tendões são tecidos de ligação que estão ligadosao músculo e a outra zona que transmitem a força exercidapelo músculo. O pé apresenta três grupos musculares, quevindo da perna se inserem no pé (músculos extrinsecos),controlando sua ação. Flexor oblíquo do hálux Lombricais I Lig. calcâneofibularFlexor curto Flexor longo Flexor longodo hálux com dos dedos do hálux Circulação / inervaçãosesamóides O suprimento arterial do pé é fornecido Flexor curto dos dedos principalmente pela artéria tibial posterior e tibial anterior. Na planta do pé formam as veias plantares mediais e laterais e no dorso do pé formam as veias safena magna e parva e veias tibiais anteriores. Abdutor do hálux O nervo tibial divide-se em nervo plantar media! e plantar lateral. O nervo plantar medial inerva a pele e os músculos dos outros quatro dedos do pé.
  • 9. Veias Artérias Nervos Nervo ----I Artéria ilíaca -f---,f femoral 1--1-- N. ciática Veia safena --::?..r.,n Veia femoral magna Artéria ---+4-...t.l V. poplítea --~I femoral F--- V. poplítea V. safena ---~ N. tibial parva N. tibial --H i---- V. fibular Artéria poplítea posterior V. tibial ---~ Artéria tibial ---!-I~ anterior V. tibialV. safena ----H,Ll posteriormagna N. plantar lateral Veias }- profundas do pé Artéria dorsal do pé N. plantar media IArcos Plantares O pé plano ou raso, também conhecido como pé Os dois arcos principais do pé são o longitudinal e o chato, mas a denominação mais correta é pé plano valgotransverso. O arco transverso é formado pelos 5 flexível. Carcteriza-se pela diminuição ou queda do arcornetatarsianos. O apoio anormal dos metatarsianos leva longitudinalmedialdo pé.também à formação de calosidadesplantares e à metatarsalgiacrônica. O arco longitudinal é o mais evidente e se estendedesde a base da articulação do hálux até o calcâneo e éformado pelos ossos calcâneo, talo, navicular, primeirocuneiforme e primeiro metatarsiano. Arco transverso Arco metatarsal posterior No pé cavo, o arco longitudinal é muito acentuado. I Há excesso de pressão nas cabeças dos metatarsianos que estão abaixadas,com formação de calosidadese faciteplantar. Arco longitudinal Arco metatarsal anteriorDeformidades do pé Pé equino - Apoio no solo por sua parte anterior, ficando livre o calcâneo. Pé tálus- Apoio no Pé normal- Aquele que possui arco plantar normal, solo pelo calcâneo, ficandodeixando uma pegada com uma tênue conexão entre o elevadasuaporção anterior.calcanhar e a parte frontal, ou seja uma pisada normal oupronada. - - - ~~- -
  • 10. Graus do pé cavo e plano Evolução da marcha do pé normal Pé cavo , 1-. 0, 1° grau 2° gral) 1° grau 2° grau 3° grau 4° grau A 8 81 c DMovimentos articulares Goniometria - Méto- A - Choque do calcanhardo utilizado para medir B e B1-Choque do antepé, dos dedos e do arco externoângulos articulares do corpo. C - Apoio do metatarso D - Desprendimento Evolução da marcha do pé cavoVisão lateral Visão posterior Visão anterior Dorsiflexão - Ocorre no plano sagital entre asextremidades distais da tíbia e da &bulae a superfície articular.Aproximação do pé à face anterior da perna. A 8 81 c D Flexão Plantar - Ocorre no plano sagital entre a Deformidades dos dedostíbia e fíbula distal e a superfície superior do tálus.Distanciamento da ponta do pé da face anterior da perna. Dedo em martelo Dedo em garra total Flexão plantar Dorsiflexão Inversão ou supinação - Ocorre entre o tálus e o Dedo em garra invertida Dedo em garra distalcalcâneo, o tálus e o navicular e o calcâneo e o cubóide.Movimento de rotação cuja planta do pé volta-se para dentro,em direção ao plano mediano. Eversão ou pronação - Ocorre entre o tálus e ocalcâneo, o tálus e o navicular e o calcâneo e o cubóide.Movimento de rotação ruja planta do pé se volta para fora,longe do plano mediano. Halux rígido - Uma forma de artrosis que acomete a articulação metatarsofalângica do primeiro dedo, onde a dorsiflexão ou extensão é limitada e causa dor. Falange distal Falange proximal em semiflexão em extensão 8ursitis Heloma Osteofitosis dorsal subungueal Inversão ou supinação Eversão ou pronação Pé estático - O pé normal repousa sobre umasuperfície óssea. Heloma Sesamóides hipertrofiados Pé dinâmico - MOvllnento dos pés tanto na marcha Artrosiscomo na corrida. metatarsofalângica
  • 11. Fórmulas digitaisHálux VaIgus -Joanete O primeiro metatarso desvia-se para dentro e o háluxpara fora, causand~ uma síndrome de insuficiência doprimeiro raio. Uma deformidade progressiva. Hálux flexor - Hálux desvia-se para baixo. Hálux extensor - Hálux desvia-se para cima. Pé de Morlon ou grego Calosidade Marcha - Uma maneira ou estilo de andar. Bolsa Exostose Ciclo da marcha - Período ou intervalo que ocorre entre o toque inicial do calcanhar e termina quando o mesmo calcanhar volta a ter contato com o chão.Joanete de alfaiate ou pequeno joanete Proeminência da face lateral da cabeça do quintoosso metatarso, muitas vezes associado ao pé pronado.Também conhecido como "joanete de alfaiate".Esporões e exostoses Esporão de Calcâneo - Espécie de espícula, I~excrescência óssea (exostose) anormal que se estende a partirda superfície do osso do calcâneo -lugar onde se origina a faceplantar - também denominado esporão plantar e esporão Fase de apoio e balanço da marchaposterior. Alro;~AfirA Contato Resposta Apoio inicial à carga Apoio Pré- interme- terminal oscilação diário Oscilação Oscilação Oscilação inicial interme- diária terminal Esporão Desvios Posturais póstero-superior A lordose cervical, cifose dorsal, lordose lombar eTendão de aquiles escoliose são desvios posturais. Esses defeitos causam alterações das curvaturas normais da coluna vertebral, Tecido fibroso, composto por colágeno, que conecta tornando-a mais vulnerável as tensões mecânicas e traumas,o músculo ao osso, sendo responsável pela transferência de podendo alterar a marcha causando lesões pédicas.força entre os dois gerando o movimento da articulação. Escolio~e
  • 12. LESÕES CUTÂNEAS " DERMATOLOGICAS Definição São modificações do tegumento cutâneo, determinadas por processos inflamatórios degenerativos, circulatórios, neoplásicos, por distúrbios do metabolismo ou por defeito de formação. Mancha e mácula Vesícula Uma alteração de cor. Coleção de líqui- Podem ser marrons, vermelhas do livre com até 0,5 cm de ou hipopigmentadas. diâmetro (líquen plano, varicela). Bolha Pápula Coleção de líquido livre com Lesão sólida, palpável, mais de 0,5 cm de diâmetro (bolhas em circunscrita, plana ou elevada ou diabéticos, lúpus eritematoso, erupção encurvada de cor variada. medicamentosa). Pústula Coleção de Crosta leucócitos e líquido livre, de Encobre a super- tamanho variável (acne, fície cutânea previamente candidíase, disidrose, lesada. Constitui uma herpes, psoríase, varicela). coleção de soro seco e de restos celulares. Placa Edema Lesão elevada, cir- Acúmulo de cunscrita, palpável, e em geral líquido no interstício. de superfície plana. Pode ser Pele ficalisa e brilhante. descamativa, crostosa, quera- tinizada ou macerada.Nódulo Lesão arredondada, sólida, podendo ser elevada ou, situada na derme. Escamas Finas e estratificadas Lâminas epidér- nucas secas que se despren- dem da superfície cutânea. Vegetação Tinha por dermatófitos, Pápula elevada,de superfície irre- xerose (pele seca). Escamasgular, ocasionalmente sangrante. Pode ser recoberta por em lâminas - descamação (escarlatina nas mãos e pés,superfície queratósica recebendo o nome de lesão verrucosa. síndrome da pele escaldada estafilocócica).
  • 13. Fissura Púrpura Perda linear da Mancha ver-epiderme é der me com melho-violácea, forma-paredes verticais e bem da pelo extravasamentodefinidas (rachaduras das de hemáceas na derme.mãos e pés, intertrigo, ecze-ma da ponta dos dedos). Telangiectasia Atrofia Dilatação dos vasos Atrofia - pele se sanguíneos superficiais adelgaça, se tornando fina, (artérias ou veias de pequeno lisa, translúcida e pregueada calibre), Dilatação da prega (estrias, envelhecimento) ungueal proximal.Úlcera Erosão Perda focal da epiderme e Perda focal.da epiderme. Não deixa cicatriz após aderme. Deixando cicatriz após a cura (candidíase, herpes, simples, pele senil, infecção porcura - (aftas, isquêmica, sífilis (can- dermatófito, eczemas).cro), dermatite por radiação,úlcerasde estase,neoplasias). Escoriação Lesão causada por coçadura e frequentemente são lineares (escabiose, pele seca, prurido, dermatite atópica). GangrenaLiquenificação Uma necrose isquêmica (falta de suprimento Espessamentos da sanguineo, e consequente falta de oxigénio) das extremidadespele com acentuação das (braço, mão, perna, pé) e consequente morte de tecido. Umestrias. Pele induzida por processo necrotizante, e quando ocorre na pele, em geralcoçaduras. envolvea derme, a epiderme e o tecido subcutâneo. Ceratose ou queratose Espessamento superficial da epiderme decorrente da proliferação exclusiva da camada córnea (queratodermias, calos, cravos). UrticáriaCicatriz Uma reação da pele com surgimento de placas elevadas e Reposição do avermelhadas na pele, acom-tecido destruído pela panhadas de muita coceira.proliferação do tecidofibroso. Petéquias Depósito circunscrito de sangue com menos de 0,5 em Comedão de diâmetro (meningococcemia, casculiteleucocitoclástica). Acúmulo de gordura e células córneas dentro do folículo pilossebáceo, provocando o aparecimento de pontos negros principalmente no rosto, costas,peito e ombros.
  • 14. - -- ~~ -_ .•• .,~""4 - --:. . -]-+ - -.~~- OPA s Bolhas de Atrito excessiva protege-se criando uma capa córnea até o ponto de um engrossamento, causando muita dor. Produção de queratina em caso de pressão aguda e incidente formando bolha liquida descolando a epiderme de sua base. Calos / cravos digitais / plantares Calos, Cravos e Calosidades São espessamentos da pele, um acúmulo de queratina (proteína) substância que forma a camada superficial e mais resistente da epiderme. Causas: estímulo, atrito, uso inadequado de calçados, vícios de postura, problemas ortopédicos, obesidade, pressão, produtos quí- mícos, etc. Quando aparecem, podem ser de forma igual ou com rachaduras, por perda da elasticidade da pele. Pode aparecer em um só pé ou nos dois, nos dedos, nas laterais,total ou parcialmente. Manifestam-se mais frequentemente, na face dorsal das articulações interfalângicas distal ou proximal. As saliências ósseas sofrem pressão anormal sobre a pele, provocando traumatismos e a pele frente a uma irritação __-~-----":":""="--------=-----"""
  • 15. o calo tem aspecto circular, espesso e o tecidohiperqueratósico se forma em resposta ao atrito e pressãoexcessivos sobre a pele. Tem bordos definidos e pode-seobservar dentro da lesão um "núcleo". O cravo é um tipo de calo e eles variam de tamanho,localização, forma e consistência. Tem bordos definidos epode-se observar dentro da lesão um "núcleo". Outros tiposde cravos são os inflamados, os vascularizados provocandohemorragia espontânea ou quando se retira a hiperqueratose,Muitas vezes com lúgroma, (bolsa serosa) onde acumulalíquido.Calos miliares Múltiplos calos pequenos pouco dolorosos, de causadesconhecida, geralmente surgem na abóbada plantar e sãoformados pelo espessamento da camada córnea.Calosidades As calosídades diferem dos calos por serem maisextensas. Recebem uma pressão excessiva ou bíomecânicaanormais. Não possuem núcleo e provocam frequentementefissuras na pele. A lesão geralmente é difusa e se localiza naregião plantar, mais precisamente debaixo das cabeças dosmetatarsos e região calcânea.
  • 16. ----::=-- . - ---.--~~..:- .•.. .. - - , I (J . . ". " ~. l)ernnato~coses Infecções Fúngicas Pédicas - Tinha Pedis Manifestações clínicas Tinha Interdigital- Frieira Em mocassin - Caracteriza-se por finas escamas de cor esbranquiçada ou prateada nas áreas dos pés, sem o Caracteriza-se pela presença de lesões descamativas, surgimento de vesículas ou pústulas, Um colar escamoso com esbranquiçadas, de intensidade variável, localizadas nos formato de mocassin ou sandália nas laterais dos pés. espaços interdigitais, podendo estender-se para áreas subdigitais e outros locais dos pés. Seu curso é crônico e pode associar-se ao mau cheiro por contaminação bacteriana. Na forma mais complexa, apresenta exsudato, prurido, fendas e fissuras dolorosas. Dermatoses - Psorlase Doença de pele incurável, não contagiosa, crônica, hiperproliferativa da pele, de causa genética / hereditária e/ ou Seca hiperqueratósica - Apresenta como uma fina emocional. Manifesta-se com a inflamação nas célulasda pele, camada descamativa superficial, muito disseminada. Sua chamadas queratinócitos provocando o aumento exagerado forma é pouco sintomática, leve, crônica e às vezes erosiva. A de sua produção, que vai se acumulando na superfície inspeção cuidadosa revelará muitas lesões policiclicias, formando placas avermelhadas de escamação esbranquiçadas claramente definidas, com bordas escamosas. ou prateadas. Isso em meio a um processo inflamatório e imunológico local. O sistema de defesa local, formado pelos Tinhapedis linfócitos T, é ativado como se a região cutânea tivesse sido Infecção muito comum e está entre as três mais agredida. Em consequência, liberam substâncias mediadoras frequentes de todas as inferrnidades cutâneas do pé. da inflamação, chamadas citocinas que aceleram o ritmo de
  • 17. -- ."," -:-o: ""~ .•• ~-: ~ - J --=------=-~ . :; . ",. - :~. ~ Iproliferação das células da pele. A pele do doente de psoriase produz 35000 novas células a cada dia para cada centímetroquadrado. A duração normal do ciclo celular da pele é de 311 horas, mas se reduz para 36 na pele psoriática. As alterações ungueais por psoríase são: Depressão puntiforme, onicólise, manchas de óleo, hiperceratose subungueal,distorçâo da placa ungueal, hemorragias em estilhaço e paroniquia crônica. As anomalias ungueais apresentam-se em duascategorias: com evolução intermitente e as permanentes.
  • 18. "11""" - -"- ~-- ...• -,--- - ---""";""- ",""" , , ]8 . ",::. Dermatoviroses (Verrugas) As verrugas filiformes podem ser únicas ou múltiplas, semelhantes a dedos e são observadas junto a olhos, A infecção de uma célula pelo vírus - HPV; leva à nariz, boca, barba ou em qualquer outra parte do corpo. produção de proteínas virais que interferem com o crescimento da célula. A multiplicação ocorre no núcleo da célula e podem demorar alguns meses a surgir. As verrugas podem desaparecer após alguns meses, graças à resposta eficazcitotóxica do sistemaimunológico. Verruga vulgar - É o tipo mais. comum e mais clássico. É uma lesão pápulo-vegetante hiperceratósica de tamanho variável.Pode ser única ou múltiplas e predominam no dorso das mãos e pés. Pode surgir ao redor ou sob asunhas. Verrugas em Mosaico - Surgem em grande quantidade e geralmente indicam compromisso imunológico. A verruga em mosoaico por vezes recorrem no mesmo ponto, que dão origem a todas as outras. Pápulas arredondadas múltiplas, ásperas e ceratósicas, podem apresentar sensibilidade à pressão e requerem múltiplas sessões de tratamento. A hiperidrose está associada a uma distribuição mais disseminada. Verrugas Plantares - Tem crescimento endofítico, apresentando-se como lesões planas com halo hiperceratótico sendo conhecido popularmente como "olho de peixe". Frequentemente são muito dolorosas, dificultando a deambulação, apresentando pápulas hiperqueratósicas, pontos negros (vasos trombosados vascularização da Hidrose verruga), ásperas, únicas ou múltiplas com interrupção das Disidrose - Erupção sudoral súbita nas mãos e nos linhas normais da pele. pés com prurido intenso e que ocorre sempre em pessoas instáveis emocionalmente, involuindo em uma ou duas semanas e que são devidas à infiltração sudoral entre as células malpighianas. Fibroma Fibromatose Uma neoplasia benigna de etiologia desconhecida, origina- da da proliferação exagerada de tecido conjuntivo e produção Verrugas Planas - São pápulas planas ligeiramente de grande quantidade salientes, de cor levemente amarelada. São menos comuns e de fibras (fibroblastos) resistentes ao tratamento, podem ser poucas ou numerosas, nos tecidos subcutâ- disseminam-se por coçadura, trauma da pele, auto-inoculação neos. É uma patologia rara que se manifesta por presença de por hábito de depilar as pernas em mulheres e a barba nos nódulos localizados na região plantar e dedos, dolorosos ou homens. não.
  • 19. ,.,~~-- - -=~ - Fibroqueratoma - o Quisto mucóide - Raro transtorno nos dedos, umafibroqueratoma ou fibroce- pequena elevação que se observa debaixo da pele e toma aratoma digital/plantar adquirido aparência de uma pequena bolha na articulação subjacente.representa um crescimento Normalmente não é dolorosa.fibroso a partir da der me.Caracteriza-sepor uma pápula decor da pele, com colareteepidérmico na base. As lesões podem ser verrucosa oupendunculada. São tumores benignos não melanodticos . Fissuras - Espessamentos acompanhados dedesidratação plantar podendo estar associadas ou não afungos causadores de micose plantar. Pele ressecada, áspera,fissuras com sangramento ou não e dor são os principaissinais!sintomas. Queratodermias/ ceratodermias As genodermatoses são conseqüentes a mutações gênicas, uma alteração provocada por etiologia variável (química,física,como RaiosX, UV e vírus). Leis de Herança. Autossômica dominante. Autossômica recessiva. Recessiva ligada ao sexo. Dominante ligada ao sexo. As classificações das queratodermias palmo- plantares baseiam-se principalmente nas características morfológicas, topográficas e alterações sistêmicasassociadas. Quanto à topografia, podem estar restritas às superfícies palmoplantares ou acometer regiões extensoras, Gota - Enfermidade relacionada à elevaçãodo ácido como dorso das mãos e pés, bem como joelho e cotoveloúrico no sangue. O ácido úrico encontrando-se elevado - denominadas transgressivashiperuricemia - precipita-se sob a forma de cristais de urato Com relação à morfologia, podem apresentar-semonossódico ao nível dos tecidos (líquidos)articulares. Pode como difusa, localizada (focal) e puntiforme ouser conseqüência de um excesso alimentar, uso de álcool, punctata.esforço muscular intensivo, ingestão de determinadosmedicamentos (diuréticos, AAS, corticóides), ou de certas Difusa - Carateriza-sepor um espessamento difuso.patologias (insuficiênciarenal, psoríase, cetoacidose diabética, Exibe herança autossômica dominante, com hiperhidrosedepressão emocional,incidente traumático (cirurgia). frequentemente presente e atinge uniformemente toda a superfície das palmas e plantas podendo ser ou não transgressiva. As principais características são hiperhidrose, alterações ungueais, espessamento exagerado, fissuras profundas e dolorosas, odor fétido, cor amarelada, sangramento. Metatarsalgia de Morton - Enfermidade queaparece sob a cabeça do 3°. e 4°. metatársicos cuja principalcaracterística é dor, queimação ou "descarga elétrica", naregião dos pés. Patologia conhecida como Neuroma deMorton. Focal - Inclui as focais e as circunscritas ou pontuadas, caracterizando-se por lesões papulosas ceratósicas. ~ --- --- --------- --- - - --
  • 20. ~,- - . ..... - . "" --. - -. - ..• ~_ ~ _ ><011- Puntiforme OU punctata - Etiologia hereditária e, Poroceratose ou poroqueratose - A poroceratose autossômica dominante. Apresenta pequenas depressões, pontuada são múltiplas e diminutas lesões ceratósicas erosões, perda extrema da camada externa hiperqueratósica na pontuadas envoltas por halo branco elevado e fino, presentes planta dos pés ou artelhos. As lesões tem a aparência de um nas palmas e plantas dos pés. Possui núcleo e se localizam colarinho circular. As bactérias causadoras incluem geralmente debaixo de superfícies que suportam o peso Corinebactéria eMicrococcus Sedentarius. (cabeça dos metatarsos e calcâneo). Podem surgir em outras Pela manhã a aparência é avermelhada, tornando-se regiões do pé (arcolongitudinal). esbranquiçada no decorrer do diapela ação da sudorese. Queratoma Plantar - Lesão hiperqueratósica com núcleo e em geral se localiza nas regiões ou zonas que suportam o peso do corpo e geralmente embaixo de uma cabeça de um metatarso e muito doloroso. Tem aparência de um chifre de carneiro. A ceratodermia palmoplantar pode ser hereditária ou secundária. O padrão hereditário pode ser dominante, recessivo e ligado ao sexo. As formas secundárias de ceratodermia palmoplantar ocorrem principalmente com a sífilis secundária, tinea pedis, infecção pelo vírus da imunodeficiência humana, climatério, psoríase, trauma e neoplasias. Ceratodermia Rara - Ainhum - "Ainhum", termo angolano que significa "serrar" é uma ceratodermia que se caracteriza pela formação de anéis fibrosos geralmente ao redor do quinto dedo. A patologia pode ser unilateral ou bilateral. Atinge todas as raças, sendo mais freqüente no sexo masculino da raça negra. É de crescimento progressivo com edema, dor, odor fétido e material supurativo. Hanseníase - Mal de Hansen, doença infecciosa causada pelo Bacilo de Hansen (M)cobacterium 19prae), agente patógeno que acomete a pele, olhos e nervos das extremidades do corpo. É conhecida como lepra, morféia,
  • 21. mal-de-Lázaro, mal-da-pele ou mal-do-sangue. As lesões Comptodactilia - Ésão chamadas de lepromas ou hansenomas. uma deformidade do "dedo em martelo concêntrico" ou flexão permanente do "dedo em pescoço de cisne", um desvio posicional do segundo dedo, onde este se desvia para baixo do hálux.Anomalias/ malforrnações genéticas Polidactilia - Esta anomalia é o oposto da ausência Defeito congênito em que a pessoa já nasce com a do 5° dedo, ou seja, a pessoa nasce com mais de cinco dedos nodeformidade. A origem destas malformações está classificada pé. Éhereditária.em três estágios: Genético, Embriológica e Fetal. Defeitos nosdedos dos pés são muito freqüentes e variados e dentre elesdestacamos: Sindactilia - É a união de .dois ou mais dedoscontínuos em uma única cobertura cutânea, Clinodactilia - Uma anomalia do 5° dedo do pé, também conhecido como "digiti quinti uarus" ou 5° dedo varo congênito em que o 5° dedo se sobrepõe no 4°. Braquimatatarso - Uma deformidade ondeacontece o encurtamento do quarto metatarsofalângico. Podeocorrer em qualquer outro metatarso, mas no 4° é maiscomum. Pode ser unilateral ou bilateral. Pé fendido ou ectrodactilia - Uma anomalia da porção anterior do pé, onde se observa uma aplasia dos metatarsianos centrais sem os dedos correspondentes. O pé possui uma chanfradura, ou seja, aplainamento que chega até a porção média do pé. . - - -- - - ""!:--~- -
  • 22. ANATOMIA E ONICOPATIAS Raiz da unha Corte para-sagital Prega supra-ungueal Raiz Cartilagem ~.:~:;;:-~-t--Eponíquio Matriz articular ~---i!-- Sulco ungueal Eponiquio ......... ~-..-;~ Lúnula _-.;,;i-~-Corpo da unha Lúnula ,",.~--_---:._..,...- Pregas periungueais Leito "-"----,"""""-Borda livre Corpo da unha Corte sagital• . Matriz da unha Eponíquio Raiz da unha J Corpo da unha 1 Borda livre Corte transversal o ~~~~~ Pregas laterais n.~~S(::-::::::;s~:---Corpo unha da Espaço subungueal Falange distal Leito da unha Camada basal Falange distal Camada granulosa Artérias e nervos Camada córnea Classificação morfológica da unha Normal - A lâmina é firme, rígida, quadrangular, translúcida, espessura entre 0,3 a 0,65 mm, sendo mais espessa na parte distal, com leve curvatura no plano fron- tal, sem presença de patologia subjacente, sem hipertrofia dos tecidos moles e firmemente ancorada. Congênita tipo II - A lâmina é delgada e curva produzindo um solapamento da pele sobre a lateral e Congênita tipo I - A lâmina encontra-se alargada,é extremo distal da unha, inclusive uma flexível e delgada com presença de inflamação periungueal. hipertrofia e/ou hiperqueratose dos Costuma apresentar em criança e, na maioria das vezes a tecidos moles,no extremo distaldesta. afecçãoé reversível.
  • 23. Adquirida tipo I - Morfo- Calo subungueal - Desenvolve-se embaixo dalogia normal com inflamação dos unha podendo produzir-se em qualquer parte do leitotecidos moles periungueais com formando hiperqueratose.exsudato.A inflamação é secundáriaa um traumatismo. Adquirida tipo II - Lâmina encurvada ou angulada a nível frontal (ângulo de 90°). Esta angulação produz uma pressão muito grande sobre as pregas. Coiloníquia - Unha Adquirida tipo III - em colher - Apresenta uma curvaturaOnicocriptose secundária a inversa ao eixo transversal e longi-hipertrofia das pregas c/ tudinal acarretando a concavidade dasestrangulamento sobre a lâmina. unhas de lado a lado com as bordasA patologia se produz em 1°. invertidas, espessamento, amoleci-lugar nos tecidos periungueais, mento, hiperqueratose subunguealpodendo a unha estar também distal e lateral.doente. Baqueteamento - Acropaquia - Dedos Adquirida tipo IV - Lâmina severamente arredondados, aumento da curvatura transversal eencurvada no plano frontal, comumente denominada unha longitudinal, hipertrofia dos tecidos moles, deslocamento daempmça. unha para frente e para trás (mobilidade anormal), dando a Clinicamente apresenta-se sob duas formas: impressão de flutuação. A - Com patologia óssea subjacente - A falangedistal, em decorrência do encurvamento acentuado da unha,sofre alteração modificando seu formato. B - Sem patologia óssea subjacente - Não háalteração da falange Distrofia - Perda da configuração (estado distrófico) original da lâmina ungueal inclusivea sua coloração, podendo a unha interromper seu crescimento.Onicopatias Cromoníquia - Alteração da cor da unha ocasionada pelos fárma- cos ingeridos em trata- mento quimioterápico ou outros fármacos. AnoníquiaAusência de unhas causadacomumente por traumas desapatos e/ou tênis aperta-dos, em caminhadas muitolongas e intermitentes,congênita, genotermatoses,liquen plano, fenômeno de Raynaud. -- - --- - _ - "-s-~
  • 24. Fraturas Ungueais - As fraturas ungueais podem Linhas e ou Sulcos de Beau - Interrupçãoser transversais, longitudinais e oblíquas, ocasionadas por temporária das células germinativas da unha e quando atraumas, anemia, infecções crônicas, déficit de ferro, matriz volta à sua produção normal aparecem os sulcos.exposição a agentes químicos, fungos e traumas repetitivos. Leuconíquia - Alteração na pigmentação da placa Involução Ungueal - Encurvamento da unha ungueal causadas por inúmeros fatores. Tipos: leuconíquiamodificando seu formato. O encurvamento ocorre em relação verdadeira (branco total), subtotal (2/3 da unha é branca),à profundidade do leito nas margens distais, laterais e mediais hereditária, Linha de Mees (transversas), puntiformesda lâmina. (pequenas manchas). Macroníquia / Microníquia - Unhas consideradas demasiadamente grandes ou pequenas em comparação com as outras unhas, geralmente associadas a traumas e origem Hemorragia em genética.estilhaço - São causadas porcoágulos microscópicos quedanificam os pequenos capilares(microembolia) sob as unhas.Causas mais comuns são os trau-matismos. Hematoma - Trauma sofrido na lâmina, Melaloníquia - Refere-sea uma faixamarronou negra dentro da lâmina ungueal que surge da produção de melaninaapresentando hematoma, causando dor e acúmulo de sangue produzidapelosmelanócitosquesefixamna matriz.Comumna raçasob a unha, podendo ocorrer o descolamento ou até mesmo a negra.queda da lâmina. Onicoatrofia - Perda da configuração e coloração da lâmina ungueal, seguida da interrupção do crescimento, redução da largura e comprimento. Hiperqueratose subungueal - Uma anomaliacaracterizada pelo acúmulo de detritos córneos sob a unha.Produz o estrangulamento do leito, altera o formato, acoloração, os tecidos ao redor da unha e causa dor. Onicocauxia - Unha hipertrófica Uma anomalia do espessamento da unha, que aumenta a partir da borda livre e ocorre principalmente no hálux acompanhada de uma cor amarelo/ amarronzada.
  • 25. Onicocriptose Corte incorreto com inflamação e tecido de granulação Afecção podológica da lâmina ungueal, Granuloma - Proliferação carnuda ou esponjosa,caracterizadapela incrustação de um pedaço ou uma ponta de sangrante, na qual existe uma inflamação crônica, podendounha (espícula),nos tecidos macios do dedo. Uma inflamação durar várias semanas ou meses, seguidos de episódiosda prega periungueal podendo estar ou não associada ao inflamatórios agudos e recorrrentes.granuloma piogênico. Síndrome do cromossomo X-frágil- A síndromedo cromos somo X-frágil ou síndrome de Martin-Bell, decausa genética sendo a mais freqüente dentre as síndromes deretardo mental causadas por gene do cromos somo X.Apresenta musculatura amolecida, hipertrofia dos tecidosperiungueais, onicocriptose em todas as unhas e pé achatadodevido à síndrome. Onicocriptose - Evolução de tratamentoCorte incorreto - Causa mais comum o 00 ~ U - ~ - - ~-- ...•
  • 26. -----------r- Caso 4 - Matricectomia com cauterização da matriz. Observa-se o encurvamento na lateral distal esquerda e cicatriz proveniente do corte e da cauterização. Como terapia, removeu-se parte da lâmina, fixou-se dispositivo afastador e fibra de memória. Tratamento paliativo com o uso periódico de fibra. Matricectomia com cauterização da matriz Caso 1 - Não há mais crescimento da lateral da unha. Cresce um filete hiperqueratósico e como tratamento paliativo pode- se reconstituir a unha com resina acrilica. Caso 5 - Matricectomia com cauterização parcial da . matriz. Observa-se o crescimento de uma ponta de unha na lateral direita. Necessita de uma nova cirurgiapara correção. Caso 6 - Matricectomia sem cauterização da matriz. Foi feita a. Caso 2 - A unha não cresce nas laterais. Como tratamento ablaçãoIextirpação da unha por três vezes. Como o paliativo utiliza-se a pasta afastadora e reconstituição com crescimento da unha do hálux é muito lento, houve a perda do resina acrilica. sulco com novos encravamentos, pois a unha não tinha espaço para crescer (unha plana e maior que o espaço do leito). O resultado foi obtido com a Pasta Mastadora de Prega Periungueal e Fibra de Memória, reconstituindo o sulco.Caso 3 - A partir da matriz, a unha cresce encurvada paradentro, acompanhada de um filete hiperqueratósico.Tratamento paliativo com o uso de fibra de memória e pastaafastadora. Onicofose Uma pro- dução anormal de queratina com tecido hiperqueratósico na late- ral da lâmina, agravados pela presença de peque- nos calos endurecidos nos sulcos ungueais e hipertrofia da cutícula, tornando as pregas periungueais mais espessas.
  • 27. Onicogrifose Onicomadese Distrofia que costuma afetar 6 hálux e outros dedos Queda completa das lâminas, decorrente dados pés, onde se observa um exagerado espessamento das separação proxima! da unhas, podendo ser reflexo de umaunhas, em formato de gancho, garra e muito dura. De doença local ou sistêmica.crescimento lento, pode ocorrer fraturas, dor e penetração nostecidos moles Onicornicose Infecção micótica que afeta toda ou parte da lâmina ungueal, causada pelo ataque de fungos dermatófitos ou não, também conhecida como tinha das unhas ou "tinea ttnguium". Achados cutâneos: Onicomicose Distrófica Total (ODT) - Caracterizada por uma evolução de todos os tipos, resultando destruição total das unhas, com produção intensa de hiper- queratose subunguea!, unhas estilhaçadas, descoladas, espes- samento, mudança de coloração e costuma ser de vários anos.Onicólise Separação dista! ou lateral da unha do leito unguea!.A parte separada aparece de cor esbranquiçada ou amarelada,decorrente da presença de ar debaixo da unha e pelo acúmulo Onicomicose Subungueal Distal Lateralde detritos, descamação. (OSDL) - A infecção tem início na borda livre (hiponíquio),Porpsoriase depois na zona dista! do leito, estendendo-se no sentido proxima! até a matriz.Poronicornicoseldiopática ou esculpida Onicornicose Subungueal Proximal (OSP) - Inicia-se no eponíquio por baixo a partir de uma afetação do Ocorre com a separação da unha do leito causada extrato córneo da cutícula, com lesões sob a forma depela excessiva eficiência de eliminar detritos que se acumulam manchas esbranquiçadas na região da lúnula e depoisno espaço subunguea!. invadindo a lâmina no sentido dista!.
  • 28. "I1ll1U111 Onicomicose Branca Paroniquia - Inflamação dos tecidos que circunda Superficial (OBS) ou leuconíquia as unhas, conhecida popularmente como "unheiro" e micótica/ tricofítica - Éinvadida na costuma ser em decorrência de uma infecção causada pela superfície externa da lâmina bactéria stafilococus aureus. ungueal, podendo infectar o leito e hiponíquio. Surgem manchas brancas, erosivas, secas, em forma de pó e unhas quebradiças, podendo invadir e destruir totalmente a unha. Onicomicose por Candida - A invasão da unha pode ser primária ou secundária a uma paroníquia. Apresenta manchas brancas ou amareladas, alterações do brilho e às vezes esverdeadas se há pseudomonas associadas e tendem a descolar. Pterigio - Apresenta aspecto alado (forma de asa) que é a adesão do corpo proximal da unha à matriz. Uma banda fibrótica central fragmenta a unha em duas partes em nível proximal. É a destruição focal da matriz com perda da área da unha. Onicotilomania - Neurose, um ato compulsivo de retirar constantemente as unhas, tendo como conseqüência ,alterações do leito, queda das unhas, hemorragias, paroníquia crônica, podendo a vir formar um pterígio. Sindrome das Unhas Amarelas Onicorrexe - Fis- suras e/ou sulcos longitu- dinais da lâmina que se estendem desde a base da unha até sua extremidade Sindrome das Unhas livre. Geralmete causados Frágeis - SUF - A síndrome das por desnutrição protéico- unhas frágeis (distrofia lamelar) é calórico, psoríase e trauma- queixa comum caracterizada por tismos. aumento da fragilidade das lâminas ungueais. Clinicamente se Paquioniquia - manifesta com onicosquizia Afecção rara, uma geno- (borda da unha fragmentada) e dermatose na qual aparece onicorrexe (fissuraslongitudinais) uma hipertrofia das unhas e é caracterizada pela diminuição com hiperqueratose do da resistência ungueal. As leito e do hiponíquio. manifestações mais usuais são a Doença de herança autos- descamação lamelar da borda livre sômica dominante e em e alteração da espessura da lâmina alguns casos recessiva. ungueal.
  • 29. Traumas Ungueais - São lesões sofridas pelas Unha Dobrada - Esta deformidade remodela aunhas, mais precisamente na matriz, causadas por queda de matriz da unha e é causada pela pressão do sapato durante umobjetos, topadas, pisadas, futebol, caminhada intermitente, longo período de tempo. Um ou ambos os bordos se dobrametc., podendo causar a morte de células matriciais deformando em um ângulo de 90°.a unha. Unha em Trompete - Caracteriza-se pelo encur- vamento exagerado da unha de lado a lado. A unha vai encurvando para dentro até a parte distal, Traquioníquia - Unha rugosa - Apresenta super-fície rugosa, áspera, acinzeritada, com aspecto de que forampolidas com areia. Unhas Postiças - Elas são fixadas nas unhas com um adesivo específico. Sua utilidade é limitada e as lesões, desencadeiam a queda das unhas, onicólise, lesão na super- fície, infecção fúngica, bacteriana e pode alterar o formato da lúnula .. Tungíase - Bicho-de-pé (Tunga Penetrans) -Uma espécie de pulga que penetra na pele, geralmente nos pés.Identifica-se como um ponto escuro e ao redor sinais de Unha Torta - Caracte-eritema. Causa muita coceira e exibe lesão dermatológica. riza-se pela deformidade da falan-Encontrada em locais arenosos, currais, locais com ge distal, de causa genética. Nesteexcremento de gatos e cães. Causa muita coceira e exibe lesão caso, o paciente deve serdermatológica. encaminhado ao médico para um diagnóstico mais preciso, através de radiografia da falange. Reconstituição e correção da unha com resina acrilica - Procedimento de recuperação temporária da lâmina ungueal, com a finalidade de reparar a perda parcial ou total da unha.Tumores ungueais Fibroceratoma da unídade ungueal - Sãodescritos como dermatofibromas e podem surgir em qualquerlugar dentro da unidade ungueal ou sob a prega ungueal egeralmente são esféricos. - _._-- - - ~ ~~---
  • 30. . ~~ ..- ,,"r;":~"; < ~. ~-::~ . . AFECCOES UNGUEAISNAS DOENCAS SISTÊMICAS A função primordial das unhas é a proteção. As doenças ungueais podem estar associadas a várias doenças de pele e/oudoenças sistêmicas ou ocorrer após trauma externo ou ser efeito adverso a uma medicação. As alterações ungueais podem ocorrerdevido às anormalidades da matriz ou vasculares. As anormalidades que fazem parte desse enigma e, que estão presentes, noaparelho ungueal são úteis como meio de diagnóstico das doenças sistêmicas.Neste trabalho, revemos nas unhas os sinais maiscomuns, que podem auxiliar-nosno diagnóstico de doenças sistêmicas.Unhas em vidro de relógio - Acropaquia Doença de Darier As unhas em vidro de relógio (unhas em baqueta, Conhecido comobico de papagaio) podem ser familiares, idiopáticas e "Ceratose Folicular". É uma de-adquiridas. Em geral, a forma adquirida é o resultado de sordem genética rara genoder-patologias pulmonares, cardíacas, hepáticas ou matose) autossômica dominan-gastrointestinais. É definido como hiperplasia do tecido te, que se caracteriza por umafibrovascular,com uma mobilidade anormal da base da unha alteração de queratinização. Seque pode deslocar-se para frente e para trás, dando a agravano verão devido ao calor eimpressão que flutua. umidade e exposição à luz solar. No hiponíquio, podem se observar pápulas hiperqueratósicas subungueais, hiperplasia epitelialdo leito ungueal,leuconíquia total da unha. Unhas de Terry ou Leuconíquia Aparente (Meio-a-Meio) É provavelmente devido à diminuição da vascularização e aumento doSindrome Das Unhas Amarelas tecido conectivo no leito ungueal. Ocorre geralmente Afecção rara e em situações de insuficiênciaacredita-se que seja uma hepática, renal, cirrose, dia-anomalia linfática, falha no betes, insuficiência cardíacasistema imune e derrame congestiva, hipertireoidisrno e/ou desnutrição. Se apresentapleural. Os achados na cor normal na parte distal e branca na parte proximal.principais são alteraçõesdistróficas, coloraçãoamarelada e as mudanças das unhas vão do amarelo Traquioníquia - Unhasesverdeado até o marrom. Rugosas Superfície rugosa,Doença de Raynaud áspera, acinzentada em todo o É uma condição que afeta o fluxo sanguíneo nas corpo da unha. Tem-se aextremidades do corpo humano, mãos, pés, dedos, mas a sensação de que as unhaspatogenia exata é desconhecida. Observa-se primeiramente foram polidas com areia. Estáuma coloração branca (vasoespasmo arteriolar digital), associada com psoríase, líquenseguida por uma cor azulada e por último vermelha plano, e com a alopéciaareata.(hiperernia). É uma moléstia funcional, que surge empacientes hipersensíveisao frio ou por estresse emocional. Linhas Duplas Brancas de Muehreke São bandas esbran- quiçadas, paralelas à lúnula, no leito ungueal, com uma coloração rosada entre as duas linhas brancas. Estão associadas a hipo albu- minemia e podem ser invertidas com infusão de albumina.
  • 31. Coiloníquia (Unhas em forma de colher) Pterigio Ocorre uma curvatura inversa ao eixo transversal e É a adesão do corpo proximal da unha à matriz. Alongitudinal, côncavas de lado a lado com as bordas invertidas, formação do pterígio é precedida por um processopodendo estar amolecidas. Corresponde à deficiência de ferro inflamatório destrutivo. O sulco ungueal sofre fusão com o(anemia), desordens cardiovasculares, infecções fúngicas, leito ungueal subjacente. Desenvolve-se, com mais freqüência,doença da artéria coronária, distúrbios endócrinos, diabetes nos traumatismos, no líquen plano e suas variantes. Como amellitus, deficiência vitamínica, Fenômeno de Raynaud, lâmina não é mais produzida no local, a prega unguealisquemia periférica, psoriase e outras dermatites. proximal adere, diretamente ao leito e ambos crescem, distalmente. Isto produz o aspecto de "asa". Pterigio ventral (ou inverso ungueal) - Ocorre na superfície inferior distal da unha em que o hiponíquio permanece aderido na porção correspondente da unha. As causas incluem o lúpus eritematoso, líquen plano, causas infecciosas, traumatismos, neuropatia periférica, Fenômeno de Raynaud, podendo ser congênita. Pterígio dorsal - Esta deformidade tem lugar na parte superior da unha, quando o eponíquio (cutícula) se adere de maneira irregular à unha. Em casos graves, a cutícula sePitting ungueal adere à matriz provocando a ruptura e perda da unha. Psoríase nas unhas produz uma variedade demudanças na aparência dos dedos e as unhas do pé. Estasalterações incluem descoloração sob a placa ungueal, pittingdas unhas, espessamento da pele debaixo da unha, e oafrouxamento (onicólise) e desintegração da unha.Linhas de Beau São ocasionadas pela interrupção temporana decélulas germinativas da unha. Quando a matriz volta à suaprodução normal aparece o sulco. As causas mais comuns são Onicomadeseas enfermidades sistêmicas, as febres altas, as feridas Queda do corpo da unha que poderá ser causada porgeneralizadas, os processos cirúrgicos, sarampo, pneumonia, diversos fatores. As doenças bolhosas, paroníquia,trombose. dermatoses generalizadas, psoríase postulosa, líquen plano, Necrose Epidérmica Tóxica, pequenas lesões na matriz, enfermidades sistêmicas e traumatismos são as causas mais evidentes.Leuconíquia verdadeira As unhas se apresentam com um branco leitosototal da placa ungueal. O descoramento esbranquiçado é Paquioníquia congênitaatribuivel a uma disfunção da matriz e pode ser constatada em É uma genodermatose rara na qual aparece umadiversas modalidades: hereditária, denominada "leuconiquia hipertrofia das unhas e, em alguns casos, associada comtotal". É uma forma rara, na qual todas as unhas estãoatingidas. hiperqueratose do leito ungueal e do hiponíquio. É muito rara e, em geral, é herança autossômica dominante, mas há casos comprovados de autossômica recessiva.
  • 32. TERAPIAS CO TIVAS DAS UNHASCorte das unhas Corte correto é aquele feito nas unhas sem deixar nenhum gancho, nenhuma ponta que possa penetrar nos tecidoscircundantes da lâmina e ainda seguir a anatomia do dedo e formato da unha. Há unhas com diversos formatos e deformidades asmais variadas, às quais devem ser analisadas para depois se efetuar o corte.Deslaminação Procedimento que consiste em reduzir o espessamento da lâmina ungueal com brocas e/ou fresas, objetivando oafinamento desta, seguido da remoção dos detritos córneos subungueais.
  • 33. Pasta Afastadora de Prega Periungueal- PAPP Dispositivo em forma de pequenos filetes, emtamanhos e espessuras variadas, que é fixado nos sulcos ungueaise subungueais, para aliviar a pressão lateral dos tecidos molessobre as unhas, abrir espaço para o crescimento normal daslâminas, (e quando da aplicação de onicoórtese), recuperar osulcoungueal perdido por cortes incorretos e/ ou matricectomiasmal sucedidas e evitar que a espícula lese os tecidos molesperiungueais.FMM - Fibra de Memória Molecular Dispositivo que se fixa na lâmina ungueal, para corrigir ou adequar esta estrutura com o objetivo de se chegar o maispróximo possível do formato normal. Esta técnica é a melhor opção para o tratamento corretivo de unhas com deformidades noseu formato, modificando a sua curvatura e eliminando a dor. A técnica pode ser aplicada conjuntamente com o dispositivoMastador de Pregas Periungueais - PAPP.Elástico ortodôntico Mola Flexível Material emborrachado e elástico, encontrado no Material flexível,ancorado nos botões ortodônticos,formato redondo e em corrente, ancorados nos botões na correção de unhas deformadas.ortodônticos quando da correção de unhas deformadas. -- ..:. ~ - - - -- - ~ -- - - -,-
  • 34. BIOSSEGURANCA Autoclave/ estufa - Equipamentos para importância em ambientes hospitalares, clinicas eesterilizaçãode instrumentais. consultórios, devido à facilidade de transmissão de um indivíduo para outro. A microbiota residente é composta por microrganismos que vivem e se multiplicamnas camadasmais profundas da pele, glândulas sebáceas, folículos pilosos, feridas, etc., e são viáveis por longo período de tempo. Os microrganismos dessa flora não são facilmente removidos, entretanto, podem ser inativados por antissépticos. Nas mãos, os microrganismos localizam-se em maior quantidade em torno e sob asunhas. Degermação / Lavagem das mãos - Remoção mecânica das impurezas da pele, do profissional da área de saúde, através da fricção ou escovação com água, e soluções Papel grau cirúrgico - Material para guarda de germicidas denominadas antissépticos, objetivando a reduçãoinstrumentais esterilizados. da microbiota transitória. Técnica de lavagem das mãos: ~ ~l,_l h••.;.....---~.•• I , _;,·· Caixa de expurgo - Material para guarda deinstrumentais cortantes. Seladora - Equipamento para fechamento deembalagem. Equipamentos de Proteção Individual-EPIs-Peças de proteção pessoal.Microbiota da Pele A pele possui dois tipos de microbiota: a transitóriae a residente. A microbiota transitória compreende osmicrorganismos adquiridos por contato direto com o meioambiente, contaminam a pele temporariamente e não sãoconsiderados colonizantes. No entanto, adquirem particular
  • 35. EQUIPAM/ENTOS9 lNSTRUMlffiNTA]S ]E ACESSÓlliOS Micromotor - Aparelho elétrico constituido de um pequeno motor de baixa rotação onde são acoplados os mandris, brocas e fresas. Composto de pedal eletrônico, caneta fixaautomática e suporte. H--Reflelor de luz Cadeira podológica Instrumentais - São peças ou artigos de açoinoxidável,emborrachados ou plásticos, de diversos formatose tamanhos, usados nos procedimentos podológicos, para Nucleares - Instrumentais usados para corte detratamento daspatologiasdos pés. espículas. Kit podológico - Conjunto de peças utilizadas no Gúbias - Instrumentais apresentando um sulco emprocedimento de podopatias e onicopatias. O profissional formato de calha,usados nos sulcos ungueais para limpeza depode montar seu kit de acordo com o procedimento a ser detritos córneos.adotado. Cabos de Bis- turis Instrumentais de tamanho e formatos diferentes (achatados, Alicates - Instrumentais utilizados no corte de arredondados) onde seunhas e remoção de cutículas.Ponta reta e curva acopla a lâmina descartável em uma de suaspontas. Tesouras Instrumentais cortantes de tamanhos e formatos variados apresentando pontas [mas, arredondadas ou encurvadas. .-------------- ---- ~--- ~ . -- -- - - --- - -- - - -- ..,-~--
  • 36. Lâminas de s- Enucleadora - Peça de forma arredondada e cartáveis - Peças de aço vazada em ur.na das pontas, cortante, encontrada nos com corte afiado, en- tamanhos pequena, média e grande, usadas na enucleação de contradas sob diversas cravos plantares. nur.nerações(10,15,20,21, Estilete lecron - Instrumental sem corte, 22, 24), utilizadas para apresenta o formato de uma foice em uma das pontas e na remoção de calos, calosida- outra, ur.nformato redondo e encurvado usado para afastar a des, cravos plantares, prega ungueal e remoção de detritos. digitaise corte de espículas. Pinças - Instrumentais de diversos formatos, compontas apresentando ranhuras ou não e usados para remoçãode espículas,prender gaze, algodão, etc. Espátula - Instrumental apresentando uma ponta achatada, com diversas utilidades. Golfinho - Instrumental sem fio, cuja ponta se Afastador deparece com ur.nafoice, utilizado para remover a pele macerada dedos - Peça utilizada paranos interdígitos. fixar entre os dedos promovendo o seu afastamento. Cureta - Peça com uma cavidade arredondada emuma das pontas, utilizada para remoção de detritos córneos Palito inox - Peça com pontas finas, sendo ur.nalisaperiungueais e subungueais. e a outra em forma de parafuso. Fixador de gaze tubular - Peça utilizada para aplicação de gaze tubular. Calcador de Fibra de Memória Molecular(FMM) - Instrumental utilizado para fixação de FMM, comuma das pontas levemente encurvada e na outra ranhuras desustentação da fibra.. Botões ortodônticos - Pequenas peças arredondadas, onde são ancorados o elástico ortodôntico ou mola flexível,na correção da lâmina. Lupa - Peça plástica possuindo lente de aumento em várias graduações, utilizada para observar e diagnosticar podopatias, no exame clínico.
  • 37. Pote dapen - Peça Laserterapia na podologia - O "soft laser" é um de silicone ou de vidro, utili- equipamento de baixa potência, utilizando-se uma terapia zado para manipulação de denominada Terapia Fotodinâmica e não traz nenhum substâncias líquidas e em pó. desconforto. Acelera o processo de mitose das células promovendo o equilíbrio da fisiologia celular, estimulando a desinflamação, cicatrização, a formação de hiperqueratose e também a redução da dor. É aplicado na cicatrização de Fibra de Memória Molecular (FMM) - Dispo- feridas, inflamações decorrentes de unhas encravadas, frieira esitivo de tamanho, espessura e formatos variados (retangular, no tratamento de onicomicose. Não pode ser usado emoval, em T e em tiras) que se fixa sobre a unha, objetivando a pessoas cardíacas, que possuem tumores malignos, idadecorreção da curvatura da lâmina com deformidades. avançada, condições físicas precárias, doenças grave. É Almotolías - Frascos com sprqy, de plástico, para terapêutico e não cirúrgico. O equipamento pode sercolocação de emolientes, loções antissépticas, álcool, água, etc. adquirido com uma ponta (vermelho) ou duas pontas (infra e vermelho). Materiais ortésicos - São aqueles utilizados eaplicados na correção de deformidades das unhas. Bandagem Coban - Atadura auto-aderente, para fixação de curativos e que não necessita de fitas ou clipspara se manter fixa. Micropore - Atadura auto-aderente para fixação de curativos. Cimento cirúrgico líquido e Paquímetro/ gabarito ungueal- Instrumental de em pó - Subs-plástico ou aço utilizado para medir a largura e comprimento tâncias utilizadasdas unhas. como curativo em unhas com proces- so inflamatório. Alginato de cálcio - Curativo estéril, altamente absorvente, aplicado em feridas favorecendo a cicatrização em formato de rolo ou placa. Gase tubular Material elástico ou não para Monômero e polimetro (liquido e pó) cobertura de feridas.Substâncias químicas, que misturadas são utilizadas nareconstituição de unhas. _~- -- ----------- -------------------------~~~~~~~~~~~~ - .ir - - -- - -------- _... -- - --- .••..
  • 38. • Brocas e fresas - São pequenas peças com pontas Pasta Mastadora de Prega Periungueal - esféricas, cilíndricas, cônicas, denteadas, quadradas, com Dispositivo, em filetes flexíveis, utilizado nos sulcos ungueias várias espessuras, de Tugstênio e/ou Diamantadas, para e subungueais com a finalidade de afastar os tecidos serem acopladas na caneta do micromotor. periungueais e aliviar a pressão exercida por estes tecidos. Fresas Tugstênio - Possuem cortes para a direita e para esquerda, com formato arredondado e cilíndrico, de maior durabilidade, usadas para limpeza e deslaminação de unhas muito espessas. Monofilamento - Filamento com diversas gramaturas e utilizado para medir a sensibilidade dos pés de pacientes diabéticos com queixas de dormência e câimbras. As gramaturas mais usadas são o de 04 g (fino) e o de 10 g (mais Brocas grosso). diamantadas - Peças de vários formatos e Pé direito tamanhos, de menor durabilidade e custo menos elevado, usadas para deslaminação de unhas muito espessas. Glicosímetro - Aparelho para medir a concentração de glicose no Mandril - Peça de aço sangue. utilizada para fixação de lixas grana e é acoplado no micromotor. Lixa grana - Peças arredondadas, possuindo várias granulações, recebendo cada uma delas numeração diferenciada. Quanto mais alta a numeração mais fina é a Porta-gase granulação. tubular - Peça inox par;:t guarda de gaze tubular. Microbrusch - Peças plásticas com ponta de fibra." resistente à abrasão, sendo capazes de transportar soluções de até 1/8 de gota sem gotejar. Usado para aplicação de ácido em verrugas e/ ou áreas de difícil acesso. Gutta Percha - Dispositivo com várias gramaturas 40, 45, 50 55, etc., e são aplicados nos sulcos ungueais e subungueais, objetivando o afastamento e alívio destes tecidos. Dedeira - Mate- rial emborrachado para proteger e impedir a entrada de água no curativo.
  • 39. Cubeta - Material emborrachado em formato de Fotopolimerizador -uma concha onde se faz a mistura de gesso/geltrate (pó/pó Sonda de alta eficiência comelástico),quando da tiragemdo molde dos artelhos. acoplamento óptico, usada após Éster de cianocrilato - Cola utilizada para fixar colocação da mistura debotões ortodônticos, FMM e Pasta Afastadora. Encontra-se monômero e polímerona forma líquidaou em gel, frasco ou tubo. (colaadesivatipo (líquido/pó), na reconstituiçãodeSuperBond). unhas. Siliconejcatalizador - Material em pasta, macio utilizadona confecçãode órtese protetora. Gesso (pó) j geltrate (pó elástico) que são Filme PVC - Material de PVC, transparente,misturados com água na cubeta para formar uma pasta utilizadopara envolveros pés após hidratação.consistentee obter-se o molde de gesso dos artelhos. <lMSSj~~1.<f*0)EJ~~1it~~ ~~A:]j, mE~~@@ M l!!EJlPP.>J::N~1 E H·Jl~QilJt:J~I~S mM(lII({)NiJP.0~À S1.;ÚIDE em J~ Mecções das unhas L60 Onicodistrofia L60.3 Mecções das unhas não especificadas L60.9 Onicofose L60.3 Atrofia de unha congênita Q84.6 Onicólise L60.3 Calosidades e calos 1.84 Oniquia L03.0 Ceratose paImoplantar Q82.8 Óníquia dermatofítíca Q84.6 Distrofia ungueal L60.3 Onicomalácia L60.3 Linhas de Beau L60.4 Oniquia com linfangite L03.0 Onicogrifose L60.8 Onicorrexe L60.3 Onicodistrofia congênita Q84.6 Onicosquise L60.3 Onicólise L60.1 Onicofagia F98.8 Onicomadese L60.8 Paroniquia com cândida B37.2 Onicocauxe L60 Psoriase nas unhas IAO.86 Onicoptose L60.8 Síndrome das unhas amarelas L60.5 Onicocriptose L60.0 Verruga B07 Oniquia L03.0 Outras afecções das unhas L60.8·Nos demais livros da autora contém mais detalhes sobre as doenças pédicas. -- ---- - ------=-- -- ~ -- -~ .;--- -
  • 40. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARMONA, Francisco Javier Garcia, MORATO, Diana Fernández. Tratamiento Quirurgico de Ia Onicocriptosis. Libros Princeps Biblioteca Aula Medica Ediciones. Madrid, Espanha. CARMONA, Francisco Javier Garcia, MORATO, Diana Fernández. Guia Clínica para El Tratamiento de Ias Micosis em el Pie. Madrid, Ed. Rayda, S.L. 2003 CHRlSTOPHERS E, Sterry W, Schubert Ch, Brauer H. Elementa Dermatologica - Atlas Ilustrado de Morfologia e Fisiopatologia da Pele. Ed. Casella-Riedel Pharma, Frankfurt, Hoechst do Brasil, 1994. CM Lawrence, NH CoxoDiagnóstico Clínico em Dermatologia - Atlas Colorido e Texto Ed Artes Médicas Ltda, 1995. GARDNER E, Gray DJ, ORahilly R. Anatomia. Estudo Regional do Corpo Humano. 4 ed. RioI de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988. Hoppenfeld, S. Exame do Pé e Tornozelo. Propedêutica Ortopédica. Coluna e Extremidades.I Rio de Janeiro: Atheneu, 1987 pp. 207-247. KORTING, GW Dermatologia Clínica Ilustrada - Ed. Manole, 1988. E R, MARQUES AP. Ângulos articulares dos membros inferiores. In: Manual de Goniometria. 2" Ed. SãoPaulo: Manole; 2003. p.41-47. MAGEE DJ. Perna, Tornozelo e Pé ln: Magee, DJ, editor. Disfunção Musculoesquelética. 3" Ed. São Paulo: Manole; 2002. p.621-695. MARTINEZ, FC, Conejo-Mir JS, Resinas MO, Ainhum y queratodermia tipo Brauer-Buschke- Fischer. Actas Dermosifiliogr 1982;73: 105, 10 Palmer, LM~;Epler, ME. Tornozelo e Pé: ln: Palmer, LM.; Epler, ME. RABELO, FE. Nomenclatura dermatológica. Rio de Janeiro, 1980:144-7. RUGGERO, Tagliavini, Novo Atlas Prático de Dermatologia e Venereologia - - Ed. Santos - 1995 SALAMON, T, Stolié V, Lazovié-Tepavac 0, Bosnjak. Peculiar fmdings in a family with keratodermia palmo-plantaris papulosa Buschke-Fischer-Brauer, Hum Genet 1982;60: 314-9. SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia. 20ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1993 THOMAS, P. Habiff, James L. Campsell Jr. Doenças da Pele - Diagnóstico e Tratamento. Ed. Artrned, 2002. VALENTE, Valenti. Ortesis Del Pie. Editora Médica Panamericana. VOZMEDIANO JMF, Villar JL. Queratodermia papulo-verrucoide tipo Brauer, Buschke-Fischer. Med Cutlber LatAm 1983;12:125-8. WH1TE, CoxoDoenças da Pele, Atlas Colorido. Ed. Manole, 2003. ZANINl M Y cols. Ceratodermia palmo-plantar de Buschke-Fischer-Brauer Hiperotoceratose e acantose. Ausência de alterações dérmicas (H-E x20).