A contribuição de Pierre Bourdieu nos estudos organizacionais

718 visualizações

Publicada em

Analisa as citações ao trabalho de Bourdieu nas pesquisas em organização de empresas.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
718
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A contribuição de Pierre Bourdieu nos estudos organizacionais

  1. 1. A contribuição de Bourdieu aula 6 Doutoranda Diólia de Carvalho Graziano Trabalho para a disciplina Teorias Organizacionais Profa. Dra. Maria Luisa Mendes Teixeira UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
  2. 2. MOS Management and Organization Studies Bourdieu influenciou os conceitos populares de MOS como campo organizacional, habitus, campo e capital. No curso da chamada ‘virada prática’ nas ciências sociais, pesquisadores organizacionais começaram a ver as organizações através de uma ‘lente prática’ e a aplicar os trabalhos de Bourdieu, em por exemplo: estratégia de comunidade de pratica, aprendizagem organizacional, a nova teoria institucional (NIT), e pesquisa em trabalho institucional. Alguns pesquisadores criticaram: as ideias de Bourdieu foram descontextualizados da lógica interna do seu trabalho e que alguns conceitos-chave foram pouco reconhecidos: os estudiosos tendem a separar tríade teórica de Bourdieu (campo, de capitais e hábito nós), ignorando assim a sua lógica interna. “A teoria de Bourdieu é mais do que a soma de suas partes e por isso o potencial da teoria não se concretizou na prática americana, mesmo que algumas das partes tenham sido adotadas“ (p. 2). Exemplo: pesquisadores citando Giddens (1984) referem-se a sua ideia de ‘estruturação’ semm a aplicação de todas as reivindicações e pressupostos da teoria da estruturação do conhecimento. A análise dos conceitos aplicados ajuda a entender quais partes do trabalho de Bourdieu são (des) conhecidas por estudiosos de gestão e organização. Nem todas as citações são de igual importância para a lógica de um artigo. Por exemplo, algumas citações não são realmente necessárias, mas têm a função de reconhecer o trabalho anterior. Da mesma forma, citações cerimoniosas, que indicam que os estudiosos não se envolveram substancialmente, mas simplesmente reconheceram o seu impacto. É importante avaliar a profundidade de discussão da obra de Bourdieu pelos estudiosos em gestão e organização. Contribuições potenciais de aspectos até agora, negligenciadas do trabalho de Bourdieu para MOS em micro- fundamento do NIT e reflexão da prática acadêmica. De que forma a obra de Bourdieu fornece novos insights para teorias e conversas em MOS?
  3. 3. Métodos Para analisar a aplicação do trabalho de Bourdieu em MOS: análise de conteúdo de artigos incluindo referências à obra de Bourdieu. No entanto, porque eu só estou interessado no contexto específico em que Bourdieu é citado, optei por realizar uma "análise do contexto da citação" pois permite analisar em maior detalhe as reivindicações de uma teoria do conhecimento citada; Ao contrário de uma análise de conteúdo de um artigo inteiro, uma análise do contexto da citação analisa apenas as partes no artigo que contem citações ao trabalho sob investigação. Amostra: A análise do contexto da citação começou com uma pesquisa de citações de obras de Pierre Bourdieu usando o Social Science Citation Index ao recolher artigos na área de MOS citando Bourdieu, em nove revistas de maior prestígio em MOS, em dois continentes para obter uma visão global da aplicação do trabalho de Bourdieu em MOS. Análise: Tabela de codificação para analisar os artigos no que diz respeito às áreas de investigação, quais os conceitos da obra de Bourdieu são aplicadas por estudiosos de gestão e organização, como campo, capital, habitus e doxa (aquilo sobre o que todos estão de acordo), que estão em relação uns com os outros, mas que também pode ser aplicado separadamente. Para estabelece-los releitura dos quatro dos principais livros de Bourdieu (Esboço de uma teoria da prática, Distinção, A lógica da prática e Um convite para sociologia reflexiva) p/ extração de conceitos. Esta lista de conceitos foi ajustada se um conceito não listado foi citado. Para identificar o conceito citado, Olhei para o contexto da citação para qualquer referência direta a um conceito de Bourdieu. Na sequencia a análise do artigo e das citações e classificação como “limitado”, “intermediário” e “global” o envolvimento dos acadêmicos com Bourdieu. (Apêndice)
  4. 4. Achados 1ª pergunta da pesquisa: Evolução das citações de Bourdieu ao longo do tempo: gráfico. Maior aumento na Europa. (Journals europeus mais propensos a aceitar o paper com Bourdieu) 2ª pergunta pesquisa: Que conteúdo de Bourdieu é citado pelo pesquisador de MOS p verificar aplicação fragmentada do trabalho de Bourdieu. Tabela 1 apresenta os oito conceitos mais citados, juntamente com o número de vezes que cada foi citado junto com uma citação exemplo. ‘Capital' é de longe conceito mais frequentemente citado de Bourdieu, com 92 (19,3%) citações. Capital social (70 citações; 47,2%) é de longe a forma mais utilizada de capitais, seguido por cultural (27; 18,2%), simbólico (26; 17,6%) e capital econômico (19; 12,8%). Além disso, seis citações (4,1%) referem- se a outras formas de capital, tais como capital político e acadêmico, e em mais cinco artigos (3,4%), nenhuma forma específica de capital é citado. Além do conceito de capital, os estudiosos mais frequentemente referem-se a dois outros principais conceitos de Bourdieu, "habitus" (66 citações; 13,9%) e "campo" (64; 13,4%). Os três conceitos de capital, habitus e campo combinado cover 221 contextos de citação, que representam 46,6% do total de 476 contextos de citação. Os dois outros conceitos que os autores se referem, pelo menos, 20 vezes foram o conceito de «práticas sociais" (29; 6,1%) e a tentativa de Bourdieu para superar a "dualidade de estrutura e agência” (23; 4,8%). As próximas três categorias mais citados são os seguintes:"teoria da prática" (18; 3,8%), "lógica da prática" (13; 2,7%), e "poder" (11; 2,3%). Estes números revelam que a maioria dos trabalhos em MOS citando Bourdieu se concentrar em sua tríade teórica - habitus, campo e de capital - e quase negligencia outras contribuições importantes, como o seu conceito do corpo humano, lógicas de campo, a histerese e doxa. 3ª pergunta da pesquisa: A profundidade da discussão dos acadêmicos em relação ao trabalho de Bourdieu (Fig 2). a profundidade de citações tem aumentado ao longo dos anos. Embora a análise fornece insights sobre a profundidade de citações à obra de Bourdieu, não revela se há diferenças na profundidade da citação que diz respeito aos conceitos citados.
  5. 5. Discussão Entre os anos de 2000 e 2004 citar Bourdieu poderia ter se tornado um '' fashion '' no campo da MOS. A difusão de modas - ele se refere às chamadas modas em gestão - é caracterizada por uma curva de sino: um rápido aumento do número de aplicações é seguida por uma queda rápida. O autor não defende a modo do sino para Bourdieu, para ele o aumento é linear. Há poucos estudos semelhantes de citações para outros teóricos é difícil comparar a influência de Bourdieu no campo da MOS com a de outros teóricos. Comparado com Max Weber no mesmo período, a influência de Bourdieu é menos. Sobre conteúdo de Bourdieu citado em MOS: a impressão de que MOS pesquisadores tendem a igualar Bourdieu com o capital, habitus e de campo, apesar de sua teoria é muito mais amplo. No entanto, a grande falta de atenção a outros conceitos de Bourdieu não é um peculiaridade de investigadores MOS; Sallaz e Zavisca (2007) estudar sobre a recepção de Bourdieu na América do Norte sociologia também descobriu que o capital, habitus e campo de cobertura quase 60% das citações ao trabalho de Bourdieu. A constatação de uma grande falta de atenção aos conceitos que não sejam os "três grandes" (ou seja, capital, e habitus campo). Estudiosos em MOS renunciam a chance de liberar todo o potencial de Bourdieu. Sobre a abrangência das citações à Bourdieu: ao longo do tempo, os pesquisadores de gestão e organização estão envolvidos mais profundamente com conceitos de Bourdieu. Considerando as citações na década de 1980 eram em sua maioria limitada, há um uso mais abrangente da obra de Bourdieu na década de 2000, que corresponde resultados de citações para a obra de Max Weber. O novo conceito institucionalista de campos organizacionais, de DiMaggio e Powell (1983) foi inspirado por Bourdieu (Emirbayer & Johnson, 2008; Greenwood & Meyer, 2008 ). Por isso, os estudiosos institucionais frequentemente aplicam o conceito de campo de Bourdieu (ver, por exemplo, Battilana, 2006;. Oakes et al, 1998), o que pode explicar o elevado número de abrangentes engajamentos.
  6. 6. CONTRIBUIÇÕES DA OBRA DE BOURDIEU AOS ESTUDOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO Os resultados da análise do contexto da citação revelam que, embora o interesse dos acadêmicos de MOS na obra de Pierre Bourdieu tem aumentado ao longo do tempo, seu trabalho é hoje relativamente bem conhecido no campo da MOS, a recepção está até agora basicamente focada sobre os conceitos de capital, habitus e campo, negligenciando, assim, outras partes importantes de seu trabalho. Além disso, até mesmo citações a estes conceitos são raramente abrangentes. De que forma o faz o trabalho de Bourdieu fornecer novos insights para teorias e conversas em MOS? Micro-fundações em NIT, uma das teorias mais dominantes em DOS. Apesar dos apelos por proeminentes estudiosos (por exemplo, DiMaggio e Powell, 1991), a teoria ainda carece de uma micro-base que descreva e explique os processos institucionais de nível micro. Reflexão sobre a pratica acadêmica. A contribuição de Bourdieu para a pesquisa sobre práticas acadêmicas em MOS foi escolhida, porque o seu trabalho é caracterizado por um alto nível de reflexão sobre as práticas acadêmicas.
  7. 7. Bourdieu e as micro-fundações da Teoria Neo-institucional Os resultados da análise do contexto da citação revelam que, embora o interesse dos acadêmicos de MOS na obra de Pierre Bourdieu tem aumentado ao longo do tempo, seu trabalho é hoje relativamente bem conhecido no campo da MOS, a recepção está até agora basicamente focada sobre os conceitos de capital, habitus e campo, negligenciando, assim, outras partes importantes de seu trabalho. Além disso, até mesmo citações a estes conceitos são raramente abrangentes. De que forma o faz o trabalho de Bourdieu fornecer novos insights para teorias e conversas em MOS? Micro-fundações em NIT, uma das teorias mais dominantes em DOS. Apesar dos apelos por proeminentes estudiosos (por exemplo, DiMaggio e Powell, 1991), a teoria ainda carece de uma micro-base que descreva e explique os processos institucionais de nível micro. Reflexão sobre a pratica acadêmica. A contribuição de Bourdieu para a pesquisa sobre práticas acadêmicas em MOS foi escolhida, porque o seu trabalho é caracterizado por um alto nível de reflexão sobre as práticas acadêmicas. Um micro-fundamento é importante para o desenvolvimento do NIT, porque '' instituições são mantidas, alteradas, e extintas na medida em que elas são promulgadas por indivíduos em situações sociais concretas '' O micro-nível (instituições) e nível micro (indivíduos) estão interligados. Assim, um micro-fundação ajuda a melhor descrever e explicar os processos institucionais micro e macro-nível. No entanto, uma micro-fundação do NIT é confrontada com dois desafios: as instituições são recursos não "objetivo" ou "naturais" da sociedade, mas o resultado de um processo de construção. Em segundo lugar, o foco da NIT em instituições cognitivas, ou seja, instituições que estão institucionalizados na mente humana, é uma característica distintiva da, um micro-fundação do NIT também deve fornecer um conceito realista da cognição humana. Defendo que o conceito de habitus de Bourdieu tem o potencial de servir como um micro-fundação do NIT: Em primeiro lugar, o conceito de habitus leva a sério a cognição humana (Bourdieu, 1986, 2000).
  8. 8. Bourdieu e as micro-fundações da Teoria Neo-institucional Com base na teoria cognitiva, Bourdieu definiu o habitus como um conjunto de esquemas (cognitivos), ou seja, esquemas de percepção, apreciação e ação, que trazem indivíduos ' práticas (Bourdieu, 1986). Em segundo lugar, Bourdieu leva em conta a natureza socialmente construída da realidade (Bourdieu, 2001). Enquanto ele argumentou que esquemas cognitivos dos indivíduos estruturam a sua percepção do mundo e de suas práticas, ele também reconheceu que esquemas cognitivos são estruturadas pelas condições sociais em que os indivíduos foram socializados (Bourdieu, 2001), ou seja, o conhecimento armazenado em esquemas cognitivos é socialmente construído. Além disso, o conceito de doxa de Bourdieu leva em conta a presença de crenças compartilhadas e premissas dentro de um campo social (Bourdieu, 2000), que também são fundamentos importantes do NIT. Por isso, o conceito de habitus de Bourdieu é bem alinhado aos pressupostos básicos da NIT e fornece um (realista) conceito cognitivo que tem o potencial de abrir cognitiva '' caixa preta 'do NIT' no nível micro. Defendo que o habitus fornece novos insights sobre processos microinstitutional: Em primeiro lugar, o conceito de habitus pode acrescentar ao nosso conhecimento sobre o processo de institucionalização, ou seja, o processo pelo qual as instituições são transmitidas de ator para ator (Zucker, 1977). O processo é importante para NIT, porque explica como as pessoas vêm para desenvolver uma compreensão compartilhada da realidade. Pesquisas anteriores já haviam destacado o papel da linguagem e do discurso neste processo (Berger & Luckmann, 1967; Phillips, Lawrence, & Hardy, 2004). No entanto, Bourdieu (1990a) argumentou que as instituições também podem ser transferidos através de mimesis, ou seja, a imitação inconsciente das práticas de outros indivíduos. Os indivíduos tendem a imitar as práticas dos indivíduos mais experientes dentro de um campo. Ao imitar as práticas, elas aprendem as novas práticas, mas também entender inconscientemente os significados associados com as práticas (Bourdieu, 1977). Ambas as medidas são importantes para o processo de institucionalização: Desde que a mesma prática pode ser associada com significados diferentes, institucionalização exige tanto a rotinização de uma prática e de transferência de significado associado com a prática (Zilber, 2002).
  9. 9. Bourdieu e as micro-fundações da Teoria Neo-institucional Eu recomendo futuras pesquisas que analisa a transferência de significados institucionais através de mimesis. Por exemplo, os pesquisadores podem investigar como os recém-chegados aprender práticas institucionalizadas e se ou não eles (inconscientemente) compreender os significados indivíduos mais experientes associam com as práticas. Defendo que os estudos etnográficos, que são um método comum de investigação no NIT (ver, por exemplo, Zilber, 2002), são particularmente apropriados para tal análise, pois desta forma os pesquisadores puderam experimentar a si mesmos como eles desenvolver uma melhor compreensão das práticas de um campo simplesmente imitando outros atores. Em segundo lugar, o conceito de habitus aponta a nossa atenção para o corpo humano, como outro aspecto importante em processos institucionais. Enquanto NIT, até agora, pouca atenção à dimensão corpórea das instituições (para uma exceção, ver Weik, 2012), o corpo humano recebeu recentemente muita atenção na MOS (ver, por exemplo, o Gartner, 2013; Gherardi, merila inen, Strati, & Valtonen, 2013). Além disso, é uma parte central do conceito de habitus de Bourdieu. Bourdieu (2001) argumentou que o corpo humano é o lugar pelo qual a sociedade se inscreve no habitus.
  10. 10. BOURDIEU E A REFLEXÃO DA PRÁTICA ACADÊMICA Bourdieu (1975, 1988) argumentou que o seu conceito de campo pode ser aplicado para as disciplinas acadêmicas, porque são áreas como qualquer outro (por exemplo, política, economia), que seguem regras específicas, e no qual uma espécie de "jogo científico" é tocada. Além disso, ele aplicou sua teoria para explicar a escassa recepção de seu trabalho na sociologia norte-americano, o que pode ser influenciada por diferenças no campo da sociologia francesa e norte- americana que influenciam a forma como os sociólogos americanos compreender a teoria (Bourdieu, 1993). Bourdieu analisou a moda, e fornece novas perspectivas aos estudiosos de MOS. os estudiosos aprender que a ciência é uma atividade para seu próprio bem e que eles apreciam o '' (revista) jogo publicação. '' Além disso, eles também inconscientemente, conhecer e aceitar doxa do campo, ou seja, o tidas como certas premissas e pressupostos em seu campo acadêmico (Bourdieu, 1990a;. Golsorkhi et al, 2009). Scholars 'familiarização com doxa do seu campo acadêmico é um passo importante em sua carreira profissional: Aprender as “regras do jogo” e as premissas tomadas como certas é um requisito importante para o jogo com êxito (ver, por exemplo, Butler & Spoelstra, 2012). No entanto, se acostumando a um campo acadêmico e sua doxa tem o efeito que os estudiosos tendem a alinhar suas ideias para doxa do campo, o que reduz a probabilidade de que eles desafiam os paradigmas estabelecidos e chegar a novas perspectivas e ideias (Weick, 1996). Além disso, os estudiosos também podem tornar-se mais relutantes em trabalhar que desafia doxa do campo, o que pode ter consequências graves para o progresso do campo. por exemplo, a pesquisa mostrou que os artigos seminais encontrado resistência e eram muitas vezes difíceis de publicar (Campanario & Acedo, 2007; Gans & Shepherd, 1994). Essa resistência pode afetar negativamente o progresso de um campo acadêmico, porque impede o estabelecimento de novas ideias. A avaliação crítica do trabalho científico que se desvia da doxa de um campo pode ter um impacto significativo para o campo da MOS: Em primeiro lugar, pode explicar a sub-representação de autores não-norte-americana na América do Norte. Battilana et al. (2010) verificaram que as ideias de estudiosos de gestão e organização europeia raramente são apanhados por estudiosos norte-americanos; Meyer e Boxenbaum (2010) mostrou que os artigos em periódicos europeus (Org e OrgSt) citam os teóricos europeus "grandes" (por exemplo, Giddens, Weber, Habermas e Foucault) mais frequentemente do que artigos em revistas norte-americanas (AMJ, AMR e OrgSci).
  11. 11. BOURDIEU E A REFLEXÃO DA PRÁTICA ACADÊMICA Eu argumento que o conceito de dominação de Bourdieu pode explicar esta observação: de acordo com Bourdieu, cada campo, mesmo no campo científico, é uma rede de relações entre as posições ocupadas por atores (Bourdieu & Wacquant, 1992). As posições dentro do campo e do poder que podem ser exercidas pelos atores dependem de sua parte do capital no campo. Atores que possuem grandes quantidades de capital de ocupar uma posição dominante no campo, enquanto posições dominadas são ocupados por atores com baixas quantidades de capital. Atores que ocupam uma posição dominante pode exercer poder sobre os atores em posições dominadas, mesmo de forma indireta. Por exemplo, os atores em posições dominadas pode se sentir pressionado para lidar com ideias de atores que ocupam posições dominantes. Como Wacquant (1993) argumentou, no início da carreira de Bourdieu nas ciências sociais francesas, Bourdieu estava em uma posição dominada, enquanto os cientistas, tais como Levi-Strauss ou Sartre ocuparam posições dominantes. Por exemplo, as revistas de maior prestígio no MOS (por exemplo, AMJ, AMR) estão localizados na América do Norte e as posições do conselho editorial de revistas importantes de campo (por exemplo, a lista jornal Financial Times) são (ainda) na maior parte ocupada por estudiosos norte-americanos (Burgess & Shaw, 2010). Assim, mesmo se as ideias da comunidade norte-americana MOS pode desafiar a doxa da comunidade MOS Europeia, investigadores europeus - por causa da posição dominada - pode se sentir pressionado a se envolver com e aplicar as ideias da comunidade norte- americana MOS.
  12. 12. BOURDIEU E A REFLEXÃO DA PRÁTICA ACADÊMICA pesquisadores podem investigar a hipótese de que as diferenças na doxa de um campo acadêmico influenciar negativamente a compreensão e interpretação de ideias científicas dos acadêmicos através da realização de entrevistas qualitativas com outros pesquisadores. Estas entrevistas podem fornecer maiores informações sobre as dificuldades sentidas pelos pesquisadores durante a leitura e interpretação de textos de outras comunidades. Além disso, no decorrer de um estudo quantitativo, pode ser analisado para que os pesquisadores extensão de diferentes comunidades de pesquisa diferem em sua avaliação de artigos escritos por estudiosos de sua própria e de outras comunidades de pesquisa. Por exemplo, os estudiosos europeus podem avaliar o trabalho de outros países europeus pesquisadores e o trabalho de pesquisadores norte-americanos, enquanto estudiosos da América do Norte avaliar o trabalho dos seus colegas norte-americanos e os trabalhos de estudiosos MOS Europeia. Tal estudo deverá fornecer insights sobre a questão se as avaliações diferem significativamente entre os estudiosos europeus e norte-americana de MOS, que poderão fornecer provas para a suposta influência da doxa de um campo sobre a circulação de ideias. Sieweke, J.. Pierre Bourdieu in management and organization studies–—A citation context analysis and discussion of contributions. Scandinavian Journal of Management (2014)

×