Microsoft Power Point Biblioteca Modelo De Auto Avaliacao

932 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
932
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Microsoft Power Point Biblioteca Modelo De Auto Avaliacao

  1. 1. AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR
  2. 2. UM NOVO CONCEITO DE BIBLIOTECA Centro multifuncional de acesso Colecção de livros à informação Espaço de informação Espaço de conhecimento
  3. 3. OS NOVOS DESAFIOS Formação contínua e educação para a vida Aquisição de competências e autonomia: no domínio da informação escrita, digital e multimédia na produção de documentos em suportes e linguagens diversificados
  4. 4. FACTORES DE QUALIDADE • Integração na escola e no processo de ensino / aprendizagem • Condições de acesso • Qualidade da colecção • Gestão • Avaliação
  5. 5. AVALIAÇÃO Objectivos: Aferir a eficácia dos serviços Aferir o impacto nas atitudes, comportamento e competências dos utilizadores Aferir as expectativas e os resultados obtidos Equacionar estratégias ou medidas com vista à melhoria do desempenho da BE Reforçar a importância da BE na escola
  6. 6. COMO AVALIAR Recolher e analisar informações baseadas em evidências. Identificar os pontos fortes e fracos Tomar decisões
  7. 7. EVIDÊNCIAS Evidências para a prática – incidem no exame e uso da pesquisa empírica para conceber práticas e dar forma a acções e identificar as melhores práticas Evidências na prática – centra-se na identificação de necessidades de aprendizagem e de lacunas nos desempenhos dos alunos. Evidências da prática – procedem de dados sistematicamente quantificados. Estabelecem o que mudou para os alunos como resultado de premissas, intervenções, actividades e procedimentos
  8. 8. O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO Pesquisa - Acção Identificação do problema Recolha de evidências Avaliação e interpretação Tomada de decisões
  9. 9. DOMÍNIOS E SUBDOMÍNIOS A AVALIAR
  10. 10. A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes A.2. Promoção da literacia da informação B. Leitura e Literacia C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C.2. Projectos e parcerias D. Gestão da BE D.1. Articulação da BE com a escola / agrupamento, acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para prestação dos serviços D.3. Gestão da colecção / da informação
  11. 11. DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS INDICADORES (critérios) FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO (actividades ou acções)
  12. 12. RECOLHA ACÇÕES DE PARA EVIDÊNCIAS MELHORIA
  13. 13. PERFIS DE DESEMPENHO -A cada perfil de desempenho corresponde um nível, numa escala de quatro níveis (4 – Excelente / 3 – Bom / 2 – Médio / 1 – Fraco). -Cada nível de desempenho caracteriza-se através de um conjunto de descritores relacionados com os indicadores e factores críticos. - Para que a BE se situe num determinado nível deverá corresponder, no mínimo, aos descritores apresentados numa relação de 4 em 5, 5 em 6, ou 6 em 7, de acordo com o número de descritores que caracterizam os perfis de desempenho. (Em cada ano será avaliado um domínio)
  14. 14. IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO Escolha do domínio sujeito a avaliação; Identificação das evidências a recolher e instrumentos a utilizar; Recolha e análise dos dados; Identificação dos pontos fortes e fracos e posicionamento nos níveis de desempenho; Interpretação e descrição dos resultados e definição de acções de melhoria; Comunicação dos resultados da avaliação e das medidas de melhoria, a integrar no Relatório de Avaliação interna da escola.
  15. 15. CONSTRANGIMENTOS / OPORTUNIDADES Ausência de práticas de avaliação decorrentes das evidências; Hábitos de avaliação pouco centrada nos resultados e impactos. Melhorar o desempenho da BE Promover a avaliação sistemática
  16. 16. PARTICIPAÇÃO DA ESCOLA Equipa da BE Professores Direcção Auto-Avaliação Alunos da BE C. Pedagógico E. Educação
  17. 17. «The time is when the library is a school, and the librarian is in the highest sense a teacher.» Melvil Dewey, 1878
  18. 18. BIBLIOGRAFIA Tarragó, Nancy Sánchez (2005) «El profesional de la información en los contextos educativos de la sociedad del aprendizaje: espacios y competencias» http://mail.udgvirtual.udg.mx/biblioteca/html/123456789/433/aci02_05 .htm Todd, Ross (2008) «The Evidence-Based Manifesto for School Librarians», School Library Journal, 4/1/2008 http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA6545434.html#Multiple %20types%20of%20evidence Eisenberg, Michael & Miller, Danielle «This Man Wants to Change Your Job», School Library Journal, 9/1/2002 http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA240047.html Conde, Elsa «Modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar: Princípios estrutura e metodologias de operacionalização, RBE newsletter nº5 RBE, Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-Avaliação
  19. 19. Formanda: Dina Maria Ribeiro Dourado Novembro de 2009

×