Aula EBD - Adoração que agrada a Deus

13.442 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
2 comentários
36 gostaram
Estatísticas
Notas
  • A influência da música na saúde mental Ivone Boechat A música se destaca dentre as expressões artísticas, desde os primórdios da narrativa bíblica. No século VI a.C, Pitágoras afirmava: “A música e a dieta são os dois principais meios de limpar a alma e o corpo e manter a harmonia e a saúde de todo organismo”. Nada no planeta escapa aos efeitos da música. Ela interfere em tudo: na digestão, na produção de secreções, na circulação sanguínea, nas batidas cardíacas, na respiração, na nutrição e nas inteligências. O alemão Tartchanoff, especialista nos fenômenos cerebrais, provou que “A música exerce poderosa influência sobre a atividade muscular, que aumenta ou diminui, de acordo com o ritmo, o volume, o estilo”. Os sons são dinamogênicos, isto é, aumentam a energia muscular em função de sua intensidade e ritmo. Ou o inverso: a música pode paralisar. O uso errado da música encurta a vida e, corretamente usada, ajuda a preservá-la. As batidas cardíacas podem ser reguladas ou transtornadas pelos sons musicais. O rock, por exemplo, faz mal à saúde física e mental, e vicia tanto quanto qualquer droga química. Um rock-dependente submetido a um tratamento de desintoxicação mental demora muito para curar a desarmonia no seu metabolismo. Já os ritmos harmoniosos são estimulantes, sedativos, ajudam a recuperar o sono e fixam a memória. A medicina usa a música na terapia de partos, cirurgias, tratamentos dentários etc. Empresas de saúde entretêm pacientes em sala de espera com música suave, neutralizando a ansiedade. Médicos de Los Angeles, EUA, selecionam músicas para relaxar no tratamento de pacientes com dores. No Brasil a música é usada na assistência a doentes terminais. Há muito se sabe que a música estimula a produção no trabalho. Em restaurantes, se inteligentemente usada, ela estimula o apetite, o romantismo, a confraternização, as comemorações. Nos quartéis, desperta o espírito cívico. A Bíblia conta, por exemplo, que o rei Jeosafá usou um grandioso coral e uma banda de música para intimidar o inimigo (II Cr 20). Ganhou a batalha! Shakespeare dizia que a música: “Presta auxílio a mentes enfermas, arranca da memória uma tristeza arraigada, arrasa as ansiedades escritas no cérebro e, com seu doce e esquecedor antídoto, limpa o seio de todas as matérias perigosas que pesam sobre o coração”. Para cada ambiente há ritmos, sons e volumes apropriados. Porém, o volume acima de 60 decibéis, segundo órgãos internacionais de saúde, pode causar espasmos e lesões cerebrais irreversíveis. Mais de 90 decibéis, e o excesso sonoro e rítmico calcificam parcialmente o cérebro, bloqueando a memória. A mensagem externa não pode ser gravada, porque a química está alterada pelo excesso de adrenalina. A epilepsia musicogênica resulta do excesso de ruídos musicais, incluindo convulsões. A lesão produzida pelo mau uso do som pode até matar, se a vítima não for adequadamente tratada. Desde o quarto mês de gestação, os bebês já podem perceber a agressão externa pela inteligência corporal. A ansiedade de uma grávida onde o som ultrapassa os limites humanos de segurança é percebida e registrada pelo feto. Hoje, muitos jovens têm problemas de audição comuns em idosos, o que explica o volume exagerado de músicas em festas e cultos. Isso leva a sons cada vez mais altos. Outros efeitos negativos são irritabilidade, memória confusa, baixa aprendizagem, baixa autoestima, insônia, cefaleia, vômitos, impotência, morte etc. Na Alemanha, um estudo revelou que 70 decibéis sistemáticos de “música” causam constrição vascular – mortal, se as artérias coronárias já estiverem estreitadas pela arteriosclerose. Quem usa marca-passo deve fugir desses ambientes! É comum o mal-estar súbito em pessoas durante festas em que a música, ao invés de ser um bem passou a ser arma. É uma questão de saúde pública! Se usada com equilíbrio, a música sensibiliza, entusiasma, fortalece a memória, consola, tranqüiliza, desperta a atenção, mobiliza inteligências... A música deve ser usada inteligentemente, como recomenda um dos maiores músicos da antiguidade, Rei David: “ Pois Deus é o Rei de toda a Terra; cantai louvores com inteligência.” Sl 47:7 . Nos céus de Belém, anjos cantaram naquela noite em que a Internet de Deus se abriu à humanidade, em sons harmoniosos e o data-show celestial revelou “... novas de grande alegria...” Lc 2:10 Extraído do livro A família no século XXI 1ª edição Reproarte 2001 RJ
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • gostei muito,
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.442
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
36
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula EBD - Adoração que agrada a Deus

  1. 1. Que agrada a deus © DMM, 2009 Prof.º Dilsilei Monteiro
  2. 2. Texto Básico: João 4:19-26 © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  3. 3. Que agrada a deus O termo adoração ao longo dos tempos tem perdido seu significado bíblico, sido ora mal interpretado, ora mal compreendido.  Assim, hoje em dia dizemos que adoração “na sua essência” é musicalidade, comportamento, introspecção, etc.
  4. 4. Que agrada a deus Antes de nos ocuparmos em definir o termo ADORAÇÃO, esclarecemos que por tratar-se de tema muito abrangente, uma vez que pode ser usado em um triplo sentido: 1) público, 2) familiar e 3) individual, nossa reflexão será focalizada sobre a adoração pública ou corporativa, ou seja, o culto cristão.
  5. 5. Que agrada a deus Semântica de “Adoração” © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  6. 6. Que agrada a deus  Destacamos no texto: 19 a 26 apenas Palavras chaves os versos para extrair exegeticamente os aspectos “Em espírito e em verdade” que Cristo aponta etmológico e principiológico daéadoração. como o “princípio” da adoração  O vocábulo προσκυνεω proskuneo Esta palavra vem do grego koiné “Proskuneo” (Prós: em relação a; e Kuneo: beijar) que significa reverenciar ou homenagear. É usada cerca de 59 vezes no NT para indicar a comemoração que rende a uma pessoa ao prostrar-se a seus pés. Também indica o fato de prestar homenagem ou tributo divino (Mateus 4:10, João 4:20-21, Hebreus 1:6). Sua tradução literal seria: “Beijar a mão ou o piso diante de”. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  7. 7. Que agrada a deus  hx'v. (sh¹µaµ) e xx;v (sh¹µâ) Neste sentido é mais esclarecedor que o vocábulo usado no AT mais de 170 vezes para indicar adoração, e que se traduz literalmente como inclinar-se, cair diante de, prostrar-se, ajoelhar-se. (W. E. Vine, Dicionário Exegético do Velho e Novo Testamento) © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  8. 8. Que agrada a deus  hx'v. (sh¹µaµ) e xx;v (sh¹µâ) Beijar denota contato, aproximação, relação. Pode-se reverenciar ou homenagear à distância, mas o beijo requer aproximação, contato. Também consideramos importante a palavra hebraica ['rquot;_k. - kara ̀ que significa prostrar-se ou curvar-se. Quando examinamos a Bíblia, descobrimos muitos exemplos;. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  9. 9. Que agrada a deus Quando examinamos a Bíblia, descobrimos muitos exemplos: quot;E, imediatamente, curvando-se Moisés para a terra, o adorouquot; (Êxodo 34:8); quot;Vinde, adoremos e prostremos-nos; ajoelhemos diante do SENHOR, que nos criouquot; (Salmos 95:6); quot;Todos os filhos de Israel, vendo descer o fogo e a glória do SENHOR sobre a casa, se encurvaram com o rosto em terra sobre o pavimento, e adoraram, e louvaram o SENHOR, porque é bom, porque a sua misericórdia dura para semprequot; (II Cr 7:3); quot;Os vinte e quatro anciãos prostrar-se-ão diante daquele que se encontra sentado no trono, adorarão o que vive pelos séculos dos séculos e depositarão as suas coroas diante do tronoquot; (Ap 4:10). © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  10. 10. Que agrada a deus  A Expressão quot;encurvaram com o rosto em terraquot; ou quot;curvar-se para a terraquot; está freqüentemente associada à adoração.  Essa é uma atitude simbólica; por esta razão, é importante indagarmos o que significa e qual seu propósito.  Em nossa própria língua muitos não têm plena consciência de que adoração cristã, no sentido bíblico mais profundo, indica prostração, reconhecimento de autoridade e relação com essa autoridade) © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  11. 11. Que agrada a deus  “Adorar “em espírito” contrastava com os ritos humanos e cerimônias impostas do Judaísmo.  Adorar “em verdade” se opunha às superstições e ilusões idólatras dos perdidos. Adorar a Deus “em espírito e em verdade” quer dizer adorar de uma maneira apropriada para a revelação plena e final que Deus fez de Si mesmo em Cristo. Significa adorar espiritualmente e verdadeiramente. Significa dar a Ele o louvor proveniente de um entendimento iluminado e o amor de um coração regenerado. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  12. 12. Que agrada a deus Essência e Forma © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  13. 13. Que agrada a deus  Um dos problemas normalmente é a confusão entre essência e forma.  O culto externo pode impressionar aos que dele participam, mas não a Deus, que atenta a essência: que são suas exigências. Alguns assumem, neste ponto, um tipo de subjetivismo ou quot;relativismo estéticoquot;, respondendo que a forma do culto não é relevante. “Deus se importa tanto com a forma e conteúdo da adoração quanto com seu espírito.” © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  14. 14. Que agrada a deus  Em meio a isso, um dos problemas é que dificilmente paramos para pensar se o nosso culto corresponde à adoração que Deus procura.  Um culto que não representa uma atitude interna de amor pelo Senhor é prestado em vão. Isaías declara que Deus rejeitava os rituais dos israelitas de seu tempo. Deus os achava uma abominação: quot;as vossas solenidades, a minha alma as aborrecequot; (Is 1.14). © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  15. 15. Que agrada a deus O Perigo da Rejeição © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  16. 16. Que agrada a deus As Escrituras afirmam que nem toda adoração agrada a Deus. Há sempre o perigo de trazermos um quot;fogo estranhoquot; diante do altar e trono do Senhor (Levítico 10.1-2) e contra o mesmo devemos estar sempre em guarda. Não apenas a adoração a falsos deuses é proibida nas Escrituras, mas também a adoração ao verdadeiro Deus com uma atitude errada (Malaquias 1.7-10; Isaías 1.11-15; Oséias 6.4-6; Amós 5.21; Mateus 5.23-26, etc.). © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  17. 17. Que agrada a deus Distorções na Adoração – Relatos Bíblicos  Levítivo 10 – “fogo extranho”  Corinto – “se ajuntavam para o pior”  Amós – A Estética é rejeitada © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  18. 18. Que agrada a deus Distorções na Adoração – Hoje  Influência do Existencialismo  Ênfase Humanística  Presença Deísta  Prática Pragmática © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  19. 19. Que agrada a deus Como Acertar © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  20. 20. Que agrada a deus Adoração Teocêntrica - Vontade divina normatiza a verdadeira adoração.  Na adoração, assim como na doutrina, a observa - Com base neste fato, Clowney igreja não que: ultrapassar a verdade de Deus revelada nas pode Escrituras. quot;a igreja tem autoridade para estabelecerobservar que no ATadoração a ordem da Israel não foi É interessante (I Corintios 14.40), masagrícolas ou a proibido de adquirir métodos não tem liberdade de introduzir novos arquitetônicos dos cananeus, mas houve explícita elementos que copiasse qualquer aspecto da proibição de além dos que Deus tem adoração pagã (Deuteronômio 12.30-32). ordenado.”
  21. 21. Que agrada a deus Adoração Teocêntrica A pressuposição básica de nossa exposição é de que quot;a forma aceitável de se adorar o verdadeiro Deus é instituída por ele mesmo,quot; segundo os termos da Confissão de Fé de Westminster, XXI.i
  22. 22. Que agrada a deus Músicas Corretas © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  23. 23. Que agrada a deus  lex orandi, lex credendi  cuja tradução pode ser quot;o que se ora, é o que se crê.quot; Segundo este princípio, adoração e teologia caminham juntas e grande parte de nossa liturgia (forma de adoração), é influenciada por nossa teologia (certa ou errada). A música evangélica hoje é permeada de citações e frases que elevam muito mais o homem do que a Deus. As músicas já são fabricadas com um propósito definido, ou seja, agradar o público. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  24. 24. Que agrada a deus A música teologicamente correta e sua coerência com as Sagradas Escrituras A verdadeira música crista, a música que identifica o povo de Deus, é a musica profética, a música que declara as Escrituras Sagradas. Se a musica cristã tem como identidade a pregação da Escrituras Sagradas, esta música tem de ser coerente: coerente com as Escrituras Sagradas, pois quot;o que faz uma musica sagrada é a sua mensagem. A música não é nada mais do que notas e ritmos. São as palavras que fazem uma música espiritualquot; © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  25. 25. Que agrada a deus O cristão deve cantar a música que testifica a verdade das Sagradas Escrituras. Hoje, o homem não é inspirado divinamente no ato da composição musical, antes é iluminado para que, através do entendimento da verdade revelada, à qual foi registrada, escreva nos cânticos sacros a verdade de Deus. Daí a grande importância da análise da letra e do conteúdo da música que se canta. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  26. 26. Que agrada a deus O cântico intitulado quot;O Espírito de Deus está aquiquot;, de domínio público, diz: O Espírito de Deus está aqui Operando em nossos corações, Trazendo sua vida e poder Ministrando sua graça e amor Os feridos de alma são curados Os cativos e oprimidos livres são Os enfermos e doentes são sarados Pois o Espírito de Deus está aqui © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  27. 27. Que agrada a deus Este cântico afirma que a presença do Espírito Santo, num determinado lugar, faz com que, invariavelmente, enfermos e doentes, de qualquer ordem, sejam curados. Contudo, observa-se nas Escrituras Sagradas, que não necessariamente há cura, ainda que o Espírito esteja presente e operando. Deus é soberano e cura quando quiser e como quiser. É por essa razão que Deus, em sua soberana vontade, resolve não curar Paulo de sua enfermidade, de seu quot;espinho na carnequot;. - 2 Co 12.7-10 © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  28. 28. Que agrada a deus A inversão de papéis entre o ser adorador e o ser adorado é declarada em canções evangélicas brasileiras, algumas de maneira indireta, outras de modo explícito. A História ensina que o servo jamais pode coroar o seu Senhor, contudo, o cântico quot;Coroamos a ti ó rei Jesusquot;, de domínio público, declara: Coroamos a ti, ó rei Jesus. Coroamos a ti, ó rei Jesus. Adoramos o teu nome; nos rendemos a teus pés. Consagramos todo nosso ser a ti. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  29. 29. Que agrada a deus Cabe ao servo cristão adorar, render-se, consagrar- se ao seu Senhor; jamais coroá-lo, pois a coroação é outorgada e realizada por quem tem predicativos iguais ou superiores àquele que está sendo coroado. A coroação de Jesus, portanto, compete a Deus. Ressalta-se que o mesmo problema de ordem lógica e teológica também se revela nos hinos históricos. O hino quot;Saudai o nome d e Jesusquot; declara: Saudai o nome de Jesus Arcanjos adorai, arcanjos adorai. Ao rei que se humilhou na cruz Com gloria coroai. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  30. 30. Que agrada a deus Conclusão © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  31. 31. Que agrada a deus E Dr. Michael Horton escreveu: A “música cristã” é freqüentemente uma desculpa para artistas inferiores conseguirem vencer numa subcultura cristã que imita o brilho e glamour do entretenimento secular, inclusive suas próprias cerimônias de premiação e seu ambiente de superestrelato. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com
  32. 32. Que agrada a deus Pode ser que essa não seja a intenção por parte de muitos artistas que querem contribuir para o cenário da música cristã contemporânea, mas a indústria acaba produzindo, na maioria, imitações nada criativas, repetitivas, superficiais da música popular. Produzir música em conformidade com os gostos anestesiados duma cultura consumista já é ruim; imitar a arte comercializada é desperdiçar os talentos (...) Isto trivializa tanto a arte quanto a religião. © DMM, 2009 www.dmmonteiro.com

×