Outra vez JezabelPor Paulo Pinheiro (RA, ago. de 1993)Inesperadamente Jezabel chega para reforçar os deuses. Como você enf...
Deus aprova os resultados de um trabalho abnegado, realizado com amor e fé. Noentanto, Tiatira, no clímax de seu percurso,...
Living Temple. Infelizmente, ele não se arrependeu e ficou retido na armadilha deJezabel.Esse famoso ex-médico adventista ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Outra vez jezabel

529 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Outra vez jezabel

  1. 1. Outra vez JezabelPor Paulo Pinheiro (RA, ago. de 1993)Inesperadamente Jezabel chega para reforçar os deuses. Como você enfrentará estaprova?O terceiro milênio traz de volta a Idade Média. A História não é cíclica, mas algunsfatos se repetem no campo espiritual. Práticas consideradas absurdas viraram moda. Acoqueluche agora são os gnomos, bruxos e outras superstições da sombria Idade dasTrevas. O que está acontecendo? Talvez uma olhada no livro do Apocalipse,especificamente na carta dirigida à igreja que viveu a agonia medieval, possa nosajudar a descobrir alguns paralelos entre as igrejas de Tiatira (Apoc. 2:18-29) eLaodicéia (Apoc. 3:14-22). Elas têm em comum a experiência da expectativa de umnovo milênio, terreno fértil para o misticismo e especulações. O que será de alguns denós se Cristo não voltar até o ano 2000? Tiatira passou por isso, e temos boas lições aaprender com ela. O bombardeio de Satanás contra os princípios da religião verdadeirafoi tão forte, mil anos atrás, que o apóstolo João evoca a figura da ímpia rainha Jezabelpara ilustrar a ameaça que estava diante do povo de Deus.A era laodiceana existe desde 1844. E a última fase histórica da Igreja. Em sua carta, oautor destaca a imensurável oferta de salvação da parte de Cristo, o líder da Igreja, emcontraste com a inutilidade da presunção espiritual de seus membros. Aqueles queconhecem a mensagem de Laodicéia, sabem o quanto dependemos das vestimentasde Cristo para cobrir nossa nudez espiritual, e que o estado de mornidão é um forteindício da tendência de cada um de nós para embarcar na mesma canoa furada quelevou Rios para "as coisas profundas de Satanás" (Apoc. 2:24) boa parte da igrejamedieval.Tiatira faz parte do período dos 1.260 dias - que vai do ano 538 d.C, com a união daIgreja e_Estado, até à prisão do papa, no Vaticano, em 1798. Esta fase de repressão emorte contra os fiéis foi abreviada com a Reforma de Lutero, em 1517, por isso étambém chamada pela Bíblia de o período da Grande Tribulação. Coincidentemente, opovo de Deus em futuro próximo deverá sofrer uma perseguição após a união dopoder religioso com o poder político. E, por ocasião da Volta de Cristo, haverá oaprisionamento de Satanás por mil anos.Tiatira era uma igreja missionária (Apoc. 2:19). A única das sete que foi elogiada peloseu crescimento no serviço. Noutras palavras, ela estava levando a cabo seu programade evangelização, e os gráficos indicavam progresso.
  2. 2. Deus aprova os resultados de um trabalho abnegado, realizado com amor e fé. Noentanto, Tiatira, no clímax de seu percurso, é surpreendida por uma religiãoalternativa: "Jezabel, mulher que se diz profetisa", cuja intenção é "ensinar e enganaros meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria" (Apoc.2:20).Os deuses de JezabelA obra de Jezabel é relatada no Antigo Testamento. A predileção dela era exterminaros profetas do Senhor (I Reis 18:4), para que não houvesse profecias, e o povo seentregasse à idolatria; porque "não havendo profecias o povo se corrompe".Jezabel está tão presente hoje como esteve no tempo de Elias, diz a mensageira doSenhor, e ela explica: "Pode não haver nenhuma imagem sobre que os olhosrepousem, contudo milhares estão seguindo após os deuses deste mundo - riquezas,fama, prazeres e as agradáveis fábulas que permitem ao homem seguir as inclinaçõesdo coração não regenerado. Multidões têm uma errônea concepção de Deus e Seusatributos, e estão servindo a um falso deus tão verdadeiramente como o estavam osadoradores de Baal. - Profetas e Reis, pág. 177.A Revista Veja, de 3/02/93, pág. 62 (A moda da Nova Era), faz a descrição da clienteladesse intrigante fenômeno: "Todos eles estão preocupados com metas nãoexatamente radicais -ganhar dinheiro, alcançar a felicidade ao lado da cara-metade,desfrutar os prazeres da vida. ... As religiões tradicionais estão esgotadas, umfenômeno que no Brasil arrasta uma parcela da população, geralmente a de menorrenda, para as seitas evangélicas, enquanto a classe média se deixa seduzir peloesoterismo light." A ganância por riquezas, fama, prazeres e as agradáveis fábulasforam os enganosos atrativos da Jezabel do passado e o princípio da apostasia domundo presente.Não é nenhum exagero concluir que a Nova Era, por mais inofensivas que aparentamser suas propostas de paz, união e felicidade, possui os mesmíssimos encantos epretensões da velha Jezabel. Novamente a serva do Senhor alerta: "A crítica e asespeculações concernentes às Escrituras, têm aberto o caminho ao espiritismo e àteosofia - essas formas modernas do antigo paganismo - para conseguir firmar-semesmo nas professas igrejas de nosso Senhor Jesus Cristo." -Evangelismo, pág. 592. (Ateosofia é um sincretismo do espiritismo ocidental com práticas esotéricas do Oriente.Fundada em Nova Iorque, em 1875, por Helena Petrovna Blavatsky, precursora daNova Era.)Kellogg cai na arapucaNo despontar deste século, o Dr. John Kellogg era o adventista mais conhecido entre opúblico em geral. Presume-se que ele teve contato com a teosofia ainda nas origens. Opanteísmo está ligado à teosofia, e provavelmente dela Kellogg extraiu seus pontos devista. "A mente sagaz do médico foi particularmente atraída por assuntosespeculativos e esotéricos. Mais do que duas décadas antes [por volta de 1875] elehavia tratado com Eilen White sobre algumas de suas inconvenientes teorias comrespeito à natureza e à presença de Deus. Ela o havia aconselhado enfaticamente asilenciar-se sobre tais assuntos e, por um número de anos, Kellogg atendeu seuconselho." (Light Bearers to the Remnant, pág. 288). Foi logo após ao incêndio doHospital de Battle Creek (1902) que o Dr. Kellogg pôs suas idéias esotéricas no livro The
  3. 3. Living Temple. Infelizmente, ele não se arrependeu e ficou retido na armadilha deJezabel.Esse famoso ex-médico adventista se encaixa perfeitamente dentro da forma da NovaEra. Pessoas que o conheceram atestaram que não foram conceitos meramenteteóricos que o levaram a abraçar o panteísmo, mas um estilo de religião centralizadono homem e no seu potencial. Baseadps nessas informações, os autores do livro deHistória Denominacional Light Bearers to the Remnant, nas págs. 282-294, traçam operfil das idéias e do comportamento religioso de Kellogg:1. Era desatento para com a Lei de Deus e a Volta de Cristo - "Não tinha interesse pelaproclamação da perpetuidade da lei moral nem pela iminência do segundo advento."2. Cheio de opinião própria e ambicioso - "Ainda em sua mocidade era inclinado a serteimoso e ambicioso."3. Centralizador e vaidoso -"Também tinha a tendência de sentir ciúme dos rivais empotencial, tanto que, quando outros médicos no Hospital de Battle Creek começavam aconstruir uma reputação autônoma, reservadamente arranjava para eles umatransferência para algum outro lugar."4. Vegetariano fanático - "Dr. Kellogg reclamava que havia uma apostasia geral entreos adventistas na área da reforma de saúde. Ele atribuía esse retrocesso ao ministérioadventista, reclamando que eles desencorajavam as pessoas pelo exemplo. Kelloggficava particularmente irritado sobre a falha de proibir alimentos cárneos na barracade mantimentos durante as campais."5. Humanista, não-denominacional - Ele dava grande ênfase aos aspectos da sua obrano hospital, qualificando-a como "não-denominacional e não-sectarista".Arrependimento e vitóriaA Nova Era é a própria Jezabel tentando destruir a pessoa de Cristo - o Criador eRedentor; a instituição da igreja - núcleo de comunhão e pregação; a Bíblia - norma defé e prática; e, finalmente, o homem. Ela ensina que somos auto-suficientes e devemosadorar os "Baals" que criamos em nossa própria imaginação. Ela insinua: "Você nãoprecisa de ajuda de fora, você mesmo pode operar sua salvação." A serva do Senhordiz que Jezabel quer levar as pessoas "a se afastarem do divino, e a exaltarem ohumano." - Profetas e Reis, pág. 178.Aderimos à Nova Era quando orgulhosamente olhamos para dentro de nós mesmos enos consideramos "certinhos" e aptos espiritualmente, tanto para essa vida como paraa vida eterna. Mas a carta de Tiatira nos diz que, se não abandonarmos esse estilo dereligião, estaremos perdidos (Apoc. 2:21 e 23).As cartas de Tiatira e Laodicéia reforçam a mensagem bíblica de que existem apenasduas religiões: a humana e a divina. A primeira é limitada porque insiste na salvaçãopor meio das obras humanas - é a religião de Jezabel - cujos deuses são inúteis na horada prova. A religião verdadeira é divina porque se apoia nas obras de Cristo: "Aovencedor, e ao que guardar até ao fim as Minhas obras, Eu lhe darei autoridade sobreas nações." (Apoc. 2:26.) O caminho para a vitória de Tiatira e Laodicéia é o mesmo:"Se pois zeloso, e arrepende-te" Apoc. 3:19.

×