01 o foco cristocêntrico de toda a escritura

1.835 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.835
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

01 o foco cristocêntrico de toda a escritura

  1. 1. O FOCO CRISTOCÊNTRICO DE TODA A ESCRITURA SAGRADA A Bíblia é incomparável na literatura humana. Não há sequer umsegundo livro como este, no qual o Criador do Céu e da Terra revelou-See revelou a Sua vontade à humanidade através de promessas ecumprimentos, como esboçados no Velho e no Novo Testamento. A Bíblia é basicamente um livro espiritual porque Deus que éEspírito, revelou-Se nela. O homem, originalmente criado à imagem esemelhança de Deus, destituiu-se Dele pela futilidade dos pensamentos edesconfiança de Sua Palavra revelada. Paulo descreve a destituiçãomental, moral e religiosa do homem caído: obscurecidos de entendimento, alheios à vida de Deus por causa daignorância em que vivem, pela dureza do seu coração (Efésios 4:18; cf.também 2:1-3). Não é de se admirar que Jesus Cristo tenha salientado paraNicodemos, um dos principais intérpretes das Escrituras Hebraicas emJerusalém, que "se alguém não nascer de novo não pode ver o reino deDeus" – isto é, não pode compreender a natureza ou partilhar as bênçãosdo reino de Deus (João 3:3). Cristo explicou que o novo nascimento nãoé resultado de realizações do próprio homem, mas um ato sobrenatural eum dom de Deus: "O que é nascido da carne é carne; e o que é nascidodo Espírito é espírito" (João 3:6). Assim, Cristo ensinou que a experiência do renascimento peloEspírito Santo é uma condição essencial para a compreensão do VelhoTestamento em seu verdadeiro propósito espiritual, em sua mensagemteológica de salvação e para entender o reino de Deus. Pedro relembra-nos que as profecias das Escrituras hebraicas seoriginaram, não na própria presciência ou invenção do profeta, mas"homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo EspíritoSanto" (2 Pedro 1:21). Assim, as profecias do Velho Testamentopossuem um propósito moral: salvação através do Messias.
  2. 2. O Foco Cristocêntrico de Toda a Escritura Sagrada 2 Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bemem atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que odia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração (2 Pedro 1:19; ênfaseacrescentada). A Brilhante Estrela da Manhã é Cristo (Apocalipse 22:16). Estefoco cristológico da Bíblia hebraica em suas duas dimensões de umMessias-Servo sofredor e de um Messias real exaltado, não está óbvio ouclaro para a mente natural, como a rejeição de Jesus pelos líderes judeuso demonstrou. Não se deve, por isso concluir que o Velho Testamento não revelasuficientemente a verdade sobre o sofrimento e a morte expiatória doMessias ou que Cristo proclamou um Reino e um Messias que eracompletamente diferente daquele que os judeus esperavam. O problemanão estava num suposto obscurantismo ou incompreensibilidade darevelação divina das Escrituras hebraicas, mas na teimosia da mente nãoespiritual. Jesus reprovou mesmo aos Seus próprios seguidores: Então, lhes disse Jesus: Ó néscios e tardos de coração para crer tudoo que os profetas disseram! Porventura, não convinha que o Cristopadecesse e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, discorrendopor todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todasas Escrituras. Essa explicação do Velho Testamento pelo Cristo ressurreto trouxeuma nova visão da verdade messiânica à mente judaica que resultou emum renovado amor por Deus. Os discípulos testificaram, "E disseram umao outro: Porventura, não nos ardia o coração, quando ele, pelo caminho,nos falava, quando nos expunha as Escrituras?" (Lucas 24:32; ênfaseacrescentada). Cristo "lhes abriu o entendimento para compreenderemas Escrituras" (Lucas 24:45; ênfase acrescentada). Portanto, concluímos: Por Jesus ser o Intérprete divino do VelhoTestamento, Ele deve abrir as Escrituras para nós. Nossa mente deve seraberta por Ele, a fim de vermos a luz messiânica nas Escrituras de Israel.Essa conclusão implica que a fé em Jesus como Cristo, o Messias das
  3. 3. O Foco Cristocêntrico de Toda a Escritura Sagrada 3profecias, é uma qualificação essencial para o intérprete cristão dasEscrituras hebraicas. Aqueles intérpretes que não podem ver a Cristo no coração de todasos escritos do Velho Testamento não serão capazes de explicar os reaisintentos das profecias de Israel. Paulo afirmou quanto à rejeição deCristo pelos judeus: Mas os sentidos deles se embotaram. Pois até ao dia de hoje, quandofazem a leitura da antiga aliança, o mesmo véu permanece, não lhes sendorevelado que, em Cristo, é removido (2 Coríntios 3:14). Para o apóstolo Paulo, a verdade central da Bíblia hebraica não eraa respeito de Israel e seu futuro nacional, mas a respeito do MessiasJesus, o Senhor de Israel, o Redentor do mundo (Romanos 16:25-27;Gálatas 3:16, 29; Filipenses 3:3-10). O apóstolo diz que nenhum dos governantes desta geraçãocompreendeu a sabedoria oculta de Deus nas Escrituras. Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas ascoisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus... Ora, nós não temosrecebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para quereconheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto tambémfalamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, masensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais. Ora, ohomem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe sãoloucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente(1 Coríntios 2:10, 12-14; ênfase acrescentada). Estas palavras de Paulo são plenas de promessas para o estudanteda palavra profética. Ellen G. White nos assegura mesmo hoje: "Aindahá veios de verdade a serem descobertos; mas as coisas espirituais sediscernem espiritualmente".1 O estudante da Bíblia, portanto, deve estarsempre disposto a considerar a Palavra profética no espírito de umconstante aprendiz humilde sob a guia do Espírito Santo. Sempredisposto a esconder o eu em Cristo e a tirar do depósito sagrado, coisasnovas e coisas velhas (Mateus 13:53).
  4. 4. O Foco Cristocêntrico de Toda a Escritura Sagrada 4A Necessidade de um Foco Cristocêntrico na Interpretação Profética A ampla confusão evidente entre os modernos intérpretes dasprofecias bíblicas relacionadas com os eventos dos últimos dias é, emgrande medida, devida à falta de princípios claramente definidos deinterpretação profética. A necessidade de princípios hermenêuticossadios para a interpretação da Bíblia é geralmente reconhecida hoje emanifesta no recente desenvolvimento da ciência teológica dahermenêutica, o estudo da metodologia de interpretação das SagradasEscrituras, a ciência e a arte da interpretação correta da Bíblia, A tarefa básica da hermenêutica bíblica é determinar o que Deusdisse nas Escrituras Sagradas e o que isso significa para nós hoje, "Ahermenêutica é uma ciência que pode determinar certos princípios paradescobrir o significado de um documento, e indicar em que essesprincípios não são uma mera lista de regras, mas produzir uma ligaçãoorgânica entre eles".2 A habilidosa aplicação dos princípios da hermenêutica bíblica étarefa da disciplina teológica da exegese, ou seja, ela é a hermenêuticaaplicada. Comparativamente, pouco tem sido publicado sobre ahermenêutica especial de princípios proféticos que desvelam a naturezada revelação progressiva do eterno propósito de Deus nas porçõesapocalípticas das Escrituras. Em outras palavras, as regras hermenêuticasválidas de interpretação das Escrituras devem ser "princípios inspirados"que são legítima e sistematicamente derivados das próprias Escrituras econstituem, dentro do organismo vivo da Bíblia, a estrutura inerente eunificadora do corpo total dos Sagrados Escritos. É um ato irresponsável lançar-se despreparado na arena dasprofecias bíblicas dos últimos dias. Ao considerar tais porçõesapocalípticas das Sagradas Escrituras isoladamente e sem levar emconsideração a estrutura profético-messiânica do todo, o intérprete cairánecessariamente na cova de um literalismo geográfico e étnico.
  5. 5. O Foco Cristocêntrico de Toda a Escritura Sagrada 5 Esses intérpretes não se envergonham de comparar as profeciasbíblicas ao "quebra-cabeças" (H. Lindsey). Mas, sem o Espírito a letrapermanece sem espírito e a bendita esperança torna-se especulaçãoociosa do cenário futuro, É necessário mais do que uma exegesehistórico-gramatical de partes isoladas das Escrituras, Cada método deestudo do texto que apela para as letras dos versos bíblicos, nãoconsiderando o seu contexto teológico imediato e mais amplo, econseqüentemente não relacionando os versos ao santo concerto de Deuscom sua estrutura messiânica, nega a unidade teológica da Palavra deDeus e obscurece as questões religiosas e morais da guerra apocalípticaentre o Céu e a Terra. O "método" como tal é um instrumento muito limitado paraassimilar a profunda verdade teológica. Mais básico ainda do que ele, é aperspectiva espiritual e as pressuposições teológicas com as quais ointérprete aborda os textos proféticos das Escrituras. Os intérpretes cristãos aproximam-se do Velho Testamento comuma perspectiva teológica diferente dos expositores judeus. Suasconclusões serão inteiramente diferentes em relação à guerra final naprofecia. A compreensão cristã do Velho Testamento é determinada pelofoco cristocêntrico com o qual os escritores do Novo Testamentointerpretavam as Escrituras hebraicas. Por isso, é essencial para umcristão descobrir os princípios e procedimentos com os quais Cristo e osSeus apóstolos compreendiam e expunham os Escritos de Moisés, osSalmos, e os Profetas hebreus. De outra maneia, ele estará em grandeperigo de ler as profecias do Velho Testamento de uma maneira nãocristã e dessa forma, equivocar-se e destorcer as profecias bíblicassimplesmente por não interpretar o Velho Testamento tendo o novocomo chave. O Velho Testamento não é mais a última palavra sobreprofecias do tempo do fim, uma vez que o próprio Messias da profeciaveio como a última Palavra. O Novo Testamento foi escrito como anorma final para o cumprimento e interpretação das profecias de Israel.
  6. 6. O Foco Cristocêntrico de Toda a Escritura Sagrada 6 Um cristão negaria sua fé e o Seu Senhor se lesse o VelhoTestamento como uma entidade fechada, como a mensagem plena e finalde Deus para os judeus independente da cruz e da ressurreição de Jesus,o Messias, e à parte da explicação neotestamentária dos Escritoshebraicos. É de vital importância, por isso, preparar-nos para o estudo dasprofecias ainda não consumadas do Velho Testamento analisando,primeiramente os padrões de promessa e cumprimento nas profecias jácumpridas. Uma clara compreensão desses padrões neotestamentários éessencial para a adequada interpretação de todos os símbolos e imagensda profecia. Devemos partir do conhecido para o desconhecido. Um conhecimento prático dos princípios neotestamentários deaplicar o Velho Testamento é indispensável para a acurada compreensãodas Escrituras como um todo. Nossa pressuposição cristã fundamental éa confissão histórica protestante da unidade espiritual em Cristo do planoe do concerto de Deus em ambos os Testamentos. Tanto para Lutero quanto para Calvino, a escatologia eraessencialmente cristocêntrica, com a mensagem de Cristo como averdade central das Escrituras Sagradas. Muito embora a escatologiadesses reformadores deixava muito a desejar quanto à amplitude cósmicae a grandeza da esperança bíblica por causa da negligência de certosaspectos de conteúdo profético, a perspectiva cristológica da teologiaevangélica dos reformadores é uma salvaguarda válida contra toda ainterpretação especulativa tanto do literalismo exegético quanto doalegorismo. Precisamos de princípios bíblicos derivados da plenitude daprópria Escritura, a fim de detectar qualquer abordagem especulativa àsimagens e símbolos proféticos. O apóstolo Paulo adverte ao seu associado mais jovem, Timóteo, afazer o seu melhor a fim de apresentar-se "a Deus aprovado, comoobreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavrada verdade" (2 Timóteo 2:15).
  7. 7. O Foco Cristocêntrico de Toda a Escritura Sagrada 7 Essas interpretações modernas da Palavra profética que excluem aCristo, Sua graça salvadora, e o Seu povo do novo concerto do centrodas profecias do tempo do fim relativas a Israel, basicamente carecem damarca divina e exaltam uma tocha de falsa profecia. Cristo é "o Alfa e oÔmega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim" (Apocalipse 22:13)de toda a Palavra profética. Ele é a brilhante Estrela da manhã, queilumina cada promessa do concerto e cada profecia com Sua presençasalvadora. Ele é "Raiz e a Geração de Davi" (Apocalipse 22:16), o quesignifica que Ele é o Senhor de Davi, bem como o Seu Filho. RepresentaJeová, o Deus de Israel em tudo que diz e faz (João 12:44-50). Cristo, oEspírito Santo e Deus o Pai estão tão intimamente unidos que o fococristocêntrico é a marca inalienável de uma exposição bíblico-teológicada Palavra profética de Israel. Os adventistas do sétimo dia receberam conselhos especiais paralançarem todos os olhares sobre Cristo como o centro da esperança emsuas interpretações proféticas: Deixemos que Daniel fale, que fale o Apocalipse e digam a verdade.Mas seja qual for o aspecto do assunto apresentado, elevai a Jesus comocentro de toda a esperança, "a Raiz e a geração de Davi, a resplandecenteEstrela da manhã".3 De todos os professos cristãos, devem os adventistas do sétimo dia seros primeiros a levantar a Cristo perante o mundo.4 Referências Bibliográficas: 1. Ellen G. White, Fundamentos da Educação Cristã (CD "Obras deEllen White", 1ª Edição), p. 188. 2. Bernard Ramm, Protestant Biblical Interpretation, 3rd ed. (GrandRapids, Mich.: Baker Boork House, 1970), p. 11. 3. Ellen G. White, Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélico,p. 118. 4. Ellen G. White, Evangelismo, p. 188.

×