CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA
GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM
ATENÇÃO BÁSICA NA SAÚDE DO ADULTO E IDOSO
Hanseníase
por
Alessa...
CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA
2
SUMÁRIO
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS .................................................
CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA
Hanseníase
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS
Hanseníase indeterminada .......................
CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA
Hanseníase
RESUMO
É uma doença infecto contagiosa crônica, causada pelo bacilo de Hanse...
CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA
Hanseníase
ABSTRACT
It is a contagious chronic infectious disease caused by Hansen baci...
INTRODUÇÃO
1 Hanseníase/ lepra?
“A Hanseníase é a Aristocrata das doenças: é
a mais velha e a mais misteriosa da história ...
DESENVOLVIMENTO
Através de gotas eliminadas no ar pela tosse, fala e espirro. As gotículas que
se depositam no chão ou sob...
coloração normal, no primeiro prevalece nódulos, infiltração na face e
pavilhões auriculares.
 Hanseníase virchowiana (HV...
A hanseníase manifesta-se através de lesões de pele que se apresentam com
diminuição ou ausência de sensibilidade. As lesõ...
Geralmente, as pessoas pensam que sua mancha já que não dói nem coça,
é normal, enquanto isso continua sem tratamento e tr...
freqüência quando se utiliza apenas um medicamento, impossibilitando a cura da
doença. É administrada através de esquema-p...
3 - CONCLUSÃO
No Brasil, apesar da redução drástica no número de casos, de 19 para 4,68
doentes em cada 10.000 habitantes,...
da doença no país e, evitando a desintegração dos pacientes curados ao convívio
na família e na sociedade.
REFERÊNCIAS
1. ...
ANEXOS OU APÊNDICES
1. Figuras tipos de lesões Disponível em:
<http://hanseniasesp.blogspot.com.br/2011/06/sinais-e-sintom...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Hanseniase

478 visualizações

Publicada em

trabalho de hansen

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hanseniase

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA NA SAÚDE DO ADULTO E IDOSO Hanseníase por Alessandra Duarte Marques 1310133 Amanda Genefra 13100 Ana Caroline Pereira da Cruz 13101777 Andressa Freitas dos Reis 13100390 Elias Pazolini 13104213 Juliana Cardoso 13100502 Thiago Martins 13100112 Trabalho acadêmico apresentado ao Curso de Enfermagem da UNISUAM, como parte dos requisitos para obtenção de nota Processual A2. Rio de Janeiro 9/2015
  2. 2. CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA 2 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ................................................................3 RESUMO..............................................................................................................4 ABSTRACT...........................................................................................................5 INTRODUÇÃO......................................................................................................6 1. Hanseníase/ lepra?...........................................................................................6 1.1 Entendendo o que é a Hanseníase/ lepra?....................................................6 DESENVOLVIMENTO..........................................................................................7 2.1 Como prevenir a hanseníase..........................................................................8 2.2 Quando suspeitar de hanseníase...................................................................8 2.3 Como tratar a hanseníase............................................................................10 CONCLUSÃO.....................................................................................................12 REFERÊNCIAS..................................................................................................13 ANEXOS.................................................................................................................................14
  3. 3. CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA Hanseníase LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Hanseníase indeterminada ......................................................................................(HI) Hanseníase tuberculoide........................................................................................ (HT) Hanseníase dimorfa............................................................................................... (HD) Hanseníase virchowiana........................................................................................ (HV) Antes de Cristo.......................................................................................................(a.C) Unidade de Saúde..................................................................................................(US) PoliQuimioTerapia................................................................................................(PQT) Paucibacilares.........................................................................................................(PB) Multibacilares..........................................................................................................(MB) 3
  4. 4. CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA Hanseníase RESUMO É uma doença infecto contagiosa crônica, causada pelo bacilo de Hansen ou Mycobacterium leprae ,que atinge pele e nervos periféricos. O contagio é de pessoa para pessoa, de qualquer idade e raça. Em cada dez pessoas nove tem resistência natural contra a doença. A transmissão é pelas vias respiratórias de uma pessoa doente, que ainda não fez tratamento, para outra. O tratamento correto interrompe a cadeia de transmissão. O diagnóstico clínico da Hanseníase é realizado pelo exame dermatológico e neurológico, com testes de sensibilidade.Quanto mais cedo for o diagnóstico menor a chance de seqüelas após a cura.Os doentes são classificados em Paucibacilares (PB) e Multibacilares (MB). A Hanseníase tem cura e é tratada gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde. O tratamento ambulatorial é padronizado pela OMS e chamado de Poliquimioterapia, que associa 3 medicamentos : Rifampicina,Clofazimina e Sulfona. A duração do tratamento depende da classificação,os PB tratam 6 meses e os MB durante 1 ano. Em algumas situações, quando surgem reações da própria doença é necessário o uso de outros medicamentos como corticóides e talidomida. A prevenção da hanseníase se faz através do tratamento de todos os pacientes e da descoberta de todos os casos novos esperados. Todas as pessoas que convivem no domicilio devem ser examinadas e encaminhadas para aplicação da vacina BCG. A vacina BCG aumenta a resistência do organismo,principalmente contra as formas multibacilares da doença. Palavras-chave: Hanseniase, Lepra, machas, ausência de sensibilidade 4
  5. 5. CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA Hanseníase ABSTRACT It is a contagious chronic infectious disease caused by Hansen bacillus or Mycobacterium leprae, which affects skin and peripheral nerves. The contagion is from person to person, of any age and race. Nine out of ten people have natural resistance against disease. Transmission is through the respiratory tract of a sick person who has not had treatment to another. The correct treatment breaks the chain of transmission. The clinical diagnosis of leprosy is conducted by dermatological and neurological examination, with sensibilidade.Quanto earlier tests for the diagnosis smaller the chance of sequelae after ill cura.Os are classified into paucibacillary (PB) and multibacillary (MB). Leprosy is curable and is treated free in Basic Health Units Outpatient treatment is standardized by the WHO and called multidrug therapy, which combines three drugs:. Rifampicin, clofazimine and sulfone. The duration of treatment depends on the classification, PB treat six months and MB for 1 year. In some situations, when there are responses of the disease itself using other drugs such as steroids and thalidomide is required. The prevention of leprosy is done by treating all patients and of finding all new cases expected. All people living in the household should be examined and forwarded to the BCG vaccine. The BCG vaccine increases the body's resistance, especially against the multibacillary forms of the disease. Keywords: Leprosy , Leprosy , machas , lack of sensitivity 5
  6. 6. INTRODUÇÃO 1 Hanseníase/ lepra? “A Hanseníase é a Aristocrata das doenças: é a mais velha e a mais misteriosa da história da medicina” (DUCATTI, 2009, p.71) Planejamos a construção deste trabalho, de caráter descritivo tentando nos fazer entender pelo leitor, utilizando métodos de releituras bibliográficas como embasamento conceitual deste trabalho. 1.1 Entendendo o que é a Hanseníase/ lepra? A lepra muita conhecida pelo homem desde a.C, é uma das doenças possivelmente mais antiga já conhecida que acometem ao homem, seus primeiros relatos históricos datam de 600 a.C que procede da Ásia, juntamente com a África, que são o berço da doença. “A hanseníase, popularmente conhecida como “lepra ou morféia”, é uma doença infecto-contagiosa, negligenciada, restrita ao ser humano, causada pelo Mycobacterium leprae, bacilo intracelular obrigatório com afinidade pelas células da pele e dos nervos periféricos, que se aloja na célula de Schwann da bainha mielínica. Caracteriza-se por acometimento dermatoneurológico, variando em espectro entre dois pólos estáveis (tuberculóide e virchowiano), com formas intermediárias instáveis, levando a seqüelas neurológicas, oftalmológicas e motoras, se não tratadas precocemente. É uma doença de notificação compulsória”. (BRITTON & LOCKWOOD, 2004; BRASIL, 2001) de grande importância para a saúde pública devido à sua magnitude e seu alto poder incapacitante. Seu nome foi mudado para Hanseníase em homenagem ao cientista Hansen o qual descobriu a bactéria em 1873. A Hanseníase não é uma doença que passa de pai para filhos e sua manifestação depende da afinidade por células cutâneas e por células dos nervos periféricos, ela é altamente infectante porem com baixa patogenicidade. 6
  7. 7. DESENVOLVIMENTO Através de gotas eliminadas no ar pela tosse, fala e espirro. As gotículas que se depositam no chão ou sobre objetos como copos, pratos, talheres, não oferecem perigo de transmissão da doença. Não se pega hanseníase bebendo no copo ou utilizando o mesmo talher do paciente. O contato direto e permanente com o paciente em ambiente fechado, com pouca ventilação e ausência de luz solar, representa maior chance de outra pessoa se infectada com o bacilo da hanseníase, onde se penetra de maneira lenta nas vias respiratórias, percorre o organismo e se instala preferencialmente na pele e troncos nervosos periféricos. Um dado importante: a maioria das pessoas resiste ao bacilo e não adoece. Entre as que adoecem, muitas desenvolvem manchas e com poucos bacilos (forma paucibcilar da doença). Outras desenvolvem formas mais graves de doenças, apresentando lesões com muitos bacilos (forma multibacilar da doença). Nem todos os tipos de hanseníase são contagiosos e estas deixam de ser, quando se começa o tratamento. Em um estudo clínico observamos o julgamento clínico considerando as peculiaridades clínicas dos tipos de hanseníase.  Hanseníase indeterminada (HI) – caracterizadas por manchas hipocrômicas, únicas ou múltiplas, alterações superficiais de sensibilidade, anestesia térmica, com prevenção dolorosa e tátil, sem lesão cutânea.  Hanseníase tuberculoide (HT) – caracterizada por lesões eritemato- hipocrômicas, erimatosas, eritemato-escamosas, comprometimento assimétrico de nervos, sensibilidade superficial, ulceras profundas localizadas em áreas de compressão óssea.  Hanseníase dimorfa (HD) – caracterizadas por lesões ferruginosas, infiltradas, edematosas, brilhantes, escamosas com contornos internos bem definidos e externos mal definidos, centro deprimido, hipocrômico ou de 7
  8. 8. coloração normal, no primeiro prevalece nódulos, infiltração na face e pavilhões auriculares.  Hanseníase virchowiana (HV) – caracterizadas por infiltração difusa com numerosas lesões eritematosas. Considerando ainda, a classificação das lesões neurogênicas em primarias e secundarias.  Primarias – são decorrentes da resposta tecidual à presença do bacilo nos tecidos, como déficits sensitivos, motores e autônomos.  Secundarias – caracterizadas pelo comprometimento da pele e anexos, cartilagens, ossos, articulações (retrações, contraturas, lesões traumáticas e infecções pós traumáticas), lesões do globo ocular e das vísceras. Mediante a leitura do artigo onde mostra o grau de incapacidade dos participantes foi classificados de acordo com a Norma Técnica do Ministério da Saúde segue:  Grau 0 - quando não há comprometimento neural nos olhos, mãos u pés;  Grau I - que corresponde à diminuição ou a perda da sensibilidade nos olhos, nas mãos e nos pés;  Grau III – que indica a presença de incapacidade e deformidades dos olhos (lagoftalmo, e/ou ectrópio, triquíase, opacidade corneana, acuidade visual <0,1), das mãos e dos pés. 2.1 Como prevenir a hanseníase Uma das formas de prevenção da doença é a vacinação com BCG, em 2 doses administradas em todos os contatos intradomiciliares, com intervalos de 6 meses entre as doses. A vacina diminui o aparecimento de formas graves da doença, como os casos multibacilares. Outra forma de prevenção de novos casos é o diagnósticos precoce e o tratamento de tosos os casos, principalmente os bacilíferos que são fontes de transmissão da doença. 2.2 Quando suspeitar de hanseníase. 8
  9. 9. A hanseníase manifesta-se através de lesões de pele que se apresentam com diminuição ou ausência de sensibilidade. As lesões mais comuns são: Manchas pigmentares ou discrômicas: resultam da ausência, diminuição ou aumento de melanina ou depósito de outros pigmentos ou substâncias na pele.  Placa: é lesão que se estende em superfície por vários centímetros. Pode ser individual ou constituir aglomerado de placas.  Infiltração: aumento da espessura e consistência da pele, com menor evidência dos sulcos, limites imprecisos, acompanhando-se, às vezes, de eritema discreto. Pela vitropressão, surge fundo de cor café com leite. Resulta da presença na derme de infiltrado celular, às vezes com edema e vasodilatação.  Tubérculo: designação em desuso, significava pápula ou nódulo que evolui deixando cicatriz.  Nódulo: lesão sólida, circunscrita, elevada ou não, de 1 a 3 cm de tamanho. É processo patológico que se localiza na epiderme, derme e/ou hipoderme. Pode ser lesão mais palpável que visível. ( Figuras 1 tipos de lesões ) http://hanseniasesp.blogspot.com.br/2011/06/sinais-e-sintomas_2613.html 9
  10. 10. Geralmente, as pessoas pensam que sua mancha já que não dói nem coça, é normal, enquanto isso continua sem tratamento e transmitindo o bacilo. Uma vez identificado um caso suspeito de hanseníase, o médico fara o exame dermatológico para confirmação do diagnóstico e classificação da doença, e assim saber qual o tratamento quimioterápico indicado. A avaliação dermatológica visa identificar as lesões de pele próprias da hanseníase, pesquisando a sensibilidade nas mesmas. A alteração de sensibilidade nas lesões de pele é uma característica típica da hanseníase. Deve ser feita uma inspeção de toda a superfície corporal, no sentido crânio-caudal, seguimento por seguimento, procurando identificar as áreas acometidas por lesões de pele. As áreas onde as lesões ocorrem com maior frequência são: face, orelhas, nádegas, braços, pernas e costas, mas elas podem ocorrer, também, na mucosa nasal. Devem ser realizadas as seguintes pesquisas de sensibilidade nas lesões de pele: térmica, dolorosa, e tátil, que se complementam. 2.3 Como tratar a hanseníase. A hanseníase é uma doença grave, mas que tem cura. O uso correto dos medicamentos, todos os dias, durante seis a doze meses, garante o sucesso do tratamento. A medicação é fornecida pela Unidade de Saúde (US), seu uso incorreto ou a interrupção do tratamento sem ordem médica leva ao aparecimento de bacilos resistentes, dificultando a cura.O tratamento específico da pessoa com hanseníase, indicado pelo Ministério da Saúde, é a poliquimioterapia padronizada pela Organização Mundial de Saúde, conhecida como PQT, devendo ser realizado nas unidades de saúde. A PQT mata o bacilo tornando-o inviável, evita a evolução da doença, prevenindo as incapacidades e deformidades causadas por ela, levando à cura. O bacilo morto é incapaz de infectar outras pessoas, rompendo a cadeia epidemiológica da doença. Assim sendo, logo no início do tratamento, a transmissão da doença é interrompida, e, sendo realizado de forma completa e correto, garante a cura da doença. A poliquimioterapia é constituída pelo conjunto dos seguintes medicamentos: rifampicina, dapsona e clofazimina, com administração associada. Essa associação evita a resistência medicamentosa do bacilo que ocorre com 10
  11. 11. freqüência quando se utiliza apenas um medicamento, impossibilitando a cura da doença. É administrada através de esquema-padrão, de acordo com a classificação operacional do doente em Pauci ou Multibacilar. A informação sobre a classificação do doente é fundamental para se selecionar o esquema de tratamento adequado ao seu caso. Para crianças com hanseníase, a dose dos medicamentos do esquema-padrão é ajustada, de acordo com a sua idade. Já no caso de pessoas com intolerância a um dos medicamentos do esquema-padrão, são indicados esquemas alternativos. A alta por cura é dada após a administração do número de doses preconizadas pelo esquema terapêutico. Ainda com os medicamentos a sua disposição os pacientes portadores do bacilo da hanseníase devem comparecer a uma Unidade de Saúde para que o mesmo tome o medicamento onde estará presente um profissional de saúde, com isso o paciente não abandona o tratamento e assim tome o medicamento correto e no horário certo, o tratamento deverá ser supervisionado. Desta forma, observando o paciente tomar a medicação mensalmente, evita abandono no tratamento e conseqüentemente para o aumento do número de pacientes curados. ( Figuras 2 PQT ) http://www.sitebarra.com.br/wp-content/uploads/2013/03/Hanseniase_250113.jpg 11
  12. 12. 3 - CONCLUSÃO No Brasil, apesar da redução drástica no número de casos, de 19 para 4,68 doentes em cada 10.000 habitantes, no período compreendido entre 1985 a 2000 a hanseníase ainda se constitui em um problema de saúde pública que exige uma vigilância resolutiva. Desde 1985, o país vem reestruturando suas ações voltadas para este problema e, em 1999 assumiu o compromisso de eliminar a hanseníase até 2005, quando se objetiva alcançar o índice de menos de um doente em cada 10.000 habitantes. A hanseníase é fácil de diagnosticar, tratar e tem cura, no entanto, quando diagnosticada e tratada tardiamente pode trazer graves conseqüências para os portadores e seus familiares, pelas lesões que os incapacitam fisicamente. As ações preventivas, promocionais e curativas que vêm sendo realizadas com sucesso pelas Equipes de Saúde da Família, já evidenciam um forte comprometimento com os profissionais de toda a equipe, com destaque nas ações do agente comunitário de saúde, que vive e vivência, em nível domiciliar, as questões complexas que envolvem a hanseníase. Esse comprometimento, no entanto, exige que a população seja informada sobre os sinais e sintomas da doença, que tenha acesso fácil ao diagnóstico e tratamento e que os portadores de hanseníase possam ser orientados individualmente e juntamente com a sua família durante todo o processo de cura. Exige, assim, profissional de saúde capacitado para lidar com todos esses aspectos. As incapacidades físicas nos olhos, nas mãos e nos pés podem ser evitadas ou reduzidas, se os portadores de hanseníase forem identificados e diagnosticados o mais rápido possível, tratados com técnicas simplificadas e acompanhados nos serviços de saúde de atenção básica. O Ministério da Saúde, através desse documento, objetiva subsidiar os profissionais de saúde que atuam na rede de atenção à saúde, com destaque para os profissionais da Equipe de Saúde da Família, sobre os mais importantes e atualizados conhecimentos para a abordagem do paciente de hanseníase, como instrumento de capacitação, esperando que ele possa contribuir para a eliminação 12
  13. 13. da doença no país e, evitando a desintegração dos pacientes curados ao convívio na família e na sociedade. REFERÊNCIAS 1. Ministerio da Saude (BR). Secretaria de Vigilancia em Saude. Doenças infecciosas e parasitarias. 5ª Ed. Brasilia: Ministerio da Saude;2005 2. Ministerio da Saude (BR). Secretaria de Politicas Publicas de Saude. Departamento de Atenção Basica. Guia de Controle da Hanseniase. Brasilia: Ministerio da Saude; 2002 3.Disponível em: <http://www.cpqrr.fiocruz.br/texto-completo/D_48.pdf> Acessado em: 29/08/15 as 14:38h 4.Disponível em: <http://www.morhan.org.br/views/upload/MonoAndreia.pdf> Acessado em: 29/08/15 as 14:00h 5. Disponível em: <http://revista.fmrp.usp.br/1997/vol30n3/hanseniase_formas_clinicas_diagnostico_dif erencial..pdf > Acessado em: 29/08/15 as 20:48h 6.Acessado<http://www.uff.br/tudosobrelepra/Artigo%204.pdf> Acessado em: 26/08/15 as 21:31 13
  14. 14. ANEXOS OU APÊNDICES 1. Figuras tipos de lesões Disponível em: <http://hanseniasesp.blogspot.com.br/2011/06/sinais-e-sintomas_2613.html> Acessado em: 26/08/15 as 21:31 2. Figuras PQT Disponível em:<http://www.sitebarra.com.br/wp- content/uploads/2013/03/Hanseniase_250113.jpg > Acessado em: 26/08/15 as 21:31 14

×