Escola Secundária/3 de Carregal do Sal

             Área de Projecto

 INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NO
DESENVOLVIMENTO DA ES...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



respeita à quantidade ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



            Tal como o...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



uma forte massa muscul...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



aorta e suas ramificaç...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



alimentação do ser hum...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



ao máximo o cresciment...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



       Na terceira sem...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



         A função 68,6...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



aviários esta é sempre...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



tradicional era y =10,...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



       Durante a segun...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



quantidade superior de...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



       O lote alimenta...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




2.9) Análise à qualid...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



   Assim, podemos conc...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



constatou que este últ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________



      LOUREIRO, Antón...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




             Anexos

...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




Figura 1 – Esqueleto ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




        ALIMENTO COMP...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________

                        ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________

                        ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                     ...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




                  Qua...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




Figura 12 – Pintos du...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




Figura 14 – Frangos n...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




Figura 16 – Nível int...
Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________




           Amostra   ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Influência da Alimentação no Desenvolvimento de Cobb

7.111 visualizações

Publicada em

trabalho de area de projecto secundario 2006 2007

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.111
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
52
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
140
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Influência da Alimentação no Desenvolvimento de Cobb

  1. 1. Escola Secundária/3 de Carregal do Sal Área de Projecto INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ESTIRPE COBB Ana Catarina Raposo Almeida e Sousa Maria de Lurdes Pinto Veloso 2006/2007
  2. 2. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Agradecimentos A realização deste trabalho só foi possível graças ao apoio e à colaboração de várias pessoas a quem queremos expressar o nosso profundo agradecimento. À professora Carla Marques, por ter permitido a realização deste projecto e pela orientação do mesmo. Às professoras Cilene Lindinho e Aldina Sobral, pelo apoio prestado. À professora Alda Fidalgo e ao professor João Fidalgo, por todo o material cedido e auxílio prestado. Ao Luís Sousa, pela colaboração prestada ao nível das análises e da recolha de informação. Ao Luís Pais, por ter elaborado a caixa, na qual os pintos permaneceram durante os primeiros tempos, e o sistema de iluminação. À Isabel Amaral e ao António Amaral, por terem cedido os pintos. À Fernanda Raposo, ao Júlio Sousa e à Anunciação Almeida, por estarem sempre disponíveis para ajudar a tratar dos pintos. A todos os nossos colegas de turma, que sempre nos ajudaram. A todos quanto de uma forma ou outra contribuíram para a realização deste trabalho. 2
  3. 3. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Índice AGRADECIMENTOS .................................................................................................................................... 2 ÍNDICE ............................................................................................................................................................. 3 INTRODUÇÃO ................................................................................................................................................ 4 I – PARTE TEÓRICA..................................................................................................................................... 6 1 - CARACTERÍSTICAS DAS GALINHAS ........................................................................................................... 6 2 - ALIMENTAÇÃO........................................................................................................................................ 10 2.1) Tradicional ...................................................................................................................................... 10 2.2) Ração ............................................................................................................................................... 11 II – PARTE PRÁTICA.................................................................................................................................. 13 1 - METODOLOGIA ....................................................................................................................................... 13 2 - RESULTADOS E DISCUSSÃO..................................................................................................................... 15 2.1) Peso ................................................................................................................................................. 15 2.2) Envergadura .................................................................................................................................... 17 2.3) Tamanho das patas.......................................................................................................................... 18 2.4) Evolução das penas nos dois grupos .............................................................................................. 18 2.4) Dejectos da segunda à terceira semana ......................................................................................... 19 2.6) Comportamento ............................................................................................................................... 20 2.7) Vitalidade ........................................................................................................................................ 20 2.8) Nível Interno .................................................................................................................................... 21 2.9) Análise à qualidade da carne .......................................................................................................... 22 CONCLUSÃO ................................................................................................................................................ 24 BIBLIOGRAFIA............................................................................................................................................ 26 ANEXOS ……………………..……………………………………….…………..…….………………… 28 3
  4. 4. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Introdução No âmbito da disciplina de área de projecto do 12º ano decidiu comparar-se dois lotes de Gallus gallus domesticus da linhagem Cobb, alimentando um grupo com ração e outro com comida tradicional. Com o lote alimentado com comida tradicional tentou recriar-se uma avicultura de subsistência, em que a criação se destina, essencialmente ao auto-consumo, ao invés do lote alimentado com ração, em que se tentou recriar a situação em aviários comerciais, alimentando- o exclusivamente com ração. A experiência começou no dia 18 de Janeiro de 2007, data em que os pintos eclodiram do ovo. Chegados a Cabanas de Viriato, onde permaneceram até ao final, foram pesados e separados aleatoriamente em dois lotes, de modo a que cada um ficasse com nove pintos e com o mesmo peso total. A partir desta data e de três em três dias procedeu-se a uma pesagem dos pintos e a uma medição da envergadura e das patas até ao final da experiência, dia 22 de Março de 2007. No dia 11 de Abril foram sacrificados dois pintos (um de cada lote) com o objectivo de se observar as diferenças a nível interno e de se analisar a qualidade da carne. Estas análises foram realizadas na Escola Superior Agrária de Coimbra. Os objectivos primordiais, centrados numa análise comparativa, foram observar as diferenças a nível do peso, da envergadura, do tamanho das patas, da evolução das penas nos dois grupos, do comportamento, da vitalidade e da quantidade de dejectos. Outro objectivo foi analisar a qualidade da carne nos dois lotes para ser possível concluir qual o melhor frango para alimentação humana. No presente trabalho, começar-se-á por apresentar as características da estirpe e indicar os diferentes tipos de alimentação utilizados actualmente para a criação de frangos (tradicional e ração). Posteriormente, passar-se-á à apresentação da experiência, começando pela metodologia seguida dos resultados e respectiva discussão. Segundo a vox populi, o frango alimentado com ração tem um crescimento superior ao frango alimentado com comida tradicional. A ser certa esta crença, esperava-se obter um maior crescimento por parte do lote alimentado com ração relativamente ao outro. No que 4
  5. 5. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ respeita à quantidade de gorduras, pretendia-se que o lote alimentado de maneira tradicional tivesse menos gordura que o outro, provando assim que este tipo de alimentação é mais saudável. 5
  6. 6. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ I – Parte Teórica 1 - Características das galinhas Designam-se por aves de capoeira as espécies ornitológicas que foram amansadas pelo homem e se conservaram como animais domésticos, tendo em vista o aproveitamento da sua carne, dos ovos ou das penas. Uma destas aves é a galinha. Esta pode ser classificada zoologicamente como pertencente ao reino animalia, ao tipo dos vertebrados, à classe das aves, a sua ordem é a das galináceas, corresponde à família das faisinídeas, ao género gallus e à espécie Gallus gallus domesticus. Mundialmente existem mais de trezentas raças de espécies de galinhas domésticas. Estas podem distinguir-se em três categorias principais:  Raças puras para fins comerciais;  Raças híbridas que resultam de cruzamentos;  Raças locais ou nacionais. De uma maneira empírica, podemos dividir as raças para fins comerciais de acordo com o seu principal objectivo de produção:  Postura de ovos, principalmente as raças de galinhas leves, que põem ovos;  Produção de carne, principalmente pelas raças mais pesadas;  As galinhas que são criadas tanto para porem ovos como para produção de carne e que são as chamadas raças de duplo objectivo. A linhagem utilizada neste trabalho, a Cobb, é considerada uma estirpe “pesada”, pois é de rápido crescimento, alta eficiência alimentar, baixa mortalidade e está especialmente vocacionada para a deposição de músculo (creatopoiéticas). Esta resultou do cruzamento de fêmeas White Rock e machos Vantress. Os animais Cobb apresentam emplumação branca, com pele amarela, mas mediante a administração de alimentos compostos despigmentados, a sua pele adquire a cor branca ou creme. As suas patas e bico são amarelos e a crista é simples e dentada de cor vermelho vivo. 6
  7. 7. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Tal como o resto da sua espécie, esta estirpe é omnívora, poligâmica1 e dimorfa2. As penas que revestem o seu corpo são de tipos diferentes: as remiges, que são as penas grandes das asas, as rectrizes, que são as penas grandes da cauda, as tectrizes, que são as penas curtas e largas que revestem quase todo o corpo e as plúmulas, que estão por baixo de todas estas penas e cujo conjunto é designado por penugem, que serve para isolar e proteger a ave de variações de temperatura do meio ambiente. E isso é fundamental dado que a galinha tem uma temperatura permanente de 42ºC. O seu esqueleto3 divide-se em três partes principais: cabeça, tronco e membros. O esqueleto da cabeça é pequeno e relativamente leve, o qual está ligado à coluna vertebral apenas por um só côndilo occipital, o que facilita muito os movimentos da cabeça. Outro traço dominante da cabeça das aves é o bico, o qual se abre segundo movimentos verticais e está concebido para apanhar e manipular o alimento. No tronco, há a considerar o osso peitoral ou esterno, que se alonga por toda a parte ventral do animal, com uma quilha mediana, onde se prendem os músculos peitorais do voo. Aquele é reforçado também pelas costelas e pela coluna vertebral, que forma uma ancoragem maciça e rígida para o sistema muscular das asas. As asas são compostas pelo braço, constituído pelo úmero, pelo antebraço, que é formado pelo rádio e cúbito, e pela mão, que é formada por dois ossos carpianos, por dois ossos metacarpianos e por três falanges, sendo duas compridas e uma rudimentar. Os ossos das asas estão ligados a uma cintura escapular, que é composta pela omoplata, pelo coiracóide e pela clavícula. Nos membros posteriores ou patas observa-se na coxa o fémur; na perna, a tíbia e o perónio; e nos ossos do pé, o tarso e o metatarso, que conjuntamente formam o osso da canela. Os pés têm quatro artelhos, três voltados para a frente e um para trás. A galinha é uma ave que praticamente não voa, por causa das suas asas pequenas e do seu corpo volumoso, no entanto possuiu todas as características essenciais ao voo. O sistema muscular das aves é bastante desenvolvido, especialmente na região peitoral, onde se observa 1 Existe apenas um macho para várias fêmeas. 2 O macho distingue-se facilmente das fêmeas. 3 Ver página 28, figura 1 7
  8. 8. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ uma forte massa muscular, de forma a permitir a faculdade de voar. Apesar de a galinha não ser uma ave voadora possuiu todos os músculos com características para tal.4 O peso dos músculos da região peitoral iguala o peso total dos restantes e constitui 12% do peso corporal. Estes músculos também suportam os órgãos vitais da cavidade abdominal. São muito desenvolvidos na maior parte das aves, mas especialmente nas estirpes com selecção genética cujo objectivo é a produção de carne. As galinhas apresentam músculos claros e escuros, que conferem à carne uma cor clara ou escura. Normalmente, a actividade dos músculos determina a sua cor. Carne mais escura significa maior esforço por parte desse músculo. O sistema respiratório das aves5 é muito diferente do dos mamíferos, no entanto é bastante eficiente. O ar apenas circula num sentido – ventilação contínua. As vias respiratórias são formadas pelo bico, laringe e traqueia. A laringe é muito reduzida, a traqueia disposta à frente do esófago é constituída por anéis cartilagíneos e dá origem aos dois brônquios, os quais se desdobram em bronquíolos. Algumas das ramificações dos brônquios penetram nos pulmões, mas outras vão abrir-se em sacos membranas, chamados sacos aéreos, espalhados por todo o corpo. Estes comunicam, internamente, com os bronquíolos e com a cavidade interna dos ossos pneumáticos. Os pulmões estão fortemente unidos às costelas, são pequenos e compactos, basicamente formados por um conjunto de tubos. Estão abertos nas duas extremidades pelos parabrônquios, que os ligam aos sacos aéreos, anteriores e posteriores. Os sacos aéreos não intervêm na hematose, mas tornam a ventilação mais eficiente. Durante a ventilação ocorrem duas inspirações e duas expirações: na primeira inspiração, o ar entra para os sacos posteriores; na primeira expiração, passa para os pulmões; na segunda inspiração, o ar avança para os sacos anteriores (ao mesmo tempo que entra ar fresco para os posteriores) e na segunda expiração, o ar é expelido dos sacos anteriores (ao mesmo tempo que o ar fresco entra nos pulmões). Nas aves, o coração é constituído por duas aurículas e dois ventrículos e a corça da aorta encurva-se para a direita. O coração, como órgão propulsor, expele constantemente o sangue para a corrente circulatória. Este último sai do ventrículo esquerdo (arterializado) pela 4 Getty, 1982, citado por Pires. 5 Ver página 28, figura 2. 8
  9. 9. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ aorta e suas ramificações e é transportado para todo o corpo, onde se processa a troca de oxigénio por dióxido de carbono. Após esta acção de troca gasosa, o sangue regressa à aurícula direita pelas veias cavas. A todo este processo chama-se “Grande circulação do sangue”. O sangue venoso passa dessa aurícula para o ventrículo direito, saindo pela artéria pulmonar, que o conduz aos pulmões, onde vai arterializar-se. Uma vez realizada a hematose do sangue, este regressa ao coração pelas veias pulmonares à aurícula esquerda. Esta é chamada a “Pequena circulação do sangue”. No que respeita ao aparelho digestivo das galinhas, este é composto por tubo digestivo e órgãos anexos. O tubo digestivo é constituído por um conjunto de órgãos: a boca, transformada em bico; o esófago, com uma dilatação, situada para a frente; o papo, onde os alimentos são armazenados e amolecidos; o estômago, formado por duas partes: o proventrículo ou ventrículo succenturiado (onde um suco desfaz, em parte, os alimentos) e a moela, que tem uma forma oval, paredes muito espessas e musculosas, revestidas de uma película imensamente resistente, onde os alimentos são verdadeiramente triturados com a ajuda de areias; o intestino delgado, que produz enzimas que ajudam na digestão e onde se dá a absorção dos nutrientes (na galinha adulta mede cerca de 140cm); o intestino grosso, que se estende desde o fim do intestino delgado até à cloaca, está envolvido da reabsorção de água e quando a galinha é adulta mede cerca de 10cm; por fim, a cloaca, por onde saem as fezes juntamente com a urina e onde termina o canal condutor dos ovos. Os órgãos anexos são constituídos por fígado, vesícula biliar e pâncreas. 9
  10. 10. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ 2 - Alimentação A água representa cerca de 60% a 70% do peso da ave. Ao contrário do que se poderia pensar, os frangos consomem quantidades consideráveis de água. Os galináceos devem ter um abastecimento constante de água fresca e limpa, de modo a que os nutrientes possam ser absorvidos e os materiais tóxicos eliminados do corpo. Tal é especialmente importante no caso dos pintos. A falta de água reduzirá a ingestão/consumo alimentar, provocando um grave retardamento do crescimento. A energia dietética provém principalmente dos hidratos de carbono (cereais), mas também da gordura e proteínas. Normalmente, as galinhas têm acesso livre à comida e é-lhes é permitido consumir a quantidade que desejam. As vitaminas desempenham um papel importante nos sistemas enzimáticos e da resistência natural das aves de capoeira. Só se necessita delas em quantidades muito pequenas, mas são vitais para o sustentáculo da vida. Os minerais, especialmente o cálcio (Ca) e o fósforo (P), são essenciais para os ossos. Os sistemas enzimáticos também se encontram muitas vezes dependentes de elementos minerais como o ferro, cobre, zinco e iodina. Actualmente, podem-se distinguir duas formas principais de avicultura: a de pequena escala (avicultura de subsistência) e a de aviários comerciais. 2.1) Tradicional Ainda hoje, principalmente nas pequenas localidades, se pratica a criação de frangos para consumo próprio. Quando os frangos são criados em casa, mais de metade da sua dieta são cereais, tais como o milho. Este tem uma grande quantidade de hidratos de carbono (71.7%). Inicialmente, é fornecido sob a forma de farinha e posteriormente inteiro. Também são administrados às aves vegetais como couves, alfaces, algumas ervas, entre outros. Muitas vezes, os restos da 10
  11. 11. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ alimentação do ser humano, como por exemplo batatas cozidas e arroz, também são fornecidos às aves. Nesta situação, o frango tem espaço para se movimentar e muitas vezes recolhe do chão algumas minhocas e outros animais. Este também ingere algumas pedras para ajudar na trituração dos alimentos. A alimentação que lhes é fornecida não contém grandes quantidades de gordura, o que faz com que estes não apresentem uma grande quantidade da mesma no tecido adiposo. Neste tipo de alimentação, o animal não ingere aditivos, pelo que o seu tempo de crescimento é mais lento. Na tabela seguinte, podem-se observar as necessidades nutricionais do frango bem como as fontes onde estes as podem obter. Categoria dos nutrientes Possível fonte do nutriente Amido de cereais ou tubérculos, gordura Energia das sementes Proteína Grãos de soja, peixe, insectos Minerais Cinza de ossos, conchas, calcário Vitaminas Fruta, legumes verdes Água da chuva, água canalizada, água Água proveniente de nascentes naturais 2.2) Ração As rações para frangos de carne são constituídas por uma mistura complexa de ingredientes cuidadosamente seleccionados, fornecendo de uma forma equilibrada e adequada as quantidades certas de proteína, energia e outros nutrientes essenciais, de modo a atingir o seu objectivo que é a obtenção de um crescimento rápido e saudável. O tipo de ração a fornecer às aves deve estar de acordo com a fase de crescimento do animal, devendo nas duas primeiras semanas dar-se uma ração de iniciação (A-104), caracterizada pelo seu elevado teor de proteína e aminoácidos, com a finalidade de estimular 11
  12. 12. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ ao máximo o crescimento. A partir da terceira semana, muda-se para uma ração granulada (A- 115), destinada fundamentalmente a manter o ritmo de crescimento das aves. Esta ração é caracterizada pela diminuição do teor de proteína e aminoácidos. A ração de arranque deve ser fornecida sob a forma de migalhas e farinada, enquanto a de crescimento e acabamento é fornecida sob a forma granulada. O objectivo de se passar de uma ração sob a forma de migalhas para uma granulada é esta proporcionar um maior estímulo visual, aumentando assim o consumo com o consequente aumento de peso e menor desperdício da ração, pois no acto de apreensão esta perde-se, caindo para a cama. A incorporação de aditivos nas rações é hoje uma prática comum indispensável para a obtenção de um rápido crescimento. Apresentam-se em anexo as características da ração, que acompanham os sacos desta sob a forma de etiqueta, utilizada no lote que foi alimentado com ração.6 6 Ver página 30, figura 3. 12
  13. 13. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ II – Parte Prática 1 - Metodologia Para ser possível a realização desta experiência foi necessário adquirir pintos que não tivessem sido alimentados anteriormente com ração para não se obterem conclusões falseadas. Por este motivo, a presente investigação começou no dia 18 de Janeiro de 2007, dia em que as aves eclodiram do ovo. Foram adquiridas ao senhor António Amaral, razão pela qual foi necessária a deslocação à localidade de Pardieiros. De seguida, efectuou-se o trajecto Pardieiros – Cabanas de Viriato, onde os animais permaneceram até ao final da experiência. Nesse mesmo dia, efectuou-se a medição das patas e da envergadura com uma fita métrica de um metro e meio. Conjuntamente, pesaram-se numa balança digital de cozinha, sendo distribuídos aleatoriamente em dois lotes, de modo a que cada grupo ficasse equiponderante e com o mesmo número de indivíduos. Cada conjunto ficou com nove pintos. Este procedimento foi efectuado até ao terminus da experiência com um intervalo de três dias, para assim ser possível observar melhor o seu desenvolvimento. Um lote começou a ser alimentado com ração A104 e outro com farinha de milho e arroz trinca, a comida permanecia em comedouros. Nos dois grupos, a água foi disponibilizada em bebedouros com uma capacidade de quatro litros. Durante a primeira semana permaneceram junto à lareira pois necessitavam de uma temperatura elevada e constante. Foram postados em caixas de papelão guarnecidas com folhas de jornais. Na segunda semana foram transferidos para uma caixa de madeira. Esta caixa foi dividida em duas partes iguais, com uma folha de cartão. Assim, de um lado ficou o lote alimentado a ração e do outro o alimentado a farinha de milho e arroz trinca. Nesta fase de desenvolvimento, colocaram-se duas lâmpadas de 60W, ligadas 24 horas por dia, para garantir uma temperatura constante e elevada dentro da caixa. Foi necessário mudar os jornais diariamente para garantir a higiene do local. De seguida, procedeu-se à sua pesagem, através de uma balança digital, para se obter a quantidade de dejectos expelidos por cada lote. 13
  14. 14. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Na terceira semana, no dia 8 de Fevereiro, retiraram-se da caixa os alimentados a ração, pois o espaço era exíguo para aí permanecerem conjuntamente com o outro lote. Assim, foram mudados para um galinheiro anexo, continuando aí até ao final da investigação. O outro lote permaneceu na caixa, sitio de onde foi retirada a divisória para estes terem mais espaço para o seu desenvolvimento. Contudo, cada um dos lotes continuou com uma lâmpada de 60W ligada permanentemente. Nesta semana, introduziu-se na dieta do lote alimentado com comida tradicional alface, couve, batatas cozidas e alguma areia e esporadicamente algumas minhocas apanhadas da terra. No outro grupo, procedeu-se à mudança do tipo de ração passando de A104 para A115, como sugerem as regras de avicultura industrial. A partir desta semana, deixaram de se colocar jornais na cama das aves, sendo esta substituída por resíduos de madeira. Para garantir as condições de higiene e um salutar desenvolvimento, era necessário mudá-la periodicamente: inicialmente, de semana a semana, e a partir da sexta semana, num intervalo de quatro dias. Na quarta semana, dado o estado de desenvolvimento do lote alimentado a ração, procedeu-se à retirada da lâmpada. No entanto, o outro lote continuou com iluminação até à sexta semana, visto que o seu crescimento se processava a um ritmo mais lento. Ao fim da nona semana, deixou-se de efectuar a pesagem dos frangos, a medição das asas e das patas, porque a observação empírica já era conclusiva. Na décima segunda semana, sacrificaram-se dois frangos, um de cada lote, tendo sido escolhidos os frangos médios de cada lote. Estes foram seleccionados segundo um critério de peso médio dentro do próprio grupo. Foram abertos com uma tesoura, na aula de Biologia. Os órgãos internos foram retirados com a ajuda de um bisturi e colocaram-se num tabuleiro para observação. A pesagem dos frangos sem vísceras efectuou-se numa balança digital, para se saber o valor exacto do peso sem órgãos internos. Posteriormente, colocaram-se em arcas frigoríficas, nas quais seguiram para a Escola Superior Agrária de Coimbra para se realizarem análises à qualidade da carne. 14
  15. 15. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ 2 - Resultados e discussão Durante a experiência registaram-se alguns dados tais como a evolução média do peso, da envergadura e do tamanho das patas; observou-se a evolução das penas nos dois grupos; pesou-se a quantidade de dejectos da segunda à terceira semana; verificou-se as diferenças a nível do comportamento e da vitalidade. Após o sacrifício, constataram-se as diferenças a nível interno de um frango de cada lote e, posteriormente, procedeu-se à análise da carne de cada um. 2.1) Peso Inicialmente, cada pinto tinha cerca de 44 gramas. No primeiro dia, o peso total do lote alimentado com comida tradicional era de 402 gramas, ao passo que o lote alimentado com ração pesava 385 gramas. O que significa que a diferença entre os pesos totais nos dois lotes era de 17 gramas. Ao quarto dia de experiência, verificou-se que os alimentados com comida tradicional pesavam no total cerca de 425g, sendo o peso médio de cada pinto de 47gramas, enquanto os da ração pesavam em média 57gramas, tendo um peso total de 514 gramas. Assim, o peso total dos da comida tradicional sofreu uma evolução de 23 gramas, ao passo que os da ração pesavam mais 129 gramas, mostrando assim que estes começaram logo a ter um crescimento superior. Com o advir temporal, a diferença a nível do peso tornou-se mais evidente. No trigésimo quarto dia, a meio da experiência, cada frango alimentado com comida tradicional pesava em média 180 gramas, em contrapartida os alimentados com ração pesavam 780 gramas. No terminus da experiência, verificou-se uma diferença bastante significativa entre os dois lotes, sendo esta de 2100 gramas Efectuou-se um estudo matemático das funções da evolução do peso e pôde-se verificar que ambos os lotes apresentavam um crescimento exponencial. 15
  16. 16. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ A função 68,694 x 1,066x, em que o x representa a variável tempo, traduz o crescimento do lote alimentado com ração. O coeficiente da correlação7 entre o peso e a variável tempo é de 0,975. É considerada uma correlação positiva praticamente perfeita, o que significa que as variáveis crescem seguindo praticamente o modelo referido. A evolução do peso no lote alimentado com comida tradicional traduz-se pela função 35,440 x 1,047x. A correlação do peso com a variável tempo é de 0,993.8 Após a nona semana, deixou-se de efectuar a pesagem dos frangos. Estes continuaram a seguir o anterior plano alimentar. Na décima segunda semana, data em que se sacrificou um frango de cada lote, o alimentado com ração pesava 3890 gramas, enquanto o alimentado com comida tradicional pesava 920 gramas. Os frangos foram pesados posteriormente numa balança digital sem vísceras e verificou-se que o alimentado com ração pesava 3440 gramas9, por outro lado o frango alimentado com comida tradicional pesava 607,5 gramas. O peso do lote alimentado com comida tradicional foi inferior ao obtido pelo outro lote, pois esta estirpe não está preparada geneticamente para ser alimentada tradicionalmente. A ração possui aditivos que induzem o crescimento da massa muscular do frango num curto período de tempo. Nesta situação, os frangos apenas foram alimentados com comida tradicional que não possui nenhum desses aditivos, induzindo assim a um crescimento mais lento por parte dos mesmos. O peso obtido pelo lote alimentado com ração10, apesar de ser superior ao do lote alimento com comida tradicional, foi inferior ao peso standard11. As condições de criação em aviário são bastante diferentes das conseguidas nesta experiência. No que respeita à temperatura, nos 7 O coeficiente de correlação (r) utilizado foi o de Pearson e este varia entre -1 e 1. Quando r varia entre -1 e 0 é negativa; se varia entre 0 e 1 é positiva; se r=0, a correlação é nula. Também se considera uma correlação fraca se r variar entre -0,5 e 0 e entre 0 e 0,5, considera-se forte se variar entre -1 e -0.5 e entre 0.5 e 1. No caso de ser -1 e 1 diz-se perfeita. 8 Ver página 31, figura 5. 9 A balança digital só considerava valores até 3100g. Por isso, este cálculo foi baseado na diferença entre o peso vivo e o peso das vísceras (intestino, fígado, moela, coração, pulmões). 10 Este lote tentava recriar a criação de frangos em aviário. 11 Ver página 31, figura 4. 16
  17. 17. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ aviários esta é sempre constante, o que não se verificou neste estudo, pois no início ficaram junto à lareira, onde a temperatura não é constante. Quando foram mudados para o galinheiro, apesar de este possuir uma lâmpada para aquecimento, trata-se de um espaço aberto no qual a temperatura não era constante, visto que a esta ambiente sofre variações. Como a temperatura é um factor determinante no desenvolvimento das galinhas e o lote alimentado com ração sofreu grandes variações da mesma, esta é uma das razões para não se ter obtido um peso tão elevado como os standard. Nos aviários, os frangos têm pouco espaço para se movimentarem, isto para estes não despenderem energia e esta ser convertida em massa muscular. O lote alimentado com ração possuía um espaço amplo para se movimentar e, por isso, essa energia era gasta, não sendo convertida em massa muscular, o que leva a que o peso não aumente tanto. 2.2) Envergadura A envergadura significa a distância que vai de uma asa à outra. Relativamente a este parâmetro, verificou-se que no dia do nascimento a envergadura nos dois lotes era de dez centímetros. Ao décimo dia, já se verificava uma diferença de oito centímetros ao nível envergadura nos dois lotes. Com o passar dos dias, esta diferença começou a ser mais visível. No trigésimo sétimo dia, a envergadura do lote alimentado com comida tradicional era de trinta centímetros, enquanto a do lote alimentado com ração era de quarenta e oito cm. No final da experiência, verificou-se que a diferença entre os dois lotes era de dezanove centímetros.12 Podemos assim concluir que o lote alimentado com ração teve um maior desenvolvimento ao nível da envergadura. Após o estudo matemático do crescimento deste parâmetro nos dois lotes, pôde-se concluir que a função que traduzia o crescimento da envergadura no lote alimentado com comida 12 Ver página 32, figura 6. 17
  18. 18. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ tradicional era y =10,453 x 1,027x, com uma correlação de aproximadamente 0,993. No caso do lote alimentado com ração, efectuou-se o mesmo estudo e constatou-se que a função y=9.565X + 0.9598, em que o x é a variável tempo, traduzia o crescimento da sua envergadura com uma correlação de aproximadamente 0,997.13 2.3) Tamanho das patas No primeiro dia, o tamanho médio das patas dos pintos nos dois lotes era de 5,5cm. Este valor manteve-se até ao sexto dia de experiência. A partir desse dia, as patas do lote alimentado com ração tiveram um maior desenvolvimento. Verificando-se no fim do estudo uma diferença de seis centímetros entre os dois lotes, medindo as patas do lote alimentado com ração dezoito centímetros, enquanto as do lote alimentado com comida tradicional mediam doze centímetros. Em suma, as patas do lote alimentado com comida tradicional tiveram um desenvolvimento inferior. Matematicamente, verificou-se que as patas do lote alimentado com ração cresciam segundo uma função linear de expressão y=0,2055X + 5,0656, com uma correlação de aproximadamente 0,996. A função que melhor definia a evolução do tamanho das patas no lote alimentado com comida tradicional era uma função exponencial, cuja expressão é y=5.098 x 1,0138x e esta apresentava uma correlação de aproximadamente 0,996 com os dados obtidos durante a experiência. 2.4) Evolução das penas nos dois grupos Ao quarto dia de vida, os pintos já tinham as penas a desenvolverem-se na ponta das asas, tanto os da tradicional como os da ração14. 13 Ver página 32, figura 7. 14 Ver página 34, figura 11. 18
  19. 19. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Durante a segunda semana, os do lote alimentado com comida tradicional, tinham metade das asas com penas. Ao passo que, o lote alimentado com ração tinha as asas cheias de penas.15 Na quarta semana, a diferença entre os dois grupos tornou-se mais evidente: o lote alimentado com ração tinha a maior parte do corpo coberto de penas e na restante observava- se a queda da penugem. O lote alimentado com comida tradicional continha as asas cobertas de penas.16 Três semanas mais tarde, ou seja, na sétima semana, o grupo da ração possuía o corpo revestido de penas, enquanto os da comida tradicional apresentavam penugem na cabeça.17 Com o passar do tempo verificou-se que o lote alimentado com comida tradicional apresentava penas mais rarefeitas.18 No dia do sacrifício, verificou-se que as penas do lote alimentado com ração não estavam tão agarradas ao tecido adiposo como as do lote alimentado com comida tradicional. 2.4) Dejectos da segunda à terceira semana Na primeira semana foi impossível quantificar a quantidade de dejectos expelida por cada lote, porque havia muito desperdício de comida. Caso se tentasse pesar os jornais os resultados obtidos iriam ser falseados, pois pesar-se-iam comida e dejectos. Da segunda à terceira semana foi possível pesá-los, porque durante este período de tempo os desperdícios de comida eram mínimos, permitindo assim obter resultados correctos. A partir da terceira semana, deixou-se de utilizar jornais na cama dos pintos e passou-se a utilizar resíduos de madeira. Como estes absorvem muita humidade, também não foi possível quantificar a quantidade de dejectos. Durante a semana em que foi possível quantificar os dejectos, verificou-se que o lote alimentado com ração expeliu uma maior quantidade dos mesmos, pois este lote ingeria uma 15 Ver página 35, figura 12. 16 Ver página 35, figura 13. 17 Ver página 36, figura 14. 18 Ver página 36, figura 15. 19
  20. 20. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ quantidade superior de comida comparativamente com o lote alimentado com comida tradicional.19 Durante toda a experiência, verificou-se que os dejectos do lote alimentado com comida tradicional apresentavam uma cor esverdeada, ao passo que, os do lote alimentado com ração eram acastanhados. 2.6) Comportamento Os dois lotes demonstraram um comportamento bastante diferenciado um do outro. O lote alimentado com ração apresentou-se muito calmo. Passava a maior parte do tempo, quando não estava a comer ou a beber, sentado. Era bastante fácil apanhar uma ave deste grupo à mão. O lote alimentado com comida tradicional apresentava um comportamento oposto. Era agressivo e dinâmico. Desde o início, verificou-se que este lote passava a maior parte do tempo a correr. Durante o dia, a grande maioria dos frangos permanecia em pé. Desde cedo se notou uma grande tendência de algumas aves para se empoleirarem no comedouro e na caixa. Este lote esgravatava continuamente a cama, o que permitia que esta se apresentasse mais seca, contrariamente ao que aconteceu no outro lote. 2.7) Vitalidade Inicialmente, cada lote continha nove pintos. Ao fim da terceira semana, o lote alimentado com comida tradicional permanecia apenas com seis, ao passo que no outro lote figuravam oito. Assim, os alimentados com comida tradicional tiveram uma taxa de mortalidade de 33%, enquanto os alimentados com ração apresentaram uma taxa de 11%. No final da experiência, pôde-se verificar que o lote com menor taxa de mortalidade tinha dificuldades de locomoção devido ao seu excessivo peso. 19 Ver página 34, figura 10. 20
  21. 21. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ O lote alimentado com comida tradicional apresentou, ao longo de toda a experiência, a mesma vitalidade. 2.8) Nível Interno A abertura dos frangos efectuou-se na aula de Biologia com a ajuda de uma tesoura. Durante este processo verificou-se que o frango alimentado com comida tradicional possuía ossos mais rijos. Este aspecto foi baseado na força que teve de se exercer para se conseguir partir os ossos do esterno nos dois frangos. Após a sua abertura, pôde-se verificar, empiricamente, que o frango alimentado com ração possuía maior quantidade de gordura.20 Esta, neste frango, apresentava uma cor mais esbranquiçada em relação ao outro, que apresentava a gordura dotada de uma cor amarelo vivo. Verificou-se que a cor do tecido muscular do frango alimentado com comida tradicional era mais escura em relação ao outro frango. Estes exerciam mais força nos músculos e sabe-se que quanto mais força se exerce, mais escura se torna a carne.21 Nos restantes órgãos do corpo, o que mais diferenças evidenciou foi a moela. No frango alimentado com comida tradicional, esta possuía um músculo mais escuro e rijo em relação ao frango alimentado com ração, isto deve-se ao facto de a moela ter de triturar o milho, que é um alimento que exige grande esforço para ser triturado, ao passo que o outro frango apenas tinha de triturar ração, que engloba o milho já triturado. Assim, exige-se um menor esforço por parte da sua moela. Foi possível observar, para além da moela, órgãos como os pulmões, o fígado, o coração, o papo, os intestinos e verificou-se que os do frango alimentado com ração apresentavam maiores dimensões, devido ao seu superior crescimento. 20 Ver página 37, figura 16. 21 Ver página 8. 21
  22. 22. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ 2.9) Análise à qualidade da carne No dia do sacrifico, 11 de Abril de 2007, os frangos foram levados à Escola Superior Agrária de Coimbra para se efectuar uma análise sumária (proteínas, cinzas, humidade e gordura) ao tecido muscular, para se verificarem as diferenças ao nível da qualidade da carne nos dois lotes. No que diz respeito à quantidade de proteínas, verificou-se que o frango alimentado com ração possuía 17,6% na constituição da sua carne, ao passo que o lote alimentado com comida tradicional possuía 15,6%. Esta diferença de 2% não é significativa e deve-se ao facto de as rações actuais estarem elaboradas de modo ao frango obter uma certa quantidade de proteínas. A quantidade de cinzas, ou seja, a quantidade de elementos minerais presentes no tecido muscular, era maior no frango alimentado com comida tradicional, sendo 2,19%. Ao passo que, o outro frango possuía 1,33% de cinzas. O frango alimentado tradicionalmente tem mais cinzas devido à sua alimentação ser rica em sais minerais. Pôde-se verificar que em ambos os frangos mais de metade da sua constituição é água. O lote alimentado com comida tradicional possui 69,27% de água na sua constituição, ao passo que o lote alimentado com ração possui 58,92%. Esta diferença deve-se ao facto de o grupo alimentado com comida tradicional ingerir uma grande quantidade de vegetais que possuem um grande teor de água. Apesar de a ração não ter na sua constituição água, estes frangos apresentam um elevado teor desta na sua carne, pois estes bebiam cerca de três vezes mais água que o outro lote. Em relação à quantidade de gordura, pôde-se verificar que o frango alimentado com ração apresentava uma percentagem de 20,7%, enquanto o frango alimentado com comida tradicional tinha 11,5% de gordura.22 Estes dados demonstram que o frango alimentado com ração possui quase o dobro de gordura do que o frango alimentado com comida tradicional. Isto deve-se ao facto de a ração possuir aditivos que induzem o crescimento da massa muscular num curto período de tempo. 22 Ver página 38, figura 18. 22
  23. 23. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Assim, podemos concluir que o frango alimentado com comida tradicional é mais saudável, porque possui maior quantidade de cinzas que são benéficas ao corpo humano e um menor teor de gorduras, que, quando ingeridas em excesso, são prejudiciais à saúde pois possuem toxinas. 23
  24. 24. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Conclusão A experiência permitiu retirar conclusões expressivas relativamente às diferenças verificadas nos dois lotes. Constatou-se que o lote alimentado com ração apresentou um crescimento superior, comparativamente ao outro grupo, em relação ao peso, à envergadura e ao tamanho das patas. Pode-se salientar que no dia do sacrifício apresentavam uma diferença de aproximadamente três quilogramas. No que respeita à evolução das penas, desde cedo se começaram a observar diferenças nos dois lotes. As penas do lote alimentado com ração apresentaram um desenvolvimento superior. No dia do sacrifício, verificou-se que as penas do lote alimentado com comida tradicional se encontravam mais agarradas à pele em relação às do outro lote. Outra das conclusões que foi possível retirar desta experiência diz respeito à quantidade de dejectos expelidos por cada lote. Verificou-se que o grupo alimentado com ração expeliu maior quantidade dos mesmos. Os frangos alimentados com comida tradicional apresentaram um comportamento mais dinâmico e agressivo do que o outro lote. Neste grupo, os frangos passavam a maioria do tempo sentados, a comer e a beber. Ao passo que os alimentados tradicionalmente estavam sempre a correr. Quando se procedeu à abertura dos frangos, observou-se empiricamente que o alimentado com comida tradicional possuía menos gordura. Após a retirada dos órgãos e gordura calculou-se a quebra23 nos dois frangos e verificou-se que o frango alimentado com ração teve uma quebra de 13%, enquanto o alimentado com comida tradicional apresentou uma quebra de 51%. Assim, verifica-se que, economicamente, criar frangos alimentados com ração é mais rentável. Após as análises, os resultados da qualidade da carne nos dois lotes foram bastante conclusivos. Pôde-se verificar que o lote alimentado com ração possuía mais de 20% de gordura na constituição da sua carne. Enquanto o outro lote apenas possuía 11,5%. Também se 23 Percentagem entre o peso do frango morto com vísceras e sem estas 24
  25. 25. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ constatou que este último grupo apresentava maior quantidade de cinzas e de água sua na constituição. Estes resultados demonstram-nos que o frango alimentado com comida tradicional é mais saudável para a alimentação humana. Assim, a crença da vox populi é verdadeira. Em futuros trabalhos, poder-se-á comparar a evolução de crescimento de um lote alimentado com ração, que permanecerá num galinheiro caseiro (como ocorreu nesta experiência) com um lote que será criado em aviário. Como as condições de maneio neste último são diferentes das utilizadas nesta experiência, acha-se que seria interessante comparar os resultados obtidos nestes dois lotes, tanto a nível de crescimento como de qualidade da carne. Outra proposta para futuros trabalhos poderá centrar-se na realização desta experiência com uma estirpe de frango de campo para comparação de resultados. 25
  26. 26. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Bibliografia Livros:  MISERSKY, Peter, et alli; Produccion y sacrificio de aves para carne (Pollos, Patos, Pavos e Gansos); Editorial Acribia Zargoza; págs. 61 a 69  CARD, Leslie E., et alli ; Producción Avícola; Editorial Acribia Zargoza; págs, 36 a 39, 193 a 214  BELL, Donald, Weaver, William D.; Commercial Chicken Meat and Egg Production; Kluwer Academic Publishers, págs. 41 a 58  LARBIER, Michel, Leclercg, Bernard; Nutriton et alimentation des volailles; Institut national de la recherché agronomique (INRA) edition  BREMMER, Alan, Johnston, Mac; Poultry meat hygiene and Ispection; Saunders; p. 101 a 107  OLIVEIRA, Sérgio Manuel Domingues de; Relatório final de estágio - Maneio em exploração de “Broilers” (comparação entre duas estirpes Cobb e Shaver); Coimbra; 2000; p. 2 a 5, 22 a 29, 38, 43 a 45, 52  PIRES, Francisco; Relatório de fim de curso - Avaliação do rendimento de carcaça de duas estirpes de aves de vocação creatopoiética; Coimbra; 2000; p. 4 a 10, 13 a 19, 24 a 29, 32 e 33 26
  27. 27. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________  LOUREIRO, António Firmino Figueiredo; Contributo para o estudo comparativo de duas estirpes de frango de campo; p. 4 a 11, 18, 20, 28 a 30  MAYNARD et al., Animal Nutrition, 7ª ed. 1979, p.10  Composición química de los alimentos y los animales, capitulo 1, p. 3, 4  LEESON, Summers, J.D.; Broiler Breeder Production; University Books; p. 138 a 217  NEVES, Armando; Biologia – Para os Cursos de Formação Industrial 2º ano; 2ª ed; 2º volume, p. 116 a 126  SOEIRO, Augusto C. G.; Compêndio de Zoologia 3º ano; Porto Editora; 1º volume; p. 48 a 56  Biologia, Zoologia, Botânica, Lisboa; edições Celbrasil  HADORN, Ernst, Wehner, Rüdiger; Zoologia geral, 3ª ed, fundação Calouste Gulbenkian Internet:  http://curlygirl.no.sapo.pt/aves.htm  http://www.simbiotica.org/respiratorio.htm  http://pt.wikipedia.org/wiki/Frango  http://www.informaves.hpg.ig.com.br/fotos/respiratoriom.jpg 27
  28. 28. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Anexos 28
  29. 29. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Figura 1 – Esqueleto da galinha. Figura 2 – Esquema do aparelho respiratório das aves. 29
  30. 30. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ ALIMENTO COMPOSTO COMPLETO ALIMENTO COMPOSTO COMPLETO VERÍSSIMO 104 VERÍSSIMO 115 Pintos para carne 1ª fase das 0 às 3 semanas Pintos para carne – 2ª Fase a partir da 3ª semana até 5 dias antes do abate Matérias-primas para Alimentação Animal Matérias-primas para Alimentação Animal Grãos de cereais, respectivos produtos e subprodutos; Sementes ou frutos oleaginosos, respectivos produtos e Grãos de cereais, respectivos produtos e subprodutos; subprodutos; tubérculos e raízes, respectivos produtos e Sementes ou frutos oleaginosos, respectivos produtos e subprodutos; Sementes de leguminosas, respectivos subprodutos; tubérculos e raízes, respectivos produtos e produtos e subprodutos; minerais; ácidos aminados; banha. subprodutos; Sementes de leguminosas, respectivos produtos Contêm milho, soja e seus derivados geneticamente e subprodutos; minerais; ácidos aminados; contêm milho, soja modificados. e seus derivados geneticamente modificados. Características analíticas: Características analíticas: Proteína bruta 18,00% Proteína bruta 16,00% Cinza bruta 7,50% Cinza bruta 7,50% Gordura bruta 3,00% Gordura bruta 2,70% Metionina 0,42% Metionina 0,38% Celulose bruta 4,50% Celulose bruta 4,50% Aditivos por Kg de Alimento Aditivos por Kg de Alimento Vitamina A 10.000Ul Vitamina A 10.000Ul Cobre 10mg (Sulfato cúprico penta-hidratado) Cobre 10mg (Sulfato cúprico penta-hidratado) Vitamina D3 2.000 UI Vitamina D3 2.000 UI Vitamina E 10 mg (Alfatocoferol) Vitamina E 10 mg (Alfatocoferol) Aglutinante sepiolite Aglutinante sepiolite Coccidiostático 100 mg (Monensina sódio) Coccidiostático 100 mg (Monensina sódio) Conservantes Conservantes Ácido propriónico Ácido propriónico Ácido fórmico Ácido fórmico Propionato sódio Propionato sódio Pigmentante Cantaxantina Pigmentante Cantaxantina Contêm MOS e Óleos Essenciais Contêm MOS e Óleos Essenciais Antioxidante 15 mg (BHA + Etoxiquin + Ácido Cítrico + Antioxidante 15 mg (BHA + Etoxiquin + Ácido Cítrico + Ácido Ortofosf6rico + Mono e triglicéridos de Ácidos Ácido Ortofosfórico + Mono e triglicéridos de Ácidos Gordos) Gordos) Figura 3 – Do lado esquerdo, ração administrada até à terceira semana. Do lado direito, ração administrada até cinco dias antes do abate. 30
  31. 31. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Peso médio nos dois lotes e standard 4500 4000 3500 3000 ração 2500 gramas tradicional standard 2000 1500 1000 500 0 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34 37 40 43 46 49 52 55 58 61 64 Tempo (dias) Figura 4 – Evolução do peso médio de cada frango nos dois lotes e valores standard. Funções da evolução do peso médio nos dois lotes 4500 4000 y = 68,694 x 1,066x 3500 3000 2500 gramas ração tradicional 2000 Exponencial (ração) Exponencial (tradicional) 1500 1000 y = 35,440 x 1,047x 500 0 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34 37 40 43 46 49 52 55 58 61 64 Tempo (dias) Figura 5 – Funções que traduzem a evolução do peso médio nos dois lotes, em que a variável x é o tempo. 31
  32. 32. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Envergadura média nos dois lotes 70 60 50 40 cm Tradicional 30 Ração 20 10 0 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34 37 40 43 46 49 52 55 58 61 64 Tempo (dias) Figura 6 – Evolução da envergadura média de cada frango nos dois lotes. Funções da envergadura média nos dois lotes 70 y = 9,565X + 0,9598 60 50 40 cm Tradicional 30 Ração y = 10,45 x 1,027x Exponencial (Tradicional) 20 Linear (Ração) 10 0 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34 37 40 43 46 49 52 55 58 61 64 Tempo (dias) Figura 7 – Funções que traduzem a evolução da envergadura média nos dois lotes, em que a variável x é o tempo. 32
  33. 33. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Tamanho médio das patas nos dois lotes 20 18 16 14 12 cm Tradicional 10 Ração 8 6 4 2 0 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34 37 40 43 46 49 52 55 58 61 64 Tempo (dias) Figura 8 – Evolução do tamanho médio das patas de cada frango nos dois lotes. Funções do tamanho médio das patas nos dois lotes 20 18 y = 0,2055X + 5,0656 16 14 12 cm Tradicional 10 Ração x y = 5,098 x 1,0138 8 Linear (Ração) Exponencial (Tradicional) 6 4 2 0 1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34 37 40 43 46 49 52 55 58 61 64 Tempo (dias) Figura 9 – Funções que traduzem a evolução do tamanho média das patas nos dois lotes, em que a variável x é o tempo. 33
  34. 34. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Quantidade de dejectos do dia 27/01/07 a 03/02/07 250 200 150 gramas Ração 100 Tradicional 50 0 1 2 3 4 5 6 7 8 tem po Figura 10 – Quantidade dos dejectos expelidos por cada da segunda à terceira semana. Figura 11 – Pintos durante a primeira semana. A imagem do lado esquerdo ilustra o lote alimentado com comida tradicional, a do lado direito o lote alimentado com ração. 34
  35. 35. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Figura 12 – Pintos durante a segunda semana. A imagem do lado direito ilustra o lote alimentado com comida tradicional e a do lado esquerdo o lote alimentado com ração. Figura 13 – Pintos durante a quarta semana. O maior pertence ao lote alimentado com ração, enquanto o mais pequeno faz parte do lote alimentado com comida tradicional. 35
  36. 36. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Figura 14 – Frangos na sétima semana. Figura 15 – Frangos na décima semana. 36
  37. 37. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Figura 16 – Nível interno do frango de cada lote. Figura 17 – Vísceras dos dois frangos sacrificados. 37
  38. 38. Influência da alimentação no desenvolvimento da estirpe Cobb ___________________________________ Amostra Humidade Cinza Gordura Proteína (Ref.) (%) (%) (%) (%) Frango alimentado a 69,27 2,19 11,5 15,6 comida tradicional Frango alimentado com 58,92 1,33 20,7 17,6 ração Figura 18 – Resultados das análises efectuadas à carne de cada frango. 38

×