1
1.INTRODUÇÃO TEÓRICA
s glícidos ou carbohidratos são biomoléculas mais abundante na face da terra. Eles são
umas das qua...
2
Hexoses
Principais fontes de energia para os seres vivos.
Os dissacáridos são compostos, formados por duas unidades de m...
3
Os oligossacáridos são compostos de glícidos formado por três a dez unidades de
monossacáridos, unidas entre si por liga...
4
b) Polissacáridos que atuam como substancias de estrutura:
Alem de atuar como fontes de energia, forma de armazenamento ...
5
 Discutir o resultado das três experiencias identificando cada amostra (ABC e D) com
cada um dos seguintes glicoses: gl...
6
5.PROCEDIMENTOS.
Experiencia A.
3ml de amostras A, B, C e D foram colocados em tubos de ensaio deferentes. 4 gotas de lu...
7
Experiencia C.(Tabela 3)
AMOSTRA COR
A Vermelho tijolo
B Azul
C Vermelho tijolo
D Vermelho tijolo
7.DISCUSSÃO E CONCLUSS...
8
8.REFERÊNCIAS.
LEHNINGER, A.L; NELSON, D.L; COX, M.M. Principles of biochemistry. 4.ed. FREEMAN.
2005
BERG,J.M; TYMOCZKO...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatorio glicidos UEM por D.Petter

416 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
416
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatorio glicidos UEM por D.Petter

  1. 1. 1 1.INTRODUÇÃO TEÓRICA s glícidos ou carbohidratos são biomoléculas mais abundante na face da terra. Eles são umas das quatro classes principais de biomoléculas, juntamente com proteínas, ácidos nucleicos e lípidos. Os glícidos são predominante, poliidroxialdeídos ou poliidroxiacetonas cíclicos ou planas ou ainda substancias que por hidrolise formam aqueles compostos. Muitos mas não todos, contêm carbono, hidrogénio e oxigénio com a formula geral (CH2O)ƴ em que ƴ é o numero de átomos de carbono mais que três ( ƴ ≥ 3 ). Os seus derivados podem contem nitrogénio, fosforo, ou enxofre. Os carbohidratos estão dividido em quatro classes principais, monossacáridos, dissacáridos, oligossacáridos e polissacáridos, de acordo com numero de unidades de açúcares que contém. Também de acordo com a posição de grupo funcional ( grupo carbonilo), estão dividido em dois classes, aldeídos e cetonas. Alem disso, de acordo com os seus funções carbohidratos estão divido em dois classes, carbohidratos de reserva e carbohidratos de estrutura. Os monossacáridos consistem de uma única unidade e pode ser classificado de acordo com o numero de átomos de carbono (exemplo C3, C4, C5, C6, ou C7) como: trioses, tetroses, pentoses, hexoses, ou heptoses. Em solução aquosa monossacáridos de carbono cinco a cima formam anéis que e resulta de uma ligação covalente entre o carbono carbonilo e um grupo hidroxilo da própria molécula, este processo é denominado ciclização. Todos os monossacáridos são agente redutores ( tem propriedades redutores). As imagens em baixo apresenta as estruturas dos monossacáridos de importância na vida: Pentoses Participam da constituição dos ácido nucléicos O
  2. 2. 2 Hexoses Principais fontes de energia para os seres vivos. Os dissacáridos são compostos, formados por duas unidades de monossacáridos, unidas entre si por ligações caraterísticas, chamadas ligações glicosídicas. A tabela em baixo apresenta os dissacáridos de importância na vida: Dissacárido Monossacáridos constituintes Função Maltose α-D-glicose + β-D-glicose Apresenta função energética e é encontrado em vegetais. Sacarose α-D-glicose + β-D-frutose Apresenta função energética. Está presente nos frutas principalmente na cana-de-açúcar. Lactose β-D-glicose + β-D-glicose Apresenta função energética e é o açúcar presente no leite.
  3. 3. 3 Os oligossacáridos são compostos de glícidos formado por três a dez unidades de monossacáridos, unidas entre si por ligações glicosídicas. Maior deles não são dirigidos pelos enzimáticas humana. Os polissacáridos são glícidos formado pelo condensação de mais que dez unidades de monossacáridos. Alguns existem em cadeias lineares como celulose e amilose, enquanto outros existem em cadeias ramificada como amilopectina e glicogénio. Os polissacáridos atuam como substancias de reserva e como substâncias de estrutura nas plantas tais como nos animais. a) Polissacáridos que atuam como substancias de reserva:
  4. 4. 4 b) Polissacáridos que atuam como substancias de estrutura: Alem de atuar como fontes de energia, forma de armazenamento e compostos estruturais nos seres vivos, os glícidos também servem na constituição de matriz extracelular que ajuda em lubricacão de articulações e córnea (condroitina sulfato e queratina sulfato). Também participam na comunicação e união intercelular ( glicoproteínas e glicolípidos). Apesar das suas funções os glícidos também são relacionado com vários distúrbio clínicos incluir: glicogéneses, intolerância aos lípidos, hipoglicemia e hiperglicemia(diabetes). 2.OBJECTIVOS 2,1. GERAL Identificar a presença ou não de glícidos através das reações com HCl; HCO3 - ; lugol e reagente de Benedict. 2,2. ESPECIFICO  Observar a acção do lugol sob as diferentes soluções de glícidos nos tubos de ensaio.  Observar a acção do reagente de Benedict nas soluções de glícidos presentes em cada tubo.
  5. 5. 5  Discutir o resultado das três experiencias identificando cada amostra (ABC e D) com cada um dos seguintes glicoses: glicose, lactose, sacarose e amido. 3. PRINCÍPIO DO MÉTODO. 3,1.Usando reagente de Benedict. Alguns carbohidratos mostra propriedades redutores que são essenciais em seus identificação. Os carbohidratos redutores possuem grupos funcionais aldeídos ou cetonas livres ou potencialmente livres de carbono anomérico. Estes grupos sofrem oxidação em solução alcalina de íons metálicos como o cobre(reagente de Benedict). Os íons cúpricos (Cu++ ) são reduzidos pelo carbonilo dos carbohidratos a íons cuprosos (Cu+ ) formando o óxido cuproso, que tem a cor vermelho tijolo ou amarelo. No caso de dissacáridos, eles podem ser hidrolisados para liberar os seus componentes monossacáridos livre somente por aquecimento com ácido diluído (exemplo ácido clorídrico). Neste caso o ácido tem que ser neutralizado antes de fazer prova de Benedict. A reação abaixo esquematiza o princípio da prova de Benedict, baseada na redução de íons Cu2+ a Cu+ , com formação de um precipitado vermelho tijolo: Cu2+ (aq) → Cu+ (aq) → Cu2O(s) + H2O vermelho tijolo Nessa reação, o aparecimento de um precipitado de coloração vermelho-tijolo indica que os íons Cu2+ do reagente de Benedict foram reduzidos a Cu+ , indicando a presença de um açúcar redutor. 3,2.Usando lugol. Iodo presente no reagente de lugol forme, reage com o amido, e produzem um complexo de cor azul escuro e com o glicogénio, um complexo do cor vermelha. Celulose, monossacáridos e dissacáridos não produzem coloração com o iodo. 4.MATERIAIS E REAGENTES.  Amostra de glícidos: A, B, C e D, todos a 1%.  Tubos de ensaio, suportes para tubos de ensaio, banho-maria a 100℃.  Pipetas, conta-gotas.  Reagente de Benedict.  Lugol.  HCl a 10% e bicarbonato a 10%.
  6. 6. 6 5.PROCEDIMENTOS. Experiencia A. 3ml de amostras A, B, C e D foram colocados em tubos de ensaio deferentes. 4 gotas de lugol foram adicionada em cada tubo. E os resultados foram observado e anotado. Experiencia B. 3ml de amostras A, B, C e D foram colocados em tubos de ensaio deferentes. 2ml de reagente de Benedict foram colocados em cada tubo e aquecido a 100℃. E os resultados foram observado e anotado. Experiencia C. 3ml de amostras A, B, C e D foram colocados nos tubos de ensaio diferentes. Dez gotas de ácido de clorídrico a 10% foram adicionado em cada um dos tubos. As soluções foram aquecidos no banho maria durante dois minutos agitado sempre. Depois os tubos foram deixado arrefecer. O ácido nos tubos foi neutralizado com bicarbonato a 10%. Em seguida a prova de Benedict foi feito como indicado na experiencia B. Os resultados foram observado e notado. 6.RESULTADOS. Experiencia A.(Tabela 1) AMOSTRA COR A Laranja B Azul escuro C Laranja D Laranja Experiencia B.(Tabela 2) AMOSTRA COR A Vermelho tijolo B Azul C Vermelho tijolo D Azul
  7. 7. 7 Experiencia C.(Tabela 3) AMOSTRA COR A Vermelho tijolo B Azul C Vermelho tijolo D Vermelho tijolo 7.DISCUSSÃO E CONCLUSSÃO. Experiencia A. Devido aos resultados na tabela um, amostra B deu teste positivo com lugol, formando um complexo de Azul escuro. Isso significa que na experiencia A, na amostra B como já vimos na discussão de método do principio, há presença de carbohidrato polissacárido amido. Experiencia B. Devido aos resultado na tabela dois, amostra A e C deram teste positivo com reagente de Benedict, formando precipitantes vermelho tijolo. Isso significa que nas amostras A e C há presença de carbohidratos com carbono anomerico redutora livre, seja monossacárido ou dissacárido. Baseando-se em tempo de mudança de cor, podemos distinguir monossacárido de dissacárido nas duas amostras. Amostra C levou mais tempo em mudança de cor do que amostra A. Isso significa que amostra C tinha carbohidrato dissacárido enquanto amostra A tinha carbohidrato monossacárido. Nesse sentido, amostra C tinha carbohidrato dissacárido lactose e amostra A tinha carbohidrato monossacárido glicose. Experiencia C. A experiencia C é especial para determinar carbohidrato dissacárido que não tem carbono anomérico livre. O aquecimento com ácido diluído é para liberar os carbono anoméricos de ambos monossacáridos que estão envolvidos na ligação glicosídica. Na tabela três as amostras A e C que também deram teste positivo na experiencia B são carbohidratos com carbono anomérico livre. Mas amostra D que deu teste negativo na experiencia B deu teste positivo neste experiencia. Isso significa que na amostra D há carbohidrato dissacárido que não tem carbono anomérico livre. Neste sentido na amostra D está presença de carbohidrato dissacárido sacarose. NOTA: O carbono anomérico é o carbono redutor.
  8. 8. 8 8.REFERÊNCIAS. LEHNINGER, A.L; NELSON, D.L; COX, M.M. Principles of biochemistry. 4.ed. FREEMAN. 2005 BERG,J.M; TYMOCZKO,J.L; STRAYE.L. Biochemistry. 5.ed. W.H FREEMAN AND COMPANY.2009 MURRAY, K.R; BENDE,D.A; BOTHMAN,K.M; KENNELLY,P.J; RODWELL,V.W; WEIL.P.A. Harper,s Illustrated Biochemistry. 28.ed. Mc Graw Hill LANGE. 2009. MOTTA, V.T; Bioquímica Básica, 2005 http://www.infoescola.com/quimica/glicidos-e-não-redutores/.Acesso 22.03.2014 http://www.herpercollege.edu/tm-ps/chm/100/dgodambe/thedisk/carbo/bened/benedict.htm. Acesso 22.03.2014

×