Vida sem aids em slides

557 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
557
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
94
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vida sem aids em slides

  1. 1. E.E.E.M. Professor Matheus Augusto de Oliveira Vida Sem AIDS HIV
  2. 2. Origem da AIDS
  3. 3. No inicio do século XX os povos africanos costumavam caçar macacos para se alimentar da carne, e na luta com os animais se feriam e o sangue do animal que eles carregavam nas costa contaminavam suas feridas com o vírus SIV - um vírus que ataca o sistema imunológico dos macacos e em pouco tempo, a ação desse microorganismo dava origem ao HIV, responsável pela Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Durante a comercialização da carne de macaco muitos homens tinham contato com prostitutas e dessa foram aparecendo as primeiras vítimas da AIDS, mas confundida com outras enfermidades como pneumonia ou anemia profunda. Nos anos 60 com as várias guerras civis no continente africano, o trânsito de pessoas se refugiando pelo mundo inteiro disseminou por várias regiões do planeta. Um dos primeiros casos registrados no continente americano apareceu no Haiti, no ano de 1978. As explicações para a AIDS circulavam em torno de várias hipóteses e a mais difundida:
  4. 4. •câncer que acometia somente os homossexuais. •Pesquisas indicaram que qualquer pessoa – independente da sua escolha sexual – poderia ser acometida pela síndrome. Ainda que tantas informações sejam disponibilizadas, vemos que a questão do preconceito e de outros mitos está ligada à doença. Em muitos casos, jovens ignoram a necessidade do uso de preservativos por saberem que os remédios podem oferecer uma vida relativamente confortável. Ao todo, estima-se que 25 milhões de pessoas tenham sido vitimadas pela doença e que outros 33 milhões sejam portadores do HIV. Paralelamente, o desenvolvimento de potentes medicamentos ofereceu uma qualidade de vida maior para os infectados.
  5. 5. Formas de Contágio Vírus HIV circulando na corrente sanguínea
  6. 6. Formas de contágio •Sexo sem camisinha - pode ser vaginal, anal ou oral. •De mãe infectada para o filho durante a gestação, o parto ou a amamentação - também chamado de transmissão vertical. •Uso da mesma seringa ou agulha contaminada por mais de uma pessoa. • Transfusão de sangue contaminado com o HIV. • Instrumentos que furam ou cortam, não esterilizados.
  7. 7. Prevenção
  8. 8. • O uso consistente da camisinha é o meio mais seguro de se prevenir contra o HIV/AIDS e contra outras doenças sexualmente transmissíveis; • Seringas e agulhas não devem ser compartilhadas; • Toda gestante deve ser orientada a fazer o teste do vírus da AIDS (o HIV) e, em caso de resultado positivo, ser orientada sobre os seus direitos e os de sua criança, sobre a importância de receber os cuidados recomendados pelo Ministério da Saúde antes, durante e após o parto, para controlar a doença e prevenir a transmissão do HIV para o seu filho; • Todo cidadão tem direito ao acesso gratuito aos medicamentos anti-retrovirais. A boa adesão ao tratamento é condição indispensável para a prevenção e controle da doença, com efeitos positivos diretos na vida da pessoa com HIV/AIDS.
  9. 9. Como vestir a camisinha masculina
  10. 10. Como vestir a camisinha feminina
  11. 11. PRINCIPAIS SINTOMAS
  12. 12. Os principais sintomas da AIDS surgem, em média, após 10 anos da contaminação. São eles: •Febre persistente; •Tosse seca prolongada; •Suor noturno; •Edema dos gânglios linfáticos por mais de 3 meses; •Cefaleia; •Dor articular ou muscular; •Cansaço ou perda de energia; •Rápido emagrecimento. Perder 10% do peso corporal em um mês, sem dieta; •Candidíase oral ou genital persistente; •Diarreia por mais de 1 mês; •Manchas avermelha das ou pequenas erupções na pele
  13. 13. Vírus HIV
  14. 14. O HIV (Vírus Imunodeficiência Humana, na sigla em inglês) atinge o sistema imunológico, normalmente responsável pela proteção do organismo contra infecções. O vírus ataca um tipo de glóbulo branco (célula de defesa) chamado CD4. No processo, o HIV aloja seu genes no DNA da célula CD4 atingida e passa a utilizá-la para se multiplicar e, com isso, contaminar novas células. Durante o processo, as células CD4 acabam morrendo por razões ainda não totalmente conhecidas. Com a redução do número desses glóbulos brancos, o organismo começa a perder a perder a capacidade de combater doenças até atingir o ponto crítico que caracteriza a Aids. O vírus HIV faz parte dos retrovírus, que, embora mais simples que os vírus comuns, são mais difíceis de ser combatidos. Eles alojam seu DNA nas células atacadas de forma que novas células produzidas por elas passam a também portar o vírus. Os retrovírus também reproduzem seus genes na célula-alvo com maior margem de erro. Isso, somado à alta taxa de reprodução do HIV, provoca muitas mutações no vírus causador da Aids. E não só. O HIV é protegido por uma camada feita do mesmo material que algumas células humanas, o que dificulta sua identificação pelo sistema imunológico.
  15. 15. Mecanismo de Replicação Vírus HIV
  16. 16. Remédios Retro-virais
  17. 17. ZIDOVUDINA Efeitos Colaterais: •Anemia •Astenia (fraqueza) •Cansaço •Confusão mental •Constipações •Tosse •Ulcerações •Manchas na pele •Diarréia •Mal estar •Dor de cabeça •Perda de apetite •Náusea •Vômito
  18. 18. LAMIVUDINA Efeitos Colaterais: Cefaléia. Insônia. Fadiga. Mal-estar, Tontura, Depressão e febre. Dor abdominal, Anorexia, Vômito e diarréia Dispepsia, Tosse e sintomas nasais. Náusea.
  19. 19. EFAVIRENZ Efeitos Colaterais: Cutâneas, Náuseas, Tontura, Cefaléia e fadiga, Tontura, Insônia, Sonolência.
  20. 20. ETRAVIRINA Efeitos Colaterais: Os efeitos colaterais da etravirina são descritos como fracos ou moderados e, à exceção das erupções cutâneas, são similares aos do grupo placebo. Os pacientes já tinham sido tratados com uma dúzia de anti-retrovirais, que não eram mais eficazes, e sofriam com o aumento de outros tipos de doenças, devido à debilidade do organismo, entre elas a tuberculose.
  21. 21. ATAZANAVIR Efeitos Colaterais: A tolerância do organismo a esses antirretroviais é muito boa, causando poucos efeitos adversos. Além disso, ambos provocam baixa alteraçãodos níveis de colesterol e triglicerídeos, comparados a outros ini- bidores da protease. “O efeito colateral mais comum, que pode ser temporário, é o aumento da bilirrubina indireta, que causa icterícia, ou seja, os olhos ficam amarelos.
  22. 22. Equipe: Orientadora : Professora Denise B. Cantalice Alunos: Andrezza Cassiano Alex Ferreira Breno Marinho Noêmia Elana ( Produtora) Raniel Silva

×