Apresentação oid

284 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
284
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação oid

  1. 1. DPOPA/SEPOP/MPAEquipe de Qualificação Profissional e Valorização Social
  2. 2. EDUCAÇÃO PREVENTIVAcomo ferramenta de gestão de Telecentros
  3. 3. Origem da palavra Prevenção Vem do Latim PRAEVENIRE: PRAE = “antes, à frente” VENIRE = “vir” Chegar antes, antecipar. Para evitar acidentes e problemas nos equipamentos, é necessário"chegar antes" que os riscos possam surtir efeito indesejado, através do estudo da situação e aplicação de medidas adequadas.
  4. 4. PrevençãoA Prevenção é certamente o melhor processo de reduzir oueliminar as possibilidades de ocorrerem problemas, por meio daadoção de um conjunto de medidas de proteção. Prevenir quer dizer ”tomar todas as providências para que o acidente não tenha possibilidade de ocorrer.”Os problemas são evitados com a aplicação de medidasespecíficas de cuidado, selecionadas de forma a estabelecer maioreficácia no processo de prevenção. Busca-se neste processo a eliminação do risco, ou seja, torná- lo definitivamente inexistente.
  5. 5. Objetivos da Oficina
  6. 6. Objetivos da Oficina Sensibilizar o Colegiado e a Coordenação Executiva do programa Telecentros.BR, para a necessidade de que se estude a implantação de ações voltadas a adoçãouma política de de educação preventiva para o programa.Sensibilizar a Rede Nacional de Formação para Inclusão Digital, paraque insira, em suas atividades de qualificação de monitores bolsistase não bolsistas, conteúdos teóricos e práticos de EducaçãoPreventiva.Sensibilizar as Entidades Proponentes para que disseminem umacultura preventiva junto às suas respectivas entidades beneficiadas.
  7. 7. Objetivos da Oficina Sensibilizar as Entidades Beneficiárias e, consequentemente, Monitores Bolsistas e não bolsistas e usuários dos telecentros, para a importância da melhor utilização dos equipamentos.Promover a importância do correto conhecimento das obrigações daspartes (Doador, donatário, Entidades proponentes), expressas nosTermos de Doação e acordos de cooperação técnica.Chamar a atenção das Entidades Beneficiárias para as sançõesprevistas no descumprimento das obrigações.
  8. 8. Objetivos da Oficina Sensibilizar aqueles que trabalham/utilizam o Telecentro para a importância de uma gestão eficaz e sustentável, voltada para conservação dos equipamentos doados pelo programa Telecentros.BR.Promover a adoção de hábitos e procedimentos necessários parauma correta utilização dos mesmos.Provocar a reflexão para a construção de estratégias quepotencializem a capacidade do Telecentro.
  9. 9. Objetivos da OficinaCriar estratégias de gerenciamento de risco,buscando-se estabelecer medidas preventivas paraminimizar riscos e garantir que gestores e usuários dotelecentro conheçam e cooperem para que essasmedidas sejam postas em prática.
  10. 10. Motivações da Oficina
  11. 11. Motivações da Oficina A adoção de uma educação preventiva, por parte do programa, irá:facilitar o alcance dos OBJETIVOS da iniciativa, propostos no AVISODE SELEÇÃO PÚBLICA DE PARCERIAS - MP/ MCT/MC – Nº 1/2010.contribuir para o fiel cumprimento das obrigações mútuas, entreEntidade Proponente e Colegiado de Coordenação do Programa,pactuadas no Termo de Cooperação Técnica, principalmente daquelasrelativas a guarda e conservação dos equipamentos doados.
  12. 12. Motivações da Oficina A adoção de uma educação preventiva, por parte do programa, irá:preparar as Entidades Beneficiárias para as possíveis Fiscalizaçõesobjetivando o acompanhamento dos objetivos e resultados doPrograma, que serão promovidas pelo Minicom ou por entidadesConveniadas (prevista no Termo de Doação e Encargos).promover, na comunidade na qual o telecentro está inserido, umsentimento de posse e orgulho pelo mesmo. Tal valor contribuirápara a consciência de que o telecentro é um “bem coletivo”, ondetodos devem zelar pela sua conservação.
  13. 13. Motivações da Oficina A necessidade de conscientização de que serão comprometidos bens e serviços, adquiridos ou produzidos a partir de recursos oriundos do Orçamento da União.O compromisso firmado pela Entidade Proponente com aCoordenação Executiva (disposto no Termo de Cooperação Técnica),indicando solidariamente a Entidade Beneficiária.Sem equipamentos funcionando, não há inclusão digital.
  14. 14. Motivações da Oficina Evitar a ocorrência das sanções abaixo:4.2 - Pela inexecução total ou parcial do contrato a Administração poderá, garantida a préviadefesa, aplicar ao contratado as seguintes sanções:I – registrar nos Sistemas de Controle do Governo Federal, tais comoCAUC/CADIN/SIAFI/CONCONV, o CNPJ da Entidade Beneficiária da Política Pública pordesvio de finalidade, como INADIMPLENTE.II – solicitar, à Entidade Beneficiária, a devolução dos recursos investidos pelo GovernoFederal por intermédio do Ministério das Comunicações, no caso de não cumprimento dasobrigações acima, bem como iniciar os procedimentos para Instauração de Tomada deContas Especiais, caracterizado o prejuízo ao Erário Público;4.3 - O descumprimento de qualquer cláusula do termo de aceitação de doação comencargos, assinado pelo donatário, implicam na indenização, ao Ministério dasComunicações, de valor correspondente ao conjunto de bens recebidos, bem como suainclusão nos cadastros de inadimplentes da União.
  15. 15. Breve históricodos programas
  16. 16. Telecentros da Pesca Maré
  17. 17. Telecentros da Pesca Maré O programa tem o objetivo de proporcionar acesso às novas tecnologias, ampliação da relações, trocas de experiências, acesso à internet,democratização da comunicação, utilização de novos métodos educativos, maior acesso ao conhecimento, à cultura e incentivo à pesquisa, facilidade para soluções de demandas da comunidade, qualificação profissional, dentre outras. 1ª e 2ª fases Em 2004: A implantação de 5 projetos piloto. O acesso ao programa foi divulgado no site da então SEAP/PR, onde foram disponibilizadas as informações sobre os critérios de participação. Os equipamentos eram recondicionados e foram fornecidos pelo Banco do Brasil, que estava substituindo sua plataforma tecnológica. O Banco do Brasil também foi parceiro na capacitação e instalação. Resultado: 27 telecentros (1ª fase) 36 telecentros (2ª fase)
  18. 18. Revitalização: Após a identificação das dificuldades com a manutenção dos equipamentos antigos, o Ministério da Pesca e Aquicultura elaborou um pla- no de revitalização e expansão dos Telecentros da Pesca Maré, investindo TELECENTROS mais de R$ 2.000.000 em novos equipamentos para atendimento dos que jáDA PESCA MARÉ haviam sido instalados e possibilitando a ampliação da política Em 2008: publicação de Edital nº 08, para revitalização dos telecentros já existentes e implantação de novos. As entidades de pesca estão sendo beneficiadas com a entrega de um kit de equipamentos de informática novos (Kit Telecentro); Resultado: 120 telecentros Em 2010: lançamento do Edital do programa Telecentros.BR, do Ministério do Planejamento, da Ciência e Tecnologia e das Comunicações, no qual o MPA participa como entidade proponente, cadastrando mais 200 entidades. Resultado: + 210 telecentros
  19. 19. Kit Telecentro TELECENTROSDA PESCA MARÉ 1 impressora 1 câmara digital 1 fone de ouvido 10 computadores 1 switch 1 home theather Telecentro 6 estabilizadores 1 projetor 1 antena GESAC 1 tela 1 kit mini biblioteca
  20. 20. PARCEIROS TELECENTROS Telecentros GESAC (internet)
  21. 21. Telecentros.BR
  22. 22. Telecentros.BR Implantação de novos Telecentros e o fortalecimento dos programas de inclusão digital já existentes no país, disponibilizando equipamentos de informática, mobiliário, conexão a internet, bolsas para jovens monitores e formação para monitores bolsistas e nãoEdital bolsistas. + 210 Telecentros da Pesca MaréEntidades escolhidas considerando-se fatores como espaço físico adequado e localização em territórios prioritários, definidos na seleção de parcerias.
  23. 23. Telecentros.BR Programa parte da premissa de que a implantação e funcionamento de telecentros,epende da conjunção de esforços de diferentes atores, de modo agarantir os elementos fundamentais para a efetiva inclusão digital dapopulação frequentadora desses espaços. a) Telecentros em funcionamento: Fortalecimento de espaços já existentes. b) Centros de inclusão digital em funcionamento: Fortalecimento de espaços já existentes, mas ainda não conectados à Internet. c) Telecentros novos: Implantação e início de funcionamento de espaços.
  24. 24. Telecentros.BR KIT DE EQUIPAMENTOS NOVOS- 10 estações (computadores);- 01 servidor de informática;- 11 estabilizadores;- 01 câmera de segurança para monitoramento remoto;- 01 Roteador wireless;- 01 impressora a laser;- 01 projetor multimídia (Data Show);- 11 cadeiras multiuso;- 01 armário baixo em MDF;- 11 mesas para computador; e- 01 Ponto de Presença do Gesac - Internet Banda Larga,quando autorizado pela Coordenação do ProgramaTelecentros.BR.
  25. 25. Telecentros.BR KIT DE EQUIPAMENTOS RECONDICIONADOSConjunto composto por:- 5 ou 10 terminais de computadores e- 1 servidorEquipados/configurados com:- rede lógica padrão Ethernet- sistemas operacionais e aplicativos (softwares).
  26. 26. PontosCríticos(pactuados)
  27. 27. Pontos Críticos (pactuados) lgumas contrapartidas, previstas no Termo de Doação com Encargos, que precisam ser internalizadas pelas Entidades e tornarem-se alvos de um planejamento O VO mais rigoroso, para cumprimento das mesmas:N Szelar pela segurança, conservação e manutenção das instalações,equipamentos e mobiliários.custear as despesas necessárias ao funcionamento do TelecentroComunitário (suprimentos de informática, materiais de consumo ede expediente, energia, água, segurança, limpeza, telefone erecursos humanos);
  28. 28. Pontos Críticos (pactuados) o donatário declara aceitar, sem ressalvas, todos os critérios de avaliação e suporte do funcionamento do Telecentro, adotados pelo Ministério das O VO Comunicações.N So donatário se compromete a conservar o telecentro em funciona-mento pelo prazo de 5 (cinco) anos ininterruptos, a partir da datade sua instalação, responsabilizando-se pela manutenção técnicados móveis, equipamentos e instalações, e ficando a seu encargo aatribuição de acionar as garantias exigidas dos fornecedores,conforme estabelecidas em contrato.
  29. 29. Pontos Críticos (pactuados) realizar as obras de infraestrutura e adaptações do local de acordo com as orientações do Ministério das Comunicações (água potável, pintura, O VO iluminação, refrigeração e banheiros);N Sem se tratando de doação com encargos, a Entidade Beneficiária secompromete a cumprir o objeto deste instrumento conforme asdiretrizes do Programa Nacional de Apoio a Inclusão Digital nasComunidades – Telecentros.BR e o disposto no Termo deCooperação Técnica, celebrado entre a Entidade Proponente que aindicou e o Ministério do Planejamento, enquanto CoordenaçãoExecutiva do programa.
  30. 30. Pontos Críticos (pactuados) Manter a infraestrutura necessária adequada ao funcionamento pleno dos equipamentos, tais como capacidade elétrica, interligação dos C ON computadores em rede, mobiliário, iluminação eRE ventilação adequadas. D Manter os equipamentos conectados à Internet quando a conexão, via GESAC ou iniciativa, for instalada. Manter recursos humanos dedicados a orientar o público no uso dos computadores. Promover a acessibilidade física e o atendimento a pessoas com necessidades especiais.
  31. 31. Pontos Críticos (pactuados) Manter a infraestrutura necessária adequada ao funcionamento pleno dos equipamentos, tais como capacidade elétrica, interligação dos C ON computadores em rede, mobiliário, iluminação eRE ventilação adequadas. D Manter os equipamentos conectados à Internet quando a conexão, via GESAC ou iniciativa, for instalada.
  32. 32. Pontos críticos x universo do programa UNIVERSO ATUAL DA REDE: 8.276 ...telecentros apoiados pelo Programa Telecentros.BR (Dez/2011)
  33. 33. Futuro 8.276Retorno efetivo da ação para a sociedade Dinheiro público investido Órgãos de controle e fiscalização Continuidade das ações
  34. 34. Como aEducação Preventiva pode ser uma ferramenta de gestão?
  35. 35. A educação é o caminho para a prevenção. A educação é um processo dinâmico que forma o ser humano para a vida na sociedade.A educação é o meio pelo qual o ser humano conserva, transmite,produz e propaga seus conhecimentos e sua cultura, sua existênciahumana e social.A educação, difundindo o conhecimento sobre o cuidado e o bom usodo patrimônio público, pode contribuir para a prevenção deproblemas de uso e conservação indevidos, para otimizar a gestão,potencializar o alcance dos objetivos sociais da ação e para a melhoriada qualidade de vida do cidadão.
  36. 36. Educação Preventiva A educação preventiva é a construção e troca de conhecimentos e instruções,que visam sensibilizar o grupo paraas necessidades e responsabilidades necessárias para potencializar a sustentabilidade e funcionamento de um determinado serviço.
  37. 37. Educação Preventiva Sugestões de atividades educativas Treinamentos, Cursos, Palestras, Seminários, Campanhas educativas, Folhetos com dicas, manuais, etc.Toda ação é válida e imprescindível para que os envolvidos na gestão e usuários de telecentros possam assumir uma postura prevencionista.
  38. 38. Educação Preventiva Sugestões de dicas Quando desligar o computador, cubra-o com capas plásticas. Use capas para o gabinete, monitor, teclado e impressora. Mantenha a mesa do micro sempre limpa e isenta de poeira. Não fumar e nem fazer lanches na mesa do computador.Evite ligar e desligar o micro várias vezes ao dia.Usar SCREEN SAVERS para aumentar a durabilidade do monitor. Osmais eficazes são aqueles que mantêm a maior parte da tela escura.
  39. 39. Educação Preventiva Sugestões de dicas Será que o calor faz mal para o micro? Será que o micro precisa de ar condicionado? Sim, o calor excessivo faz mal ao micro, e pode inclusive danifi-cá-lo de forma permanente. Têm-se a chance de colocar o micro em umlocal com ar condicionado, é bom fazê-lo, desde que isto não causetranstorno. Se colocar o micro em um local com ar condicionado forproblemático ou impossível, temos que tomar cuidados especiais.Quando o micro está localizado em um local quente, a sua temperaturainterna é normalmente 20° mais quente do que a temperatura ambiente,portanto é bom se certificar da eficiência do sistema de ventilação dogabinete.
  40. 40. Educação Preventiva Sugestões de dicas Para minimizar o calor: Evite deixar a parte traseira do micro muito próxima à parede. Recomenda-se uma distanciamínima de 15 centímetros para facilitar a saída do ar quente que sai pelaparte traseira do computador. Também devemos deixar livre a parte frontal do computador, evitando a obstrução da sua entrada de ar. Com esses pequenos cuidados, a eficiência da ventilação interna é melhorada, e pode-se assim fazer com que a diferença da temperatura interna para a externa diminua bastante.
  41. 41. Educação Preventiva Sugestões de dicas Outros assuntos:Chuvas e tempestadesO problema da poeiraA rede elétricaLeitura do Manual do equipamentoGarantias, etc.
  42. 42. Experiênciasvivenciadas pelo MPAInfra-estruturaCapacitação para GestãoUso dos equipamentosBarreiras políticasManutenção dos Conselhos GestoresAcompanhameto do resultados sociaisda ação ro s out
  43. 43. "Se é verdade que a educação não pode fazer sozinha a transformação social,também é verdade que a transformação não se efetivará e não se consolidará sem a educação." Paulo Freire
  44. 44. Secretaria de Planejamento e Ordenamento da Pesca Departamento de Planejamento e Ordenamento da Pesca Artesanal - DPOPA Igmar de Freitas Pedagogo - Assessor Técnico igmar.freitas@mpa.gov.br (61) 2023-3356

×