Jogos cooperativos

1.809 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.809
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jogos cooperativos

  1. 1. Jogos Cooperativos: Uma Pedagogia do Esporte
  2. 2. Sobre  Autor: Fábio Otuzi Brotto
  3. 3. Esporte: Um fenômeno humano  Segundo o autor, o Esporte vem merecendo muitos estudos o que caracteriza- o como sendo umas das mais ricas e complexas experiências humanas. Compreende o Esporte como sendo um fenômeno humano presente há muito tempo e difundido pelas diversas culturas.  Dentro do senso comum, quando pensa-se em esporte, pensa-se em ALTO RENDIMENTO, em profissionalismo. Não é errado, porém, o esporte é bem mais abrangente. Têm-se, agora, uma abrangência quanto ao entendimento do que é esporte, seja o esporte educacional, o da terceira idade, o de participação ou lazer, dos deficientes, entre outros
  4. 4. Esporte-rendimento  Objetiva o máximo em termos de rendimento, pois, visa a competição. Preocupa-se essencialmente com o potencial das pessoas; submete pessoas a treinamento.
  5. 5. Esporte como conteúdo da Educação Física  Objetiva o ótimo em termos de rendimento, respeitando as características individuais, as expectativas e as aspirações das pessoas; ocupa-se com a pessoa comum, preocupando-se não apenas com o seu potencial mas também com a sua limitação; visa a aprendizagem. Oportunidades de acesso a diferentes modalidades.  Vê-se, nessas duas vertentes do esporte, a grande diferença entre os objetivos. Um visa o máximo dos praticantes, pois, a vitória é o grande objetivo, fazendo com que o treino seja perpetuado para que se chegue ao objetivo final. Já no outro, o potencial das pessoas é deixado de lado, para dar lugar ao aprendizado, onde é respeitado os limites de cada um.  Roberto Paes- “O esporte é uma representação simbólica da vida, de natureza educacional, podendo promover no praticante, modificações tanto na compreensão de valores como de costumes e modo de comportamento, interferindo no desenvolvimento individual, aproximando pessoas que tem, neste fenômeno, um meio pra estabelecer e manter um melhor relacionamento social”. Aqui, Roberto Paes coloca o Esporte com uma importância significativa na vida das pessoas, pois, ele causa transformações nos praticantes que passarão a se relacionar com os outros e ver a vida de uma outra maneira. Isso porque, segundo ele, o Esporte tem caráter educacional.  O autor, passa a ver o Esporte não mais como um confronto entre os participantes, mas, sim, um Jogo de Encontros onde muitas relações entre os indivíduos podem acontecer e isso tudo implicaria em uma melhor convivência social.
  6. 6. A Pedagogia do Esporte  A Pedagogia do Esporte se dedica a estudar e difundir princípios sócio- educativos para favorecer o processo ensino-aprendizagem do esporte.  Paes diz que a construção da pedagogia do Esporte deve ser embasada por duas vertentes, a técnica e a filosófica. Para ele, quando pensa-se o esporte como meio educativo, deve-se deixar claro que o importante não é o jogo, mas, sim, quem joga.  Com a pedagogia sendo aplicada através do jogo, temos algumas vantagens, pois, como já vimos, o jogo possui características importantes no processo educativo. A ludicidade, a incerteza, a cooperação, a alegria, proveniente de uma liberdade dada ao participante de querer ou não jogar, entre outras características, ajudam na pedagogia do esporte. O jogo vai trazer, através das características citadas, um maior interesse por parte das crianças de conhecerem melhor o esporte.
  7. 7. O Pedagogo do Esporte  Montagner (1993, p.91): “Para uma evolução social do esporte, os educadores devem entregar-se totalmente e certamente, é difícil educar através do esporte de competição em uma sociedade materialista. Para tanto, é fundamental resgatar sempre os valores éticos e morais nos adolescentes, caracterizando-se assim um esporte com finalidades educativas”. O esporte de competição possui o fator perder ou ganhar, que leva os jogadores/participantes a passarem por cima de valores éticos e morais para se obter o objetivo principal, que é a vitória. Porém, não é esse o objetivo do esporte com finalidades educativas. Pelo contrário, deve-se chegar ao objetivo através de meios legais, sempre respeitando o adversário e seguindo os valores éticos e morais. Mas com o esporte competição, isso é mais difícil de ser aplicado.
  8. 8.  A visão de Freire sobre a pedagogia do esporte, nos oferece uma síntese muito precisa sobre a abrangência que devem ter todas as ações inseridas no processo de ensino-aprendizagem do esporte. Para ele, temos quatro dimensões principais:  - Ensinar esporte a todos;  - Ensinar esporte bem a todos;  - Ensinar mais que esporte a todos;  - Ensinar a gostar do esporte.  Essas quatro dimensões voltam a deixar claro que o Esporte possui uma abrangência muito maior do que simplesmente o Esporte rendimento. Ele pode ter um caráter muito mais educativo do que competitivo, dependendo de como ele é aplicado. Seguindo o intuito de ensino-aprendizagem, essas quatro dimensões deixam claro que o ideal é sempre envolver todos no âmbito do esporte e fazer com que gostem do mesmo.  Para Brotto, gostar do Esporte é, essencialmente, gostar de quem pratica o Esporte, porque não há esporte que se faça completamente sozinho. Por isso voltamos à ideia de que devemos objetivar sempre o encontro ao invés do confronto, dentro do Esporte.
  9. 9. Os jogos Cooperativos como uma Pedagogia para o Esporte  Para Freire, é tão definitivo para o Esporte a capacidade de cooperar que as habilidades individuais, se não forem socializadas, não servem para o Esporte. A habilidade individual do jogador não serve para o Esporte; apenas a habilidade coletiva é compatível com essa forma de jogo. (1998, p. 108) Quando falamos de jogos cooperativos, o objetivo principal é o coletivo. Portanto, tudo deve ser utilizado, até mesmo a habilidade individual, em função de todo o grupo. Caso contrário, não fará sentido.  Algumas características da Consciência da Cooperação aplicada ao Esporte:  - Responsabilizar-se por si mesmo e pelo bem estar dos outros;  - Respeitar e recriar coletivamente as regras;  - Descobrir e valorizar diferentes formas de vencer;  O intuito principal quando nos envolvemos com o Esporte é demonstrar aos participantes/jogadores que tanto os ganhadores, quanto os perdedores, são seres humanos igualmente valiosos.
  10. 10.  Segundo Weinsten e Goodman (1993, p. 21) o jogo não-competitivo é uma nova experiência para a maioria das pessoas, e isto necessita ser estruturado de um modo que permita os jogadores fazerem uma transição aceitável a partir de seus condicionamentos competitivos. O que o autor aqui diz, é que a sociedade já possui em sua cultura o jogo competitivo instaurado rigorosamente. Para que o jogo não-competitivo possa ser aplicado, deve-se respeitar o condicionamento à competição que cada um já possui e aos poucos ir introduzindo a nova forma de jogo, para que seja algo confortável para todos.
  11. 11. A ‘’Ensinagem’’ Cooperativa do Esporte Têm-se quatro importantes procedimentos pedagógicos dos Jogos Cooperativos: - Categorias dos Jogos Cooperativos:  Jogos cooperativos sem perdedores- Todos formam um único grande time;  Jogos de Resultado Coletivo- Trabalho coletivo por um objetivo ou resultado comum;  Jogos de Inversão: Conforme o jogo se desenvolve, os jogadores vão mudando de lado, literalmente, colocando-se uns nos lugares dos outros. São todos membros de um mesmo time.  Jogos Semi-Cooperativos: Fortalece a cooperação entre os membros do mesmo time e oferece aos participantes a oportunidade de jogar em diferentes posições. Obs. Dentro dos jogos de inversão, temos outras variações.
  12. 12. A Formação dos Grupos  Aqui o intuito é fazer com que os participantes do jogo formem grupos aleatórios, esquecendo a afinidade que tem com uns ou outros, para que assim, sejam formados grupos diversos integrando pessoas que possuem menor afinidade. Vários métodos podem ser utilizados, como, por exemplo, separar grupos pela cor da roupa, em claras e escuras.
  13. 13. A Premiação  Aqui é sugerido que todos os jogadores sejam premiados, INDEPENDENTEMENTE, de vencedores e perdedores. O intuito é valorizar e reconhecer os participantes, demonstrando que todos possuem valor dentro do jogo.
  14. 14. A Co-Opetição  Possibilidade de integrar a Cooperação, gradativamente, na Competição. Assim, haverá uma melhor aceitação de algo que novo para a maioria.
  15. 15. Como mudar o pensamento competitivo presente na sociedade, e consequentemente, introduzir o pensamento cooperativista?
  16. 16. Comentários finais

×