CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 11Professor Dannilo Barbosa2Cap IX - Fluxo de CaixaCap ...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 27A ORIGEM DA CONTABILIDADECap. I – A CONTABILIDADEEnvo...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 313USUÁRIOS DA CONTABILIDADEEMPRESAInvestidoresForneced...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 419O PROFISSIONAL CONTÁBILAtividades exclusivas do Cont...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 525BENSPelo Código Civil:Bens Imóveis = Vinculados ao s...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 631Cap. II – PATRIMÔNIOValores em $ milBENS + DIREITOS ...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 737Publicaçãonão necessáriaCap. III – Demonstrações Fin...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 843Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoIDENTIFIC...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 949Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoO Termo “...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1055Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoORIGENS ...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1161Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoEntregar...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1267Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasATIVOATI...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1373Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasPRINCIPA...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1479Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de Contabi...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1585Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de Contabi...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1691Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de Contabi...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1797Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de Contabi...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 18103Atividades empresariais: Indústria: Automóvel Co...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 19109Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 20115Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 21121 Conceito Plano de Contas “Importado” Importânc...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 22127Estrutura Básica• Conta (Ativo, Passivo, PL, Resul...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 23133Cap. IX – Fluxo de Caixa Conceito e convenções do...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 24139Movimentação+ Entradas- Saídas= Superávit (Déficit...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 25145Cap. X – Movimentação de Estoques Contexto Valor...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 26151Cap. X – Movimentação de EstoquesPEPS ou FIFOPrime...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 27157Tipos de empresa e documentos legais• Empresa Ltda...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 28163Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – D...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 29169Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – D...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 30175Contas com Saldo Devedor Contas com Saldo CredorBa...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 31181Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das P...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 32187• Recomendação: Destacar as Contas de Balanço das ...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 33193Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e ...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 34199APURAÇÃO CONTÁBIL DO RESULTADOCap. XIV – Contabili...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 35205Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoIMOBILIZADO...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 36211Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoDEPRECIAÇÃO...
CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 37217Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoDEPRECIAÇÃO...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Contabilidade e custos sistema informacao

1.470 visualizações

Publicada em

Custos em sistemas de informação

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.470
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Contabilidade e custos sistema informacao

  1. 1. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 11Professor Dannilo Barbosa2Cap IX - Fluxo de CaixaCap X - Movimentação de EstoquesCap XI - Contabilidade por Balanços SucessivosCap XII - Contabilização das Contas de BalançoCap XIII - Balancete de VerificaçãoCap XIV - Contabilização das Contas de ResultadoCap XV - Ativo Permanente e DepreciaçãoCONTABILIDADE BÁSICA3 A Origem da Contabilidade Conceito, Objeto e Finalidade Aplicação da Contabilidade Usuários da Contabilidade Para quem é mantida a Contabilidade O Profissional Contábil Pilares da ContabilidadeCap. I – A CONTABILIDADE4- Origem em temos remotos;- Começou a tomar corpo no século XIII na Itália;- Século XV – Obra de Frei Luca Pacciolo;Tratado de matemática, com uma seção sobre registroscontábeis segundo o método das partilhas dobradas.A ORIGEM DA CONTABILIDADE“Summa de Arithmetica, Geometria,Proportioni e Proporcionalita”Cap. I – A CONTABILIDADE5A ORIGEM DA CONTABILIDADE- Nos séculos XVI e XVII, vários autores publicaramtrabalhos em que descreviam o método de maneirasimilar ao apresentado por Luca Pacciolo;- Ascensão da escola inglesa, fato que ocorreu a partirda revolução industrial sucedida na Inglaterra. Noséculo XVIII.- Os problemas ocorridos nos Estados Unidos durante acrise econômica de 1929 a 1932 influíram de maneirasignificativa no fortalecimento da contabilidade comosistema de informações de negócios, provocando a as-censão da escola norte-americana.Cap. I – A CONTABILIDADE6A ORIGEM DA CONTABILIDADEDiferenças entre a contabilidade atual e a da épocade Luca Pacciolo:- O sistema contábil anterior visava informar apenas oproprietário;- No Séc. XVI, os ativos e passivos do proprietário e donegócio se confundiam;- Não existia a idéia de período contábil nem a de conti-nuidade;- Inexistia um denominador comum monetário.Cap. I – A CONTABILIDADE
  2. 2. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 27A ORIGEM DA CONTABILIDADECap. I – A CONTABILIDADEEnvolvendo-se com a Contabilidade:. O Primeiro Encontro com a Contabilidade. O Leigo e a Contabilidade. O Envolvimento com a Contabilidade. Homens de negócio - Tomada de Decisões. Linguagem Financeira de Negócios8CONCEITO- “É a ciência que estuda a formação e variação doPatrimônio”;- “É a ciência que estuda, registra e controla o Patri-mônio das Entidades com fins lucrativos ou não”;- “Instrumento de informações para a tomada de decisõesdentro e fora da empresa”.Obs: O Governo utiliza-se dela para arrecadar im-postos e torná-la obrigatória para a maioria das empresas.Cap. I – A CONTABILIDADE9CONCEITOTodas as movimentações possíveis de mensuraçãomonetária são registradas pela contabilidade, que,em seguida, resume os dados registrados em formade relatórios (contábeis).Uma empresa sem boa contabilidade é como um barco,em alto-mar, sem bússola.Cap. I – A CONTABILIDADE10OBJETO E FINALIDADEO objeto da Contabilidade é o Patrimônio.A finalidade da Contabilidade é a de controlar oPatrimônio com o objetivo de fornecer informaçõessobre a sua composição e suas variações.Cap. I – A CONTABILIDADE11APLICAÇÃO DA CONTABILIDADEContabilidade Geral Contabilidade FinanceiraDiversos ramos de atividade:ComercialIndustrialPúblicaBancáriaHospitalarAgropecuáriade SegurosContabilidade ComercialContabilidade IndustrialContabilidade PúblicaContabilidade BancáriaContabilidade HospitalarContabilidade AgropecuáriaContabilidade Securitária.etc.Cap. I – A CONTABILIDADE12Uma Empresa NÃO É um CORPO ISOLADOAMBIENTEGovernoCulturaSociedadeConcorrentesClientesFornecedoresConquistar MercadoIntegração entre as funçõesExercer seu papel socialGanhar DinheiroÚNICO DIRECIONAMENTOEMPRESACap. I – A CONTABILIDADE
  3. 3. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 313USUÁRIOS DA CONTABILIDADEEMPRESAInvestidoresFornecedoresBancosGovernoSindicatoFuncionáriosÓrgãos de ClasseConcorrentesOutrosCap. I – A CONTABILIDADE14USUÁRIOS DA CONTABILIDADEOs usuários são as pessoas que se utilizamda Contabilidade, que se interessam pelasituação da empresa e buscam na Contabi-lidade as suas respostas.“CONSUMIDORES” de Relatórios ContábeisCap. I – A CONTABILIDADE15PARA QUEM É MANTIDA A CONTABILIDADEA Contabilidade pode ser feita para Pessoa Física ouPessoa Jurídica. Considera-se pessoa, juridicamentefalando, todo ser capaz de direitos e obrigações.PESSOA FÍSICA é a pessoa natural, é todo ser humano,é todo indivíduo (sem qualquer exceção).Cap. I – A CONTABILIDADE16PARA QUEM É MANTIDA A CONTABILIDADEPESSOA JURÍDICA é a união de indivíduos que, através deum contrato reconhecido por lei, formam uma nova pessoa,com personalidade distinta da de seus membros. As pessoasjurídicas pode ter fins lucrativos (empresas industriais, co-merciais etc.) ou não (cooperativas, associações culturais,religiosas etc.). Normalmente, as pessoas jurídicas deno-minam-se empresas.Entidade Contábil – Pessoa para quem é mantida a conta-bilidade, podendo ser pessoa jurídica ou física.Cap. I – A CONTABILIDADE17A Contabilidadenas EmpresasConselho deAdministraçãoComercial Adm. / FinançasManufaturaContab.de CustosPresidenteDepto.FiscalTesoureiro ControllerGerência deCrédito eCobrançaOrçamentode CapitalContas aPagarAdministraçãoContab.FinanceiraCap. I – A CONTABILIDADE18O PROFISSIONAL CONTÁBILTécnico de Contabilidade – Curso Contabilidade emnível 2º grauContador ou Bacharel em Ciências Contábeis – CursoSuperior (3º grau) de Contabilidade.Denominados : CONTABILISTASResponsáveis pela contabilidade das empresas, analistasde balanços, pesquisadores contábeis, etc.Cap. I – A CONTABILIDADE
  4. 4. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 419O PROFISSIONAL CONTÁBILAtividades exclusivas do Contador:Auditoria: Exame e verificação da exatidão dos proce-dimentos contábeis.Perícia contábil: investigação contábil de empresa mo-tivada por uma questão judicial (solicitada pela justiça).Professor de Contabilidade: o contador pode ser profes-sor de curso técnico. Para ser professor de curso superiorexige-se pós-graduação.Cap. I – A CONTABILIDADE20PILARES DA CONTABILIDADERegras básicas da Contabilidade- postulados, princípios e convenções contábeis.Entidade contábil – Uma pessoa para quem é mantidaa contabilidade.Sócios e Empresa são pessoas distintas.Não se deve confundir o dinheiro da empresacom o dinheiro dos sócios.Cap. I – A CONTABILIDADE21PILARES DA CONTABILIDADE- postulados, princípios e convenções contábeis.Continuidade – Refere-se a entidade que está funcionandocom prazo indeterminado; algo em andamento; não estáem fase de extinção ou liquidação.Regras básicas da ContabilidadeCap. I – A CONTABILIDADE22 Conceito Bens Direitos Obrigações Patrimônio LíquidoCap. II – PATRIMÔNIO23CONCEITOPatrimônio de uma Empresa ou de uma PessoaBens e Direitos( a Receber )Obrigações( a serem pagas )Patrimônio (riqueza)• Conjunto de bens pertencentes a uma pessoa ou auma empresa  Bens.• Valores a receber, Direitos a Receber Direitos• Contas a pagar, dívidas  ObrigaçõesCap. II – PATRIMÔNIO24BENSSão as coisas úteis, capazes de satisfazer às necessidadesdas pessoas e das empresas.Bens Tangíveis = Têm forma física, são palpáveis.Ex.: Veículos, imóveis, estoques de mercadorias,dinheiro, móveis e utensílios, ferramentas, etc.)Bens Intangíveis = Não são palpáveis, não constituídosde matéria. Ex.: Marcas (Arisco, Coca-cola), patentesde invenção (direito exclusivo de explorar uma invenção).Cap. II – PATRIMÔNIO
  5. 5. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 525BENSPelo Código Civil:Bens Imóveis = Vinculados ao solo. Não podem serretirados sem destruição ou dano: edifício, árvores,etc.Bens móveis = Podem ser removidos por si própriosou por outras pessoas: animais (semoventes), máqui-nas, equipamentos, estoques de mercadorias.Cap. II – PATRIMÔNIO26BENSEx.: A Cia. Goiana têm os seguintes bens:BENSEdifíciosMóveis e utensíliosVeículosMáquinasTerrenosPatentesTOTALTOTAL GERALTangíveis Intangíveis Móveis Imóveis180 18090 90110 110400 400900 900150 1501.680 150 750 1.0801.830 1.830Fonte: Marion, 1998:31Cap. II – PATRIMÔNIOEm R$ mil27DIREITOSPoder de exigir alguma coisa. Ex.: valores a receber,títulos receber, contas a receber, salários a receber.ITENSBancos conta Movimento (depósito)Duplicatas a Receber (vendas à prazo)Títulos a Receber (notas promissórias)Aluguéis a ReceberTOTALValores6801.3205003002.800Em R$ milCap. II – PATRIMÔNIOFonte: Marion, 1998:3228OBRIGAÇÕESCap. II – PATRIMÔNIODívidas com outras pessoas.Em Contabilidade  Obrigações ExigíveisExemplo:• Empréstimos a pagar• Contas a pagar• Impostos a pagar• Salários a pagar• Duplicatas a pagar (compras a prazo)ou fornecedores29Cap. II – PATRIMÔNIOOBRIGAÇÕESFonte: Marion, 1998:31Ex.: Obrigações exigíveis da Cia. GoianaOBRIGAÇÕESFornecedores (dívidas c/ fornec. de mercadorias)Empréstimos bancários (a pagar)Salários a pagarEncargos Sociais a pagar (FGTS, INSS)Impostos a Pagar (ou a recolher)Financiamentos (empréstimos a pagar a L.P.)Contas a Pagar (Diversos)TOTALValores8004003504509001.1005004.500Em R$ mil30Cap. II – PATRIMÔNIOBENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEISBensDinheiroMercadoria em EstoquesVeículosImóveisMáquinasFerramentasMóveis e UtensíliosMarcas e PatentesDireitosDepósitos em BancosDuplicatas a ReceberTítulos a ReceberAluguéis a ReceberAçõesObrigaçõesEmpréstimos a PagarSalários a PagarFornecedores (Duplicatas a pagar)FinanciamentosImpostos a PagarEncargos Sociais a PagarAluguéis a PagarTítulos a PagarPromissórias a PagarContas a PagarRepresentação gráfica do patrimônio
  6. 6. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 631Cap. II – PATRIMÔNIOValores em $ milBENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEISObrigaçõesBensDireitos1.8302.8004.500Bens + Direitos – Obrigações Exigíveis = Patrimônio LíquidoPatrimônio Líquido = $ ???? O P.L. pode ser negativo ???Ex.: Patrimônio da Cia. GoianaPATRIMÔNIO LÍQUIDO32Cap. II – PATRIMÔNIOValores em $ milBENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEISObrigaçõesBensDireitos1.8302.8004.500Bens + Direitos – Obrigações Exigíveis = Patrimônio LíquidoPatrimônio Líquido = $ 130Ex.: Patrimônio da Cia. GoianaO P.L. pode ser negativoPATRIMÔNIO LÍQUIDO33Cap. II – PATRIMÔNIOPara se conhecer a riqueza líquida da empresa (ou pessoa):somam-se os bens e os direitos e, desse total, subtraem-seas obrigações; os resultado é a riqueza líquida, ou seja, aparte que sobra do patrimônio para a pessoa ou empresa.Ela é denominada patrimônio líquido ou situação líquida.PATRIMÔNIO LÍQUIDO34Cap. III – Demonstrações Financeiras Conceito Principais Demonstrações Financeiras Períodos de Apresentação Requisitos para Publicação35ContabilizadosRelatóriosRelatóriosRelatóriosContábeisDadosColetados DadosColetadosDadosColetadosCap. III – Demonstrações FinanceirasDemonstrações Financeiras (Contábeis)(Obrigatórios pela legislação brasileira)Usuários36PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Balanço Patrimonial (BP) Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPAc)Notas explicativas(Notas de rodapé)Complementos dasdemonstraçõesCap. III – Demonstrações Financeiras
  7. 7. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 737Publicaçãonão necessáriaCap. III – Demonstrações FinanceirasSociedadesAnônimas (S.A)SociedadesLimitadas (Ltda.)Donos AcionistasSócios ou QuotistasPequeno númeroCapital Ações QuotasRelatóriosContábeisObrigatóriosPublicação:D.O. e Jornal de grandeCirculação localTipos deEmpresaEMPRESAS  CARACTERÍSTICASImposto de Renda Imposto de Renda38Cap. III – Demonstrações FinanceirasPERÍODO DE APRESENTAÇÃO• Lei das S.A.s  ao fim do período de 12 meses• Período  Chamado “Exercício Social ou Período Contábil”• Exercício Social X Ano Civil  Imposto de Renda (31.12)• Exercício Social  Definido pelos proprietários• S.A.s de Capital Aberto e Fechado• S.A.s de Capital Aberto (Ações em bolsa)  Publicação semestral• Fins Gerenciais  relatórios (semanais, quinzenais, mensais...)39Cap. III – Demonstrações FinanceirasDADOS FUNDAMENTAIS PARA PUBLICAÇÃO• Denominação da Empresa• Título da demonstração (BP, DRE,....)• Data do exercício social• Valores do exercício referência e anterior• Moeda e representação (Mil, Milhões...)40Cap. III – Demonstrações FinanceirasBalanço PatrimonialData ___/___/___Demonstrativo do Result. do ExercícioData ___/___/___DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRASDemonstração de Lucros ou Prejuízos AcumuladosData ___/___/___Notas Explicativas: (notas de rodapé)Relatórios Contábeis ObrigatóriosEm $ milhares41Cap. III – Demonstrações FinanceirasEntregar na próxima aulaTarefa 3.1.Recortar de qualquer jornal demonstraçõesfinanceiras de uma sociedade anônima quecontenham as três demonstrações citadas enotas explicativasIndicar com um círculo ou sublinhar os títulosdas demonstrações financeiras, as datas(observar se foram publicadas em duas colunas)e, se há no cabeçalho, a expressão“em $ milhares” ou “em $ milhões”42Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma Introdução Identificação Ativo Passivo Patrimônio Líquido O Termo “CAPITAL” em Contabilidade Origens X Aplicações Principal Origem de Recursos A expressão “Balanço Patrimonial”
  8. 8. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 843Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoIDENTIFICAÇÃO- O mais importante relatório contábil.- Identifica-se com ele, a saúde financeira e econômica(no fim do ano ou qualquer data prefixada)Balanço PatrimonialAtivo Passivo e PatrimônioLíquidoObs.: A Lei das Sociedades por Ações apresenta apenas o termo passivo.44Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoIDENTIFICAÇÃO – Representação GráficaLado Esquerdo Lado direitoAtivo Passivo e PLBens• Máquinas• Veículos• Estoque• DinheiroDireitos• Títulos a receber• Depósitos em BancosObrigações• Fornecedores• Salários a Pagar• Empréstimos Bancários• Impostos a PagarPatrimônio Líquido• Capital• Subscrito• IntegralizadoBalanço Patrimonial45Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma Introdução• Conjunto de bens e direitos de propriedade daempresa. São itens positivos do patrimônio.(Proporcionam ganho para a empresa) Contas a Receber Estoque de Produtos Acabados Máquinas e Equipamentos Prédios próprios• Como considerar outros ativos? Prédios alugados Arrendamento de veículos, equipamentos etc.ATIVO46Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma Introdução• Conjunto de obrigações exigíveis da empresa.Dívidas que serão reclamadas a partir da data do seuvencimento PASSIVO EXIGÍVEL (CAPITAL DE TERCEIROS) Recursos de Terceiros (dinheiro) Capital de Terceiros Fornecedores (de mercadorias) Funcionários (salários) Governo (impostos) Bancos (empréstimos) etc.PASSIVOEvidencia oEndividamentoda empresa.47Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma Introdução• Total de aplicações dos proprietários na empresaOs proprietários (sócios, acionistas) fornecem meiospara o início do negócio. A quantia inicial  Capital PASSIVO NÃO EXIGÍVEL Social Recurso próprio ou Capital próprio Risco do capitalista Em caso de falência da empresa, o sócio perde odinheiro investido (Investimento de risco)Patrimônio Líquido = Ativo (bens + direitos) – Passivo Exigível (obrigações exigíveis)PATRIMÔNIO LÍQUIDO48Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoCapital = RecursosCapital próprio = Recursos(financeiros ou materiais)dos proprietários (sóciosou acionistas).=PatrimônioLíquido+= Capital TotalCapital de Terceiros =Capital AlheioPassivo =Obrigações=O Termo “CAPITAL” em Contabilidade
  9. 9. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 949Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoO Termo “CAPITAL” em ContabilidadeAtivo Passivo e PLBens• Máquinas• Veículos• Estoque• DinheiroDireitos• Títulos a receber• Depósitos em BancosObrigações(Capital de Terceiros)Patrimônio Líquido(Capital Próprio)Balanço PatrimonialCapitalTotal50Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoCapital a Realizar (a Integralizar) – A aportar –(Ainda não colocado a disposição da empresa).Capital Realizado (Integralizado) – Aportado –(Colocado a disposição da empresa).O Termo “CAPITAL” em ContabilidadeCapital = Capital Nominal =Capital Social = Capital Registrado =Capital Subscrito (comprometido)CapitalSocial51Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoAtivo PassivoBalanço PatrimonialO Termo “CAPITAL” em ContabilidadeEx.: Subscrição e Integralização do CAPITAL em dinheirono valor de R$ 200.000Caixa 200.000PLCapital Social 200.000Total 200.000 Total 200.00052Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoAtivo PassivoBalanço PatrimonialO Termo “CAPITAL” em ContabilidadeEx.: Subscrição do CAPITAL no valor de R$ 200.000PLCapital Social 200.000(-) Capital a integralizar(-) 200.000Total 0Total 053Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoAtivo PassivoBalanço PatrimonialO Termo “CAPITAL” em ContabilidadeEx.: Integralização do CAPITAL em dinheiro no valorde R$ 200.000Caixa 200.000PLCapital Social 200.000Total 200.000 Total 200.00054Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoAtivo PassivoBalanço PatrimonialO Termo “CAPITAL” em ContabilidadeEx.: Subscrição do CAPITAL no valor de R$ 200.000, sendointegralizado no ato 20% em dinheiroCaixa 40.000Total 40.000 Total 40.000PLCapital Social 200.000(-) Capital a integralizar(-) 160.000
  10. 10. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1055Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoORIGENS X APLICAÇÕESAtivo Passivo e PLBens• Máquinas• Veículos• Estoque• DinheiroDireitos• Títulos a receber• Depósitos em BancosObrigações• Fornecedores• Salários a Pagar• Empréstimos Bancários• Impostos a PagarPatrimônio Líquido• Capital• Subscrito• IntegralizadoBalanço PatrimonialAplicações OrigensTodos os Recursos entrampelo Passivo e PL.Aplicações dos Recursos queteve origem (Passivo e PL) =56Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoORIGENS X APLICAÇÕESBalanço PatrimonialAtivo P e PL (origens)AplicaçõesDe terceirose próprio$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$Proprietários (PL)FornecedoresGovernoBancosFinanceiras etc.CaixaEstoqueMáquinasImóveis etc.57Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoATIVO PASSIVOCirculante CirculantePermanenteRealiz. L.P.Patrim. LíquidoExig. L.P.Disponível (Caixa e Bancos) 600Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700Estoques 700Total 3.000Fornecedores 600Empréstimos a pagar 1200Contas a Pagar 800Total 2.600Títulos a Receber 1.000Total 1.000Investimentos 600Imobilizado 1.000Diferido 400Total 2.000Empréstimos a Pagar 1.000Total 1.000Capital Social 2.000Reservas 100Lucro do Exercício 300Total 2.400TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.00058Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoATIVO PASSIVOCirculante CirculantePermanenteRealiz. L.P.Patrim. LíquidoExig. L.P.Disponível (Caixa e Bancos) 600Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700Estoques 700Total 3.000Fornecedores 600Empréstimos a pagar 1200Contas a Pagar 800Total 2.600Títulos a Receber 1.000Total 1.000Investimentos 600Imobilizado 1.000Diferido 400Total 2.000Empréstimos a Pagar 1.000Total 1.000Capital Social 2.000Reservas 100Lucro do Exercício 300Total 2.400TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000Aplicações:. Giro $. Permanente $Fontes:. Terceiros $. Próprias $Aplicações:. Giro $ 4.000. Permanente $ 2.000Fontes:. Terceiros $ 3.600. Próprias $ 2.40059Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoPRINCIPAL ORIGEM DE RECURSOSLucro é a remuneração ao capitalinvestido na empresa pelosproprietários.A quem pertence o Lucro?Logo, pertence aos proprietários !60Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoAtivo Passivo e PLExplicação da Expressão “Balança Comercial”Equilíbrio: ATIVO = PASSIVO + PLORIGENS = APLICAÇÕES
  11. 11. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1161Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIALUma IntroduçãoEntregar na próxima aulaTarefa 4.1.Recortar um Balanço Patrimonial de um bancoe indicar com um círculo (ou sublinhar) os gruposAtivo, Passivo e Patrimônio Líquidodesse balanço.62Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de Contas Conceito e Objetivo Conceito de Prazos na Contabilidade Ativos Passivos Deduções do Ativo e PL63ATIVO PASSIVOCirculante CirculantePermanenteRealiz. L.P.Patrim. LíquidoExig. L.P.Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasValores disponíveis econversíveis dentro do períodoRecursos dos Proprietáriosou Sócios da EmpresaExigível NÃO obrigatórioObrigações com terceirosque se vencem além doperíodo. Exigível obrigatórioObrigações com terceirosque vencem no período.Exigível obrigatórioValores conversíveis além doperíodoInvestimentos de caracterpermanente ou que beneficiamexercícios futuros64Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasLongo PrazoCONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOSCurto PrazoX1 X2Término doExercício social31.12.X131.12.X0• Curto Prazo  até um ano (conceito geral)• Longo Prazo  Período acima de um ano65Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasCONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOSLongo PrazoCurto PrazoX1 X231.12.X131.12.X0• Curto Prazo  até um ano (conceito geral)• Longo Prazo  Período acima de um ano66Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasCurto Prazo Longo PrazoX1 X231.12.X131.12.X0Curto PrazoCiclo OperacionalLongo PrazoX3• Curto Prazo  até um ano (conceito geral)• Longo Prazo  Período acima de um anoCONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOS
  12. 12. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1267Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasATIVOATIVO CIRCULANTEGrupo que gera dinheiro para a empresa pagar suascontas a curto prazo.ATIVO REALIZÁVELA LONGO PRAZOCompreende itens que serão realizados em dinheiro alongo prazo (período superior a um ano), ou de acordocom o ciclo operacional da atividade predominante.Os empréstimos que a empresa faz a diretores e a coli-gadas também são classificados neste grupo.68Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasATIVOATIVO PERMANENTE- Itens que dificilmente se transformarão em dinheiro Investimentos: não ligados à atividade-fim daempresa. Ex: Ações Outras Cias., Terrenos Imobilizado: totalmente correlacionado com aatividade-fim. Ex: Prédios, Veículos, Máquinas. Diferido: Gastos pré-operacionais. Ex. Aberturada Firma, reestruturação da empresa etc.69Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasPASSIVOPASSIVO CIRCULANTE• Obrigações com terceiros a serem pagas no Curto PrazoEXIGÍVEL A LONGO PRAZO• Obrigações com terceiros a serem pagas no Longo PrazoPATRIMÔNIO LÍQUIDO• Total de recursos investido pelos proprietários. Normal-mente compostos de capital e lucros retidos (parte do lucronão distribuído aos donos mas reinvestido na empresa.70Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasATIVO PASSIVOCirculante CirculantePermanenteRealiz. L.P.Patrim. LíquidoExig. L.P.Disponível (Caixa e Bancos) 600Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700Estoques 700Total 3.000Fornecedores 600Empréstimos a pagar 1200Contas a Pagar 800Total 2.600Títulos a Receber 500Empréstimos a Coligada 500Total 1.000Investimentos 600Imobilizado 1.000Diferido 400Total 2.000Empréstimos a Pagar 1.000Total 1.000Capital Social 2.000Reservas 100Lucro do Exercício 300Total 2.400TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.00071Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasPRINCIPAIS DEDUÇÕESDO ATIVO E PATR. LÍQUIDOATIVO CIRCULANTEProvisão para Devedores Duvidosos (PDD)Parcela estimada pela empresa que não serárecebida, em decorrência de maus pagadores.Deverá ser subtraída de Duplicatas a receber (% Aceito pelo Imposto de Renda.).Duplicatas Descontadas - Parte das duplicatas areceber negociadas com as inst. financeiras(realização antecipada). Deverá ser subtraída deDuplicatas a Receber.72Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasPRINCIPAIS DEDUÇÕESDO ATIVO E PATR. LÍQUIDOATIVO PERMANENTEDepreciação Acumulada - Perda da capacidade doimobilizado de produzir eficientemente. Obtém-se o valorlíquido (bruto – depreciação acumulada) que deveráaproximar-se do seu valor em termos potenciais.Amortização Acumulada -É calculada sobre os bensintangíveis que representam retorno sobre seu valor deaquisição.Exaustão Acumulada – É calculada sobre a exploração derecursos minerais e florestais.
  13. 13. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1373Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de ContasPRINCIPAIS DEDUÇÕESDO ATIVO E PATR. LÍQUIDOPATRIMÔNIO LÍQUIDOPrejuízoDa mesma forma que a conta Lucros é acrescidaao PL, a conta prejuízos reduz o PL.74Ativo Passivo e Patrimônio LíquidoCirculanteDisponívelDuplicatas a Receber(-) Prov. Dev. Duvud.(-) Dupl. DescontadasEstoque____________(-)(-)__________________(-)(-)_________________________________________________________________________________Circulante31/12/x7 31/12/x6 31/12/x7 31/12/x6____________________________________________________________Realizável L. P. ______ ______ Exigível L. P. ______ ______PermanenteInvestimentosImobilizado-Prédios-Veículos-Móveis Utens.-Maqs. Equip.(-) Deprec. Ac.DiferidoP. LíquidoCapitalLucros Acumul.(-) Prejuízo Exerc._________________________________________________________________________________________________________________________(-)__________________________________________(-)__________________(-)__________________________________________(-)______________________________Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de Contas75Ativo Passivo e Patrimônio LíquidoCirculanteCompreende contas que estão constantemente em giro -em movimento, sua conversão em dinheiro ocorrerá, nomáximo, até o próximo exercício social.Realizável a Longo PrazoIncluem-se nessa conta bens e direitos que setransformarão em dinheiro após o exercício seguinte.PermanenteSão bens e direitos que não se destinam a venda e têmvida útil longa, no caso de bens. InvestimentoSão as aplicações de caráter permanente que geramrendimentos não necessários à manutenção daatividade principal da empresa. ImobilizadoAbarca itens de natureza permanente que serãoutilizados para a manutenção da atividade básica daempresa. DiferidoSão aplicações que beneficiarão resultados deexercícios futuros.CirculanteCompreende obrigações exigíveis que serão liquidadas nopróximo exercício social: nos próximos 365 dias após olevantamento do balanço.Exigível a Longo PrazoRelacionam-se nessa conta obrigações exigíveis que serãoliquidadas com prazo superior a um ano - dívidas a longoprazo.Patrimônio LíquidoSão recursos dos proprietários aplicados na empresa. Osrecursos significam o capital mais o seu rendimento - lucrose reservas. Se houver prejuízo, o total dos investimentosproprietários será reduzido.Observação: há outras contas pertencentes ao balançopatrimonial que serão tratadas em momento oportuno.Cap. V – BALANÇO PATRIMONIALGrupo de Contas76Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de Contabilidade Apuração do Resultado Conceito de Receita e Despesa Regime de Competência Regime de Caixa Balanço Patrimonial X DREe Regime de Competência Diferença entre Despesa e Custo77Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeAPURAÇÃO DO RESULTADOCaracterísticas:• Apuração realizada à cada exercício social• Resumo ordenado das Receitas e Despesas doperíodo, i.e,Confronto entre Receitas e Despesas Receitas > Despesas  Lucro Receitas < Despesas  PrejuízoA apuração é realizada de forma destacada na DRE.78Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeRECEITAS E DESPESASConceitoReceitas:• Vendas de Produtos, Mercadorias ou Serviços A vista  entrada de dinheiro em Caixa A prazo  entrada de direitos a receber• Aumentam o Ativo• Nem todo aumento de Ativo significa Receita Empréstimos Financiamentos Compras a prazo ....
  14. 14. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1479Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeRECEITAS E DESPESASConceitoDespesas:• Todo sacrifício, esforço para obter Receita Matéria Prima; Mão de Obra; Consumo de bens (Depreciação); Serviços• Podem ocorrer à vista ou a prazo A vista  saída de dinheiro do Caixa A prazo  aumento das Obrigações80Outras considerações:• Caixa Entrada de dinheiro  Encaixe Saída de dinheiro  Desencaixe• Perdas Variações anormais, inesperadas ou involuntáriasno ativo Incêndio, roubo, inundações ......Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeRECEITAS E DESPESASConceito81Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeRECEITAS E DESPESASOPERAÇÕES À VISTAA PRAZODespesa (-) Caixa (desembolso)Ativo+ Contas a PagarPassivoD.R.E. BALANÇO PATRIMONIALReceita + Caixa (Encaixe)Ativo+ Dupl. A ReceberAtivo82Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeREGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO• COMPETÊNCIA• CAIXA83Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeREGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADOCOMPETÊNCIA• Regime universalmente adotado• Critério aceito e recomendado pelo Imposto de Renda• Receitas Contabilizada no período em foi gerada (à vista ou a prazo)• Despesas Contabilizada no período em que foi consumida,independente do pagamento ter sido, ou não, realizado84Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeREGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADOCOMPETÊNCIAD.R.E  Lucro apurado observando-se as incorrências do períodoToda despesa gerada no período (mesmo que ainda nãotenha sido paga) será subtraída do total da receita, tam-bém gerada no mesmo período (mesmo que ainda nãotenha sido recebida).
  15. 15. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1585Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeREGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADOCOMPETÊNCIAD.R.E  Lucro apurado observando-se as incorrências do períodoRegime de competência:Toda a receita ganha em 20X1Toda a despesa incorrida em 20X1Apuração doresultado em20X186Fonte: MarionREGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADOCAIXACap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de Contabilidade• Aplicação restrita (entidades sem fins lucrativos)• Receitas Contabilizada no momento do recebimento do dinheiro;• Despesas Contabilizada no momento do pagamento;• D.R.E  Lucro apurado = Receitas Recebidas X Despesas Pagas87Fonte: MarionREGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADOCap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeExemplo de Regime de Caixa e Competência(Comparativo)A Cia. Goiana vendeu em X1 $ 20.000 e só recebeu$ 12.000 (o restante receberá no futuro); teve comodespesa incorrida $ 16.000 e pagou até o último diado ano $ 10.000.88D.R.E. CAIXACOMPETÊNCIADespesas (13.000)(16.000)ResultadoReceitas 12.00020.000(1.000)4.000REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADOCap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeExemplo de Regime de Caixa e Competência89-Valores contábeis (Contas)  ou BP ou DRE-BP: Ativo Itens que trazem benefícios para a empresa Quando gastos transformam-se em despesas Material de escritório Seguros a vencerCap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeBALANÇO PATRIMONIAL X D.R.Ee Regime de CompetênciaContasPatrimoniaisContas deResultado90Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeBALANÇO PATRIMONIAL X D.R.Ee Regime de CompetênciaMaterial de escritório *- Lançados no Ativo.- São bens que trarão benefícios no futuro.- A medida que consumidos, serão baixados do Ativo econtabilizados como despesa.- O restante (não consumido) ficaria no Ativo Circulantecomo Despesa do Exercício Seguinte.* Dependendo do volume, a empresa considera como gasto imediato
  16. 16. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1691Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeBALANÇO PATRIMONIAL X D.R.Ee Regime de CompetênciaSeguros a vencer- Em geral, é feito por um ano.- Se o seu período fosse de 01/01 a 31/12 (coincidisse como exer. social), todo gasto com seguro seria contabilizadocomo despesa, pois nada se aproveitaria para o ano seguinte.- Na pratica, se o período for (Ex.) 01-07-X1 a 30-06-X2,dessa quantia será considerada como despesa em 31-12-X1apenas o referente a 6 meses, o restante será consideradoAtivo Circulante, pois é um pagamento que beneficiará oano seguinte (Despesa do Exercício Seguinte).92Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeBALANÇO PATRIMONIAL X D.R.Ee Regime de CompetênciaSeguros a vencerAtivo PassivoBalanço PatrimonialCirculanteDisponívelDuplicatas a ReceberEstoquesDespesas do Exerc. Seguintecompreendem itens que trarãobenefícios à empresa, mas serãoutilizados (consumidos) no pró-ximo ano, tornando-se despesas.93Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeBALANÇO PATRIMONIAL X D.R.Ee Regime de CompetênciaExemplo:Admita-se que a Cia. Desconfiada faça um seguro por umano, em 30-9-X1, pagando $ 18.000 (prêmio de seguro) e,nesta data, adquira $ 10.000 de material de escritório. Em31-12-X1 constata-se que havia em estoques apenas $ 2.000de material de escritório. Como fica o Balanço Patrimonialem 31-12-X1 ?94Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeBALANÇO PATRIMONIAL X D.R.Ee Regime de CompetênciaExemplo: (Solução)Ativo PassivoBalanço Patrimonial 31-12-X1Circulante.__________ xxxxx.__________ xxxxx. Desp. Exer. Seg.- Seguros 13.500- Mat. de escr.* 2.000em $ mil* Poderia serclassificadocomo estoquede consumo.Companhia Desconfiada95Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeBALANÇO PATRIMONIAL X D.R.Ee Regime de CompetênciaExemplo: (Solução)DRE X1Receita -------(-) Despesa -------________ ... -------Seguros 4.500Material Escritório 8.000________ ... -------Lucro / Prejuizo -------Em $ milCompanhia Desconfiada96• Devedores duvidosos:Perdas estimadas, referentes ao período em questão• Depreciação:Gastos relativos ao uso de bens do Ativo ImobilizadoTaxas fixadas pelo Imposto de RendaCap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeOUTROS AJUSTES(com relação ao regime de competência)Ao final do exercício social – Para apurar o Lucro do Período
  17. 17. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 1797Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeEFEITO DO LUCRO NO BALANÇOLucro apuradoPrejuízoPertence ao proprietárioDeve assumi-loParte do Lucro pode ser reinvestido (lucrosretidos/acumulados). Entra no Balanço viaPL (origem) sendo aplicada no Ativo.A parte do lucro distribuída aos proprietáriosé denominada dividendos98Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeEFEITO DO LUCRO NO BALANÇOExemploUma Empresa tem $ 900 de capital aplicado no caixa. Durante o anotem uma receita de $ 800 a vista, por prestação de serviços e umadespesa de $ 500. Apure-se o lucro e observe os efeitos no balanço,sabendo-se que não houve distribuição de dividendos.Balanço Patrimonial (após a apuração do Lucro)ATIVO PASSIVO E PLCirculante Início Final P. Líquido Início FinalCaixa 900 1.200 Capital 900 900- Lucros Ac. - 300Total 900 1.200 Total 900 1.200DRE (Apuraçãodo Lucro)Receitaa vista $ 800(-) Despesas $ 500Lucro $ 30099Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeDIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTOCUSTO DESPESA100•Atividades empresariais:Indústria Ex.: Custo = Gastos na fábrica,Despesa = Gastos no EscritórioComércio Ex.: Custo = Mercadoria a ser revendidaDespesa = Gastos na IndústriaServiços Ex.: Custo = Mão-de-obra aplicadaDespesa = Gastos na Administração Áreas dentro da Empresa:ComercialIndustrialAdministrativaCap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeDIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO101Custos• Indústria:Gastos de industrialização do produtoDespesas• Comércio:Gastos relativos às mercadorias p/ revenda• Despesas:Gastos no escritório• Serviços:Gastos na execução dos serviçosCap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeDIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO102Custos DespesasConta Pessoal Matéria Prima Mercadoria Embalagem Manutenção Aluguel Marketing Comissão de Vendas Fretes de entrega Limpeza ....XXXXXXXXXXXXXXProdução Comercial eAdministraçãoCap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de ContabilidadeDIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO
  18. 18. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 18103Atividades empresariais: Indústria: Automóvel Comércio: Supermercado Serviços: EscolaTarefa 6:Montar tabelas (planilhas) relacionando os tipos de gastos (custose despesas) apropriáveis as atividades empresariais abaixo:Cap. VI – Apuração do Resultado eRegimes de Contabilidade104Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.) Demonstração Dedutiva A Receita Bruta e suas Deduções Apuração do Lucro Bruto Custos das Vendas Lucro Operacional O Lucro e o Imposto de Renda O Lucro Líquido e sua destinação105Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)ATIVO PASSIVOCirculante CirculantePermanenteRealiz. L.P.Patrim. LíquidoExig. L.P.Disponível (Caixa e Bancos) 600Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700Estoques 700Total 3.000Fornecedores 600Empréstimos a pagar 1200Contas a Pagar 800Total 2.600Títulos a Receber 500Empréstimos a Coligada 500Total 1.000Investimentos 600Imobilizado 1.000Diferido 400Total 2.000Empréstimos a Pagar 1.000Total 1.000Capital Social 2.000Reservas 100Lucro do Exercício 300Total 2.400TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000106Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)DEMONSTRAÇÃO DEDUTIVAReceitas(-) Despesas-------------------Lucro ou PrejuízoSentido Vertical(dedutivo)107Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)EmpresasMicros e Pequenas Médias e GrandesDRE (completa)DRE (simples)Receitas(-) Despesas .Lucro ou PrejuízoReceitas(-) Deduções(-) Custos(-) Despesas(-) ...........................................Lucro ou PrejuízoVERTICALVERTICAL108Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)Receitas Bruta(-) Deduções da Receita= Receita Líquida(-) Custos das Vendas= Lucro Bruto(-) Despesas Operacionais= Lucro Operacional(-) Despesas não Operacionais+ Receitas não Operacionais= Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)(-) Provisão para Imposto de Renda= Lucro Depois do Imposto de RendaD.R.E. e suas Contas
  19. 19. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 19109Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)D.R.E. e suas ContasReceitas Bruta(-) Deduções da Receita= Receita Líquida(-) Custos das Vendas= Lucro Bruto(-) Despesas Operacionais= Lucro Operacional(-) Despesas não Operacionais+ Receitas não Operacionais= Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)(-) Provisão para Imposto de Renda= Lucro Depois do Imposto de RendaA Receita Bruta representa asomatória dos valoresdas Notas Fiscais emitidas110Receitas Bruta(-) Deduções da Receita= Receita Líquida(-) Custos das Vendas= Lucro Bruto(-) Despesas Operacionais= Lucro Operacional(-) Despesas não Operacionais+ Receitas não Operacionais= Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)(-) Provisão para Imposto de Renda= Lucro Depois do Imposto de RendaImpostos e Taxas s/ Vendas. IPI. ICMS. ISS. PIS. COFINSDevoluções (vendas canceladas)Abatimentos (descontos)O fato gerador éa ReceitaCap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)D.R.E. e suas Contas111Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)D.R.E. e suas ContasAdmita-se que a Cia. Balanceada, indústria, tenha emitido umanota fiscal de venda cujo preço do produto seja de $ 10.000 mais30% de IPI. O ICMS está incluso no preço do produto:Nota Fiscal___ ______ Cia. Balanceada____________ ______ R.......................____________ _____ S/P - São PauloPreço do Produto 10.000+ IPI (30%) 3.000Preço Total 13.000ICMS incluso no Preço 18% x$ 10.000 = $ 1.800____________ _____________DRE - Cia. BalanceadaReceita Bruta $ 13.000(-) Deduções IPI  $ (3.000)ICMS  $ (1.800)Receita Líquida $ 8.200112Receitas Bruta(-) Deduções da Receita= Receita Líquida(-) Custos das Vendas= Lucro Bruto(-) Despesas Operacionais= Lucro Operacional(-) Despesas não Operacionais+ Receitas não Operacionais= Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)(-) Provisão para Imposto de Renda= Lucro Depois do Imposto de RendaDespesas Operacionais são os gastos incorridospara: vender, administrar e financiar as operações.Custos das Vendas representam os gastos de“produção” apropriados aos produtos ou serviços vendidos.Despesas Operacionais. Vendas. Administrativas. FinanceirasDespesas Financeiras. Juros incorridos (pagos ou não). Juros de mora pagos. Descontos concedidos. Comissões bancárias. Correção monetária sobre empréstimos. CPMF. .......Receitas Financeiras. Aplicações financeiras. Juros de mora recebido. Descontos obtidos. .......Se as Receitas Financeiras forem maiores que as DespesasFinanceiras, o saldo reduzirá a conta de Despesas OperacionaisCap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)D.R.E. e suas Contas113Receitas Bruta(-) Deduções da Receita= Receita Líquida(-) Custos das Vendas= Lucro Bruto(-) Despesas Operacionais= Lucro Operacional(-) Despesas não Operacionais+ Receitas não Operacionais= Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)(-) Provisão para Imposto de Renda= Lucro Depois do Imposto de RendaDespesas e Receitas não Operacionais são variaçõesregistradas na D.R.E., que não fazem parte do objetoSocial da EmpresaGanhos ou Perdas ocorridos com venda de Permanentes:• venda de ações (com lucro ou prejuízo);• venda de imobilizados (com lucro ou prejuízoCap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)D.R.E. e suas Contas114Receitas Bruta(-) Deduções da Receita= Receita Líquida(-) Custos das Vendas= Lucro Bruto(-) Despesas Operacionais= Lucro Operacional(-) Despesas não Operacionais+ Receitas não Operacionais= Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)(-) Provisão para Imposto de Renda= Lucro Depois do Imposto de RendaD.R.E. e suas ContasLucro Depois do I.R.(-) Doações e Contribuições(-) Participações= LUCRO LÍQUIDORETENÇÕESDIVIDENDOSÉ a sobra líquida à disposição dosproprietários da empresa.Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)
  20. 20. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 20115Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)Como Apurar o Lucro Depois do IR.O exerc. social em que é gerado lucro (ano X) denomina-se“ano base”. O exercício em que se paga o IRPJ (ano X+1)denomina-se “exerc. financeiro”. Pelo regime de compe-tência considera-se o IRPJ no período em que foi gerado(ano base). Portanto calcula-se (provisão) o valor do IRPJa pagar e deduz-se tal quantia do “Lucro Antes do Impostode Renda”. Pela Legislação do IRPJ, a base de cálculo(lucro ajustado) é calculada em um livro extracontábildenominado “Livro de Apuração do Lucro Real” – LALUR.116Cap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)Como Apurar o Lucro LíquidoLucro Depois do Imposto de Renda(-) Doações e Contribuições(-) ParticipaçõesLucro LíquidoDebenturistasEmpregadosAdministradoresPartes BeneficiáriasFundos de Assistência aos Empregados117PatrimônioLíquidoBalanço PatrimonialPASSIVOAplicaçãodeRecursosD.L.P.AcD.R.E.Receita(-) Desp/CustoLucro LíquidoSaldo de Ano(s) anterior(es)+ Lucro Líquido deste Exerc.Capital deTerceirosInvestidores(Sócios ou Acionistas)ATIVODividendosRoteiro Contábil1. Apuração doLucro2. Transferência p/Lucros Acumulados3. Canalização delucro retidoFonte: MarionCap. VII – Demonstração do Resultadodo Exercício (D.R.E.)118ARRUMANDO A CASA OU O APTO OU .....CÔMODOS• Sala• Cozinha• Quarto• Banheiro• Hall• Garagem• .......Mobiliário:• Cama• Guarda Roupa• Cômoda• Criado-Mudo• Abatjour• ............Cap. VIII – Plano de Contas119ORGANIZANDO A EMPRESAEMPRESAAMBIENTEGovernoCulturaSociedadeConcorrentesClientesFornecedoresConquistar Mercado Ganhar DinheiroCap. VIII – Plano de Contas120ORGANIZANDO A EMPRESAATIVIDADES• Comercial• Logística• Produção• Administração• Contabilidade• ............Gastos:• Pessoal• Aluguel• Manutenção• Matéria Prima• Gastos Diversos• ............Cap. VIII – Plano de Contas
  21. 21. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 21121 Conceito Plano de Contas “Importado” Importância do Plano de Contas Plano de Contas e o Usuário da Contabilidade Plano de Contas Simplificado Adequação do Plano de Contas à Outras AtividadesCap. VIII – Plano de Contas122“Agrupamento ordenado de todas as contas que sãoutilizadas pela Contabilidade dentro de determinadaempresa. Portanto, o elenco de contas considerado éindispensável para os registros de todos os fatoscontábeis”. (MARION, 1998:93)Cap. VIII – Plano de ContasCONCEITO123• Cada empresa deve ter um Plano de Contas apropriado• Um Plano de Contas deve conter somente as contas queserão movimentadas (no presente ou no futuro)• Exemplos: Estoques (empresa Industrial / Comercial) – Conta:ICMS a Recolher IPI (empresa Industrial) - Conta: IPI a Recolher ISS (empresa de Serviços) - Conta : ISS a RecolherCap. VIII – Plano de ContasCONCEITO124• Não é um Plano de Contas que veio do estrangeiro !• É uma cópia de um Plano de Contas de uma outraempresa• Escritórios de Contabilidade e os planos comuns• Convenientes• InconvenientesCap. VIII – Plano de ContasPLANO DE CONTAS IMPORTADO125• Empresas: Tamanho diferentes Ramo de atividade diferentes Sistemas de pagamento / recebimento específicos Linguagens e Terminologias não necessariamente iguais• Empresas distintas  Planos de Contas distintos Diversas pessoas trabalhando Objetivo  uma mesma cartilha, um mesmo idioma Padronização dos Registros Contábeis Uniformidade  (Processamento: Manual, Mecânico ou Eletrônico• Característica geral: Numerado  Codificado de forma racional (código falante)Cap. VIII – Plano de ContasIMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS126• O que deve conter: Elenco de Contas e grau de detalhes  volume e natureza do negócio Deve atender o interesse dos usuários (acionistas, gerentes, ....)• Exemplo: Indústria metalúrgica  Estoques (Acabados, Elaboração, M.Prima)Gastos com pessoal detalhados por depto. Pequena Loja  Estoques (mercadorias)Gastos com pessoal apresentados pelo totalCap. VIII – Plano de ContasPLANO DE CONTAS E O USUÁRIO DA CONTABILIDADE
  22. 22. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 22127Estrutura Básica• Conta (Ativo, Passivo, PL, Resultados...)• Grupo de Contas (Circulante, L.P. Permanente, ....)• Conta do Grupo (Caixa, Fornecedores, Reservas...)PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADOCap. VIII – Plano de Contas128PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO1o. Passo:1. CONTAS CÓDIGO• Ativo 1• Passivo 2• Patrimônio Líquido 3• Receitas e Deduções 4• Contas Dedutivas 5Contas  Exemplos:1.1.1.154.1.4.25.2.3.32Cap. VIII – Plano de Contas1292. GRUPOS DE CONTA CÓDIGO• Ativo Circulante 1.1• Realizável a Longo Prazo 1.2• Ativo Permanente 1.3• Passivo Circulante 2.1• Exigível a Longo Prazo 2.2PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADOCap. VIII – Plano de Contas1303. CONTAS DOS GRUPOS1 Ativo1.1 Ativo Circulante1.1.1 Ativo Circulante – Caixa1.1.2 Ativo Circulante – Bancos1.1.3 Ativo Circulante - Duplicatas a Receber2 Passivo2.1 Passivo Circulante2.1.1 Fornecedores2.1.2 Impostos a Recolher.........PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADOCap. VIII – Plano de Contas131 132“O Rabo não abana o Cachorro”“O Plano de Contas decorre dascaracterísticas do Negócio”Adequação do Plano de Contas às AtividadesCap. VIII – Plano de Contas
  23. 23. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 23133Cap. IX – Fluxo de Caixa Conceito e convenções do Fluxo de Caixa Forma e Conteúdo Diferenças entre as Despesas Desembolsáveis eNão Desembolsáveis134Cap. IX – Fluxo de CaixaATIVO PASSIVOCirculante CirculantePermanenteRealiz. L.P.Patrim. LíquidoExig. L.P.Disponível (Caixa e Bancos) 600Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700Estoques 700Total 3.000Fornecedores 600Empréstimos a pagar 1200Contas a Pagar 800Total 2.600Títulos a Receber 500Empréstimos a Coligada 500Total 1.000Investimentos 600Imobilizado 1.000Diferido 400Total 2.000Empréstimos a Pagar 1.000Total 1.000Capital Social 2.000Reservas 100Lucro do Exercício 300Total 2.400TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000O LUCRO E O CAIXA no BALANÇO PATRIMONIAL135Cap. IX – Fluxo de CaixaDEMONSTRATIVODERECEBIMENTOSEPAGAMENTOSConceito:136Cap. IX – Fluxo de CaixaCOMPRAPAGAMENTOSARRENDAMENTOPRODUÇÃO VENDA INTERMEDIAÇÃORECEBIMENTOSEMPRÉSTIMOS FINANCIAMENTOSAPLICAÇÕES INVESTIMENTOSENTRADAS SAÍDAS. Aportes de Capital. Empréstimos Bancários. Vendas a vista. Recebimento de Duplicatas. Venda a vista de itens do ativo permanente. Outras entradasPagamento de dividendos .Pagamento de empréstimos (principal, juros) .Aquisições a vista de item para AtivoPermanente .Compra a vista e pagamento a fornecedores .Pagamento de despesas, Contas a Pagar .Outras saídas .MUNDO DOS NEGÓCIOSFLUXO DE CAIXA BÁSICO137RECEBIMENTOS PAGAMENTOSCAIXAFornecedoresPessoalGovernoDesp.FinanceirasPgto. DividendosPgto.EmpréstimoOutrosVendas a vistaCobrançasDescontos Dupl.Rec. FinanceirasAporte de CapitalEmpréstimosOutrosFLUXO DE CAIXACap. IX – Fluxo de Caixa138Forma:Data Descritivo Entradas Saídas Saldo31.jul1.ago5.ago8.ago10.agoTotalSaldo inicialPagamento de empréstimoRecebimento de duplicataRecebimento por venda a vistaPagamento de salários-500300800100200300250150650950750750Cap. IX – Fluxo de Caixa
  24. 24. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 24139Movimentação+ Entradas- Saídas= Superávit (Déficit)Saldo InicialSaldo FinalForma:5.ago5005001506508.ago30030065095010.ago(200)(200)9507501.ago(100)(100)250150Total800(300)500250750Cap. IX – Fluxo de Caixa140?PRINCIPAIS TRANSAÇÕES QUE AFETAM O CAIXACap. IX – Fluxo de Caixa141Variações Positivas (Aumenta o Caixa). Integralizações (aportes de capital). Empréstimos Bancários e Financiamentos. Venda de itens do Ativo Permanente. Vendas a vista e Recebimento de duplicatas a receber. Outras entradasCap. IX – Fluxo de CaixaPRINCIPAIS TRANSAÇÕES QUE AFETAM O CAIXARecapitulação142Variações Negativas (Diminui o Caixa). Pagamento de dividendos. Amortização de principal e pgto de juros deempréstimos. Aquisições a vista de item para Ativo Permanente. Compra a vista e pgto a fornecedores. Pgto de despesas, Contas a Pagar e OutrosCap. IX – Fluxo de CaixaPRINCIPAIS TRANSAÇÕES QUE AFETAM O CAIXARecapitulação143DepreciaçãoAmortização DiferidoExaustãoProvisões Férias13o. SalárioTRANSAÇÕES QUE NÃO AFETAM O CAIXACap. IX – Fluxo de Caixa144Formas de apuração de ResultadoRegime de competência. Evento econômico (valores contabilizados conformeocorrem)Regime de caixa. Evento financeiro (valores contabilizados quando daentrada ou saída do caixa)APURAÇÃO DE RESULTADOSCap. IX – Fluxo de Caixa
  25. 25. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 25145Cap. X – Movimentação de Estoques Contexto Valorização do estoque A necessidade da valorização Métodos: PEPS, UEPS, Média Ponderada Aplicação Comparação entre os métodos Desdobramentos na D.R.E. (CMV, CPV e Resultado)146Cap. X – Movimentação de EstoquesATIVO PASSIVOCirculante CirculantePermanenteRealiz. L.P.Patrim. LíquidoExig. L.P.Disponível (Caixa e Bancos) 600Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700Estoques 700Total 3.000Fornecedores 600Empréstimos a pagar 1200Contas a Pagar 800Total 2.600Títulos a Receber 500Empréstimos a Coligada 500Total 1.000Investimentos 600Imobilizado 1.000Diferido 400Total 2.000Empréstimos a Pagar 1.000Total 1.000Capital Social 2.000Reservas 100Lucro do Exercício 300Total 2.400TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000CONTEXTOe o seu custeio147Cap. X – Movimentação de EstoquesCUSTOS E DESPESAS - EMPRESA COMERCIALBALANÇODEMONSTR. RESULTADOSRECEITA LÍQUIDA( - )Custo da Mercadoria Vendida( = )LUCRO BRUTO( - )Despesas Operacionais( = )LUCRO LÍQUIDOCompra de MercadoriasESTOQUEVenda de MercadoriaApuração de Resultados148Cap. X – Movimentação de EstoquesCUSTOS E DESPESAS - EMPRESA INDUSTRIALBALANÇODEMONSTR. RESULTADOSRECEITA LÍQUIDA( - )Custo do Produto Vendidos( = )LUCRO BRUTO( - )Despesas Operacionais( = )LUCRO LÍQUIDOApuração de ResultadosMatéria Prima+ Mão de Obra Direta+ Custos Indiretos deFabricação= Produtos em Processo+ Outros Custos= Produtos Acabados149Cap. X – Movimentação de EstoquesContexto:(*) Qual valor considerar ?PRODUTO A Entradas SaídasQt. Valor Qt. Valor10/jan 50 50012/jan 20 (*)13/jan 30 60014/jan 10 (*)PRODUTO B Entradas SaídasQt. Valor Qt. Valor11/jan 50 50014/jan 30 (*)16/jan 20 400150Cap. X – Movimentação de EstoquesDemonstração de Resultados do Exercício (D.R.E.)D.R.E. e suas ContasReceitas Bruta(-) Deduções da Receita= Receita Líquida(-) Custos das Vendas (Produtos, Mercadorias)= Lucro Bruto(-) Despesas Operacionais= Lucro Operacional(-) Despesas não Operacionais+ Receitas não Operacionais= Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)(-) Provisão para Imposto de Renda= Lucro Depois do Imposto de RendaQual CustoConsiderar?
  26. 26. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 26151Cap. X – Movimentação de EstoquesPEPS ou FIFOPrimeiro a Entrar, Primeiro a SairFirst In, First OutConceito:A valorização do volume movimentado se dáconsiderando a ordem cronológica de entrada emestoque.152UEPS ou LIFOÚltimo a Entrar, Primeiro a SairLast In, First OutConceito:A valorização do volume movimentado se dáconsiderando a ordem de entrada em estoque apartir do último – ordem inversa.Cap. X – Movimentação de Estoques153Conceito:A valorização do volume movimentado se dáconsiderando o valor médio existente em estoqueMédia PonderadaConsidera os valores médios em estoque,independente de sua data de entrada.Cap. X – Movimentação de Estoques154Exemplos:PEPSUEPSMédia PonderadaCap. X – Movimentação de Estoques155Cap. X – Movimentação de EstoquesA Empresa “X” apresentou um estoque inicial de 100 unidadesa 15,00 cada uma, e fez as seguintes transações:1ª - Compra de 120 unidades a 18,00 cada uma.2ª - Venda de 150 unidades a 25,00 cada uma.3ª - Compra de 50 unidades a 20,00 cada uma.4ª - Compra de 40 unidades a 22,00 cada uma.5ª - Venda de 140 unidades a 28,00 cada uma.Pede-se:Calcular o Estoque Final (EF), o Custo das Mercadorias Vendidas(CMV) e o Lucro Bruto (LB) pelos métodos: PEPS, UEPS e MédiaPonderada. Formulas: LB = V – CMV e CMV= EI + C - EFEX.:156Cap. XI – Contabilidade por BalançosSucessivosAspectos na Constituição de uma EmpresaOperações• Constituição do Capital• Aquisição de Bens a Vista• Aquisição de Bens a prazo• Financiamento a Longo Prazo• Aquisição de Bens (parte a prazo e parte a vista) Contabilidade por Balanços Sucessivos
  27. 27. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 27157Tipos de empresa e documentos legais• Empresa Ltda  Contrato Social• Sociedade Anônima  EstatutoO compromisso dos proprietários para com a Empresa Subscrição (Capital subscrito = Capital prometido)Cap. XI – Contabilidade por BalançosSucessivosASPECTOS NA CONSTITUIÇÃO DE UMA EMPRESA158ATIVODireitoCapital a Receber(dos proprietários)ObrigaçõesCapital subscrito(uma promessa)900.000Ativo PassivoBalanço PatrimonialMovimentações no Balanço na abertura de uma empresa• Fontes  R$ 900.000• Aplicações  R$ 900.000Cap. XI – Contabilidade por BalançosSucessivosASPECTOS NA CONSTITUIÇÃO DE UMA EMPRESADireitoCapital a Receber(dos proprietários)ObrigaçõesCapital subscrito(uma promessa)900.000900.000159Cap. XI – Contabilidade por BalançosSucessivosASPECTOS NA CONSTITUIÇÃO DE UMA EMPRESAObs.: em uma S. A., 10% do Capital Subscrito  B.BrasilATIVODireitoCapital a Receber(dos proprietários)ObrigaçõesCapital subscrito(uma promessa)900.000Ativo PassivoBalanço PatrimonialBanco conta movimentoCapital a IntegralizarCapital subscrito 900.00090.000810.000900.000900.000160Cap. XI – Contabilidade por BalançosSucessivosOPERAÇÕES• Constituição do Capital• Aquisição de Bens a Vista• Aquisição de Bens a Prazo• Financiamento a Longo Prazo• Aquisição de Bens (Parte a Vista e Parte a Prazo)161Cap. XI – Contabilidade por BalançosSucessivos1a. Operação: Depósito inicial de $ 300.000 por sócio no Banco do BrasilS.A., em 02-12-X1 (a empresa é formada por três sócios).2a. Operação: Em 10-12-X1 a empresa adquire a vista (paga em cheque),um veículo por $ 800.000.3a. Operação: Em 12-12-X1 a empresa adquire Móveis e UtensíliosMáquinas de Escrever, de Somar, Escrivaninhas, etc.) aprazo, com pagamentos em seis parcelas iguais de$ 20.000, mediante a emissão de uma Nota Promissória.4a. Operação: Em 15-12-X1 a empresa adquire um financiamento, portrês anos, no valor de $ 200.0005a. Operação: Em 31-12-X1 a empresa adquiriu Materiais de Escritório(lápis, clipes, grampeadores e outros) por $ 50.000. MetadeDesse material foi pago a vista e o restante em 60 dias.OPERAÇÕES162Cap. XI – Contabilidade por BalançosSucessivosOBSERVAÇÕES• Cada operação  alterações no Balanço• Ativo = (Passivo + P.L.)• Balanço = Equilíbrio• Totais movimentados Ativo =Totais movimentados Passivo + P.L.
  28. 28. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 28163Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e Crédito Método Balanços Sucessivos Razonetes – Lançamentos nos Razonetes Memorização de Regras Débito e Crédito Saldo das Contas (Devedor e Credor) Conclusão164Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e CréditoMÉTODO BALANÇOS SUCESSIVOSProposta Alternativa  Controle individual por contas- Registro isolado de variações em cada conta(aumentos e diminuições)- Relacionamento das contas e montagem doBalanço PatrimonialMetodologia vista no capítulo XI- Correta- Facilita a Visualização- Inconveniência  não é prática (muitas operações)165Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e CréditoMÉTODO BALANÇOS SUCESSIVOS1a. Parte: Controle individual por contas 2a Parte: Balanço PatrimonialBancos Estoque CapitalFinancia-mentoAtivo Passivo e PL166Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e CréditoRAZONETESForma• Representação gráfica em forma de T• Instrumento didático para desenvolver o raciocíniocontábil• Lançamentos individuais por conta• Dispensa o método por balanços sucessivos167Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e CréditoAtivo PassivoBalanço Patrimonial RazoneteTítulo da ContaSemelhançasRAZONETES168Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e Crédito• Para cada conta do Balaço  um razonete• No razonete  movimentações (Aumentos e Diminuições)• Natureza da conta  determina o lado a ser utilizadopara aumentos e que lado para diminuições.RAZONETES
  29. 29. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 29169Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e Crédito1a. Operação: Depósito inicial de $ 300.000 por sócio no Banco do BrasilS.A., em 02-12-X1 (a empresa é formada por três sócios).2a. Operação: Em 10-12-X1 a empresa adquire a vista (paga em cheque),um veículo por $ 800.000.3a. Operação: Em 12-12-X1 a empresa adquire Móveis e UtensíliosMáquinas de Escrever, de Somar, Escrivaninhas, etc.) aprazo, com pagamentos em seis parcelas iguais de$ 20.000, mediante a emissão de uma Nota Promissória.4a. Operação: Em 15-12-X1 a empresa adquire um financiamento, portrês anos, no valor de $ 200.0005a. Operação: Em 31-12-X1 a empresa adquiriu Materiais de Escritório(lápis, clipes, grampeadores e outros) por $ 50.000. MetadeDesse material foi pago a vista e o restante em 60 dias.OPERAÇÕESFazendo os lançamentos conhecidos de uma outra forma.170Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e CréditoBalanço PatrimonialAtivo PassivoBancos c/ Movimento 900.000 Capital 900.000CapitalBancos c/Movimento900.000900.0001a. Operação171CapitalBancos c/Movimento900.000900.000Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e CréditoBalanço PatrimonialAtivo PassivoBancos c/ Movimento 900.000 Capital 900.0001a. Operação Conclusões:Ativo: acréscimos no lado esquerdo do razonetePassivo ou PL: acréscimos no lado direito do razonete172CapitalBancos c/Movimento900.000900.000Veículo800.000800.000100.000Compra de um veículo a vista por R$ 800.000Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e Crédito2a. Operação173SeqüênciaBalanço PatrimonialBalanço PatrimonialPassivo e PLAtivoPassivo e PLAtivoContas de Passivo e PLContas do AtivoAumentaDiminuiDiminuiAumenta+ +--RazonetesCap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e Crédito174DÉBITO E CRÉDITODébito CréditoContas de AtivoDébito CréditoContas de Passivo e PLRazonetesLadoEsquerdoLadoEsquerdoLadoDireitoLadoDireitoDebitar = lançamento valores lado esquerdoCreditar = lançamento valores lado direitoCap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e CréditoConvenções Contábeis
  30. 30. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 30175Contas com Saldo Devedor Contas com Saldo CredorBancos c/ Movimento Móveis e Utensílios900.000 120.000Títulos a Pagar Capital120.000 900.000Ativo PassivoBancos c/ Movimento 900.000Móveis e Utensílios 120.000Títulos a Pagar 120.000Capital 900.000Total 1. 020.000 Total 1.020.000Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e CréditoDÉBITO E CRÉDITOBalanço Patrimonial176Todo aumento de Ativo (lança-se no lado esquerdo do razonete): debita-se.Toda diminuição de Ativo (lança-se no lado direito do razonete): credita-se.Todo aumento de Passivo e PL (lança-se no lado direito do razonete): credita-se.Toda diminuição de Passivo e PL (lança-se no lado esquerdo do razonete):debita-se.ATIVO PASSIVO e PLAumenta Diminui(-)+Diminui Aumenta+(-)DÉBITO CRÉDITO++++++++++++Cap. XII – Contabilização das Contasde Balanço – Débito e Crédito177Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas Dobradas Balancete de Verificação Método das Partidas Dobradas Partidas Simples Balancete das Partidas Dobradas Identificação do Erro de Lançamento Erros que o Balancete não Detecta Balancete de Várias Colunas Apresentação do Balancete Balancete como Instrumento de Decisão178Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas DobradasBALANCETE DE VERIFICAÇÃO• Averiguação de exatidão Periodicidade (diário, semanal, quinzenal, mensal, .....) Instrumento contábil para tomada de decisão B.V.  Resumo ordenado de contas utilizadasFaz-se uma pausa na seqüência do lançamentos.179Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas DobradasBALANCETE DE VERIFICAÇÃOOs lançamentos estão corretos? Balancete de VerificaçãoContas D CD XXX C D YYY C D ZZZ C180Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas DobradasMÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS•Desenvolvido pelo Frei Luca Pacioli – Itália – Século XV• Para qualquer operação há sempre:• Um débito e Um crédito de igual valor ou• Um débito e Vários créditos de igual valor ou• Vários débitos e Um crédito de igual valorExemplos:Fontes e Aplicações, Troca de ativosNão há débitos sem créditos correspondentes
  31. 31. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 31181Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas DobradasFornecedoresEstoques30.000 30.000Débito 30.000Crédito 30.000Lançamentos duplosEXEMPLO: Compra de estoques a prazo no valor de R$ 30.000MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS182Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas DobradasPARTIDAS SIMPLES• Pouco utilizado• É a contabilização de somente uma operação (D ou C)Partida Simples (Exemplo)Lançamento D C Saldo183Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas Dobradas• Não haverá débito (s) sem crédito (s) correspondentes• Soma dos Débitos = soma dos CréditosEXEMPLO• Formação de capital aplicado no Caixa: $ 1.500.000• Compra de estoque a vista: $ 500.000• Compra de móveis e utensílios a vista: $ 300.000Contas TBalancete de VerificaçãoBalanceteComo ficam?BALANCETES DAS PARTIDAS DOBRADAS184Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas DobradasBALANCETES DAS PARTIDAS DOBRADASCONTAS Lanç de Débito Lanç de CréditoCaixa 700.000 -Capital - 1.500.000Móveis e Utens. 300.000 -Estoques 500.000 -TOTAL 1.500.000 1.500.000EXEMPLO – Cont.185Identificação e Prazos1. Soma dos Débitos =/= soma dos Créditos2. Trabalho será menor quanto menor o prazo analisado3. Bancos  Balancetes diáriosNão detectáveis• Inversões simultâneas de lançamentosO Balancete de Verificação é LIMITADO quanto à detecçãode ERROSCap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas DobradasERROS DE LANÇAMENTO186Cap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas DobradasFormas:• Simples  fita de máquina calculadora• Duas colunas  Forma apresentada (Ativo e Passivo)• Seis colunasBALANCETE DE VÁRIAS COLUNASDiscriminaçãodas ContasDevedor Credor Devedor Credor Devedor CredorSaldos domês anteriorMovimentosdo mêsSaldos doFinal do mêsCaixa____________________________________________________________100.000__________________________________________________________________200.000______________________________50.000______________________________250.000__________________________________________________________________
  32. 32. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 32187• Recomendação: Destacar as Contas de Balanço das Contasde ResultadosAPRESENTAÇÃO DO BALANCETE• Conteúdo do Balancete  contém todas as contasmovimentadas no período• Leitura: Separação  Grupo de contas com subtotalEXEMPLOCap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas Dobradas188• Inconveniência de Balanços Mensais Balanço: uma vez por ano• Alternativa  Balancetes mensais• Resumo das operações mensais• O grau de detalhamento oferece aqualidade do instrumento de decisãoBALANCETE COMO INSTRUMENTO DE DECISÃOBalanço X BalanceteCap. XIII – Balancete de Verificaçãoe Método das Partidas Dobradas189Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do Lucro Contas de Resultado Contabilização das Contas de Balanço Patrimonial Regras de Contabilização das Contas de Resultado Apuração Contábil do Resultado Encerramento das Contas de Resultado Lançamentos de Encerramento Apuração do Resultado Contabilização do Resultado1901. Utilizadas para apurar o resultado (Lucro ou Prejuízo)2. Anualmente são confrontadas para apurar o resultado• Lucro => Receitas > Despesas• Prejuízo => Receitas < Despesas3. Regras obedecem o Regime de Competência (Leg. Brasilieira)• Receitas ganha ou geradas no período apurado• Despesa consumida / incorrida no período4. Regime de CaixaCap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroCONTAS DE RESULTADO191Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroCONTAS DE RESULTADOAS FORMAS DE APURAR O RESULTADO (LUCRO OU PREJUÍZO)DRE Regime de Competência Regime de CaixaReceita  Gerada ou ganha no período Recebida no período(-) Despesas  Consumida ou utiliz. no período Paga no períodoLucro (ou prejuízo) Resultado econômico Resultado financeiro192CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS DE BALANÇOPATRIMONIALContabilização dascontas de resultadosContas de BalançoCap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroDecorre
  33. 33. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 33193Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroBalanço PatrimonialBalanço PatrimonialPassivo e PLAtivoPassivo e PLAtivoContas de Passivo e PLContas do AtivoAumentaDiminuiDiminuiAumenta+ +--RazonetesContabilização das Contas do Balanço Patrimonial – Débito e Crédito194Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroDébito CréditoContas de AtivoDébito CréditoContas de Passivo e PLRazonetesLadoEsquerdoLadoEsquerdoLadoDireitoLadoDireitoDebitar = lançamento valores lado esquerdoCreditar = lançamento valores lado direitoConvenções ContábeisContabilização das Contas do Balanço Patrimonial – Débito e Crédito195Regras de Contabilização das Contasde Resultado Credita o PLReceita Aumenta o Lucro Aumenta oP.L.Debita o PLDespesa Reduz o LucroDiminui oP.L.Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do Lucro196Regras de Contabilização das Contas de ResultadoCap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroBalanço PatrimonialATIVO PASSIVO E PLCirculante Início Final P. Líquido Início FinalCaixa 900 1.200 Capital 900 900- Lucros Ac. - 300Total 900 1.200 Total 900 1.200DREReceitaa vista $ 800(-) Despesas $ 500Lucro $ 300Exemplo :Não Distribuído197NATUREZA DAS CONTAS CRÉDITODÉBITOContas de AtivoContas de Pasivo e PLContas de ResultadosDiminuiçãoAumentoReceitaAumentoDiminuiçãoDespesaRESUMO GERALCap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do Lucro198Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroEXEMPLO DE CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS DERESULTADO E BALANÇO PATRIMONIALPag. 137 e 138 – Livro Texto
  34. 34. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 34199APURAÇÃO CONTÁBIL DO RESULTADOCap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do Lucro1. Apuração é feita em cada período (exercício social)• Receitas X Despesas (Período)• “IndependênciaAbsoluta de Períodos Contábeis”2. Encerramento das Contas de Resultado• Anualmente  Encerramento• Saldos de contas de resultado  Zerados3. Lançamentos de Encerramento• Conta transitória  “ARE – Apuração Res. Exercício”• Transferência de saldos contas Receitas e Despesas4. Apuração do Resultado• Receita > Despesa  Lucro• Receita < Despesa  Prejuízo200Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroAPURAÇÃO CONTÁBIL DO RESULTADOA.R.EReceita45.000Desp. Mat. Escrit.7.000Desp.Salários16.000 16.00016.000 45.0007.0007.00045.0005. Contabilização do Resultado• O Resultado é lançado em conta específica doPatrimônio LíquidoEXEMPLO 23.000 45.00022.000Lucro201Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroCONTABILIZAÇÃO DO RESULTADOA.R.ELucro Ac.22.00022.00022000Todo o Lucro acresce o Patrimônio Líquido.O lucro é a remuneração aos proprietários da empresa pelo capitalinvestido.Partindo-se da hipótese de que não há, por ex., distribuição do lucro emdinheiro (dividendos) aos proprietários, o PL será acrescido de $ 22.000(Conta  Lucros Acumulados).Conta Transitória202Cap. XIV – Contabilização de Contas deResultado e Apuração Contábil do LucroCONTABILIZAÇÃO DO RESULTADOA.R.EPrejuízo Ac.18.00018.00018.000Se houvesse Prejuízo o Saldo da conta ARE seria devedor; assim,o lançamento seria o contrário: crédito da conta ARE e débito dePrejuízos Acumulados.Conta TransitóriaFaz parte do PL com o sinal negativo (18.000), ou seja, reduz osinvestimentos dos proprietários.203Cap. XV – Ativo Permanentee Depreciação Imobilizado (Tangíveis e Intangíveis) Itens que compõem o Imobilizado Manutenção, Melhorias do Imobilizado Depreciação Métodos de Cálculo da Depreciação Amortização Exaustão204Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoIMOBILIZADO (Tangíveis e Intangíveis)Bens, de caráter permanente, destinados à manutençãodas atividades da empresa.Três características concomitantes:- Natureza relativamente permanente- Ser utilizado na operação dos negócios- Não se destinar à venda.
  35. 35. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 35205Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoIMOBILIZADO (Tangíveis e Intangíveis)Bem Considerados A.P. Imobilizado Não consid. A .P. ImobilizadoEdifício Sede de indústria Companhia imobiliáriaVeículos Companhia de transporte Empresa AutomobilísticaMáquinas Companhias Automobilísticas Indústrias que a produzemCorpórios Incorpórios206Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoATIVO IMOBILIZADO (Itens)TerrenosEdifíciosInstalaçõesMáquinas e EquipamentosMóveis e UtensíliosFerramentas (com vida útil superior a um ano)Benfeitorias em Propriedades ArrendadasDireitos sobre Recursos NaturaisMarcas e PatentesIntangíveisTangíveisSe < 1 ano(pode  Conta de Despesa)207Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoMANUTENÇÃO E REPAROS NO ATIVO IMOBILIZADOGastos para mantê-los ou recolocá-los em condições normaisde uso. Estes gastos são denominados “Manutenção e Reparos”.Normalmente não aumentam a vida útil do bem ou a capacidadede produção.Assim:Conta de Despesas (do período)208Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoMELHORIAS NO ATIVO IMOBILIZADOReformas ou substituição de partes do bem que contribuap/ o aumento de sua vida útil ou capacidade produtiva.Adiciona-se o custo da melhoria ao valor do bem.209Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoIMOBILIZAÇÕES EM ANDAMENTOImobilizações que se encontram em formação (andamento)e no futuro entrarão em uso para a empresa.Ex.: Construções de prédios em andamento;Construções de máquinas em andamento (p/ uso daempresa);Importações em andamento de bens imobilizados;Adiantamento a fornecedores de bens imobilizados etc.210Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoDEPRECIAÇÃOBens do A. Imobilizado têm vida útil limitada (a maioria).Com o passar dos períodos, dar-se-á o desgaste destes, querepresenta o custo (despesa) a ser registrado.A depreciação é uma despesa (custos) porque todos os bens eserviços consumidos por uma empresa são Despesas.
  36. 36. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 36211Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoDEPRECIAÇÃOP/ fins de Imposto de RendaA Depreciação não é obrigatória, todavia, é interessante quea empresa a faça ( pagará menos I.R. ), pois o lucro estarámais próximo do valor real.212Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoTAXAANUAL DE DEPRECIAÇÃOÉ estabelecida em função do prazo de vida útil do bem.Grupos de Bens do Imobilizado % a. a.Bens Móveis em geral 10Edifícios e Construções 4Biblioteca 10Ferramentas 20Máquinas e Instalações Industriais 10Veículos em geral 20Tratores 25213Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoDEPRECIAÇÃO ACELERADAQuando a utilização for maior que um turno de 8 horas( jornada normal de trabalho ). Poderão ser adotadoscoeficientes de aceleração.Grupos de Bens do Imobilizado Tx. Normal Coef. % a. a.Ferramentas 20 1,5 30Máquinas e Instalações Industriais 10 2,0 20....Horas coef. turnos8 1,0 116 1,5 224 2,0 3214Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoDEPRECIAÇÃOOs encargos de depreciação, amortização e exaustão podemser computados mensalmente.Registro de 1/12 do encargo anual.O item “Despesas de Depreciação” é uma conta de Resultado,logo, da D.R.E.No Balanço Patrimonial, a “Depreciação” aparece deduzindoo Imobilizado (conta retificadora)215Ativo Passivo e PLBalanço PatrimonialD.R.E.Receita- CMVLucro Bruto(-) Desp. Oper.- Adm.- Deprec. 40.000- Financ.---------Lucro OperaionalATIVO------------------------------------PermanenteImobilizadoVeículo 200.000(-) Deprec. Acumulada 40.000160.000Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoVeículo custou $ 200.000Depreciação = 20% , para o primeiro ano, teremos:216Ativo Passivo e PLBalanço PatrimonialD.R.E.Receita- CMVLucro Bruto(-) Desp. Oper.- Adm.- Deprec. 40.000- Financ.---------Lucro OperaionalATIVO------------------------------------PermanenteImobilizadoVeículo 200.000(-) Deprec. Acumulada 80.000160.000Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoVeículo custou $ 200.000Depreciação = 20% , para o segundo ano, teremos:
  37. 37. CONTABILIDADE E CUSTOSUNIDA - ESAMCProfessor: Roberto Name Ribeiro 37217Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoDEPRECIAÇÃONo final do 5º ano teríamos saldo zero. O saldo seria igualmentezero no final da vida útil do bem , ainda que sobre ele incidissereavaliação.Saldo zero Não significa Dar baixa na conta “Veículo”Dar-se-á baixa no momento em que o veículo for tirado deCirculação. Qualquer preço que for vendido será consideradolucro, uma vez que seu custo é zero.218Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoMÉTODOS DE CÁLCULO DE DEPRECIAÇÃOMétodo da Linha Reta (quotas constantes)Método das Taxas FixasMétodo das Taxas VariáveisMétodo de ColeMétodo de Horas TrabalhadasMétodo de Unidades ProduzidasMétodo da Depreciação DecrescenteMétodo Especiais219Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoMÉTODOS DE CÁLCULO DE DEPRECIAÇÃOMétodo da Linha Reta (quotas constantes)Simples e oferece a vantagem da aceitação fiscal.Depreciação = Custo do Bem / Vida Útil ProvávelSaldo Contábil = Zero (no final da vida útil)220Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoMÉTODOS DE CÁLCULO DE DEPRECIAÇÃOValor Residual ContábilDepreciação = (Custo do Bem – Valor Residual) / Vida Útil ProvávelDiminui a despesa de depreciação  Aumenta o Lucro do períodoAceita pela legislação tributária. Há certas situações em que o valorresidual é imprescindível.Ex.: Touro (Imobilizado) que deixou de ser eficiente, comoreprodutor (depreciado), mas ainda pode servir para o abate.221Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoAMORTIZAÇÃOCorresponde a perda do capital aplicado em Ativos Intangíveis.Ex.: Fundo de ComércioPonto ComercialDireitos AutoraisDireito de Exploração222Cap. XV – Ativo Permanentee DepreciaçãoEXAUSTÃOCorresponde à perda do valor (à medida que se extingue oRecurso Natural), decorrente da exploração de direitos cujoobjeto sejam recursos minerais e florestais, ou bens aplica-dos nessa exploração.

×