Relátorio de Biologia            E-book: Trabalho de Campo                Parque da MangabeirasDAVID CASTELLO, GABRIEL TEI...
SUMÁRIO INTRODUÇÃO/PARADA 1 .......................................3PARADA 2 E 3 ............................................
MATA ATLÂNTICA DE                        TRANSIÇÃO	PARADA 1 (INÍCIO DO PERCURSO)	       O primeiro local que passamos, foi...
Podemos perceber nessa foto o relevo das montanhas, no caso, caracterizado por serras.	     No momento em que chegamos ao ...
Outro aspecto a se destacar, seria o solo, que no caso é bastante raso, como pode servisto na imagem acima, geralmente pou...
A caminharmos um pouco mais a frente, notamos que o clima estava relativamentemais quente do que no inicio do percurso, co...
CERRADO/MATA ATLÂNTICA	PARADA 2 E 3 (CERRADO/ MATA ATLÂNTICA)		              Juntamos a parada 2 e 3, já que a 2 era o fin...
Antes da chegada ao mirante, localizamos a parte de transição do campo com o cer-rado, que possuía uma vegetação mais rast...
Ao chegarmos no Mirante conseguimos visualizar quase Belo Horizonte inteira, comum clima ainda quente, mas mais agradável ...
PARADA 2 = BIOTIPO* Classificamos como biótipo devido novamente devido aspectos físicos dolocal, e porque havia certa part...
CASCATINHAPARADA 4 (CASCATINHA)	       Chegamos a ultima parada, a da cascatinha. Conseguimos ver algumas característicasb...
Semelhanças entre fotos    PARADA 2/3                          	  
Semelhanças entre fotos     MIRANTE                          	  
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho biologia

375 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
375
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho biologia

  1. 1. Relátorio de Biologia E-book: Trabalho de Campo Parque da MangabeirasDAVID CASTELLO, GABRIEL TEIXEIRA, GUSTAVO DRUMMOND,MATHEUS LEITE E MATHEUS HENRIQUEPROFESSORA: ROSILENE SARAY MELO Relatório com base nas paradas: 1, 2, 3, 4 e 5
  2. 2. SUMÁRIO INTRODUÇÃO/PARADA 1 .......................................3PARADA 2 E 3 ............................................................7PARADA 4 ................................................................11SEMELHANÇA ENTRE FOTOS ..............................12
  3. 3. MATA ATLÂNTICA DE TRANSIÇÃO PARADA 1 (INÍCIO DO PERCURSO) O primeiro local que passamos, foi a mata atlântica de transição, com as vegetaçõesdas montanhas, que possuem características especiais, como: muito vento, clima do ambienterelativamente mais frio e úmido em relação as outras paradas. Conseguimos perceber grandepresença de jequitibá, árvores de troncos de grandes dimensões. Além disso, nosso grupopercebeu também jacarandá, sucupira do cerrado, pau-de-tucano, aroeira, corticeira, pau-ferro,pau-santo e gabiroba. Ao analisar a foto, podemos perceber presença de árvores de médioporte, formando uma floresta fechada, com rica diversidade de animais, apesar de não havereles na foto, nosso grupo conseguiu localizar aranhas grandes e outros animais que não foramidentificados. Percebemos ao adentrar mais a mata, arbustos baixos, ervas, gramíneas e musgos.Outro ponto importante a se destacar, seria no quesito de luminosidade da mata atlântica. Amesma, devido seu porte médio/grande de árvores, impede que os arbustos mais baixos rece-bam grande quantidade de luz, mas estes, devidos suas longas folhas, conseguem aproveitarda luz que consegue entrar na mata.
  4. 4. Podemos perceber nessa foto o relevo das montanhas, no caso, caracterizado por serras. No momento em que chegamos ao parque das mangabeiras, nosso grupo percebeuum nevoeiro próximo das serras, caraterizando uma das ‘‘propriedades’’ da mata atlântica.
  5. 5. Outro aspecto a se destacar, seria o solo, que no caso é bastante raso, como pode servisto na imagem acima, geralmente pouco ventilado, sempre úmido, com pouco recebimentode luz, devido principalmente a absorção da luminosidade pelas folhas das árvores mais altas,pH ácido e, principalmente, extremamente pobre. Há também grande quantidade de matéria orgânica, que assim, tornam o solo maisfavorável a ‘’ataque’’ de decompositores, fazendo desta forma sais serem aproveitados pelosvegetais. Enxergamos presença de minhocas, que no caso, desenvolvem certos tipos de estraté-gias, facilitando a absorção de água e sais, auxiliando na formação de húmus.
  6. 6. A caminharmos um pouco mais a frente, notamos que o clima estava relativamentemais quente do que no inicio do percurso, conseguimos ver a presença de cipós e liquens. Alguns estudos dizem que liquens indicam qualidade do ar, outros não. Pelo que con-sultamos, os liquens vermelhos surgem apenas em lugares em que o ar é 100% puro, ou bemperto disso. Conseguimos ver em algumas árvores da nossa parada, líquen Crostoso Esqua-muloso, que apresenta pequenas escamas em sua estrutura, são brancos, e associamos eles aqualidade do ar, que, era muito boa, mas não quanto a indicação do líquen vermelho.1 PARADA = BIOTIPO* Classficamos como biótipo devido os aspectos fisicos do local. Consideramos que haviagrande presença de animais, mas conseguimos localizar pouco deles.
  7. 7. CERRADO/MATA ATLÂNTICA PARADA 2 E 3 (CERRADO/ MATA ATLÂNTICA) Juntamos a parada 2 e 3, já que a 2 era o final da mata atlântica e o início docerrado, e a 3 que era o mirante. Inicialmente, o que mais destacou a parte de mata atlântica da parada 2 foi os desbar-rancamentos, um evento comum. Consiste no ciclo de deslizamentos nas partes mais altas e adeposição nas partes baixas, assim, renovando o solo. A vegetação de grande porte, apensar dosolo ser ligeiramente raso, consegue sustentares devido a forma de suas raízes.
  8. 8. Antes da chegada ao mirante, localizamos a parte de transição do campo com o cer-rado, que possuía uma vegetação mais rasteiras, que é uma das suas características mais con-hecidas, além das árvores retorcidas. Um fator interessante é que a chuva não fica retida nesseponto, a mesma escorre para a parte de baixo. Os galhos são tortos e de pequeno porte, as raízes dos arbustos encontrados são pro-fundas, a casca das árvores são duras e grossas, certas folhas são tem camada de pêlos porcima, há presença de gramíneas. O solo atualmente é bem melhor que no passado, já que não possuí tantos nutrientes,mas é rico em ferro e alumino. Entre 1970, a maioria dos agricultores descartava a ideia deprodução no cerrado devido seu solo pobre e ácido. Hoje em dia, é um pouco melhor, mascontinua sendo pobre em nutrientes. Percebemos ao caminhar por lá, um clima mais arenoso, seco e mais quente.
  9. 9. Ao chegarmos no Mirante conseguimos visualizar quase Belo Horizonte inteira, comum clima ainda quente, mas mais agradável devido aos ventos fortes em virtude de nossa alt-tude, havia grandes montanhas, com um relevo caracterizado de serras. Em nossa frente, pu-demos ver grande parte da mata atlântica, e atrás (andando em direção oposta ao do mirante),novamente o cerrado. Arvores muito altas e com folhas bem grossas apareciam diante do Mirante.
  10. 10. PARADA 2 = BIOTIPO* Classificamos como biótipo devido novamente devido aspectos físicos dolocal, e porque havia certa parte da mata atlântica.PARADA 3 = COMPONENTES ABIÓTICOS* Classificamos como componentes abióticos devido principalmente as in-fluências do meio, pressão, temperatura, na atuação sobre os organismos,que se comportam de formas diferentes.
  11. 11. CASCATINHAPARADA 4 (CASCATINHA) Chegamos a ultima parada, a da cascatinha. Conseguimos ver algumas característicasbem importantes da mesma, como, rochas deformadas, bambus, que no caso tem a funçãode reforçar e segurar o solo do local para evitar o deslizamento de terra,s um solo rico emminério, possivelmente mata ciliar devido seu clima mais úmido. Notamos várias samambaias, quem também tem a função de ‘‘firmar o chão’’, apesarde não serem ótimas para isso. Conseguímos observar também esporos, no caso, a reprodução das plantas de lá.RELAÇÕES ECOLÓGICAS* Interação entre os seres de uma comunidade biológica, no caso, os peixes do lago.
  12. 12. Semelhanças entre fotos PARADA 2/3  
  13. 13. Semelhanças entre fotos MIRANTE  

×