1 em a_gramatica_da_frase_termos ligados

392 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
392
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 em a_gramatica_da_frase_termos ligados

  1. 1. A gramática da frase: termosA gramática da frase: termosligados ao nome e ao verbo - Iligados ao nome e ao verbo - ISlidesSlidesRelações sintagmáticas dentro dosintagma verbalRelações sintagmáticas dentro dosintagma verbalRelações sintagmáticas dentro dosintagma nominalRelações sintagmáticas dentro dosintagma nominal
  2. 2. As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominalO adjunto adnominalO poeta modernista Mário de Andrade foi generoso com a alma brasileira.Algumas palavras não têm sua carga significativa completa e, por isso,necessitam de outras palavras ou termos que completem, que integrem seu sentido;outras, com carga significativa completa, podem vir acompanhadas de modificadores,determinantes ou circunstanciais, que ampliam, descrevem, determinam oucaracterizam seu sentido.Os adjuntos nominais, por gravitar em torno de um substantivo, equivalem a umadjetivo.Todos os exemplos que não têm fonte especificada foram retirados do material SER – Ensino Médio – 1ª série.As funções dentro dos sintagmas maioresAs funções dentro dos sintagmas maiores
  3. 3. 3O poeta modernista Mário de Andrade foi generoso com a alma brasileira.artigo adjetivo artigo adjetivoadjuntos adnominais adjuntos adnominaisNo período simples, o adjunto adnominal pode ser representado pelo próprioadjetivo ou por uma locução adjetiva, um numeral adjetivo, um pronome adjetivo, umartigo ou um pronome pessoal oblíquo (quando equivalente a um pronome possessivo).Isto é, sempre exerce função adjetiva.As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominal
  4. 4. oração adjetiva explicativaO poeta modernista Mário de Andrade, que escreveu Macunaíma, morreu em 1945.adjunto adnominal representadopor oração subordinadaoração adjetiva restritivaO poeta modernista Mário de Andrade que escreveu Macunaíma morreu em 1945.adjunto adnominal representadopor oração subordinadaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominal
  5. 5. 5O apostoSujeitoMário de Andrade, o poeta modernista, foi generoso com a alma brasileira.núcleo aposto do sujeitoTrata-se de um termo acessório que se relaciona ao núcleo de outro termo - via de regra,um substantivo ou palavra com valor de substantivo – para esclarecê-lo ou explicá-lo, aomesmo tempo que o retoma.Normalmente, por representar ruptura na ordem direta da frase, o aposto aparece isolado porsinais de pontuação, sendo mais comum aparecer entre vírgulas ou então introduzido por dois-pontos.Mário de Andrade escreveu vários livros: Macunaíma, Amar, verbo intransitivo, Contosnovos.As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominal
  6. 6. 6O aposto também pode estar representado por uma oração no período composto: trata-se deuma oração subordinada (é termo de uma oração principal) substantiva (tem valor desubstantivo) apositiva (funciona como aposto).oração substantiva apositivaA obra de Mário de Andrade tinha um objetivo: que a cultura brasileira ganhasse destaque.aposto representado por oração subordinadaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominalTemos um caso particular de aposto – o aposto especificativo, ou de especificação -, queindividualiza um substantivo de sentido genérico e aparece ligado a ele sem pontuação.A rua Direita nos leva à Catedral.
  7. 7. 7O complemento nominalO poeta Mário de Andrade contribuiu para a formação da brasilidade.Alguns nomes não apresentam sentido completo (é o caso de alguns substantivos, adjetivos eadvérbios), necessitando de complemento que, por oposição ao complemento verbal, échamado complemento nominal e apresenta-se sempre antecedido de preposição.Nome (substantivo), cujo significado transita.Tem valor passivo: é sobre ele que recai a ação.As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominalÉ comum uma ligeira confusão entre adjunto adnominal e o complemento nominal. Aconfusão só ocorre quando o termo em dúvida está antecedido por preposição erelacionado a um substantivo; sem preposição, será um adjunto adnominal.
  8. 8. 8No período simples, o complemento nominal é representado geralmente por um substantivo oupalavra com valor substantivo.No período composto, podemos ter uma oração inteira funcionando como complemento nominal;trata-se de uma oração subordinada (é termo de uma oração principal) substantiva (temvalor de substantivo) completiva nominal (exerce a função de complemento nominal).Mário de Andrade acreditava na necessidade de resgatar o folclore.complemento nominal representado pororação subordinada substantiva completiva nominalAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominal
  9. 9. 9O vocativoO poeta Mário de Andrade, alunos, foi generoso com a alma brasileira.Ricardo, você já leu algum livro de Mário de Andrade?Além dos termos que mantêm relações dentro das orações e dos sintagmas, há um outrotermo independente, que não faz parte de nenhum dos dois grandes sintagmas quecompõem a oração (daí ser sempre marcado por pausa, na oralidade, e por sinal depontuação, na escrita).Esse termo é o vocativo, que, como o próprio nome indica, serve para chamar, invocar ouinterpelar um ouvinte real ou hipotético.As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominal
  10. 10. 10Vilão do bemSe os termos acessórios aparecem numa frase bem elaborada, é porque eles nos passaminformações, ou seja, desempenham uma função, também importante, para a compreensãoplena da mensagem. Não é o mesmo dizer vilão e vilão do bem. Assim, os adjuntos tornam-serelevantes e importantes para completar o sentido do que se quer expressar num determinadoenunciado.adjuntoadnominalapostocomplementonominaltermosacessóriostermointegranteAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominalA relevância dos termos adicionais do nomeA relevância dos termos adicionais do nomeInformação que qualifica e/ouespecifica o nome (vilão).
  11. 11. 11A pontuação – gramática e expressividade- Mamãe! Mamãe! Olhe Carlos!- Mamãe! Me largue, Carlos! Me largue!Alguns termos são marcados, na fala, por pausa; na escrita, essa pausa é representadapor sinais de pontuação. O vocativo, por exemplo, sempre aparece isolado por sinais depontuação.O nome, não delimitado por sinais de pontuação,completa o verbo transitivo: trata-se de um objetodireto.O nome está separado por uma vírgula e estáinvocando a segunda pessoa do discurso:trata-se de um vocativo.As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominal
  12. 12. 12Ensaio, gravação, entrevista, nisso se resume a vida do artista.Os poetas, antenas da raça, recriam a vida.O artista trabalha em várias frentes: televisão, cinema, teatro.O aposto é outro termo marcado por pausa (salvo o aposto de especificação). Quando oaposto é explicativo, ou resumidor, ou comparativo, via de regra apresenta-se separado doelemento a que se refere por vírgula, travessão ou parênteses. No caso do apostoenumerativo, o mais comum é o emprego de dois-pontos.A escolha de um ou outro sinal vai depender do estilo e da intencionalidade (dar mais ou menosdestaque para o aposto) do produtor do texto. Mas há, claro, sempre uma regra: a clareza.aposto resumidoraposto comparativoapostoenumerativoAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmanominalnominal
  13. 13. 13As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbalOs termos do sintagma verbalDizer sim ou não com autoridade.Não preciso de um subchefe.objeto diretoobjeto indiretocomplementosverbaisAlguns verbos não têm sua carga significativa completa e, por isso, necessitam deoutras palavras ou termos que completem, que integrem seu sentido.Esses complementos verbais são chamados objetos, que podem ser diretos (nãointroduzidos por preposição; integram o sentido de um verbo transitivo direto) ouindiretos (introduzidos por uma preposição; integram o sentido de um verbo transitivoindireto).
  14. 14. 14As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbalObjetos representados por pronomes oblíquos• Os pronomes o, os, a, as exercem exclusivamente a função de objeto direto:Eu conheci Maria no baile. / Eu a conheci no baile.• Os pronomes lhe, lhes exercem exclusivamente a função de objeto indireto:Pediram explicações ao professor. / Pediram-lhe explicações.• Os pronomes me, te, se, nos, vos tanto podem exercer a função de objeto direto como deobjeto indireto:Pediram-me explicações. Receberam-me muito bem.objeto diretoobjeto indireto objeto diretoobjeto indiretoobjeto direto
  15. 15. 15Objetos representados por oraçõesNo período composto, podemos ter uma oração inteira funcionando como objeto: trata-se deuma oração subordinada (é termo da oração principal) substantiva (tem valor desubstantivo) objetiva direta ou indireta (exerce a função de objeto direto ou indireto).oração objetiva diretaHagar achou que não ia dar certo.objeto direto representado por oração subordinadaoração objetiva indiretaHagar lembrou-se de que precisava de um subchefe.objeto indireto representado por oração subordinadaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbal
  16. 16. 16O adjunto adverbialHagar vive na Escandinávia.As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbalAdjunto adverbial é o termo da oração que indica uma circunstância do verbo, ouintensifica e modifica o sentido de um verbo, de um adjetivo ou de outro advérbio.Os adjuntos adverbiais podem ser agrupados de acordo com a circunstância que expressam:lugar, tempo, modo, negação, afirmação, dúvida, intensidade, etc.No período simples, os adjuntos adverbiais são representados por advérbios ou locuçõesadverbiais.Com certeza, este será o Carnaval mais animado dos últimos tempos.O termo destacado está modificando o verbo,indicando uma circunstância de lugar.locução adverbial(afirmação)advérbio(intensidade)locução adverbial(tempo)
  17. 17. 17No período composto, podemos ter uma oração inteira funcionando como adjunto adverbial:trata-se de uma oração subordinada (é o termo de uma oração principal) adverbial (temvalor de advérbio).oração adverbial temporalQuando ele chegou, todos se levantaram.adjunto adverbial representado por oração subordinadaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbal
  18. 18. 18O agente da passivaA cidade será inundada pelo rio.Eddie Sortudo foi chamado por Hagar e Helga.O agente da passiva é um termo que só aparece em orações cujo verbo está na vozpassiva analítica (verbo auxiliar mais particípio do verbo que exprime o fato). Designa o serque pratica a ação (daí ser chamado agente) e vem sempre precedido por preposição. Navoz passiva, o sujeito da frase é o ser que sofre a ação (daí ser chamado paciente).Agentes da passiva representados por orações: No período composto, podemos ter umaoração inteira funcionando como agente da passiva; trata-se de uma oração subordinada (étermo de uma oração principal) substantiva (tem valor de substantivo) agente da passiva(exerce a função de agente da passiva).oração com função de agente da passivaEddie Sortudo foi chamado por quantos moravam na Escandinávia.agente da passiva representado por oração subordinadaO agente da passiva serásempre representado porsubstantivos ou palavrascom valor substantivo.As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbal
  19. 19. 19As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbalO objeto direto preposicionadoEle tinha que dar uma entrevista a Clarice Lispector para a Manchete, e convidoua mim e a Cecília para ir com ele. Fomos no fusquinha azul-claro do Tom.Disponível em: <http://marieclaire.globo.com/edic/ed116/rep_inspiracao2.htm>.Acesso em: 22 mar. 2010.O uso da preposição é obrigatório, segundo a gramática normativa, quando o objeto diretoestiver representado por um pronome pessoal oblíquo tônico – embora, na linguageminformal, seja comum casos de omissão da preposição com os pronomes tônicos da terceirapessoa.Outro caso em que podemos encontrar um objeto direto preposicionado: quando o objetodireto está constituído de substantivo próprio, a preposição pode anteceder o objeto emfunção do realce (sempre que não haja outro termo precedido de preposição).O sujeito nunca vem precedido de preposição. => Ao tigre matou o caçador.substantivo própriopronome pessoal
  20. 20. 20As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbalO objeto pleonásticoO troféu, ganharam-no com louvor.Aos aposentados, recusa-lhes o benefício!Por ser uma redundância, esse objeto é chamado pleonástico.objetodiretoobjeto diretoobjetoindiretoOs objetos iniciam asfrases e são retomados,logo em seguida, pelospronomes oblíquos.objetoindireto
  21. 21. 21As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbalA omissão do agente da passiva: um caso de indeterminaçãoComenta-se nos corredores do SBT que Sílvio Santos prepara grandes investimentos naprogramação da sua emissora.Extraído de: <www.tribuna.inf.br/anteriores/2003/dezembro/26/bis.asp?bis-netto>.Acesso em: 26 dez. 2003.Comentam que Sílvio Santos prepara grandes investimentos na programação da sua emissora.Nos dois casos, resta uma questão: quem pratica a ação de comentar? O agente continuadesconhecido. Não se sabe ou não se quer dizer quem faz o comentário. Da mesma forma quetemos um sujeito indeterminado, podemos falar em agente da passiva indeterminado.
  22. 22. 22A pontuação e o adjunto adverbialComercialmente, os chinelos ornamentais podem ser um sucesso.A ordem convencional do adjunto adverbial é ao lado do verbo ao qual ele acrescentainformação, sem necessidade de sinais de pontuação.No entanto, alguns adjuntos adverbiais, especialmente os de modo, quando deslocadospara o começo do enunciado, acrescentam uma informação que se aplica além do verbo,ou seja, eles modificam a frase como um todo. Então, para preservar a compreensão dafrase, pode vir separado por vírgula.Quando o advérbio é de pequena extensão e não interfere nem trunca o fluxo do enunciado,não vem marcado por pausa e, na escrita, dispensa a pontuação.Sempre pesquiso os preços antes de comprar.As relações sintagmáticas dentro do sintagmaAs relações sintagmáticas dentro do sintagmaverbalverbal
  23. 23. A gramática da frase: termosA gramática da frase: termosligados ao nome e ao verbo - Iligados ao nome e ao verbo - IRelações sintáticas dentro dosintagma nominalRelações sintáticas dentro dosintagma verbal• adjunto adnominal• aposto• complemento nominal• vocativo• objeto direto• objeto indireto• adjunto adverbial• agente da passiva

×