Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva

on

  • 124,350 visualizações

Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva

Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
124,350
Visualizações no SlideShare
124,350
Visualizações incorporadas
0

Actions

Curtidas
14
Downloads
1,764
Comentários
3

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft Word

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva Document Transcript

  • QUESTÃO (Descritor: Reconhecer categorias de classes sociais) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Teoria sociológica – Karl Marx Para Karl Marx, o desenvolvimento das sociedades consiste na história da luta de classes. Assim, processos revolucionários (como a Revolução Francesa), para ele, devem ser compreendidos como momentos históricos em que determinadas classes sociais passam a ocupar lugares distintos na estrutura de uma sociedade: grupos antes dominados passam a ser dominadores. Identifique a alternativa que APRESENTA exemplos de classes sociais. A) Capital e trabalho. B) Professores e alunos. C) Burguesia e proletariado. D) Operários e administradores. E) Desempregados e assalariados. RESPOSTA: C 1 BANCO DE QUESTÕES Disciplina: Sociologia Segmento: Ensino médio Observação para o professor: para localizar um tema ou uma palavra-chave, digite as teclas Ctrl + L, simultaneamente.
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar dois dos principais conceitos durkheimnianos) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Teoria sociológica – Émile Durkheim A formação da sociologia teve como um de seus temas centrais a sociedade moderna. Para os primeiros sociólogos, era de primeira importância compreender o processo social em curso, visível em transformações nas relações de trabalho, de amizade, e até mesmo na vida religiosa das pessoas. Aponte a alternativa que INDICA os conceitos desenvolvidos pelo sociólogo francês Émile Durkheim. A) Sociedade complexa e democrática. B) Capital e trabalho. C) Feudalismo e Idade Moderna. D) Solidariedade mecânica e solidariedade orgânica. E) Objetividade e secularização. RESPOSTA: D QUESTÃO (Descritor: Conhecer a conceituação da metodologia weberiana) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Teoria sociológica – Max Weber A ética protestante e o espírito do capitalismo é por muitos considerado o principal livro escrito no século XX. O seu autor, o sociólogo alemão Max Weber, procurou nesta obra compreender os diversos condicionantes que fizeram o capitalismo se desenvolver de forma tão particular nos Estados Unidos. Sendo caracterizada como própria da sociologia compreensiva, sua metodologia de investigação parte da perspectiva ______________. Assinale a alternativa que MELHOR completa o texto. A) das lutas de classes sociais. B) dos protestantes ascéticos. C) da economia e da religião. D) dos capitalistas. E) dos próprios indivíduos. RESPOSTA: E 2
  • QUESTÃO (Descritor: Reconhecer a importância do planejamento de projetos sociais) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A importância da elaboração de projetos sociais Desde os seus primeiros passos, a abordagem sociológica se identificou como uma forma de compreensão crítica da sociedade. Todavia, para muitos, a interpretação de uma cultura não é suficiente enquanto objetivo final. Karl Marx, em 1845, já dizia em sua XI Tese sobre Feuerbach: "Os filósofos não fizeram mais que interpretar o mundo de diversas maneiras, aquilo que importa [porém] é transformá-lo" (A ideologia alemã). O sociólogo Betinho pode muito bem ser visto como um desses "agentes de transformação", mais do que apenas "pensadores da situação". O seu projeto de combate à fome mostra claramente como uma preocupação social pode se tornar uma ação substantiva de intervenção em nossa realidade. Mas, para que sejam bem sucedidas, é preciso que iniciativas como essa sejam, em primeiro lugar, muito bem _____________. Dentre as alternativas abaixo, identifique aquela que MELHOR completa a frase anterior. A) Avaliadas. B) Implementadas. C) Planejadas. D) Financiadas. E) Executadas. RESPOSTA: C QUESTÃO (Descritor: Ordenar as etapas de um projeto social) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Planejamento de um projeto social Nas últimas décadas, instituições da sociedade civil tem se formado no intuito de levar a cabo projetos sociais os mais diversos. Estes projetos, por sua vez, são financiados por uma ampla lista de instituições, tanto nacionais quanto internacionais, tanto governamentais quanto da iniciativa privada. Assinale a alternativa que apresenta a ordem, passo a passo, com que DEVE ser conduzido um projeto social. A) Monitoramento, execução e avaliação. B) Elaboração, implementação, avaliação e monitoramento. C) Implementação, projeção e avaliação. D) Avaliação, implementação e elaboração. E) Elaboração, avaliação, implementação e monitoramento. RESPOSTA: B 3
  • QUESTÃO (Descritor: Entender os conceitos de empreendedorismo) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Protagonismo jovem e empreendedorismo A frase a seguir contém algumas lacunas. Dentre as alternativas que seguem, identifique aquela que CONTÉM as palavras que a completam mais adequadamente. - "Nossa sociedade é movida pela _____________, pelo ___________ de inúmeras de pessoas que decidem fazer a diferença", disse a jovem à plateia que a escutava atentamente. Para eles, o _____________ é aquela pessoa que sabe identificar problemas presentes e tem a ousadia de lutar por uma solução. A) Ganância – corporativismo – trabalhor. B) Iniciativa pessoal– voluntarismo – trabalhador. C) Unidade e o comunitarismo – suor – diferencial. D) Iniciativa pessoal – voluntarismo – empreendedor. E) Autonomia – suor – empreendedor. RESPOSTA: D QUESTÃO (Descritor: Caracterizar o conceito de homem cordial) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Identidade brasileira – Sérgio Buarque de Holanda Diversos são os pensadores que tentaram interpretar o caráter do brasileiro, aquilo que diferenciaria a sociedade brasileira das demais. Dentre estes pensadores, conhecemos Sérgio Buarque de Holanda, que no seu Raízes do Brasil utilizou o conceito de "homem cordial" para designar o "ser brasileiro". Assinale a afirmativa que APRESENTA as características desse tipo social. A) Gentileza e superficialidade. B) Seriedade e bravura. C) Amabilidade e fraqueza. D) Educação e erudição. E) Perseverança e respeitabilidade. RESPOSTA: A 4
  • QUESTÃO (Descritor: Reconhecer características da vida rural) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Urbanização e vida no meio rural Analise o trecho e o gráfico a seguir. Em meados do século XX, a sociedade brasileira passou por uma profunda transição no que se refere à relação entre o espaço rural e o espaço urbano. Como pode ser visto no gráfico, de 1940 a 2000 a população residente em áreas urbanas cresceu mais do que 10 vezes, ao passo que a residente em áreas rurais quase não cresceu. Trata-se do processo de urbanização. Nas cidades, temos acesso a uma maior quantidade de influências e esferas de socialização. Por exemplo, mais opções de escolas, centros de formação profissional, cinemas, diversas religiões, etc. Vemos, assim, que encontramos nessas áreas uma maior quantidade de alternativas de estilos de vida. Na área rural, as opções são mais escassas. Essas limitações, por sua vez, terão um papel fundamental na socialização dos indivíduos. Assinale a afirmativa que pode ser CONSIDERADA uma característica das áreas rurais. A) Disponibilidade de opções culinárias (restaurantes de comida italiana, japonesa, vegetariana, etc.). B) Ausência de laços de solidariedade estreitos com a vizinhança. C) Existência de veículos próprios de comunicação (jornais, estações de rádio e de televisão locais). D) Existência de aglomerações irregulares em encostas de morros. E) Tendência dos filhos em seguir as mesmas carreiras dos pais. RESPOSTA: E 5
  • QUESTÃO (Descritor: Reconhecer as condições familiares de socialização da contemporaneidade) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Meio familiar e socialização na sociedade contemporânea Avalie as seguintes afirmativas acerca da organização familiar em nossa sociedade atual. I – As famílias são menos numerosas por causa de medidas governamentais, como o controle de natalidade. II – As mulheres tem ganhado espaço no mercado de trabalho, no entanto há ausência da participação dos homens nas tarefas domésticas. III – A família tem transferido à escola a tarefa de educar e socializar seus filhos. ASSINALE se A) apenas I estiver certa. B) apenas I e II estiverem certas. C) apenas II e III estiverem certas. D) apenas III estiver certa. E) todas estiverem certas. RESPOSTA: C QUESTÃO (Descritor: Aplicar e diferenciar conceitos durkheimnianos na análise da socialização) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Condições de socialização segudo Émile Durkheim Leia as afirmativas a seguir. I – Nessa condição social, as pessoas realizam as mais diversas atividades produtivas, envolvendo-se desde o plantio até a colheita dos alimentos. Dessa forma, a diferenciação no que se refere à função desempenhada pelos indivíduos na sociedade é muito pequena. II – Nessa condição social, a religião deve fazer sentido para o indivíduo isoladamente, pois este desempenha funções muito particulares no interior da sociedade, não se adequando, portanto, a esquemas e classificações amplas e compartilhadas por todos. III – Nessa condição social, os indivíduos identificam o seu objetivo de vida com aquele de seu grupo social. Assinale a alternativa que mais adequadamente se utiliza dos conceitos durkheimnianos de solidariedade mecânica e solidariedade orgânica. A) Todas as afirmativas referem-se à solidariedade mecânica. B) I e III referem-se à solidariedade mecânica, ao passo que II refere-se à solidariedade orgânica. C) I refere-se à solidariedade mecânica, ao passo que II e III referem-se à solidariedade orgânica. D) I e II referem-se à solidariedade orgânica, III refere-se à solidariedade mecânica. E) I e III referem-se à solidariedade orgânica, ao passo que II refere-se à solidariedade mecânica. RESPOSTA: B 6
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar traços religiosos na formação social brasileira) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: A religião na formação social brasileira Dentre as diversas características que diferenciam a modernidade de momentos históricos anteriores está a alteração do lugar da religião na vida das pessoas. No entanto, podemos notar que a história da sociedade brasileira está profundamente ligada aos seus símbolos religiosos. Indique dentre os itens a seguir aquele que NÃO expressa essa relação entre a religião e o desenvolvimento de nossa sociedade. A) A estátua do Cristo Redentor no Rio de Janeiro. B) Feriados religiosos. C) Expressões públicas de fé por parte de esportistas. D) Cidades batizadas com nomes de santos. E) Os dizeres da bandeira do Brasil, Ordem e Progresso. RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Reconhecer as condições de laicidade do Estado moderno) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Laicidade do Estado Dentre as alternativas a seguir, identifique aquela que apresenta uma situação que NÃO está de acordo com o princípio do Estado laico. A) Crucifixo afixado em paredes de instituições públicas. B) O Estado adota um tratamento igual para com todas as denominações religiosas. C) Normas constitucionais e legais sem base em princípios religiosos. D) Poder político e poder religiosos são separados. E) A participação em programas sociais públicos independe da confissão religiosa. RESPOSTA: A 7
  • QUESTÃO (Descritor: Inferir os efeitos do aumento da disponibilidade de meios de comunicação impressa) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Pluralidade dos meios de comunicação e de fontes de informação na história recente do Brasil Segundo dados do IBGE, entre os anos de 1949 e 1988 o número de periódicos (jornais, folhetins e revistas) publicados no Brasil mais do que dobrou, passando de 2535 a 5139 (Fonte: http://www.ibge.gov.br/seculoxx). IDENTIFIQUE dentre as afirmações a seguir aquela que melhor relaciona este aumento com as novas condições políticas da atualidade. A) "O problema é que o brasileiro não tem educação, ele não lê – por isso vota em políticos corruptos". B) "A televisão revolucionou a forma de se fazer política". C) "O controle dos meios de comunicação de massa garantem a notoriedade de uma elite política viciosa". D) "Eles não querem que o povo seja educado, pois assim eles continuam sendo eleitos". E) "As pessoas tem cada vez mais opções de veículos de comunicação para se informarem". RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Reconhecer a gestão de visibilidade nos meios de comunicação) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Gestão de visibilidade nos meios de comunicação Pensando acerca do tema dos meios de comunicação, identifique dentre as definições a seguir aquela que está mais adequada ao conceito de "gestão de visibilidade". A) Administração pública voltada para a publicidade dos seus atos. B) Controle direto ou indireto da forma e conteúdo daquilo que é noticiado na imprensa, visando, em geral, a exposição contínua de um ator político. C) Atores políticos orientados para a publicização de suas metas e programas. D) Ausência de controle do conteúdo daquilo que é noticiado, medida esta que visa uma maior transparência e imparcialidade por parte da imprensa. E) Candidatos políticos que, independentemente do motivo, estão à todo momento em exposição nos meios de comunicação. RESPOSTA: B 8
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar instituições ligadas ao mundo do trabalho) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: O mundo do trabalho e as suas instituições Marx, Durkheim e Weber formularam interpretações muito distintas de como se dava a relação do indivíduo com a sociedade. Lemos que, para Marx, é fundamental a identificação de qual o estágio de desenvolvimento das forças produtivas (ferramentas, máquinas e técnicas) de uma sociedade para então compreender o lugar do indivíduo nesta sociedade. Ele são, assim, vistos a partir das relações de trabalho em que estão inseridos. Assinale nas alternativas a seguir aquela que contém APENAS instituições ligadas diretamente à esfera do trabalho de uma sociedade. A) Estado, lojas e sindicatos. B) Igreja, ONGs e associações de bairro. C) ONGs, jornais e organizações patronais. D) Indústrias, sindicatos e organizações patronais. E) A imprensa, os sindicatos e a Igreja. RESPOSTA: D QUESTÃO (Descritor: Conceituar e classificar trabalho e emprego) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Distinção entre trabalho e emprego Leia as assertivas seguintes e assinale a que MELHOR classifica as ocupações listadas. Todas elas são formas de trabalho, no entanto, apenas algumas são consideradas formas de emprego – podendo ser, inclusive, formalizado segundo as leis vigentes. Lembre-se que o principal fator de distinção entre eles é a remuneração. I. Policial militar; II. Dona de casa; III. Empregada doméstica. A) Todas as ocupações citadas são formas de emprego; B) As ocupações I e II são considerados empregos, aos passo que III é considerado apenas trabalho; C) As ocupações I e III são considerados empregos, aos passo que II é considerado apenas trabalho; D) As ocupações II e III são considerados empregos, aos passo que I é considerado apenas trabalho; E) As ocupações I e III são considerados apenas formas de trabalho, aos passo que II é considerado um emprego. RESPOSTA: B 9
  • QUESTÃO (Descritor: Reconhecer a dimensão do problema da informalidade do mercado de trabalho no Brasil) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Trabalho formal e trabalho informal Leia matéria seguinte, publicado pelo portal da Veja no dia 26 de abril de 2010. Mais da metade dos brasileiros tem emprego formal Imagem retirada do site www.fem.org.br “Mais da metade dos trabalhadores das metrópoles do país trabalha com carteira assinada pelas empresas do setor privado. É o índice mais alto de emprego formal em 16 anos, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em janeiro, 50,3% dos empregados trabalhavam em regime de Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). No mês seguinte, esse porcentual subiu para 50,7%. O trabalho informal, por sua vez, está em um de seus níveis mais baixos: 36,7% - 18,1% dos ocupados trabalham sem carteira assinada e 18,6% por conta própria. Em fevereiro, os empresários respondiam por 4,5% do total, militares e funcionários públicos eram 7,5%. É a primeira vez que o setor privado emprega com registro metade dos trabalhadores das grandes cidades desde março de 1994, quando a abertura da economia, o câmbio valorizado, e a expansão dos serviços fechavam vagas nas indústrias. Em números absolutos, significa 11 milhões de pessoas com carteira assinada nas metrópoles brasileiras. Estimativa - O resultado de março será divulgado nesta quinta-feira. A previsão é de que a tendência de alta continue - no mesmo mês de 2009, o índice era de 49,3%, e em 2008 foi de 48,3%. Especialistas apontam que entre os incentivos das empresas para assinar a carteira do trabalhador, apesar da alta carga tributária, está o crescimento da economia, o controle da inflação e a expansão do crédito (os investidores exigem o cumprimento das leis antes de colocar dinheiro em uma empresa)”. Como podemos ver pela matéria, o emprego formal é ainda concentrado, deixando parte da população desprotegida de seus direitos trabalhistas. Mas, podemos perceber que o acesso ao registro na carteira de trabalho tem ____________ nos últimos tempos. Assinale a alternativa que COMPLETA a frase apresentada. A) diminuído; B) se mantido constante; C) passado por uma crise; D) aumentado; E) regredido. RESPOSTA: D 10
  • QUESTÃO (Descritor: Relacionar trabalho e desenvolvimento da tecnologia) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: A tecnologia e o mundo do trabalho Assinale a alternativa que CONTÉM as palavras que melhor completam a frase a seguir: “O desenvolvimento da tecnologia tem o potencial de liberar o homem do ___________. Com _____________ mais avançadas, é necessário menos esforço por parte do trabalhador, assim como é menor o tempo total gasto na produção de cada bem industrializado. Fossem as coisas assim simples, o desenvolvimento da tecnologia permitiria que os trabalhadores tivessem a sua jornada de trabalho_________, ficando mais tempo disponível para fazerem o que bem entenderem”. A) mundo do trabalho – máquinas - reduzida; B) sistema capitalista - políticas - mantida; C) setor de produção – regulações - aumentada; D) obrigatório trabalho remunerado – organizações sindicais - extinta; E) mundo do trabalho – ideias - diminuída. RESPOSTA: A QUESTÃO (Descritor: Conceituar e sintetizar a ideia de sustentabilidade) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Trabalho e sustentabilidade A partir da década de 90, em especial, formou-se grandes redes de sensibilização acerca da necessidade de que todo desenvolvimento econômico seja sustentável. Para essa perspectiva, ao invés de ser exploratória e depredadora do meio ambiente, a economia produtiva de um país deve saber se integrar e se aproveitar de forma a não esgotar os recursos hídricos, minerais e naturais de um território. Assinale a alternativa a seguir que APRESENTA uma formulação semelhante da ideia de sustentabilidade. A) O meio ambiente é mais importante que a economia, por isso é necessário impedir o desenvolvimento econômico. B) A indústria de alimentos de uma sociedade deve ser substituída por formas de agricultura familiar. C) A despoluição dos rios e o reflorestamento de áreas verdes devem ser de responsabilidade de indústrias e empresas. D) O esgotamento dos recursos naturais é inevitável, por isso há que se criar formas alternativas de produção. E) O desenvolvimento econômico deve ser feito de maneira a garantir a sobrevivência do meio ambiente. RESPOSTA: E 11
  • QUESTÃO (Descritor: Sintetizar e aplicar a ideia de desenvolvimento sustentável) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Políticas de desenvolvimento sustentável IDENTIFIQUE qual das alternativas a seguir indica uma política diretamente alinhada com a perspectiva do desenvolvimento sustentável. a) Construção de barragens e hidrelétricas. b) Ampliação da rede de saneamento básico nas cidades. c) Ampliação das chamadas fronteiras agrícolas. d) Construção de estradas em áreas de reserva. e) Redução de impostos na venda de carros. RESPOSTA: B QUESTÃO (Descritor: Reconhecer o debate acerca do desenvolvimento sustentável na contemporaneidade brasileira) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Desenvolvimento sustentável e políticas de desenvolvimento Leia o texto, publicado na Folha de São Paulo de 19 de abril de 2010, e responda às perguntas que seguem. Desmate do PAC equivale a metade de SP “Empreendimentos do PAC, selo criado pelo governo federal para agrupar ações de infraestrutura, já desmataram de forma legal no país uma área equivalente à metade do município de São Paulo. O Programa de Aceleração do Crescimento foi criado em 2007. Desde então, o governo autorizou o desmate de 730 km2 para o avanço de suas obras, segundo levantamento feito pela Folha em cada uma das 155 autorizações específicas para o programa expedidas pelo Ibama, órgão do Ministério do Meio Ambiente. O montante desmatado nesses três anos inclui extensões na região amazônica, mas também no cerrado e na caatinga, inclusive em áreas de preservação permanente, como margens de rios e topos de morros. São obras de recursos hídricos, usinas hidrelétricas, ferrovias e rodovias, entre outras. Cada uma dessas autorizações do Ibama traz uma série de contrapartidas que, ao menos no papel, deveriam ser cumpridas pelos responsáveis da obra, como o plantio de uma área equivalente à devastada. Entretanto, não existe fiscalização no cumprimento dessas condicionantes, disseram à Folha servidores que, em tese, teriam essa responsabilidade. Segundo a ministra Isabella Teixeira (Meio Ambiente), o Ibama precisa ser fortalecido, e os licenciamentos do órgão precisam ser tratados como algo estratégico de governo, e não apenas da área ambiental (leia texto nesta página). 12
  • Efeito Outro agravante são as consequências desse desmatamento legal, em especial em obras de pavimentação de rodovias cercadas por florestas. Segundo o Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), 80% do desmatamento na região ocorre num raio de 50 km das margens das estradas. Na agenda de prioridades do PAC está o asfaltamento da BR-319 (Porto Velho-Manaus), ainda não autorizado pelo Ibama. O projeto provoca calafrios em ambientalistas, justamente por causa do potencial desmatador que esse tipo de obra tem. Para André Lima, coordenador de políticas públicas do Ipam, esse tipo de projeção do desmatamento deveria ser levado em conta no momento das autorizações do Ibama, assim como estimativas de emissão de gases-estufa por conta do corte de árvores. "O Brasil tem uma meta [de redução de gases-estufa, causadores do aquecimento global] e precisa monitorá-la por meio do sistema de licenciamento. Não é correto licenciar um volume de empreendimentos que pode estar acima do previsto na meta brasileira", diz Lima. Desde janeiro de 2007, o desmate legal do PAC equivale a 10% da derrubada de árvores na Amazônia Legal entre agosto de 2009 e julho de 2010, quando, segundo o governo, foram devastados 7.008 km2. Para Adalberto Veríssimo, pesquisador da ONG Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia), o sinal amarelo do desmatamento está ligado. "A história mostra que o desmatamento ocorre na sequência de obras de infraestrutura. Agora, o governo diz que não vai acontecer, mas existe o risco com essas obras do PAC", afirma. O pesquisador do Imazon pondera: 'Isso ainda não está acontecendo, mas é muito cedo tanto para condenar quanto para absolver esse modelo'”. A notícia citada expressa uma das preocupações que têm sido muito sensíveis na agenda pública, dizendo respeito à medida com que as políticas de desenvolvimento devem estar adequadas à perspectiva do: A) ambiente natural não afetado pelo ser humano. B) desenvolvimento rural. C) sentimento nativista. D) desenvolvimento sustentável. E) agronegócio. RESPOSTA: D 13
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar e aplicar os termos da desigualdade social no Brasil Nível de dificuldade: Médio Assunto: Desigualdade social no Brasil A sociedade brasileira é mundialmente reconhecida pelo futebol, por suas praias, e também pela _______________. Dos dois primeiros, gostamos de contar vantagem. Do último deles, no entanto, é com pesar que nos rememoramos dos longos séculos que marcaram a nossa estrutura social como das mais ___________ do mundo. Embora quase todos fiquem incomodados com a pobreza e a riqueza que convivem diariamente em nosso país, vale lembrar dos enormes obstáculos culturais e políticos que impedem a formação de instituições substantivamente democráticas, e que tornem a riqueza social acessível a todos. A opinião pública é uma arena aberta onde uns lutam pelos valores de sua sobrevivência, ao passo que outros brigam pela manutenção de sua situação. A) desigualdade – informais; B) liderança política – democráticas; C) caipirinha – informais; D) desigualdade social – injustas; E) prostituição – abusivas. RESPOSTA: D QUESTÃO (Descritor: Reconhecer os termos e sintetizar o tema das desigualdades urbanas) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A urbanização e a desigualdade Na contemporaneidade, as cidades brasileiras assistem à formação de guetos sociais. De um lado, os bairros e agrupamentos mais pobres, carentes de infra-estrutura e de serviços públicos. De outro lado, os bairros nobres, de acesso controlado e onde dificilmente faltam-lhes quaisquer recursos. Assinale a alternativa que APRESENTA os nomes correntes desses bairros ou aglomerações sociais respectivamente: A) centro e zona sul. B) encostas de morros e bairros nobres. C) favelas e condomínios de luxo. D) morros e zona sul. E) bairros populares e bairros de classe média. RESPOSTA: C 14
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar estatísticas de medição de desigualdade) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Estatísticas de desigualdade Foi criado no início do século passado uma ferramenta estatística que pretende sintetizar dados de desigualdade de renda. Utilizando o índice, que varia entre 0 e 1, é possível saber quão desigual é uma sociedade. Dessa forma, quão mais próximo for de 0 (zero), mais igualitária é a sociedade. O extremo oposto, 1 (um), indica altíssima concentração de recursos. Este índice é chamado de Índice de ______________. A) Gini. B) Likert. C) DS. D) Senn. E) PNAD. RESPOSTA: A 15
  • QUESTÃO (Descritor: Compreender e analisar as diversas dimensões da desigualdade social) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Desigualdade social e suas dimensões Leia a notícia, publicada pela Folha de São Paulo em 23 de junho de 2010, e responda à pergunta que segue: Gastos entre os 10% mais ricos supera os dos 40% mais pobres “Persiste no país a desigualdade entre os orçamentos das famílias mais ricas e as mais pobres, revela a POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) 2008-2009, divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os 10% de famílias com maiores rendimentos somavam uma despesa 9,6 vezes maior do que os gastos totais dos 40% de domicílios com as menores rendas em 2008-2009. Essa distância era um pouco maior em 2002-2003: 10,1 vezes. Houve, portanto, uma redução de 0,5 ponto percentual no indicador. Tal disparidade era menor no Sul --6,9 vezes-- e mais alta no Sudeste: 11,3 vezes. Outro dado ilustra a desigualdade: as despesas das famílias cujo chefe tinha mais de 11 anos de estudo (R$ 1.403) superou em 2008-2009 em 207% o rendimento daquelas cuja pessoa de referência tinha escolaridade inferior a um ano completo (R$ 4.315). Os gastos de famílias com mais de uma pessoa com ensino superior completo eram 207% maiores do que as que não contavam com ninguém com terceiro grau. Essa diferença, porém, havia sido maior em 2002-2003: 400%. Pelos dados do IBGE, as famílias com pessoas de referência do sexo masculino tinham despesa 7% acima da média nacional (R$ 2.626,31), enquanto a despesa média das famílias com pessoa de referência do sexo feminino (R$ 2.237,14) era 15% menor. Já os gastos de famílias chefiadas por brancos ficou 28% acima da média nacional, 89% superior às despesas das famílias com a pessoa de referência de cor preta e 79% maior do que aquelas com chefes pardos”. Assinale a alternativa que APRESENTA as diferentes dimensões nas quais a desigualdade social foi apresentada na matéria: A) gênero, cor e condição rural-urbano. B) regional-geográfica, gênero e cor. C) regional-geográfica, educação, gênero e cor. D) alfabetismo, cor e gênero. E) alfabetismo, gênero e cor. RESPOSTA: C 16
  • QUESTÃO (Descritor: Refletir acerca das diversas dimensões da desigualdade social no Brasil) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Desigualdade de acesso à internet no Brasil Uma das marcas mais fortes da sociedade da informação é a _____________ com que notícias são circuladas entre as pessoas. Os veículos para essa circulação podem ser diversos, desde conversas pessoais até ondas de rádio, ou ainda a televisão e a internet. Uma vez que uma notícia esteja tenha sido divulgada, a velocidade com que ela atingirá outras pessoas será tanto maior quanto for a sociedade interligada e interconectada por diversas redes sociais. Cumpre dizer ainda que outra das características de uma sociedade de informação é a _____________, seja física ou virtual, de espécies de arquivos culturais, como bibliotecas, bancos de dados, arquivos de jornais, etc. Com isso, o acesso às informações passadas são facilitadas. Desde um ponto de vista crítico, no entanto, observamos uma____________ da novidade. Em uma tal sociedade, a informação em si ganha um valor e uma atenção especial: saber das últimas novidades, do que ninguém ainda tomou conhecimento, constitui um fator de distinção entre as pessoas. Assim, existe uma grande tendência ao uso indiscriminado das redes de informação, boatos vazios, notícias sem fundamento, o “furo jornalístico” que, na verdade, se não é falso é irrelevante. Fator que, a bem dizer, tende a enfraquecer as próprias redes de informação. Indique a alternativa que COMPLETA o parágrafo. A) ligeireza – manutenção - banalização B) rapidez – disponibilidade - fetichizaçã C) lentidão – formação - desvalorização D) rapidez – exclusão - valorização E) celeridade – indisponibilidade – fragmentação RESPOSTA: B QUESTÃO (Descritor: Compreender e analisar fatos culturais que expressem a crença no valor da educação) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Educação e reversão da desigualdade social No primeiro semestre do ano de 2010, no intuito de valorizar as políticas de educação, o governo federal divulgou uma campanha em que uma mãe, que trabalhava como empregada doméstica, narrava o seu esforço para que sua filha tivesse condições de concluir seus estudos – coisa que ela mesma, a mãe, não tinha conseguido fazer. A mensagem transmitida dizia que através dos estudos a filha poderia tornar-se alguém - ou melhor, Alguém, com “a” maiúsculo. O valor da educação é muito difundido entre nós, levando muitos a acreditarem que ela seria justamente o valor a reverter os males de nosso país. Do ponto de vista do indivíduo, assim, a campanha do governo era muito representativa de uma cultura que vê na educação as grande chances de ___________ social. Indique a alternativa que COMPLETA a frase apresentada. A) ascensão B) transcendência C) manutenção D) inversão E) imersão RESPOSTA: A 17
  • QUESTÃO (Descritor: Conceituar e aplicar indicadores subjetivas e objetivas em pesquisas sociais) Nível de dificuldade: Média Assunto: Indicadores objetivos e subjetivos em pesquisas sociais Leia o texto seguinte e responda à pergunta que o segue. A Era Lula vista no espelho dos indicadores sociais “A nova Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF/ IBGE) representa ponto de inflexão no modo como a sociedade do país se enxerga no espelho dos indicadores sociais. Por exemplo, a pobreza é menor na POF do que nas demais pesquisas, como a Pnad -respectivamente, 10% e 16% da população dispõem de renda per capita menor que R$ 140 por mês. Essa diferença se deve ao fato de a POF captar a despesa não monetária, que corresponde a 13% da renda das famílias em geral e o dobro disso nas famílias pobres. O numerário da medição dos avanços sociais pós-POF não será mais renda, e sim consumo, que a POF é a única a captar. Esse é um ganho, pois as pessoas extraem bem-estar dos bens e dos serviços consumidos, e não do valor de seus contracheques. Em 2010, não haverá Pnad, pois é ano de Censo, e já em 2011 haverá uma revolução estatística, com a integração da Pnad, da PME e de uma mini-POF em uma única pesquisa trimestral. Mais do que uma sopa de letras e números, o novo sistema de pesquisas domiciliares "ibgeano" privilegiará o consumo para integrar os efeitos de políticas públicas (programas sociais, aposentadorias etc.) e ações privadas no mercado (financeiro, de trabalho etc.) ou fora dele (não monetárias). A POF não é uma bola de cristal, mas permite antever alguns dos mais sérios problemas brasileiros, medindo peso e altura das crianças, um indicador que não habitava nem os sonhos dos gestores públicos. Um país de crianças nanicas e subnutridas no futuro será econômica e socialmente nanico. Além disso, a POF permite olhar mais longe no espelho retrovisor dos indicadores sociais. Ela dá um retrato das mudanças de prazo mais longo que a Pnad, a principal referência social no país. A primeira Pnad disponível é de 1976, e a primeira POF nacional data de 1974/75. Há ainda ganho de atualização na POF, pois a Pnad mais recente é de setembro de 2008, e a POF, centrada em janeiro de 2009. A POF anterior é de 2002/ 03, o que nos permite captar o período de ouro cercado por duas crises, iniciado naquela associada às incertezas das eleições de 2002 -quando US$ 1 chegou a custar R$ 4- e encerrado no pós- crise externa de 2008. As duas últimas POFs permitem medição rica da chamada Era Lula. Se não vejamos: O crescimento da renda familiar média divulgado pelo IBGE é de 10,8% entre POFs. Com a redução do tamanho das famílias de 3,62 para 3,3 pessoas, a renda familiar per capita, que é o que importa para o bem-estar, cresce o dobro: 21,7%. Esse número é equivalente ao da Pnad. A expansão do PIB per capita foi superada em oito pontos percentuais pela renda calculada diretamente a partir de pesquisas domiciliares como a Pnad e a POF. Segundo a POF, a renda dos 10% mais pobres sobe 42,1%. A dos 10% mais ricos, 13,3%, ou seja, o bolo de renda cresceu, mas com mais fermento entre os mais pobres. 18
  • Entre as duas últimas POFs, a proporção de pessoas pobres cai de 18% para 10%. A POF é a única pesquisa a avaliar a evolução da percepção das pessoas sobre pobreza. A proporção de famílias que tinham dificuldade de chegar até o final do mês com o orçamento caiu de 85% para 75%. De maneira geral, indicadores subjetivos e objetivos concordam que a imagem de nossos problemas sociais projetada na POF é ainda grotesca, mas houve melhoras desde 2003. O alto nível da desigualdade brasileira é como um astro visível de outras partes do globo. Se os cientistas sociais fossem astrônomos e a renda dos brasileiros fosse uma nuvem de estrelas, as últimas POFs seriam o supertelescópio situado no lugar e no período certos para avaliar o início dos seus movimentos” (texto de Marcelo Neri, economista da FGV). Ao tratar das pesquisas sociais que serão integradas no ano de 2011, o autor expressa claramente sua crença no potencial e especificidade da POF, a Pesquisa de Orçamentos Familiares. Uma das razões que elenca para isso é o fato de ela ser a única a “avaliar a evolução da percepção das pessoas sobre a pobreza”, que, como ele diz mais à diante, constitui um indicar “subjetivo” importante. Dentre as alternativas, assinale aquela que TRAZ um exemplo de indicador subjetivo. A) nos últimos anos a pesquisa vem mostrando que a renda dos 10% mais pobres sobe em média 42,1%. B) entre as duas últimas rodadas da POFs, a proporção de pessoas pobres caiu de 18% para 10%. C) o aumento da renda dos mais pobres foi percebido por eles mesmos, que opinaram em favor das políticas sociais. D) nos últimos anos a renda dos 10% mais ricos cresceu menos do que a média nacional. E) com a redução do tamanho das famílias a renda familiar per capita cresce o dobro, 21,7%. RESPOSTA: C QUESTÃO (Descritor: Contrastar e sintetizar diferentes perspectivas sobre políticas de transferência de renda) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: O vocabulário das políticas de transferência de renda Tanto no Brasil quanto em outros países as políticas de transferência de renda estão no centro de sonoros debates. Brevemente, elas consistem em ações que pretendem redistribuir a riqueza das pessoas, tirando dos que tem mais em favor dos que tem menos. Toda definição, no entanto, não escapará do alto grau de politização deste tema. Para aqueles que são contrários à estas políticas, e, portanto, conservadores, tratar-se-ia de uma forma de ______________ que torna as pessoas dependentes do Estado. Ao invés de criar a cultura do trabalho e do mérito, tal política teria como efeito a criação de pessoas inertes, ociosas e não voluntariosas. Como o Estado provê recursos, o trabalho se tornar desnecessário. De outro lado estão os defensores dessas políticas, os progressistas. Para eles, a dependência do Estado é um mito, uma ficção sem amparo na realidade. Amparados em pesquisas diversas, afirma que são pouquíssimas as pessoas que “se acomodam ao receberem algum tipo de auxílio”. Ademais, e o que é mais importante, afirmam o valor da política enquanto medida de _________________, uma iniciativa que pretende combater uma condição (de pobreza) que não provocada pelos próprios indivíduos. Dizem eles, a estrutura social que é perversa. Identifique nas alternativas aquela que COMPLETA as lacunas do texto: A) justiça social – redistribuição de recursos. B) redistribuição de renda – assistencialismo. C) clientelismo – combate justo. D) assistencialismo – justiça social. E) clientelismo – redistribuição de renda. RESPOSTA: D 19
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar as desigualdades internacionais de poder) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Desigualdades nas políticas de instituições multilaterais Um dos principais impasses na política internacional contemporânea é o arranjo de poder das instituições multilaterais. A principal delas, a Organização das Nações Unidas (ONU), é particularmente confrontada pelo fato de que um número ainda reduzido de países-membros detém assentos definitivos em seu Conselho de Segurança, assim como são poucos os que tem poder de veto a suas decisões. Como pode ser percebido, apenas os países que historicamente se colocaram como de capitalismo central é detém essas prerrogativas. Trata-se, assim, da manutenção de um sistema internacional em que a balança política está sempre pendendo a favor dos mais fortes. INDIQUE os países que vêm aspirando assentos definitivos no conselho de segurança da ONU. A) China, Japão e Alemanha. B) China, Índia e Canadá. C) Argentina, Chile e Paraguai. D) Brasil, África do Sul, e Argentina. E) Brasil, Índia e África do Sul. RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Reconhecer diferentes contrastes entre natureza e cultura) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Relação entre natureza e cultura Avalie as afirmativas a seguir acerca da relação entre natureza e cultura. I – É natural tudo aquilo em que a humanidade não agregou trabalho, que é mantido intocado. II – A cultura consiste em todos os elementos materiais e imateriais criados pela sociedade. III – Com o passar do tempo, as pessoas se acostumam com as coisas, com sua rotina e ritmo de vida. Em pouco tempo acabam se naturalizando, tomando como dados aqueles elementos que são culturais. ASSINALE se A) Apenas I e II estiverem corretas. B) Apenas I e III estiverem corretas. C) Apenas II e III estiverem corretas. D) Apenas III estiver correta. E) I, II e III estiverem corretas. RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Identificar os limites entre a diversidade e o relativismo cultural) 20
  • Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Diversidade e relativismo cultural A diversidade cultural é a condição oposta à unidade cultural, dizendo respeito, portanto, à existência de diversas matrizes e referenciais de cultura partilhados em um mesmo espaço geográfico. Essa convivência de diversos valores não é simples, pois depende que os opostos se aceitem e respeitem seus espaços e direitos. Para muitos, o relativismo cultural é uma das possíveis consequências dessa condição. Assinale a afirmativa que APRESENTA a melhor caracterização do relativismo cultural. A) Os diversos valores presentes em uma sociedade devem ser igualmente defendidos, quando opostos e conflitantes, deve sempre prevalecer aquele que agrupa a maior quantidade pessoas. B) Tudo depende da ótica, do ponto de vista de onde se fala. Inexistem verdades ou valores universais, tudo é cultural e deve ser aceito assim como é. C) As pessoas devem aprender a conviver pacificamente, independentemente de suas crenças. E isso só pode ser feito através do respeito à dignidade humana, valor superior que deve prevalecer sobre todas as opiniões e interesses particulares. D) Trata-se da condição de que todas as culturas e pessoas estão interconectadas e são interdependentes, todos estabelecem relações no mundo. E) É a convivência, seja pacífica ou conflitante, de diversos valores em uma mesma sociedade. RESPOSTA: B QUESTÃO (Descritor: Distinguir situações de diversidade cultural) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Diversidade cultural Identifique nas situações a seguir aquela que NÃO representa uma situação de diversidade cultural. A) Os torcedores do time vencedor se encontraram na praça central e celebraram a conquista do campeonato. B) O aeroporto estava cheio. Na fila de espera conheci pessoas de muitos países, nigerianos, franceses, russos, chineses e uruguaios. C) Ateus, padres, pastores, rabinos e pais e mães de santo compareceram ao debate. D) O festival buscou promover bandas de diversos estilos de música, samba, funk, jazz, bossa nova, rock. E) Uma aluna usando burka sentou-se ao lado de um rapaz com um enorme crucifixo pendurado no pescoço. Á frente deles estava sentado um jovem usando um kipá. Ele conversava com seu colega ateu. RESPOSTA: A 21
  • QUESTÃO (Descritor: Conceituar mercantilização da cultura) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Mercantilização da cultura INDIQUE a alternativa que contém a resposta mais apropriada para a seguinte pergunta: o que é a mercantilização da cultura? A) É a venda desenfreada de itens culturais, como CDs, livros. B) É a produção em larga escala de bens industriais tendo em vista as preferências do mercado. C) É a comercialização da cultura imaterial através da prática da terceirização. D) É a disponibilização, através do mercado, de bens culturais que visam a construção e reconstrução dos estilos de vida. E) É a comercialização da cultura material de um povo. RESPOSTA: D QUESTÃO (Descritor: Reconhecer e aplicar o conceito de ideologia) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A ideologia do modo de vida americano Leia o trecho a seguir. Comumente ouvimos falar do modo de vida americano, o american way of life. Trata-se de um ideal muito difundido nos Estados Unidos, o qual estabelece a felicidade como resultado necessário do trabalho individual, que é recompensado com o acesso ao consumo de determinados bens. Sob o ponto de vista de certo marxismo, isso não passa de uma ___________ burguesa, a qual identifica no mercado a garantia de sustentação dos seus privilégios de classe. INDIQUE a palavra que melhor completa o trecho lido. A) Indústria cultural. B) Conspiração. C) Ideologia. D) Percepção. E) Alienação. RESPOSTA: C 22
  • QUESTÃO (Descritor: Reconhecer os componentes de uma sociedade de consumo) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Produtoras culturais em uma sociedade de consumo Dentre as alternativas a seguir, assinale aquela que apresenta uma instituição que NÃO pode ser considerada uma produtora cultural em uma sociedade de consumo. A) Produtora de filmes. B) Editora de livros. C) Gravadora de discos. D) Revista de moda. E) Escola de música. RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Analisar a função das propagandas em uma sociedade de consumo) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Propagandas em uma sociedade de consumo Dentre as frases a seguir, IDENTIFIQUE aquela que expressa a principal função das propagandas em uma sociedade de consumo. A) Informar os consumidores acerca das virtudes dos produtos. B) Divulgar o produto para atingir uma demanda já existente. C) Esconder os problemas dos produtos. D) Criar a necessidade de consumo do produto, alavancando assim a demanda. E) Aumentar o consumo do produto através da divulgação da sua marca. RESPOSTA: D 23
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar o acesso dos meios de comunicação) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Acesso e consumo dos meios de comunicação Avalie as afirmativas a seguir acerca dos meios de comunicação. I – A televisão é o segundo meio de comunicação de massa mais difundido no Brasil, perdendo apenas para a mídia escrita. II – A pobreza é um dos limitadores do acesso aos meios de comunicação. III – Segundo estudiosos dos meios de comunicação, as propagandas e demais programas culturais transmitidos são desconsiderados como objetos de consumo, mas apenas meios para se fomentar o consumo de bens de mercado. ASSINALE se A) todas as afirmativas estiverem incorretas. B) apenas II estiver correta. C) apenas II e III estiverem corretas. D) apenas I e III estiverem corretas. E) apenas I e II estiverem corretas. RESPOSTA: B 24
  • QUESTÃO (Descritor: Aplicar o conceito weberiano de Estado) Nível de dificuldade: Médio Assunto: As instituições do Estado e o uso da força O uso da violência é cada vez menos frequente nas sociedades modernas. Segundo o sociólogo alemão Norbert Elias, a pacificação é uma das características das sociedades contemporâneas, marcadamente mais "civilizadas". No entanto, ele está ciente de que a paz é um estado apenas costumeiro, um hábito que por vezes é deixado de lado. Existem espaços em que a violência é respeitada e mesmo desejada – caso de alguns esportes, por exemplo. Para além de alguns ambientes esportivos, existem também aqueles em que a violência é utilizada como instrumento para a manutenção da ordem estabelecida. Trata-se da violência praticada por agentes do Estado. Devemos, assim, lembrar as palavras do também sociólogo Max Weber, que definiu o Estado como a instituição que detém o monopólio sobre o uso legítimo da força. ASSINALE a afirmativa que indica instituições que fazem esse uso legítimo da força em nossa sociedade. A) A polícia e as gangues urbanas. B) Seguranças e grupos de extermínio. C) Capangas e seguranças. D) Seguranças e vigilantes. E) A polícia e as forças armadas. RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Analisar e aplicar o conceito weberiano de Estado) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: O Estado Leia o trecho a seguir. Diante de uma situação de conflito, quando um Estado perde sua ___________, ele inevitavelmente acaba fazendo uso da ________. É assim que faz valer, reafirma o seu ________. Veja, por exemplo, o que acontece em muitas das favelas da cidade do Rio de Janeiro (mas também em outras grandes capitais do país): é a política que faz prevalecer a sua ordem. Assinale a alternativa que APRESENTA os conceitos que completam o trecho de forma adequada. A) autoridade – força – poder. B) legitimidade – política – alcance. C) legitimidade – guerra – domínio. D) autoridade – guerra – comando. E) força – hierarquia – controle. RESPOSTA: A 25
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar a composição do Estado brasileiro) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Composição do Estado brasileiro Assinale a alternativa que CONTÉM os poderes que compõem o Estado brasileiro. A) Executivo, Distributivo e Legislativo. B) Prefeitura municipal, Governo do estado e Governo federal. C) Governo Federal, Senado Federal e Câmara dos deputados. D) Executivo, Legislativo e Judiciário. E) Policial, Secretariado e Judiciário. RESPOSTA: D QUESTÃO (Descritor: Conceituar e aplicar o conceito de política) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Conceito de política Comumente, associamos a política apenas àquilo que se dá nos altos escalões do Estado. Todavia, política é uma coisa, Estado é outra. O Estado é uma instituição cujo funcionamento podemos observar com clareza, conhecemos seus oficiais e podemos identificar seus limites geográficos. Com a política, as coisas são diferentes. Para o cientista político mineiro Fabio Wanderley Reis, ela consiste na administração dos problemas da vida em conjunto. Isto é, sempre que estamos com mais pessoas e algum problema de convivência surge, precisamos de alguma forma resolver os impasses e questões. Praticamos, assim, a política em seu melhor sentido. Assumindo essa concepção de política, podemos afirmar que todas as alternativas abaixo caracterizam situações onde surgem problemas políticos, EXCETO: A) Toda a família se reuniu à mesa para discutir o orçamento da casa, pois algumas dívidas surgiram. B) Ela ficou muito zangada quando viu a jovem furando fila. Logo chamou-lhe a atenção: “Ei, existe uma regra que se aplica a todos: é preciso respeitar a fila.” C) Aquele senhor precisou correr para não ser atropelado, pois um motoqueiro tinha ignorado a faixa de pedestres. D) O parlamentar discursou durante duas horas na tentativa de convencer seus adversários a darem seu apoio ao projeto. E) Ele passou horas tentando consertar seu computador, sem obter sucesso. RESPOSTA: E 26
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar o conceito de democracia a partir do sistema eleitoral) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: A democracia e as eleições As eleições no Brasil são noticiadas, por vezes, como a "festa da democracia". Essa expressão faz mesmo muito sentido. Devemos sempre nos lembrar que o voto direto é uma conquista muito recente. Até poucos anos atrás, por exemplo, os governadores dos estados eram indicados pelo presidente da República, não eram escolhidos pelos cidadãos. A consulta popular é a forma pela qual a população escolhe aqueles que vão compor os principais cargos dos poderes Legislativo e Executivo. Assinale a afirmativa que INDICA o nome dessa forma de organização do Estado. A) Democracia direta. B) Democracia representativa. C) Democracia participativa. D) Democracia deliberativa. E) Ditadura popular. RESPOSTA: B 27
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar a relação entre democracia e plebiscitos) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A democracia e os plebiscitos O plebiscito é distinto das eleições convencionais. Nele é pedido aos cidadãos que se posicionem acerca de questões práticas e objetivas – como foi o caso do plebiscito acerca da proibição do comércio de armas de fogo no Brasil – ocorrido no ano de 2005. Fonte: www.wikimedia.org Assinale a afirmativa que APRESENTA o tipo de regime político em que a consulta à população através de plebiscitos é mais habitual. A) Democracia direta. B) Democracia representativa. C) Democracia total. D) Democracia deliberativa. E) Ditadura popular. RESPOSTA: A 28
  • QUESTÃO (Descritor: Distinguir os movimentos sociais "tradicionais" e os novos movimentos sociais) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Movimentos sociais Existem ao menos dois tipos de movimentos sociais que atuam em nosso universo social. De um lado, aqueles movimentos reivindicatórios pautados na satisfação de necessidades básicas. De outro, aqueles grupos que lutam por causas identitárias – chamados novos movimentos sociais. Em geral, os movimentos do primeiro tipo são tratados com desdém pelos principais meios de comunicação de nosso país. Assinale a afirmativa que INDICA movimentos sociais de causas básicas. A) Vegetarianismo, movimentos ecológicos. B) Movimento feminista, movimento do software livre. C) Movimento dos trabalhadores sem-terra (MST), sindicatos de trabalhadores. D) Movimento negro, movimentos ecológicos. E) Sindicatos de trabalhadores, movimentos ecológicos. RESPOSTA: C 29
  • QUESTÃO (Descritor: Conceituar sociologicamente a ideia de movimentos sociais) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Movimentos sociais Leia o fragmento seguinte. “Não se deve tomar a sociedade pelo que ela é, pelas suas formas de organização e suas regras de funcionamento. O que aparece como quadro dos comportamentos sociais é, em realidade, o resultado sempre limitado, frágil e mal-integrado dos conflitos e das transações que se formam entre classes e forças sociais delas derivadas e que são os atores da historicidade de uma sociedade, atores que animam e interpretam o sistema da ação histórica de uma sociedade, isto é, seu campo social e cultural de desenvolvimento. Se se entende por condutas sociais somente o jogo dos atores em um quadro institucional e organizacional dado, a noção de movimento social torna-se incompreensível, pois os movimentos sociais pertencem aos processos pelos quais uma sociedade produz sua organização a partir de seu sistema de ação histórica passando através dos conflitos de classes e das transações políticas. Entendo, em princípio, por movimentos sociais a ação conflitante de agentes das classes sociais lutando pelo controle do sistema de ação histórica. Mas é difícil abstrair este tipo de conduta coletiva da realidade observável, na qual se misturam todos os níveis de análise. Pode-se falar de um movimento operário, definido por sua luta contra o capitalismo pelo controle do desenvolvimento industrial, sem levar em consideração o estudo do sistema institucional, isto é, em particular o grau e a forma de tratamento institucional dos conflitos do trabalho, ou sem considerar os efeitos das crises econômicas, da mobilidade profissional ou da organização das empresas?” (Alain Touraine, “Os movimentos sociais”. Retirado de Sociologia e Sociedade, de Marialice Mencarini Foracchi e José de Souza Martins. Itálicos no original) Assinale a alternativa que APRESENTA as duas principais características de uma análise sociológica sobre os movimentos sociais segundo Alain Touraine: A) Interpretação sistêmica e historicamente informada. B) Interpretação compreensiva e historicamente informada. C) Interpretação individualista e sistêmica. D) Interpretação estruturalista e funcionalista. E) Interpretação multi-nível e contra-factual. RESPOSTA: A 30
  • QUESTÃO (Descritor: Compreensão e análise da relação entre sindicatos e Estado) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Movimento sindicalista “O movimento __________ teve peso significativo na vida política nacional entre 1945 e 1964, chegando a influenciar o sistema de tomada de decisões. Seguindo seu feitio corporativista, este sindicalismo esteve basicamente voltado para o Estado, vinculado aos partidos políticos e debilmente implantado nas___________. Mas a relação Estado-classe trabalhadora vigente neste período, quer por via sindical, quer por via partidária, teve sempre 'mão dupla', constituindo-se num mecanismo de incorporação real – embora controlada – dos_____________ à vida política nacional” (Ângela de Castro Gomes, A invenção do trabalhismo). O fragmento anterior apresenta uma leitura acerca da formação do trabalhismo no Brasil. Em especial, interessa para a autora a medida com que ele se formou em relação ao Estado e ao sistema partidário brasileiro. Assinale a alternativa que PREENCHE as lacunas do texto: A) sindicalista – cidades satélites – empregadores B) de mulheres – cidades – familiares C) sindical – fábricas - trabalhadores D) ambientalista – áreas de reservas ambientais – animais E) dos trabalhadores – indústrias – empregadores. RESPOSTA: C 31
  • QUESTÃO (Descritor: Avaliar o peso do direito de greve na equalização das relações de trabalho) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: O direito de greve a equalização das relações de trabalho Analise a imagem a seguir. Retirado de unimulti.blogspot.com O direito de _____________ é uma das garantias necessárias para a equalização das condições entre trabalhadores e empregadores. Pois, sem ele, torna-se muito restrito o campo de ação para os trabalhadores protestarem, uma vez que poderiam ser facilmente penalizados, seja através do não-pagamento de salários, seja pela demissão. A) associação. B) ir e vir. C) livre pensamento. D) assistência social. E) greve. RESPOSTA: E 32
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar criticamente a configuração dos movimentos sociais) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: A caracterização e configuração dos movimentos sociais Assinale a alternativa que melhor avalia as frases seguintes: • Os movimentos sociais consistem em organizações formadas exclusivamente a partir da iniciativa de governos em seus diversos níveis (municipal, estadual e federal). • O movimento ambientalista tem ao menos duas linhas ideológicas distintas, uma que defende a preservação irrestrita da riqueza natural, outra que defende o seu uso responsável e sustentável. • Os movimentos sociais são caracterizados por uma diversidade de linhas ético-políticas, o que demanda rigor e cuidado na análise. Em geral, erramos ao falar “da opinião” do movimento feminista, ou do movimento negro – por exemplo. A) Apenas I está correta, II e III estão erradas. B) Apenas II está correta, I e III estão erradas. C) Apenas III está errada, I e II estão certas. D) Apenas I está errada, II e III estão certas. E) Todas estão certas. RESPOSTA: D QUESTÃO (Descritor: Conceituar e distinguir diferentes tipos de movimentos sociais) Nível de dificuldade: Média Assunto: Distinção entre tipos de movimentos sociais Segundo uma interpretação sociológica, a década de 1960 seria um marco na história dos movimentos sociais. Até então, dentre outros aspectos, a mobilização política da sociedade teria se dado de forma conflitiva com o Estado, além de dizer respeito a problemas de sobrevivência. Trata-se de uma fase marcada por questões relacionadas ao mundo do trabalho, e, portanto, com grande ênfase nos movimentos sindicais e de trabalhadores. Desde a segunda metade da década de 1960, no entanto, teriam ganhado força movimentos de fundamento identitário, como o movimento feminista, pacifista, ambientalista, negro, etc. Assinale a alternativa que APRESENTA a distinção a que faz referência o texto: A) movimentos sociais e movimentos coletivos. B) movimentos sociais clássicos e novos movimentos sociais. C) movimentos trabalhistas e movimentos verdes. D) movimentos dos trabalhadores e movimentos contemporâneos. E) movimentos sociais antigos e movimentos sociais recentes. RESPOSTA: B 33
  • QUESTÃO (Descritor: Contrapor e avaliar criticamente provérbios da cultura popular) Nível de dificuldade: Médio Assunto: O feminismo e provérbios populares Leia o fragmento a seguir. “Ao afirmar que “o pessoal é político”, o feminismo trás para o espaço da discussão política as questões até então vistas e tratadas como específicas do privado, quebrando a dicotomia público-privado base de todo o pensamento liberal sobre as especificidades da política e do poder político. O movimento ressignificou o poder político e a forma de entender a política ao colocar novos espaços no privado e no domestico. Sua força está em recolocar a forma de entender a política e o poder, de questionar o conteúdo formal que se atribuiu ao poder a as formas em que é exercido. Distingue-se dos outros movimentos de mulheres por defender os interesses de gênero das mulheres, por questionar os sistemas culturais e políticos construídos a partir dos papeis de gênero historicamente atribuídos às mulheres, pela definição da sua autonomia em relação a outros movimentos, organizações e o Estado e pelo princípio organizativo da horizontalidade, isto é, da não existência de esferas de decisões hierarquizadas ( Alvarez,1990:23).” Ana Alice Alcântara Costa (“O movimento feminista no Brasil: dinâmicas de uma intervenção política”, publicado em 2005,Revistas Labrys). Assinale a alternativa que EXPRESSA, através de um provérbio popular, um endosso à separação entre o espaço público e o espaço privado. A) em terra de cegos quem tem olho é rei. B) em casa de ferreiro, espeto é de pau. C) em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher. D) Escada se varre de cima pra baixo. E) Em Roma, como os romanos. RESPOSTA: C 34
  • QUESTÃO (Descritor: Relacionar movimentos sociais e democracia participativa) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Movimentos sociais e o aprofundamento da democracia Assinale a alternativa seguir que melhor completa a frase. O aumento da participação política por via dos movimentos sociais, assim como o adensamento das redes institucionais de integração da sociedade civil nas políticas públicas, vai realizando na contemporaneidade os princípios da _______________. A) democracia participativa. B) modernidade democrática. C) política fiscal austera. D) democracia representativa. E) cooptação elitista. RESPOSTA: A QUESTÃO (Descritor: Conceituar cidadania e comparar diferentes momentos históricos do Brasil) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Cidadania e participação eleitoral Leia o texto a seguir e responda à questão que segue. “O espírito das mudanças eleitorais republicanas [da República de 1889] era o mesmo de 1881, quando foi introduzida a eleição direta. Até esta última data, o processo indireto permitia razoável nível de participação no processo eleitoral, em torno de 10% da população total. A eleição direta reduziu este número para menos de 1%. Com a República houve aumento pouco significativo para 2% da população (eleição presidencial de 1894). Percebera-se que, no caso brasileiro, a exigência de alfabetização, introduzida em 1881, era barreira suficiente para impedir a expansão do eleitorado. O Congresso Liberal de maio de 1889 já o dissera abertamente ao aceitar como indicador de renda legal o saber ler e escrever. O liberal Rui Barbosa, um dos redatores do projeto da Constituição de 1891, fora um dos principais propugnadores da reforma de 1881. Por trás desta concepção restritiva da participação estava o postulado de uma distinção nítida entre sociedade civil e sociedade política. O ponto já fora exposto com clareza por Pimenta Bueno em sua análise da Constrituição de 1824. Pimenta Bueno buscou na Constituição francesa de 1791 a distinção, aliás incluída na própria Constituição brasileira, entre cidadão ativos e cidadãos inativos ou cidadãos simples. Os primeiros possuem, além dos direitos civis, os direitos políticos. Os últimos só possuem os direitos civis da cidadania. Só os primeiros são cidadãos plenos possuidores do jus civitatis do direito romano. O direito político, nesta concepção, não é um direito natural: é concedido pela sociedade àqueles que ela julga merecedores dele. O voto, antes de ser direito, é uma função social, é um dever. Era esta, aliás, a posição de John Stuart Mill, talvez o autor que maior influência teve sobre os proponentes da reforma de 1881. Como se sabe, Mill era também contra o voto do analfabeto. Exigia como condição para o exercício do voto até mesmo a capacidade de fazer as operações básicas da aritmética. Sendo função social antes que direito, o voto era concedido àqueles a quem a sociedade julgava poder confiar sua preservação. No Império como na República, foram excluídos os pobres (seja pela renda, seja pela exigência da alfabetização), os mendigos, as mulheres, os menores de idade, as praças de pré, os membros de ordens religiosas. Ficava fora da sociedade política a grande maioria da população. A exclusão dos analfabetos pela Constituição republicana era particularmente discriminatória, pois ao mesmo tempo se retirava a obrigação do governo de fornecer instrução primária, que constava do texto imperial. Exigia-se para a cidadania política uma 35
  • qualidade que só o direito social da educação poderia fornecer e, simultaneamente, desconhecia-se este direito. Era uma ordem liberal, mas profundamente antidemocrática e resistente a esforços de democratização”. Fragmento do texto de José Murilo de Carvalho, Os bestializados. IDENTIFIQUE a instituição contemporânea que estabelece, nos termos do texto lido, a universalidade da cidadania ativa, no Brasil. A) voto de cabresto. B) liberdade política. C) liberdade de imprensa. D) voto censitário. E) voto obrigatório. RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Distinguir entre modalidades de participação política) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A cidadania para além do voto Complete o parágrafo com a alternativa ADEQUADA. O texto da questão anterior, de José Murilo de Carvalho, contempla uma das mais importantes formas de participação política, o voto. Este que é, decerto, um dos principais fundamentos das democracias contemporâneas. No entanto, trata-se de apenas uma das possíveis formas de participar da vida política de uma comunidade. A todas as outras chamamos de ____________________. A) participacionismo B) atitudes democráticas C) atividades participativas D) participação não-eleitoral E) participação cidadã RESPOSTA: D 36
  • QUESTÃO (Descritor: Distinguir entre associativismo e participação política) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Associativismo e participação política Assinale a alternativa que NÃO apresenta nenhuma forma direta de participação política. A) Participação em abaixo-assinados. B) Participação em grêmios literários. C) Participação em comícios. D) Participação eleitoral. E) Participação em manifestações públicas. RESPOSTA: B QUESTÃO (Descritor: Relacionar democracia e práticas associativas) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Democracia, valores e práticas associativas Diversos cientistas sociais tem apontado para o fato de que práticas ____________ e comunitárias densas aprimoram o potencial __________ de uma sociedade. Em particular, pesa a medida com que vínculos de solidariedade mais estreitos diminuem a possibilidade de que conflitos sejam resolvidos de forma a favorecer um grupo em detrimento de outro. Isto é, uma sociedade bem integrada tem mais chances de guardar como referência cotidiana um certo sentido de____________, o qual tem uma importância grande na construção da democracia. A) participativas – aristocrático – coisa pública B) individualistas – democrático - indivíduo C) políticas – democratizante - individualidade D) associativas – democrático – interesse público E) comerciais – mercantilista - comunidade RESPOSTA: D 37
  • QUESTÃO (Descritor: Interpretar e analisar os dados de associativismo civil) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Associativismo civil nas grandes cidades Em artigo publicado em 1997 (O novo associativismo), o cientista político Leonardo Avritzer observava que a grande maior parte das associações civis de três das maiores capitais brasileiras tinham um história muito recente. Fato este que, ao lado de outros fatores, marcaria a formação de um novo associativismo. Observando os dados, uma pessoa chegou às seguintes conclusões. Assinale a conclusão que NÃO está diretamente indicada na tabela. A) Em todos os casos analisados, menos de 10% das associações civis foram criadas antes do ano de 1970. B) Os dados impedem de avaliar a natureza das associações, se são grêmios literários, associações comerciais, etc. C) Dentre as três capitais, São Paulo é aquela em que quase a totalidade de suas associações civis foram criadas depois de 1970. D) Dentre as associações civis cariocas e mineiras, é muito próxima a parcela que foi criada depois de 1970. E) Em geral, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte se assemelham no número de associações criadas recentemente. RESPOSTA: E 38 São Paulo Rio de Janeiro Belo Horizonte % de associações criadas depois de 1970 97,60% 90,70% 89,40%
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar diferentes tendências de participação social no Brasil) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Tendências da participação social Releia o fragmento a seguir, retirado de um texto de Evelina Dagnino, e responda à questão que o segue. “A ressignificação da participação acompanha a mesma direção seguida pela reconfiguração da sociedade civil, com a emergência da chamada “participação solidária” e a ênfase no trabalho voluntário e na “responsabilidade social”, tanto de indivíduos como de empresas. O princípio básico aqui parece ser a adoção de uma perspectiva privatista e individualista, capaz de substituir e redefinir o significado coletivo da participação social. A própria idéia de “solidariedade”, a grande “bandeira” dessa participação redefinida, é despida de seu significado político e coletivo, passando a apoiar-se no terreno privado da moral. Além disso, este princípio tem demonstrado sua efetividade em redefinir um outro elemento crucial no projeto participativo, promovendo a despolitização da participação: na medida em que essas novas definições dispensam os espaços públicos onde o debate dos próprios objetivos da participação pode ter lugar, o seu significado político e potencial democratizante é substituído por formas estritamente individualizadas de tratar questões tais como a desigualdade social e a pobreza”. Como pudemos notar, a autora apresenta o novo significa de que vem se revestindo a noção de participação social em nossa sociedade. Ao invés de ser entendido em um sentido político, a participação social viria sendo crescentemente associada a uma dimensão solidária e voluntária de indivíduos e empresas. Assinale a alternativa que APRESENTA as críticas feitas pela autora a esse novo entendimento da participação social. A) promove a desigualdade social e também a pobreza. B) adota uma perspectiva privatista e individualista, atribuindo um significado coletivo à participação. C) estar restrita ao terreno privado da moral e promover a despolitização da participação. D) está voltada para indivíduos e empresas, restringindo assim a participação do Estado. E) adota uma perspectiva privada e individual, promovendo a desigualdade social e a pobreza. RESPOSTA: C 39
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar e diferenciar práticas de clientelismo e de cidadania) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Clientelismo e a cidadania Leia o fragmento a seguir. “Muito usado, sobretudo por autores estrangeiros escrevendo sobre o Brasil, desde o trabalho pioneiro de Benno Galjart […], o conceito de clientelismo foi sempre empregado de maneira frouxa. De modo geral, indica um tipo de relação entre atores políticos que envolve concessão de benefícios públicos, na forma de empregos, vantagens fiscais, isenções, em troca de apoio político, sobretudo na forma de voto”. José Murilo de Carvalho, Mandonismo, coronelismo e clientelismo: uma discussão conceitual. Entendido como uma relação que envolve troca, tal qual em uma relação entre fornecedor e cliente, o clientelismo seria para alguns um traço distintivo da cultura política brasileira. Em contraste com uma sociedade mais amadurecida em cultura democrática, surgiria a relação marcada por uma noção substantiva de _____________. Assinale a alternativa que COMPLETA a frase. A) direitos B) coronelismo C) mandonismo D) assistencialismo solidário E) mercado RESPOSTA: A QUESTÃO (Descritor: Conceituar e distinguir diferentes abordagens da cidadania) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Cidadania e participação Temos, na contemporaneidade, ao menos duas formas de conceber os termos da cidadania de forma progressista. O primeiro deles teria como base a tradição liberal. A partir de uma noção forte de direitos, apenas a sua posse integral asseguraria uma condição de cidadania. Direito à moradia, direito à educação, à saúde, à alimentação. O alcance desses direitos, no entanto, estaria relacionado com a regulada expansão do _____________. A segunda matriz, de base republicana, consideraria a dimensão dos direitos como necessariamente conectada à vida pública, isto é, entendendo como condição a _____________ das pessoas na produção e construção da cidadania. Seria, para esta segunda tradição, a única forma para que os direitos contemplassem A) território - publicidade B) mercado - participação ativa C) povo - atividade D) indivíduo - conexão E) Estado - individualidade RESPOSTA: B 40
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar situações típicas de um mundo globalizado) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Globalização Assinale dentre as afirmativas a seguir aquela que melhor EXPRIME uma situação representativa de um mundo globalizado. A) "Polícia do Canadá apreende ecstasy com anéis olímpicos". B) "Acesso por banda larga no Brasil duplica entre 2005 e 2008, diz IBGE". C) "Morales deve aprofundar sua revolução social na Bolívia". D) "Nobel da Paz, Obama diz que há ‘guerra justa’". E) "Após prejuízo, Sony planeja fechar fábrica de TVs LCD no México". RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Distinguir abordagens estruturalistas de abordagens individualistas) Nível de dificuldade: Médio Assunto: O estruturalismo na abordagem sociológica Um dos aspectos centrais das abordagens sociológicas é apontar os fatores estruturais que condicionam a ação humana. Ao pensarmos na trajetória de vida de uma pessoa, por exemplo, tendemos a achar que são as suas próprias decisões e iniciativas que determinaram seus estudos, seu trabalho, seu sucesso ou seu fracasso. Uma das principais características da "abordagem sociológica" é justamente desconstruir essa percepção, indicando que nossas escolhas estão sempre condicionadas por elementos que fogem ao nosso controle, e, em geral, à nossa própria percepção – podendo ser econômicos, políticos, linguísticos, religiosos, etc. Leia as frases a seguir. I – "Ele disperdiçou todas as oportunidades que teve na vida, agora fica pedindo ajuda"; II – "Para ajudar nas finanças da casa, ela precisou abandonar os estudos. Não teve outra opção. Agora, dizem que lhe falta inteligência"; III – "Você quer, você pode". Assinale a afirmativa que MELHOR classifica as frases. A) I e II apresentam leituras individualistas, apenas III contempla fatores estruturais. B) I e III apresentam leituras individualistas, apenas II contempla fatores estruturais. C) II e III apresentam leituras individualistas, apenas I contempla fatores estruturais. D) Apenas III apresenta uma leitura individualista, I e II apresentam leituras individualistas. E) Todas as frases apresentam leituras individualistas, não contemplando fatores estruturais. RESPOSTA: B QUESTÃO (Descritor: Reconhecer a instituição a qual se dirige o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) 41
  • Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Movimentos sociais Fonte: Agência Brasil Um movimento social brasileiro que tem objetivos de reformas estruturais é o movimento dos trabalhadores sem- terra. Sua principal demanda é o acesso democrático à terra, o que, desde a sua perspectiva, jamais teria caracterizado a estrutura fundiária (isto é, aquela relativa à posse de terras) nacional. Tendo em vista tais reformas, assinale a afirmativa que INDICA a instituição à qual o MST apresentaria suas reivindicações. A) O mercado (imobiliário). B) A Organização das Nações Unidas. C) O Estado. D) Os grandes latifundiários. E) Os governos estaduais. RESPOSTA: C 42
  • QUESTÃO (Descritor: Deduzir uma das formas possíveis de evitar uma crise econômica em um contexto globalizado) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A globalização do sistema financeiro Assinale a alternativa que COMPLETA a frase a seguir. Na contemporaneidade, boa parte das economias do mundo estão interligadas através de um complexo sistema financeiro. Uma das consequências negativas de tal estrutura é que uma crise em um país central inicia um "efeito dominó", derrubando diversas economias ao redor do mundo. Uma das formas de se evitar essas crises "vindas de fora" é a sempre controversa_____________. A) Nacionalização da economia. B) Ajuda financeira estrangeira. C) Participação junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI). D) Diminuição das funções do Estado em favor do mercado. E) Proteção e controle das fronteiras físicas. RESPOSTA: A QUESTÃO (Descritor: Identificar as tecnologias da modernidade que produziram um descolamento entre as categorias de tempo e espaço) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Descolamento das categorias tempo e espaço na modernidade Um dos aspectos mais surpreendentes da modernidade é a velocidade com que informações circulam e cruzam enormes distâncias. A essa caracterísitica da vida contemporânea o sociólogo inglês Anthony Giddens caracterizou como o descolamento histórico das categorias de tempo e espaço. A menos de dois séculos atrás, por exemplo, qualquer carta ou jornal levaria semanas, talvez meses, para cruzar um oceano. Você já imaginou quanto tempo a notícia da independência do Brasil levou para chegar à Portugal? É provável que mais de um mês. Hoje, em geral, a distância deixou de ser uma questão relevante para a circulação de informação. Estar longe não implica em estar isolado. Assinale a alternativa cujo item NÃO compõe esse processo. A) Rádio B) Telefonia celular C) Internet D) Fotografias E) Televisão RESPOSTA: D 43
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar as instituições dos três poderes constitucionais) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A separação dos três poderes constitucionais Assinale dentre as opções a seguir aquela que contém, respectivamente, as mais altas, hierarquicamente, instituições dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. A) Ministério da Casa Civil, Presidência do Senado, Tribunal Superior Eleitoral. B) Ministério da Fazenda, Presidência da Câmara Federal, Ministério da Justiça. C) Presidência da República, Senado, Ministério da Justiça. D) Presidência da República, Presidência do Senado, Supremo Tribuna Federal. E) Presidência da República, Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal. RESPOSTA: E QUESTÃO (Descritor: Distinguir e classificar as instituições do Estado e da sociedade civil) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Instituições entre o Estado e a sociedade civil A concepção de Estado vigente em nossa sociedade estabelece claramente os seus limites e distinções para com a sociedade civil. Segundo esta visão, a organização formal da política deve estar separada da vivência social dos cidadãos – interessados na busca de seus próprios ideais e planos de vida. Algumas instituições contemporâneas, no entanto, valem-se de uma perspectiva distinta. Formadas em um laço direto entre a sociedade civil e o Estado, são elas chamadas de instituições híbridas. Assinale a instituição do poder público que é formada SEGUNDO estes princípios. A) Secretaria municipal da saúde B) Conselhos tutelares C) Sindicato dos lojistas D) Ministério dos transportes E) Associação de moradores RESPOSTA: B 44
  • QUESTÃO (Descritor: Conceituar o Estado a partir do marxismo Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Definição marxista de Estado Assinale, dentre as opções a seguir, aquela que contém a definição de Estado mais próxima à de Marx. A) Instituição que detém o monopólio sobre o uso legítimo da força. B) Instituição responsável pela manutenção da paz no interior de uma sociedade. C) Instituição de sustentação ideológica e legal da classe dominante. D) Instituição racional-legal responsável pela manutenção da ordem. E) Instituição que realiza a universalização do espírito racional. RESPOSTA: C QUESTÃO (Descritor: Aplicar o conceito weberiano de Estado) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Definição weberiana de Estado Dentre as várias definições de Estado, a mais influente na contemporaneidade é decerto a do sociólogo alemão Max Weber. Para ele, o Estado é a instituição que "detém o monopólio do uso legítimo da força". Dos textos a seguir, assinale aquele que, de acordo com a definição weberiana, NÃO apontaria uma crise na condição do Estado. A) "Dizem que ela existe Prá ajudar! Dizem que ela existe Prá proteger! Eu sei que ela pode Te parar! Eu sei que ela pode Te prender!... Polícia! Para quem precisa Polícia! Para quem precisa De polícia... "Polícia, Titãs. 45
  • B) "Sinto no meu corpo A dor que angustia A lei ao meu redor A lei que eu não queria... Estado Violência Estado Hipocrisia A lei não é minha A lei que eu não queria..." Estado Violência, Titãs. C) "você sai de casa e não sabe se vai voltar a sociedade está em apuros, quando isso vai mudar ? com sua violência e corrupção a polícia não ajuda o pobre cidadão segurança é o que queremos violência é o que nos temos polícia decadente......decadente [...] o suborno e a propina estão em todo lugar quem tem dinheiro não é preso não é o pobre que rouba um pão fica mais de 5 anos na prisão [...]". Polícia Decadente, Garotos podres. D) "[...] Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós! Das lutas na tempestade Dá que ouçamos tua voz! Nós nem cremos que escravos outrora Tenha havido em tão nobre País... Hoje o rubro lampejo da aurora Acha irmãos, não tiranos hostis. Somos todos iguais! Ao futuro Saberemos, unidos, levar Nosso augusto estandarte que, puro, Brilha, ovante, da Pátria no altar!". Hino da proclamação da República. E) "Protegidos pela lei praticam as maiores injustiças São os donos da verdade,são a nossa maldita polícia São nossos inimigos ou não? Não sei, não se pode confiar em quem tem Uma arma na mão Mesmo sem resistência,eles usam da violência Nos tratam como animais, eles não são imparciais Usam do medo, da violência e da repressão São as mãos do poder e da corrupção Não podemos fugir, temos que enfrentar Eles podem nos matar, eu só odeio Polícia!". Maldita Polícia, Inocentes. 46
  • RESPOSTA: D QUESTÃO (Descritor: Reconhecer frases e expressões que indicam preconceitos e naturalização de hierarquias) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Os preconceitos no cotidiano Uma das demandas de movimentos contemporâneos por igualdade de direitos é a superação de preconceitos inscritos em expressões de fala do nosso cotidiano. Assinale, dentre as frases a seguir, aquela que NÃO expressa a naturalização de preconceitos ou subordinação de pessoas de acordo com sua cor/raça, gênero ou classe. A) "Mulher no volante, perigo constante". B) "O homem veio do macaco". C) "Bom dia para todos e para todas". D) "A mulher foi feita a partir da costela do homem". E) "Aquele lugar só é frequentado por gente 'feia'". RESPOSTA: C QUESTÃO (Descritor: Identificar o nome da lei promulgada para combater a violência doméstica contra a mulher) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Lei Maria da Penha Tendo sido promulgada em 7 de agosto de 2006, a lei Nº 11.340 "cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher". Dentre as opções a seguir, assinale aquela que INDICA o nome dado a esta lei. A) Lei da Mulher B) Lei Rita Camata C) Lei de Penas Alternativas D) Lei Maria da Penha E) Lei do Ventre Livre RESPOSTA: D 47
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar as categorias de raça/cor utilizadas pelo IBGE) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Classificação racial no Brasil Desde o ano de 1991 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vem se utilizando das seguintes opções de classificação racial para identificar seus entrevistados: branco, pardo, preto, amarelo e indígena. Dentre as classificações a seguir, assinale aquela que INDICA quais tipos de características que estão incluídas nessa classificação. A) Raciais e de cor. B) Raciais, de cor e de nacionalidade. C) Raciais, de cor e étnicas. D) De cor, étnicas e de gênero. E) De cor, étnicas e de nacionalidade. RESPOSTA: A QUESTÃO (Descritor: Identificar aspectos da sociologia de Gilberto Freyre) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A composição racial do brasileiro segundo Gilberto Freyre Assinale a alternativa que APRESENTA os principais grupos (ou matrizes) raciais que compõem o "brasileiro", de acordo com Gilberto Freyre. A) Português, indígena e negro. B) Mouro, indígena e africano. C) Português, mouro e indígena. D) Negro, indígena e europeu. E) Português, inglês e negro. RESPOSTA: A 48
  • QUESTÃO (Descritor: Distinguir as categorias de raça daquelas de etnia) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Raça e etnia Leia as frases a seguir. I – No Brasil, eram diversas as origens dos escravos – eram eles iorubas, mandingas, baribas, etc. II – Uma das características do Terceiro Reich foi a tentativa de estabelecer a supremacia de supostos grupos arianos. III – Gilberto Freyre foi o principal autor a contrapor-se, no campo da cultura, à ideia de que o mestiço constituía um tipo humano inferior aos demais. Assinale a opção que APRESENTA a classificação dos referenciais nela articulados. A) I e II apresentam componentes étnicos, apenas III contempla componentes raciais. B) II e III apresentam componentes raciais, apenas I contempla componentes étnicos. C) I e III apresentam componentes étnicos, apenas II contempla componentes raciais. D) I e II apresentam componentes raciais, apenas III contempla componentes étnicos. E) I, II e III apresentam apenas componentes raciais. RESPOSTA: B QUESTÃO (Descritor: Distinguir e classificar os tipos de políticas públicas) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Políticas públicas Leia a frase a seguir e assinale a opção que apresenta os conceitos que a completam de forma adequada. Podemos classificar as diferentes políticas públicas em dois grandes grupos: as políticas focais e as políticas universalistas. As ações afirmativas são um exemplo de ____________, ao passo que a escola pública é concebida aos moldes de uma _____________. Um dos principais argumentos em favor das políticas ________ é o de que investimentos em _________, ao invés de reduzir ou atenuar, reforçam as desigualdades presentes em uma sociedade. A) Políticas focais, política universalista, focais, políticas focais. B) Políticas universalistas, política focal, universalistas, políticas universalistas. C) Políticas focais, política universalista, focais, políticas universalistas. D) Políticas universalistas, política focal, universalistas, políticas focais. E) Políticas focais, política universalista, públicas, políticas focais. RESPOSTA: C 49
  • QUESTÃO (Descritor: Diferenciar e reconhecer o processo de formação das identidades de gênero) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Identidades de gênero Leia o trecho a seguir. Em 1949, a francesa Simone de Beauvoir faria publicar o seu livro O segundo sexo. Em passagem célebre, a autora aponta que não são características naturais que conformam as nossas identidades de gênero na sociedade. “Ninguém nasce mulher, torna-se mulher”. Vale a pena refletirmos acerca dos elementos que nos diferenciam enquanto homens e mulheres. Segundo esta autora, os diferenciais de gênero tem muito mais amparo na cultura do que na natureza. É a nossa formação social, tanto em casa quanto na escola e na rua, que nos ensina a nos diferenciarmos enquanto mulheres ou homens. Aprendemos quais roupas devemos vestir, quais cores gostar, quais atividades nos são mais próprias. Enfim, é a sociedade e não a natureza que estabelece as diferenças de gênero. O senso comum, no entanto, fornece-nos uma explicação distinta para as diferenças entre homens e mulheres. É muito habitual que as pessoas utilizem de raciocínios de ordem biológica ou natural para formular os diferenciais de gênero. Assinale a alternativa onde se pode RECONHECER um raciocínio de ordem cultural, tal qual vimos expresso na frase de Simone de Beauvoir. A) As mulheres são o sexo-frágil e por isso precisam ser protegidas pelos homens. Homens são mais fortes física e emocionalmente. B) Cuidar dos filhos é tarefa primordial das mulheres. Elas ficam grávidas, os homens não. Apenas eles devem trabalhar fora de casa. C) Os homens, mais fortes e decididos que são, devem ser os chefes da casa. As mulheres devem ser suas apoiadoras. D) Ao incentivarmos meninos pequenos a brincarem de carrinho e de luta, e meninas a brincarem de boneca e de cozinha, estamos formando suas personalidades para a vida adulta. E) As mulheres são mais aptas ao contato humano, ao cuidado inter-pessoal. Por isso vemos tantas enfermeiras mulheres, e não homens. RESPOSTA: D 50
  • QUESTÃO (Descritor: Identificação e caracterização do tipo de desigualdade entre grupos de gênero) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Desigualdade de gênero Assinale a alternativa que CARACTERIZA uma situação de diferenciais de renda entre homens e mulheres em uma dada sociedade. A) Desigualdade de gênero. B) Diferença de gênero. C) Preconceito masculino. D) Diferenciais de desigualdade. E) Sexismo desigual. RESPOSTA: A QUESTÃO (Descritor: Completar texto identificando os termos das reflexões contemporâneas em gênero) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Desconstrução e fragmentação das identidades de gênero Assinale a alternativa a seguir que melhor completa o texto que segue. Um dos temas mais ricos da reflexão atual acerca das relações de gênero é a insuficiência do __________ homem/mulher. Segundo alguns autores e autoras, assistimos a um processo de______________ das identidades no mundo contemporâneo. Representativo disso é o fato de que___________ passaram a se preocupar mais com sua estética, assim como ___________ assumiram posições de poder e deixaram de se colocar como a parte frágil da sociedade. Além disso, alguns movimentos sociais tem recolocado demais identificações de gênero em um lugar de destaque nas reflexões contemporâneas. Os grupos GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e transexuais), apesar das grandes barreiras ideológicas que enfrentam, tem conquistado um lugar de relevo na afirmação de suas identidades. O tema citado que REFLETE a desconstrução das identidades na contemporaneidade é A) conceito – desconstrução - as mulheres - os homens B) ideal - reafirmação - os homens - as mulheres C) binarismo – desconstrução - os homens - as mulheres D) conceito - reafirmação - muitos - as pessoas E) binarismo – reforço – os homens – não. RESPOSTA: C 51
  • QUESTÃO (Descritor: distinguir elementos associados a fatores de identidade étnica e racial) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Relações raciais e étnicas Para alguns setores de nossa sociedade, um dos passos necessários para a superação das desigualdades raciais no Brasil seria a recepção da designação afro-brasileiro para tomar o lugar da ideia de negro. Trata-se, para estes, da mobilização de categorias étnicas, ao invés de termos que façam menção à ideia de raça. Dentre as alternativas a seguir, identifique aquela que APRESENTE termos identitários estritamente étnicos. A) Europeus, moçambicanos e tupinambás. B) Africanos brancos, mouros e mestiços. C) Preto, pardo e branco. D) Indígenas, vermelhos e tupis. E) Amarelos, indígenas e pardos. RESPOSTA: A 52
  • QUESTÃO (Descritor: Identificação dos argumentos mobilizados no discurso anti-cotas raciais no Brasil) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Cotas raciais Leia o texto e identifique a alternativa que melhor responde à questão que o segue: Um Brasil de cotas raciais? [...] “A maneira mais efetiva de reduzir as desigualdades sociais é pela generalização da educação basica de qualidade e pela abertura de bons postos de trabalho. Cotas raciais, mesmo se eficazmente implementadas, promoverão somente a ascensão social de um reduzido número de pessoas, não alterando os fatores mais profundos que determinam as iniquidades sociais. [...] Que Brasil queremos? Um país no qual as escolas eduquem as crianças pobres, independentemente da cor ou raça, dando-lhes oportunidade de ascensão social e econômica; no qual as universidades se preocupem em usar bem os recursos e formar bem os alunos. No caso do ensino superior, o melhor caminho é aumentar o número de vagas nas instituições públicas, ampliar os cursos noturnos, difundir os cursos de pré-vestibular para alunos carentes, implantar campus em áreas mais pobres, entre outras medidas. Devemos almejar um Brasil no qual ninguém seja discriminado, de forma positiva ou negativa, pelo cor ou raça: que se valorize a diversidade como um processo vivaz que deve permanecer livre de normas impostas pelo Estado a indivíduos que não necessariamente querem se definir segundo critérios raciais” (publicado em 14 de abril de 2006 no Correio Braziliense, de autoria de Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos – reproduzido na página 291 do livro Divisões perigosas, de Peter Fry e outros, editora Civilização brasileira, 2007). Segundo a perspectiva dos autores, QUAL seria o provável efeito da utilização de cotas raciais para o enfrentamento das desigualdades sociais? A) O rebaixamento da qualidade do ensino superior, assim como a racialização das identidades sociais. B) A superação das desigualdades raciais, tal qual o abandono gradual de práticas de preconceito racial. C) A continuidade das desigualdades sociais, apesar da diminuição das tensões racial-identitárias. D) A superação das desigualdades raciais, assim como um aumento na escolaridade média do brasileiro. E) A continuidade das desigualdades sociais, bem como a fixação arbitrária de identidades raciais. RESPOSTA: E 53
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar e sintetizar uma das críticas às políticas universalistas no Brasil) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Políticas universalistas e a reprodução das desigualdades sociais Leia o texto abaixo, de autoria do sociólogo Antônio Sérgio Guimarães, e assinale a alternativa que o sintetiza de forma mais apropriada. […] As reformas educacionais do período militar visaram, sobretudo, a ampliar o sistema educacional como um todo, universalizar o ensino primário e médio e, por meio da instituição de exames vestibulares unificados, classificatórios e objetivos (provas de múltipla escolha), assegurar que o ingresso às universidades se daria unicamente pelo desempenho nas provas. O ensino público universitário manteve-se gratuito, embora a ampliação do ensino superior passasse a depender, principalmente, da criação de universidades privadas e pagas. Já em meados dos anos de 1970, as conseqüências dessas escolhas faziam-se sentir: a proliferação de cursinhos particulares pré-vestibulares, a ampliação da rede privada de ensino primário e médio, a transferência dos filhos das classes médias para essas escolas. O acesso às melhores universidades passou, portanto, a associar-se com o ensino médio particular e pago, e não mais com o ensino público. Isso significou também associar o ingresso a essas universidades a rendas familiares mais altas e a cor de pele mais clara. Boa parte da população universitária na rede particular, aquela de menor desempenho, veio principalmente de escolas médias públicas, onde estudavam os de menor renda e os de cor. Fracassaram politicamente todos os esforços de tornar pago, para as famílias de renda alta, o ensino superior público, o que daria alguma margem a programas de inclusão social baseados em bolsas de estudo ou em isenções de taxas, que conservariam a legitimidade e o mérito dos exames vestibulares. Ao contrário, o ingresso em universidades […,] como a Universidade de São Paulo, passou a depender cada vez mais de formação em escolas pagas. Em 2006, por exemplo, apenas 27% dos alunos que ingressaram na USP vieram de escolas públicas. Com isso acentuou-se a rigidez da reprodução social das elites, voltando-se a associar classe, cor e oportunidades públicas de ascensão a níveis próximos, ao menos relativamente, aos da Primeira República. [...]” Retirado de “Depois da democracia racial”, de Antonio Sérgio Guimarães, artigo publicado na revista Tempo Social, volume 18, número 2 (2006). Segundo o autor: A) As políticas autoritárias e particularistas do período militar acirraram as tensões raciais no âmbito da cultura; B) As políticas educacionais de caráter universalista empregadas durante o regime militar, ao invés de aumentarem a inclusão social, fortaleceram a relação entre classe e cor de pele. C) As políticas particularistas empregadas pelo Estado brasileiro tem sido bem-sucedidas na formação de uma avançada democracia racial; D) As políticas de fundamento democrático não tem encontrado continuidade no Brasil, tal como pode ser percebido pelo retrocesso das condições sociais após a ditadura militar; E) As políticas educacionais particularistas apresentam problemas claros no Brasil, o que pode ser ilustrado pela exclusão universitária dos alunos da rede pública ocasionada pela adoção do vestibular. RESPOSTA: B 54
  • QUESTÃO (Descritor: Conceituar bullying) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: A cultura da ofensa entre jovens Dentre as alternativas a seguir, identifique aquela que COMPLETA a frase que segue. Na contemporaneidade, é cada vez mais habitual vermos jovens e adolescentes adotarem formas ofensivas e violentas entre si. Nas escolas, alguns alunos ou alunas são vítimas de preconceito e de uma extensiva depreciação por “colegas”. No entanto, tem a legislação e o sistema judiciário brasileiro acompanhado essa mudança cultural. No intuito de combater essas práticas de ofensa e abuso moral, passamos a ter uma legislação que prevê punição para os chamados casos de ______________. A) Chantagem B) Maldade C) Bullying D) Falsidade E) Aliciamento de jovens RESPOSTA: C QUESTÃO (Descritor: Analise e síntese da condição consumista da juventude contemporânea) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Juventude e cultura de consumo Leia o texto a seguir e responda à pergunta que o segue. “[A] transformação do adolescente em fatia privilegiada do mercado consumidor inaugurada nos Estados Unidos, e rapidamente difundida no mundo capitalista, trouxe alguns benefícios e novas contradições. Por um lado, a associação entre juventude e consumo favoreceu o florescimento de uma cultura adolescente altamente hedonista. O adolescente das últimas décadas do século XX deixou de ser a criança grande, desajeitada e inibida, de pele ruim e hábitos anti-sociais, para se transformar no modelo de beleza, liberdade e sensualidade para todas as outras faixas etárias. O adolescente pós-moderno desfruta de todas as liberdades da vida adulta, mas é poupado de quase todas as responsabilidades. Parece que, ao escrever isso, estou limitando o foco dessa análise aos adolescentes da elite, os únicos que, de fato, podem consumir e desfrutar da condição de jovens adultos cujos desejos e caprichos são sustentados pelos pais. Não é bem assim. Na sociedade pautada pela indústria cultural, as identificações se constituem através das imagens industrializadas. Poucos são aqueles capazes de consumir todos os produtos que são oferecidos ao adolescente contemporâneo — mas a imagem do adolescente consumidor, difundida pela publicidade e pela televisão, oferece-se à identificação de todas as classes sociais. Assim, a cultura da sensualidade adolescente, da busca de prazeres e novas “sensações”, do desfrute do corpo, da liberdade, inclui todos os adolescentes. Do “filhinho de papai” ao morador de rua, do jovem subempregado que vive na favela ao estudante universitário do Morumbi (ou do Leblon), do traficante à “patricinha”, todos os adolescentes se identificam com o ideal publicitário do adolescente hedonista, belo, livre, sensual. O que favorece, evidentemente, um aumento exponencial da violência entre os que se sentem incluídos pela via da imagem, mas excluídos das possibilidades de consumo.” (Maria Rita Kehl, fragmento de A juventude como sintoma de cultura). 55
  • Imagem retirada de www.jornale.com.br Qual das alternativas SINTETIZA o texto citado? A) A juventude atual não está mais inserida em uma cultura universalizante de consumo. Em seu lugar, vemos uma fragmentação dos símbolos e desejos individuais de realização através do mercado. B) Os adolescentes norte-americanos tem mais acesso a bens de consumo que os demais, o que pode ser percebido pela forma como são retratados nos meios de comunicação. C) Os jovens desvalorizam aqueles estudiosos introspectivos, identificam-se mais com as líderes de torcida, com os esportistas, sendo sempre consumidores de alto padrão. D) Nem todos os mais jovens são participantes da cultura de consumo. Alguns grupos de adolescentes e jovens adultos optam por estilos de vida mais desligados da maioria. Essa é uma característica do mundo atual. E) A juventude contemporânea está igualmente imersa na cultura de consumo, o que ocasiona um padrão de classe muito particular na criminalidade entre os mais jovens. RESPOSTA: E 56
  • QUESTÃO (Descritor: Reconhecer e analisar a pluralidade da cultura jovem) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: A juventude e a cultura anti-democrática Leia o trecho seguinte. Em geral tendemos a enfatizar o protagonismo vivaz e o potencial crítico das gerações mais jovens como os construtores de uma vanguarda cultural libertadora. Sempre citamos os hippies das décadas de 1960 e 1970, assim como a juventude que lutou contra o regime militar no Brasil, ou ainda o seu papel no movimento das Diretas Já! e no impeachment do presidente Fernando Collor. No entanto, por vezes acabamos nos esquecendo que muitos jovens se envolvem fortemente com ideologias e culturas anti-democráticas. A juventude é, antes de mais nada, plural. Na Alemanha atual, por exemplo, são os jovens os grandes representantes do movimento neo- nazista. Veja-se, também, como entre nós em geral foi sempre muito marcante a associação entre juventude e prática de direção agressiva - que é particularmente visível na cultura dos rachas. Em nossas ficções, os jovens são sempre os detentores da vanguarda e do progressismo de nossa sociedade. Não devemos nos esquecer, no entanto, que tratam-se de ficções por vezes muito generosas e exageradas. Assinale a afirmativa que subsidia o trecho. A) A violência e o desrespeitos são as características mais marcantes da juventude; B) O consumismo e a cultura de massa são pontos que distinguem a juventude da população mais idosa; C) Os jovens são os que mais subvertem o conservadorismo de nossa sociedade. D) Progressismo e conservadorismo são características marcantes da cultura jovem, sempre plural e diversa. E) Os jovens precisam ser educados a respeitar os mais velhos, assim como as leis de trânsito. RESPOSTA: D 57
  • QUESTÃO (Descritor: Conceituar e aplicar conceitos básicos de Karl Marx) Nível de dificuldade: Média Assunto: Conceitos sociológicos de Karl Marx Leia o texto, inspirado no pensamento de Karl Marx, e assinale a alternativa que CONTENHA os termos que as completam. Muito já se falou sobre as ideias e gostos que animam a sociedade. A música que a representaria, a sua poesia, assim como os seus valores de nobreza e justiça. No entanto, poucos tem notado que esses valores e ideais não são de todos, tampouco estão acessíveis a todos. Como disse Marx, os valores de uma sociedade são a ideologia da sua ______________. A nossa história não é composta por sujeitos isolados, por indivíduos desgarrados de interesses e ambições. O desenvolvimento histórico, na verdade, se dá por condições perceptíveis ao analista. Os sujeitos históricos, aqueles supostamente isolados, cumprem uma função para com os demais. Tratam-se de indivíduos organizados segundo o princípio da divisão do trabalho e que disputam incessantemente o poder da sociedade. Assim é que podemos entender o que Marx quis dizer quando afirmou que a história da sociedade corresponde à história da __________________. Da mesma forma, entende ele que o ___________ corresponde à instituição que mantém legalmente o domínio de uma classe sobre outra, tornando o poder econômico também um poder político. A) Classe dominante; luta de classes; Estado. B) Classe subalterna; massa de cidadãos; mercado de trabalho. C) Classe média; ficção dominante; cartório. D) Dominação; geografia humana; pensamento. E) Cultura; luta de classes; jornal. RESPOSTA: A 58
  • QUESTÃO (Descritor: Conceituar e aplicar os conceitos marxianos de classe em si e classe para si) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Conceito de classe para Marx O conceito de _______________ remete ao partilhamento, por parte de um grupo, de uma localização na divisão social do trabalho. Para Marx, esse partilhamento de um lugar social é suficiente para que existam interesses reais semelhantes. É do interesse de garçons, por exemplo, que a sua remuneração não dependa da quantidade de pessoas que atende ou do quão frequentado é o estabelecimento que trabalha. Ora, mesmo quando não houver clientes, ele precisa estar disponível no restaurante. Isso não significa que as “comissões” sejam indevidas, mas que elas não podem compor todo o salário que recebe. Coloca-se, no entanto, o problema da medida com que as pessoas reconhecem que fazem parte de uma mesma classe, problema que é endereçado através do conceito de ____________. Pois é bem verdade que, devido a uma série de motivos, elas possam crer que não existam interesses reais compartilhados. Seguindo em nosso exemplo, o garçom pode acreditar que ele deve ganhar de acordo com o número de mesas que atende. Portanto, é do interesse dele que o restaurante seja muito frequentado. O que existe aí, é, na verdade, uma sobreposição entre aqueles que seriam os interesses do garçom e o interesse do dono do restaurante. Eles estarão de acordo, quando na verdade, a baixa remuneração do garçom é um interesse real do dono do restaurante, preocupado que está com o aumento de seu lucro. Assinale a alternativa que contém os conceitos que PREENCHEM as lacunas do texto. A) classe social – sentimento de comunidade B) classe em si – classe para si C) divisão social do trabalho – classe para si D) classe em si – sentimento de comunidade E) união grupal – sentimento classista RESPOSTA: B 59
  • QUESTÃO (Descritor: Definir e aplicar os conceitos de Durkheim) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Conceitos sociológicos de Émile Durkheim Os trechos oferecem definições para três conceitos utilizados por Durkheim. I. Fatos sociais correspondem aos eventos marcantes de nossa sociedade. Podemos citar, por exemplo, a Independência, a Proclamação da República, a Revolução de 1930. Eles oferecem, assim, um contraste para com fatos corriqueiros e cotidianos, os quais tem pouca ou nenhuma expressão para a sociedade como um todo. II. A solidariedade orgânica é característica daquelas sociedades primitivas onde os indivíduos tem uma visão semelhante sobre o mundo e o seu lugar nele. Assim, indica uma baixa divisão e diferenciação social. III. A solidariedade mecânica, por sua vez, consiste no vínculo fragmentário entre indivíduos que, apesar de viverem em uma mesma sociedade, possuem perspectivas, opiniões e crenças fundamentalmente distintas. Assinale a afirmativa que contenha a assertiva CORRETA. A) Apenas I está certa; B) Apenas I e II estão certas; C) Apenas II e III estão certas; D) Apenas III está certa; E) Todas estão certas. RESPOSTA: C QUESTÃO (Descritor: Conceituar e aplicar o conceito weberiano de poder) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: O conceito de poder para Marx Weber Para Weber, o poder começa onde já não há mais direito, onde vigora apenas o uso da força unilateral. O poder, assim, estaria presente naquela relação onde o inferior não reconhece a legitimidade de seu superior, mas não pode resistir-lhe. Valendo-se dessa definição, assinale a alternativa que APRESENTA apenas relações de poder: A) Senhor e escravo. B) Policial e assaltante. C) Pai e filho. D) Avó e neta. E) Vendedor e cliente. RESPOSTA: A 60
  • QUESTÃO (Descritor: Definir e dominar conceitos básicos da sociologia de Caio Prado Jr) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Formas de colonização segundo Caio Prado Jr O sociólogo Caio Prado Jr construiu um interessante par de conceitos para distinguir entre diferentes formas de colonização. Segundo ele, diferente dos países europeus, o Brasil não teria em sua história algo com que se pudesse chamar de feudalismo. Essa etapa de desenvolvimento não se aplicaria ao Brasil, pois foi logo inserido no sistema capitalista. Foi, assim, uma colônia dedicada à alimentação do capitalismo mercantil, da economia portuguesa. Situação parcialmente semelhante teria passado os Estados Unidos. Eles não teriam experimentado o feudalismo. No entanto, o seu capitalismo se desenvolve sem a presença forte da metrópole (a Inglaterra, no caso). O seu mercado se desenvolve para dentro, e não para fora. Dentre as alternativas, identifique aquela que apresenta o par de conceitos utilizado por Caio Prado Jr para DIFERENCIAR os tipos de colonização vividos pelo Brasil e pelos Estados Unidos. A) Colonialismo português e capitalismo inglês. B) Capitalismo mercantil e capitalismo socializante. C) Capitalismo ibérico e federalismo americano. D) Colônia de exploração e colônia de povoamento. E) Colonialismo e capitalismo anglo-saxão. RESPOSTA: D 61
  • QUESTÃO (Descritor: Compreender e articular as categorias utilizadas por Gilberto Freyre) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: A crítica de Gilberto Freyre ao racismo científico Foi se formando durante a segunda metade do século XIX a ideia de que o Brasil seria um país incompatível com o progresso. O seu principal problema, para muitos, era a nossa condição racial. O racismo tomava as suas cores mais fortes, carimbando a interdição e impossibilidade de o Brasil tornar-se uma nação livre e próspera para todos. Foi com a preocupação de “melhorar” a nação brasileira que no início do século XX o Brasil recebeu ondas migratórias da Europa. Tentavam branquear a nação. Quando o racismo era lugar comum mesmo entre intelectuais, Gilberto Freyre escreve Casa Grande & Senzala. Este livro teve um impacto profundo em nossa cultura. Uma das razões desse impacto pode ser lido no texto que segue. “De modo geral, em toda parte onde vingou a agricultura, dominou no Brasil escravocrata o latifúndio, sistema que viria privar a população colonial do suprimento equilibrado e constante de alimentação sadia e fresca. Muito da inferioridade física de brasileiro, em geral atribuída toda à raça, ou vaga e muçulmanamente ao clima, deriva-se do mau aproveitamento dos nossos recursos naturais de nutrição. Os quais, sem serem dos mais ricos, teriam dado para um regime alimentar mais variado e sadio que o seguido pelos primeiros colonos e por seus descendentes, dentro da organização latifundiária e escravocrata”. Tendo em vista o texto lido, assinale a alternativa que melhor completa a seguinte frase: Em Casa Grande & Senzala, Gilberto Freyre atribui os males do Brasil não à raça, mas à _____________, que seria uma das consequências do sistema de ____________. A) Nutrição – capitalista. B) Maldade – confrarias. C) Condições climáticas – exploração dos trópicos. D) Desnutrição – latifúndio. E) Falta de acesso a medicamentos e cuidados médicos em geral – escravismo. RESPOSTA: D 62
  • II. QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO (Descritor: Contrastar a condição de crianças registradas e não registradas frente ao Estado) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Socialização e acesso aos direitos de cidadania desde o nascimento Fonte: www.agenciabrasil.gov.br Em uma campanha recente promovida pelo governo federal brasileiro, a certidão de nascimento foi caracterizada como o primeiro direito de cidadania a que se deve ter acesso no país. Nessa ocasião, inclusive, formulou-se um modelo único para essas certidões, que será utilizado em todo o Brasil. A) Refletindo acerca do processo de socialização e das relações sociais construídas em sociedade, IDENTIFIQUE qual é a existência social de um bebê que não foi registrado. B) CARACTERIZE a forma com que a sua condição se diferencia daquela de um bebê com certidão de nascimento. RESPOSTA: A existência de um bebê não registrado está limitada ao seu círculo familiar, ao passo que um bebê registrado passa a poder ser integrado a programas sociais, estatísticas sociais, bem como ter condição de ingressar na escola. Nessa condição, sua existência é também reconhecida pelo Estado e as suas diversas instituições. 63
  • QUESTÃO (Descritor: Refletir acerca das condições de sustentação de um Estado laico) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Laicidade do Estado e religiosidade da sociedade Reflita acerca dos dados expressos na tabela a seguir. Fonte: Dados do IBGE (2000, 2002) compilados por Simone Bohn, Revista opinião pública, v. 10, no 2. O Estado brasileiro é laico, mas as relações em sociedade são fortemente permeadas por valores religiosos. IDENTIFIQUE 3 (três) conflitos que podem advir desse descompasso. RESPOSTA: Existe um conflito tácito quando os valores de diferentes grupos de uma sociedade não chegam a se fixar em suas instituições. Tal conflito pode ter lugar em debates em meios de comunicação, manifestações públicas, assim como situações de impasse em instituições representativas. Assim, é certo que os valores políticos da democracia, da laicidade do Estado e da liberdade religiosa por vezes serão eventualmente confrontados com valores caros para determinadas religiões – como o aborto ou a interdição da transfusão de sangue, por exemplo. Da mesma forma, a composição de grupos políticos coordenados no interior de instituições políticas representativas pode tornar o conflito mais explícito – caso da bancada evangélica, por exemplo. 64
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar os limites à laicidade do Estado frente às relações institucionais entre o Brasil e o Vaticano) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Laicidade do Estado e relações com o Vaticano Lê-se na Folha Online do dia 27 de agosto de 2009: "Câmara aprova Estatuto da Igreja Católica e regulamenta o direito à liberdade religiosa" "O plenário da Câmara dos Deputados aprovou no fim da noite desta quarta-feira [26/08/2009] o texto do PDL (Projeto de Decreto Legislativo) sobre o acordo entre Brasil e Vaticano que cria o Estatuto Jurídico da Igreja Católica no país [...]. Em voto em separado contra o projeto, o deputado Regis de Oliveira (PSC-SP) apontou o que seriam inconstitucionalidades da proposta [...]. Oliveira criticou, por exemplo, a determinação de que os municípios reservem espaços em seus territórios para fins religiosos. O tratado estabelece que esses espaços serão previstos "nos instrumentos de planejamento urbano a serem estabelecidos no respectivo plano diretor" - o que seria, portanto, uma interferência nas leis dos municípios". Neste texto, podemos identificar que a crítica do deputado citado diz respeito à autonomia dos municípios frente à legislação federal. Todavia, existe um outro ponto de tensão que diz respeito à garantia de que o Estado moderno seja laico, que não se envolva nem privilegie crenças religiosas particulares. Acerca disso, ANALISE a medida com que um tratado assinado pelo Estado brasileiro com o Vaticano, que ateste a necessidade de reserva de espaço para estabelecimentos religiosos, entra em conflito com a pretensa laicidade do Estado moderno. RESPOSTA: O Vaticano é decerto uma exceção no Ocidente, pois não é laico. Dessa forma, ao assinar tratados e acordos com este país, qualquer nação estará de alguma forma flertando com a adoção ou endosso de causas religiosas particulares. Mesmo que tentando driblar a defesa de valores religiosos denominacionais ao afirmar a diversidade e a liberdade de credos, decerto o Estado brasileiro posiciona-se em favor, pois que concedendo privilégios, à reprodução de valores religiosos – o que decerto desagradaria um ateu. Todavia, sendo o Brasil a nação com a maior população de católicos do mundo, é quase que inevitável que suas instituições deem passos de aproximação com o Vaticano. Os limites dessa aproximação, no entanto, é que devem ser muito bem discutidos (internamente) e ciosamente estabelecidos. 65
  • QUESTÃO (Descritor: Refletir acerca do papel dos meios de comunicação em nossa sociedade) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: O papel e a responsabilidade dos meios de comunicação Leia a notícia a seguir. "Dia de vacinar bebês contra a meningite" "Crianças de 3 meses de vida a 23 meses e 29 dias devem ser vacinadas hoje [28 de novembro de 2009], em todo o estado, contra a meningite meningocócica tipo C. Entre os vários tipos da doença, esse é o que tem maior prevalência em Minas [Gerais] e com maior taxa de letalidade: dos 380 casos anuais, em média, 34% dos pacientes morrem. Todos os postos de saúde dos 853 municípios estarão abertos para imunizar crianças de até 2 anos. Os pais devem levar o cartão de vacinação e comprovante de residência em Minas, caso o documento não seja do estado [...]". Fonte: Estado de Minas. Em nossa sociedade os meios de comunicação desempenham um claro papel de informar o público. Neste texto, temos um claro exemplo disso. A) EXPLIQUE por que a reportagem foi publicada neste padrão. B) DISCORRA sobre a neutralidade ou imparcialidade dos meios de comunicação. RESPOSTA: Além das informações da campanha de vacinação (público-alvo, cidades contempladas, postos de vacinação) a matéria contém dados acerca da letalidade da doença. Com isso, reforça a importância da vacinação, pois indica que aquelas crianças não-vacinadas correm sérios riscos de morrerem caso contraiam a doença. Esse é um exemplo claro de posicionamento ideológico da mídia. Toda informação veiculada é selecionada visando um determinado fim – o qual reforça o princípio de que não existe imparcialidade por parte dos meios de comunicação. 66
  • QUESTÃO (Descritor: Refletir acerca da entrada das mulheres no mercado de trabalho) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A entrada das mulheres no mercado de trabalho e as tarefas domésticas Reflita sobre a figura a seguir. Fonte: Editora Abril. A) IDENTIFIQUE 3 (três) situações que contribuem para o acúmulo de tarefas exercidas pelas mulheres. B) EXPLIQUE a responsabilidade dos homens no processo identificado acima. RESPOSTA: Até algumas décadas atrás, era habitual que a mulher se dedicasse apenas aos trabalhos domésticos, ao passo que os homens trabalhavam fora de casa. Recentemente, no entanto, as mulheres passaram a ocupar postos no mercado de trabalho, acumulando mais tarefas, pois os homens não se voltaram aos trabalhos domésticos. Em uma situação ideal, podemos imaginar que homens e mulheres dividiriam os seus trabalhos de forma equânime. Todavia, este é apenas o ideal. Podemos certamente vislumbrar que estamos ao longo de um processo, e que, nesse sentido, os homens tendem a assumir mais responsabilidades domésticas e familiares. Até lá, no entanto, a realidade evidencia um acúmulo de tarefas por parte da mulher – situação muito bem ilustrada pela foto, onde uma mulher faz três coisas ao mesmo tempo, fala ao celular, utiliza o computador e passa tempo com um bebê. 67
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar e organizar as causas da invisibilidade da extrema pobreza) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A invisibilidade dos mendigos Observe a imagem a seguir. Imagem retirada do portal globo.com É muito comum a presença de mendigos nas calçadas e ruas das grandes cidades de nosso país. Em geral, são homens sozinhos que passam os dias vagando nas ruas. Mas não é muito difícil encontrarmos famílias inteiras nessa condição. Caso paremos para observar, é notório que as pessoas que passam sequer expressam ou esboçam alguma reação. Ou não veem, ou fingem não ver. ESCREVA um texto sobre a condição de invisibilidade da população de rua. Para guiar a sua reflexão, procure responder às seguintes perguntas: • As pessoas notam os moradores de rua em sua cidade? • E quando passam de carro, como reagem à sua presença? • Por que você acha que isso acontece? • Quais são as chances dessas pessoas deixarem essa condição? • Que tipo de ação pode alterar o destino dessa população? Ela deve ser individual ou estrutural? RESPOSTA: Esperamos que o aluno responda essa questão recorrendo à ideia de invisibilidade da população de rua. Alguns poderão tentar fazer um mea culpa, dizendo-se sensíveis a essa situação. Esse tipo de resposta é interessante, mas não atinge o ponto que queremos chegar, que é uma consideração dos valores da sociedade brasileira. Assim, os textos, ainda que breves, devem indicar a naturalização das desigualdades , a miséria tomada como um dado da realidade. Ademais, devem saber considerar as dificuldades de uma proposta de enfrentamento da pobreza, que, para ser defintiva, deve ser estrutural. 68
  • QUESTÃO (Descritor: Refletir e sintetizar o debate acerca da divisão social do trabalho) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Divisão social do trabalho e poder Leia a letra da música, a seguir, e reflita acerca das questões seguintes: Caxangá Milton Nascimento Sempre no coração, haja o que houver A fome de um dia poder Morder a carne desta mulher Veja bem meu patrão como pode ser bom Você trabalharia no sol E eu tomando banho de mar Luto para viver, vivo para morrer Enquanto minha morte não vem Eu vivo de brigar contra o rei Em volta do fogo todo mundo abrindo o jogo Conta o que tem pra contar Casos e desejos, coisas dessa vida e da outra Mas nada de assustar Quem não é sincero sai da brincadeira correndo Pois pode se queimar Saio do trabalho, ei Volto para casa, ei Não lembro de canseira maior Em tudo é o mesmo suor Diversos temas aparecem nesta música. Indiquemos três: hierarquia social, a luta pela sobrevivência, e a sinceridade como algo machuca. Os três estão relacionados à forma como o compositor percebe a abrangência do mundo do trabalho. Pensando nisso, ESCREVA um texto indicando a forma como esses três temas aparecem e como estão relacionados com o mundo do trabalho. Para auxiliá-lo, procure responder às seguintes perguntas: • Quais são as pessoas que representam na letra a hierarquia social? • O que as separa? • Que tipo de relação existe entre elas? • Quando surge na música a ideia de luta pela sobrevivência? • O que o compositor diz a respeito? • Qual a situação em que surge na música a necessidade de ser sincero? • O que há de excepcional nessa situação? Normalmente não há essa necessidade? • Qual a relação da sinceridade com os “casos e desejos dessa vida e da outra”? RESPOSTA: Nessa questão esperamos que o aluno trate a conversa retrata na música como um momento de sinceridade entre iguais que é contrário ao cotidiano (excepcional), e que por isso dá lugar à vocalização das hierarquias e das lutas diárias por sobrevivência no mundo do trabalho. Vale lembrar que as questões sevem apenas de guia para a 69
  • reflexão dos alunos, que podem tomar outros caminhos. O ponto importante dessa resposta, no entanto, é a centralidade do tema do trabalho na música. QUESTÃO (Descritor: Refletir e analisar o tema da reprodução do mundo do trabalho) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: O dia do trabalho Primeiro de Maio Milton Nascimento Hoje a cidade está parada E ele apressa a caminhada Pra acordar a namorada logo ali E vai sorrindo, vai aflito Pra mostrar, cheio de si Que hoje ele é senhor das suas mãos E das ferramentas Quando a sirene não apita Ela acorda mais bonita Sua pele é sua chita, seu fustão E, bem ou mal, é o seu veludo É o tafetá que Deus lhe deu E é bendito o fruto do suor Do trabalho que é só seu Hoje eles hão de consagrar O dia inteiro pra se amar tanto Ele, o artesão Faz dentro dela a sua oficina E ela, a tecelã Vai fiar nas malhas do seu ventre O homem de amanhã Refletindo acerca da letra, REDIJA um texto explicando como o autor retrata o feriado do dia do trabalho (o dia primeiro de maio). Para auxiliá-lo no seu texto, procure responder às seguintes perguntas: • O que os personagens da música fazem no feriado do primeiro de maio? • Qual o valor que esse dia tem para eles? • Por que você acha que mesmo o amor entre o casal é retratado como um ato de trabalho? • O homem de amanhã, provável fruto da união do casal, será ele também um “trabalhador de amanhã”, como os pais? RESPOSTA: 70
  • Esperamos que o aluno retrata a importância do trabalho na vida das pessoas retratadas na músicas. Assim como retrato do livro do curso, o trabalho aparece como definidor de identidades, chegando mesmo a servir de metáfora ao ato mais íntimo do casal de amantes. Ao final, o aluno deve de alguma forma vislumbrar como a estrutura social do trabalho se reproduz entre gerações, deixando poucas alternativas ao eventual filho cantado na música. 71
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar e confrontar perspectivas sobre a desigualdade Nível de dificuldade: Médio Assunto: Percepções de desigualdade Em pesquisa que comparava percepções sobre a desigualdade, o sociólogo Sidney Verba chegou a interessantes achados. Um dos pontos principais de sua investigação era comparar como diferentes sociedades toleram graus diversos de desigualdade entre os salários de seus habitantes. Para saber como isso tomava lugar, Verba perguntou a diferentes pessoas nos Estados Unidos e na Suécia coisas como se seria aceitável que um executivo de uma multinacional ganhasse mais que um gari. A resposta foi positiva. Até então, nada de surpresas. Interessante foi quando perguntou quanto essas pessoas poderiam ganhar. Nos Estados Unidos, a tolerância sobre a distância nos salários chegava a mais 20 vezes, ao passo que na Suécia ficou próximo a 5 vezes. REDIJA um texto explicando as questões apresentadas a seguir. • Caso essa pesquisa tivesse sido feita no Brasil, qual você acha que seria a tolerância do brasileiro para com a desigualdade nos salários? • Você considera essa tolerância justa? Por quê? • Das pessoas que estão mais próximas ao seu cotidiano, você sabe qual a diferença de seus salários? • O que faz de uma pessoa mais merecedora de recompensa salarial do que outra? RESPOSTA: Inicialmente, esperamos que o aluno indique que a sociedade brasileira tolera um alto grau de desigualdade de renda entre seus cidadãos. Essa seria uma leitura correta da estrutura social e dos valores que compoem a sociedade brasileira. No decorrer da questão, pede-se ao aluno que se posicione quanto à desigualdade nos salários. Ao longo do curso ele deve ter tido contato com algumas referências para auxiliá-lo a responder a essas perguntas, embora não seja estritamente necessário que faça essas referências – seja a Marx, Durkheim, ou outro sociólogo. 72
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar debate acerca do pré-sal e aplicar-lhe conceitos da política de bem-estar) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: O pré-sal e o estado de bem estar no Brasil Foram divulgadas recentemente as descobertas de enormes reservas de petróleo no litoral brasileiro. Devido à profundidade em que essas reservas se encontram, foram batizadas de “pré-sal”. Desde a divulgação desta descoberta, uma série de debates tem tomado lugar. Dois deles são especialmente importantes. O primeiro diz respeito à distribuição com as unidades federativas (os estados) de parte dos recursos obtidos. Os chamados estados produtores (Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo) têm direito a uma parcela maior que os demais estados membros da federação (Rondônia, Tocantins, Pará, Rio Grande do Sul, etc.). O segundo diz respeito à forma como o Estado nacional irá gastar os recursos que arrecadar. Para alguns grupos políticos, esta seria uma oportunidade singular de o Brasil formar um estado de bem-estar social, comprometendo legalmente os recursos do pré-sal a políticas de saúde e de educação, em especial. Quanto ao segundo ponto levantado no parágrafo anterior, ESCREVA um breve texto respondendo às seguintes perguntas: • O que podemos entender por estado de bem-estar social? • Em quê poderiam ser revertidos os investimentos do pré-sal? O que poderia ser construído? • Seria essa uma forma de lutar contra a desigualdade da estrutura social brasileira? RESPOSTA: Nessa questão esperamos que o aluno mostre que compreendeu, em linhas gerais, que o estado de bem estar é aquele no qual todas as pessoas tem acesso garantido e efetivo a condições no mínimo básicas de saúde, educação, saneamento básico, transporte e lazer. Ao tratarem do pré-sal, esperamos que eles indiquem a possibilidade de que os recursos deles extraídos venham ser empenhados nesse intuito. Os alunos podem citar um maior ou menor número de instituições, sejam hospitais, escolas, universidades, rede de esgoto e tratamento de água (etc), mas o importante é que tenham compreendido a ideia de formação de um Estado que acumula funções de proteção social. Como a desigualdade consiste em uma forma de manter uma parte da população em condições de vulnerabilidade, o pré-sal pode muito bem ser visto como uma oportunidade única de reverter o legado histórico de injustiça social do Brasil. 73
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar a representatividade dos meios de comunicação e aplicar-lhe o conceito marxiano de alienação) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Os meios de comunicação e a alienação Analise o gráfico a seguir. Os dados apresentados nos mostram que as redes de televisão, assim como revistas impressas, são os equipamentos culturais menos presentes nos municípios brasileiros. Isso não significa que esses municípios não recebam sinal de televisão ou que não se possa lá comprar uma revista impressa. Antes, a pesquisa aponta a quantidade de municípios que tem uma produção local, canais de televisão e publicações próprios. Ela evidencia, assim, que a grande maioria dos municípios brasileiros "consome a cultura" de uma minoria de outros municípios. É possível aplicarmos o conceito de alienação, de Marx, para analisarmos esta situação? JUSTIFIQUE sua resposta. RESPOSTA: A relativamente baixa "localização" (entendida como a apropriação local) dos meios de comunicação nas cidades brasileiras apresenta uma situação-problema ao deixar poucas opções de formação cultural local para os municípios preteridos – isto, obviamente, aplica-se apenas para a indústria cultural, e não para os outros mecanismos de difusão de cultura. Por isso, a ideia de alienação pode ser utilizada aqui, pois chama atenção justamente para a incorporação de valores que são alheios e estrangeiros – tal qual um dos sentidos deste conceito na matriz marxiana. 74
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar e debater conceitualmente os eventos de maio de 1968) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Movimentos sociais e o maio de 1968 Separados em grupos, os alunos devem ler o seguinte texto e discutir as questões que o seguem. 1968 na mira “Uma corrente de ideias começou a ganhar força ainda em 2007, quando Nicolas Sarkozy, então candidato à Presidência da República na França, propôs-se acabar com o que resta de 1968. Antecipando-se à comemoração do quadragésimo aniversário daquele ano mítico, o jornalista Elio Gaspari prenunciava em sua coluna dominical o tom (auto)crítico que têm tomado as discussões sobre 1968, ao dizer que o melhor seria que aquele ano não tivesse existido, ao contrário de 1989, este sim o ano significativo, devido à queda do império soviético. Ele criticava a sacralização de 1968, que omitiria o culto dos jovens rebeldes à violência das massas (Folha de S. Paulo, 26/12/2007, p. A9). Por sua vez, o ex-guerrilheiro e deputado Fernando Gabeira declarou que gostaria de “dizer adeus a tudo isso” (Época n. 503, 7/1/2008, p. 70). Nada contra a necessidade apontada por Gaspari da crítica à mistificação daquele ano, sua sacralização e certa “sessão saudade de 1968”. Mas qual 1968? Os movimentos contestadores de então foram muito diversificados, do pacifismo daqueles que pregavam paz e amor contra a guerra no Vietnã ao revolucionarismo dos que achavam que flores não vencem canhões, como dizia a canção de Vandré, inspirada no exemplo da revolução cubana. O inconformismo ia da primavera de Praga contra o socialismo real às insurgências contra o capitalismo mundo afora; do surgimento do que se convencionou chamar de questão das minorias — como as lutas específicas de mulheres, negros e homossexuais — à contracultura e ao movimento ambientalista. Para tomar a rica agitação artística do período no Brasil, 1968 foi o ano do nacional-popular e também de seu antagonista declarado, o movimento tropicalista, ambos disputando para saber quem seria de fato revolucionário. Eles entravam nas casas pela televisão, especialmente nos festivais da canção, o que era indicativo de uma contradição: a contestação do período vinha junto com um novo patamar de amadurecimento da indústria cultural. Um jovem que lê o artigo de Gaspari pode imaginar que os rebeldes e revolucionários de 1968 estavam afinados com o poder soviético. Ora, 1968 foi justamente a expressão do inconformismo com a ordem da guerra-fria, crítico do que Guy Debord chamou à época de sociedade do espetáculo, tanto do “espetacular concentrado” do “capitalismo burocrático” dos países herdeiros do stalinismo, como do “espetacular difuso” da abundância do capitalismo contemporâneo, que acabou triunfando e hoje prevalece soberano (Guy Debord. La société du spetacle. Paris: Buchet-Chastel, 1967). Para aqueles que, passados 40 anos, fazem um balanço de vida, acertar as contas com 1968 pode significar coisas diferentes: há os que se penitenciam pela aposta de jovens rebeldes da época na violência popular, os que atestam os exageros da liberdade sexual que redundaram na AIDS, sem contar que a crença no potencial libertador do uso de drogas acabou tragicamente, como é sabido. Tampouco faltam os que usam a legitimidade conquistada em 1968 para justificar sua atuação política no presente, fazendo leituras enviesadas do passado. E ainda, claro, os que se recusam a qualquer tipo de crítica ao que se passou. Também os estudos acadêmicos espalham-se por todo o planeta, fazendo uma infinidade de interpretações, desde aquelas que vêem 1968 como uma insurgência contra o capitalismo até as que o consideram um exercício de modernização social, prefigurando o ressurgimento do individualismo dos anos 1970 e 80; desde os que tomam 1968 como expressão de conflito de um novo tipo, mais cultural e político do que econômico, até os que o analisam como conflito de classe tradicional; desde interpretações centradas na crise da universidade e revolta da juventude até as que enxergam a perda de uma oportunidade revolucionária. O tema revela-se apaixonante e inesgotável, o mais provável é que um encadeamento de circunstâncias explique a época de 1968, cujos limites e ilusões a experiência histórica viria a revelar. O que teria dado unidade a essa época, apesar das diferenças entre as várias propostas rebeldes e revolucionárias? O sentimento generalizado de que transformações sociais profundas estavam ao alcance das mãos, e de que a humanidade caminhava para elas. Parecia possível e urgente transformar, e não conformar-se com a ordem estabelecida pela guerra fria. Há quem interprete os anos 1960 — e particularmente 1968 — como a 75
  • era da teoria. De fato, não faltavam teorizações sobre o que se passava, e elas eram encarnadas apaixonadamente pelos militantes. Mas a ação importava muito mais do que as teorias. Mais do que interpretar o mundo, buscava-se transformá-lo, liberando o potencial criativo da humanidade para mudar a vida em todos os seus aspectos, construindo alternativas de existência que fugissem da polarização entre o capitalismo norte- americano o modelo soviético de socialismo, contra os quais os movimentos de 1968 se rebelavam. São bem-vindos todos os debates, análises, críticas e autocríticas sobre a época de 1968, que deve ser desmistificada, como tudo. O que não se deve esconder é o fundo político que cerca o debate após 40 anos: o contraste entre os sentimentos e idéias, hoje predominantes, de que é preciso adequar-se ao mundo tal qual ele está constituído, com as aspirações que prevaleciam então em setores sociais expressivos, que atuavam coletivamente para transformar a ordem. Quando Gaspari afirma ter sido “1989 que permitiu aos revolucionários de 1968 a acomodação de suas idéias e biografias ao século XXI”, ele expressa com clareza a reintegração da maioria dos intelectuais críticos e outros agentes sociais dos anos 1960 à ordem estabelecida, como se ela fosse inevitável. Ora, a esperança de 1968 não foi derrotada em 1989, ao contrário, fizera a profecia da falência daquele tipo de regime. Mas esperava-se que o fim do chamado socialismo real redundasse numa vida social em patamar superior ao que prevalecia na era da guerra-fria, não no triunfo avassalador de um dos lados. Subjacente a afirmações como as de Gaspari, há um desejo latente de recusar alternativas à organização social, política, econômica e cultural em moldes capitalistas, uma pressa em colocar no mesmo barco as utopias de 1848, 1917, 1968, como se todas elas tivessem sido derrotadas em 1989. Expressa-se o combate às forças herdeiras das lutas de 1968, que têm levantado de diversas perspectivas a palavra-de-ordem 'um outro mundo é possível'. No aspecto político, o que está em jogo hoje no debate sobre 1968 não é tanto a interpretação de suas causas e consequências, a crítica indispensável ao que se passou, mas a luta em novos termos entre os que se acomodaram à nova ordem mundial e aqueles que herdaram o espírito de 1968. Esses apostam que é possível e necessário construir uma nova ordem, em que os valores fundamentais não sejam os do lucro, mas da convivência e realização plena dos seres humanos, em suas relações entre si e com a natureza, que se expressam em lutas pela preservação do meio ambiente, da igualdade entre os sexos, as culturas e as etnias, sem contar os embates renovados por um socialismo democrático. Ou seja, não se trata de encastelar-se no passado, recusando qualquer crítica a ele, mas de compreender alcances e limites das lutas de 1968, que entretanto deixaram ao menos um legado: o inconformismo, em contraste com um tempo como o nosso, em que prevalece o conformismo com a ordem mundial dos vencedores da guerra-fria”. Marcelo Ridenti (publicado em www.acessa.com/gramsci/) Reunidos em grupos, discutam as seguintes questões: I. IDENTIFIQUE que crítica que o autor do texto elabora ao artigo de Elio Gaspari. II. A partir do texto, EXPLIQUE qual a relação do movimento de 1968 com os velhos e os novos movimentos sociais. RESPOSTA: Espera-se, com esta questão, que os alunos reflitam um pouco sobre o Golpe de 64, o Ato Institucinoal número 5 (de 1968), as revoltas que tomaram as ruas à época (não só no Brasil), bem como a reverberação desses eventos na atualidade. O autor faz sua crítica a Gaspari tem dois momentos. Em primeiro lugar, os termos da leitura de 68 como uma idealização a ser abandonada. Em segundo lugar, o conformismo para com a condição social e política da atualidade. Acerca da idealização de 68 ele procura matizar a crítica, dizendo que existe de fato uma sacralização dos eventos em foco, mas procura, ao invés de rejeitar-lhes a memória, pintá-las com tintas mais realistas – falando de sua diversidade, relação com o socialismo real, etc. No que se refere à atualidade, o autor coloca-se criticamente diante da ideia de que a redemocratização do final da década de 80 tenha representado a realização dos ideais de 68. Para ele, tal seria senão a marca de um profundo conformismo e resignação às desigualdades e desafios que perduram para o estabelecimento de uma sociedade mais justa. Ao tratar da diversidade do movimento de 68, o autor menciona algumas causas mobilizadas à época. Aquelas citadas, feministas, dos negros, homossexuais, estaria justamente de acordo com a caracterização dos novos movimentos sociais. 76
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar a trajetória do movimento ambientalista) Nível de dificuldade: Médio Assunto: O movimento ambientalista Leia a matéria, publicada na Folha de São Paulo de 29 de outubro de 2008, e responda às questões que a seguem. Fernando Gabeira e Carlos Minc em 1989. Retirado de www.estadao.com.br Uma nova agenda para o ambientalismo? O sucesso do PV na eleição do Rio mostra que a via eleitoral pode ser estratégia eficaz para o ativismo verde nos anos 2000 “FAÇA AMOR , não faça guerra” e “saudações ecolibertárias” eram slogans de que Fernando Gabeira e Carlos Minc usavam e abusavam na virada dos anos 70 para os 80. Essa pegada de crítica cultural à sociedade capitalista alimentava um socialismo que boa parte da esquerda “séria” considerava “festivo”. Ninguém decerto imaginava naquela hora que os dois verdes fossem sair das bordas da oposição ao regime militar para ir parar um no ministério, o outro quase na prefeitura de uma das grandes metrópoles do país. O ano de 2008 trouxe essa surpresa para quem acompanha a trajetória do movimento ambientalista brasileiro. Aliás, duas surpresas. A primeira diz respeito à forma de organização preferencial dos ambientalistas entre nós. Em meados dos anos 80, eles brigaram muito tentando decidir qual a melhor estratégia para levar avante seu proselitismo. Diante da iminência da Constituinte, gente como Gabeira e Minc defendia que os verdes deviam seguir a trilha de outros movimentos sociais formados no processo de redemocratização e fundar um partido político. Mas a maioria dos ambientalistas suspeitava que a partidarização significasse um engessamento, uma burocratização do movimento. Preferiram, por isso, manter-se no âmbito da sociedade civil, lançando candidatos por partidos de esquerda ou apoiando políticos simpáticos à sua causa. Nessa queda-de-braço entre partidarizar ou não o ativismo ambientalista, o grupo de Gabeira e Minc perdeu. É certo que formaram o Partido Verde, mas não angariaram apoio eleitoral e tiveram de acompanhar o debate do lado de fora do Congresso. Já os ambientalistas que apostaram em manter suas associações civis elegeram Fabio Feldmann e o alçaram a grande articulador da questão na Assembleia Constituinte ao final da qual a proteção ambiental foi parar na letra da lei. 77
  • Daí por diante, o movimento ambientalista centrou fogo na estratégia bem-sucedida e fortaleceu seu associativismo no plano da sociedade civil, multiplicando organizações, grupos e redes. Ficou, assim, minguada e residual a estratégia de partidarização dos verdes. Contudo, e essa é a surpresa a que me refiro, o sucesso do PV na eleição municipal do Rio de Janeiro mostra que a via eleitoral, descartada pela maioria do movimento ambientalista, pode, sim, ser estratégia eficaz para o ativismo verde nos anos 2000. A campanha de Gabeira e a chegada de Minc ao Ministério do Meio Ambiente também anunciam, e essa é a segunda novidade, uma inflexão de agenda. Nos anos 70 e 80, os ambientalistas brasileiros se concentraram numa crítica ampla à sociedade capitalista: da poluição ao estilo de vida acoplado à sociedade de consumo, passando pela desigualdade social. Falavam de uma “sociedade alternativa”, na qual as tecnologias limpas andavam de mãos dadas com os direitos das minorias e cujo ponto de fuga era uma sonhada revolução cultural e comportamental. Um programa que associava, à maneira européia, questão ambiental e questão urbana. Essa tônica sumiu na década seguinte, quando a maioria dos verdes brasileiros migrou para a floresta. Durante a Rio 92, os verdes ganharam a modulação dos “marrons”: movimentos sociais de seringueiros, de barragens e os vinculados aos direitos de povos indígenas que se convertiam ao ambientalismo. Com eles, subiu ao primeiro plano o tema dos “povos da floresta”, a associação entre meio ambiente e grupos sociais vivendo nele e dele, de que Chico Mendes, primeiro, e Marina Silva, depois, se tornaram emblema. A nova abordagem atraiu financiamentos internacionais para projetos de “desenvolvimento sustentável” e de proteção à “biodiversidade” e fomentou dezenas de novas associações, algumas altamente profissionalizadas, voltadas para gerir reservas florestais. Com isso, as questões urbanas e o estilo de vida associado à sociedade de consumo foram relegados ao segundo plano no debate público sobre a questão ambiental no Brasil. A ascensão política de Gabeira e Minc repõe essa agenda. Porém, o apoio que recebem vem justamente da classe média urbana de alta escolaridade – de quem, as pesquisas de opinião mostraram, Gabeira arrancou mais votos-, isto é, do grupo cujo estilo de vida seria potencialmente mais atingido pela implantação do programa do Partido Verde. A pergunta que fica, então, é: caso continuem alcançando cargos de comando, os verdes terão força para implementar sua agenda ou ficarão no plano das “saudações ecolibertárias”? Separados em grupos, respondam às seguintes perguntas: • IDENTIFIQUE os dois caminhos organizacionais em que pode ser analisado o movimento ambientalista no Brasil. • Historicamente, EXPLIQUE a relação crítica do movimento ambientalista com a defesa do capitalismo. • EXPLIQUE quais seriam, segundo a autora, os desafios postos à agenda do ambientalismo no Partido Verde. RESPOSTA: Espera-se que os alunos envolvam-se com o debate acerca de uma das questões mais candentes na contemporaneidade, o ambientalismo. Segundo o texto, vemos que o movimento ambientalista tomou dois rumos, o da partidarização e o da sociedade civil. De um lado, Mangabeira e Minc foram nomes fortes da criação do Partido Verde; e, de outro, certa parte do movimento que optou por não se organizar partidariamente, evitando assim certa burocratização. Ao longo das décadas de 70 e 80 o movimento ambientalista tecia amplas críticas à sociedade capitalista – especialmente desde uma caracterização das condições de vida urbana e da cultura do consumo. Na década de 90, no entanto, o movimento veio se identificar com a causa de grupos sociais cuja vida dependia intimamente da preservação de florestas e rios – comunidades indígenas, ribeirinhas, pescadores, seringueiros, etc. Tal mudança de postura, segundo a autora, teria atraído toda uma série de investimentos internacionais em projetos de sustentabilidade, assim como a proliferação de associações “verdes”. Com isso, certas bandeiras de crítica ao capitalismo foram abandonadas. Com a crescente visibilidade de membros do partido, e, portanto, do seu próprio fortalecimento, a autora acredita que a relação que ele estabelece com os organismos internacionais e a sociedade civil configurariam uma situação de impasse. Tratar-se-ia de um desafio, aproveitar o fortalecimento para retomar um tom mais crítico às sociedades contemporâneas, ou guardar-se a uma atuação conformista – aquela representada pelas saudações eco- libertárias. 78
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar e diferenciar aspectos formadores da cidadania, votar e ser votado) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Requisitos da cidadania, o que é necessário para votar e para ser votado “O espírito das mudanças eleitorais republicanas [da República de 1889] era o mesmo de 1881, quando foi introduzida a eleição direta. Até esta última data, o processo indireto permitia razoável nível de participação no processo eleitoral, em torno de 10% da população total. A eleição direta reduziu este número para menos de 1%. Com a República houve aumento pouco significativo para 2% da população (eleição presidencial de 1894). Percebera-se que, no caso brasileiro, a exigência de alfabetização, introduzida em 1881, era barreira suficiente para impedir a expansão do eleitorado. O Congresso Liberal de maio de 1889 já o dissera abertamente ao aceitar como indicador de renda legal o saber ler e escrever. O liberal Rui Barbosa, um dos redatores do projeto da Constituição de 1891, fora um dos principais propugnadores da reforma de 1881. Por trás desta concepção restritiva da participação estava o postulado de uma distinção nítida entre sociedade civil e sociedade política. O ponto já fora exposto com clareza por Pimenta Bueno em sua análise da Constituição de 1824. Pimenta Bueno buscou na Constituição francesa de 1791 a distinção, aliás incluída na própria Constituição brasileira, entre cidadão ativos e cidadãos inativos ou cidadãos simples. Os primeiros possuem, além dos direitos civis, os direitos políticos. Os últimos só possuem os direitos civis da cidadania. Só os primeiros são cidadãos plenos possuidores do jus civitatis do direito romano. O direito político, nesta concepção, não é um direito natural: é concedido pela sociedade àqueles que ela julga merecedores dele. O voto, antes de ser direito, é uma função social, é um dever. Era esta, aliás, a posição de John Stuart Mill, talvez o autor que maior influência teve sobre os proponentes da reforma de 1881. Como se sabe, Mill era também contra o voto do analfabeto. Exigia como condição para o exercício do voto até mesmo a capacidade de fazer as operações básicas da aritmética. Sendo função social antes que direito, o voto era concedido àqueles a quem a sociedade julgava poder confiar sua preservação. No Império como na República, foram excluídos os pobres (seja pela renda, seja pela exigência da alfabetização), os mendigos, as mulheres, os menores de idade, as praças de pré, os membros de ordens religiosas. Ficava fora da sociedade política a grande maioria da população. A exclusão dos analfabetos pela Constituição republicana era particularmente discriminatória, pois ao mesmo tempo se retirava a obrigação do governo de fornecer instrução primária, que constava do texto imperial. Exigia-se para a cidadania política uma qualidade que só o direito social da educação poderia fornecer e, simultaneamente, desconhecia-se este direito. Era uma ordem liberal, mas profundamente antidemocrática e resistente a esforços de democratização”. Fragmento do texto de José Murilo de Carvalho, Os bestializados. Leia um trecho da Constituição Federal de 1988. Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante: § 3º - São condições de elegibilidade, na forma da lei: I - a nacionalidade brasileira; II - o pleno exercício dos direitos políticos; III - o alistamento eleitoral; IV - o domicílio eleitoral na circunscrição; V - a filiação partidária; VI - a idade mínima de: a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Senador; 79
  • b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal; c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz; d) dezoito anos para Vereador. § 4º - São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos. • EXPLIQUE quais deveriam ser os requisitos para votar. • Para ser eleito em uma eleição, os requisitos deveriam ser diferentes? EXPLIQUE. • E a mediação pelo partido, você concorda com ela? EXPLIQUE. RESPOSTA: Espera-se que, com esta questão, os alunos possam aprimorar sua compreensão acerca da história da democracia no Brasil. O texto apresenta os diversos condicionantes para o voto no princípio da República brasileira, evidenciando a forma com que a interdição ao voto dos analfabetos excluía grande parte da população ao exercício da cidadania. Afirmava-se, à época, a existência de duas condições de cidadania ativa e cidadania passiva. A reflexão é então complementada por um trecho do artigo 14 da Constituição de 1988, versando sobre os requisitos da elegibilidade. Esperamos que os alunos apresentem motivos para os analfabetos serem votantes, mas não votados – ou, obviamente, que apresentem críticas a tais instituições. Eles podem indicar o fato de que os representantes precisam elaborar projetos, comprometer-se através de documentos, e que por isso saber ler/escrever seria um requisito mínimo. Ademais, o tema da idade necessária para o exercício de cargos públicos pode despertar algumas reflexões acerca de como nossa sociedade relaciona experiência de vida a competência pública. Por fim, esperamos que abordem o tema dos partidos políticos – qual a relevância de sua mediação? Decerto que nem todos devem se mostrar favoráveis aos partidos, no entanto, seria importante ressaltar, ao menos no debate, a forma como estas instituições atuam na estabilização do jogo político – possibilitando a sustentação de projetos comuns, pautas conjuntas, alianças, os quais seriam dificilmente realizáveis em um sistema mais disperso, ausente de partidos. 80
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar as diversas condições para o exercício do voto no Brasil) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Voto no Brasil Leia o trecho a seguir. “Num país desigual como o Brasil, sou favorável ao voto obrigatório não pelo insustentavelmente elitista (e, no limite, autoritário) argumento “educacional” tão freqüentemente mobilizado, mas pelo simples fato de que é crucialmente importante que o direito ao voto esteja absolutamente franqueado, e não vejo outra maneira de impedir que intimidações espúrias ao exercício do voto se façam presentes – a não ser tornando-o obrigatório. “(Bruno Reis, Ir para casa em paz). REDIJA um texto respondendo às questões seguintes: • O voto no Brasil deve ser obrigatório? - Qual a finalidade do caráter compulsório do voto? • O voto deveria ser secreto, ou não? - Qual a finalidade do voto secreto? • Ao longo do processos legislativos, como votação de projetos e leis, o voto dos representantes (vereadores, deputados, senadores) deveria ser secreto? RESPOSTA: Esperamos que os alunos saibam identificar a importância do direito/dever do voto através de um sentimento de democracia – expresso pela ideia de que ninguém pode escolher seus representantes senão os próprios cidadãos. Quanto aos representantes legislativos, espera-se que os alunos apresentem certa consciência de que os princípios que se aplicam aos cidadãos, em geral, não são os mesmos para o exercício da função de vereadores/deputados/senadores. É de se esperar que o voto aberto, se adotado nas eleições diretas, tende a produzir certos constrangimentos sobre as escolhas dos indivíduos. Assim, a “compra do voto” poderia ser mesmo “auditada”. No que se refere aos representantes, o voto aberto é justamente a condição para que exista um acompanhamento e monitoramento da qualidade da representação – valor este vital para a democracia. 81
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar os direitos e deveres da juventude) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Direitos e deveres da juventude A cidadania é, em geral, entendida como uma série de direitos a que uma pessoa tem acessos. Direito ao voto, à saúde, à educação, à imprensa, etc. Nessa consideração, todavia, é normal que se deixe de lado aquela dimensão igualmente importante, os deveres de cidadania. ESCREVA um texto contendo respostas às questões seguintes: • Qual a importância do direito ao voto? • Qual a importância do exercício do voto? • É possível pensá-los separadamente, direito e dever? • Qual a importância do direito à educação? • E para jovens de 16 e 17 anos, para quem o voto é facultativo, qual a importância desse direito/dever? • Qual a importância da proibição do consumo de bebidas alcoólicas para menores de 18 anos? • Qual a importância da proibição do consumo de cigarros para menores de 18 anos? • Por que jovens menores de 18 anos não podem dirigir? • Quais as razões comuns a essas proibições? RESPOSTA: Essa atividade pretende despertar nos alunos a consciência de que a cidadania só é possível desde uma perspectiva que saiba integrar os direitos aos deveres, sem diminuir o peso sobre um dos pratos da balança. É para reforçar esse ponto que procuramos aqui elencar uma série de pontos críticos a esse debate. As primeiras duas questões constituem uma continuação da atividade anterior, podendo portanto ser aproveitada a sua reflexão. Deve-se notar, todavia, que o ponto a ser fixado nesta última atividade é justamente o paralelismo entre direitos e deveres de cidadania – diferente do foco dado à questão 19. Os itens seguintes procuram despertar nos alunos reflexões acerca da cidadania possível entre eles, tanto em termos de direitos quanto deveres. Espera-se que, com suas palavras, sejam capazes de mostrar que a idade de 16 e 17 anos representa uma transição para a juventude brasileira. Tem-se direito a voto, à educação, mas recaem sobre eles também uma série de obrigações e interdições. 82
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar e avaliar a concentração dos meios de comunicação no Brasil) Nível de dificuldade: Médio Assunto: A concentração dos meios de comunicação Reflita sobre a matéria abaixo, de maio de 2009. Brasil lidera pesquisa de preocupação com concentração na mídia A sondagem – encomendada pelo Serviço Mundial da BBC e feita pelas empresas de pesquisa GlobeScan e Synovate – avaliou a opinião de 11.344 pessoas por meio de um questionário. Segundo o levantamento, 80% dos brasileiros se mostram preocupados com a propriedade das companhias de mídia e acreditam que esse controle pode levar à 'exposição das visões políticas' de seus donos no noticiário. Entrevistados de outros países também compartilham da mesma opinião, como no México (76%), nos Estados Unidos (74%) e na Grã-Bretanha (71%) [...]. Segundo pesquisadores brasileiros, essa preocupação popular tem razão de ser. Afirmam eles que cerca de 8 famílias concentram em suas mãos o controle sobre mais de 80% dos meios de comunicação de massa do país. Fonte: BBC a) Você acredita que o controle da informação que circula pelos meios de comunicação pode oferecer algum risco ao cidadão comum? b) Que risco é esse? c) Na sua opinião, o que pode e deveria ser feito para remediar os problemas da concentração da mídia? RESPOSTA: O controle da informação por pequenos grupos compromete sobremaneira a confiança daquilo a que se tem acesso. Naturalmente, esses meios de comunicação não procurarão a própria ruína. Pelo contrário, procurarão assegurar seu lugar na ordem social, e, na medida em que lhes for facultado, tentarão aumentar a sua participação no mercado cultural. Assim, são grandes as chances de que uma parcela das notícias veiculadas omita certas perspectivas, ou apenas apresente-as de forma parcial. De forma mais emergencial, e no intuito de assegurar a qualidade das informações que consumimos, é importante diversificarmos as nossas fontes de notícias. Atualmente, os blogs são uma ótima ferramenta para tal. Ademais, é importante que sejam levadas a cabo mudanças estruturais de democratização dos meios de comunicação. Tal processo envolveria mais transparência e justiça no sistema de concessões de rádios e televisão, bem como o fomento na criação de veículos públicos de informação cultural. 83
  • QUESTÃO (Descritor: Examinar o lugar do consenso e do conflito na política) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Conflito e consenso na política Leia a matéria abaixo, publicada em 19 de novembro de 2009. Executivo e Judiciário divergem sobre prisão de Battisti da Folha Online O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou nesta quinta-feira (19) não haver prazo legal para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva dê a palavra final sobre a extradição do ex-ativista italiano Cesare Battisti. Segundo o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Gilmar Mendes, o caso é singular e teve maiores desdobramentos por ter uma conotação política. O presidente do STF lembrou que a decisão do Ministério da Justiça de conceder o refúgio ao italiano não foi consenso nem dentro da própria Pasta. A) EXPLIQUE o que significa dizer que a extradição de Cesare Batisti tem uma conotação política. B) EXPLIQUE em que medida ela nos ajuda a pensar a política como o espaço do conflito. RESPOSTA: A afirmativa chama atenção para o fato de que estão em debate duas posições ideológicas opostas. De um lado, aqueles que defendem as ações de resistência da esquerda diante de regimes totalitários, e, de outro, aqueles que tomam o posto da defesa da ordem. No Brasil, trata-se de um tema saliente. Lembremos que grande parte dos líderes do Partido dos Trabalhadores atuou em movimentos de resistência durante a ditadura militar que aqui teve lugar. Com isso, existe uma clara identificação e solidariedade com a condição do ativista italiano. Por sua vez, muitos outros políticos e peças importantes na estrutura do Estado estiveram envolvidos com a repressão do período militar. Vejamos, por exemplo, a polêmica em torno da abertura dos cofres da ditadura – isto é, a divulgação dos documentos e registros da repressão. Pensar uma saída para essas situações é abrir a porta para a política, pois não envolve interesses particulares ou privados de alguns grupos, mas temas e valores que são públicos, amplos e de interesse coletivo. Dizem respeito, na verdade, à história e identidade do país. Tanto ao seu passado quanto ao futuro que se pretende escrever. E é por isso que é de suma importância que esses impasses não sejam resolvidos com "simples canetadas", mas com a sensibilização e reflexão dos cidadãos. 84
  • QUESTÃO (Descritor: Aplicar o conceito de política na identificação da política cotidiana) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: A política no cotidiano Considerando a política enquanto a arte de lidar com os problemas que surgem da convivência entre pessoas: A) APRESENTE três situações de seu cotidiano que podem ser interpretadas como politicamente relevantes. B) EXPLIQUE por que considera essas situações como exemplares. RESPOSTA: A resposta deve versar sobre situações concretas do cotidiano em que a convivência com mais pessoas traga problemas que lhe são peculiares. Por exemplo: (1) problemas no trânsito; a pressa de algumas pessoas pode acabar comprometendo o tráfego de muitos, caso fechem um cruzamento. Para evitar esse problema, é preciso que as normas de trânsito sejam respeitadas. (2) problemas na fila da lanchonete; alguns podem não respeitar "a ordem de chegada" e furar a fila. (3) problemas com som alto na vizinhança; um vizinho gosta de ouvir música com o som muito alto, o que incomoda a todos. Igualmente, é necessário recorrer a uma regra que seja aplicável a todos, tendo em vista um princípio justo de organização. 85
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar os tipos de consumo das famílias brasileiras e avaliar a adequação do uso do conceito de sociedade de consumo) Nível de dificuldade: Médio Assunto: O Brasil e a sociedade de consumo Os dados a seguir retratam a distribuição das despesas familiares segundo situação do domicílio (rural ou urbana) e grandes regiões do país. Encontraremos nela a forma com que são gastos os recursos financeiros nos domicílios brasileiros. Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços, Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003. Retirado de financenter.terra.com.br À luz dos debates sobre a indústria cultural, interprete os dados dando especial atenção ao gastos relacionados a vestuário e recreação e cultura. Analisando os dados, é possível identificar referências para afirmar que o Brasil é uma sociedade de consumo? JUSTIFIQUE utilizando dois argumentos. RESPOSTA: Os dados da tabela nos fornecem, sim, indícios da formação de uma sociedade de consumo. Notemos, particularmente, que, em geral, as famílias gastam mais dinheiro com vestuário do que com recreação e cultura. Trata-se, certamente, da expressão de uma preferência cultural e ideológica. Como vimos com os estudiosos da escola de Frankfurt, uma das características da sociedade de consumo é justamente o trânsito fugidio entre estilos de vida através do mercado. 86 Urbana Rural Distribuição das despesas de consumo monetária e não-monetária média mensal familiar, por tipos de despesas, segundo a situação do domicílio e Grandes Regiões Situação do domicílio, Grandes Regiões Distribuição das despesas de consumo monetário e não-monetário média mensal familiar (%) Total Tipos de despesa Alimentação Habitação Vestuário Transporte Higiene e cuidados pessoais Assistência a saúde Educação Recreação e cultura Fumo Serviços pessoais Despesas diversas Brasil 100,00 20,75 35,50 5,68 18,44 2,17 6,49 4,08 2,39 0,70 1,01 2,79 Situação do domicílio 100,00 19,58 36,11 5,67 18,49 2,17 6,59 4,32 2,51 0,68 1,05 2,84 100,00 34,12 28,66 5,74 17,88 2,14 5,39 1,46 1,00 0,83 0,58 2,19 Norte 100,00 27,19 33,42 7,29 15,70 3,00 4,90 2,30 2,17 0,69 0,79 2,56 Nordeste 100,00 26,79 32,27 6,82 16,01 2,95 5,98 3,28 2,05 0,58 0,95 2,32 Sudeste 100,00 18,89 36,67 5,13 18,44 1,94 6,91 4,70 2,55 0,74 1,10 2,93 Sul 100,00 19,95 35,46 5,73 20,65 1,90 6,16 3,47 2,31 0,69 0,84 2,86
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar a constituição e separação dos três poderes do Estado brasileiro) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Os três poderes constitucionais A foto a seguir apresenta três pessoas que ocupavam, em 2008, alguns dos postos mais importantes no sistema político brasileiro: o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva; o presidente do Senado, Garibaldi Alves; e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. Fonte: Agência Brasil a) Após refletir e considerar essa situação, REDIJA um texto diferenciando os três poderes constitucionais (Executivo, Legislativo e Judiciário). b) JUSTIFIQUE a sua separação. RESPOSTA: A resposta dos alunos deve ter como eixo a ideia de que a função da separação dos poderes é o controle mútuo. Lembrando o francês Montesquieu, "só o poder controla o poder". Assim, idealmente, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário se equivalem. Vale lembrar, ainda, que as respostas não devem afirmar a existência de uma "divisão" entre os poderes, mas a sua "separação". Tratam-se de condições distintas. 87
  • QUESTÃO (Descritor: Identificar fatores estruturais que condicionam o acesso ao emprego) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Diferenciais de acesso ao emprego no mercado de trabalho Analise os dados da tabela a seguir. Taxas de Desemprego segundo Raça Brasil - Regiões Metropolitanas 1998 (em %) Regiões Metropolitanas Taxas de desemprego Diferença entre as taxas de negros e não-negros Negros Não-negros São Paulo 22,7 16,1 41% Salvador 25,7 17,7 45% Recife 23,0 19,1 20% Distrito Federal 20,5 17,5 17% Belo Horizonte 17,8 13,8 29% Porto Alegre 20,6 15,2 35% Fonte: DIEESE/SEADE e entidades regionais. PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego Elaboração: DIEESE a) IDENTIFIQUE dois fatores em nossa sociedade que podem ocasionar a diferença nas taxas de desemprego de diferentes grupos raciais. b) EXPLIQUE por que os negros estariam consistentemente mais à margem da ocupação de postos no mercado de trabalho que os não-negros (brancos, amarelos e indígenas – segundo as categorias do IBGE). Procure elaborar a sua resposta dentro de um ponto de vista sociológico. RESPOSTA: As melhores respostas devem apontar duas explicações possíveis. Em primeiro lugar, a posição ocupada por negros e não-negros na estrutura social. Quanto a este aspecto, o aluno pode refletir acerca do perfil sócioeconômico do desempregado, que seria, em geral, pobre e com baixa escolaridade. Sendo os negros aqueles que historicamente mais se encontram nessa situação, seria esperado que dentre o seu grupo racial tivessem mais desempregados. Sendo os brancos aqueles com mais acessos a recursos educacionais e de renda, seriam mais empregados que os negros. A segunda forma de explicar o diferencial nos dados é indicar o preconceito inscrito nos processos de seleção. Neste momento, negros seriam preteridos por brancos. 88
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar os condicionantes de raça e sexo no acesso ao mercado de trabalho) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Diferenciais de acesso ao emprego no mercado de trabalho Analise a tabela a seguir. Taxas de Desemprego por Sexo segundo Raça Brasil - Regiões Metropolitanas 1998 (em %) Regiões Metropolitanas Negros Não-negros Diferença entre as taxas Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres negras e mulheres não-negras Homens negros e homens não-negros São Paulo 25,0 20,9 19,2 13,8 19,6% 51,4% Salvador 27,6 24,0 20,3 15,2 36,0% 57,9% Recife 26,3 20,5 22,6 16,2 16,4% 26,6% Distrito Federal 22,4 18,9 21,0 14,2 6,7% 33,1% Belo Horizonte 20,5 15,8 16,8 11,5 22,0% 37,4% Porto Alegre 22,7 19,2 18,1 13,1 25,4% 46,6% Fonte: DIEESE/SEADE e entidades regionais. PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego Elaboração: DIEESE Considerando as taxas de desemprego conforme grupos raciais e sexo, IDENTIFIQUE dois fatores sociais que explicam as razões para o homem branco e a mulher negra constituírem grupos em condições opostas no mercado de trabalho. RESPOSTA: As melhores respostas a essa pergunta devem seguir o mesmo padrão da questão anterior, acrescentando, no entanto, os referenciais de sexo/gênero. Assim, versariam tanto sobre o perfil "típico" do desempregado, quanto sobre discriminação e preconceito em processos de seleção. 89
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar diferenciais de gênero no mercado de trabalho) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Diferenciais de renda no mercado de trabalho Leia e reflita acerca da notícia a seguir, publicada no dia 29 de novembro de 2009. Mulher ganha até 28,5% menos A histórica diferença salarial entre homens e mulheres é ainda mais evidente entre as pessoas com deficiência. Enquanto na população brasileira em geral mulheres ganham 17,2% menos que homens, entre quem tem alguma deficiência a diferença chega a 28,5%. A remuneração das mulheres é inferior em qualquer recorte -como escolaridade, setor de atividade ou tipo de deficiência- que se faça nos dados da Rais 2008 (Relação Anual de Informações Sociais), elaborada pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) [...]. Fonte: Folha de São Paulo. a) IDENTIFIQUE duas formas de se combater a discriminação de gênero no mercado de trabalho. b) ESCOLHA a forma que você considera mais apropriada para combater a discriminação tratada no trecho. JUSTIFIQUE sua resposta. RESPOSTA: a) As melhores respostas citariam duas formas de se combater este preconceito. Em primeiro lugar, indicariam a valorização do trabalho da mulher, ressaltando o valor da igualdade, como forma de se anular este referencial de discriminação. Em segundo lugar, a adoção de princípios formais de igualdade de remuneração. b) Dado à dificuldade de se realizar esta segunda forma de combate à discriminação, a primeira poderia ser considerada como mais desejável. Todavia, trata-se aqui de considerar a opinião do aluno. Resta avaliar a medida com que a sua resposta foi pertinente. 90
  • QUESTÃO (Descritor: Analisar o racismo no Brasil) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Racismo no Brasil Leia e reflita acerca da notícia a seguir, publicada no dia 24 de novembro de 2009. Polícia apura denúncia de racismo em moradia estudantil da USP A polícia abriu inquérito para apurar denúncia de racismo durante uma reunião entre as pessoas que vivem na residência estudantil da Universidade de São Paulo (USP). [...] A aluna do curso de história Luanda Dessana Ferreira dos Santos, 26 anos, que era a tesoureira na época do ocorrido, começou a ser acusada do crime. No calor da discussão, um rapaz que nem seria aluno da USP teria insultado a universitária com palavrões. Luanda conta que rebateu e disse que ele era racista, ao que o rapaz teria retrucado: 'Sou mesmo racista' [...]. Fonte: G1 Considerando o tema, EXPLIQUE a forma mais apropriada de se combater o racismo no Brasil. RESPOSTA: As melhores respostas devem seguir os passos iniciais da resposta anterior. Em primeiro lugar, desde uma abordagem culturalista, a valorização do negro tendo em vista a igualdade; e, em segundo lugar, desde uma perspectiva mais formalista, a criação de políticas punitivas às práticas de racismo. Não existiria uma forma singular melhor ou mais apropriada para o combate do racismo, essas duas formas deveriam ser utilizados integradamente. 91
  • QUESTÃO (Descritor: Refletir criticamente acerca da ideia de mérito como critério na seleção ao ensino superior) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: A seletividade do mérito no ensino superior no Brasil Leia o texto. “As cotas e políticas raciais são rejeitadas sob a alegação de que anulam o princípio da meritocracia, um argumento comum na seção de cartas dos jornais brasileiros e que, recentemente, surgiram nas ações na Justiça contra a aplicação da Lei de Cotas na UERJ. Os críticos partem do princípio de que a admissão à universidade, que é totalmente baseada apenas no resultado de provas de admissão (o vestibular), é inequivocamente baseada em mérito. Entretanto, passar no vestibular parece ter muito mais relação com a habilidade do candidato em pagar cursinhos, geralmente caros, de preparação para vestibular e em dedicar um ano ou mais inteiramente aos estudos para as provas, do que da habilidade em ter êxito na faculdade. No mais, a qualidade muito superior das escolas da classe média branca dá a seus alunos maior chance de passar no vestibular. A meritocracia, conforme descrita na origem do termo [o poder dos melhores, isto é, um sistema no qual recompensas são concedidas aos mais preparados], é utópica, porque busca recompensar indivíduos com base na inteligência ou nas habilidades cognitivas [isto é, de entendimento]; e isto não ocorre em lugar algum. A admissão à universidade parece, então, ser muito mais uma 'testocracia' do que uma 'meritocracia'. A aprovação no vestibular é, na melhor das hipóteses, um teste de mérito muito questionável” (fragmento retirado da página 287 de Racismo à brasileira, de Edward Telles – publicado pela Editora Relume & Dumará, em 2003). Quando foi redigido o texto, as instituições educacionais brasileiras ainda não utilizavam sistematicamente o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) como forma de seleção de candidatos ao ensino superior. Você considera que o ENEM é passível das mesmas críticas acima elencadas ao sistema de vestibular? JUSTIFIQUE sua resposta. RESPOSTA: A questão coloca em evidência uma das principais críticas daqueles que se colocam contra a adoção de cotas na seleção para o vestibular. Espera-se que o aluno consiga compreender a ideia de mérito e avaliar criticamente a medida com que o ENEM é alternativo ao sistema de vestibular. Poderia, assim, responder positiva ou negativamente. O mérito, assim como colocado no texto citado, é o único critério relevante para o vestibular. Todavia, como ele indica, existem condicionalidades para atingir o suposto mérito. É preciso de tempo para estudar, o que dificulta a situação daqueles que tem de dividir seu tempo entre trabalho e estudos. Da mesma forma, um curso pré-vestibular poderia potencializar o mérito de um candidato. Novamente, aqueles em piores condições socioeconômicas encontram-se em uma situação desfavorecedora. 92
  • QUESTÃO (Descritor: Refletir sobre e aplicar a ideia de violência de gênero) Nível de dificuldade: Médio Assunto: Violência de gênero Imagem retirada de www.tudonabahia.com.br ESCREVA um texto refletindo acerca da relação entre gênero e poder em sua cidade. Para desenvolver seu raciocínio, você pode pensar em temas como: qual a relação entre homens e mulheres, assim como o lugar das minorias de gênero (GLBT) no espaço em que você convive. Existe preconceito de gênero nos locais em que você transita? O respeito às pessoas é condicionado por sua identificação de gênero? E a violência doméstica, é comum? O que deve ser feito para superar essas desigualdades? RESPOSTA: Espera-se que o aluno aplique ao seu contexto de vida as reflexões acerca da violência de gênero. Com isso, ele poderia tratar de como a violência doméstica é ou não um problema, a sua visibilidade, por exemplo. Ademais, poderia ainda tratar de como seu contexto mais próximo (seja a cidade, escola, etc.) existem ou não formas de preconceito a grupos minoritários de gênero. QUESTÃO (Descritor: Analisar e refletir sobre relações raciais no Brasil) Nível de dificuldade: Fácil Assunto: Miscigenação e relações raciais no Brasil Historicamente, a sociedade brasileira foi sempre vista como fortemente miscigenada. Diferente de países como Estados Unidos e África do Sul, o racismo no Brasil não teria chegado a cindir a sociedade radicalmente. Reflita acerca da sua cidade e de seu contexto mais próximo indicando a medida com que existe ou não racismo. Para ajudá-lo(a) em seu texto, reflita sobre as seguintes questões: brancos e negros costumam frequentar os mesmo lugares? Quais seriam os impedimentos para que frequentem os mesmos lugares? Todos têm acesso às mesmas carreiras profissionais? E o seu alcance educacional, é similar? RESPOSTA: Espera-se que o aluno reflita acerca do racismo em seu contexto de vida. Com isso, sua resposta pode se voltar sobre o mercado de trabalho (sobre o fato de que os empregos que melhor remuneram são geralmente ocupados por brancos, ou acerca do fato que negros tem maiores barreiras para ingressar no mercado de trabalho formal, etc), assim como na sua relação com o aproveitamento educacional (em geral, mais do que os brancos, negros tem de dividir seu tempo entre trabalho e estudos, o que implica em pior aproveitamento dos estudos), etc. 93
  • QUESTÃO (Descritor: Refletir criticamente acerca do lugar da violência na cultura jovem) Nível de dificuldade: Difícil Assunto: Cultura e violência entre os jovens Veja a seguir uma tabela que contém dados de taxas de Homicídio (em 100.000) na População de 0 a 19 anos, por Região Metropolitana. Brasil, 1997/2007 (Retirado de Mapa da Violência 2010, de Julio Jacobo Waiselfisz). Atualmente, os jovens constituem uma das faixas etárias com maior taxa de mortalidade. Os dados aqui apresentados fornecem algumas informações acerca de uma das principais causas de mortalidade nessa faixa etária, o homicídio. Valendo-se de reflexões em sala, assim como de informações de nosso dia a dia, IDENTIFIQUE quais poderiam ser os elementos a explicar a variação nas taxas de homicídio na tabela citada. RESPOSTA: Tal questão não espera que os alunos respondam os motivos reais para a variação dos casos de homicídios entre jovens, mas que apenas enunciem algumas explicações possíveis. Com isso, espera-se que sejam capazes de vislumbrar os condicionantes de tal forma de crime – como a implementação de políticas específicas de segurança, diminuição ou aumento da desigualdade social, diminuição ou aumento do tráfico de drogas, maior ou menor acesso a armas de fogo, assim como demais fatores que podem estar envolvidos com a pacificação da sociedade (como um adensamento de valores religiosos, por exemplo). 94
  • QUESTÃO (Descritor: Conceituar e aplicar a ideia revolução no contexto contemporâneo do Brasil) Nível de dificuldade: Médio Assunto: O conceito de revolução e o sistema de seleção de candidatos ao ensino superior “O termo 'revolução' encerra uma ambiguidade (aliás, na verdade muitas, mas fiquemos aqui na principal) que tem dado margem a frequentes confusões. No sentido em que é ordinariamente usado, 'revolução' quer dizer o emprego da força e da violência para a derrubada de governo e tomada do poder por algum grupo, categoria social ou outra força qualquer na oposição. 'Revolução' tem aí o sentido que mais apropriadamente caberia ao termo 'insurreição'. Mas 'revolução' tem também o significado de transformação do regime político-social que pode ser, e em regra tem sido, historicamente desencadeada ou estimulada por insurreições. Mas que necessariamente não o é. O significado próprio se concentra na transformação, e não no processo imediato através de que se realiza. A Revolução Francesa, por exemplo, foi desencadeada e em seguida acompanhada, sobretudo em seus primeiros tempo, de sucessivas ações violentas. Mas não foi isso, por certo, que constituiu o que propriamente se entende por 'revolução francesa'. Não são, é claro, a tomada da Bastilha, as agitações camponesas de julho e agosto de 1789, a marcha do povo sobre Versalhes em outubro do mesmo ano, a queda da Monarquia e a execução de Luís XVI, o terror e outros incidentes da mesma ordem que constituem a Revolução Francesa, ou mesmo simplesmente que a caracterizam e lhe dão conteúdo. 'Revolução' em seu sentido real e profundo, significa o processo histórico assinalado por reformas e modificações econômicas, sociais e políticas sucessivas, que, concentradas em período histórico relativamente curto, vão dar em transformações estruturais da sociedade e, em especial, das relações econômicas e do equilíbrio recíproco das diferentes classes e categorias sociais. O ritmo da História não é uniforme. Nele se alternam períodos ou fases de relativa estabilidade e aparente imobilidade, com momentos de ativação da vida político-social e bruscas mudanças em que se alteram profunda e aceleradamente as relações sociais. Ou, mas precisamente, em que as instituições políticas, econômicas e sociais se remodelam a fim de melhor se ajustarem e melhor atenderem a necessidades generalizadas que antes não encontravam devida satisfação. São esses momentos históricos de brusca transição de uma situação econômica, social e política para outra, e as transformações que então se verificam, que constituem o que propriamente se há de entender por 'revolução'” (retirado de O que é revolução?, de Caio Prado Junior). Valendo-se do que foi apresentado no texto, você considera que a remodelação recente do sistema de seleção de alunos para o estudo em universidades federais, perceptível na adoção do ENEM ou de algum outro método alternativo/complementar ao vestibular, constitui passos de uma revolução silenciosa? JUSTIFIQUE sua resposta considerando que tipo de revolução seria essa. RESPOSTA: Espera-se que o aluno apresente argumentos a favor ou contra a ideia de que o ENEM e as recentes reformas nas formas de seleção de acesso ao ensino superior indiquem avanço no combate às desigualdades sociais. O texto que acompanha a questão apresenta indicação para se pensar esse suposto avanço em termos de uma revolução silenciosa, o que poderia ser aproveitado pelo aluno. 95