Principais formas de organização do trabalho

513 visualizações

Publicada em

Taylorismo, Fordismo, Toyotismo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Principais formas de organização do trabalho

  1. 1. Geografia Aplicada – Prof. ZuluGeografia Aplicada – Prof. Zulu Vamos estudar???
  2. 2. • Principais Formas de Organização do Trabalho: • Taylorismo, • Fordismo, • Toyotismo.
  3. 3. • Taylorismo: • Organização do trabalho sistematizada pelo engenheiro estadunidense Frederich Winslow Taylor por volta de 1900; • Consiste na rígida separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos.
  4. 4. • Existe um controle sobre o tempo gasto em cada tarefa e um constante esforço de racionalização (simplificar), para que a tarefa seja executada num tempo mínimo; • Taylor impôs uma rígida divisão do trabalho, além da introdução da inspeção de qualidade e ênfase ao planejamento da produção. • Taylor chamou esse sistema de “administração científica do trabalho”
  5. 5. •O taylorismo aumenta a produtividade da fábrica e a exploração do trabalhador, que passa a produzir mais em menos tempo.
  6. 6. • Fordismo: • É uma forma de produção onde prevalece a produção em massa, com os produtos ou as mercadorias todos padronizados ou (produção em série). • A mão de obra predominante na produção fordista é “técnica”, com operários que têm baixa escolaridade e algum treinamento profissionalizante.
  7. 7. • O nome fordismo é uma referência a Henry Ford, criador da empresa “Ford” que implantou esse sistema pioneiramente no início do século XX. • Nas fábricas da Ford Motor Company, fundada por ele, o automóvel a ser montado se deslocava por uma esteira rolante, enquanto os operários, dispostos junto à esteira, realizavam operações padronizadas.
  8. 8. • Característicos do fordismo, os gestos repetitivos na produção industrial correspondiam à sincronização de movimentos estudada pelo engenheiro James Taylor (1856-1915), que acelerava ao máximo a produção e obrigava o trabalhador a operar no ritmo febril das máquinas. • Ford percebeu a vantagem de pagar salários razoáveis aos operários, para que pudessem adquirir os veículos que fabricavam.
  9. 9. • A meta principal do fordismo era a produção em massa, com o barateamento da produção e consequentemente do próprio produto, aumentando, assim, o mercado consumidor. • No tocante à organização sindical, as fábricas fordistas, que reuniam milhares de operários, foram o celeiro ideal para o preenchimento das fileiras dos grandes sindicatos.
  10. 10. • Toyotismo ou Produção Flexível: • Sistema criado por Eiji Toyoda e Taichi Ohno na fábrica da Toyota (Japão) após a década de 1950; • É uma forma de produção onde prevalece a preocupação com o controle de qualidade – daí existir uma tendência para reduzir o desperdício a zero – e, consequentemente, com a elaboração de produtos não massificados e mais personalizados, com menor custo e melhor qualidade, geralmente com mecanismos “inteligentes”, como chips;
  11. 11. • A mão de obra é qualificada e com elevada escolaridade e passa a ter funções que exigem iniciativa, criatividade, estudos mais aprofundados e capacidade de tomar decisões; • Também é conhecida como pós-fordismo. • A fábrica toyotista é menor, com menos operários, e tem metas aparentemente menos ambiciosas.
  12. 12. • Ela visa uma produção mais flexível, ajustada à demanda, que lhe garanta a ocupação de nichos de mercado. • É o chamado sistema just in time: produzir o necessário, na quantidade necessária e no tempo necessário. • No esquema toyotista existem equipes de produção que atuam em conjunto como os membros de um time esportivo.
  13. 13. • O operário toyotista deve pensar por si mesmo, saber interpretar um livro de instruções redigido por engenheiros, ler um manual técnico em língua estrangeira e assim por diante. • O fato de as equipes competirem entre si criou certa rivalidade entre os trabalhadores e a difusão do modelo toyotista contribuiu para o enfraquecimento dos sindicatos.
  14. 14. • Just in time: • Do inglês, “exatamente no tempo” ou “no tempo justo” (produção enxuta); • É um método ou técnica de produção inventado no Japão e atualmente difundido por quase todo o mundo: • Consiste em produzir no tempo certo e na quantidade exata, evitando a necessidade de estocagem e também os desperdícios.
  15. 15. • As matérias-primas e os insumos industriais são requisitados junto aos fornecedores à medida em que há demanda e parte da produção é terceirizada. • Com a adoção do just in time, as fábricas passaram a economizar dinheiro e espaço na estocagem de matérias-primas e mercadorias, além de agilizar a produção e a circulação.

×