Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária

3.664 visualizações

Publicada em

Técnicas e drogas empregadas às anestesias terminais infiltrativas e bloqueios regionais utilizados para dessensibilização da cavidade oral de cães e de gatos.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
15 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.664
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
114
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
15
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bloqueios regionais e anestesia local para odontologia veterinária

  1. 1. Bloqueios regionais e Anestesia local para Odontologia Veterinária Prof. Dr. Daniel G. Ferro . Mestre e Doutor pela FMVZ-USP . Equipe Odontovet . Co-coordenador do Curso de Especialização em Odontologia Veterinária da Anclivepa-SP . Ex-presidente da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária deferro@usp.br www.slideshare.net/danielgferro
  2. 2. Dor Transdução (nociceptores periféricos) Transmissão (trigêmio) Modulação (Nucleus caudalis) Beckman, 2006
  3. 3. O fármaco ideal Preço Atóxico e não irritante Período de ação adequado Início de ação rápido Ação reversível Ausência de sequelas Passível de esterilização Estabilidade Solubilidade em água Compatível com vasopressores Não interferir com outros fármacos
  4. 4. Vantagens •aumenta-se a eficiência analgésica trans-cirúrgico e no pós-operatório •reduz-se o consumo do anestésico geral (segurança) •favorece rápida recuperação da consciência •favorece rápido restabelecimento por manter o consumo hídrico e alimentar. •técnicas facilmente realizadas •não oferecem riscos, quando bem utilizadas •Redução hemorragia local (vasoconstritores)
  5. 5. Bupivacaína 0,5% Lidocaína 2% Mepivacaína 2 ou 3% Prilocaína 4% Anestésicos mais utilizados na rotina odontológica
  6. 6. Tempo de ação Alta retenção proteica – Longa duração - 4 a 8 horas de duração Bupivacaina 0,5% Maior tempo de latência – 20 minutos Baixa retenção proteica – Curta duração - 45 minutos a 2 horas de duração (sem adição de vasoconstritores) Lidocaína 2% Menor tempo de latência – 3 a 5 minutos Cão - 2 mg/kg Gato - 1,5 mg/kg Prilocaína 4% - (9 mg/kg cão) Mepivacaína 2 ou 3% - (6 mg/kg - cão, 3 mg/Kg – gato) Cão - 2-7 mg/kg sem epinefrina; 9 mg/kg com epinefrina Gato - 3-4 mg/kg
  7. 7. Tempo de ação Ação intermediária Associações com vasoconstritores Aumenta tempo de ação por retardar absorção pelos vasos sanguíneos Lidocaína 2% + Epinefrina (1:50.000 ou 1:100.000) De 3 a 5 horas Mepivacaína 2% + Epinefrina (1:100.000) De 3 a 5 horas Prilocaína 4% + Epinefrina (1:200.000) De 3 a 8 horas
  8. 8. Associações Bupivacaína e Lidocaína Compensa latência e tempo de ação de ambas drogas Volumes recomendados para bloqueios regionais com associação de bupivacaína 0,5% e lidocaína 2,0% para cães e gatos com menos de 4,0 kg Diluição em solução salina 0,9% para ajuste de volumes Beckman, B. W. Pathophysiology and management of surgical and chronic oral pain in dogs and cats. Journal of Veterinary Dentistry. Vol. 23, n. 1, 2006
  9. 9. Associações Bupivacaína e Lidocaína Compensa latência e tempo de ação de ambas drogas Volumes recomendados para bloqueios regionais com associação de bupivacaína 0,5% e lidocaína 2,0% para cães e gatos com 4,0 kg ou mais (Para um local somente) Beckman, B. W. Pathophysiology and management of surgical and chronic oral pain in dogs and cats. Journal of Veterinary Dentistry. Vol. 23, n. 1, 2006
  10. 10. Associações Bupivacaína e Lidocaína Compensa latência e tempo de ação de ambas drogas Volumes recomendados para bloqueios regionais com associação de bupivacaína 0,5% e lidocaína 2,0% para cães e gatos com 4,0 kg ou mais (Para dois locais) Beckman, B. W. Pathophysiology and management of surgical and chronic oral pain in dogs and cats. Journal of Veterinary Dentistry. Vol. 23, n. 1, 2006
  11. 11. Associações Bupivacaína e Lidocaína Compensa latência e tempo de ação de ambas drogas Volumes recomendados para bloqueios regionais com associação de bupivacaína 0,5% e lidocaína 2,0% para cães e gatos com 4,0 kg ou mais (Para três locais) Beckman, B. W. Pathophysiology and management of surgical and chronic oral pain in dogs and cats. Journal of Veterinary Dentistry. Vol. 23, n. 1, 2006
  12. 12. Indicações Cirurgias periodontais Terapias endodônticas (polpa viva e paraendodontia) Exodontidas múltiplas Implantes Cirurgias oncológicas
  13. 13. Estados inflamatórios Mepivacaína 2 a 3% Baixo pKa Melhor ação em ambientes de inflamação e infecção (pH tecidual 5,5 a 5,6)
  14. 14. Precauções Bizel da agulha – voltado ao osso – evita periósteo Carpule com sistema de aspiração Infiltração lenta – 1,8ml em 3 minutos Antissepsia local Equipamento estéril Evitar a infiltração em área contaminadas Preferir infiltrações mesiais ou distais Bloqueios regionais
  15. 15. Carpule
  16. 16. Carpule
  17. 17. Técnica Anestesias terminais Tópica – superficial, somente mucosas – 0,5mm a 1mm Infiltrativa – infiltrações mais profundas, maior distribuição (maxila) Anestesias por bloqueio Regionais – mais usada em odontologia veterinária Tronculares * Deposição do anestésico antes de sua penetração em osso e tecidos moles
  18. 18. Anestesia terminal infiltrativa Supraperiosteal (maxila) www.hs-menezes.com/anestesia
  19. 19. Técnica - Infiltrativas Intraligamentar (pequenos volumes)
  20. 20. Técnica - Infiltrativas Intrapulpar
  21. 21. Técnica - Maxila Forâme infraorbitário Fossa pterigopalatina Forâme palatinos maior e menor Forâmes incisivos
  22. 22. Técnica - Maxila Infraorbitário – Bloquio regional rostral
  23. 23. Técnica - Maxila Infraorbitário – Gatos 3 a 4mm
  24. 24. Técnica - Maxila Infraorbitário
  25. 25. Técnica - Maxila Bloqueio regional distal Fossa pterigopalatina Nervo IO e ramos alveolares caudais superiores
  26. 26. Técnica - Maxila Fossa pterigopalatina
  27. 27. Técnica - Maxila Forâmes palatinos
  28. 28. Técnica - Maxila Forâmes palatinos
  29. 29. Técnica - Maxila Forâmes incisivos
  30. 30. Técnica – Mandíbula Nervo alveolar inferior Forâme mandibular – Bloqueio regional caudal
  31. 31. Técnica – Mandíbula Nervo alveolar inferior Forâme mandibular
  32. 32. Técnica – Mandíbula Nervo alveolar inferior Forâme mandibular
  33. 33. Técnica – Mandíbula Nervo alveolar inferior Forâmes mentonianos - Bloqueio regional caudal
  34. 34. Técnica – Mandíbula Nervo alveolar inferior Forâmes mentonianos
  35. 35. Complicações Artéria maxilar – exoftalmia Nervo infraorbitário – lesão Autotrauma de lábio e de língua Intoxicação Parestesia
  36. 36. Complicações
  37. 37. Complicações
  38. 38. Complicações
  39. 39. Inscrições e informações info@anclivepa-sp.com.br 11- 3813-6568

×