3º ano - Guerra do Contestado
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Curtiu isso? Compartilhe com sua rede

Compartilhar

3º ano - Guerra do Contestado

  • 11,577 visualizações
Uploaded on

Prof Daniel Bronstrup - Colégio Murialdo, Araranguá-SC

Prof Daniel Bronstrup - Colégio Murialdo, Araranguá-SC

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Be the first to comment
No Downloads

Visualizações

Visualizações totais
11,577
No Slideshare
11,019
A partir de incorporações
558
Número de incorporações
6

Ações

Compartilhamentos
Downloads
413
Comentários
0
Curtidas
3

Incorporar 558

http://profhistdaniel.blogspot.com.br 495
http://www.profhistdaniel.blogspot.com.br 58
http://profhistdaniel.blogspot.com 2
http://translate.googleusercontent.com 1
https://twitter.com 1
https://insiderbrazil.wordpress.com 1

Conteúdo do relatório

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Guerra do Contestado 1912-1916.
  • 2. Guerra do Contestado 1912-1916.• Período Histórico: Outubro de 1912 a agosto de 1916• Envolvidos: – população cabocla; – representantes do poder estadual e federal brasileiro;• Palco do Conflito: região rica em erva-mate e madeira pretendida pelo Paraná e Santa Catarina (Contestado).
  • 3. CAUSAS DO CONFLITO:• Questão da divisa entre Paraná e Santa Catarina;• Ausência do governo no território disputado;• Presença do capital internacional; – Brazil Railway Company, de propriedade do empresário Percival Farquhar, que também era dono da Southern Brazil Lumber and Colonization Company.• Conflitos fundiários decorrentes da instalação da ferrovia;• Estratificação social centrada no coronelismo;• Sistema econômico regional pautado no extrativismo florestal;• Disputas políticas localizadas.
  • 4. Envolvidos:• 10.000 soldados do Exército Encantado de São Sebastião;• 7.000 soldados do Exército Brasileiro e 1.000 civis contratados. • Presidentes envolvidos: – Hermes da Fonseca (1910/1914) – Venceslau Brás (1914/1918) • Governadores envolvidos:• Santa Catarina: – Vidal Ramos (1910/1914) – Felipe Schimitd (1914/1918)• Paraná: – Carlos Cavalcanti (1912/1916) – Afonso Camargo (1916/1920)
  • 5. Área localizada entre os rios do Peixe e Peperi-guaçu, estendendo aos territórios decuritibanos e campos novos.Região disputada pelos dois estados desde 1853, quando dacriação da Província do Paraná, permanecendo em litígio até o período republicano.
  • 6. A CONSTRUÇÃO DA ESTRADA DE FERRO.• Originalmente, os moradores da região eram: • posseiros caboclos e pequenos fazendeiros que viviam da comercialização daqueles produtos.• No final do século XIX, o governo brasileiro autorizou a construção de uma estrada de ferro ligando os Estados de São Paulo e Rio Grande do Sul. – desapropriou uma faixa de terra, de aproximadamente 30 km de largura, • uma espécie de "corredor" por onde passaria a linha férrea.
  • 7. A CONSTRUÇÃO DA ESTRADA DE FERRO.• A responsável pela construção: a empresa norte-americana Brazil Railway Company, de propriedade do empresário Percival Farquhar, que também era dono da Southern Brazil Lumber and Colonization Company, uma empresa de extração madeireira. – Com isso, os pequenos fazendeiros que trabalhavam na extração da madeira foram arruinados pelo domínio da Lumber sobre as florestas da região.• A construção da estrada acabou atraindo muitos trabalhadores para a região onde ocorreria a Guerra do Contestado. – Com o fim das obras, o grande número de migrantes que se deslocou para o local ficou sem emprego e, consequentemente, numa situação econômica bastante precária.
  • 8. Os principais elementos político-econômicos que levaram à eclosão da Guerra do Contestado.• Os termos do acordo firmado com o governo brasileiro levaram, de uma só vez: – à expulsão dos posseiros que trabalhavam no local, – à falência de vários pequenos fazendeiros que viviam da extração da madeira – formação de um contingente de mão-de-obra disponível e desempregada ao fim da construção.• Outro elemento importante para o início do conflito: – o messianismo: A região era frequentada por monges que faziam trabalhos sociais e espirituais e, vez ou outra, envolviam-se também com questões políticas - o que lhes dava certo destaque entre os moradores daquela localidade.
  • 9. João Maria D’Agostini• O primeiro deles, o monge Giovanni "João" Maria DAgostini, era imigrante italiano e residiu em Sorocaba (São Paulo), mudando-se em seguida para o Rio Grande do Sul, onde viveu entre os anos de 1844 e 1848. – Sua prisão foi decretada em 1848, pelo General Francisco José d’Andréa (Barão de Caçapava), mediante o temor de levantes e concentrações populares que começavam a ser comuns naquela região, ficando o monge foi proibido de voltar ao Rio Grande do Sul. Refugiou-se na Ilha do Arvoredo (SC), depois em Lapa (PR), na serra do Monge, e em Lages (SC), desaparecendo misteriosamente em seguida.
  • 10. João Maria de Jesus.• O segundo monge.• surgiu também misteriosamente, no Paraná e Santa Catarina, tendo vivido entre os anos de 1886 e 1908, havendo, na ocasião, uma identificação com o primeiro, de quem utilizava os mesmos métodos, com curas por ervas, conselhos e água de fontes.• Acredita-se que seu verdadeiro nome é Atanás Marcaf
  • 11. MONGE JOSÉ MARIA• O terceiro monge, José Maria, surgiu em 1911 no município de Campos Novos (SC), e foi, segundo alguns historiadores, um ex-militar. De acordo com um laudo da polícia de Vila de Palmas, no Paraná, seu verdadeiro nome era Miguel Lucena de Boaventura, um soldado desertor condenado por estupro. Dizia ser irmão do primeiro monge e adotou o nome de José Maria de Santo Agostinho. – Utilizava, também, os mesmos métodos de cura dos anteriores, mas, ao contrário do isolamento, organizava agrupamentos, fundando os “Quadros Santos”, acampamentos com vida própria, e os “Pares de França”, uma guarda especial formada por 24 homens que o acompanhavam(numa alusão à cavalaria de Carlos Magno na Idade Média).
  • 12. MONGE JOSÉ MARIA• Tudo pertencia a todos.• O comércio convencional foi abolido, sendo apenas permitidas trocas.• É de destacar a importância atribuída às mulheres nesta sociedade. A virgindade era particularmente valorizada.• Bandeira da "Monarquia Celestial". – Branca com uma cruz verde, evoca os estandartes das antigas ordens monástico militares como as dos templários, por exemplo.• Para o monge, a república era a "lei do diabo".• Nomeou "imperador do Brasil" um fazendeiro analfabeto, nomeou a comunidade de "Quadro Santo“.
  • 13. A GUERRA:• A mobilização na região passou a incomodar o governo federal não apenas por crescer rapidamente, com a formação de novas comunidades, mas também porque os rebeldes passaram a associar os problemas econômicos e sociais à República. – Ao mesmo tempo, os coronéis locais ficaram incomodados com o surgimento de lideranças paralelas, como José Maria. – Já a Igreja, diante do messianismo que envolvia o movimento, também defendeu a intervenção na região.
  • 14. A GUERRA:• De forma autoritária e repressiva, os governos do Paraná e de Santa Catarina, articulados com o presidente Hermes da Fonseca, começaram a combater os rebeldes. – são enviadas tropas do Regimento de Segurança do Paraná, sob o comando do coronel João Gualberto, que junto com José Maria, morre no combate.• Principais Redutos: Irani, Taquaruçú, Caraguatá, Santa Maria. – Uniram-se ao grupo os fazendeiros prejudicados pela presença da Lumber na região. Embora tenham tido pouco sucesso nos dois primeiros anos do conflito, as forças oficiais obtiveram, a partir de 1914, sucessivas vitórias sobre os revoltosos . – Com a nomeação do General Setembrino de Carvalho para o comando das operações contra os fanáticos, a guerra muda de posição.
  • 15. A GUERRA:• Famintos e com cada vez mais baixas, diante do conflito prolongado, da força e crueldade das tropas oficiais e da epidemia de tifo, os revoltos caminharam para a derrota final, consumada em agosto de 1916 com a prisão de Deodato Manuel Ramos, último líder do Contestado.
  • 16. A GUERRA:• Na data de 12 de outubro de 1916, os governadores Filipe Schmidt [Santa Catarina] e Afonso Camargo [Paraná] assinaram um acordo e o município de “Campos do Irani” passou a se chamar Concórdia.